Notícias

Banca de DEFESA: IZAIAS BARBOZA JÚNIOR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IZAIAS BARBOZA JÚNIOR
DATA: 04/07/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais- Bloco 15
TÍTULO: Desenvolvimento de Instrumento para Descolamento do Peritônio na Extração da Peça Cirúrgica em Colecistectomias Realizadas por Laparoscopia
PALAVRAS-CHAVES: Colecistectomia. Laparoscopia. Dispositivo. Ampliação. Vesícula biliar. Umbigo.
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
SUBÁREA: Saúde Materno-Infantil
RESUMO:

Introdução: Na prática em cirurgia geral pela via laparoscópica, observa-se frequentemente a necessidade de ampliação da incisão umbilical durante a extração da peça cirúrgica. A colecistectomia laparoscópica é o procedimento mais realizado pelos profissionais desta especialidade no mundo; mais de 500.000 destas ocorrem anualmente somente nos Estados Unidos da América. Quando as características da peça cirúrgica dificultam a sua retirada (como exemplo: cálculos grandes, tumores e obesos), induz a equipe a ampliar esta incisão. Desenvolveu-se modificações em um dispositivo do tipo afastador de parede adaptado à incisão umbilical e foi verificado se ele altera as medidas finais desta. Objetivos: Demonstrar se o uso de um instrumento desenvolvido para diérese do peritônio associa-se a menores incisões, e os demais fatores que podem estar associados ao tamanho da mesma. Método: Delineou-se um ensaio clínico randomizado duplo-cego, realizado em um hospital da rede privada de Teresina-PI, Brasil (Hospital Santa Maria), com dois grupos assistidos por uma equipe de cirurgiões gerais: um utilizou o instrumento (estudo) e o outro não (controle). Avaliou-se no transoperatório e no primeiro dia pós-operatório dados como: medida da incisão, do hematoma, dor e demais variáveis importantes às análises. Resultados: A maioria dos pacientes estudados é do Estado do Piauí (80%) e do sexo feminino (65%). A idade média foi 48,25 anos, com desvio padrão de 16,65 anos. A medida da ferida operatória apresentou distribuição normal, com média de 27,52 mm, e desvio padrão de 4,85 mm, onde o grupo que não usou o dispositivo teve média maior que aquele que o empregou (p-0,03). A obesidade (p<0,01) e o não uso de Agulha de Veress (p-0,04) estão associados a maiores incisões nesse procedimento. Hematoma (0,058) e dor pós-operatórios (p-0,08) não apresentaram diferenças entre os grupos estudados. Conclusões: O uso do instrumento desenvolvido está associado a menores medidas da incisão umbilical, sem diferenças nos hematomas e na dor pós-operatória sugerindo benefícios à sua utilização. A obesidade e o não uso de Agulha de Veress foram associados a maiores medidas das incisões. Outrossim, estudos maiores, multicêntricos e em diferentes procedimentos serão úteis para melhor avaliação da eficiência do dispositivo. 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 805.154.603-20 - ALESSE RIBEIRO DOS SANTOS - UFPI
Externo ao Programa - 423488 - BENEDITO BORGES DA SILVA
Interno - 423584 - IONE MARIA RIBEIRO SOARES LOPES
Presidente - 3373256 - PEDRO VITOR LOPES COSTA
Notícia cadastrada em: 29/06/2018 11:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 28/02/2020 10:30