Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LORENNA E SILVA MENDES BARRADAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LORENNA E SILVA MENDES BARRADAS
DATA: 06/12/2021
HORA: 14:45
LOCAL: google meet (remoto)
TÍTULO: AS VIVÊNCIAS DOS RITUAIS DE DESPEDIDA POR LUTO NO CONTEXTO DA COVID-19
PALAVRAS-CHAVES: covid-19, mortes, rituais, luto
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Introdução: Os rituais diante da morte são de grande relevância, por serem considerados um recurso terapêutico, que auxilia familiares a admitir a perda de seus entes queridos, podendo facilitar a assimilação dessa perda, bem como facilitar o processo de luto (Bromberg, 2000). Em janeiro de 2020, teve início uma epidemia desse vírus no Brasil que, em pouco tempo atingiu muitos países, sendo considerada pandemia em 11 de março de 2020, pela Organização Mundial de Saúde. Esse vírus gerou um aumento massivo das internações hospitalares e das mortes (Crispim et al., 2020). De acordo com o Ministério da Saúde (2020b), a transmissão da covid-19 também pode ocorrer por meio do manejo de corpos e, nesse contexto, os velórios e funerais de pacientes confirmados ou suspeitos de Covid-19 não são recomendados, inclusive por gerarem aglomeração de pessoas em ambientes fechados. Nesse caso, as orientações visam também a evitar a transmissão que está associada ao contato entre familiares e amigos. Nesse sentido e, compreendendo a complexidade deste cenário atual de adoecer e morrer, vivenciados com distanciamentos e impedimentos, torna-se relevante buscar respostas para a seguinte pergunta: como as famílias que perderam entes queridos, por morte de covid-19, vivenciaram os rituais de luto? Fundamentação Teórica: Diante do cenário de pandemia, os rituais de luto precisaram ser intensamente modificados, inclusive de modo global, em que todo o mundo foi afetado pelas mudanças necessárias. De acordo com Bromberg (2000), esses rituais se dão em todo o mundo e diferem de cultura para cultura, mas encerram a mesma função, serem protetivos da saúde mental. Segundo a autora, os rituais são processos cerimoniais de todos os povos, desenvolvidos na tentativa de lidar com a morte, funcionando também como marco de transições do ciclo vital e permitindo o estabelecimento de um elo entre passado e o futuro. Apesar de as cerimônias funerais diferirem de cultura para cultura, a autora reforça que os rituais de luto estão entre as experiências universais do contexto social humano, pois dão um enquadrarnento e uma previsibilidade à perda por morte. Souza e Souza (2019), em seu estudo qualitativo sobre 34 a função dos rituais fúnebres no processo de luto, referem que a morte de entes queridos precisa ser marcada, pontuada, fazendo com que este acontecimento receba a consideração necessária. As autoras abordam as funções dos rituais fúnebres como sendo benignas para a elaboração da perda por morte de uma pessoa significativa, os quais estimulam o trabalho de luto e oferecem à família enlutada o suporte de pertencer a uma cultura e a uma compreensão compartilhada sobre a morte. O ritual fúnebre, seguem dizendo, é, a princípio, o gesto técnico de enterrar ou cremar o cadáver, mas o seu prolongamento para o ato simbólico é que o torna abrangente em todo o seu sentido, pois os ritos fúnebres têm início com a perda e, algumas vezes, coincidem com a fase inicial do luto. Nessa perspectiva, e ainda sem esgotar a discussão sobre o tema, percebe-se que a vivência dos processos de ritualização é de grande importância, devido às suas complexidades. Dessa forma, não se despedir, não dizer adeus, situação esta causada em função das restrições sanitárias para conter a propagação do coronavírus, tem sido fator de preocupação, no que diz respeito às possíveis consequências para a saúde mental dos enlutados, até agora desconhecidas, que esta situação poderá gerar. Objetivos:Esta pesquisa tem como objetivo compreender o processo de ritualização de luto vivenciado pelos familiares de pessoas que faleceram de covid-19. Para tanto, será necessário conhecer como se deu o processo de adoecimento e morte para familiares de pessoas que morreram de covid-19; identificar os rituais de luto realizados pelos familiares; verificar o conhecimento dos familiares acerca de orientações em saúde mental e luto pela morte de pessoa por Covid-19; e investigar o impacto da vivência dos rituais de luto nas famílias que perderam entes queridos por covid-19. Método:Trata-se de uma pesquisa de campo, com abordagem qualitativa e exploratória, que tem como critério de inclusão ter idade maior que 18 anos e ter familiar que evoluiu com óbito em função da Covid-19.Pretendese contar com a participação de 100 familiares e, para identificação desse público, será utilizado o método de amostragem em bola de neve, que tem caráter não probabilístico e seu uso permite a criação de uma rede composta por participantes ligados pelo tema de interesse no estudo. A escolha dessa técnica se deve à sua notável capacidade de recrutamento e por possibilitar amenizar possíveis dificuldades em ter acesso a população-alvo; uma vez que se considera que as pessoas que fazem parte dessa população podem identificar e indicar pessoas que passaram por situação semelhante (Dewes, 2013). Como instrumento de coleta de dados, será utilizada uma entrevista semiestruturada e um questionário sociodemográfico que serão disponibilizados via link na plataforma Google Forms. Quanto aos aspectos éticos pertinentes a pesquisas 35 envolvendo seres humanos, esta pesquisa foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Delta do Parnaíba e aguarda a aprovação para o início de sua realização. Após aprovação, os participantes terão acesso à leitura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e só após a leitura e concordância deste, darão início a participação na pesquisa. O formulário poderá levar aproximadamente 40 minutos para ser respondido. Para análise dos dados textuais, será utilizado o software IRAMUTEQ (Interface de Repourles Analyses Multidimensionnelles de Texteset de Questionnaires versão 0.7). De acordo com Camargo e Justo (2013) ele permite fazer análises estatísticas tanto de caráter qualitativo quanto quantitativo sobre corpus textual por meio de lexicografia (frequência e estatísticas básicas), e encontra-se hospedado no software R (R Development Core Team, 2011). Serão realizadas as seguintes análises: Classificação pelo método de Reinert, que possibilita realizar uma classificação hierárquica descendente (CHD); Análise de similitude, que permite identificar as coocorrências entre as palavras e ajuda a identificar a estrutura do banco de dados (corpus), baseando-se na teoria dos grafos (Ratinaud & Marchand, 2012); Nuvem de palavras, que diz respeito a representação gráfica e organização das palavras de acordo com as frequências desta. Ainda será utilizado o Software SPSS for Windows – versão22, no qual serão realizadas análises de medidas de tendência central (frequência, média, mediana) e medidas de dispersão (desvio-padrão) para caracterizar a amostra. Encaminhamentos para os Resultados: A partir de revisão sistemática realizada de maio a junho de 2021 percebeu-se que, de forma geral, que os rituais de luto tem grande importância na experiência do processo de luto, haja vista que seu impedimento pode influenciar de forma negativa na saúde mental e na vivência desse momento. Percebeuse, porém que uma saída melhor para esta condição de restrição pode estar relacionada em grande escala com questões preventivas, em se traçar estratégias alternativas de ritualização, tanto no pós óbito quanto na internação, antes da morte propriamente dita, apesar de este aspecto ter sido pouco abordado. Espera-se, com essa pesquisa, encontrar dados que ampliem o olhar sobre as formas de ritualização vivenciada pelos familiares, que possibilitem aperfeiçoar o olhar a essa demanda, buscando também, com este trabalho, criar meios para definir políticas de atenção ao luto pelos enlutados por Covid19 ou doenças similares


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANA KARLA SILVA SOARES - UFMS
Interno - 1774313 - JOAO PAULO SALES MACEDO
Presidente - 1867530 - SANDRA ELISA DE ASSIS FREIRE
Notícia cadastrada em: 03/12/2021 10:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 28/09/2022 06:58