Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: PEDRO VICTOR MODESTO BATISTA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PEDRO VICTOR MODESTO BATISTA
DATA: 13/12/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Sala de Reunião da Direção do Campus
TÍTULO: Comunidade terapêutica e hospitalidade: a questão do estrangeiro
PALAVRAS-CHAVES: Hospitalidade; Comunidade Terapêutica; Acolhimento; Derrida
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

A hospitalidade é o ato de receber e acolher bem o hóspede, de ser amistoso e hospitaleiro, abrigar e oferecer ao outro cuidado, compreendida como uma lei, norma e tradição essa se caracteriza como uma hospitalidade condicionada e condicionante, reguladora dos vínculos e da sociabilidade. A hospitalidade absoluta, apresentase como uma abertura ao outro, ao estrangeiro, esse ser estranho e não habitual, muitas vezes, estigmatizado e excluído por sua condição de diferença e nomadismo, ele exige a abertura à alteridade e ao exercício da hospitalidade absoluta, pois essa não exige condições para o acolhimento ou a entrada em um pacto, ela burla as leis da hospitalidade e as perverte. Dessa forma, é um impossível e um paradoxo que nos posiciona a pensar nas condições de reciprocidade e vínculo que construímos para com o outro. Todas essas elaborações, apoiadas na filosofia da diferença e no pensamento da desconstrução desenvolvida nas reflexões de Jacques Derrida visa ampliar o debate sobre a hospitalidade como prática ética de acolhimento. Assim sendo, esse estudo pretende cartografar a hospitalidade apresentada em uma instituição que se ocupe de abrigar, receber, acolher e cuidar de pessoas em situação de vulnerabilidade, desabrigadas, em situação de rua e/ou em sofrimento psíquico decorrentes do uso ou não de drogas (os estrangeiros), nas ditas comunidades terapêuticas. Essas instituições funcionam como uma moradia que oferece suporte e tratamento aqueles que buscam ou são encaminhados, muitas vezes, pela justiça, rede de saúde mental ou de assistência social, para as suas terapêuticas e serviços. Para conseguir dá visibilidade e dizibilidade aos modos com que a hospitalidade acontece nesses serviços, como ele se organiza e se articula com as redes de cuidado, como os moradores da comunidade terapêutica vivenciam seus processos de institucionalização e hospitalidade, o pesquisador valendo-se do método da cartografia irá participar do cotidiano de uma comunidade terapêutica, negociar a formação de um grupo com os residentes dessa instituição e desenvolver oficinas para produzir informações, implicações e analisadores sobre as experiências da hospitalidade. Essa experiência será registrada em diário cartográfico, bem como, os materiais e produções decorrentes das oficinas. Portanto, esses materiais cultivados durante o percurso cartográfico serão analisados por meio da análise de discurso com a finalidade de produzir problematizações, interpretações e desdobramentos sobre as práticas de hospitalidade vivenciados no decorrer dessa pesquisa e os seus impactos para a atuação dos profissionais que promovem acolhimento em saúde. Contribuindo, assim, na expansão da discussão sobre hospitalidade e a clarificação das condições de reciprocidade dos profissionais para com o outro, na sua condição de estrangeiro que busca abrigo e cuidado, abrindo-nos para refletir sobre o estabelecimento de uma hospitalidade que seja ética e politicamente referenciada.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2231565 - ANTONIO VLADIMIR FELIX DA SILVA
Presidente - 1291400 - DENIS BARROS DE CARVALHO
Externo à Instituição - LUCIANA MARIA MAIA VIANA - UNIFOR
Notícia cadastrada em: 12/12/2017 19:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 28/09/2022 06:44