Notícias

Banca de DEFESA: LETICIA XIMENES FURTADO MARQUES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LETICIA XIMENES FURTADO MARQUES
DATA: 19/03/2019
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do curso de farmácia
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA FARMACOTERAPIA PRESCRITA EM AMBIENTE HOSPITALAR PARA IDOSOS SEGUNDO CRITÉRIOS EXPLÍCITOS
PALAVRAS-CHAVES: Lista de medicamentos potencialmente inapropriados; Idoso; Tratamento Farmacológico; Prescrição Inadequada; Segurança do Paciente
PÁGINAS: 127
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Introdução A farmacoterapia em idosos torna-se complexa diante da possibilidade de uma prescrição medicamentosa inadequada, com a presença de medicamentos potencialmente inadequados (MPIs), que podem levar a complicações no quadro de saúde do paciente. Essas prescrições em ser identificados através de critérios explícitos, como Beers e Consenso Brasileiro de medicamentos potencialmente inadequados para idosos. Objetivo Realizar um levantamento acerca dos principais estudos das prevalências de MPIs para idosos segundo Beers e Consenso Brasileiro publicados nos últimos cinco anos e avaliar a farmacoterapia de pacientes idosos internados em hospital de ensino utilizando essas ferramentas. Metodologia Foi realizada uma busca por evidências científicas nas bases de dados Science Direct, PubMed, LILACS e Cochrane Library, com publicações dos últimos cinco anos, utilizando os descritores: Potentially inappropriate medications list; aged e Beers criteria e "Brazilian consensus", “aged” e “Potentially Inappropriate Medication. Em hospital de ensino, foram coletadas a partir de prontuários e prescrições aspectos sociodemográficos (sexo e idade) e clínicos do paciente e analisadas todas as prescrições desde o primeiro até o último dia de internação. Os MPIs foram identificados pelo Critério de Beers e Consenso Brasileiro de medicamentos potencialmente inadequados. Resultados Um total de 67 artigos foram inclusos na análise e identificadas as prevalências de até 87,6%, 86,2% e 93,5% dos pacientes com prescrições inadequadas, nas versões Beers 2003, Beers 2012 e Beers 2015, respectivamente, e o estudo que utilizou o Consenso Brasileiro como uma das ferramentas identificou uma frequência de uso de MPI de 55,9%. A prevalência de pacientes em hospital de ensino identificados utilizando pelo menos 1 MPI independente do diagnóstico de acordo com Beers 2015 durante a internação foi de 38,7%, sendo maior que a prevalência de pacientes com prescrição inadequada encontrada através do Consenso Brasileiro, 37,7% dos idosos analisados. No entanto, o Consenso Brasileiro identificou 5,7% pacientes em uso de MPI em determinadas condições clínicas, em comparação com 3,7% idosos identificados através do critério de Beers. Conclusão Os critérios explícitos utilizados para avaliação da farmacoterapia em idosos são muito utilizados mundialmente, conseguindo detectar altas taxas de utilização de MPIs e mostram-se ferramentas úteis na prevenção de agravos à saúde dos idosos.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1439403 - GILBERTO SANTOS CERQUEIRA
Externo ao Programa - 4546016 - HILRIS ROCHA E SILVA
Externo ao Programa - 665.904.343-87 - LORENA CITO LOPES RESENDE SANTANA - UFPI
Externo ao Programa - 3302639 - LUCIANO DA SILVA LOPES
Interno - 1350350 - MARIA DAS GRACAS FREIRE DE MEDEIROS
Notícia cadastrada em: 12/03/2019 09:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 11/11/2019 22:48