Notícias

Banca de DEFESA: CINTIA PINTO DO NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CINTIA PINTO DO NASCIMENTO
DATA: 28/07/2022
HORA: 16:30
LOCAL: Google meet (remoto)
TÍTULO: A mulher sobre rodas: narrativas (auto) biográficas de mulheres com deficiência vivendo em uma “sociedade de alta performance”
PALAVRAS-CHAVES: Mulher com deficiência, corpo, capacitismo, contemporaneidade
PÁGINAS: 122
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Os modos com os quais a sociedade lida com pessoas com deficiência são marcados por avanços e retrocessos em vários contextos, como economia e política. A opressão vivenciada por esses indivíduos esteve relacionada à ausência de autonomia e liberdade individual. As concepções de deficiência foram se modificando ao longo do tempo, mas mesmo diante dos avanços, modelos ultrapassados com
prerrogativas do capitalismo e capacitismo estão presentes na contemporaneidade. Discursos de superação, meritocracia, missão divina tensionam o tempo inteiro a luta para a afirmação do modelo social da deficiência, o qual foi fortalecido por mulheres deficientes. Porém, ainda assim, a
sociedade paralisa e nega os lugares que essas mulheres ocupam a partir da exigência de padrões cada vez mais irrealísticos de “alta performance”. Nesse sentido, o objetivo geral da pesquisa é analisar narrativas (auto) biográficas de mulheres em cadeira-de-rodas na sociedade contemporânea. O
estudo terá como objetivos específicos: reconhecer a experiência de como é ser mulher cadeirante na
contemporaneidade; investigar implicações psicossociais do capacitismo na vida das mulheres com deficiência física; discutir modos de ser mulher cadeirante e as interseccionalidades de gênero, classe, raça, sexualidade, maternidade, educação e trabalho na sociedade capacitista; debater como o modelo neoliberal produz incapacidades, diante das expectativas ilusórias de perfeição, construindo uma sociedade capacitista. A escolha metodológica neste trabalho foi a abordagem qualitativa, por meio de uma narrativa (auto)biográfica da própria pesquisadora e reflexões de outras mulheres deficientes a partir de suas falas que tornaram públicas em meios de divulgação. As experiências serão narradas através de fotos, trechos de diários, memórias de cenas, etc. A análise foi realizada a partir das categorias de interseccionalidade e materiais que emergiram das narrativas, possibilitando fazer uma costura com conceitos teóricos e com as vivências de outras mulheres cadeirantes. Ancorado nestes referenciais foi enfatizado o experienciar da deficiência e sua articulação com gênero, raça, sexualidade. O estudo do capacitismo como instituição da mulher cadeirante aponta como resultados implicações psicossociais relacionadas com atravessamentos de sexualidade, maternidade, trabalho, família e precarização da vida, medo, angústia, incerteza, dor, sofrimento psíquico, desamparo e insegurança; além da coragem para assumir seus espaços e enfrentamento da militância por seus direitos, visibilidade e da sororidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2140896 - LANA VERAS DE CARVALHO
Interno - 2231565 - ANTONIO VLADIMIR FELIX DA SILVA
Externo à Instituição - Adenize Queiroz de Farias - UFPB
Notícia cadastrada em: 15/07/2022 10:27
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 28/09/2022 07:48