Notícias

Banca de DEFESA: SAMARA MARIA MOURA TEIXEIRA SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SAMARA MARIA MOURA TEIXEIRA SOUSA
DATA: 10/10/2018
HORA: 09:00
LOCAL: PPG SAÚDE DA MULHER
TÍTULO: Acesso da Mulher com Câncer de Mama ao Tratamento no Estado do Piauí
PALAVRAS-CHAVES: Acesso aos Serviços de Saúde. Tratamento. Câncer de mama. Sistema Único de Saúde. Custos.
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

O Câncer é um problema de saúde pública mundial. O aumento da incidência de mortalidade é diretamente proporcional as mudanças nos padrões demográficos, tais como o envelhecimento populacional e o desenvolvimento econômico. O desafio é garantir o acesso equitativo e integral ao diagnóstico e tratamento da doença. OBJETIVO: Caracterizar o acesso da mulher com diagnóstico de Câncer de Mama ao tratamento do Estado do Piauí. METODOLOGIA: Delineamento transversal analítico, desenvolvido em uma amostra de 155 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, que realizaram tratamento no período de 2016 a 2017, subdividindo a amostra entre as instituições com registro dos casos: Hospital São Marcos (140) e Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (15). Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (HU-UFPI) e pelo Comité de Ética do Hospital São Marcos. RESULTADOS: A idade média (±DP) de 53,6 (±12,4) anos. Por estágio clínico a frequência dos estágios III e IV 45,8%. O intervalo entre o diagnóstico e o início do tratamento a média de tempo foi de 112,7 (±93,6) dias, sendo que 111 (71,6%) mulheres iniciaram o tratamento em um período superior a 60 dias do diagnóstico do câncer de mama. Para as mulheres provenientes das regiões Cocais, Serra da Capivara, Vale Rio Piauí e Itaueira, Vale do Canindé, Planície litorânea e Carnaubais, apresentaram uma prevalência 26,9% maior de atraso no início do tratamento em comparação aos demais territórios do estado do Piauí. Mulheres em estágios iniciais do câncer de mama, apresentaram prevalência 24,0% maior de atraso no início do tratamento comparativamente às diagnosticadas com estádios III e IV. Com relação ao fluxo 46,7% usaram a porta de entrada para o tratamento SUS, 50,3% atendimento particular e 1,9% campanhas,61,3% relataram a realização da biopsia em serviços particular. Das que foram para a consulta de 1ª vez no HSM, 73,6% iniciaram o tratamento com mais de 60 dias após o diagnóstico, já no HU-UFPI o percentual foi de 53,3 %. DISCUSSÃO: A maioria das mulheres com diagnóstico de câncer de mama, no Estado do Piauí, estão iniciando o tratamento com um atraso de mais de sessenta dias após o diagnóstico, o acesso não está acontecendo em tempo oportuno, tem-se como consequência um maior percentual de mulheres diagnosticadas em estádios mais avançados. CONCLUSÃO: Pode-se considerar que o acesso ao tratamento ao câncer de mama não está acontecendo no tempo oportuno, ficou evidenciado que este atraso é em decorrência da desarticulação da rede de atenção oncológica no Estado do Piauí.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1350350 - MARIA DAS GRACAS FREIRE DE MEDEIROS
Interno - 328.178.603-06 - KELSEN DANTAS EULALIO - UFPI
Externo ao Programa - 6654838 - JOSE MIGUEL LUZ PARENTE
Externo ao Programa - 1551620 - MARIA ZELIA DE ARAUJO MADEIRA
Notícia cadastrada em: 02/10/2018 17:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 31/03/2020 11:05