Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ISABELA RIBEIRO DE SÁ GUIMARÃES NOLÊTO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ISABELA RIBEIRO DE SÁ GUIMARÃES NOLÊTO
DATA: 31/03/2023
HORA: 14:00
LOCAL: plataforma virtual
TÍTULO: Desenvolvimento de solução de reidratação oral com ação antidiarreica à base de componente de origem vegetal
PALAVRAS-CHAVES: Gomas de exsudatos; goma do cajueiro; trato gastrointestinal; diarreia.
PÁGINAS: 103
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

A diarreia é uma doença caracterizada pela excreção de fezes moles ou líquidas em uma
frequência de três ou mais vezes por dia ou com uma frequência maior do que o normal a que
o organismo do indivíduo está habituado. Atualmente o principal tratamento baseia-se em
reidratação com soluções à base de sais, suplementação com zinco e consumo de alimentos
ricos em nutrientes, para reestabelecer a homeostase do organismo. Vale ressaltar que as
soluções à base de sais que compõem a terapia de reidratação oral (TRO) proporcionam apenas
a reidratação do organismo, sem sanar a diarreia propriamente dita. Pesquisas vem estudando
cada vez mais alternativas para o tratamento de diarreia , uma delas é a utilização da goma do
cajueiro como agente antidiarreico. A goma do cajueiro (GC) é um polissacarídeo de cadeia
longa extraído do exsudato do caule de Anacardium occidentale L. e apresenta diversos efeitos
benéficos ao trato gastrointestinal. Dessa forma, a presente tese visa desenvolver uma solução
de reidratação oral à base de polissacarídeo extraído da planta Anacardium occidentale L. que
seja eficaz no tratamento de diarreia, tenha ação reidratante e seja acessível à população. O
objetivo da presente tese é realizar uma revisão sobre os efeitos das gomas biológicas no trato
gastrointestinal (TGI), bem como identificar o método de extração e purificação da GC que
apresente melhor desempenho e formular e testar uma solução de reidratação oral à base de GC
que possua ação reidratante e antidiarreica. Nesse sentido, no capítulo 1, objetivou-se realizar
um levantamento científico sobre os efeitos das principais gomas biológicas no trato
gastrointestinal. No capítulo 2 objetivou-se realizar isolamento e purificação de cinco diferentes
métodos de obtenção da GC, bem como caracterizá-la quanto aos parâmetros físico-químicos,
além de realizar estudo dos parâmetros farmacocinéticos e toxológicos dos principais
componentes da GC. No capítulo 1, demonstrou-se que as gomas de alginatos, carragenanas,
goma arábica, GC, guar e xantana aumentam a saciedade e diminuem o peso corporal, reduzem
a digestão de proteínas e lipídios e promovem a entrega de medicamentos direcionados ao TGI.
Eles fornecem proteção anti-intoxicante, esofágica, gástrica e hepática, e melhoram a
bioacessibilidade do medicamento e a absorção de zinco. Eles reduzem a secreção endógena de
aminoácidos essenciais, participam da liberação prolongada de drogas e formulação bioadesiva,

6
influenciam positivamente as mucinas e a flora intestinal, reparam e protegem o intestino.
Portanto, essas gomas têm efeitos importantes no funcionamento do TGI e são excelentes alvos
biotecnológicos principalmente devido à sua biocompatibilidade. Já no capítulo 2, na análise
fitoquímica foi identificada a presença de ácidos orgânicos em todas as amostras; na
Espectroscopia do Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) identificou-se para todas as
amostras as bandas 1033-1084 cm-1, que representam ligações glicosídicas (C-O-C) e álcoois

(O-H), 2938-2942 cm-1, que representam vibrações de alongamento C-H e a banda 3400 cm-
1, que representa estiramento O-H. No potencial zeta foi possível observar eletronegatividade

para todas as amostras. No teste de solubilidade e umidade as amostras apresentaram boa
solubilidade e baixa umidade. Com relação à dosagem de proteínas, o método de Bradford não
se mostrou favorável para ser usado com a GC. Por meio de Cromatografia Líquida de Alta
Eficiência (HPLC) foi possível identificar presença de compostos fenólicos nas amostras e por
meio da titulação potenciométrica foi possível identificar o percentual de ácido galacturônico
em cada amostra. A massa molar ponderal média foi de 1,93×104 para IP01, 1,79×104 para
PL02, 1,80×104 para IL03, 1,92×104 para DL04 e 1,96×104 para DLLA05. Na ressonância
magnética nuclear de prótons todas as amostras de GC apresentaram pico semelhante de sinal
a 1,1 ppm, tal achado corresponde a presença do grupo metil da ramnose. Já os sinais 3,5 a 4,0
ppm correspondem de H-2 a H-5. Os sinais em torno de 4,3 e 4,8 são característicos de galactose
e ramnose, respectivamente. E entre 4,6 e 5,0 ppm correspondem a prótons anoméricos. Quanto

às propriedades farmacocinéticas e toxológicas, foram analisadas os monossacarídeos D-
glicose, D-galactose, D-Xilose, L-Ramnose, D-manose, ácido D-glucurônico e os dissacarídeos

3-O-beta-D-glucopiranosil-beta-D-galactopiranose e alfa-D-Lactose monohidratada, que
podem ser encontrados na composição da goma do cajueiro isolada e purificada que não sofreu
modificação. Além disso também foi avaliado os parâmetros para a loperamida, droga utilizada
como parâmetro de comparação em estudos que avaliam tratamentos para diarreia. Com relação
às propriedades farmacocinéticas, os componentes da GC apresentam boa solubilidade em
água, tem baixa permeabilidade às células Caco2, tem baixa absorção intestinal, possuem boa
permeabilidade cutânea, são substratos da glicoproteína P e não são inibidores da glicoproteína
P I e II. Constatou-se também que apenas o ácido glicurônico apresenta baixo volume de
distribuição, sendo assim bem distribuído no plasma. Os componentes da GC apresentam alta
fração não ligada, sendo bem distribuídos no organismo e apresentam baixa permeabilidade à
barreira hematoencefálica. Seus componentes não têm características inibidores das isoformas
do citocromo P450 e não são substratos da OCT2. Com relação aos parâmetros toxológicos, a

7
GC não apresenta potencial mutagênico, não inibe os genes hERG I e II e não apresenta
toxicidade em peixes Minnow. Por outro lado, apresentou toxicidade no teste com T.
pyriformis. Apresentou baixa toxicidade aguda e crônica em testes com roedores e não produz
sensibilidade na pele. Com isso, pode-se concluir que existem diversas gomas que
desempenham efeitos benéficos no organismo, contudo a GC vem se destacando. Sugere-se que
o método de isolamento e purificação da GC deva ser escolhido com base no objetivo de cada
uso, uma vez que suas características químicas foram semelhantes. Contudo ressalta-se que
deve ser levado em conta o tempo e materiais necessários para realização da purificação, além
das características que podem influenciar no seu uso, como porcentagem de rendimento e
presença de compostos fenólicos. Sua composição é biocompatível, apresenta boas
características farmacocinéticas e baixa toxicidade, tais achados destacam que a GC tem um
excelente potencial biotecnológico e pode ser empregado para diversas formulações
farmacêuticas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 995.992.603-68 - ALYNE RODRIGUES DE ARAUJO - UFPI
Interno - 1718303 - DURCILENE ALVES DA SILVA
Externo ao Programa - 3161301 - LUCAS ANTONIO DUARTE NICOLAU
Notícia cadastrada em: 02/03/2023 13:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 20/07/2024 07:42