Notícias

Banca de DEFESA: MONICA DE ARAUJO DAMASCENO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MONICA DE ARAUJO DAMASCENO
DATA: 08/11/2021
HORA: 18:00
LOCAL: Google meet (remoto)
TÍTULO: Movimento estudantil e adversidades da/na escolarização: resistências e enfrentamentos
PALAVRAS-CHAVES: Movimento estudantil; resistência; educação, escolarização.
PÁGINAS: 142
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

O objetivo da presente dissertação de mestrado é compreender a expressão da
resistência estudantil nas instituições de ensino superior do estado do Piauí, possui
como questionamento inicial entender, de que maneiras a resistência estudantil
emerge durante a trajetória educacional e auxilia no enfrentamento das
adversidades enfrentadas durante o processo de escolarização? O estudo possui
enquanto objetivo geral: Analisar a emergência da resistência estudantil no
enfrentamento de adversidades na/da escolarização. E como objetivos
específicos: Identificar as demandas de instituições de ensino trazidas por
estudantes durante a trajetória educacional; Levantar as adversidades
enfrentadas pelo movimento estudantil no cotidiano das instituições de ensino;
Verificar as estratégias do movimento estudantil e as redes de proteção existentes
nas instituições de ensino, a partir dos relatos dos estudantes. O presente projeto
foi aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa - CEP da Universidade Federal do
Piauí. Trata-se de uma pesquisa qualitativa e descritiva. Contou com a participação
de 12 militantes maiores de 18 anos que participam das entidades estudantis no
estado do Piauí, no mínimo há um ano. A coleta dos dados se deu mediante

entrevista semiestruturada. A análise dos dados se deu a partir do método histórico-
cultural. Posteriormente deu-se início a descrição empírica dos dados, divididos

em dois estudos, estudo 1 - Movimento estudantil no Piauí: demandas
educacionais e adversidades vivenciadas na trajetória acadêmica, onde os
resultados se dividiram em dois eixos centrais: demandas que chegam as entidades
estudantis e dificuldades enfrentadas pelas entidades estudantis. O primeiro eixo
apresentou quanto unidades analíticas (demandas acadêmicas, demandas
assistenciais, demandas políticas e demandas devido a pandemia), o segundo
apresentou cinco unidades analíticas (dificuldades estruturais, dificuldades
referentes a precarização, dificuldades referentes as perseguições políticas,
dificuldades referentes a falta de mobilização e dificuldades devido a pandemia).
O estudo 2 - Resistência estudantil no Piauí, sob a perspectiva da Psicologia
Escolar, apresentou resultados divididos em três eixos cada um deles com quatro
unidades de análise. O primeiro eixo referente as estratégias de proteção utilizadas
pelas entidades. O segundo, voltado a rede de proteção ofertada pela instituição. O
terceiro eixo, sobre a expressão da resistência, como elas percebem a resistência
estudantil. Por meio desta dissertação, apresenta-se uma análise acerca da
resistência estudantil no Piauí diante das adversidades encontradas na trajetória
escolar. Apreende-se a resistência como mobilizadora diante dos problemas
encontrados, como o assédio, racismo, preconceitos, precarização do ensino, 

exclusão social. Ela atua de modo a defender os estudantes, atua como rede de
apoio, e está na essência das militantes, sendo fonte propulsora para a luta.
Destaca-se que o estudo pode subsidiar políticas públicas voltadas à educação, e a
criação de uma rede de apoio com todos que envolvem instituição e para além,
pode articular enquanto possíveis colaboradores os sindicatos de professores,
associações de pais, mães ou responsáveis, lideranças comunitárias, funcionando,
assim, de forma cooperativa, para uma gestão democrática e preocupada com a
qualidade do ensino. Pode-se pensar em uma educação para o movimento,
garantida no Projeto Político Pedagógico das escolas; e nos Projetos Pedagógicos
dos Cursos de graduação dentro das universidades. Sugere-se estudos em outros
contextos, por exemplo durante a educação básica, estudos em outros estados, ou
a nível norte/nordeste, de maneira a compreender como tem se estruturado o
movimento nessa realidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - BRENO DE OLIVEIRA FERREIRA - UFAM
Presidente - 1859186 - FAUSTON NEGREIROS
Interno - 2441003 - RAQUEL PEREIRA BELO
Notícia cadastrada em: 27/10/2021 14:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 28/09/2022 07:47