Notícias

Banca de DEFESA: DAYANE ALVES COSTA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DAYANE ALVES COSTA
DATA: 26/04/2012
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Curso de Farmácia
TÍTULO:

Estudo pré-clínico dos efeitos bioquímicos e farmacológicos da ciano-carvona em camundongos: subsídio para o desenvolvimento de fitomedicamentos


PALAVRAS-CHAVES:

Ansiedade, Anticonvulsivante, Antioxidante, Ciano-carvona, Monoterpeno.


PÁGINAS: 101
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

O composto ciano-carvona (CC), derivado sintético da carvona, foi o objeto de estudo deste trabalho, obtido a partir da síntese da substância R-(-)-carvona, um monoterpeno monocíclico. No primeiro capítulo, foi realizado a avaliação da toxicidade aguda por via oral da CC para o cálculo da dose letal 50% (DL50) e determinação dos parâmetros bioquímicos e hematológicos, bem como o efeito ansiolítico por meio dos testes de campo aberto, rota rod e labirinto em cruz elevado em camundongos Swiss machos. O tratamento não causou nenhuma morte ou toxicidade nos animais, não sendo possível calcular a DL50, como também não apresentou nenhuma alteração bioquímica e hematológica após tratamento com CC nas doses 25, 50 e 75 mg kg-1. Não foi observada alteração no número de groomings e houve uma diminuição do número de rearings. Em relação ao labirinto em cruz elevado houve um maior número de entradas nos braços abertos, bem como um maior tempo de permanência nos braços abertos, sugerindo um possível efeito ansiolítico. Em relação ao teste do rota rod não foi verificada alteração no tempo de permanência na barra giratória, bem como não foi detectado mudanças no número de quedas. No segundo capítulo foram investigados os efeitos anticonvulsivantes e antioxidantes de ciano-carvona e sua ação sobre a atividade da acetilcolinesterase no hipocampo de camundongos após tratamento com CC nas doses de 25, 50 e 75 mg kg-1. O efeito anticonvulsivante de CC foi investigada no modelo de epilepsia induzido por pilocarpina. Esse monoterpeno foi capaz de promover um aumento de latência para a instalação de estado de mal epiléptico induzido por pilocarpina e apresentou uma proteção significativa contra a peroxidação lipídica e formação de nitrito no hipocampo de camundongos. Além disso, o pré-tratamento com CC aumentou a atividade da acetilcolinesterase no hipocampo de camundongos após convulsões induzidas por pilocarpina. Os resultados indicam a capacidade de CC para modular os efeitos anticonvulsivantes e antioxidantes. No terceiro capítulo objetivou-se investigar a atividade antioxidante in vitro da ciano-carvona, sendo capaz de prevenir a peroxidação lipídica induzida por AAPH, inibindo a quantidade de substâncias reativas com ácido tiobarbitúrico (TBARS) formado. A ciano-carvona também produziu uma remoção do radical hidroxila podendo ser devido a uma atividade antioxidante, sugerindo uma possível capacidade de proteção contra danos celulares in vivo produzidos por este radical. Na avaliação de produção de óxido nítrico, houve uma diminuição significativa na produção deste composto pela CC, demonstrando uma propriedade antioxidante in vitro, que pode ser explorada para a proteção in vivo das biomoléculas, como lipídios da membrana celular, contra danos causados pelos radicais livres. A ciano-carvona apresentou um forte potencial antioxidante in vitro, por meio da capacidade de remoção contra radicais hidroxilas e do óxido nítrico, bem como preveniu a formação de TBARS. No entanto, mais estudos são necessários para caracterizar melhor as propriedades antioxidantes da ciano-carvona. O quarto capítulo refere-se ao pedido de registro de patente submetido ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual por meio do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia (NINTEC), com a finalidade de subsidiar o desenvolvimento de uma nova formulação farmacêutica utilizando a ciano-carvona para o tratamento de doenças neurodegenerativas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCILENE AMARAL DA SILVA - UFS
Interno - 1549662 - HERCILIA MARIA LINS ROLIM SANTOS
Interno - 422496 - JOSE ARIMATEIA DANTAS LOPES
Interno - 1512631 - LIVIO CESAR CUNHA NUNES
Presidente - 1638285 - RIVELILSON MENDES DE FREITAS
Notícia cadastrada em: 02/04/2012 18:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 13/11/2019 10:15