Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCISCO RODRIGO DE ASEVEDO MENDES DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO RODRIGO DE ASEVEDO MENDES DE OLIVEIRA
DATA: 27/02/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do NTF
TÍTULO:

Ensaios pré-clínicos com um derivado semissintético do carvacrol: insumos para o desenvolvimento de novos fitofármacos.


PALAVRAS-CHAVES:

Acetato de carvacrila, Ensaio cometa, Fitomedicamento, Segurança.


PÁGINAS: 102
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

O acetato de carvacrila (AC) é um derivado acetilado do carvacrol, quimicamente definido como 5-isopropil-2-metilfenil acetato e que possui atividade anti-helmíntica, ansiolítica, anti-inflamatória e antinociceptiva. Entretanto, ainda não há pesquisas sobre a toxicidade aguda, propriedades antioxidantes e genotóxicas desse composto. Assim, o presente estudo teve por objetivo a investigação da sua toxicidade, genotoxicidade e seu potencial antioxidante. Para tanto, a presente dissertação foi dividida em quatro capítulos para melhor compreensão dos procedimentos experimentais realizados. No primeiro capítulo, foi realizada uma prospecção tecnológica das aplicações industriais do AC em doenças negligenciadas. Não foram encontradas patentes referentes ao objeto da pesquisa. Diante disto, é possível inferir que o AC apresenta ampla perspectiva para um crescente investimento em pesquisas no desenvolvimento de medicamentos eficazes, seguros e acessíveis a sociedade. No segundo capítulo, foi realizada uma avaliação da toxidade aguda após a administração do AC em camundongos tratados com 0, 1.000 e 2.000 mg/kg por via oral (v.o) e intraperitoneal (i.p) sobre os parâmetros fisiológicos, bioquímicos e hematológicos, bem como verificar seus efeitos sobre a atividade locomotora e coordenação motora em camundongos. Além disso, o objetivo do referido estudo foi determinar a dose letal 50% (DL50) desse monoterpeno. A administração aguda com as doses selecionadas do AC, não induziu modificações significativas nos dados fisiológicos, bioquímicos e hematológicos. O AC não interferiu na atividade locomotora dos animais, entretanto, na dose de 2.000 mg/kg produziu uma redução da coordenação motora dos animais. O estudo de toxicidade aguda indicou que o tratamento com AC por via oral, nas doses selecionadas, foi bem tolerado em todos os animais em teste, sugerindo sua segurança para posteriores investigações. A DL50 para via i.p foi de 1.542,21 mg/kg em camundongos. O terceiro capítulo avaliou a capacidade antioxidante in vitro do AC pela eliminação dos radicais 1,1difenil-2-picrilhidrazil (DPPH•) e ácido 2,2'-azinobis-3 etilbenzotiazolina-6-sulfónico (ABTS•+) e pelo potencial redutor. Os resultados antioxidantes demonstraram que o AC nas concentrações de 0,9, 1,8, 3,6, 5,4 e 7,2 µg/mL tem a capacidade de atuar na remoção dos radicais DPPH• (CE50 = 6,27 µg/mL) e ABTS•+ (CE50 = 5,46 µg/mL), e potencial redutor (CE50 = 3,2 µg/mL). Além disso, em camundongos Swiss (25-30 g) de ambos os sexos foram administrado por via oral e intraperitoneal o AC nas doses de 1.000 e 2.000 mg/kg e a genotoxicidade foi avaliada por meio do teste cometa, em diferentes momentos (24 e 72 h), realizado em células do sangue periférico e hipocampo. O resultado obtido revelou que o AC nestas doses pode induzir danos ao DNA em células do sangue periférico e hipocampo de camundongos machos e fêmeas pelo aumento significativo no Índice de dano e frequência de dano. O quarto capítulo refere-se à solicitação de registro de patente submetido ao Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia que teve como objetivo solicitar a aplicação farmacêutica do AC para o tratamento da esquistossomose.

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1551616 - CHISTIANE MENDES FEITOSA
Externo à Instituição - JOAQUIM SOARES DA COSTA JUNIOR - IFPI
Interno - 1638239 - PAULO MICHEL PINHEIRO FERREIRA
Presidente - 1638285 - RIVELILSON MENDES DE FREITAS
Notícia cadastrada em: 07/02/2014 14:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 13/11/2019 10:19