Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MONIQUE LUANA FRAZÃO RAMOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MONIQUE LUANA FRAZÃO RAMOS
DATA: 07/10/2019
HORA: 14:30
LOCAL: NPPM
TÍTULO: Avaliação do efeito do extrato etanólico de Simaba ferruginea A.St.-Hil em modelo experimental de disfunção erétil em ratos normais e diabéticos tipo 1.
PALAVRAS-CHAVES: Plantas medicinais, apomorfina, corpo cavernoso e músculo liso
PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
SUBÁREA: Farmacologia Geral
RESUMO:

A disfunção erétil (DE) é definida como a incapacidade consistente ou intermitente de obter ou manter ereções penianas que permitam uma relação sexual satisfatória. O crescente reconhecimento de sua relação com comorbidades clínicas revelou uma base orgânica na maioria dos casos e entre elas está o diabetes mellitus (DM). Os inibidores da fosfodiesterase 5 (iPDE-5), principais agentes utilizados na terapia farmacológica da DE, apresentam uma falta de eficácia em 50% dos pacientes que sofrem de DE relacionada ao DM. Isso mostra a grande importância de novos agentes terapêuticos que beneficiem esses pacientes. Entre espécies com potencial efeito terapêutico pode-se citar a Simaba ferrugínea que já apresentou diversas atividades farmacológicas, entretanto não há relato de seus efeitos na DE relacionada ao DM. O objetivo do estudo foi investigar o efeito da administração de diferentes doses do extrato etanólico, obtido das folhas de Simaba ferruginea A.St.-Hil (Sf-EtOH) em parâmetros envolvidos na ereção peniana induzida por apomorfina, em ratos normais e diabéticos tipo 1. Foram utilizados ratos Wistar pesando entre 200 e 300 g, idade entre 12 e 14 semanas. O DM tipo 1 (DM-1) foi induzido pela administração única de estreptozotocina 60 mg/kg (i.p.) em animais em jejum. Para o tratamento posterior, os animais foram separados em 5 grupos: controle normal (G1), diabético (G2), que receberam apenas veículo. Também houveram os grupos diabético tratados com Sf-EtOH nas doses de 25 (G3), 50 (G4), e 100 (G5) mg/kg (v.o.) em dose única diária por 14 dias. Para a avaliação das ereções, administrou-se apomorfina (80 µg/kg, s.c.) na região do dorso e observou-se o número, tempo de duração e latência para a primeira ereção. Avaliou-se também os parâmetros bioquímicos dos grupos, reatividade contrátil à fenilefrina e possíveis alterações teciduais através de análise histopatológica. A comparação entre grupos foi realizada por análise de variância e teste de Tukey. A pesquisa foi aprovada pela Comissão de Ética em Uso de Animais (CEUA/UFPI 454/18). RESULTADOS: G1 apresentou diferença significativa em relação a G2 no parâmetro de número de ereções (4,0 ± 0,54 x 2,0 ± 0,44) e latência para a primeira ereção (5,0 ± 0,89 x 12,4 ± 0,87). Não houve diferença entre G2 X G3, G4 e G5 para os mesmos parâmetros. O tratamento realizado com Sf-EtOH, nas doses de 25 (12,2 ±1,02) e 50 mg/kg (11,8 ± 0,96) reestabeleceu o tempo de duração das ereções obtidas para valores significativamente iguais ao do grupo controle (10,0 ±1,26). Quanto à reatividade contrátil à fenilefrina, não houve diferença significativa G1 e G2. O tratamento com Sf-EtOH diminuiu a glicose em jejum dos animais em tratados G3 (146,3 ± 20,36), G4 (161,2 ± 15,64) e G5 (111,3 ± 10,56) quando comparados a G2 (431,0 ± 10,25). Não houve diferença dos níveis de colesterol entre G1(65,83 ± 4,99) e G2 (71,0 ± 5,56). No entanto, o tratamento em G3 (53,67 ± 1,70) e G4 (54,67 ± 2,53) diminuiu os níveis de colesterol total dos animais comparados a G2. Houve aumento dos níveis de triglicerídeos de G2 (140,0 ± 35,07) em relação a G1 (32,67 ± 5,83) e o tratamento realizado com Sf-EtOH em G3 (28,67 ± 4,35), G4 (39,67 ± 4,80) e G5 (38,17 ± 4,31) diminuiu esses níveis. O tratamento realizado com Sf-EtOH aumentou os níveis de HDL em G3 (41,33 ± 13,08) e G4 (43,67 ± 1,56) em relação a G2 (32,0 ± 2,91). O tratamento com Sf-EtOH promoveu reestabelecimento de parâmetros bioquímicos para valores próximos ao grupo normal.  Assim, pode-se concluir que o Sf-EtOH apresenta uma ação preventiva sobre as alterações bioquímicas ocorridas na DM-1 e esse efeito provavelmente contribui para a reversão de alterações da função erétil decorrentes do DM e reestabelecimento das mesmas para parâmetros normais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1560969 - ROSIMEIRE FERREIRA DOS SANTOS
Interno - 423551 - RITA DE CASSIA MENESES OLIVEIRA
Externo ao Programa - 423597 - SALETE MARIA DA ROCHA CIPRIANO BRITO
Notícia cadastrada em: 20/09/2019 18:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 18:13