Notícias

Banca de DEFESA: GEOVANNI DE MORAIS LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GEOVANNI DE MORAIS LIMA
DATA: 31/07/2017
HORA: 09:00
LOCAL: NPPM
TÍTULO: Efeitos da manteiga da semente do bacuri (Platonia insignis Mart.) em hamsters com hipercolesterolemia induzida por dieta hiperlipídica
PALAVRAS-CHAVES: Bacuri. Platonia insignis Mart. Perfil lipídico. Atividade antioxidante.
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

O bacuri (Platonia insignis Mart.) tem sido utilizado na medicina popular por suas atividades anti-inflamatórias e cicatrizante, mas não há relatos de efeito hipocolesterolemiante e, por isso, foi avaliado os efeitos da manteiga da semente do bacuri (MB) sobre o perfil lipídico, estado antioxidante, função hepática, peso dos órgãos e parâmetros metabólicos em hamsters. Além disso, foi avaliada a toxicidade aguda em ratos e a atividade antioxidante in vitro. Hamsters machos, recém-desmamados, receberam ração contendo caseína (20%), gordura de coco (13,5%) e colesterol (0,1%) durante 21 dias para indução da dislipidemia. O grupo controle normal (CN, n=8) recebeu ração padrão. Após indução, os animais com dislipidemia foram aleatoriamente separados em três grupos, todos mantidos com ração hiperlipídica durante os 28 dias de tratamento: controle dislipidemia (CD, n=8); MB 25 mg/kg/dia (MB-25, n=10); MB 50 mg/kg/dia (MB-50, n=10). Ao final do tratamento foram determinadas as concentrações séricas de triglicérides (TG), colesterol total (CT), LDL colesterol (LDL-c), HDL-c, malondialdeído (MDA), alanina aminotransferase (ALT), aspartato aminotransferase (AST) e fosfatase alcalina (FAL), superóxido dismutase (SOD) em eritrócitos, peso do fígado, coração e gordura retroperitoneal. Durante todo o período experimental, acompanhou-se a ingestão alimentar, ganho de peso e crescimento nasoanal dos grupos tratados e não tratados, e, ao final do período experimental, calculou-se os índices de massa corpórea e de Lee dos grupos. Para a toxicidade aguda, ratos foram divididos em dois grupos: grupo controle (tween 80 em água destilada) e grupo MB 2.000 mg/kg. Atividade antioxidante avaliada pelo método do radical livre 2,2-difenil-1-picrilhidrazil (DPPH). A comparação entre grupos foi realizada por análise de variância e teste de Tukey. A pesquisa foi aprovada por Comissão de Ética em Uso de Animais (CEUA/UFPI 197/16). Não houve diferenças estatisticamente significativas entre os grupos MB-25 e MB-50 com CN e CD em relação a TG e CT. Contudo, MB-25 apresentou HDL-C significativamente maior (51,40 ± 1,69) (p<0,05) e LDL-c menor (103,80 ± 6,87) (p<0,05), bem como MB-50 apresentou nível maior (p<0,05) de HDL-c (51,00 ± 2,34) e menor (p<0,05) de LDLc (100,50 ± 3,95) comparados a CD (LDLc=132,70 ± 9,41; HLDc=  41,00 ± 2,94). Além disso, CD apresentou níveis de TG (88,00 ± 4,30), COL (183,00 ± 9,00), HDL-c (41,00 ± 2,94) e LDL-c (132,70 ± 9,41) maiores (p<0,05) que CN (TG= 35,00 ± 5,00; CT= 95,00 ± 3,50; HDLc= 26,88 ± 2,15; LDLc= 60,60 ± 2,26). Não foram observadas diferenças (p>0,05) em relação à: MDA, ALT, AST, FAL, peso do coração e da gordura retroperitoneal, ingestão alimentar, ganho de peso, crescimento nasoanal e massa corpórea. Entretanto, observou-se um aumento isolado (p<0,05) no peso do fígado dos animais dos grupos MB-25 (5,32 ± 0,30) e MB-50 (5,23 ± 0,32), em relação aos do controle normal (4,07 ± 0,17). A MB apresentou baixa toxicidade aguda e demonstrou potencial antioxidante in vitro (EC50=493,10 μg/mL). Quanto aos níveis de SOD, não foram observadas diferenças entre MB-25 (1.557 ± 53,93), CN (1.437 ± 71,70) e CD (1.430 ± 128,90), entretanto, MB-50 (1.868 ± 131,80) apresentou níveis significativamente maiores (p<0,05) que CN e CD. Em conclusão, o estudo demonstrou que a MB, nas doses e tempo de tratamento empregados, apresenta repercussões positivas sobre o perfil lipídico em hamsters hipercolesterolêmicos. A maior dose de 50 mg/kg produziu aumento isolado nos níveis de SOD, indicando atividade antioxidante e não apresentou toxicidade sistêmica. A MB não demonstrou toxicidade aguda e possui potencial antioxidante in vitro.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA - UFS
Presidente - 1167710 - MARIA DO CARMO DE CARVALHO E MARTINS
Interno - 1560969 - ROSIMEIRE FERREIRA DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 21/07/2017 09:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 18:03