Notícias

Banca de DEFESA: MOEMA SOUSA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MOEMA SOUSA DE OLIVEIRA
DATA: 10/03/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do NPPM
TÍTULO:

Óleo essencial dos frutos da aroeira-vermelha (Schinus terebinthifolius Raddi) sobre parâmetros reprodutivos e toxicológicos em fêmeas de ratos e camundongos


PALAVRAS-CHAVES:

aroeira-vermelha,toxicidade reprodutiva fêmeas, Anacardiacea


PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
SUBÁREA: Toxicologia
RESUMO:

Schinus terebinthifolius Raddi, conhecida popularmente como aroeira-vermelha, pertence à família Anacardiaceae. A aroeira-vermelha é uma planta que vai desde o estado de Pernambuco até o sul do País, nativa da região do sul do Brasil, Argentina, Uruguai , Paraguai, Chile, Peru e Bolívia. Sabe-se que esta espécie apresenta diversas atividades: cicatrizante, anti-inflamatória, antimicrobiana, contra vaginose bacteriana, ostíte alveolar, dentre outras. Dentro desta perspectiva, este trabalho tem por objetivo verificar possíveis efeitos do óleo essencial dos frutos da S. terebinthifolius Raddi (OE-St) sobre o sistema reprodutivo de fêmeas de rato e camundongos. Nos testes envolvendo o ciclo estral, os animais foram tratados diariamente durante 30 dias, observando-se a duração e número de ciclos. No teste para avaliação da atividade estrogênica e antiestrogênica os animais foram tratados durante sete dias com o OE-St nas doses 25, 50 e 100 mg/kg (v.o) e fez-se o ensaio uterotrófico. Já no estudo da toxicidade gestacional avaliou-se os períodos de pré-implante, onde os animais foram tratados do 1º ao 7º dia de  prenhez  e um outro tratamento no período de pós-implante  com tratamento do 8º ao 19º dia de prenhez (fêmeas de rato e camundongos) e um outro no período de pós-implante com tratamento do 8º ao desmame, avalaando-se o efeito do óleo na implantação, prenhez, lactação e desenvolvimento da progênie. Os resultados do teste no ciclo estral, não foram observados alterações do ciclo estral dos animais em nenhum das doses testadas. No ensaio uterotrófico demonstrou que o óleo apresenta atividade estrogênica na maior dose quando comparado com o estradiol e não apresenta efeito antiestrogênico. Na avaliação da toxicidade gestacional, verificou-se que o óleo no período de pré-implante  aumentou a massa do utero prenhe nas três doses testadas quando comparado com o controle (p<0,05). No período de pós-implantação  houve um aumento da massa absoluta do fígado nas três doses testadas em relaõa ao controle (p<0,05). No  período de lactação e desenvolvimento geral da progênie o óleo foi capaz de aumentar o período (dias) do deslocamento do conduto auditivo da progênie nas doses de 50  e 100mg/kg em relação ao controle (p<0,05), mas quanto ao número de filhotes nascidos não houve diferença significativa. Já no teste de padrões reprodutivos em camundongos, o óleo alterou a massa ponderal das progênies nas três doses testadas em relação ao controle (p<0,05), porém não houve alterações viscerais nos fetos. Nos índices reprodutivos ocorreu um aumento de perda pós-implatanteção e taxa de viabilidade fetal (p<0,05), assim como alterações esqueléticas dos fetos das progenitoras (camundongos) tratadas com o óleo. Desta forma,  o OE-St  deve ser usado com cautela, pois induziu uma perda de peso durante o período gestacional em camundongos, indicando uma possível toxicidade sistêmica, além de efeitos de ossificação incompleta no feto e redução da viabilidade fetal.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1167710 - MARIA DO CARMO DE CARVALHO E MARTINS
Interno - 1560969 - ROSIMEIRE FERREIRA DOS SANTOS
Presidente - 423173 - ROZEVERTER MORENO FERNANDES
Notícia cadastrada em: 25/02/2014 16:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 24/02/2021 17:15