Notícias

Banca de DEFESA: LUCAS SOLYANO ALMEIDA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCAS SOLYANO ALMEIDA DE OLIVEIRA
DATA: 16/09/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do NPPM (SG-15)
TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO GALATO DE ISOPROPILA NO TRATAMENTO DE CISTITE HEMORRÁGICA INDUZIDA POR IFOSFAMIDA EM ANIMAIS EXPERIMENTAIS
PALAVRAS-CHAVES: CISTITE HEMORRÁGICA; GALATO DE ISOPROPILA; QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLASICA; POLIFENOIS
PÁGINAS: 73
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

A Cistite hemorrágica é o principal efeito adverso dose-limitante do uso clínico das oxazafosforinas, incluindo a ifosfamida (IFOS). Tal evento ocorre através da formação da acroleína, metabólito responsável pela urotoxicidade desses fármacos, resultando em aumento do estresse oxidativo e produção de citocinas pró-inflamatórias, que culminam na degradação do tecido vesical. Diante disso, identifica-se uma necessidade para o desenvolvimento de um citoprotetor eficaz que possa vir a ser utilizado como adjuvante na terapia oncológica com as oxazafosforinas. Os derivados do acido gálico possuem efeitos antineoplásicos, anti-inflamatórios e antioxidantes, o que pressupõe que o galato de isoproprila (GIP) seja potencialmente útil na pesquisa de novos protótipos que possam mitigar reações inflamatórias agudas induzidas por IFOS. Neste contexto, o objetivo desta pesquisa foi analisar o efeito protetor do GIP frente à cistite hemorrágica induzida por IFOS em modelo animal. O modelo de cistite hemorrágica foi induzido por dose única do antineoplásico IFOS, precedido de pré-tratamento com salina ou GIP (6,25; 12,5; 25; 50 mg/kg, vo) em Mus musculus  (CEUA 453/2017). Para analisar a redução do dano foram avaliados a massa úmida vesical (MUV), teor de hemoglobina, o extravasamento do corante azul de Evans na matriz vesical e a Proteina C reativa (PCR) por um método imunoturbidimétrico. As citocinas inflamatórias (TNF- α e IL-1β) foram dosadas por técnica de imunoensaio ELISA. Os dados de inibição foram calculados em relação ao controle negativo (CN) e as significâncias calculadas considerando p<0,05. Os resultados mostram que o pré-tratamento com o GIP (12,5 e 25 mg/kg) reduziu significativamente em 29,73% e 36,86%, respectivamente, a massa úmida vesical e atenuou de forma significativa, a hemorragia (30,1% e 54,55%, respectivamente), houve uma redução de sinais inflamatórios nas bexigas dos animais pre-tratados com GIP 25mg/kg, tanto na analise microscópica quanto macroscópica.  O GIP (25 mg/kg) reduziu o significativamente o extravasamento vascular de proteínas (42,94%), os níveis de MDA (32,53%), manteve os níveis de SOD a 89,27%, de forma semelhante ao MESNA (fármaco padrão). Em relação aos níveis de GSH, o GIP 25 mg/kg, manteve o valor à 35,87% em relação ao SHAM , além de diminuir a PCR em 56,41%. Na avaliação de citocinas, o GIP na dose de 25 mg/kg  foi capaz de diminuir os níveis de TNF-α (88,77 %) e IL-1β 62,87%). Com base no exposto, pode-se concluir que o GIP foi capaz de atenuar os sinais da cistite hemorrágica induzida por ifosfamida em camundongos e que representa uma promissora opção terapêutica na modulação dessa condição patológica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2246074 - FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA
Interno - 1167750 - FERNANDO AECIO DE AMORIM CARVALHO
Externo ao Programa - 3302639 - LUCIANO DA SILVA LOPES
Notícia cadastrada em: 04/09/2019 15:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 24/02/2021 17:36