Notícias

Banca de DEFESA: MARCIA LUIZA DOS SANTOS BESERRA PESSOA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCIA LUIZA DOS SANTOS BESERRA PESSOA
DATA: 21/03/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório Profa. Francisca Elima Cavalcante Luz
TÍTULO:

Anemia Ferropriva, Consumo Alimentar e Antropometria em Pré-Escolares do Município de Teresina-Piauí.


PALAVRAS-CHAVES:

anemia; pré-escolares; consumo alimentar; antropometria.


PÁGINAS: 83
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
RESUMO:

Realizou-se este estudo com o objetivo de avaliar a prevalência de anemia ferropriva, o consumo alimentar e antropometria em pré-escolares da rede pública municipal de Teresina, Piauí. O estudo foi do tipo transversal, descritivo e analítico, aleatorizado com 400 crianças na faixa etária de 2 a 6 anos, alunos de Centros Municipais de Ensino Infantil, de ambos os sexos. Foram avaliadas características como os dados socioeconômicos, antropométricos, concentração de hemoglobina e consumo alimentar dos pré-escolares. A amostra teve distribuição normal, média de idade de 4,5 anos, a média de peso foi de 17,7kg e altura média de 105cm. O tempo em que as crianças estavam matriculadas nas creches variou, em média, entre 15 e 20 meses. A escolaridade predominante entre mães e pais era apenas o nível fundamental, com 50% e 53,3%,  respectivamente. A renda familiar da maioria das famílias era 1 a 2 salários mínimos, havia em média cinco pessoas na família. Quanto às características de saneamento básico, apenas o item esgotamento sanitário e asfalto não era frequente em 100% das residências. Quanto à prevalência de anemia verificou-se que 36% das crianças estavam com anemia ferropriva, sendo mais frequente nas crianças do Centro Municipal da Zona Sudeste, caracterizando diferença estatisticamente significativa entre as médias comparadas com o local de estudo e a concentração de hemoglobina. Do total de crianças estudadas a maioria (74,8%) estavam eutróficas, 11,5% com risco de excesso de peso, 8,5% estavam com excesso de peso e apenas 5,2% apresentaram magreza. Com relação à distribuição do estado nutricional e a presença de anemia, entre as crianças que não estavam anêmicas, a maioria estava eutrófica. Observou-se associação positiva entre anemia e estado nutricional. Os grupos de alimentos que apresentaram as maiores frequências de consumo (consumo diário) foram Arroz, pão, biscoitos salgados, bolo doce e salgado (93,3%); Feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, soja (70,5%); Leite (69,3%) e Manteiga/Margarina (56,0%). Os grupos de alimentos de consumo mais raro foram os vegetais tais como: couve, espinafre, brócolis e outros vegetais verde-escuros (87,8%); Cenoura crua (83,3%); Cenoura cozida, abóbora amarela e jerimum (62,8%); Farinha de milho, preparações com fubá de milho (56,5%); Queijos e iogurte (52,7%); Gema de ovo (64,3%) e Abacate (86,5%). Na categoria das carnes, vísceras e miúdos (56,8%) verificou-se uma maior porcentagem para consumo raro, assim como carne de porco e frango (71,8%); carne de cabra e similares (87,8%). A carne bovina teve consumo moderado, pois o consumo diário (47,0%), foi o maior em relação às outras frequências. Os pescados tiveram uma porcentagem maior de consumo raro/nunca (41,8%), apesar de não se caracterizar como elevada, seguido de frequência de duas a quatro vezes por semana (32,0%) e de consumo semanal (25,5%), demonstrando assim um baixo consumo destes alimentos. Também foram menos consumidos (nunca/raramente) alimentos como achocolatado (63,5%); farinhas (espessantes) de arroz, amido de milho, aveia e outros (74,0%), além de rapadura e doces (79,0%), amendoim, castanhas e amêndoas (85,5%). Na correlação entre os grupos de alimentos, hemoglobina e IMC-para-Idade verificou-se que existe uma correlação positiva (p<0,05) entre alimentos fontes e/ou facilitadores de ferro com o aumento da concentração de hemoglobina e com o estado de eutrofia das crianças pesquisadas. Grupos de alimentos energéticos e proteicos apresentaram uma correlação positiva com o estado nutricional de risco de excesso de peso. Conclui-se, portanto, que os pré-escolares estavam eutróficos, na sua maioria, 36% estavam anêmicos e apresentavam um baixo consumo ingestão de alimentos fontes de ferro e facilitadores de sua absorção.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 423298 - MARIZE MELO DOS SANTOS
Presidente - 1167746 - REGILDA SARAIVA DOS REIS MOREIRA ARAUJO
Notícia cadastrada em: 17/03/2014 16:51
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 14/08/2020 16:53