Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LUZIÁRIO DE SOUSA DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUZIÁRIO DE SOUSA DA SILVA
DATA: 29/09/2023
HORA: 15:00
LOCAL: Sala virtual (online)
TÍTULO: HIPERSEXUALIZAÇÃO DOS CORPOS GAYS NEGROS: RELAÇÕES EM APLICATIVOS DE RELACIONAMENTO E MEIOS JORNALÍSTICOS ALTERNATIVO
PALAVRAS-CHAVES: hipersexualização, corpos gays negros, relacionamento
PÁGINAS: 64
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
RESUMO:

O presente trabalho tem por objetivo compreender de que modo a
hipersexualização dos corpos gays negros aparece nos aplicativos de relacionamento
Grindr e Hornet e como este fenômeno social reverbera nos conteúdos jornalísticos
produzidos pelos portais alternativos Alma Preta e Mundo Negro. A intenção não é
realizar uma análise comparativa e, sim, complementar, uma vez que trabalhamos com
estudos de casos múltiplos (YIN, 2001). Para alcançar as intenções aqui propostas, nos
apropriamos, enquanto metodologia, da Hermenêutica de Profundidade (THOMPSON,
2002), que nos permite realizar um processo contínuo de interpretação e reinterpretação
sustentada por um caminho tríplice de análise: contexto sócio-histórico, análise formal ou
discursiva e interpretação dos achados. Em nosso percurso reflexivo, acionamos
transversalmente conceitos caros à pesquisa, como interseccionalidades (AKOTIRENE,
2021; CARRERA, 2021), a partir dos marcadores de gênero (BUTLER, 2010),
sexualidade (LOURO, 2009; FAVERO) e raça/racismo (TRINDADE, 2020; FANON,
2008), assim como hipersexualização (HIPÓLITO, 2022; JUNIOR, 2015; LIMA, SILVA
e NEPOMOCENO, 2021) e sociabilidades em ambientes digitais, apenas para citar
alguns. A escolha da temática se justifica enquanto uma potência reflexiva que pode
transformar o tecido social quanto à apresentação dos corpos gays negros em espaços
virtuais. Enquanto objetivos específicos, nos propomos a: 1 - identificar, por meio de
análise exploratória, como os corpos gays negros são apresentados dentro dos aplicativos
e se há discursos de ódio nesses espaços; 2 - investigar como (se) o tema da
hipersexualização desses corpos é abordada nos conteúdos publicados nos portais
alternativos; 3 - relacionar e sistematizar os conteúdos associados à hipersexualização dos
gays negros presentes nos observáveis; e 4 - interpretar e reinterpretar como a
hipersexualização desse grupo é (ou pode ser) impactada pelas questões de raça, gênero,
sexualidades, corporeidades e afetividades nos aplicativos de relacionamento e nos
portais alternativos dentro de seus contextos sociais. Dessa forma, no primeiro capítulo
deste trabalho tratamos sobre as questões históricas e sociais do racismo, corpo negro,
interseccionalidades e sexualização exacerbada. No segundo, acionamos conceitos sobre
sociabilidades, afetividades e interações desses corpos em ambientes digitais,
relacionando com compreensões sobre discursos de ódio, fetiches e aplicativos de
relacionamento.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1354316 - ANA REGINA BARROS REGO LEAL
Externo à Instituição - IGOR PINTO SACRAMENTO - UFRJ
Interno - 1167672 - JACQUELINE LIMA DOURADO
Notícia cadastrada em: 18/09/2023 10:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 18/07/2024 01:11