Notícias

Banca de DEFESA: KARINA VIANA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KARINA VIANA DA SILVA
DATA: 30/04/2019
HORA: 08:30
LOCAL: Sala de aula do PPGHB
TÍTULO: A Vila, o Padre e a Cidade: a Vila da Paz e suas histórias na luta por moradia (Teresina, 1986- 1990).
PALAVRAS-CHAVES: História. Cidade. Memória. Moradia. Teresina-PI (Séc. XX).
PÁGINAS: 175
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
RESUMO:

A presente pesquisa tem como objetivo analisar o contexto histórico da ocupação daVila da Paz em meio ao crescimento e a urbanização de caráter intenso e concentrador da cidade de Teresina, durante a redemocratização, considerando como fio condutor o protagonismo dos primeiros moradores, aliado a atuação do padre suíço Pedro Balzi, personagem de relevo na história da Vila e de seus moradores na luta pelo direito à cidade, representado, sobretudo, pelo acesso à moradia. Dessa maneira, a pesquisa analisa os mecanismos utilizados pelos atores da configuração histórica da Vila, bem como as disputas que se deram entre os personagens; os ocupantes, o poder público e os sujeitos que se julgavam proprietários do terreno que se transformaria na comunidade que modificaria os modos de luta por moradia e resistência, posto que, se procura analisar as memórias dos primeiros moradores, por meio da história oral, visando observar como a subjetividade torna-se inerente ao processo de rememoração, tendo em vista que as memórias sobre os acontecimentos da construção da Vila da Paz, constituem-se como uma representação sobre o fato transcorrido, no entanto, busca-se apoio nas fontes oficiais para compor o rol de fonte. Localizada na zona sul de Teresina, o objeto insere-se no recorte de 1980 a1990, tomando como ponto de partida das análises o contexto social da capital na década de oitenta, atentando para reverberação do processo migratório e como tal ação influenciou no crescimento da cidade reforçando com isso o processo de favelização que já ocorria no sítio urbano desde meados da década de setenta. Diante disso, na interseção do cenário do adensamento populacional e do acirramento da questão habitacional, nascia a Vila marcada pela falta de serviços e aparelhos urbanísticos básicos, estimulando a ação dos moradores e a mediação do sacerdote em sua busca, resultando na modificação da trama urbanística da Capital, com a transformação da “invasão” em lugar de morada, de modo que é válido destacar que o uso do referido termo foi postulado pelo discurso dominante contrário a essa forma de acesso à moradia, sobretudo, pelo suposto proprietário do terreno, bem como pela imprensa escrita. A partir desses pressupostos, buscou-se também analisar como o trabalho desenvolvido pelo clérigo, principalmente, na esfera social, se revestiu no agente mobilizador das primeiras ações de urbanização na Vila da Paz. De pronto concluiu-se que a partir da narrativa construída, a Vila da Paz emergiu como resultado de uma ocupação e não de uma invasão como procurava impor o discurso oficial, Nesse sentido, tanto a ação dos primeiros moradores como a de Pedro Balzi se revestiram de agentes produtores do espaço urbano da cidade de Teresina. Nesse percurso, procurou-se estabelecer interlocução teórica com os pesquisadores: Francisco Alcides do Nascimento, Regianny Lima Monte, Marcelo de Sousa Neto, Sandra Jatahy Pesavento, Cláudia Cristina da Silva Fontineles, Lucília Delgado, Antonio Torres Montenegro, Mauricio Halbwachs, entre outros. No que tange as fontes priorizou-se as bibliográficas, hemerográficas, correspondências, depoimentos e autos judiciais.

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANTONIO PAULO MORAIS REZENDE - UFPE
Interno - 423663 - FRANCISCO ALCIDES DO NASCIMENTO
Presidente - 747.008.043-00 - MARCELO DE SOUSA NETO - UESPI
Notícia cadastrada em: 22/04/2019 11:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 10/08/2020 19:10