Notícias

Banca de DEFESA: RUAN PEDRO GONÇALVES MORAES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RUAN PEDRO GONÇALVES MORAES
DATA: 02/03/2021
HORA: 15:30
LOCAL: Video Conferencia
TÍTULO: RESISTÊNCIA E INTERVENÇÃO DEMOCRÁTICA NO PROJETO DE TRANSFORMAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE ANDREW FEENBERG
PALAVRAS-CHAVES: Andrew Feenberg, Tecnologia, Democracia, Resistência
PÁGINAS: 159
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Filosofia
SUBÁREA: Metafísica
RESUMO:

Esta dissertação tem por objetivo compreender o papel dos movimentos de resistência no projeto de transformação das tecnologias defendido na filosofia da tecnologia de Andrew Feenberg, principalmente, nas obras Transforming Technology (2002), Tecnologia, Modernidade e Democracia (2015), Technosystem (2017) e Entre a razão e a experiência (2017). Feenberg aborda os problemas modernos originados nas tecnologias a partir do que chama de uma Teoria Crítica da Tecnologia (ou construtivismo crítico). Para ele, o obstáculo central encontra-se numa crescente contradição entre democracia, capitalismo e formas de organização tecnocráticas. Sua proposta é de democratização das diversas instituições tecnologicamente mediadas da nossa sociedade. O problema que queremos focar trata da possibilidade de uma mudança das tecnologias como almejada pelo autor. Em outras palavras, como Feenberg defende a viabilidade da transformação tecnológica por vias mais democráticas? De que modo podemos aplicar os planos de ampliação de considerações das tecnologias, como pensa Feenberg, quando temos fatores artificiais, originados na articulação de grupos dominantes para a manutenção da lógica atual de busca pelo progresso, que produzem os trilhos sobre os quais os modos de produção e desenvolvimento de tecnologias atuais são guiados? Nossa hipótese tem na relação posta pelo autor entre “operadores” e “operados” a dinâmica necessária para sustentar uma visão otimista de mudança. Isto significa dizer que uma ação por parte daqueles grupos de baixo, na divisão social, é condição básica para apontar a possibilidade da transformação almejada pelo autor, porém, talvez não suficiente. Feenberg parece se dar por satisfeito com essa possibilidade, parte de seu objetivo é enfraquecer a perspectiva determinista dominante no cenário atual. Feenberg argumenta, a partir da sua concepção de tecnologia humanamente controlada e possuidora de valores, que há, por parte dos “operados”, a possibilidade de exigir mudanças na estrutura de produção tecnológica. Esse movimento de exigência é o que o autor chama de “interesses participantes”. Por meio de “intervenções democratizantes”, os diversos atores no interior do sistema técnico podem tanto subverter, regular, ou participar desde o projeto na produção e desenvolvimento das tecnologias. Nesse esquema, Feenberg trata do potencial tecnológico de se adequar e seguir diferentes arranjos técnicos para diferentes finalidades sociais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423660 - HELDER BUENOS AIRES DE CARVALHO
Interno - 1983707 - MAURICIO FERNANDES DA SILVA
Externo à Instituição - RICARDO TOLEDO NEDER - UnB
Notícia cadastrada em: 01/03/2021 18:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 02/03/2024 23:44