Notícias

Banca de DEFESA: RAKSANDRA MENDES DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAKSANDRA MENDES DOS SANTOS
DATA: 19/06/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Sala virtual
TÍTULO: Os sentidos produzidos pelos enfermeiros acerca do PMAQ-AB em um estado do Nordeste
PALAVRAS-CHAVES: Produção de Sentidos; Enfermeiros; PMAQ-AB; Atenção Básica
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Introdução: O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) foi criado pelo Ministério da Saúde (MS), em 2011, com o intuito de melhorar a qualidade dos serviços de atenção básica (AB) em todo o territó­rio nacional. Objetivo: Analisar a produção de sentidos dos enfermeiros acerca da participação das equipes de saúde no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) no estado do Piauí. Método: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada com vinte e cinco enfermeiros das quatro macrorregiões de saúde do Estado. A coleta de dados se deu por meio de grupos focais (GF) no período de setembro a outubro de 2018. Para a análise das informações utilizou-se os mapas de associação de ideias, técnica que se ancora na perspectiva das práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano. Resultados: Foram produzidas cinco categorias temáticas: sentidos do PMAQ-AB, sentidos da adesão, sentidos da autoavaliação, sentidos da avaliação externa, sentidos do recurso financeiro. Observou-se que o PMAQ é compreendido como organizador e transformador do processo de trabalho das equipes, instrumento de qualificação dos registros, incentivador do trabalho com metas; indutor de boas práticas; mecanismo de cobrança e orientação à gestão. A fase de adesão assumiu sentidos contraditórios, sendo reconhecida como um processo verticalizado ou horizontal ou desconhecido. Já a etapa de autoavaliação é vista como momento de integração dos profissionais e também prática inadequada, por não respeitar as diferentes realidades. A avaliação externa é compreendida como prática que deixa a desejar, como mecanismo de fiscalização, cobrança e exigência, com entrevistadores despreparados, prática em evolução e também como processo tranquilo. No que se refere ao recurso financeiro, as práticas discursivas giraram em torno da necessidade do direcionamento e da prestação de contas do recurso financeiro. Conclusões: O PMAQ-AB, mesmo com os desafios que enfrentou, constitui importante mecanismo de transformação da atenção básica. De modo que, a experiência do PMAQ-AB, apresentada neste estudo, contribui com o debate em torno da qualificação e do financiamento da atenção básica, a partir de reflexões críticas e contextualizadas, que possam colaborar com a institucionalização da cultura de monitoramento e avaliação, e no fortalecimento da AB.                                                                                                                   


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 3495439 - ELISIANE GOMES BONFIM
Interno - 2655082 - HILDA MARIA MARTINS BANDEIRA
Externo à Instituição - MARIA ZILDA SILVA SOARES - UESPI
Presidente - 1864470 - OSMAR DE OLIVEIRA CARDOSO
Notícia cadastrada em: 02/06/2020 16:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 03/08/2020 17:23