Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA LYS MARQUES FEITOSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA LYS MARQUES FEITOSA
DATA: 19/01/2024
HORA: 14:00
LOCAL: ON LINE (RELATÓRIO)
TÍTULO: PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS A HESITAÇÃO VACINAL CONTRA COVID-19 ENTRE ESCOLARES NO PIAUÍ: um estudo de base populacional
PALAVRAS-CHAVES: Recusa de vacinação. Crianças. Adolescentes. Infecção por coronavírus.
PÁGINAS: 68
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Saúde Pública
RESUMO:

Introdução: A pandemia de covid-19 teve um grande impacto em todo o mundo, afetandodiversos setores da sociedade, inclusive a educação. Nesse contexto, aprevalência da hesitação vacinal é particularmente alta entre crianças eadolescentes entre diferentes faixas etárias, regiões e países, pois os mesmosapresentam uma variedade de razões e preocupações que influenciam sua decisãode não se vacinarem, contribuindo assim, para a resistência das famílias quantoà eficácia e segurança das imunizações contra a covid-19. Objetivo:Estimar a prevalência e fatores associados à hesitação ao uso da vacina contra covid-19na população de crianças e adolescentes no estado do Piauí, segundo ascaracterísticas sociodemográficas, econômicas e de situações de saúde, consoanterelato dos responsáveis pelo domicílio. Metodologia: Este estudose caracteriza como transversal, analítico, de base populacional domiciliar,com dadosde entrevistas que ocorreram durante visita a domicílios sorteados, pormeio de formulário eletrônico que compreenderam uma subamostra de 313 criançase adolescentes de 5 a 19 anos de idade – integrando uma pesquisa maisampla, participante de um inquérito sorológico no estado do Piauí(EpiCOVID-Piauí), realizado no período de março a novembro de 2022. Estimou-se aprevalência de indicadores, segundo características sociodemográficas,econômicas, situação de saúde, por meio das diferenças estatísticas, através doteste que-quadrado de Pearson. Calculou-se a estimativa de prevalência dahesitação vacinal e a razão de prevalência (RP), com intervalo de confiança de95% (IC 95%), estimado pela regressão de Poisson. O nível de significânciaadotado para os testes foi de p < 0,05. As análises do plano amostralcomplexo foram realizadas no programa STATA (versão 16.1). Resultados: Aprevalência de hesitação vacinal foi de 9,8% (IC95% 5,2-18,0), não apresentandodiferenças significativas entre a capital e o interior (9,3% e 10,1%, respectivamente,com um Risco Proporcional - RP - de 1,09), sexo masculino (9,9 %; RP = 1,03;IC95% (0,43-2,42), faixa etária de 5 a 9 anos apresenta a maior taxa dehesitação (22,2%; RP = 1,00; IC95% 10,4-41,2) de escolaridade, com ensino fundamental completo (18,8%; RP = 1,00;IC95% 4,4-53,9) pertencentes às religiões de denominação evangélica (20,1 %; RP= 3,32; IC95% 0,72-15,42) e diferenças significativas também foram observadasem relação ao número de ≤4  moradores nodomicílio (16,6%; RP = 1,00; IC95%  0,74-63,51) e que possuem acesso à rede de esgoto (19,5%; RP = 3,40; IC95%0,99-11,58). No entanto, algumas características socioeconômicas edemográficas, assim como região e raça/ cor da pele, não tiveram diferençaestatística. Percebeu-se que, em relação às condições de saúde dosentrevistados, aqueles que não possuem um plano de saúde apresentam uma taxa dehesitação vacinal de 10,6%. Com relação à razão de prevalência, a faixa etária,tanto entre os indivíduos 10 e 14 anos, quanto os de 15 a 19 anos, apresentarammenor prevalência (respectivamente 13% e 11%) de hesitação vacinal (RP: 0,13;IC95%: 0,04-0,45; RP: 0,11; IC95%: 0,03-0,35). Ter 5 ou mais moradores no domicíliotambém apresentou cerca de 15% menor prevalência de ter hesitação vacinal(RP:0,15; IC95%: 0,04-0,55), assim como ter doenças cardiovasculares apresentou4,48 maior razão de prevalência para hesitação vacianal (RP:4,48; IC95%:1,13-17,72). Conclusão: Mediante o exposto, observa-se que a prevalência dehesitação vacinal na população de crianças e adolescentes apresenta associaçãocom fatores individuais, contextuais e clínicos que revelam os grupos etários econtextos mais resistentes, devendo merecer atenção especial das estratégiaspúblicas para garantir a ampla vacinação dessa população.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1566432 - FERNANDO FERRAZ DO NASCIMENTO
Externo à Instituição - JEFFERSON ABRAÃO CAETANO LIRA - UFPI
Externo à Instituição - LUCIANO PAMPLONA DE GOES CAVALCANTI - UFC
Externo ao Programa - 2221112 - MARCIA ASTRES FERNANDES
Interno - 3367697 - MARCIO DENIS MEDEIROS MASCARENHAS
Notícia cadastrada em: 21/12/2023 16:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 24/06/2024 14:39