Notícias

Banca de DEFESA: KATIA DA CONCEIÇÃO MACHADO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KATIA DA CONCEIÇÃO MACHADO
DATA: 07/11/2014
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do Curso de Farmácia
TÍTULO:

Potencial farmacêutico anticâncer de extratos e da molécula marinobufagina obtidos a partir de venenos de Rhinella marina e Rhaebo guttatus da região Amazônica


PALAVRAS-CHAVES:

Anticâncer. Atividade antiproliferativa. Bufadienolídeos. Marinobufagina. Rhinella marina.


PÁGINAS: 113
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

O tratamento do câncer sofre diversos desafios pelo fato da maioria dos quimioterápicos possuir efeitos adversos prejudiciais às células normais e as neoplasias apresentarem resistência farmacológica. Vários estudos estão sendorealizados no âmbito de produtos naturais com o intuito de desenvolver alternativas terapêuticas mais eficazes emenos tóxicas. Nesse contexto encontram-se os bufadienolídeos, compostos isolados de venenos de sapos, que possuem diversas atividades biológicas. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo estudar o potencial antitumoral in vitro de substâncias extraídas de venenos de sapos da região Amazônica. Foi realizada uma prospecção científica e tecnológica para avaliar os estudos e pedidos de depósitos de patentes relacionadas a ação antitumoral dos bufadienolídeos. Observou-se que apenas 9 artigos relacionavam os termos Bufadienolídeo e câncer e apenas um pedido de depósito de patente, que foi classificado com A61K, mostrando que ainda há pouco interesse tecnológico na atividade antitumoral dos bufadienolídeos. Uma bioprospecção da atividade antiproliferativa de extratos de venenos de Rhinella marina e Rhaebo guttatus fêmeas/machos da região Amazônica do Brasil, revelaram citotoxicidade contra células tumorais humanas de leucemia (HL-60), ovário (OVCAR-8), glioblastoma (SF-295) e cólon (HCT-116), sendo que o extrato de R. marina foi potencialmente mais citótoxico que o fármaco padrão doxorrubicina, com valores de CI50 variando de 0,01 (HL-60, SF-295 e HCT-116) a 0,23 μg/mL (OVCAR-8). Através do teste de Alamar blue foi verificado que os extratos de Rhinella marina foram até 80 vezes mais seletivos contra células leucêmicas quando comparado com leucócitos normais. Os extratos obtidos de R. marina diminuíram a incorporação de BrdU ao DNA de células HL-60 em ambas concentrações testadas (0,1 e 1 μg/mL). Foi avaliada a ação antileucêmica da molécula marinobufagina, o componente majoritário nos extratos de R. marina, a qual se mostrou altamente citotóxica contra as linhagens testadas (CI50 de 0,06 a 0,18 μg/mL), não causou hemólise em eritrócitos de camundongos (até 200 μg/mL). No teste Allium cepa nas maiores concentrações (0,1 e 0,5 μg/mL) se mostrou tóxica e citotóxica, e causou alterações morfológicas e bioquímicas indicativas de morte celular por apoptose nas concentrações de 0,1 e 0,5 μg/mL.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2617696 - ALDEIDIA PEREIRA DE OLIVEIRA
Interno - 130.036.743-15 - ANA AMELIA DE CARVALHO MELO CAVALCANTE - UFPI
Externo à Instituição - ARNOBIO ANTONIO DA SILVA JUNIOR - UFRN
Interno - 1551616 - CHISTIANE MENDES FEITOSA
Presidente - 1638239 - PAULO MICHEL PINHEIRO FERREIRA
Notícia cadastrada em: 14/10/2014 09:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 19/10/2019 01:36