Notícias

Banca de DEFESA: ADEILDES BEZERRA DE MOURA LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADEILDES BEZERRA DE MOURA LIMA
DATA: 26/03/2013
HORA: 15:00
LOCAL: Auditírio Profa. Francisca Elima Cavalcante Luz
TÍTULO:

Níveis de Retinol e Fatores Associados à sua Deficiência em Estudantes de Oito a 14 Anos de Teresina, Piauí


PALAVRAS-CHAVES:

Deficiência de vitamina A. Retinol. Estudantes. Socioeconômico


PÁGINAS: 83
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
RESUMO:

A vitamina A é um composto lipossolúvel, importante para o crescimento, desenvolvimento, manutenção de tecidos epiteliais, reprodução, funcionamento do ciclo visual e atividade do sistema imunológico. No Brasil há pouca informação sobre a DVA em crianças maiores de cinco anos e em adolescentes. Este trabalho objetivou avaliar os níveis séricos de retinol e investigar os fatores associados aos níveis deficientes em estudantes de oito a14 anos de escolas públicas nas zonas urbana e rural de Teresina, Piauí. Foi realizado um estudo transversal, com enfoque descritivo e analítico em quatro escolas da região norte, sendo uma na zona rural e três na zona urbana. A vitamina A foi analisada pelo método HPLC; para a avaliação nutricional utilizou-se o IMC percentilar e a circunferência da cintura; os dados socioeconômicos foram coletados em questionário próprio e a PCR foi analisada pelo método de aglutinação. Foram adotados os seguintes pontos de corte: DVA ˂0,70µmol/L e deficiência subclínica 0,70 – 1,05 µmol/L. O universo da amostra foi de 264 estudantes, com a média de idade de 10,9 anos e em sua maioria de sexo feminino. A média de escolaridade materna de 5,9 anos. A maioria das famílias tinha renda per capita entre 0,25 e 0,5 SM, com serviços públicos de abastecimento de água e coleta de lixo. A prevalência de DVA foi de 8,6% e a de deficiência subclínica foi de 35,6%, sendo estas mais frequentes na faixa etária de 12 a 14 anos e moradores da zona urbana, cujas mães tinham ˂ de oito anos de estudo e cujas residências tinham serviço público de abastecimento de água e de coleta de lixo. Dos estudantes com DVA, 23,5% tiveram a PCR˃ 6mg/l, configurando presença de processo infeccioso. Ao associar-se a DVA com as outras variáveis estudadas, somente a zona de localização (p 0,03) e a faixa etária (p˂ 0,001) mostraram ter influência sobre a DVA. Faz-se necessário estudar outras variáveis, como o padrão alimentar, para se verificar quais fatores têm maior influência sobre a DVA e assim orientar estratégias de combate a esta carência, visando a melhoria do estado nutricional e da saúde como todo e dando suporte adequado às modificações morfofisiológicas que ocorrem nesta faixa etária.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1794569 - ADRIANA DE AZEVEDO PAIVA
Externo à Instituição - CARMEN VIANA RAMOS - NOVAFAFI
Externo à Instituição - ILMA KRUZE GRANDE DE ARRUDA - UFPE
Interno - 423298 - MARIZE MELO DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 13/03/2013 18:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 13/08/2020 03:18