Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: IARLA JEYCE PEREIRA DE BRITO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IARLA JEYCE PEREIRA DE BRITO
DATA: 07/12/2021
HORA: 08:30
LOCAL: Google meet (remoto)
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO EXECUTIVA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE ABUSO SEXUAL
PALAVRAS-CHAVES: Crianças. Adolescentes. Abuso sexual. Funções executivas. Instrumentos.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

O Abuso sexual contracrianças e/ou adolescentes pode ser considerado todo atocom fins sexuais, podendo existir contato físico ou a utilização de força (Brasil, 2021).Ademais,é considerado um problema de saúde pública(Rovinsk & Pelisole, 2019).Dados mundiais apontam que 18% das meninas e 8% dos meninos são vítimas desta violência (WHO, 2017). As implicações da vitimização do abuso sexual têm potencial para acarretar em danos que podem perdurar até a vida adulta com existência de prejuízos no âmbito emocional, cognitivo, comportamental e social (Krindges, Macedo & Habigzang, 2016; Aguiar & Ferreira 2020). Evidências apontam que a vitimização do abuso sexual na infância e/ou adolescência podeminfluenciar negativamente no desempenho das funções executivas(FE) (Costa et al., 2020).Estas habilidades estão entre as configurações mais complexas da cognição, definidas como um sistema de controle e supervisão importante para a organização dos comportamentos, esão essenciais para muitos aspectos do cotidiano, para a manutenção da saúde física, mental e para conseguir bons resultados acadêmicos (Diamond, 2016).No entanto, prejuízos do desenvolvimento nas FE podem interferir negativamente no desenvolvimento cognitivo, social e psicológico, na saúde física e mental (Oliveira & Nascimento, 2014). Portanto, evidencia-se que novos estudossão imprescindíveis para uma melhor compreensão da temática para auxiliar no desenvolvimento de mecanismos voltados para produção de ferramentas que auxiliem na proteção integral de crianças e adolescentes como intervenções e terapêuticas, para a superação desta violência por parte da vítima e do grupo familiar como um todo (Sousa, Neiva & Farias, 2021). Manifestada a importância da realização desse estudo, pretendese responder as questões problemas pautadas no presente projeto. Para tal, o projeto tem como principal objetivo avaliar o desempenho das funções executivas: Memória de trabalho, flexibilidade cognitiva e controle inibitório em crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual em comparação aos grupos de controle (crianças e adolescentes sem histórico de abuso sexual). Para tanto, os objetivos específicos pretendem-seidentificar 44 possíveis repercussões do abuso sexual na execução das funções executivas durante a infância e/ou adolescência.Investigar se o grupo de crianças vítimas de abuso sexual têm desempenho significativamente mais fraco nos domínios das funções executivas em comparação com as crianças participantes do grupo controle. Comparar o desempenho das funções executivas do grupo de adolescentes vítimas de abuso sexual com o grupo controle de adolescentes. Para além, diante da literatura e dos objetivos expostos, foram elaboradas a seguintes hipóteses: Hipótese: (1): Estima-se que a vitimização do abuso sexual ira impactar no desenvolvimento das funções executivas: Memória de trabalho, controle inibitório e flexibilidade cognitiva de crianças e adolescentes. Hipótese (2): Crianças vítimas de abuso sexual apresentam menor desempenho das funções executivas quando comparadas com os grupos controle (crianças sem histórico vitimização de abuso sexual). Hipótese (3): Espera-se que adolescentes vítimas de abuso sexual apresentam menor desempenho das funções executivas quando comparadas com os grupos controle (adolescentes sem histórico vitimização de abuso sexual). Dessa forma a presente dissertação propõe 2 estudos, sendo o primeiro de natureza teórica e o segundo empírico. O estudo I corresponde a uma revisão sistemática, que busca responder à questão elaborada a partir da estratégia PICOT: “Quais instrumentos recorrentes utilizados para avaliar funções executivas de crianças e adolescentes?”, para tanto realizou-se um levantamento de artigos nas bases: EMBASE; Lilacs; Medlaine; Psycinfo; Scielo e Scorpus, a partir da combinação dos descritores em inglês, português e espanhol: Funções Executivas –(“executive functions";"executive function";"executive controls";"executive functioning";"executive control");("função executiva"; "controle executivo");"funções executivas";"función ejecutiva"). Crianças e adolescentes("kid"; "child"; "children"; "adolescent";"Adolescents");("criança"; "crianças";" infantil"; "infância"; "infantojuvenil"; "adolescente"; "adolescentes");("ninõs";"jóvenes") Instrumentos- ("instruments; instrumentos") . Para o estudo II, será realizado pesquisa empírica “avaliação da função executiva em crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual”. Pretende-se contar com uma amostra por conveniência (não-probabilística), oriundos de cidades do norte do estado do Piauí, de ambos os sexos que contara com 80 participantes, dividido em quatro grupos: Grupospesquisa: Composto por 20 crianças com histórico de vitimização por abuso sexual todos oriundos de cidades do norte do Piauí. O segundo grupo composto por 20 adolescentes com histórico de vitimização por abuso sexual todos oriundos de cidades do norte do Piauí. Grupos controle: Composto por 20crianças do grupo controle, que não tem histórico de vitimização por abuso sexual, todos oriundos de 45 cidades do norte do Piauí. Segundo grupo composto por 20 adolescentes do grupo controle, que não tem histórico de vitimização por abuso sexual, todos oriundos de cidades do norte do Piauí. Como critério de inclusão estipula-se que os partícipes da população geral, com idade (6 a 16 anos); devido à idade estimada dos testes que serão utilizados, participação voluntária na pesquisa, tendo assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecidopelos pais e / ou responsáveis legais e pelos participantes; não possuir diagnóstico autodeclarado de transtorno do desenvolvimento ou transtornos neuropsiquiátricos; para participação dos gruposde pesquisa as crianças e adolescentes de cada grupo deverão ter histórico de abuso sexual, diferentemente do grupo controle que deverá não ter histórico de abuso sexual. Serão utilizados como instrumentos de coleta o questionário sociodemográfico: contém um conjunto de perguntas destinado aos responsáveis dos participantes que objetivam caracterizar a amostra (e.g., idade, sexo, renda, escolaridade...). Contara com aBateria de Funções Executivas (CEF-F), destinada à avaliação das funções executivas em crianças e adolescentes de 6 a 16 e consistenos principais componentes executivos básicos: inibição, controle inibitório e flexibilidade,(Diamond, 2013). A bateria conta com um conjunto de 12 testes para avaliação neuropsicológica da FE. Os testes serãoapresentados sistematicamente na ordem descrita: 8 labirintos, Stroop, atualização visuoespacial, scriptse as tarefas de toque foram propostas na primeira sessão e aRey Complex Figure, Trail Making Test, Tarefa Dupla, Cartão InfantilTeste de classificação, Cross-out Joe, teste de atualização verbal e teste Frogforam propostas durante a segunda sessão. Uma sessão adicional será conduzida com crianças mais novas. Neste caso, cada sessão consistira em 4 testes por sessão, na ordem acima mencionada, a aplicação dos testes contaram aproximadamente com 30–40 minutos cada. Todos os testes serão administrados pela própria pesquisadora desse estudo,seguindo as instruções de cada teste. As seleções dos participantes dos grupos de pesquisa serão realizadas através de denúncias que foram judicializadas na Comarca representante das cidades correspondente, tendo em vista que uma comarca representa mais de um município, após concedida anuência serão realizadas as coletas. Para a coleta dos dados dos participantes dos grupos controle serão realizadas em escolas municipais, após concedida anuência.Após anuência, o projeto será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), seguindo as normas da resolução do Conselho Nacional de Saúde 510/16. Consequente a aprovação do comitê, contendo os nomes e contatos em mãos entrar-se-á em contato com os pais ou responsáveis das crianças onde será explicado o objetivo da pesquisa, questões de sigilo 46 e anonimato dos dados e então será solicitada autorização para participação na pesquisa. Os participantes serão avaliados individualmente em sala silenciosa na comarca referente a sua cidade Cocal dos Alves-PI e Cocal-PIou no ambiente doméstico. Para análise dos dados será utilizado o IBM SPSS, versão 26, no qual, será utilizado paramedidas descritivas e para comparação, o teste não paramétricos Mann Whitney será utilizado.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1398721 - ANA RAQUEL DE OLIVEIRA
Externo à Instituição - MARINA PEREIRA GONCALVES - UNIVASF
Presidente - 1816247 - PALOMA CAVALCANTE BEZERRA DE MEDEIROS
Notícia cadastrada em: 03/12/2021 15:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 26/09/2022 00:01