Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JALLES ARRUDA BATISTA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JALLES ARRUDA BATISTA
DATA: 16/02/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Campus Ministro Reis Veloso- Parnaíba
TÍTULO: Avaliação da participação do sistema canabibnoide no possível efeito antiinflamatório da Gabapentina durante a colite induzida por ácido acético
PALAVRAS-CHAVES: Anti-inflamatório. Colite ulcerativa. Gabapentina. Canabinóide.
PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

A doença inflamatória intestinal (DII) compreende um espectro de doenças que se caracterizam por uma inflamação crônica do trato gastrointestinal (TGI) sem uma causa ou patógeno específico. A gabapentina (GBP) é um fármaco anticonvulsivante, porém, este mostrou poder reverter danos inflamatórios gástricos e diminuir o processo inflamatório agudo na pata de ratos. Estudos afirmam que durante as colites há também aumento de substâncias, como por exemplo as que atuam na via dos canabinóides endógenos, importante para a proteção do cólon durante o desenvolvimento do processo inflamatório intestinal. Porém, foi verificado que a ativação do receptor endocanabinóide exerce um efeito inibidor na produção de citocinas e repitelização das células da mucosa do cólon humano, que são reconhecidas por exercer uma grande influência sobre a manutenção da homeostase imune intestinal. Assim, este trabalho objetiva analisar o efeito antiinflamatório da GBP na colite induzida por ácido acético (AA) em camundongos e observar se este mecanismo de ação se dá pela via farmacológica dos canabinóides endógenos. Foram usados camundongos swiss machos (25–30 g), divididos em grupos de 6 animais. A indução da colite foi realizada utilizando AA (6%) e os camundongos foram tratados via i.p com GBP nas doses de 0,1; 0,3; 1,0 mg/kg ou dexametasona (2 mg/kg, v.o.) com 17 h ou 17:30 h após a indução da colite, respectivamente. Após 18 h da indução da colite os animais foram eutanasiados e uma amostra de 5 cm do cólon foi retirada para avaliação dos escores macroscópicos e microscópicos de lesão, peso úmido e análises bioquímicas. Foi verificado que a administração da GBP na dose de 1,0 mg/kg foi eficaz em reverter os parâmetros inflamatórios macro e microscópicos, além de apresentar diminuição significativa do peso úmido do colón quando comparado ao grupo ácido acético, mostrando assim, um melhor efeito anti-inflamatório. Logo após, foi realizado ensaios bioquímicos aonde foi verificado a atividade da enzima mieloperoxidase, níveis de glutationa e malondialdeídeo. Os grupos de animais que receberam ácido acético intracolônico demonstraram um maior aumento do número de lesões inflamatórias intestinais e da concentração de mieloperoxidase no tecido intestinal, bem como apresentou redução da formação de GSH e aumento nos níveis de MDA, enquanto que o tratamento com a GBP na concentração de 1,0 mg/kg apresentou uma redução da lesão intestinal de forma significativa por diminuir a atividade da enzima mieloperoxidase e dos marcadores de estresse oxidativo in vivo. Após isso, foi realizado ensaios experimentais para bloquear a ação dos receptores endocanabinóide utilizando os antagonistas AM 251 (3 mg/kg) e AM 630 (1 mg/kg) dos receptores canabinóides CB1 e CB2, respectivamente. Ainda foi visto que o bloqueio dos receptores endocanabinóides não teve influência na redução da inflamação pela GBP após avaliar os parâmetros macro e microscópico de lesão, peso úmido, na atividade da enzima mieloperoxidase, níveis de glutationa e malondialdeídeo. Os resultados parciais mostram que o ácido acético foi eficaz em induzir a colite ulcerativa; que a GBP reduz a inflamação no cólon, porém, seu efeito é provavelmente independente da via dos receptores canabinóides, vindo estes a não estarem envolvidos na reversão do efeito inflamatório da colite induzida experimentalmente, mostrando que esta via não representa uma alternativa terapêutica promissora para pacientes com colite ulcerativa.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1690196 - ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
Externo ao Programa - 1750086 - DANIEL FERNANDO PEREIRA VASCONCELOS
Externo ao Programa - 1637767 - MARCELO DE CARVALHO FILGUEIRAS
Notícia cadastrada em: 02/02/2017 17:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 16:52