Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LAISA LIS FONTINELE DE SA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LAISA LIS FONTINELE DE SA
DATA: 20/06/2013
HORA: 14:30
LOCAL: Núcleo de Tecnologia Farmacêutica
TÍTULO:

Desenvolvimento tecnológico de comprimidos de pilocarpina para tratamento da xerostomia


PALAVRAS-CHAVES:

Secura bucal, Síndrome de Sjögren, Agonista colinérgico, Xerostomia, Pós-radiação.


PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A xerostomia, ou secura bucal, tem diversas etiologias, dentre elas destacam-se síndromes autoimunes, radioterapias, além da reação adversa ao uso de fármacos anticolinérgicos, podendo ocasionar danos severos e irreversíveis, com redução da qualidade de vida de muitos pacientes. A conhecida atividade colinérgica da pilocarpina vem sendo explorada de diversas formas ao longo dos anos, resultando no desenvolvimento de diversas formulações farmacêuticas patenteadas, como chicletes, soluções para gargarejo, sprays, etc, entretanto, a única apresentação disponível no mercado é representada pelos comprimidos orais, marca Salagen®, comercializada pela Eisai Inc. e aprovada pelo FDA em 1994. Esse produto, entretanto, não é comercializado no Brasil, o que resulta em baixa assistência a pacientes acometidos por essa sintomatologia. O desenvolvimento de produtos similares, com aplicação de excipientes regionais, além da necessidade de um tratamento de fácil adesão, aquisição e com redução de efeitos colaterais, nortearam o desenvolvimento do trabalho. Para tanto, foram realizados estudos de pré-formulação, desenvolvimento e controle de qualidade em formulações de comprimidos orais e mucoadesivos, contendo, respectivamente, os excipientes regionais, mesocarpo de babaçu (Orbignia sp.) e quitosana. A formulação oral foi avaliada quanto aos padrões de similaridade com o medicamento de referência (Salagen®), utilizando a ferramenta estatística de planejamento fatorial 23 para comparação dos resultados de peso médio, friabilidade, teor, dureza e tempo de desintegração entre os excipientes (celulose e babaçu), a via de compressão (direta ou indireta) e a porcentagem de lubrificantes (0,5 e 1,5%). Dessa forma, os comprimidos de babaçu, feitos por via úmida, obtiveram qualidade semelhante aos comprimidos de celulose, tornando a formulação viável para produção em larga escala. Já os comprimidos mucoadesivos, formulações inovadoras desenvolvidas com o objetivo de redução de efeitos colaterais e obtenção de efeito terapêutico mais rapidamente, foram avaliados quanto a peso médio, dureza, friabilidade, pH de superfície, porcentagem de intumescimento e tempo de mucoadesão, selecionando a formulação mais adequada para a via escolhida. O excipiente regional, quitosana, foi avaliado isoladamente e em proporções de 3:1, 2:2 e 1:3 com os polímeros conhecidamente mucoadesivos, celulose microcristalina (CMC) e carbopol (CBPOL). Todas as formulações contendo CMC apresentaram-se compatíveis com o pH fisiológico de 6,8 porém, devido a alta hidrofilicidade deste, apresentaram os maiores valores de friabilidade, menores durezas e menores tempos de mucoadesão, não passando de 3h, além de maiores variações na % de intumescimento. Comprimidos com carbopol, apesar de apresentarem-se levemente ácidos, variando de 3 a 5,8 com o aumento da proporção de quitosana, foram os que apresentaram melhores características de mucoadesividade, com aquele na proporção de 1:3 (CBPOL:Quitosana) com melhores resultados, incluindo 8h de mucoadesão, considerada ideal na redução da frequência de administração de novas doses. A partir desses resultados, a formulação mais adequada poderá ser avaliada quanto ao tempo de liberação ex vivo e permeação com células de Franz. Dessa forma, o estudo desenvolvido permitiu a obtenção de duas alternativas terapêuticas promissoras para o tratamento da xerostomia.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 423488 - BENEDITO BORGES DA SILVA
Externo ao Programa - 1553988 - EDSON CAVALCANTI DA SILVA FILHO
Externo à Instituição - JOSE LAMARTINE SOARES SOBRINHO - UFPE
Presidente - 1512631 - LIVIO CESAR CUNHA NUNES
Externo ao Programa - 1167674 - RAIMUNDO ROSENDO PRADO JUNIOR
Notícia cadastrada em: 21/05/2013 12:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 22/10/2019 05:45