Notícias

Banca de DEFESA: IZABELA BORGES DE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IZABELA BORGES DE CARVALHO
DATA: 16/04/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais- Bloco 15
TÍTULO: Avaliação do efeito do Ferulato de etila sobre a motilidade gastrointestinal de camundongos
PALAVRAS-CHAVES: Ferulato de etila. Fenilpropanóide. Trânsito gastrointestinal, Íleo pós-operatório.
PÁGINAS: 87
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
SUBÁREA: Farmacologia Geral
RESUMO:

As doenças gastrointestinais (GI) são um grave problema de saúde pública prevalentes em todo o mundo, e estima-se que em média 69% da população sofre algum tipo de distúrbio de motilidade GI. A maioria dos fármacos disponíveis carrega consigo inúmeros efeitos adversos, dentre eles o mais comum são as dores abdominais, e o potencial cardiotóxico. O Ferulato de Etila (FE) é um fenilpropanóide derivado do ácido ferúlico, com atividades anti-inflamatória e antioxidante. É amplamente encontrado em vegetais e em grãos (arroz e milho). O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do ferulato de etila sobre a motilidade gastrointestinal de camundongos. Para isso, foram utilizados camundongos swiss (25-30 g) e realizado o teste propulsão do carvão vegetal sobre o trânsito GI normal, sobre o pré-tratamento com atropina, verapamil e ondansetrona e sobre o retardo GI induzido por morfina. Além disso foi avaliado o efeito do FE sobre o esvaziamento gástrico. Em seguida, avaliamos o efeito de FE em modelos de Ileo Pós-Operatório (IPO), através de manipulação intestinal, onde foi analisado o trânsito GI, níveis de mieloperoxidase (MPO), nitrito (NO), superóxido dismutase (SOD), glutationa reduzida (GSH) e malondialdeído (MDA) em amostras de íleo. Foi observado aumento significativo do trânsito GI normal de camundongos nos grupos tratados com FE nas doses de 50 e 100 mg/Kg (73,41 % ± 2,14 e 67,82 ± 3,68 %, respectivamente) comparada com o controle veículo (42,48 ± 1,61 %), não havendo diferença significativa do grupo tratado com Tegaserode (73,03 ± 3,31 %). Os testes posteriores foram com FE na dose de 50mg/kg. O pré-tratamento com atropina inibiu significativamente o efeito procinético do FE (60,20±2,34 %), quando comparado ao grupo tratado apenas com FE (79,03 ± 4,12), sugerindo o envolvimento da ativação muscarínica no efeito procinético. O pré-tratamento com verapamil reduziu significativamente tal efeito (47,68±2,15%), quando comparado ao grupo FE (76,83±1,88%), sugerindo envolvimento da ativação dos canais de cálcio.O pré-tratamento com FE não foi capaz de reverter o efeito inibitório da morfina sobre o trânsito GI (17,35 ± 2,07%) quando comparado ao grupo morfina (17,08 ± 5,05 %), isto sugere ausência de antagonismo opióide quando comparado ao grupo pré-tratado como a naloxona (54,13 ± 10,44%). Pode haver antagonismo fisiológico, onde outras vias de importante função no efeito de FE, estão envolvidas no efeito constipante da morfina. Não houve diferença significativa entre o grupo FE (71,76 ± 4,1%) o grupo pré-tratado com Ondansetrona (72,18 ± 5,76%), sugerindo não envolvimento serotoninérgico via ativação dos receptores 5-HT3 no efeito procinético de FE. Foi possível observar também que o FE (50mg/kg) não altera o perfil de esvaziamento gástrico nos animais, pois não houve diferença significativa nas percentagens de retenção gástrica entre o grupo veículo e o grupo FE. No modelo IPO, houve redução significativa do trânsito gastrointestinal (52,31 ± 3,18 %) no grupo veículo, quando comparado ao grupo sham (67,21 ± 4,28 %). O tratamento com FE restaurou o trânsito GI (76,08 ± 2,24 %), reduziu os níveis da MPO, NO e MDA, houve aumento de SOD e GSH comparado ao grupo veículo. O tratamento com FE reduziu a inflamação induzida por IPO e elevou os níveis de antioxidantes endógenos. Este estudo demonstra o efeito prócinético do ferulato de etila e sugere que pode ser uma alternativa para o tratamento de doenças que causam hipomotilidade intestinal e prevenção do IPO. No entanto, mais estudos são necessários para melhor elucidação do mecanismo de ação.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2457259 - MOISES TOLENTINO BENTO DA SILVA
Externo à Instituição - ROSEMARIE BRANDIM MARQUES - UESPI
Presidente - 1560969 - ROSIMEIRE FERREIRA DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 06/04/2018 21:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 18:16