Dissertações/Teses

2019
Descrição
  • ANNIE CAROLYNNE SOARES MENDES
  • Um estudo sobre a modalidade deôntica em artigos de opinião sob a perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas.
  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 29/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa pretende analisar as operações de modalidade deôntica e as estratégias de modalização em enunciados de artigos de opinião de um jornal da cidade de Teresina-PI. Nossa investigação centrou-se em abordar como os valores modais são construídos no texto e a atitude do sujeito enunciador acerca do que é dito no enunciado. No âmbito teórico e metodológico, esta investigação apoiou-se nos pressupostos da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE) de Antoine Culioli (1971, 1983, 1990, 1991, 1995), o qual observa a linguagem como atividade de construção e reconstrução da significação e o enunciado como resultado de operações realizadas pelos enunciadores. Este estudo dialoga, também, com as pesquisas desenvolvidas por Campos (1997, 1998, 2004) e Neves (2006, 2012) acerca da categoria da modalidade em uma perspectiva semântico-enunciativa. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram selecionados trinta artigos de opinião os quais identificamos, inicialmente, marcas que compreendiam os valores epistêmicos, apreciativos e deônticos. Observamos, então, que a modalidade deôntica predominou em vinte e seis artigos do total selecionado. Destes, optamos por analisar as nuances da operação de modalidade em onze artigos de opinião. Esse trabalho nos conduziu às seguintes indagações: Como se configura a categoria da modalidade deôntica no processo de construção de significação nos enunciados? E de que forma o sujeito se manifesta a partir dos valores construídos nessas operações modais? Desse modo, durante as análises, percebemos que as ocorrências deônticas proporcionaram a alteração, mudança ou realização de um determinado estado de coisas na situação enunciativa e a função de acionar a existência de algo. O sujeito enunciador, através da operação de modalidade, agiu direta e indiretamente manifestando os valores ora para o participante, ora para o evento na situação enunciativa. Por fim, os marcadores modais observados nos artigos de opinião, também nos revelou que a modalidade deôntica é usada como estratégia argumentativa pelo sujeito. Este, embora pouco se comprometa com a verdade das proposições, tenta, constantemente, influir sobre o comportamento do seu coenunciador. 



  • ERICKSON DINIZ NOGUEIRA
  • PRÁTICAS DE LETRAMENTO: A INFLUÊNCIA DOS USOS SOCIAIS DA LEITURA DE JOVENS EM AMBIENTE ESCOLAR.
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 25/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação, que tem por título Práticas de letramento: a influência dos usos sociais da leitura de jovens em ambiente escolar, tem por base os pressupostos teóricos do letramento enquanto uma prática social e tem por objetivo geral investigar as influências dessas práticas às leituras realizadas por adolescentes de uma instituição de ensino. A partir dos estudos sobre letramento social, Brian Street (1984) apresenta dois enfoques, o autônomo e o ideológico. O enfoque autônomo vê o letramento independente do contexto social. O enfoque ideológico de Street (1995) leva ao termo letramentos, no plural, como letramentos múltiplos a que o sujeito fica exposto no seu contexto social. Diante disso, não basta apenas saber ler e escrever, é preciso também saber fazer uso do mesmo de acordo com as próprias necessidades e com as  demandas da sociedade. Baseado nesses usos diários da leitura, foi levantado um referencial teórico para saber qual concepção a ser utilizada no conceito de leitura. Neste sentido, procuramos identificar fatores externos ao ambiente escolar que provocam impacto na vida desses jovens. Os dados a serem apresentados foram obtidos através de questionários aplicados na 2ª série do ensino médio em uma unidade escolar da cidade de Teresina (PI). Para análise de corpus foram selecionados 2 (dois) questionários respondidos por professores de Língua Portuguesa e 25 (vinte e cinco) questionários respondidos por alunos. Nas perguntas realizadas continham aspectos acerca das ações dos professores em relação ao ensino de leitura e dos discentes em relação aos tipos de leituras que eles realizam. Como marco teórico foi utilizado, principalmente, estudos de  Kleiman (1995, 2013), Street (1984, 2003), Chartier (1996, 1997), Koch (2007, 2011), Soares (1999, 2002, 2004), dentre outros. Com as análises, percebemos que esses adolescentes buscam leituras e as efetivam em função das necessidades diárias e da facilidade de acesso.

     

     

  • ALANA YASMIM DOS SANTOS
  • A angústia do existir e a busca pela face divina em Walmir Ayala
  • Orientador : LUIZIR DE OLIVEIRA
  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Poeta, ficcionista, ensaísta, teatrólogo, crítico literário, Walmir Ayala é um escritor de dimensão criativa e sensível que pode atrair os mais diferentes leitores. Todavia, sua produção literária permanece pouco contemplada nos estudos acadêmicos de literatura devido a sua pouca reedição ao longo dos anos, permanecendo em um limbo no cenário da Literatura Brasileira. Na presente pesquisa, buscou-se analisar a produção poética de Walmir Ayala, por meio da apreciação e análise de alguns poemas dos livros A pedra iluminada (1976) e Águas como espadas (1983), a partir de uma perspectiva existencialista, situando sua produção literária no contexto do Modernismo Brasileiro. Para tanto, propomos um diálogo entre a trajetória poética do escritor (escritos autoficcionais, artigos de jornais e entrevistas) e a crítica literária de alguns teóricos como Bosi (2006), Brasil (1973) e Frota (1973; 1986). O objetivo dessa pesquisa é salientar que há, na lírica ayaliana, uma dimensão angustiante diante da existência e a busca pelo sagrado, como superação ou alívio desse sentimento, que aproxima-se da perspectiva existencialista do filósofo Søren Kierkegaard acerca dos mesmos aspectos. A partir dos livros Temor e Tremor (1979), O desespero humano (1979) e O Conceito de angústia (2013), buscou-se compreender como o filósofo concebe o indivíduo e suas contingências, a angústia e o desespero humano, os estádios da existência e a relação absoluta com a esfera sagrada. Além da leitura de Kierkegaard, utilizou-se os pensamentos de Giles (1989), Huisman (2001), Farago (2011), Dreyfus (2012) e Wicks (2012) sobre a filosofia existencialista. Ao final da pesquisa conclui-se que, partindo do estar no mundo, Walmir Ayala, por meio de uma lírica marcadamente imagética e simbólica, reflete poeticamente sobre as possibilidades da existência humana e sobre as angústias que cerceiam o ser humano em toda a sua vivência, que partem do confronto do homem concreto, existente aqui e agora, com o tempo, com a solidão, com a morte e consigo mesmo.

  • MARCOS PAULO DE SOUSA ARAÚJO
  • A LÍNGUA PORTUGUESA NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR - BNCC: UMA ANÁLISE DISCURSIVA
  • Orientador : MARAISA LOPES
  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Na história da sociedade, sempre existiram debates importantes sobre as questões em relação às línguas. Hoje, elas são consideradas elementos essenciais para uma vida em sociedade, uma vez que promovem as relações entre os membros de uma determinada comunidade. No entanto, mais que isso, sobre elas, estabelecem-se definições e apontamentos muito variados: para uns, a língua é um instrumento de poder, para outros, ela é apenas um instrumento de comunicação; há, ainda, pessoas que a veem como um objeto passível de ser desmembrada e totalmente segmentada. No que diz respeito à Língua Portuguesa (LP), por exemplo, existem todos esses diálogos. Essa passou por um vasto processo desde a colonização até os nossos dias e é fruto de uma mistura entre várias outras línguas, que apareceram juntamente com os povos advindos de outros países nesse período da chamada “descoberta do Brasil”. Atualmente, nossa língua possui características próprias, e é considerada por estudiosos como Orlandi (2013), não como Língua Portuguesa, mas como Língua Brasileira, por possuir sua especificidade e já não manter mais relações diretas com a dos europeus.  Este trabalho se insere nessas discussões. Quais as imagens se têm sobre a língua portuguesa nos nossos dias? Como ela é considerada: instrumento de comunicação, mediadora de relações sociais, instrumento de poder, etc? Para tanto, observa-se, nesta pesquisa, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento regulador da educação nacional, que propõe competências e habilidades necessárias para todos os estudantes, das mais diversas regiões do País. Assim, por meio dos discursos postos sobre a língua no documento, tem-se o intento de verificar quais efeitos de sentido podem ser compreendidos por meio do que se diz sobre a Língua Portuguesa (LP), e como esses dizeres são construídos. Assim, objetivamos analisar quais as concepções sobre a LP, na Base, e as funções que a ela são atribuídas. Toma-se como referências teóricas autores das Histórias das Ideias Linguísticas, como Auroux (1992/2014), Orlandi (2013), Guimarães (2005), Silva (2001, 2007), dentre outros. A HIL é um campo do saber que se debruça sobre a origem e o saber sobre as línguas, bem como sua instrumentalização. Em ligação à HIL, toma-se a Análise de Discurso como uma teoria capaz de auxiliar neste escrito, por entender que ela concebe os discursos como efeitos de sentidos entre locutores (PÊCHEUX, 2010), assim, aquilo que é dito na base ecoa sentidos diversos, que objetivamos compreender. Dessa forma, autores próprios dessa área são caros aqui, como Pêcheux (2009, 2010, 2015), Orlandi (2012, 2013, 2014), principalmente. Como análises, verifica-se que a LP é tomada, em um primeiro momento, na BNCC, como capaz de atender às necessidades dos alunos, mas, além disso, capaz de fazer com que esses alunos exerçam sua cidadania na sociedade, no entanto, quando se observam os discursos outros no texto, percebe-se que não existem subsídios suficientes para isso.

     

  • ROMERIO RODRIGUES NOGUEIRA
  • O processo de redução estrutural em Meridiano de sangue, de Cormac McCarthy: uma leitura do racionalismo moderno e da tradição mítico-religiosa
  • Orientador : CARLOS ANDRE PINHEIRO
  • Data: 30/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como ponto de partida as correlações entre os componentes da composição narrativa de Meridiano de sangue, de Cormac McCarthy, e o processo de secularização por ele representado, a fim de observar de que modo o enredo transforma a perspectiva racionalista moderna pelo uso de elementos estilísticos pertencentes a uma tradição anterior, de natureza mítico-religiosa. A partir da averiguação desses dados, o objetivo desta dissertação é analisar o processo de redução estrutural realizado pela narrativa, na qual está presente a combinação do discurso racionalista e de elementos do discurso religioso, algo que demonstra a tensão existente na cultura de transição dos Estados Unidos no período em que a narrativa ocorre, de 1849 a 1878, o que nesse romance histórico inclui o reconhecimento do ideal puritano em paralelo aos paradigmas iluministas, direcionados para legitimação da violência contra outras culturas, relação que permanece mais visível na observação das ações e falas das personagens centrais kid, juiz Holden e Tobin, o ex-padre, bem como nos comentários realizados pelo narrador através de símiles que indicam a tensão acima referida. Essa leitura justifica-se por uma lacuna na fortuna crítica sobre as obras do autor, já que os textos dedicados a isso direcionam-se para conteúdos específicos sem desenvolver o diálogo que existe entre tópicos como história, religião e filosofia, os quais são percebidos de maneira integralizada através da fundamentação teórica desenvolvida a partir de autores como Erich Auerbach (2015), Georg Lukács (2009), (2011), e Antonio Candido (1993) que apresentam as mudanças nos parâmetros de representação literária enquanto fenômeno adjacente a moldura sócio-histórica, continuamente em transformação, mas em constante interação com uma tradição representacional. Meridiano de sangue demonstra algumas das transformações da tradição, mas mais que isso desenvolve o problema de relacionar dois discursos de aparente oposição, o histórico e o moral, representados quer pelas ações das personagens quer pelo ambiente da narrativa. O processo de redução estrutural do livro encontra uma melhor exemplificação nos argumentos do juiz Holden, que tenta unir as duas formas de discurso, mas anteriormente a esse exemplo, o narrador elabora comparações entre a violência das personagens e o espaço degradado que as cercam.

  • GERLANE DA SILVA COSTA MURATORI
  • ERA UMA VEZ...: ANGELA CARTER E SEUS CAMINHOS NO MUNDO DOS CONTOS DE FADAS
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O mundo das fadas é um campo amplo e fértil que produz há muitos séculos as mais inusitadas histórias que refletem os aspectos sociais e culturais de diversas partes do mundo. Nesse contexto, temos a produção literária da escritora inglesa Angela Carter, que redesenha as perspectivas do conto de fadas pautada por uma visão contemporânea da realidade. Assim, objetivamos analisar a diversidade dos panoramas temáticos e suas personagens nos Contos de Fadas consagrados na literatura mundial dentro da escrita de Angela Carter e demonstrar a importância e atemporalidade dos contos de fadas, bem como suas personagens e diversidade temática; observar como Angela Carter faz uso dos contos de fadas para dialogar sobre novas perspectivas que podem ser discutidas pelo gênero, usando elementos que fazem parte dos contos clássicos, mas modificando-os de acordo com suas necessidades socioculturais e discutir como Carter se apropria das histórias de fadas para apresentar ao mundo a visão que ela tem sobre os heróis e heroínas dos contos. Para tanto, teremos o amparo de um arcabouço teórico da área feérica que envolvem a tipologia textual em questão, como Coelho (1984, 1987, 2000), Jesualdo (1993) e Meirelles (2016). Também nos amparamos em outros estudiosos que conversam amplamente com as reflexões sobre os elementos e as personagens que povoam a literatura das fadas como Bettelheim (2014), Warner (1999) e Von Franz (1999). Nossa pesquisa aponta que Angela Carter tem um tratamento diferenciado para as personagens dos contos de fadas, moldando-as de acordo com as reflexões que deseja levar ao seu público leitor, utilizando diversas temáticas que exploram a sociedade em que está inserida, bem como faz uso contínuo dos elementos fantásticos próprios do gênero para construir seu próprio mundo de faz de conta.

  • OSANA SANTOS MORAIS
  • ENTRE RATOS E RUMINANTES: A POLÍTICA DO FANTÁSTICO EM VEIGA E TELES
  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação apresenta um estudo de natureza crítico-analítica das obras A Hora dos Ruminantes de José J. Veiga e O Seminário dos Ratos de Lygia Fagundes Telles. Seu propósito é investigar os mecanismos de configuração da literatura fantástica em ambas as obras e parte da hipótese de que os tempos de crise social e política, vividos em épocas e realidades específicas, são elementos capazes de fortalecer a produção da literatura fantástica. O cenário político compreendido entre os anos de 1964 a 1985 serviu de base para desenvolvimento das análises. A pesquisa tem por objetivo geral  analisar a constituição da literatura fantástica no universo das obras em foco e como objetivos específicos identificar traços característicos do fantástico que as aproximem ou distanciem; verificar o nível de contestação e resistência evidenciado na linguagem de cada uma delas, considerando seu contexto de produção e investigar se o retorno da crítica ao fantástico, verificado nos últimos 15 anos, deveu-se ao prenúncio de um recrudescimento das direitas no Brasil e no mundo. Diante disso, por meio de uma pesquisa bibliográfica de natureza interpretativa, foram recorridas as contribuições teóricas de Todorov (1981), Vax (1972), Roas (2014), Ceserani (2006), Reis (2013), Berardinelli (2011), Cândido (2015), dentre outros. A pesquisa aponta que o recrudescimento das direitas, sobretudo nos últimos 15 anos, faz ressurgir a literatura fantástica no solo nacional, fato que confere à crítica literária nova tarefa para reinterpretá-la, redefini-la e enquadrá-la na esteira de acontecimentos metaforizados, capazes de denunciar as crises de um dado tempo em uma dada realidade.

  • ANA CAROLINE MOURA TEIXEIRA
  • Os compêndios gramaticais e as questões em concursos públicos: o caso da Colocação Pronominal.
  • Orientador : MARCELO ALESSANDRO LIMEIRA DOS ANJOS
  • Data: 22/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • A partir do ensino das normas linguísticas e de gramática, esta dissertação procurou, como objetivo geral, investigar o tratamento dado à Colocação Pronominal nos concursos públicos, estabelecendo um contraponto entre as regras de compêndios gramaticais e o que foi efetivamente encontrado em questões de provas desses certames. Para isso, foram escolhidas seis gramáticas para descrição e análise, seguindo dois critérios: constar em buscas no Google Shopping e ter o maior número de edições. Já a escolha das seis bancas organizadoras para descrição e análise de suas questões seguiu os seguintes critérios: estar entre as 20 bancas com o maior número de questões disponibilizadas na plataforma Qconcursos.com, bem como o maior número de questões de Colocação Pronominal disponibilizadas nessa plataforma. Com isso, foram avaliadas as seguintes gramáticas: 1) Português para Concursos, de Renato Aquino; 2) A Nova Gramática do Concursando, de José Almir Fontella Dornelles; 3) Gramática da Língua Portuguesa para Concursos, Vestibulares, Enem, Colégios Técnicos e Militares..., de Nilson Teixeira de Almeida; 4) Nova Gramática da Língua Portuguesa para Concursos, de Rodrigo Bezerra; 5) Gramática para Concursos, de Marcelo Rosenthal; e 6) Português Esquematizado®, de Agnaldo Martino. No tocante às bancas, foram avaliadas: 1) Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (VUNESP); 2) Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (CEBRASPE/CESPE); 3) Fundação Carlos Chagas (FCC); 4) Instituto de Estudos Superiores do Extremo Sul (IESES); 5) Fundação Professor Carlos Antonio Bittencourt (FUNCAB); e 6) Fundação CESGRANRIO. Após as análises, pôde-se concluir que, embora algumas gramáticas coincidam em relação à disposição do conteúdo, à extensão do conteúdo, ao quantitativo de exemplos, ao uso de abonações, à prática da casuística gramatical (ILARI; BASSO, 2014), ao modo de introduzir o capítulo/tópico e às regras de próclise, ênclise, mesóclise, ênclise ou próclise facultativas, Colocação Pronominal em locuções verbais e apossínclise, a falta de congruência é deveras acentuada, sobretudo, no tocante às regras. Além disso, em síntese, verificou-se que 24 das 27 regras de Colocação Pronominal apresentadas nas gramáticas estudadas foram efetivamente encontradas, quando se comparou o conjunto das questões das bancas analisadas. De modo particular, entretanto, o número de regras foi destoante: a VUNESP apresentou 21 das 27 regras; a FCC, 19 das 27 regras; a FUNCAB e a CESGRANRIO, 18 das 27 regras; o IESES, 16 das 27 regras; e o CESPE, 15 das 27 regras. Ademais, no que refere ao contraponto entre as gramáticas e questões analisadas, os resultados apontam que as regras mais recorrentes entre as bancas foram as relacionadas, em primeiro lugar, ao uso de próclise com advérbios; em segundo, ao uso de próclise com conjunções subordinativas ou em orações subordinadas; em terceiro, ao uso da ênclise em início de período; em quarto, ao uso de próclise com pronomes relativos; em quinto, ao uso de próclise com palavras de valor negativo ou em orações negativas; e, em sexto, ao uso de ênclise ou próclise com os substantivos, pronomes pessoais, demonstrativos ou estando o sujeito expresso.

  • LEYLANNE DA SILVA LIMA MELO
  • RELAÇÕES DE GÊNERO EM CIRANDA DE PEDRA, DE LYGIA FAGUNDES TELLES
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 31/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • Lygia Fagundes Telles, em Ciranda de pedra (1954), elabora uma trama que rompe com os padrões de masculinidades e feminilidades dos anos 1950. Em razão disso, tem-se como objetivo geral desta dissertação a análise das relações de gênero em Ciranda de pedra. Com isso, são compreendidas as transgressões das identidades de gênero, ao se repensar o que é ser mulher e homem durante os anos 50. Em seguida, são investigadas as inversões dos papéis sociais masculinos e femininos por meio da desconstrução da concepção de família. E por fim, observa-se como as relações de gênero teceram a figura da mulher insana.  Visto isso, ressalta-se que as identidades masculinas e femininas dos Anos Dourados, consoante Rocha-Coutinho (1994), tinham seus papéis sociais naturalizados e bem delimitados, uma vez que homens e mulheres deveriam desempenhar suas funções de acordo com cada esfera de atuação pré-estabelecida, isto é, a eles reservava-se o espaço público e a elas, o privado. Com isso, definiam-se funções, exclusivamente, femininas, como ser mãe e deveres propriamente masculinos, como o provimento do lar. Em consequência disso, pode-se perceber um esfacelamento das individualidades tanto masculinas quanto femininas por meio da imposição desse papéis sociais, que, especificamente em relação à mulher, contribuiu para enclausurar ela na imagem da mulher louca. Diante disso, por meio de uma pesquisa bibliográfica de natureza interpretativa, foram recorridas as contribuições teóricas de Badinter (1980), Rocha-Coutinho (1994), Saffioti (1987), Engel (2017), Pinsky (2014), Foucault (2014; 2017), Pessotti (1994), Zanello (2014) dentre outros.  Portanto, além de transgredir com as identidades de gênero dos Anos Dourados, por meio de rupturas das masculinidades e feminilidades com personagens como Afonso e Letícia, Lygia desconstrói também em Ciranda de pedra (1954) a padronização das relações familiares, questionando a naturalização de processo socioculturais, como a maternidade, assim como problematizando a construção da figura da mulher insana por meio das relações de gênero.

  • PAULO VICTOR CARDOSO VENÇÃO
  • A LITERATURA NO ENEM (2013-2017): REFLEXÕES SOBRE ENSINO E FORMAÇÃO DE LEITORES
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 31/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi criado em 1998 com o objetivo de avaliar o aluno ao final da escolaridade básica, no entanto, em 2009 esse exame passou por uma reformulação, sendo utilizado a partir desse momento como vestibular seletivo para o ingresso em Instituições de Ensino Superior (IES), parcialmente ou integralmente. Com essa adesão, mudanças ocorreram em relação à abordagem da literatura, pois não é mais exigida a leitura de obras literárias como nos vestibulares tradicionais, e sim, a leitura de trechos com foco em capacidades interpretativas. O propósito desta pesquisa surgiu a partir da produção do Trabalho de Conclusão de Curso (2016) em que se realizou uma análise comparativa entre algumas questões de Literatura abordadas no ENEM (2015) e as questões de Literatura abordadas na Terceira Etapa do Programa Seriado de Ingresso na Universidade Federal do Piauí (PSIU-2010/UFPI). Como o PSIU encerrou em 2010 e o ENEM se tornou a forma comum de ingresso de candidatos na maioria das Instituições de Ensino Superior, inclusive na UFPI, é que se considera a seguinte problematização: De que modo a Literatura é abordada no ENEM, considerando o recorte temporal de 2013 a 2017, e qual o impacto dessa abordagem para o ensino literário e a formação de leitores a partir de alunos/candidatos? Dessa forma, este trabalho tem por objetivo geral analisar a abordagem da literatura em questões do ENEM nos anos de 2013 a 2017 e possíveis implicações desse exame para o ensino de literatura, bem como especificamente, observar como a literatura aparece nos documentos oficiais; analisar as questões de literatura com base em critérios como dados quantitativos e exigência de interpretação; e ainda verificar os impactos que essa forma de abordagem pode provocar no ensino de literatura. Para tanto, fizemos uso dos aportes teóricos considerando Assumção (2013); Paulino (2001); Rouxel (2013); Barone (2007); Silva (2009); Medeiros (2012); Luft & Fischer (2014); Fischer et al(2012); Zilberman (2008, 2009, 2012); Perrone-Moisés (2016); Todorov (2009); Compagnon (2009); Jouve (2012); Tiuman (2017); Luft (2014); Vitoriano, Tatagiba e Mata (2016). Pela análise, pode-se notar que há uma falta de enfoque na literatura nessa avaliação, pois restringem a abordagem do texto literário a fragmentos, principalmente, destacando capacidades interpretativas, deixando de proporcionar aos candidatos reflexões críticas que seriam possíveis por meio de análises de obras literárias integralmente lidas. A forma como a maioria dos documentos oficiais aborda a literatura não é suficiente para que se tenha uma formação literária significativa, ao passo que na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) apresenta-se uma forma de trabalho com a literatura capaz de preencher essa lacuna. Além disso, a forma de abordagem da literatura no ENEM é insuficiente com relação ao Ensino literário, uma vez que não faz uma abordagem integral e sim trabalha fragmentos passiveis de interpretações superficiais.

    O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) foi criado em 1998 com o objetivo de avaliar o aluno ao final da escolaridade básica, no entanto, em 2009 esse exame passou por uma reformulação, sendo utilizado a partir desse momento como vestibular seletivo para o ingresso em Instituições de Ensino Superior (IES), parcialmente ou integralmente. Com essa adesão, mudanças ocorreram em relação à abordagem da literatura, pois não é mais exigida a leitura de obras literárias como nos vestibulares tradicionais, e sim, a leitura de trechos com foco em capacidades interpretativas. O propósito desta pesquisa surgiu a partir da produção do Trabalho de Conclusão de Curso (2016) em que se realizou uma análise comparativa entre algumas questões de Literatura abordadas no ENEM (2015) e as questões de Literatura abordadas na Terceira Etapa do Programa Seriado de Ingresso na Universidade Federal do Piauí (PSIU-2010/UFPI). Como o PSIU encerrou em 2010 e o ENEM se tornou a forma comum de ingresso de candidatos na maioria das Instituições de Ensino Superior, inclusive na UFPI, é que se considera a seguinte problematização: De que modo a Literatura é abordada no ENEM, considerando o recorte temporal de 2013 a 2017, e qual o impacto dessa abordagem para o ensino literário e a formação de leitores a partir de alunos/candidatos? Dessa forma, este trabalho tem por objetivo geral analisar a abordagem da literatura em questões do ENEM nos anos de 2013 a 2017 e possíveis implicações desse exame para o ensino de literatura, bem como especificamente, observar como a literatura aparece nos documentos oficiais; analisar as questões de literatura com base em critérios como dados quantitativos e exigência de interpretação; e ainda verificar os impactos que essa forma de abordagem pode provocar no ensino de literatura. Para tanto, fizemos uso dos aportes teóricos considerando Assumção (2013); Paulino (2001); Rouxel (2013); Barone (2007); Silva (2009); Medeiros (2012); Luft & Fischer (2014); Fischer et al (2012); Zilberman (2008, 2009, 2012); Perrone-Moisés (2016); Todorov (2009); Compagnon (2009); Jouve (2012); Tiuman (2017); Luft (2014); Vitoriano, Tatagiba e Mata (2016). Pela análise, pode-se notar que há uma falta de enfoque na literatura nessa avaliação, pois restringem a abordagem do texto literário a fragmentos, principalmente, destacando capacidades interpretativas, deixando de proporcionar aos candidatos reflexões críticas que seriam possíveis por meio de análises de obras literárias integralmente lidas. A forma como a maioria dos documentos oficiais aborda a literatura não é suficiente para que se tenha uma formação literária significativa, ao passo que na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) apresenta-se uma forma de trabalho com a literatura capaz de preencher essa lacuna. Além disso, a forma de abordagem da literatura no ENEM é insuficiente com relação ao Ensino literário, uma vez que não faz uma abordagem integral e sim trabalha fragmentos passiveis de interpretações superficiais.

  • THALITA CHRISTINA CAVALCANTE ARRÉ
  • FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: AFFORDANCES SOBRE O AUDIOVISU-AL COMO TECNOLOGIA FACILITADORA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ADICIO-NAIS EM ESCOLA BILÍNGUE
  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 27/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos, percebe-se a necessidade de programas de formação continuada para o professor que atua na educação bilíngue, pois é uma área que surgiu há pouco tempo no Brasil e que tem crescido e ganhado importância. Por ser uma área nova, os cursos de formação de professores nas áreas de Letras e de Pedagogia ainda não possuem um programa que dê suporte específico a esse contexto escolar. Dessa forma, decidiu-se ensejar reflexões sobre o recurso audiovisual como suporte na aprendizagem de línguas no ensino bilíngue. O presente trabalho tem como objetivo verificar, por meio de uma pesquisa-ação que investigou o uso dos recursos audiovisuais, as affordances sobre o uso desses recursos antes e após um curso de formação continuada aplicado a professores de uma escola bilíngue, assim como analisar de que modo essas percepções influenciam nas suas práticas pedagógicas. Para fundamentar esse estudo, o aporte teórico-metodológico se estrutura  com base em discussões sobre educação bilíngue (SIGUAN & MACKEY, 1987; HORNBERGER, 1991; MOURA, 2010; MEGALI & LIBERALI, 2011, 2016; DE MEJÍA, 2013), sobre o professor reflexivo (KLEIMAN, 2001; MAGALHÃES, 2001; LIBANÊO, 2010; GUEDIN, 2010; CELANI, 2010; PIMENTA, 2010; MOURA, 2010; GOMES, 2013), sobre a Teoria das Affordances (GIBSON, 1971, 1979, 1986) e nas discussões acerca do uso de recurso audiovisual no ensino de língua adicional (CANNING, 2003; HOLLEBEN, 2007; SECATTO, 2010; KLENEVSKAYA, MASLOVA, 2013; GOMES, 2014; BRITISH FILM INSTITUTE, 2017). Após as reflexões no curso de formação continuada, os resultados indicaram que os procedimentos adotados nas práticas pedagógicas dos professores passaram a ter mais planejamento, mais preparo e que esses professores passaram a ter mais segurança ao utilizar o audiovisual em sala de aula. O grupo de professores manteve as percepções que já existiam antes do curso; não houve, entretanto, modificações na percepção das affordances apresentadas durante as reflexões no decorrer do curso de formação continuada. Os resultados alcançados também indicaram modificações nas ações pedagógicas dos professores.

  • FRANCISCO DE ASSIS PEREIRA LIMA
  • A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS PELA MARCA LEGAL EM PORTUGUÊS BRASILEIRO: UM ESTUDO SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA DAS OPERAÇÕES PREDICATIVAS E ENUNCIATIVAS DE ANTOINE CULIOLI.
  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 26/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como proposta analisar como os sentidos são construídos pela marca legal em ocorrências no português brasileiro sob a perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE) do linguista francês Antoine Culioli. Partindo do pressuposto da teoria culiolina, que advoga que um item lexical (noção materializada) terá seu sentido construído a partir do material verbal, que são as marcas agenciadas pelos sujeitos no fazer enunciativo e que esse sentido só é estabilizado na sua pós-ocorrência, ou seja, na sua materialização, envolvendo um jogo interativo entre cotexto e contexto enunciativos, a proposta deste trabalho é, através de descrição e análise, observar o quê, na atividade de linguagem, contribui para a construção de sentidos da e pela marca legal, originando sua estabilização semântica e, consequentemente, a construção de valores referenciais nos enunciados. Segue-se a linha de investigação teórico-metodológica da TOPE, bem como uma linha de pesquisa dentro da teoria proposta pelos linguistas Franckel (2006, 2011), De Vogue e Paillard (2011), dentre outros, que procuram estudar a identidade e a variação semântica das unidades lexicais sob um viés construtivista, onde refuta-se, assim, a ideia de transparência na língua. Os “observáveis” para fins de análise foram retirados do site www.corpusdoportugues.org e outros do meio eletrônico, mais precisamente do site de busca Google. Assim, após a seleção dos enunciados para análises, e subdivisão desses enunciados em grupos, recorremos a uma sistemática metodológica de manipulação dos dados inscrita na Teoria da TOPE que se constituinuma sequência didática de agrupamento dos enunciados por aproximação semântica, extração da léxis (relação primitiva) de cada enunciado, reformulação dos mesmos através da atividade de glosa, convocação de possíveis contextos estabilizadores de sentido e, por fim, elaboração de sua forma esquemática. Nesse caminho metodológico, buscamos identificar quais invariantes, enquanto elementos da linguagem, apresentam e participam nos enunciados para a construção da identidade semântica da marca aqui estudada, bem como as invariantes processuais que se apresentam na atividade de linguagem.

  • CÉLIA DE FREITAS ARAÚJO NETA
  • O USO DO WHATSAPP COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES COMUNICATIVAS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA NO ENSINO MÉDIO
  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 12/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aqui apresentada surgiu a partir de leituras e observações acerca da necessidade que professores e alunos de Língua Inglesa de turmas de Ensino Médio têm por mais momentos de interação real na língua estudada de modo que as habilidades comunicativas sejam estimuladas tanto dentro quanto fora de sala de aula. Por acreditar que o uso das novas tecnologias pode contribuir para uma aprendizagem mais significativa, como afirmam estudiosos da área de ensino e aprendizagem de línguas, como Paiva (2006), Leffa (2005; 2012), Gomes (2015), Costa (2013), entre outros, e por buscar em uma nova tecnologia a possibilidade de realização de tarefas que viabilizem o desenvolvimento das habilidades comunicativas dos aprendizes, esse estudo tem como principal objetivo investigar, por meio de uma pesquisa-ação, as potencialidades do uso do aplicativo Whatsapp como ferramenta pedagógica no ensino-aprendizagem de Língua Inglesa em uma turma de Ensino Médio do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI). A pesquisa tem como cenário o IFPI – campus Teresina Central e como sujeitos participantes os vinte alunos de uma turma de terceiro ano do ensino médio integrado ao técnico de eletrônica, juntamente com a professora de Língua Inglesa da turma, que é também quem se propõe a realizar este estudo. Utilizamos, como instrumentos de coleta de dados questionários e entrevistas, além de observações e análise documental dos planejamentos de aula e do desenrolar das tarefas propostas. Para fundamentar nosso estudo, utilizamos os princípios da Teoria Sociointeracionista (VYGOTSKY, 1978, 1998; LANTOLF, 2000; LANTOLF E THORNE, 2007, DONATO, 1994), os fundamentos da Abordagem Comunicativa do ensino de línguas (LITTLEWOOD, 1981; WIDDOWSON, 1991; RICHARDS AND RODGERS, 1986; entre outros), bem como trabalhos recentemente desenvolvidos na área da Linguística Aplicada (SEVERO, 2016; JONUSAN, 2017; LEMOS, 2017; COELHO E PINHEIRO, 2017; COSTA E LOPES, 2015) que confirmam que as aulas de LI podem ser beneficiadas pelo uso do aplicativo Whatsapp. Os resultados obtidos em nossa pesquisa apontaram que a experiência de uso do software nas aulas de Língua Inglesa na turma de terceiro ano do ensino médio integrado ao técnico de eletrônica foi positiva, uma vez que os momentos de interação na língua foram ampliados, permitindo, dessa forma, aprendizagem além dos limites de sala de aula.

  • VALDISNÉIA LUCIA DE SOUSA
  • Na fala de nós não se usa nosso: uma análise variacionista do possessivo de primeira pessoa do plural na comunidade Baixio/São José do Piauí-PI
  • Data: 10/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos sociolinguísticos têm demonstrado que uma das características fundamentais das línguas naturais é a possibilidade delas variarem, assim, fenômenos de variação linguística merecem ser estudados e explicitados. O presente trabalho se situa na área da sociolinguística e tem por teoria base a Sociolinguística Variacionista, que encontra em Labov seu principal representante. Temos como tema a abordagem de um aspecto marcante da fala de uma comunidade do interior do Piauí, Baixio, em São José do Piauí, que se trata da substituição do pronome possessivo nosso pela expressão de nós. Assim, objetivamos investigar o uso da expressão de nós na fala dos habitantes da comunidade de Baixio em São José do Piauí-Pi, tendo como objetivos específicos: investigar os fatores que condicionam o uso da expressão de nós substituindo o possessivo nosso na variedade linguística utilizada pela comunidade Baixio em São José do Piauí-PI; identificar as variáveis linguísticas e as variáveis sociais que condicionam o uso da expressão de nós substituindo o possessivo nosso pelos moradores da comunidade; e analisar o contexto morfossintático em que os falantes da comunidade utilizam a expressão de nós em substituição ao possessivo nosso.  Por meio de uma pesquisa prévia, constatamos que as análises que abordam a variação de pronomes centram-se em fenômenos de variação envolvendo o pronome tu, o pronome teu e o pronome nós, desse modo, a realização dessa pesquisa justifica-se, principalmente, por essa lacuna sobre a variação entre de nós e nosso, além de ela poder contribuir para amenizar o preconceito linguístico, ao mostrar que a variação linguística é algo inerente as línguas naturais. Para a obtenção do Corpus, realizamos uma pesquisa de campo, na qual foram feitas gravações com 32 informantes, agrupados em 4 células diferentes, levando-se em consideração a faixa etária, a escolaridade e o sexo/gênero. Essas gravações foram realizadas em duas etapas, inicialmente gravamos situações naturais de comunicação, depois fizemos gravações de falas obtidas por meio de entrevistas. Na teoria, fazemos a contextualização histórica da Língua portuguesa, tratamos sobre a Sociolinguística, a variação linguística, seus diferentes tipos e aspectos nela envolvidos, e tratamos ainda sobre o sistema pronominal do português brasileiro. De modo geral, os resultados mostram que os falantes mais jovens, do sexo/gênero masculino e com escolaridade tendem a utilizar a expressão de nós mais que o possessivo nosso e mais ainda que uma terceira opção, a forma da gente. Quanto aos aspectos sintáticos, a função sintática é determinante para o uso das variantes, a função de objeto indireto e de complemento nominal só podem ser exercidas por termos preposicionados, assim, essas duas funções inibem o uso do pronome nosso. No que diz respeito a anteposição e a posposição da variante ao elemento com o qual se relaciona, enquanto a variante nosso pode figurar nas duas posições, as formas de nós e da gente podem aparecer apenas na posição posposta. Analisamos ainda os usos das variantes levando em consideração o paralelismo formal, e notamos que, em sequências em que a noção de posse, no que se refere ao possessivo de primeira pessoa do plural, é transmitida mais de uma vez, as variantes de nós e  nosso são sempre escolhidas para ocupar a primeira posição. Ainda quanto ao paralelismo, o possessivo nosso só aparece sendo utilizado isoladamente, como primeiro de uma sequência ou antecedido por ele mesmo, a forma da gente só aparece em duas situações, utilizada isoladamente ou antecedida pela expressão de nós, esta, por sua vez, figura em todas as posições, excetuando antecedida pela forma da gente. Para a realização do trabalho, nos baseamos em autores como, Monteiro (2000), Calvet (2002), Marconi e Lakatos (2003), Tarallo (2003), Mollica (2017), Naro (2004), Bortoni-Ricardo (2004, 2005, 2011), Faraco (2005), Gil (2008), Alkmim (2012), Camacho (2012, 2013), Labov (2008), e outros.

  • ÉRIKA LOURRANE LEÔNCIO LIMA
  • Proposta Lexicográfica para verbetes de Dicionário Especial de Homônimos da Língua Brasileira de Sinais
  • Orientador : MARCELO ALESSANDRO LIMEIRA DOS ANJOS
  • Data: 25/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • A expansão do registro do léxico geral e terminológico da Língua Brasileira de Sinais (doravante Libras) segue de forma ordenada a partir de pesquisas desenvolvidas em nível de pós-graduação e em grupos de pesquisas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade de Brasília (UnB) e Instituto Nacional de Surdos (INES), principalmente. Apesar disso, grupos lexicais específicos da língua, como os verbos, sinônimos, antônimos, homônimos, ao contrário, ainda não usufruem de propostas e produções lexicográficas próprias e com foco voltado para eles. O dicionário especial, também chamado de paradigmático e funcional, é o tipo lexicográfico específico para a documentação dessas lexias, por isso, com o objetivo de iniciar pesquisas e discussões com esse foco, este trabalho, baseado no problema que questiona qual modelo de verbete adotar em dicionário do tipo especial para formas homônimas da Libras, voltado para o público bilíngue, fluente em Libras/Língua Portuguesa, propõe um modelo de verbete para dicionário especial reservado ao léxico homonímico. Para tanto, foram definidos como objetivos específicos: 1. identificar a tipologia de informações a serem incluídas na microestrutura do verbete; 2. indicar a estrutura da microestrutura padrão e abstrata (definir as marcas de uso, símbolos gráficos e/ou numéricos, outros) adequadas ao tipo, quantidade de informações e público alvo. Todo o trabalho foi organizado com base nos preceitos da Lexicologia – com foco nas contribuições à produção lexicográfica, ao estudo do léxico da Libras, nas dimensões da estrutura e do significado e da Lexicografia (associada à Metalexicografia) – com o objetivo de levantar o percurso histórico da produção lexicográfica da Libras, conhecer as decisões científicas e metodológicas dos trabalhos lexicográficos consolidados na área até o presente momento. Durante a pesquisa, as discussões e a proposta se estruturam com base em autores como Haensh (1982), Biderman (1978; 1984; 1992; 1994); Carballo (2003), Martínez de Sousa (2009), Ullmann (1964), Faria-do-Nascimento (2009; 2013), Zavaglia (2012), dentre outros. A metodologia empregada foi desenvolvida em duas etapas, cada uma com suas respectivas fases. A primeira etapa foi composta por três momentos: 1. decisões introdutórias (tipo de lexia, código linguístico da entrada); 2. coleta, registro e catalogação do corpus; 3. análise sêmica das lexias, enquanto a segunda, propriamente lexicográfica, por quatro: 1. decisões sobre o sistema de ordenamento da macroestrutura; 2. composição da microestrutura abstrata e concreta; 3. pesquisa e elaboração das informações lexicográficas referentes ao “Programa Constante de Informações” (PCI) e ao Pós-Comentário de cada lema tratado; 4. aplicação dos dados ao modelo proposto pela pesquisa. Nas decisões da pesquisa, o código linguístico valorizado foi a Libras e o léxico homonímico enquanto lexia simples. A organização definida para a macroestrutura foi a semasiológica baseada no princípio de ordenação paramétrica. As informações selecionadas para o PCI foram às de ordem: (i). gramatical (classificação gramatical); (ii). semântica (definição, sinônimos); (iii). sintática (exemplos de uso) e (iv). pragmáticas (área do conhecimento, regionalismo). Ao todo, foram sistematizados cinco verbetes para as formas homônimas SÁBADO/LARANJA, MÃE/BISCOITO, MINUTO/MATEMÁTICA/MARANHÃO, DIREITO/DIRETOR/DEFICIÊNCIA, SENTIR/JEITO/BAHIA. Com esta pesquisa, esperamos contribuir com a área da Lexicografia da Libras, no que se refere à criação de verbetes para dicionários do tipo especial e, ainda, que a proposta, por ora apresentada, auxilie no encaminhamento de soluções para o registro e documentação da homonímia da Libras.

  • TERESA CRISTINA DE OLIVEIRA PORTO
  • MECANISMOS DE ESPACIALIDADE NA NARRATIVA FÍLMICA DOIS CÓRREGOS – VERDADES SUBMERSAS NO TEMPO, DE CARLOS REICHENBACH.
  • Orientador : CARLOS ANDRE PINHEIRO
  • Data: 29/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Nas últimas décadas, tornou-se notória a crescente nos estudos, no âmbito literário e cinematográfico, sobre a análise do espaço nas narrativas, assim como a legitimidade da linguagem cinematográfica enquanto narrativa de representação. Nessa vertente, este trabalho objetiva analisar como a constituição do espaço é relevante para a produção de sentido de uma obra. A análise será feita pelo viés da mise en scène, termo que se refere àquilo que é levado para a cena. Sendo o filme Dois córregos (1999) o objeto de estudo para esta pesquisa, o conceito de espaço aqui será apreciado considerando o cenário, como também o espaço físico e simbólico que permeiam a obra de Carlos Reichenbach. O intuito é de evidenciar o processo de constituição da mise en scène no cinema como elemento responsável pela funcionalidade de uma obra. Para isso, este trabalho se fundamentará em teóricos relacionados à linguagem cinematográfica, como Martin (2005); aos estudos sobre a mise en scène, como Bordwell (2008) e Oliveira Jr (2013), além de teorias sobre o espaço literário, a exemplo de Filho (2016).

  • THIAGO FELICIO BARBOSA PEREIRA
  • TRAUMA E MEMÓRIA EM É ISTO UM HOMEM? E OS AFOGADOS E OS SOBREVIVENTES, DE PRIMO LEVI
  • Data: 28/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação, cujo corpus é É isto um homem? e Os afogados e os sobreviventes, do autor italiano Primo Levi, objetiva analisar a representação do trauma e da memória nas referidas obras, pois nota-se em sua escrita aspectos traumáticos que, manifestados pela memória, tornam-no essencialmente um texto que se classifica dentro da literatura de testemunho, ou seja, aquela na qual há predominantemente uma escrita de si, falando de sua experiência e vivência num evento de caráter coletivo. Uma literatura que, segundo Seligmann-Silva, tem “de um lado, a necessidade premente de narrar a experiência vivida; do outro, a percepção da insuficiência da linguagem diante dos fatos (inenarráveis)”. Na formulação mais concisa, a questão problemática que compele e centraliza a análise é: Como o trauma, que engendra a narrativa de É isto um homem? apresenta traços ainda marcantes na memória e se manifesta no seu último livro Os afogados e os sobreviventes? Para tanto, o trabalho empreende um estudo partindo das ideias concebidas por Seligmann-Silva (2005), Benjamin (2012), Ginzburg (2013), Agamben (2008) e Arendt (2017). A literatura de testemunho compõe-se de relatos importantes escritos por sobreviventes da Shoah, como o de Primo Levi, por exemplo, ao qual transformamos aqui em objeto de estudo, já que contar a experiência vivida no Lager ajuda também na preservação da memória coletiva. Assim, as contribuições de Halbwachs (2003) auxiliam como suporte para a análise aqui apresentada. Metodologicamente, este trabalho consiste numa pesquisa bibliográfica e possui um caráter crítico-analítico culminando na exegese pautada nos fundamentos teóricos.

     

  • CAROLINA AUREA CUNHA RIO LIMA
  • ESTRATÉGIAS RETÓRICAS DO GÊNERO PROJETO DE PESQUISA NAS ÁREAS DE LINGUÍSTICA E QUÍMICA: RELATANDO PESQUISAS PRÉVIAS, INDICANDO LACUNA DE PESQUISA E PROBLEMAS DO MUNDO REAL
  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 18/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • O projeto de pesquisa é um gênero essencial na prática acadêmica, pois é exigido desde a graduação até em pedidos de bolsas de iniciação científica e de financiamento da pesquisa. O projeto também é utilizado pelas mais diversas áreas do conhecimento e cada uma delas se apropria desse gênero e o utiliza retoricamente da maneira mais adequada. Assim, nosso objetivo é analisar a realização dos passos retóricos ‘relatando pesquisa prévia’, ‘indicando lacuna de pesquisa’ e ‘indicando problemas no mundo real’ em projetos de pesquisa escritos por pesquisadores especialistas, considerando sua relação com a construção do projeto, com o problema de pesquisa e com as culturas disciplinares de Linguística e Química. Partimos das teorias sociorretóricas, mais precisamente de Miller (2012), Bazerman (2005) e Swales (1990, 2004, 2016), este nos forneceu os conceitos de propósito comunicativo, comunidade discursiva e movimentos e passos retóricos. Utilizamos a perspectiva sociocognitiva de Berkenkotter e Huckin (1995) para estabelecer as noções de dinamismo do gênero e sua relação com a comunidade discursiva. Para tratar da noção de pesquisa utilizamos Motta-Roth e Hendges (2010) e Prodonov e Freitas (2013), para abordar os propósitos comunicativos do projeto, Barros (2005) e Connor e Mauranen (1999). O corpus é formado por 12 projetos de Linguística e 12 projetos de Química que foram submetidos a agências de fomento, bolsas de iniciação científica e bolsas de produtividade por pesquisadores experientes. A análise textual constituiu-se da identificação e caracterização dos passos retóricos, em seguida, o estabelecimento das relações que possuem entre si, com o problema de pesquisa e com a construção do projeto de pesquisa. Para validar os dados da análise textual, uma entrevista semiestruturada foi com dois pesquisadores especialistas de cada área. Os resultados indicam que em ambas as áreas os problemas do mundo real podem motivar e evidenciar a necessidade da pesquisa. As descobertas da análise textual também sugerem que a área de Linguística não recorre, com alta frequência, aos passos que utilizam pesquisas prévias. Na área de Química, por outro lado, os pesquisadores conhecem as pesquisas prévias relacionadas ao seu tema e se posicionam sobre elas indicando as lacunas de pesquisa. Assim, na Linguística, a persuasão ocorre pelo domínio de conceitos e conhecimentos estáveis, enquanto em Química, a relevância do projeto ocorre muito mais pelo confronto e indicação de insuficiência em pesquisas prévias.

  • MARÍLIA MESQUITA QUEIROZ
  • O ETHOS BYRONIANO NAS CARTAS A CATHERINE GORDON: UMA ANÁLISE SEMIOLINGUÍSTICA DO DISCURSO DE LORDE BYRON
  • Orientador : JOAO BENVINDO DE MOURA
  • Data: 15/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • No meio acadêmico, muitos estudos abordam, por diferentes vieses e em distintos idiomas, a obra do escritor inglês Lorde Byron (1788 – 1824). Todavia, pesquisas mostram que as cartas pessoais do poeta ainda constituem uma lacuna a ser preenchida quando se trata de traduções e análises em língua portuguesa. Nesse sentido, este trabalho tem como meta principal analisar o ethos em cinco cartas familiares escritas por Byron para a mãe, Catherine Gordon, entre 1799 e 1806, período que abrange o fim da infância e a adolescência daquele que viria a ser um dos poetas mais influentes da literatura Romântica. Para direcionar nossa pesquisa, que é de natureza bibliográfica, qualitativa e interpretativa, tomamos como base teórica principal a Análise do Discurso, a partir do quadro teórico-metodológico da Semiolinguística de Patrick Charaudeau (2016). Para a observação das Circunstâncias de Discurso, do entorno socio-histórico e ideológico no qual os parceiros estão inseridos e da identidade social desses sujeitos, nos apoiamos em Moore (1844), Prothero (1898), Marchand (1993), Eisler (1999), MacCarthy (2014), Cochran (2012), Lansdown (2015) e Larman (2016). A noção de ethos e suas implicações com os conceitos de pathos e logos são retomadas a partir de Amossy (2005), Maingueneau (2005; 2008), Kerbrat-Orecchioni (2010) e Charaudeau (2017). Também refletimos sobre o gênero epistolar, tanto no viés linguístico-discursivo quanto no socio-histórico-cultural, em especial a partir de Bakhtin (2003) e Malatian (2011). A questão da “literariedade” das cartas de Byron para Catherine Gordon também é discutida, e se fundamenta em Compagnon (2001) e Maingueneau (2018). A partir da análise do contrato de comunicação e dos modos de organização do discurso nas missivas, foi possível observar que o sujeito comunicante orienta seu discurso principalmente a partir de recursos patêmicos. A princípio, o ethos é positivo, pois o enunciador, apesar das críticas veladas, se mostra benevolente e solidário, dizendo-se, indiretamente, correto, responsável, humilde e angustiado por tomar atitudes contrárias ao que deseja a interlocutora. Todavia, os elementos discursivos mobilizados ao longo da correspondência terminam por revelar um ethos rude, chantagista, arrogante e até desrespeitoso em alguns trechos, imagens que o enunciador deixa mostrar, muitas vezes, de forma bem clara e direta.

  • RÔMULO SILVESTRE QUARESMA MENDES
  • PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE PRODUÇÃO ORAL NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO, ORALIDADE E METODOLOGIAS DE ENSINO PARA LÍNGUAS ESTRANGEIRAS.
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 12/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo toma por objeto de análise as atividades de produção oral de um livro didático considerado referência para o ensino de Português como Língua Estrangeira referido ao longo da pesquisa como PLE. Serão investigadas e posteriormente descritas, à luz do Letramento, as atividades de produção oral presentes no livro didático “Olá, Tudo Bem”, de autoria de Réjane Cureau, Emmanuelle-Nicole Lopes da Silva e Michel Pérez, destinado a alunos franceses desejosos de aprender a língua Portuguesa abordada nas suas modalidades europeia e brasileira, bem como abrangendo os aportes culturais pertencentes a cada uma das duas realidades. A escolha do livro didático aqui adotado é justificada quanto ao seu uso recorrente nas salas de aula da França, uma vez que a Língua Portuguesa se encontra no quadro de disciplinas ofertadas no ensino básico francês. Por outro lado, a escolha também se justifica nas atividades de produção oral contidas no livro didático e que constituem, por sua vez, o corpus de análise deste estudo, com vistas a responderem os seguintes questionamentos para a investigação: A) As atividades de produção oral contidas no livro didático de PLE (Português Língua Estrangeira) realmente estimulam as habilidades de produção oral nesta língua? B) As atividades de produção oral refletem as concepções teóricas mais atuais sobre o ensino-aprendizagem de LE? C) Como é realizado o Ensino de Língua Estrangeira no prisma da Perspectiva Acional, do Letramento e da Oralidade? O corpus, composto a partir de 25 atividades de produção oral serão analisados e descritos sobre o prisma das teóricas concernentes ao ensino de Língua Estrangeira, sobretudo a Perspectiva Acional e da Abordagem Comunicativa, conforme os estudos de Hymes (1962), Canelen e Swain (1980), Krashen (1989), Cameron (2001,2003) Almeida Filho (2005); do Letramento, segundo Soares (1999, 2005), Kato (1980), Magalhães Neto (2017), Tfouni (1997), Marcuschi (2003) e Lopes (2006); e Oralidade, conforme os autores Costa (2012), Nascimento (2005), Silva (2014) e Marcuschi (2003). Assim, uma pesquisa que define como propósito a análise de atividades de produção oral em livros didáticos ao ensino de português como língua estrangeira é de grande relevância em uma área de estudo ainda em formação.


  • CLEIDE SILVA DE OLIVEIRA
  • Construção de identidades negras na contística de Cristiane Sobral.
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 11/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como temática principal o processo de construção de identidades negras na contística de Cristiane Sobral. Nesse sentido, selecionou-se os contos “Pixaim”, “O tapete voador” e “Metamorfose”, presentes na obra O tapete voador (2016), de autoria da referida autora. A abordagem das particularidades inerentes à repercussão do racismo sobre às construções de identidades negras femininas é uma constante nas narrativas, o que justifica a escolha do corpus. Assim, objetiva-se compreender o caráter processual das construções das identidades de mulheres negras, a partir do recorte das ações das protagonistas das narrativas citadas. Especificamente, pretende-se apresentar o atual estado do campo no tocante à investigação, no Brasil, da contística negra feminina contemporânea; discutir a contribuição de um conceito de lugar de fala para a compreensão das construções identitárias femininas negras nos contos e analisar as ações de enfrentamento ao racismo e as estratégias discursivas, por parte das protagonistas das referidas narrativas. O aporte teórico baseia-se, sobretudo nas noções de crioulização e de rizoma expostas por Édouard Glissant, em Introdução a uma poética da diversidade (2005), além de trabalhos como os de Achille Mbembe (2014), Frantz Fanon (2008), Stuart Hall (2015, 2003), Neusa Santos Souza (1983). É importante mencionar ainda, enquanto alicerce para o marco teórico, as noções implementadas pelo feminismo negro a partir dos trabalhos de bell hooks (1995, 2005), Conceição Evaristo (2009, 2005), Djamila Ribeiro (2017), Joice Berth (2018), Patrícia Hill Collins (2015, 2016), Kimberlé Crenshaw (2002). No que se refere à metodologia da pesquisa, considera-se o modelo rizomático proposto por Glissant por meio do qual os contos em análise são tomados como prefácio para dialogar com outras obras pertencentes a um quadro mais amplo de literatura negra brasileira, pressupondo a formação de um campo literário como ato político. Ademais, considera-se a leitura da autora na dupla dimensão: ficcionalidade (contística) e ensaio. As protagonistas de Sobral são marcadas pelos embates e pelo racismo presentes no meio social onde estão inseridas. Em decorrência desse fato, cada conto apresenta uma personagem alimentando a ideia de brancura. Tomadas as devidas peculiaridades de cada protagonista, suas construções identitárias passam pela autonegação da negritude, pela consciência de si e pelo empoderamento.

  • THIAGO DE SOUSA AMORIM
  • Acomodação da vogal média pretônica na fala de gaúchos em situação de contato dialetal com teresinenses
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 11/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Na perspectiva da Sociolinguística, a língua é caracterizada como um organismo vivo, heterogêneo e dinâmico. Nesse sentido, não surpreende a possibilidade de ocorrerem variações e mudanças dentro do sistema de fala, coordenada pelos seus falantes utentes. Os fenômenos linguísticos que acontecem nesses processos, recebem influências de determinados fatores, a depender dos aspectos de dentro da língua e socioculturais, inerentes aos indivíduos. Assim, estuda-se, entre o falar gaúcho e o teresinense, a vogal média pretônica, por ser um aspecto de divergência entre os dois dialetos, no sentido de que no primeiro, as vogais realizam-se fechadas e no segundo, abertas. Assim, o objetivo principal consiste em investigar o processo de acomodação das vogais médias pretônicas /e/ e /o/ na fala de gaúchos em contato dialetal com teresinenses, a fim de descrever as atitudes linguísticas dos informantes com relação ao novo dilato de contato e analisar fatores linguísticos e extralinguísticos que condicionam a implementação da acomodação das vogais médias pretônicas, bem como os eventos de fala entre o gaúcho e o teresinense. Para tanto, o aporte teórico-metodológico necessário depende das contribuições da Teoria da Acomodação da Comunicação, de (GILES, 1973), em consonância com a Sociolinguística Variacionista (LABOV, 2008 [1972]) e com a Etnografia da Fala, de (HYMES, 1974). Para tratar sobre as vogais, usam-se (CAMARA JR., 2007) e (NOLL, 2008). A investigação é pautada em uma pesquisa de campo, com orientação etnográfica, cujo corpus é constituído de entrevistas realizadas com 6 (seis) informantes gaúchos, que residem em Teresina, há no mínimo 2 (dois) anos. A técnica e o procedimento de análise serão uma adaptação de (MARQUES, 2006). Por conseguinte, usa-se a abordagem quantitativa, com o auxílio do Goldvarb X, para mensurar os dados e a abordagem qualitativa, para interpretá-los, em que se considera, dentro do viés da acomodação, as atitudes linguísticas que os falantes gaúchos dispensam à nova situação de contato dialetal e os eventos decorrentes do contato em situação comunicativa. Os resultados alcançados revelam que o liame entre o tempo de residência em Teresina e a atitude (positiva ou negativa) que o gaúcho tem sobre o falar teresinense é preponderante no processo de acomodação dialetal das vogais médias em posição pretônica, dos falantes gaúchos em situação de contato dialetal com teresinenses.

  • OSVALDO MARREIROS DA SILVA JUNIOR
  • Percepções De Alunos Sobre O Impacto Do Uso Da Ferramenta Duolingo No Aprendizado De Língua Inglesa
  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 28/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Devido às mudanças tecnológicas proporcionadas pelas TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) no mundo atual e no ensino, estudantes de inglês como língua estrangeira (ILE) têm acesso a diversas novas formas de aprendizado. Para que haja sucesso na inserção de TICs em sala de aula – incluindo websites e aplicativos como o Duolingo, objeto de estudos desta pesquisa – é preciso identificar as percepções dos alunos acerca das tecnologias escolhidas no processo de ensino e aprendizagem. Desse modo, este estudo tem como objetivo identificar o perfil de um grupo de alunos do IFPI do 1º ano do curso de Eletromecânica, Campus Floriano, quanto ao uso de TICs no aprendizado de Língua Inglesa, verificar as percepções do impacto do uso da ferramenta Duolingo no aprendizado de vocabulário em Língua Inglesa e apontar as relações entre o perfil dos alunos e as percepções que eles têm sobre o Duolingo. Foram utilizadas as contribuições teóricas de Kress & van Leeuwen (2001, 2006), Jewitt (2011), Gibson (1986), Cornwell et al (2003), Deterding et al (2011), e Kapp (2012), entre outros. Esta pesquisa é de natureza qualitativa (estudo de caso e observação participante) e os dados foram coletados através de questionários, entrevistas de grupo (focus group) e diário de observação. Foi feita a análise dos dados através da análise temática das informações provenientes das diferentes fontes e concluímos que a) o grupo de alunos participantes, em grande maioria, tem familiaridade com o uso da internet em computador e smartphone, especialmente quanto ao uso de jogos; b) o contato com a ferramenta Duolingo se deu de forma satisfatória, com o grupo de alunos atingindo o nível Intermediário da ferramenta; c) os aprendizes participantes tiveram percepções essencialmente positivas acerca do uso do Duolingo para o aprendizado de vocabulário em Língua Inglesa, apontando desenvolvimento e aumento da facilidade no aprendizado, do interesse e da motivação para aprender novas palavras em Inglês.

  • CARMEM LÚCIA DA CUNHA ROCHA
  • O desenvolvimento de estratégias de leitura no 1º ano do ensino médio: uma proposta de pesquisa-ação.
  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 27/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • É necessário que a aprendizagem da leitura, sobretudo das estratégias, sejam pontos centrais nas propostas de ensino, pois reconhecemos que é preciso desenvolver no aluno estratégias diversificadas de leitura, que o levem a interagir, reconhecer e compreender textos escritos diversos, tornando-se, ao mesmo tempo, um leitor crítico, experiente e autônomo. Desta forma, percebendo então a real necessidade de trabalhar a leitura na educação básica, este trabalho objetiva desenvolver estratégias de leitura com estudantes do 1º ano do ensino médio e observar de que modo isso interfere em sua competência leitora. O trabalho apresenta em seu aporte teórico a abordagem cognitiva/metacognitiva, por levar em conta não só os aspectos socioculturais como também psicolinguísticos da compreensão em leitura, Boruchovitch (2001, 2007), Boruchovitch; Gomes (2005), Boruchovitch; Oliveira, Santos (2009), Boruchovitch; Mecuri (1999), Boruchovitch; Cunha (2012), Dehaene (2012; 2013), Smith (1989), Kintsch e Rawson (2013), Schaill (1980), discutimos também as noções de leitura, ensino, concepções e modelos de leitura ancoradas em Atié (2007), Freire (2011), Silva (1986, 2011), Martins (2012), Koch (2002), Soares (2002), Buchler (2009,) Geraldi (1985), Matencio (1994), Kleiman (2008), Leffa (1996), Kato (1999), conta ainda com as Orientações Curriculares para o Ensino Médio – OCEM (2006) no tocante ao ensino da Língua Portuguesa, bem como os postulados de Solé (1998) no que diz respeito às estratégias de leitura, além das bases teóricas de Lopes (1997) e Portilho (2011). Como metodologia proposta para este estudo, adota-se a pesquisa-ação na perspectiva de Thiollent (1986), desenvolvida em uma escola pública de São Mateus/Ma, referindo-se a uma abordagem qualitativa, descritiva e interpretativa. Para tanto, utilizamos seis instrumentos de pesquisa, dentre eles, um questionário inicial, uma prova diagnóstica (utilizada na seleção dos alunos), as atividades de leitura realizadas em sala, um segundo questionário, as anotações feitas pela pesquisadora durante o estudo e, por último, um terceiro questionário. Os dados encontrados tendem a responder de forma significativa as indagações inicias, pois as estratégias de leitura que esses alunos mais utilizaram durante o ato de ler foram: ler com atenção, reler mais de uma vez e ler até compreender. E através dessas estratégias foi possível perceber que elas interferem nas suas competências leitoras de maneira ativa, levando-os a lerem e compreenderem determinado texto, tornando-os leitores participativos e autônomos com relação à leitura em sala de aula.

     

  • ISAEL DA SILVA SOUSA
  • Um estudo das relações de opositividade entre as unidades lexicais novo e velho pelo viés da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas
  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 26/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação insere-se no quadro da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas de Antoine Culioli (1990), mais especificamente, em uma linha de investigação construtivista desenvolvida por Franckel, Paillard e Vogué (2011). Ao considerarmos o fato de que estamos trabalhando com duas unidades categorizadas pelo viés estruturalista como opostas nos encontramos diante de uma problemática que consiste na estabilidade fixa atribuída às relações de opositividade entre novo/velho.  Partindo disso, nos questionamos: encontraremos a oposição entre as unidades lexicais novo e velho quando nos propomos a observar a construção de sentidos em uma situação enunciativa singular? Quais aspectos distanciam ou aproximam as unidades lexicais novo e velho da construção de uma relação de oposição? Essas questões nortearam nossa pesquisa e, assim, temos como objetivo geral demostrar que não existe uma opositividade fixa entre as unidades lexicais novo e velho. A constituição do corpus se deu com as ocorrências de novo coletadas do meio eletrônico denominado Corpus do Português e de demais páginas da web. Temos com suporte teórico- metodológico a TOPE, por essa razão nossa metodologia de análise se baseia na atividade de manipulação e reformulação de enunciados, ou seja, a prática de elaboração de glosas.  Os resultados evidenciam que não há uma opositividade fixa entre novo e velho. Quando constatamos a ocorrência de uma relação de oposição verificamos que o que se opõem não é uma unidade em relação à outra unidade, isto é, novo e velho não se opõem enquanto unidades, mas os valores construídos e estabilizados temporariamente podem favorecem a construção de uma relação de oposição temporariamente.

  • ANA RAQUEL DE SOUSA LIMA
  • AUTOFICÇÃO E MEMÓRIA EM EL LUTE CAMINA O REVIENTA, DE ELEUTERIO SÁNCHEZ
  • Data: 21/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O processo de reconstrução da memória, nas escritas de si, passa por um complexo momento discursivo uma vez que as narrativas literárias contemporâneas expressam experiências que perpassam pela vida do escritor por meio de um caráter referencial, embora não excluindo o pacto ficcional classicamente presente nelas. Sob esta ótica este trabalho tem como objeto de estudo a obra Camina o Revienta, de autoria do escritor espanhol, Eleutério Sánchez, que apresenta sua escrita em uma perspectiva memorialística, visto que ele próprio pontua na apresentação do texto a necessidade dessa escrita diante dos acontecimentos oriundos dos anos franquistas espanhol. O que chama a atenção no texto de Sánchez é a coincidência nominal na estrutura narrativa, isto é, a identidade onomástica, o narrador que se apresenta em primeira pessoa e as referencialidades sugeridas ao longo do enredo, assim, a partir dessas observações, este trabalho investiga a autoficção e a memória em Camina o Revienta. Para fundamentar a pesquisa utilizam-se as contribuições teóricas  de  Lejeune (2008), que esboça a teoria da autobiografia, Alberca (2007), que discute sobre o pacto ambíguo na perspectiva da autoficcionalidade, Halbwachs (2006) que acentua o processo da  memória coletiva, Asmmann (2011) que explicita a relação entre memória habitada e cumulativa; Izquierdo (2018) que pontua a relação da memória com os processos emocionais. De maneira que foi possível depreender que a narrativa Camina o Revienta encontra-se estruturada no âmbito das autoficções denominadas de biográficas, por apresentar em seu enredo estratégias que declinam para nuanças biográficas sem deixar de contemplar processos de fabulações. Enfim, inferiu-se que a perspectiva autoficcional não se trata de um romper com as estratégias clássicas da narrativa, mas sim dar uma continuidade com um olhar diferente diante do ficcional, podendo ser compreendida como uma transformação pactual que perpassa não só na escrita, pela figura do autor, mas também pela expectativa leitora.

2018
Descrição
  • MARIA ARAUJO DE SOUSA
  • INFLUÊNCIA DA LINGUAGEM ORAL SOBRE A PRÁTICA DA ESCRITA: UM ESTUDO NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO ESCOLAR
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 16/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho objetiva analisar a influência da linguagem oral sobre a prática da escrita de alunos do nono ano do Ensino Fundamental, buscando encontrar possíveis relações com as práticas de uso da escrita fora do ambiente escolar desses discentes. Essa pesquisa tem como parâmetro os Novos Estudos do Letramento (NEL) que compreendem a oralidade e a escrita como práticas sociais. Nesse sentido, parte-se das seguintes problemáticas: Há influência da oralidade sobre a escrita desses alunos? Quais são as marcas da oralidade presentes nesses textos? Quais os usos de escrita que esses alunos fazem em suas residências? Esses usos estão mais voltados para a oralidade ou para a escrita? Os alunos que frequentemente praticam atividades de uso da escrita nesse ambiente tendem a apresentar menos registros da oralidade em seus textos? Do ponto de vista metodológico, a pesquisa caracteriza-se como qualitativa e de campo, além de ancorar-se em pressupostos etnográficos, conforme André (1995) e Bortoni-Ricardo (2008). A coleta de dados aconteceu em uma escola municipal, em Alto Alegre do Pindaré, Maranhão, e também nas residências dos quinze alunos da pesquisa. Na escola foram observadas e descritas duas aulas de produção textual, das quais foram recolhidos os textos para análise. Nas residências foram aplicados questionários com roteiros de perguntas semiestruturadas. O trabalho ancora-se, ainda, em pressupostos teóricos que fazem a relação entre oralidade e escrita, como Botelho (2012) Fávero, Aquino e Andrade (2003) e Marcuschi (2010), bem como referência aos trabalhos que enfocam o Letramento, como o de Brian Street (2014), os de Kleiman (2008, 2005) e o de Soares (2004). Os resultados da análise dos dados possibilitaram constatar a grande influência da oralidade sobre a escrita desses alunos e que as marcas da oralidade mais recorrentes nos textos foram a repetição, a grafia correspondente à palavra ou sequência e o apagamento do /R/ em posição de coda silábica final. Verificou-se, ainda, que o contato com a escrita no ambiente familiar dos discentes é muito deficitário. Os dados também apontaram que a escrita comumente utilizada pelos discentes tem mais características da oralidade, possibilitando afirmar que a comunicação e sociabilidade desses alunos estão apoiadas fundamentalmente na oralidade, o que contribui para a incidência do fenômeno em pesquisa.

  • HELDER REGINO DA COSTA SILVA
  • A MODALIDADE NOS DEPOIMENTOS DE RÉUS EM AUDIÊNCIA CRIMINAL – Um estudo sob a perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas.
  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 24/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa pretende analisar as operações envolvidas no processo de construção/reconstrução da modalidade presente no depoimento criminal do réu em sua defesa, no interior das Audiências Criminais. Para tanto, se fará necessário identificar os tipos de modalidades presentes nos textos produzidos por réus em audiência criminal, de maneira que se possa descrever como se dá o processo de construção do valor modal, observando-se quais as marcas de modalidade preponderantes nesse tipo de enunciado. A referida investigação estará fundamentada no âmbito da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas – TOPE, de Antoine Culioli, buscando subsídio, principalmente, no próprio Culioli (1968, 1971, 1983, 1990, 1991, 1995, 1999, 2002), em Campos (1989, 1997, 1998, 2004), e Neves (1998, 2000, 2002, 2004, 2006), dentre outros. Para o desenvolvimento da pesquisa, deverão ser utilizados enunciados provenientes do depoimento de réus em situação de audiência de instrução criminal, os quais deverão compor o corpus de análise do estudo. Espera-se, com a presente pesquisa, contribuir com o cenário dos estudos no âmbito da TOPE, apresentando uma nova perspectiva sobre a ocorrência de modalidade no decorrer de uma situação enunciativa que coincide com uma situação de defesa em processo de acusação criminal.
     
     
  • LUCIANA OLIVEIRA ATANÁSIO
  • ALÉM DA SALA DE AULA: PRÁTICAS DE LETRAMENTO E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA, NUMA PERSPECTIVA SOCIOLINGUÍSTICA.
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 14/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • A relação entre educação escolarizada e os usos sociais que se fazem da leitura e da escrita tem suscitado novas perspectivas no ensino de língua materna, sendo que o letramento à medida que favorece a reestruturação das relações sociais amplia o contato que se estabelece entre os falantes nas diversas redes de interação social. O letramento como proposta de exercício da leitura e escrita no cotidiano escolar e extra escolar extrapola o já convencionado vínculo existente entre a educação escolarizada e seu ressoar na comunidade e na própria escola à proporção que esta não pode negar o poder que emana das palavras e da escrita nas situações comunicativas, incidindo no papel do professor, permeando  o exercício da cidadania e reforçando a manifestação  da cultura do aluno. Dessa maneira, este trabalho objetiva analisar os aspectos do letramento de pessoas da comunidade e também na escola e no cotidiano social dos alunos do 6º e  9º ano do Ensino Fundamental, numa escola da rede pública municipal de Timon-MA. A pesquisa segue uma abordagem etnográfica, especialmente conforme orientação constante na Etnografia Escolar (BORTONI_RICARDO, 2008), e Erickson (1985) ainda na Sociolinguística Interacional, conforme Gumperz (2002). Os aspectos do letramento serão considerados de acordo com  Bortoni-Ricardo (2004, 2008, 2013) e Street (1995 ), os aspectos culturais serão elecandos baseados em Moreira e Caudau (2008) e Geertz (2008), as relações sociais serão analisadas à luz de Bourdieu (2001), e os aspectos sobre leitura, escrita e escolarização tem como base os escritos de Antunes (2009, 2010), Kleiman (2005, 2006, 2008) e Bagno (2002) . A descrição e análise do material da pesquisa utiliza informações da abordagem etnográfica, seguindo os tópicos de etnografia sociolinguística pela perspectiva holística com vistas a descrever o significado das práticas múltiplas de letramento na escola e comunidade. Observou-se eventos na escola com alunos e pessoas da comunidade, verificando-se como se estabelece a relação entre o letramento escolar e letramento social , relacionando-se as atividades em sala de aula com o vida social dos alunos e das pessoas que convivem na escola. Depreendeu-se a influência da educação formal na tomada de decisões, constatou-se como a escola dá abertura para os aspectos culturais e como ainda há aspectos que necessitam de sistematização e de melhoria quanto à receptividade nas aulas de língua materna, algumas atividades em sala de aula apesar de não estarem alinhadas às propostas de letramento escolar nas bases teóricas da pesquisa amplia e motiva o aluno à aprendizagem da educação formal, e esta interfere no letramento social do participante da comunidade.

  • RAYLANNE RAQUEL LEAL COSTA
  • A travessia silenciosa em Textos para nada, de Samuel Beckett
  • Orientador : LUIZIR DE OLIVEIRA
  • Data: 03/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • O livro de Samuel Beckett (1906-1989), Textos para nada, faz parte da segunda fase da prosa do autor, quando optou pela escrita em língua francesa. Publicados em 1955, os treze fragmentos foram escritos durante o pós-guerra, momento em que a sociedade tentava se reerguer, dados os acontecimentos anteriores ocasionados pela Segunda Guerra Mundial. Mas como expressar essa devastação? Beckett dizia que a linguagem era incapaz de comunicar o caos, por isso ele tentava de todas as formas perfurá-la, percorrer o seu fora da maneira mais labiríntica possível (BLANCHOT, 2013). Conforme Deleuze (1997), toda obra é uma viagem, que realiza tal ou qual trajeto em virtude dos caminhos interiores que a compõem. Em Textos para nada os percursos interiores da obra delineiam um horizonte de silêncios eloquentes, que falam no intuito de nada significar. É o que a retórica do silêncio, segundo Sontag (2015), indica, já que o artista não pode literalmente exercer o silêncio e permanecer um artista, deve-se então perseguir suas atividades de forma mais errática que antes. O narrador beckettiano não possui nem voz própria, nem corpo, não consegue nem calar nem criar histórias; ele está preso ali, num limbo, seguindo sua travessia silenciosa e esgotando todas as possibilidades combinatórias da linguagem (DELEUZE, 2010). A narrativa prossegue comandada por vozes que tentam, de alguma forma, criar um narrador para si. Os fluxos de pensamento desse possível narrador que, ao que parece, é manipulado como um boneco de ventríloquo, esboçam o movimento pelo qual o literato enquanto artista experiencia. Segundo Blanchot (2011), a obra de arte não pode ser projetada, apenas realizada. Mas para que a obra seja realizada é necessário que o autor se torne ausente e, nesse impasse, aquele que escreve já não é Beckett, mas outro. Os outros outros estão sempre presentes na obra beckettiana, são sempre os outros que falam, são eles, os outros, que criam as histórias: Mas o outro que é eu, cego, surdo e mudo, por causa de quem não posso mais me mexer nem acreditar ser minha esta voz”. (BECKETT, 2015). A pesquisa aqui evidenciada propõe uma leitura acerca dos silêncios que compõem os fragmentos de Textos para nada, a saber: como esses silêncios que falam eloquentemente compõem uma escrita nula, débil e eficaz? Como essa escrita nula constitui uma experiência do fora? Para alcançar tais reflexões faz-se necessário buscar teorias e conceitos fora dos tapumes da Teoria Literária.

  • ISMAEL PAULO CARDOSO ALVES
  • ENCENAÇÃO, ESTRATÉGIAS E MODOS DE ORGANIZAÇÃO DO DISCURSO: A REPRESENTAÇÃO DO AUTISMO NA MÍDIA
  • Orientador : JOAO BENVINDO DE MOURA
  • Data: 31/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo analisar os discursos sobre o autismo veiculados pela revista Superinteressante nas últimas duas décadas. Nosso foco foi sobre o dispositivo de encenação da linguagem, as estratégias de persuasão e os modos de organização do discurso. Trata-se de uma pesquisa qualitativa e interpretativa que teve como corpus inicial quinze matérias publicadas pela revista supracitada no período de 2000 a 2017. Para efeito de análise, selecionamos três delas: “Em que planeta você mora?”, “Autismo – ilhados em seu próprio mundo” e “6 autistas contam como é ter autismo – usando o Reddit”, publicadas nos anos de 2000, 2012 e 2017, respectivamente. Nossa principal base teórica foi a Teoria Semiolinguística, através de Charaudeau (2001, 2014, 2015). Também lançamos mão de Maingueneau (2008, 2015), Emediato (2007) e Machado (2006, 2013), dentre outros. No decorrer da nossa análise, identificamos os sujeitos que compõem o dispositivo de encenação da linguagem midiática da Superinteressante, os modos de organização do discurso enunciativo, descritivo e narrativo, mais as estratégias de legitimidade, de credibilidade e de captação das matérias supracitadas. Concluímos que a revista Superinteressante faz uso das estratégias de legitimidade e de captação para garantir o consumo dos seus produtos (por meio da compra das edições impressas, do acesso ao site e da leitura das suas matérias) em meio a um mercado jornalístico amplo e concorrido.

  • JULIA MARIA MUNIZ ANDRADE
  • LETRAMENTO MATEMÁTICO: A LEITURA EM QUESTÃO
  • Data: 29/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem por objetivo investigar os cenários de leitura e o desempenho dos alunos de 3º ano do Ensino Médio mediante as atividades propostas no contexto de ensino de matemática. Compreendendo que este ensino é responsável por ampliar a competência dos estudantes, observamos nas avaliações de larga escala como o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), dentre outros, as dificuldades reveladas em relação às habilidades de leitura e interpretação exigidas na disciplina de matemática. Tais dificuldades são claramente traduzidas em números através dos resultados sobre o desempenho das competências matemáticas apresentados pelos sistemas nacionais de avaliação. Neste estudo, temos um recorte e nos concentramos na dimensão da leitura, tendo em vista que, tradicionalmente, a escola utiliza a leitura como principal meio de aquisição de conhecimentos. No entanto, para o leitor adquirir conhecimento através da leitura é necessário que interprete o texto verbal ou não-verbal. A pesquisa, que terá inspiração etnográfica, será desenvolvida na escola Prefeito Freitas Neto no período de Agosto a Outubro de 2017, com alunos do 3º ano do Ensino Médio. O método de caráter instrumental para coleta de dados será através de observação das aulas, entrevistas, gravações e consulta a materiais como atividades realizadas em sala de aula. O aporte teórico contempla teorias do letramento seguindo a tradição de autores como Street (1984) Lopes (1989, 2006) Kleiman (1995, 2002) dentre outros. O que motiva a realização deste estudo é percebermos a necessidade de ações urgentes no sentido de reparar a lacuna existente no que se refere ao domínio de leitura e desenvolvimento de competências que os jovens apresentam ao concluírem o ensino médio. Fazer com que os alunos sejam competentes usuários da língua nos diversos contextos das demandas sociais e munir estes alunos de habilidades que os permitam refletir sobre a língua da qual são falantes competentes, é o nosso maior desafio enquanto educadores e formadores de cidadãos.

  • VALDENY COSTA DE ARAGÃO CAMPELO
  • : DA INCLUSÃO EDUCACIONAL DO SUJEITO SURDO NA SOCIEDADE PIAUIENSE: COMPREENSÕES ACERCA DO DISCURSO DO JORNAL MEIO NORTE
  • Orientador : MARAISA LOPES
  • Data: 28/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa, inscrita na perspectiva teórico-metodológica da Análise de Discurso formulada inicialmente por Michel Pêcheux e desenvolvida no Brasil por Eni Orlandi, busca compreender, a partir de um gesto de leitura que põe em jogo o histórico, o linguístico e o ideológico, a forma como um acontecimento discursivo como a inclusão educacional de surdos piauienses foi posto em funcionamento pelo discurso jornalístico.  O corpus discursivo constitui-se de 15 notícias sobre a inclusão educacional de surdos publicadas naquele que considera-se, o  maior jornal do Estado do Piauí, o Jornal Meio Norte, sendo 08 veiculadas em 2015 e 07 em 2016. Foram utilizados conceitos de autores que se inscrevem nesta perspectiva de trabalho, tais como Pêcheux (1995/2014/2015), Orlandi (2012/2015/2017) e AuthierRevuz (1998), além de Lage (2003) e Mariani (1996/1999) para pensarmos as questões próprias ao discurso jornalístico. Pautado pela busca de uma ‘pretensa objetividade e imparcialidade’, o discurso jornalístico procura trazer à baila diferentes vozes para legitimálo. Nas análises, foram trabalhados discursivamente os conceitos de Formações Discursivas, Posições-sujeito, Discurso Relatado, Funcionamento Discursivo da Negação, PalavraDiscurso, Silêncio e Resistência, sempre considerando a interferência da memória, que é constitutiva do discurso e que se faz presente em sua formulação, no intradiscurso, reorganizando as filiações de sentido. Constatamos que o discurso do Jornal Meio Norte é constituído a partir de duas formações discursivas e, por conseguinte, produz distintos sentidos sobre inclusão educacional e o sujeito surdo, uma pautada na concepção de surdez como anormalidade, limitação, nela, a grande barreira que o surdo deve superar é interna, sua deficiência, o descrédito que ele próprio atribui a si, e outra, que não atribui à surdez a causa das barreiras educacionais, mas compreende que a existência dela somente se torna um fator determinante para o fracasso escolar quando não são criadas condições para que estes sujeitos surdos sejam inclusos, quando por fatores externos, alheios a eles, não têm acesso ao conhecimento em sala de aula. Deste modo, foi possível compreender como o discurso produzido pelo jornal Meio Norte, representando um lugar de autoridade, um polo de resposta às demandas sociais, participa da constituição do imaginário social acerca da inclusão educacional de surdos na sociedade piauiense.

  • RAQUELLE BARROSO DE ALBUQUERQUE
  • ESPAÇOS URBANOS NA CONTÍSTICA DE CAIO FERNANDO ABREU: A SOLIDÃO, A TRANSGRESSÃO E A BUSCA POR IDENTIDADE(S)
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 23/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem por objetivo geral investigar o espaço urbano pós-moderno e como este aspecto da narrativa reflete as ações das protagonistas dos seguintes contos de Caio Fernando Abreu: “Os sapatinhos vermelhos” e “Dama da noite”, de Os dragões não conhecem o paraíso (1988), e “Creme de alface”, de Ovelhas negras (1995). Os objetivos específicos abordarão a noção de solidão, transgressão e busca de identidade no espaço urbano pós-moderno das três narrativas supracitadas. A solidão, no contexto das três narrativas em estudo, apresenta-se como um estado de perda de si, amparado por espaços que refletem esta feição nas protagonistas. A transgressão surge como forma de desmascarar os papeis sociais impostos ao gênero feminino na sociedade, desta forma surge como resgate da identidade recalcada das personagens, apoiada por espaços propícios a atos de transgressão, sobretudo pelo uso das atmosferas que o texto sugere. A identidade é um conceito em constante questionamento por teóricos contemporâneos, visto que se apresenta em contínua mudança, seguindo o fluxo do multiculturalismo global. Tal conceito também aparece à deriva em relação às personagens das narrativas em estudo, pois aquelas aparecem dispersas e fragmentadas nos espaços nos quais interagem, exceto nos momentos de transgressão, nos quais os espaços amparam tal situação. Em “Os sapatinhos vermelhos”, a protagonista submerge na solidão, em seu apartamento, ao passo que foge para o bar em busca de libertação de seus desejos reprimidos, após assumir uma identidade transgressora. Em “Dama da noite”, a solidão a acompanha em todos os espaços nos quais tenta se refugiar, embora disfarce sua busca existencial em um bar, é justamente nele que se nega a participar dos padrões sociais e encontra-se perdida frente ao mascaramento que lhe é imposto enquanto gênero feminino. A “mulher-monstro”, como foi apelidada por seu criador a protagonista de “Creme de alface”, rompe sua identidade de dona-de-casa burguesa ao confrontar não apenas seus valores morais, mas os valores sociais, sobretudo ao transgredir sexualmente, o que proporciona a descoberta de novas nuances de si, mascaradas e sufocadas por falsos pudores morais. Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, amparando-se na leitura e catalogação de textos previamente publicados sobre os temas, e qualitativa, na qual o objetivo das amostras é de produzir informações ilustrativas, além de buscar a explicação dos aspectos literários sem quantificar valores. Para tanto, como pilares principais, tem-se as reflexões de Bauman (1998), (2001), (2005) e (2009), Hall (2015), Giddens (2002), Butler (2015), Bachelard (1978), Tuan (2012), Borges Filho (2009), Brandão (2013) e Augé (2012), dentre outros. A análise das três narrativas de Caio Fernando Abreu traz à tona questões que permeiam o indivíduo pós-moderno dentro de sua complexidade fragmentada. A solidão nas grandes cidades, a transgressão como forma de escapismo, ou mesmo como busca de si, e a procura por identidades que foram mascaradas ou fragmentadas na pós-modernidade propiciam o estudo do espaço urbano nas narrativas contemporâneas como uma categoria que reflete o indivíduo, ideia esta bem representada pelas três narrativas destacadas.

  • LAURA TORRES DE ALENCAR NETA
  • A RECEPÇÃO DE EL REINO DE ESTE MUNDO, DE ALEJO CARPENTIER, NOS SÉCULOS XX E XXI
  • Orientador : LUIZIR DE OLIVEIRA
  • Data: 07/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objeto de estudo a obra El reino de este mundo, de autoria do escritor cubano Alejo Carpentier y Valmont. A obra está assentada nos pilares da história da revolução haitiana, ocorrida em 1943, envolvendo diversos personagens históricos, os são ficcionalizados por Carpentier. Com a análise, objetiva-se verificar como se deu a recepção da referida obra nos séculos XX e XXI, bem como  discutir o real maravilhoso, o barroco e a recepção da fortuna crítica, na perspectiva da Estética da Recepção, proposta por Jauss (1979), Iser (1994). No que diz respeito ao real maravilhoso e ao boom latino americano, nos baseamos em Donoso (1971), Rama (1985), Carpentier (1987), Chiampi (2015) e Todorov (2006). No debate sobre Barroco, buscou-se apoio nas contribuições de Calabrese (1999), Chiampi (1994; 1980) e no próprio Carpentier(1973), que teorizou sobre o barroco e o real maravilhoso. Sobre o romance histórico e os fatos históricos que permeiam a discussão sobre a Revolução Haitiana, os fundamentos estão nos  estudos de James (2000) e Menton (1993), além da contribuição da fortuna crítica sobre o autor e a obra. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica de cunho analítico qualitativo, sendo a investigação norteada pelas seguintes questões: O que é real maravilhoso e como se apresenta em El reino de este mundo? Como e por que o barroco é utilizado no referido texto? Houve recepção crítica da obra e do autor, Alejo Carpentier, nos séculos XX e XXI? Que fatos narrados na obra El reino de este mundo expressam as formas de defesa dos autóctones diante do colonizador branco? As análise demonstram que El Reino de Este Mundo configura-se como um romance pertencente ao novo romance histórico da América Latina, porque apresenta uma nova forma, que mescla o real maravilhoso, o barroco e a historiografia com as formas modernas de desconstrução dos fatos históricos, ficcionalizando personagens históricos a fim de abordar especificidades da América Latina, conforme Seymour Menton afirma e esclarece neste estudo.

     

  • LANNA CAROLINE SILVA DE ALMEIDA
  • : O DESPERTAR DE UM GRITO: violência social posta às claras em Manual prático do ódio, de Ferréz
  • Data: 06/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos literários, por muito tempo, foram um espaço de exclusão ocupado por escritores que fazem parte do modelo da alta literatura. As vozes dos marginalizados são ouvidas com incômodo, pois mostram a realidade rejeitada pela sociedade letrada. A escrita literária deles visa acabar com o silêncio no qual foram colocados. Tais autores passaram a fazer uso da literatura para externar a repulsa perante a situação dos moradores da periferia. Os excluídos deixam o campo da representação e do silêncio, passando a ter voz na narrativa literária. Voz esta que, antes suprimida, passa a acessar a fala por meio do discurso literário. Com isso, percebe-se que o autor marginal é uma testemunha das experiências transportadas para o texto, um espectador da árdua sobrevivência nas periferias das grandes cidades. Os textos de escritores marginalizados começaram a fazer parte deste meio disputado pela Alta Literatura. O espaço citadino passou do elemento externo para o interno, ou seja, um elemento social dentro da obra, podendo agir para a degradação ou levantamento do sujeito. Este trabalho tem o objetivo de analisar a violência social representada na obra Manual prático do ódio (2014), de Ferréz  a partir desta análise, a pesquisa visa discutir o espaço social da obra. Para atingir o objetivo proposto, a presente pesquisa toma como pressupostos teóricos Dalcastagné (2008) e Schollhammer (2000;2008), que subsidiam o debate sobre a manifestação da violência e sua relevância nas narrativas; Brandão (2011;2013), que apoia a discussão sobre o espaço ficcional; Ferréz (2005), que provoca, através das publicações de autores da marginalidade, um inquietamente entre os leitores. Por meio de pesquisa bibliográfica, com abordagem analítico-qualitativa, observou-se também que esta representação se confirma nas vozes dos personagens em seu confronto com a imposição de manter-se à margem da sociedade. Como resultado desta pesquisa, Ferréz aponta como o espaço influencia as personagens, uma vez que, no momento em que o lugar do qual ele fala desloca os valores que elas compartilham. Além disso, percebe-se que os marginalizados denunciam as dificuldades que vivenciam através de suas produções sem a preocupação de passarem pelo crivo da impositiva norma culta. Isso posto, vê-se que os estudos relacionados ao sujeito subalterno têm na sua voz o meio libertador a partir da consciência de autonomia de cada indivíduo. Finalmente, percebe-se que os diversos momentos dos escritores desta pesquisa definem a concepção da violência como meio de sobrevivência no contexto social em que Manual Prático do ódio está inserida.

  • DENISE BONFIM OLIVEIRA
  • AUTOFICÇÃO E MEMÓRIA EM K. -RELATO DE UMA BUSCA E OS VISITANTES,DE BERNARDO KUCINSKI
  • Data: 24/07/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo busca mostrar de que forma é construída a autoficção e como é elaborada a memória em K.-relato de uma busca e em Os visitantes, do escritor paulistano Bernardo Kucinski. O objetivo geral da pesquisa é analisar de que maneira a autoficção é representada nas obras citadas. K.-relato de uma busca discorre sobre a procura de um pai pela filha considerada “desaparecida” durante o regime militar estabelecido no Brasil durante os anos de 1964 a 1985. Já em Os visitantes, tem-se um encontro entre alguns dos leitores e personagens de K. e o autor-narrador da obra, fazendo-o refletir sobre a recepção da mesma, em uma espécie de autoanálise sobre episódios que foram narrados, suscitando lembranças surgidas após o livro ter sido publicado. Procurando responder a questionamentos: de que forma o luto e a dor são retratados nas obras? em K.-relato de uma busca e Os visitantes são narrativas autoficcionais? A pesquisa é dividida em três capítulos: no primeiro, é apresentada a recepção de Kucinski como escritor de ficção a partir do lançamento de K.-relato de uma busca, assim como pesquisas já produzidas tendo essa obra como corpus. O segundo capítulo consiste na explanação das teorias que fundamentam a dissertação. No terceiro capítulo é realizada uma análise de K.-relato de uma busca e de Os visitantes tendo como foco a autoficção e memória apresentadas em ambas. A pesquisa é essencialmente bibliográfica e para embasamento teórico utilizamos Alberca (2006), Faedrich (2014), Halbwachs (1990), Pollak (1992), Ricoeur (2003; 2005), Le Goff (1990), Seligmann (1998; 2002; 2008) Dalcastagnè (1996), Freud (2011) e Ginzburg (2012). Ao fim, confirma-se a hipótese de que K.-relato de uma busca e Os visitantes se configuram como leituras autoficcionais.

  • LUCAS EMANOEL VILARINHO MIRANDA
  • TECELINA, DE GLAUCIA DE SOUZA: NARRATIVA ENTRE O IMPRESSO E O DIGITAL
  • Data: 29/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • A literatura infantil brasileira contemporânea tem sentido as mudanças advindas da revolução eletrônica. Através da análise da obra Tecelina, de Gláucia de Souza e Cristina Biazzetto, nas versões impressa e hipermidiática, analisamos a intersecção entre a narrativa impressa e a hipermidiática, tendo em vista que o diálogo entre a narrativa infantil e juvenil brasileira contemporânea e a tecnologia nos suportes virtuais tem se tornado cada vez maior. A partir dessa análise, a pesquisa visa discutir as dimensões artísticas e computacionais presentes na narrativa hipertextual/hipermidiática para crianças e jovens, fundamentada nas concepções sobre a literatura infanto-juvenil e o leitor, na perspectiva de Jauss (1979), Aguiar (2001), Santaella (2004) e Zilberman (2005); no debate sobre a cibercultura, consoante Levy (1996, 1999); no diálogo entre a literatura e a tecnologia conforme Feba (2012), Penteado (2010), Cunha (2013), Hayles (2009), Chartier (1998, 2003), Carvalho (2011) e Xavier (2009). Por meio de pesquisa bibliográfica, com abordagem analítico qualitativa, a pesquisa apresenta um posicionamento em relação às contribuições dos aspectos artísticos, técnicos e computacionais em relação à ampliação da recepção dos leitores; tendo em vista que a nova geração de literatura infantil, produzida no meio digital que possui forte inclinação a aderir aos avanços tecnológicos do ciberespaço e do meio digital. Dessa forma, pode ser percebida mediante a análise de Tecelina, que o diálogo entre o impresso e o virtual é evidenciado, possibilitando considerar as contribuições das novas técnicas à recepção do leitor infantil contemporâneo. Observa-se, pois, que e as possibilidades do virtual são cada vez mais profícuas, e que o diálogo com o novo do meio eletrônico tem sido cada vez mais utilizado, pois vem ampliando as possibilidades e riquezas dos dois formatos: o impresso e o virtual. Esses formatos possuem suas particularidades semióticas e diversas possibilidades, dessa forma cada um tem a seu modo, contribuído para o crescimento e propagação da literatura, em especial, a infantil.

  • ALCEANE BEZERRA FEITOSA
  • O TRATAMENTO DADO À CATEGORIA DE VOZ VERBAL EM GRAMÁTICAS BRASILEIRAS DO SÉCULO XIX: UM ESTUDO HISTORIOGRÁFICO
  • Orientador : MARCELO ALESSANDRO LIMEIRA DOS ANJOS
  • Data: 29/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem, como objetivo principal, investigar continuidades e descontinuidades em relação ao tratamento dado à categoria vozes verbais em gramáticas brasileiras do século XIX. Para tanto, fez-se necessária a análise de gramáticas que perfazem o horizonte de retrospecção das gramáticas do século XIX (Auroux, 2008), quais sejam: Barros (1540); Barreto (1671); Argote (1725); gramáticas situadas entre os séculos XVI e XVIII, chegando às gramáticas brasileiras do século XIX: Júlio Ribeiro (1881); Pacheco e Lameira (1887); Alfredo Gomes (1887); João Ribeiro (1887); Maximino Maciel (1887). Para a seleção das fontes secundárias da pesquisa, buscaram-se, ano a ano, no site da Biblioteca Nacional de Portugal, gramáticas ou tratados gramaticais que fizessem menção à categoria das vozes verbais,  sendo possível chegar a três gramáticas durante este recorte temporal. Quanto à seleção das gramáticas do século XIX, foram utilizados quatro critérios, pautados em Fávero e Molica (2006): i) foram gramáticas produzidas durante o século XIX; ii) foram escritas por um autor brasileiro; iii) tratavam do conteúdo específico relativo à Língua Portuguesa; iv) gramáticas, cujos autores dizem seguir os pressupostos da recém-inaugurada Linguística Histórico-Comparativa. A análise foi realizada levando em consideração os pressupostos teórico-metodológicos da Historiografia Linguística propostos por Koerner (2014b), pautando-se, basicamente, em dois princípios: o princípio da contextualização e o da imanência. O primeiro princípio foi contemplado no instante em que foram levados em consideração os aspectos políticos, econômicos, sociais e educacionais durante o século XIX no Brasil, compreendendo, assim, o clima de opinião no qual os gramáticos estudados viviam. O princípio de imanência levou em consideração o tratamento dado à categoria das vozes verbais nas gramáticas elencadas para o estudo, observando as continuidades e descontinuidades do fato linguístico. Desse modo, este estudo levou em consideração os aspectos internos e externos Batista (2013). Além disso, foi feito um breve estudo da história da gramática, desde suas concepções filosóficas até as últimas concepções adotadas pelo gênero, bem como de um estudo historiográfico da disciplina Historiografia Linguística, evidenciando seu conceito e objeto de estudo. Integrado a isso, foi realizado um breve panorama dos modelos de interpretação da história das ciências, baseado no pensamento de Fleck (2010); Kuhn (2013). Ademais, foi realizada uma discussão da categoria das vozes verbais por um viés linguístico, pautado em Ferrarezi Jr (2008, 2012); Scherre (2005) e Hauy (1992). Como resultados obtidos, observou-se que, desde as primeiras abordagens de base filosófica, passando pelas primeiras gramáticas ocidentais, chegando até às gramáticas brasileiras do século XIX, o fato linguístico apresenta linhas de continuidade e descontinuidade. As linhas de continuidade podem ser observadas no instante em que todos os gramáticos compreendem a existência das vozes verbais ativas e passivas. Por outro lado, apresentam descontinuidades no momento em que, a partir da gramática de Argote, observa-se a presença de um terceiro tipo de voz verbal, a recíproca ou reflexa. Ainda com relação às  descontinuidades do fato, embora os gramáticos analisados compreendam a existência da voz passiva, os autores não fazem uma divisão entre os tipos, mesmo sendo possível, em algumas gramáticas, observar a estrutura de uma voz passiva analítica, apesar de tal tipo de voz não ter sido definida pelos gramáticos.

  • CLEVISVALDO PINHEIRO LIMA
  • TV Globo e a surdez: compreensões acerca do discurso sobre o implante coclear
  • Orientador : MARAISA LOPES
  • Data: 15/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • O implante coclear tem produzido, tanto no meio acadêmico quanto na sociedade, discussões quanto à sua eficácia, sua importância e, principalmente, quanto à sua utilização enquanto instrumento de poder produzido por sua aceitação ou por sua total recusa. Quando veiculada pelos diferentes meios de comunicação, a discussão sobre o IC ganha proporções nacionais. Dessa forma, procuramos, sob o viés da análise de discurso, compreender os efeitos de sentido produzidos pela veiculação do discurso sobre o IC pela Rede Globo de televisão através de seus programas matinais destinados, em geral, à mulher, a quem é delegada, com base no imaginário coletivo, a responsabilidade pelo cuidado e educação dos filhos, sobretudo, quando estes têm alguma deficiência. Selecionamos para a constituição de nosso arquivo oito programas veiculados entre os anos de 2009 e 2016. Dada a necessidade do ir-e-vir constante entre a teoria e o arquivo, fez-se necessário tratar da divulgação do discurso científico e de questões voltadas ao silêncio/apagamento propostas por Eni Orlandi que, ao lado de Pêcheux, são os principais autores que fundamentam este trabalho. A partir da análise de nosso material, constatamos que os discursos são proferidos a partir de um lugar que produz sentidos que validam o IC e silenciam a possibilidade de dizer algo em contrário, tal como levantar-se todas as adversidades advindas da cirurgia ou, por exemplo, assumir-se como possibilidade o uso da Libras para a comunicação dos surdos com o mundo.

  • ISRAEL ALVES CORREA NOLETO
  • GLOSSOPOESIS IN STORY OF YOUR LIFE BY TED CHIANG AND ARRIVAL BY DENIS VILLENEUVE AND ERIC HEISSERER
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 27/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • A conexão entre glossopoese e ficção científica foi sempre longa e frutífera. Notadamente, a língua fictícia construída chamada Heptapod B desempenha um papel inovador e significativo no premiado conto História de sua vida (1998) de Ted Chiang e em sua adaptação fílmica A Chegada (2016) dirigido por Denis Villeneuve e escrito por Eric Heisserer, os quais constituem o corpus de minha pesquisa. Por conseguinte, nesta dissertação, pretendo produzir uma análise especulativa de três temas precípuos: (1) Discuto acerca do poder que a linguagem é capaz de exercer sobre o pensamento, conforme descrito pela hipótese Sapir-Whorf, comentando brevemente o que se sabe neste respeito atualmente, ao passo em que também realço suas profundas associações com o Heptapod B, e seu papel essencial na mecânica do enredo. Para tanto recorro basilarmente às reflexões de Benjamin Lee Whorf (1944), Guy Deutscher (2010), Stockwell (2006) e Ria Cheyne (2008). (2) Em seguida, abordo difere a percepção de tempo dos heptapods em relação à dos humanos, isto é, sequencial. Neste contexto, o princípio do menor tempo de Fermat é usado como forte metáfora para representar a percepção de tempo dos alienígenas. Entre outras coisas, a norma define que o raio de luz sempre encontrará o percurso mais rápido e curto até um determinado ponto, alcançando inevitavelmente o seu destino pretendido. Nesta seção, investigo as associações deste princípio com a percepção de tempo dos extraterrestres partindo dos escritos de Isenberg (2016), Nussenzveig (1998) e Curtis e Robson (2016) sobre MacTaggart, bem como as elucidações do próprio autor. (3) Tudo isto leva a um intricado paradoxo. Se for possível ver o futuro, isso não significa que o futuro já existe? Se for assim, como isto pode ser conciliado com a existência do livre arbítrio? Esta dialética representa o cerne da discussão do terceiro capítulo. Destarte, coleto e reviso as contribuições de Aristóteles conforme referidas por Todd (1976), Schopenhauer (1839) e Friedrich Nietzsche (1895), além de outros relacionados ao enredo tanto do texto literário como do longa-metragem.

  • ÉRICA PATRICIA BARROS DE ASSUNÇÃO
  • A PARATOPIA CRIADORA E O ETHOS DE ABDIAS NEVES: ANÁLISE DO DISCURSO LITERÁRIO DE UM AUTOR MARGINAL EM UM MANICACA
  • Orientador : JOAO BENVINDO DE MOURA
  • Data: 27/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Durante o estágio criativo, o autor se encontra num processo complexo de escrita que requer um confronto e conciliação entre as duas formas de existências, a do autor e a da obra. O paradoxo existencial do discurso literário apoia-se na indefinição do lugar do autor que se encontra em um lugar indeterminado entre os perímetros da produção literária, pois não possui um pertencimento pleno ao campo literário nem um território fixo na sociedade. Isso baseia o conceito-chave da nossa pesquisa, a Paratopia. Com base nisso, esta pesquisa se ampara em um estudo de natureza qualitativa e interpretativa que busca analisar como a localização às margens do autor piauiense Abdias Neves interfere na sua produção, como se estabelecem essas relações paratópicas em seu discurso literário e como tais relações estão imbricadas à construção dos ethé do autor na obra Um manicaca (1985). Para isso, procuramos identificar os aspectos paratópicos; classificar os elementos paratópicos; verificar o funcionamento da embreagem paratópica no discurso literário da obra e observar as implicações da paratopia do autor na construção dos seus ethé. As análises evidenciam a existência de três tipos distintos de paratopia na obra: a paratopia de tipo discursivo, através da dispersão discursiva na escrita do autor; a paratopia de identidade social, estruturada por meio das personagens Praxedes e Júlia que destoam do padrão social e são empurradas para margem social; e a paratopia temporal, marcada nos discursos paradoxais que revelam um autor à frente de seu tempo. Além disso, verificamos que, a partir da sua paratopia, o autor formula seus ethé anticlerical, cientificista e subversivo. Esses elementos são os embreantes centrais que possibilitam o desenvolvimento paratópico na obra mediante ao processo criativo de produção da mesma, pois oferecem ao autor o suporte para os movimentos de aproximação e distanciamento em relação a sua obra.

  • JIVAGO ARAÚJO HOLANDA RIBEIRO GONÇALVES
  • LITERATURA E FILOSOFIA EM DIÁLOGO: LIMIARES DA MODERNIDADE EM DEMIAN, DE HERMANN HESSE, À LUZ DE NIETZSCHE
  • Orientador : LUIZIR DE OLIVEIRA
  • Data: 23/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Sujeito e cultura são dois conceitos constantemente revisados na história dos saberes. Dependendo do enfoque, se antropológico, histórico ou filosófico, muda-se a dinâmica entre um e outro para privilegiar-se um aspecto específico dessa relação. Sendo a literatura uma expressão cultural por excelência e ocupando-se da representação de sujeitos, é seguro afirmar que o seu desenvolvimento acompanha ainda hoje as modificações que se dão no âmbito dessa relação entre sujeito e cultura. Este trabalho tem como corpus o romance Demian, escrito em 1919 por Hermann Hesse, que narra a vida e o desenvolvimento (Bildung) de Emil Sinclair e seu relacionamento existencial com o amigo Max Demian. Levando em consideração essa dinâmica entre sujeito e cultura, e tendo em vista a noção de ambiência (Stimmung), como postulada por Gumbrecht (2014), o objetivo desta pesquisa é partir de um diálogo entre literatura e filosofia para demonstrar que há uma crítica aos preceitos da modernidade, a saber, as ideias de verdade, unidade, racionalidade, individualidade, que pode ser observada a partir das formulações acerca da cultura, e do sujeito nela inserido, como são propostos no romance. Postulamos que essa crítica, ou o teor crítico evidenciado pela construção narrativa, são impulsionados por um alinhamento com a perspectiva nietzschiana acerca dos mesmos aspectos, surgindo assim a ideia de um diálogo entre as áreas. A pesquisa é de caráter bibliográfico e o método utilizado para a análise da obra em questão foi o estudo qualitativo das personagens principais do romance e análise da conjuntura cultural da qual a obra emergiu. Para isto, alguns excertos da obra foram apreciados, incluindo diálogos e trechos em que predominam a voz do narrador. O aporte teórico foi composto pelas reflexões de Gumbrecht (2010;2014), Habermas (2000), Berlin (2015), Safranski (2010), Blanchot (2016), Enne (2005), Swales (1978), Moretti (2000) dentre outros. Através do estudo de Demian, a partir da análise das personagens e dos temas evocados, é possível identificar uma construção narrativa que põe em movimento uma contestação a um possível modelo de sujeito moderno herdeiro dos preceitos racionalistas do Iluminismo.

  • OSIRES DE ARAÚJO SILVA FILHO
  • HUMANOS E MÁQUINAS: UMA INVERSÃO DE PAPÉIS EM UBIK, DE PHILIP K. DICK
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 20/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • Humanos e Máquinas: uma inversão de papéis em Ubik estuda, a partir de um dos livros de maior sucesso de Philip K. Dick, o modo como as relações entre humanos e máquinas têm se alterado na modernidade tardia. Associa o fim do otimismo observado no início da era moderna, pautado no conhecimento científico e enaltecimento da razão, ao florescimento da cultura do risco, sobretudo após as duas Grandes Guerras Mundiais do século XX. Diante desse cenário pessimista, percebe a ascensão de dois gêneros literários com os quais Ubik, cuja primeira publicação ocorreu em 1969, pode ser identificado: distopia e ficção científica. Sob essa perspectiva, analisa as representações dos humanos e máquinas artificialmente inteligentes (objetos comuns do cotidiano, como portas e cafeteiras, mas com linguagem e pensamentos evoluídos) na sociedade capitalista, consumista e tecnológica de 1992 retratada no romance. Investiga como os avanços científicos e o consequente nascimento do homo faber, provocaram reflexos na maneira de lidar com a morte e na busca pelo prolongamento da vida, alterando também a relação humano-natureza ao longo da Era Moderna. Discute a transformação do humano (ou seu corpo) nas sociedades consumistas e a maneira que um estilo de vida voltado para a reciclagem de vontades, desejos e anseios rotineiros conduz os corpos a seres sem uma finalidade específica. Percebe o romance como crítico ao capitalismo, ao consumismo e ao desenvolvimento da Inteligência Artificial, quando geralmente os objetos inteligentes só funcionam mediante pagamentos e o ser humano é sobreposto, na maioria das vezes, pelo poder e vontade desses recursos tecnológicos. A pesquisa bibliográfica fundamentou-se especialmente nos estudos de Giddens (1991; 2002), Harvey (2014), Claeys (2010), Fitting (2010), Rees (2008), Bauman (2008a; 2008b; 2010), Bacon (1623; 1999), Arendt (1997; 2010), Jonas (2006), Teixeira (2014; 2015), Bostrom (2016) e Yudkowsky (2008). O trabalho revela, por meio das relações entre a maneira pessimista com as quais os temas pesquisados são apresentados em Ubik e os problemas semelhantes encontrados em sociedades avançadas tecnologicamente, o poder de introdução de reflexões importantes dos romances de ficção científica distópica.

  • JÉSSICA CATHARINE BARBOSA DE CARVALHO
  • LITERATURA E ATITUDES POLÍTICAS: OLHARES SOBRE O FEMININO E ANTIESCRAVISMO NA OBRA DE MARIA FIRMINA DOS REIS
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 31/01/2018
  • Mostrar Resumo
  • Maria Firmina dos Reis, escritora e professora maranhense, é reconhecida atualmente como uma das precursoras da literatura negra brasileira, em sua manifestação no século XIX, tendo iniciado sua atuação literária em 1859, por meio da publicação do romance Úrsula. Além do romance, a escritora participa ativamente da imprensa do período, publicando, entre outros gêneros, poesias voltadas para temáticas e estilo concernentes ao Romantismo. Tendo isso em vista, esta Dissertação analisa a obra de Maria Firmina dos Reis, prosa e poesia, a partir de dois pontos: a) sua atuação na imprensa do período, situando sua literatura no contexto do surgimento das produções literárias femininas no século XIX; b) sua produção em prosa, a partir do conceito de lugar de fala, compreendendo sua produção literária a partir da possibilidade de atitudes políticas manifestadas nos textos, nos quais reflete uma perspectiva antiescravista. Para fundamentar a pesquisa, utilizam-se, sobretudo, os estudos de Evaristo (2009; 2014), Ribeiro (2017), Lobo (1993), Cuti (2010), Said (2011), Eduardo Duarte (2009; 2014) e Constância Duarte (2016). Argumenta-se que Maria Firmina dos Reis, a partir da literatura produzida e atitudes políticas voltadas para a compreensão de certas práticas de restrição à mulher e ao negro, busca inserir-se no meio letrado como sujeito consciente em relação às práticas de dominação, destacando temáticas históricas e sociais criticamente, desenvolvendo uma literatura que dialoga com seu tempo e contesta alguns aspectos da sociedade oitocentista.

2017
Descrição
  • ADRIANO DE ALCÂNTARA OLIVEIRA SOUSA
  • ESTRATÉGIAS DE LEITURA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UMA PESQUISA-AÇÃO COM GRADUANDOS DE LETRAS INGLÊS
  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 05/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • É notável a importância do ato de ler na vida de qualquer cidadão que habite uma sociedade letrada, bem como a compreensão crítica do que se lê traz consequências nos diversos âmbitos das sociedades contemporâneas. A respeito desta importância, a maioria tanto de professores quanto de alunos já deve ter encontrado algum texto que seja de alguma forma essencial ou basilar para entendimento de teorias (principalmente no ensino superior), ou a título de conhecimento geral ou mesmo para fins de pesquisa, que seja escrito em língua estrangeira. É comum também, que não existam traduções disponíveis, ou até mesmo traduções que não contemplem uma adequação teórica pertinente. Tal fato, dentre tantos outros, tem feito imperativa a leitura em língua estrangeira para muitos, principalmente, em língua inglesa. Percebendo então a leitura em língua estrangeira como uma entidade, ao mesmo tempo, linguística, psicológica, fenomenológica, processual e social e abordando conceitos basilares dos processos relativos a leitura, a luz de teóricos como Bartlett (1932), Goodman (1976), Scaramucci (1995), Leffa (1996), Carrell (1998), Eskey (1998), Grabe (1998), Konstant (2003), Kleiman (2013), Koch e Elias (2014), que destacam os modelos ascendente, descendente e interativo de leitura; e, ao destacar também o uso de estratégias de leitura revelando que estas não são usadas descontinuamente ou desordenadamente, muito menos são finitas dentro da classificação proposta por Solé (1998), que observa os processos anteriores e posteriores, bem como aqueles durante a leitura, pois ela é feita apenas para demonstrar que o leitor processa a leitura em diversos momentos e utiliza predominantemente – porém não unicamente – algumas estratégias em detrimento de outras de acordo com o propósito da leitura. Como metodologia proposta para este estudo, adota-se a pesquisa-ação desenvolvida no ambiente de educação formal público superior da Universidade Federal do Piauí, que tem como base uma abordagem qualitativa e interpretativista que contemplou o estágio de docência do mestrado na disciplina de Leitura Intensiva com os alunos do curso de Letras–Inglês. Foram utilizados cinco instrumentos de pesquisa: inicialmente uma avaliação diagnóstica, depois um questionário de relato de experiências, em seguida a segunda avaliação, e a terceira avaliação e, por fim, um último questionário de reflexão sobre a ação, além da utilização frequente dos diários de campo do pesquisador. A pesquisa revelou numerosas contribuições no tocante a estratégias de leitura por alunos graduandos em Letras–Inglês, apontando as diferenças entre o estágio inicial dos alunos quanto ao uso de estratégias de leitura e o efeito que as aulas tiveram sobre eles, trazendo mudanças expressas por estes tanto nas suas práticas cotidianas de leitura quanto em suas futuras atitudes em sala de aula quando abordarem estratégias de leitura em língua estrangeira.

  • SARA REGINA DE OLIVEIRA LIMA
  • NARRATIVAS COLORIDAS: SEXUALIDADE E GÊNERO EM LITERATURAS INFANTOJUVENIS ESTADUNIDENSES
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 04/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem por objetivo discutir acerca do cenário literário LGBTQI estadunidense direcionado ao público infantojuvenil, partindo da discussão que diz respeito à literatura infantojuvenil, heteronormatividade, sexualidade, estereótipos de gêneros e seus diferentes aspectos. Será feita uma breve apresentação de como se encontra a multiplicidade da literatura escrita em Língua Inglesa e Portuguesa, até chegar-se a análise de três livros de autores americanos. Sendo eles: The Sissy Duckling, de Harvey Fierstein (2005), In our mothers’ house, de Patricia Palacco (2009) e 10,000 Dresses, de Marcus Ewert (2008), que abordam a temática do preconceito, estereótipos, homoparentalidade e transexualidade, em suas narrativas, assim como, os modos de pensar, agir e comportar das personagens. A análise leva em conta as perspectivas teóricas de Coelho (2010), Louro (2010), Butler (2015), Bento (2014), Foucault (2013), entre outros autores que discutem as temáticas abordadas, o que torna esta pesquisa de cunho bibliográfico e de caráter exploratório.

  • MARIA DO DESTERRO DA CONCEIÇÃO SILVA
  • VIOLÊNCIA-RESISTÊNCIA EM “DUZU-QUERENÇA” E “ANA DAVENGA”, DE CONCEIÇÃO EVARISTO
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 04/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa possui como corpus os contos “Duzu-Querença” e “Ana Davenga”, de Conceição Evaristo. Busca-se, desta forma, examinar por meio de teorias relacionadas a críticas feministas, principalmente ao feminismo negro, diferentes violências e resistências, que estão presentes no cotidiano de personagens femininas das narrativas “Duzu-Querença” e “Ana Davenga”. Para alcançar o objetivo citado, foram construídos três objetivos específicos: a) Discutir sobre teorias feministas e suas contribuições na luta e na resistência das mulheres negras, sua (in) visibilidade como sujeitas, além da importância desses movimentos para que elas reivindiquem seus direitos, principalmente, por meio do texto literário; b) Verificar a problematização do corpo feminino negro diante de violências adversas, tais como o estupro, a exploração sexual e o genocídio em “Duzu-Querença” e “Ana Davenga”, de Conceição Evaristo; c) Observar atos de resistência do homem negro e da mulher negra por meio da busca pela fantasia e pelo conhecimento, além de sua afirmação como sujeito/a negro/a através do amor em “Duzu-Querença” e “Ana Davenga”, de Conceição Evaristo. A violência e a resistência dos/as sujeitos/as negros/as podem ser observadas como concepções basilares em suas próprias historicidades, pois muitos/as desses/as vivenciaram o período escravista. Pela persistência dessas práticas, há uma necessidade de lutarem em busca de visibilidade e contra as opressões interseccionais, que os/as colocam, muita das vezes, em condições de subalternidade. Duzu e Ana são mulheres negras que habitam as margens da sociedade, não são assistidas de saúde, de educação e de segurança. São personagens que representam parte da população brasileira, aquela que é vítima de violência em suas casas, no trabalho, nas ruas e pelas instituições, que deveriam protegê-las. Mulheres que resistem ao desconstruir estereótipos, romper com o silêncio e reivindicar os seus direitos. Esta pesquisa é de caráter bibliográfico, pois para a análise do corpus foram utilizadas teóricas como: Carneiro (2001; 2003); Nascimento (2006); Bairros (2008); Chauí (2017; 1985; 1999), Lugones (2014; 2008; 2005), dentre outros/as. No entanto, violência-resistência faz parte da dinâmica social de uma população que ao questionar e lutar por melhores condições está rompendo com os paradigmas da subalternização.

  • KARLA DAYANE SILVA MONTEIRO
  • UM ESTUDO INDICIÁRIO SOBRE A RELAÇÃO LEITURA E ESCRITA NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVOS POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS.
  • Orientador : MARIA ANGELICA FREIRE DE CARVALHO
  • Data: 28/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • A dissertação “Um estudo indiciário sobre a relação leitura e escrita na produção de textos argumentativos” apresenta uma discussão sobre a produção escrita de alunos universitários, concludentes da graduação em Letras. Essa pesquisa caracteriza-se como bibliográfica, de campo e qualitativa, a partir de uma abordagem sócio-histórica (BAKHTIN; 2011), (GINZBURG, 1989; 2006). Os dados para a constituição do estudo foram coletados na Universidade Estadual do Piauí, Campus Professor Alexandre Alves de Oliveira, em Parnaíba, onde reside a pesquisadora e por ser uma instituição que, naquela cidade, é a única a ofertar o curso de Letras-Português. Esses dados compreenderam textos escritos por alunos concludentes do curso, produzidos em conformidade ao enunciado proposto no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE, 2014). Para a condução da análise das produções, partiu-se da seguinte problemática: Que indícios revelam leituras de textos variados e possíveis relações nas produções textuais dos sujeitos pesquisados, e como esses sujeitos sociais organizam o diálogo trazido no texto escrito? A seleção dos dados contemplou, ainda, respostas dadas a um questionário fechado, que tinha por objetivo acompanhar as práticas de leitura dos alunos concludentes. O estudo ancora-se nos pressupostos teóricos que têm por base o caráter dialógico da linguagem, a partir das noções teóricas de dialogismo e responsividade de Bakhtin (2006; 2011; 2014), além do aporte teórico-metodológico Paradigma Indiciário proposto por Carlo Ginzburg (1989; 2006). Essa fundamentação guiou o trabalho de investigação voltado para a singularidade, a procura de indícios particulares de cada texto analisado. As respostas dadas ao questionário permitiram comparar a referência de leituras indicadas e uma relação intertextual evidenciada nas produções de textos dos alunos. Os indícios permitiram avaliar o espelhamento ou não, de práticas leitoras de gêneros variados na produção textual. Revelaram-se, ainda, indícios no discurso do aluno que confirmaram diálogos com as fontes de leitura por ele indicadas no questionário; assim como, uma relação com o texto preliminar indicado no enunciado do ENADE. Na apreciação, verificaram-se estratégias como, a inserção ou ausência de marcas linguísticas do texto-base; o estabelecimento de inferências e a apresentação ou não de argumentos de autoridade. Os indícios revelados embasaram a constituição de hipóteses explicativas sobre como os sujeitos apresentam em sua produção escrita referências à leituras, marcando ou não processos intertextuais.

  • VANESSA SANTOS DE SOUZA
  • CAVIDADES INSIDIOSAS DO FEMININO: VIOLAÇÃO E LUXÚRIA EM PEQUENOS PÁSSAROS DE ANAÏS NIN
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 21/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • A escritora francesa Anaïs Nin (1903-1977) é referência em literatura erótica e também influenciou o feminismo do século XX, período em que esse se formulava enquanto movimento social e corrente teórica. Além de sua vasta produção nos Diários, a autora se dedicou integralmente a psicanálise e ao seu amadurecimento artístico. No entanto, a crítica ainda não se debruçou totalmente diante a sua ficção, gênero literário ao qual a escritora também se dedicou e é terreno fértil para os debates sobre o feminismo. Por esta razão, o presente trabalho objetiva estudar contos do livro Pequenos pássaros (2013) da referida autora que apresentam mulheres como protagonistas: “Lina”, “Duas irmãs”, “O modelo”, “Mandra” e “A rainha”. Estes contos foram produzidos sob uma circunstância incomum, devido ao fato de serem resultantes de encomendas de um patrocinador anônimo que pagava um dólar a página para ler narrativas empreguinadas de sexo, sem nenhuma poesia. Apesar disso, os contos desvendam facetas da sexualidade feminina em narrativas luxuriosas que incitam a pesquisa de questões relativas à questão da mulher e noções de gênero, sobretudo por uma perspectiva de possibilidade de libertação feminina. Para este fim, a pesquisa irá se embasar em Simone de Beauvoir (1980) para compreender a mulher à época da produção dos contos e Judith Butler (2016) na análise da manifestação das categorias do desejo subverso. No que diz respeito ao erotismo recorreremos primeiramente a Bataille (2014), para depois aprofundarmos a questão da sexualidade na perspectiva de sua repressão histórica. Para tanto, nos utilizaremos das referenciações de Ussel (1980), Foucault (1999), Chauí (1984) entre outros teóricos, para depois compreendermos o orgasmo em sua nuance funcional a partir de Reich (1972) e filosófica com Marcuse (1975). Como resultados, espera-se que a atuação da escritora na literatura erótica concorde com um dos objetivos de emancipação feminina postulado pelo movimento feminista, a qual por muito tempo negligenciou a autora.

  • OLIVÂNIA MARIA LIMA ROCHA
  • O MIGRANTE NU EM TEXACO: A IDENTIDADE ANTILHANA A PARTIR DA RELEITURA DO MITO BÍBLICO DE CAM
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 31/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho propõe uma investigação sobre a identidade em Texaco de Patrick Chamoiseau, a partir das capas de suas primeiras edições na França, uma da coleção Blanche (1992) e a outra da coleção Folio (1994). A análise das duas possíveis capas de Texaco será feita com a finalidade de tomá-las como paratextos da obra e, a partir delas discutir a noção de identidade relacionada ao conceito de migrante nu. O objetivo desse estudo é analisar a construção da identidade Antilhana em Texaco, a partir da noção de migrante nu de Glissant e da releitura do mito bíblico de Cam. O problema de investigação é: como compreender a construção da identidade Antilhana presente no livro Texaco, a partir de duas possíveis capas? As hipóteses que se propõem são: 1) duas possíveis capas de Texaco são um prefácio e uma chave de leitura para compreender a identidade antilhana; 2) O termo Chamoiseau, que invertido torna-se Oiseau Cham, traz uma leitura intertextual entre a Bíblia e Texaco. Para analisar as duas capas utilizou-se a estética da recepção na abordagem de Hans Robert Jauss (1994); confrontando primeira e segunda leitura. Na análise da ilustração da capa foram utilizados os elementos apontados por Wasili Kandisky (1996), ponto, linhas e plano visual. Complementando a análise da ilustração da capa, tomada como imagem, foram observados os elementos propostos por A. Donis Dondis (2003): linha, formas geométricas, cores, o jogo de luz e sombra, plano de frente e plano de fundo, textura, composição, tema da obra, escola artística. Foi utilizado também o roteiro Image Watching de William Otto, para observação de imagens em museus e voltada para orientação escolar da disciplina de artes. Destarte, a leitura da capa 1 de Texaco, de 1992, tem um peso visual que remete ao concurso do qual o livro foi ganhador. Na leitura da capa 2 de Texaco, de 1994, o peso visual remete a ilustração. Toma-se, então, a ilustração da capa de 1994 como um relato similar aos contos pertencentes ao livro. Nesse relato percebe-se uma identidade crioulizada, construída a partir do migrante nu. Portanto, conclui-se que a capa de 1994 é intertextual com o mito bíblico de Cam.

  • PEDRO FREITAS NETO
  • Figurações do luto em Os anéis de Saturno de W. G. Sebald
  • Orientador : LUIZIR DE OLIVEIRA
  • Data: 31/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Em Os anéis de Saturno, de W. G. Sebald, um narrador melancólico viaja a pé, com sua mochila nas costas, pela costa leste da Inglaterra. A paisagem, sobre a qual toma notas, é para ele marcada por traços de destruição e transitoriedade que lhe remetem para acontecimentos do passado histórico. A concepção de visão analisada no livro questiona a tradicional divisão entre sujeito e objeto ao inserir o olhar no campo do desejo. Enxergando o mundo com as lentes do luto, os objetos sensíveis a sua volta aludem, direta ou indiretamente, à morte. Após uma reavaliação do conceito de realismo, defendemos que haveria um certo realismo sebaldiano. O tratamento dado à realidade em Os anéis de Saturno, porém, não se confunde com um documentalismo simplista. Também não se confude com a categoria específica de literatura de testemunho, apesar de seu teor testemunhal. Sebald encontra -- após o que com ajuda de Jacques Rancière denominamos abolição da regulagem da visão -- maneiras sutis de representar o irrepresentável do real por um conjunto de procedimentos que chamamos de figurações do luto.

  • ELLA FERREIRA BISPO
  • PROCESSOS DE CRIOULIZAÇÃO NO ROMANCE UM DEFEITO DE COR: SOBRE AS CONDIÇÕES DE POSSIBILIDADE A UMA IDENTIDADE CULTURAL LATINO-AMERICANA
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 30/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa propõe uma análise de alguns dos processos de crioulização, conforme Édouard Glissant (2014, 2011, 2005, 1997a, 1997b), perscrutados no romance Um defeito de cor (2009 [2006]) de Ana Maria Gonçalves. Levantamos a hipótese de que através de uma leitura glissantiana do romance Um defeito de cor podemos experimentar uma nova maneira, entre outras possíveis, de perceber os sentidos de nossa coletividade. A busca dos instrumentos teóricos e procedimentos metodológicos que subsidiam este estudo parte da apropriação das seguintes premissas desenvolvidas por Glissant (2005 [1996]): i) o Caribe tomado como prefácio às Américas, de modo a considerar Um defeito de cor como uma obra literária habilitada a operar como um prefácio às literaturas americanas, nos termos ora enunciados, visando a uma discussão das condições de possibilidade à identidade cultural latino-americana sob perspectiva assumida a partir da leitura do romance e mediante a um conjunto mais amplo das literaturas afro-americanas; e ii) a identidade-rizoma, de modo a compreender o romance como integrante do entrecruzamento de valores da totalidade-mundo. A voz memorialística de Kehinde/Luísa, protagonista-narradora do romance em questão, rasura a ordem gnoseológica dominante – que respalda processos de exclusão dos grupos marcados pela diferença colonial (MIGNOLO, 2003) – orientando uma compreensão de identidade cultural latino-americana enquanto tributária das Relações entre as coletividades aqui inscritas. Concluímos que a leitura glissantiana da obra Um defeito de cor colabora com o desenvolvimento de práticas descolonizadas na construção do conhecimento. Ademais, ressaltamos a necessidade de marcar uma epistemologia desde a diferença cultural frente a um padrão de conhecimento geohistoricamente situado que se impõe como universal.

  • LUCY RAIANE PERES FARIAS
  • COMO LEIO E COMO ENSINO A LER”: (RE)CONSTRUÇÕES SOBRE A LEITURA PARA PROFESSORES EM PRÉ-SERVIÇO
  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 23/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação buscou, dentro do escopo dos estudos da Linguística Aplicada, identificar formações e transformações nas crenças de professores de língua inglesa no contexto da Universidade Federal do Piauí (UFPI), que se encontravam em formação inicial e ministravam aulas no Programa Idioma sem Fronteiras (IsF), desenvolvido pelo Ministério da Educação. Baseamo-nos no conceito contextual de crenças discutido por Barcelos (1995, 2000, 2001, 2007, 2008), analisando o movimento de (trans)formação das crenças de professores quanto ao ensino e aprendizagem da leitura em língua inglesa. Para isso, traçamos um panorama dos estudos sobre leitura, a partir de Gough (1972), Smith (1928), Kato (1999), Kleiman (2000, 2001), Leffa (1996), Goodman (1967), entre outros; conceituando os principais tipos de leitores, modelos de leitura, e seu ensino e aprendizagem. Esta pesquisa tem caráter qualitativo-reflexivo e desenvolveu-se a partir de um estudo narrativo aliado a observações de aulas ministradas pelos professores, com anotações de campo. Nosso instrumento de coleta de dados, bem como metodologia para as análises, foi a Pesquisa Narrativa, desenvolvida por Connelly e Clandinin (2000). Utilizamos como categorias de análises os cinco pontos de tensão citados pelos autores: temporalidade, pessoa, ação, certeza e contexto; perpassando também conceitos como as continuidades e descontinuidades, instabilidade, mudança e experiência. Os estudos narrativos centram-se nas histórias vividas pelos indivíduos, buscando compreender suas motivações e mudanças dentro de determinado contexto, e desenvolvendo possibilidades de entendimento para suas ações e modos de pensar. Dessa forma, tivemos como objetivo descrever como se (re)constroem as crenças dos professores participantes em relação ao ensino e aprendizagem em língua inglesa no contexto da UFPI, buscando a reflexão sobre as crenças e como estas influenciam a formação inicial e continuada dos professores, bem como suas ações em sala de aula, e vice-versa, num movimento cíclico.

  • CLÁUDIO JOSÉ BRAGA ROCHA
  • Enlaces e rupturas no reino de mammy–wota: hibridismos em girls at war and other stories de chinua achebe
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 22/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho discorre sobre o processo de hibridismo vivenciado pela sociedade Igbo, apresentado no livro de contos Girls at war and other stories de Chinua Achebe. É uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfica que investiga o tema do hibridismo em três vertentes: o hibridismo linguístico, as práticas religiosas híbridas e o hibridismo nos costumes do povo igbo. Utiliza-se dos pressupostos teóricos sobre pós-colonialismo e estudos culturais, enfatizando o hibridismo presente nos contos. Desenvolve-se o conceito de mimica de Bhabha (1994, p. 36), onde, o sujeito colonizado, em vez de rejeitar a linguagem, a religião e as práticas do colonizador, ele se apropria dela. De acordo com Cancline (2001, p. 20) ideias e práticas híbridas são formas de reconhecer a alteridade e trabalhar sobre as tensões causadas por diferenças. Desta forma, a hibridação cria uma relação de interdependência entre o colonizador e o colonizado em que novos significados são dados, evitando assim elementos de segregação. 

  • ÉRICA PATRICIA RODRIGUES DE SOUSA
  • O ENTRECRUZAMENTO DE DISCURSOS SOBRE CORPOS DE MULHERES ANGOLANAS NA POESIA DE PAULA TAVARES
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 19/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tematiza as significações das representações de corpos de mulheres articuladas pelas relações de gênero, através de um eu lírico feminino que configura o lugar de fala do sujeito historicamente subalternizado, a quem é negada a fala, portanto, sendo o próprio ato de fala uma subversão. A poeta angolana Paula Tavares, com sua obra Amargos como os frutos, é o sujeito/objeto da presente pesquisa, que foi estudado a partir de três planos de análise: corpo subversivo, corpo subalterno e corpo amante; que foi lido, lírica e teoricamente, com vistas a compreender os sentidos e as estruturas das significações de cada eixo analítico. O elo principal entre eles foi aspectos relacionados a processos de emancipação feminina. O objetivo geral do trabalho foi pesquisar representações de mulheres em processos diversos de autonomia sociopolítica e afetiva, que emergem da poesia de Paula Tavares na obra Amargos como Frutos, articuladas na relação dessas com seus próprios corpos e com aqueles do sexo masculino, confrontadas com paradigmas culturais de comportamentos naturalizados e estabelecidos para mulheres e homens na sociedade angolana. E foram objetivos específicos: investigar, na poesia de Paula Tavares, formas de domínio do masculino sobre o feminino; averiguar representações de insubordinação da sexualidade feminina inscritas em poemas de Paula Tavares que expressam uma busca pelo domínio do próprio corpo; e examinar poemas de Paula Tavares que abordam relações consensuais e amorosas entre amantes, nas quais as alteridades se relacionam de maneira mais equânime, redesenhando, assim, as fronteiras entre masculino e feminino, de forma a perceber se os limites postos para os comportamentos entre os gêneros podem ser transpostos, deslocando mulheres e homens para experiências mais horizontais de gênero e sexualidade. Foram categorias adotadas para a análise: gênero, patriarcado, subversão, subalternidade, dentre outras. As categorias teóricas que orientaram a leitura e a análise dos textos poéticos possibilitaram identificar registros diversos da corporeidade feminina, que foi o pressuposto do problema de pesquisa formulado através da seguinte questão: como as mulheres são representadas na poesia de Paula Tavares, pela obra Amargos como frutos? A metodologia utilizada neste trabalho foi pesquisa bibliográfica qualitativa. O processo de coleta de dados e análise foi feito com preenchimento de mapas, com colunas e linhas que foram lidas, orientadas pelos três eixos de análise. Destacam-se, como considerações finais, a afirmação de que a poesia de Paula Tavares revela um processo cultural capaz de alterar as relações de gênero na perspectiva de emancipação, de longo alcance, que infere em mudar as simbologias para alcançar mudanças estruturais e materiais, havendo percurso de subversões que contêm diversas facetas de autonomia sexual de um eu lírico feminino que é o oposto do tradicional, bem como um poder que, combinado com afeto, pode produzir alteridade das mulheres, ou anular a autonomia feminina. 

  • FRANCIANE COSTA DE SOUSA
  • Uma abordagem culturalista na tradução intersemiótica do conto The Masque of the Red Death para a série de TV Contos do Edgar_
  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 01/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho, que se insere nos Estudos da Tradução e no campo teórico da Tradução Intersemiótica, aborda os aspectos culturais envolvidos nas escolhas de tradução do conto The Masque of the Red Death, de Edgar Allan Poe, para o meio audiovisual, em um episódio da série de TV Contos do Edgar, que foi veiculada em 2013 pelo canal a cabo Fox.Procuramos identificar de que maneira as particularidades do meio audiovisual influenciaram na transposição do texto verbal para o meio fílmico, focamos a análise nas adaptações culturais realizadas no processo de tradução, pois, na obra traduzida, a história foi ambientada em uma nova época e local. Para tanto, foram selecionadas trechos do conto e cenas da série que demonstram o aspecto do medo, por ser este um elemento determinante na narrativa. Buscamos a caracterização de aspectos relevantes para a produção dos dois textos do corpus a partir dos elementos que compõem o polissistema literário desenvolvido por Even-Zohar (1990). Para identificar as estratégias tradutórias utilizadas na transposição do conto à série nos valemos do modelo de procedimentos de tradução de Barbosa (2004), que se trata de uma proposta a partir do modelo de Vinay e Dalbernet (1977); bem como utilizamos os conceitos de “domesticação” e “estrangeirização” de Venuti (1995). Realizamos, por fim, a caracterização do processo de tradução a partir da tríade do signo preconizada por Peirce (2005), identificando a ocorrência do aspecto icônico, indicial e simbólico. Os principais resultados apontam para a utilização de estratégias tradutórias que permitem maior afastamento do texto traduzido em relação ao texto de partida, o que atende às necessidades de um projeto tradutório dos responsáveis pela série que está voltado para a adaptação cultural ao contexto de chegada.

  • LUCAS CÉSAR MOURA LAGO
  • ANÁLISE DE GÊNERO: UM ESTUDO DA ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DA SEÇÃO/CAPÍTULO DE METODOLOGIA EM DISSERTAÇÕES DE MESTRADO
  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 18/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa insere-se no contexto da Análise sociorretórica de gêneros. Optamos por estudar a dissertação de mestrado por conta da carência de investigações sobre esse gênero no Brasil, e escolhendo a seção/capítulo de metodologia de dissertações de mestrado em Linguística do PPGEL/UFPI como objeto de estudo. Assim, temos como objetivo geral descrever organização retórica da seção/capítulo de metodologia de dissertações de mestrado de subáreas da cultura disciplinar de Linguística, de modo a evidenciar possíveis semelhanças e diferenças entre elas. Os objetivos específicos visam: caracterizar as especificidades da organização retórica da seção de metodologia em dissertação das subáreas de Sociolinguística, Enunciação e Análise do Discurso; identificar e caracterizar os movimentos e passos retóricos encontrados nas seções/capítulos em análise; apontar os recursos linguísticos que indicam a presença dos movimentos e passos encontrados e descrever a estrutura composicional da seção/capítulo de descrição dos procedimentos metodológicos. Para tanto, nos aparamos em estudiosos como Bakhtin (1997, 2004), Miller (1984), Bazerman (2005), Hyland (2004, 2009) e Swales (1990, 2004, 2009), criador do modelo CARS. Além desses, recorremos ainda a outros pesquisadores que replicaram o modelo CARS em seus estudos, como Jucá (2006), Lim (2006), Schweiger (2011) e Monteiro (2015). O uso desse aparato teórico-metodológico nos permitiu perceber que há muitas diferenças entre às seções/capítulos de metodologia de dissertações de mestrado de subáreas diferentes, mas, quanto à organização retórica, muitas das diferenças encontradas estão mais relacionas com o tipo de pesquisa realizada do que com valores vigentes na subárea.

  • DEISLANDIA DE SOUSA SILVA
  • Tempo verbal: por uma prática reflexiva em livros didáticos à luz da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas de Antoine Culioli
  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 20/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa insere-se no quadro da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE) de Antoine Culioli, a qual concebe que o sentido de uma ocorrência gramatical não se encontra previamente estabelecido, ele é construído no e pelo enunciado, considerando a interação entre as unidades que o compõe e as operações que são colocadas em jogo pelos sujeitos. Calcado nesse viés construtivista da TOPE, o presente estudo objetivou investigar e descrever a abordagem teóricometodológica que os livros didáticos de Língua Portuguesa apresentam para o estudo da categoria gramatical tempo verbal, no modo indicativo. Para tanto, selecionamos como corpus quatro coleções de livros didáticos de Língua Portuguesa representativos do Ensino Fundamental II, em específico, das séries de 6º e 7º ano. Como critérios, apenas aquelas pertencente aos triênios de 2011 a 2013 e 2014 a 2016 do PNLD e adotadas pela rede pública de ensino da cidade de Teresina-PI. Metodologicamente, foi realizada uma descrição e reflexão da abordagem teórica e metodológica do conteúdo tempo verbal presente nesses LDs. Em seguida, procedeu-se uma comparação dessas abordagens com vista a verificar o que havia de convergente e divergente no tratamento dado ao tempo verbal nos LDs em análise. A relação entre as análises e o aparato teórico da TOPE culminou em uma sugestão de abordagem, mais critico-reflexiva, do tempo verbal, em forma de atividades priorizando uma visão dinâmica da língua e trabalhando esse conteúdo como um elemento que dá suporte à significação dos enunciados em situações concretas de uso. Pelas análises, constatou-se a observância de uma relativa mudança, ainda que de forma bastante incipiente, na abordagem do tempo verbal pelos livros didáticos, uma vez que já se verifica uma proposta de estudo pautada no uso da língua. Entretanto, MESTRADO ACADÊMICO EM LETRAS / CCHL Campus Universitário Petrônio Portela Bairro Ininga – Teresina – Piauí – CEP 64049-550 Telefones: (86) 3215-5794 / 3215-5942 – E-mail: posletras@ufpi.br ainda há na abordagem do tempo verbal pelos livros didáticos a predominância de uma perspectiva estática da língua à medida que o explora com base em uma metodologia clássica de classificação e identificação de formas. Além disso, observou-se na comparação entre as abordagens teóricometodológicas que há uma divergência em suas propostas de estudo haja vista que na abordagem teórica os LDs presentam um estudo correlacionado às situações de uso da língua já na metodológica verifica-se a recorrência de abordagens bastante metalinguística pautada em definições e classificações do conteúdo estudado.

  • LAYANA KELLY PEREIRA DE HOLANDA
  • O uso dos Adjetivos em textos escolares: uma reflexão na perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas
  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 20/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa insere-se no quadro teórico da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas de Antoine Culioli. Buscamos analisar como o adjetivo se configura em produções textuais de alunos do 6º e 9º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede pública de Teresina-PI. Sabemos que, na escola, o estudo do adjetivo ainda é pautado por uma abordagem de natureza definitória e classificatória sem explorar o seu papel na construção de sentido do texto. Tendo em vista esse aspecto, objetivamos verificar como o aluno percebe o papel das marcas adjetivais em tais produções. Para a operacionalização da pesquisa, o corpus foi constituído de textos escolares de natureza dissertativa, no gênero carta de reclamação; e narrativa, no gênero fábula. A partir da utilização dos adjetivos nos textos produzidos, aplicamos um questionário escrito com o intuito de levar o aluno a refletir sobre o uso da marca adjetival em alguns trechos dos textos produzidos. Como categorias de análises, discutimos a posição do adjetivo, a semanticidade e a presença de intensificadores junto ao adjetivo no enunciado. Após as análises dos dados obtidos, percebemos que a maioria das respostas dos questionários dos alunos, tanto das séries do 6º e 9º anos, em relação as suas produções textuais, não atenderam a perguntas e que, em alguns momentos, não conseguiam perceber o sentido do adjetivo, no enunciado, em articulado a outras marcas. Durante as discussões do questionário escrito observamos que houve divergências entre as respostas dos questionários apresentadas oralmente. O resultado das análises deu-nos suporte para elaboramos uma reflexão de proposta didática sobre o ensino do adjetivo em sala de aula para as séries do 6º e 9º anos com base nos Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa do 3º e 4º ciclos.

     

  • PRISCILA VIVIANE DE SOUSA CARVALHO
  • ESTUDO ANALITICO SOBRE A ESTRUTURA DE LIVROS DIGITAIS NOS FORMATOS PDF E EPUB. 
  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 18/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva uma análise da estrutura de e-books e, mais especificamente, de formatos e extensões nos suportes de leitura, porque, pela progressiva quantidade de formatos de livros digitais disponíveis atualmente, optamos por sumarizá-los por sua relevância e uso. Critério esse que se fez necessário para a delimitação dos dados e orientações desse estudo. Outro fator de relevância dessa pesquisa foi à verificação das possibilidades de melhorias na diagramação de livros digitais. Em termos gerais, o presente trabalho teve por objetivo investigar as características técnicas nos formatos de livros digitais. A partir de seu formato, extensão, e compatibilidade através do auxílio de uma metodologia experimental, a análise tabelada e a discussão sobre os resultados obtidos foram condensados numa relação comparativa entre os parâmetros de diagramação, usabilidade e adaptabilidade de conteúdo das amostras de e-books selecionados.

  • SÉRGIO DE SOUSA RIBEIRO
  • As percepções de affordances de alunos e professores sobre o uso de TICS como uma ferramenta de auxílio de aprendizagem de Língua Portuguesa em uma escola da rede pública de Angical do Piauí.
  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 30/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • O Ensino de Língua Portuguesa oferece uma infinita gama de possibilidades para que se possam trabalhar as habilidades linguísticas. Na atualidade, o avanço da tecnologia chama a atenção para a necessidade de um aprimoramento das capacidades para utilização de novos equipamentos, de modo que o desenvolvimento de competências e habilidades ligadas à tecnologia, tais como a identificação de diferentes linguagens e seus recursos expressivos como elementos caracterizadores dos sistemas de comunicação e a relação das informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, considerando a função social desses sistemas, são fatores de relevância na globalização das ideias, das experiências acumuladas durante séculos e do aperfeiçoamento do trabalho de muitos profissionais, isso inclui o professor. Esta pesquisa, objetiva apresentar o delineamento de uma pesquisa desenvolvida em uma escola da rede pública do município de Angical do Piauí como requisito para a obtenção do título de mestre em Letras pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Os dados que compõem este estudo foram coletados por meio de observações em sala de aula, entrevistas e questionários com os sujeitos da pesquisa: alunos do Ensino Médio e uma professora de Língua Materna. Na proposta do estudo, foi investigado quais as percepções de affordances de alunos e professores sobre o uso das TICS em sala de aula. Para isso, foi investigado se a professora utiliza as TICS na sala de aula, quais as dificuldades que ela enfrenta e a opinião do corpo docente e discente com relação à chegada das tecnologias digitais na escola. Para tanto, autores como Indezeichak (2014), Silva (2013), Leite e Ribeiro (2012), Prensky (2001), Valadares (2012), entre outros foram relevantes para dar subsídio teórico em relação à temática estudada. 

  • VIRNA PEREIRA TEIXEIRA
  • VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E FLUXOS MIGRATÓRIOS: a concordância nominal de número na fala dos moradores do bairro Campo de Belém do município de Caxias - MA
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 23/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos sociolinguísticos sobre a concordância nominal de número no português brasileiro têm evidenciado que a variante não prestigiada (ausência de marcação formal de plural) é mais recorrente em setores das camadas populares, sejam do campo ou da cidade. Nesta pesquisa, cujo corpus é constituído por entrevistas com 20 informantes, agrupados de acordo com variáveis sociais como Escolaridade, Faixa etária e Sexo, são descritos os registros de concordância nominal na fala de moradores de um bairro periférico do município de Caxias - MA. Com base na Sociolinguística variacionista (WEINREICH et al., 2006; LABOV, 2008) e trabalhos sobre a concordância nominal de número no Português Brasileiro (SCHERRE, 1988; NARO e SCHERRE, 2007; LUCCHESI, 2009 ) foram analisadas as ocorrências de variação nos sintagmas nominais das falas de informantes da comunidade em estudo,  distribuídos conforme o sexo (masculino e feminino), dois níveis de escolarização – ensino médio e  superior – e duas faixas etárias – dos 18 aos 34 e dos 35 aos 50 anos.  Cabe destacar ainda que neste bairro houve, em décadas recentes, intensos fluxos migratórios do campo para a cidade, o que, segundo Bortoni-Ricardo (2011), influencia, de acordo com as redes sociais dos falantes, a incorporação ou não dos usos mais prestigiados do português, reflexão esta que também se fez presente neste trabalho. Em relação às variáveis linguísticas, com auxílio do programa Goldvarb X, os dados foram analisados segundo o princípio da Saliência Fônica (Tonicidade do núcleo), Classe morfológica do item pré-nuclear, Posição Linear e Posição Relativa dos constituintes. Os resultados desse levantamento quantitativo indicaram que os fatores mais atuantes para a realização da variante não prestigiada da concordância nominal são o nível médio de escolarização, a 1ª posição do item constituinte e a posição pré-nuclear do termo. As informações obtidas através das entrevistas também revelaram que a maioria dos sujeitos da pesquisa são naturais ou possuem vínculos familiares com a zona rural de Caxias, têm contato regular com os meios de comunicação de massa (televisão e Internet) e são, predominantemente, católicos, constituindo aqui a religiosidade um elemento de associação e densidade das relações sociais. Com efeito, pode-se interpretar que o continuum rural-urbano nos usos linguísticos desta localidade, evidenciado pelos resultados numericamente superiores da variante não prestigiada, intersecciona reflexões da abordagem funcionalista (internalista) e etnográfica da Sociolinguística, investigações que devem ser aprofundadas para verificação posterior da estabilidade/ instabilidade de tal variação, atualmente em fluxo entre a inovação e a conservação, entre o popular urbano/ rural.

  • LARA FERREIRA DA SILVA
  • A FRONTEIRA ENTRE VIOLÊNCIA E MORALIDADE NA OBRA FELIZ ANO NOVO, DE RUBEM FONSECA
  • Orientador : LUIZIR DE OLIVEIRA
  • Data: 21/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como corpus o livro de contos Feliz Ano Novo, escrito em 1975, pelo autor brasileiro Rubem Fonseca. O objetivo desta pesquisa é relacionar em sua obra a temática da violência com conceitos e abordagens apropriadas da literatura e da filosofia sob o viés ético e estético, bem como o fator moralidade imerso na obra que auxilia no processo investigativo. A dissertação inicia-se com considerações gerais concernentes à fundamentação teórica, tendo como suporte os autores Antonio Candido (2010), Hans Ulrich Gumbrecht (2014), Iris Murdoch (2013), Ives Michaud (1989), dentre outros teóricos. O contorno do contexto sociológico, cultural e a receptividade crítica dessa obra na literatura brasileira (século XX e XXI) dimensionam o segundo capítulo. Dedicado às definições de violência dentro da obra fonsequiana, o terceiro capítulo abre espaço para reflexões a respeito dessas classificações de violência a partir das ações dos personagens nos contos “Feliz Ano Novo”, “Passeio Noturno I”, “O Outro”, “Nau Catrineta” e “Entrevista”. O estudo de Feliz Ano Novo constitui um campo amplo, diversificado e motivador para o estudo do cenário econômico, cultural e político do Brasil militarista.

  • GLÁUCIA CASTRO AGUIAR PIO
  • ESTUDO HISTORIOGRÁFICO DO TRATAMENTO DADO ÀS CATEGORIAS GÊNERO E NÚMERO DOS SUBSTANTIVOS SIMPLES NA GHLP.
  • Orientador : MARCELO ALESSANDRO LIMEIRA DOS ANJOS
  • Data: 20/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem, como objetivo principal, investigar continuidades e descontinuidades em relação ao tratamento dado às categorias gênero e número dos substantivos simples na Gramática Houaiss da Língua Portuguesa (2008), (doravante GHLP), de autoria de José Carlos de Azeredo. Para tanto, fez-se necessária a análise de gramáticas que perfazem o horizonte retrospectivo (Auroux, 2008) de Azeredo, quais sejam, gramáticas brasileiras do século XX: Pereira, 1907; Said Ali, 1922; Almeida, 1943; Rocha Lima, 1957; Bechara, 1961; Melo, 1980; Cunha e Cintra, 1985, com ponto de chegada na GHLP, gramática escrita na primeira década do século XXI, estabelecendo-se, assim, as fontes primárias desta pesquisa, além da dissertação de mestrado e tese doutoral do autor. A análise foi conduzida com base nos pressupostos teórico-metodológicos da Historiografia Linguística, ancorando-se nos princípios propostos por Koerner (1996): contextualização e imanência. O princípio de contextualização foi contemplado a partir da descrição de alguns aspectos políticos, econômicos e sociais do Brasil nos últimos sessenta anos para que se pudesse compreender o clima de opinião do autor, a fim de entender as ideias contidas na GHLP, porque se entende que a obra do autor não é um evento isolado, mas situa-se num momento histórico e é influenciado pelas reflexões que o antecederam. O princípio de imanência contemplou as descrições linguísticas a respeito do gênero e do número dos substantivos simples, catalogadas na GHLP, representando, em alguma medida, a linha de inovação da gramaticografia em tempo atual; e nas demais gramáticas do século XX, representando a tradição. Por comparação, as descrições linguísticas das categorias analisadas foram postas em linhas de continuidade e descontinuidade em relação a uma tradição já consolidada. Além disso, ao cerne da fundamentação teórica, a partir de um breve panorama na historiografia das ciências, integrou-se a noção de coletivo de pensamento, de Fleck (2010); modelo de história continuidade e descontinuidade, de Koerner (1989); História do Tempo Presente (Ferreira, 2000; Hanna; Bastos, 2012), em que lacunas entre o passado e o futuro são passíveis de compreensão em momento presente. Como resultados gerais, verificou-se que o autor apresenta linhas de continuidade em relação à tradição quando faz repetição de regras já conhecidas. Já em relação às linhas de descontinuidade, Azeredo, ao trazer uma nomenclatura própria e concisa, para a descrição do gênero dos substantivos, inova, pois, por meio de generalizações, consegue abarcar inúmeras regras que tradicionalmente são feitas de forma particularizadas. Além disso, o autor reconhece o caráter imanente do gênero como um item do léxico, não se limitando a aspectos sintáticos como os demais gramáticos. Sem hesitações, Azeredo, na GHLP, diferencia os mecanismos de descrição do gênero e do número em relação aos processos de flexão e de derivação. Em relação à categoria número, apesar da repetição de regras já conhecidas, Azeredo vai além da indicação de singularidade e pluralidade, ao apresentar nuances semânticas particulares em relação a essa categoria. Percebe-se, portanto, que a GHLP, no que tange ao tratamento das categorias gênero e número, pende pela via da mudança em relação aos tradicionais compêndios do século XX. 

  • FRANCILDO PAIVA SANTOS
  • PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CAMPO: A RELAÇÃO DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DOS COCAIS COM UMA COMUNIDADE RURAL NO PIAUÍ
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 15/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação objetivou investigar como ocorre a relação das práticas de letramento em uma escola agrícola com a comunidade Chapada da Sindá, atendida por esta escola, no município de São João do Arraial-PI. A finalidade foi a compreensão das práticas relacionadas à leitura e à escrita dos alunos de uma turma do primeiro ano do Ensino Médio e de um grupo de seis alunos do terceiro ano, tanto na escola como na comunidade onde moram esses alunos. Na escola, observamos as práticas de letramento nas aulas da disciplina língua portuguesa do primeiro ano e em atividades de leitura e escrita nas atividades “serões” e do “caderno da realidade” o qual é escrito pelo aluno baseado em uma temática relacionada com o seu meio social. Em relação à turma do terceiro ano, observamos um grupo de seis alunos de turmas de cursos diversos, no que concerne à realização do PPJ (projeto profissional do jovem), uma atividade de leitura e escrita que deve ser realizada pelos alunos no último ano de formação. Na comunidade, analisamos práticas de letramento no contexto familiar de cinco alunos, que estão dispersos nas turmas do primeiro ano, e na igreja de Santa Luzia, bem como em atividades que envolvem o preenchimento de formulários e fichas para participação em programas do Governo Federal. A pesquisa teve uma orientação metodológica baseada na etnografia, que, segundo Bortoni-Ricardo (2005), permite ao pesquisador conhecer de perto os sujeitos da pesquisa e conviver com eles, com a intenção de conhecer o papel social de cada informante. Como instrumentos de coletas de dados, utilizamos questionários, entrevistas e gravações em áudio e vídeo, além das observações em sala de aula e nas residências dos alunos. O aporte teórico contempla autores que discutem a escrita em uma perspectiva social, entre os quais, Kleiman (1995, 2005); Mollica (2014), Street (2014), Lopes (2006),  entre outros.  O resultado de nossa investigação demonstrou a forte ligação da escola com a comunidade dos alunos, através das práticas de letramento, presentes nas pesquisas dos estudantes realizadas na comunidade e das discussões sobre as mesmas com a família nas atividades de PPJ e dos serões, a despeito da prática tradicional de ensino de Língua Portuguesa na escola restringir-se apenas ao modelo de letramento autônomo, contemplando quase sempre as atividades do livro didático e de cópias. O sucesso das práticas de letramento da escola com a comunidade resulta da preocupação com o êxodo rural, cujo objetivo é preparar os alunos para trabalhar na sua terra.

  • JOSÉ MÁGNO DE SOUSA VIEIRA
  • A PROPAGAÇÃO DE UMA IDEIA: EMBREAGENS PARATÓPICAS CONSTITUINTES DO ETHOS DO SUJEITO DE ENUNCIAÇÃO NIILISTA NO DISCURSO LITERÁRIO DE MEMÓRIAS DO SUBSOLO
  • Orientador : JOAO BENVINDO DE MOURA
  • Data: 10/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa é analisar as marcas discursivas que emergem da obra Memórias do subsolo, de Dostoiévski, verificando como o sujeito de enunciação Homem do Subsolo constrói seu ethos niilista. Para desenvolvimento da análise são exploradas noções como embreagem paratópica, parasita, sujeito, ethos, cronotopo, heterotopia e paratopia no intuito embasar a pesquisa. Os pressupostos teóricos tomam como base as discussões levantadas por Pecoraro (2007) e Volpi (2012) no que se refere ao niilismo; Maingueneau (1996a, 1996b, 2001, 2014a) no tocante a categorias como paratopia, parasita, nômade e embreagem paratópica, dentre outras, relacionadas ao discurso literário; Bakhtin (2006, 2013 e 2014) no tocante a noções como a de palavra, evasiva e cronotopo; Foucault (2009) e sua noção de heterotopia além de teóricos como Maingueneau (2014b), Eggs (2014), Adam (2014) e Viala (2014) no tocante à noção de ethos nos estudos do discurso. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e qualitativa para a qual foram selecionadas 50 (cinquenta) sequências discursivas (SD) analisadas de acordo com as teorias já mencionadas. Como resultado, pode-se apontar que as embreagens paratópicas presentes nas sequências discursivas levantam marcas discursivas com forte tendência niilista para o ethos do Homem do Subsolo. Este sujeito de enunciação movimenta-se no tempo-espaço de modo paratópico o que permite vê-lo manifestando-se em diferentes lugares ao emanar seu discurso e, por meio dele, a ideologia niilista.  

  • MARIA HELENA DAMASCENO DA COSTA ALVES
  •  REPRESENTAÇÃO DO NEGRO: ESCRAVIDÃO E RESISTÊNCIA EM REI NEGRO, DE COELHO NETTO, E NO FILME CHICO REI, DIRIGIDO POR WALTER LIMA JUNIOR
  • Data: 10/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação traz como proposta discorre sobre a Representação do negro: escravidão e resistência em Rei Negro, de Coelho Netto, e no filme Chico Rei, sob direção de Walter Lima Junior. Tem como objetivo pesquisar a representação do negro nas narrativas Rei Negro, de Coelho Netto e Chico Rei, filme dirigido por Walter Lima Junior, levando em conta o caráter opressor da escravidão como motivador de luta e resistência, naquela sociedade senhorial. São narrativas tratando da mesma temática, mas em momentos temporais diferentes, Coelho Netto, século XIX, dialogando com o contemporâneo Walter Lima Junior. O romance Rei Negro foi escrito no início do século XX, enquanto que a obra fílmica Chico Rei no final do século XX. Detectou-se um problema: os conflitos gerados a partir da dominação excessiva de um sobre o outro e as consequências advindas a partir de tais comportamentos, o qual justifica a investigação aqui desenvolvida. Por isso Pensou-se as seguintes questões: como se dá a constituição familiar nas narrativas Rei Negro e Chico Rei e como esses ambientes interferem na interação entre brancos e negros? De que formas se apresentam os conflitos gerados a partir da dominação excessiva de um sobre o outro e as consequências surgidas em decorrência de tais comportamentos, nas narrativas literária e fílmica? As relações entre gêneros é um fator preponderante na narrativa, assim questionamos: é possível examinar nas relações de gênero daquela sociedade das obras Rei Negro e Chico Rei, aspectos como: negociações, conveniência, passividade, transgressão, violência, e dominação entre as categorias masculina e feminina, bem como entre os do mesmo gênero? A cultura é um elemento intrínseco na vida do indivíduo, então de que maneiras se podem averiguar como a cultura vivenciada por escravos e senhores, no romance Rei Negro e na obra fílmica Chico Rei identifica seu pertencimento continental levando em conta elementos como religião, crenças, costumes e festas? Discutiu-se algumas temáticas relacionadas à dinâmica do escravismo; analisou-se o texto literário em comparação com a reprodução fílmica, a fim de verificar semelhanças e diferenças na postura dos heróis, diante da instituição escravidão. Teceu-se discussões acerca da vida e obra dos autores dos objetos em análise, como foram recebidos pela crítica, evidenciando a relevância deles e de suas produções para a literatura e o cinema brasileiros. Para o diálogo teórico, o qual ajudará na análise do tema, recorreu-se a Viotti da Costa (1988); Jaime Pinsky (1994); Pandiá Calógeras (1967), e Lacombe (1989), Albuquerque; Fraga (2006), Chiavenato (1987) entre outros, os autores discutem sobre o período colonial e seus acontecimentos; a discussão ainda continua com a participação de Walter Benjamin (1987) teorizando sobre reprodução fílmica da arte literária e sua representatividade. A pesquisa é de caráter bibliográfico qualitativo e, tem um diálogo dinâmico com relação à dominação do homem sobre o homem e suas consequências. Percebeu-se que pesquisa dessa natureza contribui para despertar no leitor a necessidade de investigar o que há por trás dos fatos históricos, registrados na historiografia brasileira, sobre a formação de nossa história, e como ele deve se colocar criticamente, sobre o assunto, diante da sociedade.

     

  • ANDRESSA MARIA ABREU PEREIRA
  • LETRAMENTO E COMPETÊNCIA COMUNICATIVA NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM ETNOGRÁFICA
  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 09/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como objetivo verificar a competência comunicativa de alunos de Ensino Médio de uma escola da rede pública de Teresina-PI em atividades de leitura e de escrita nos eventos de letramento de que participam no contexto sociocultural em que estão inseridos. A investigação desenvolveu-se por meio de uma pesquisa de natureza qualitativa, conduzida com base nos procedimentos de caráter descritivo e interpretativo da Etnografia, conforme abordagem sociolinguística da Etnografia da Comunicação (Gumperz e Hymes, 1972; Saville- Troike, 1982). Os dados que constituíram o corpus analisado foram obtidos através dos métodos e técnicas de observação participante, de entrevistas semiestruturadas, de notas de campo, de gravações em áudio, de fotografias e de material escrito colhido no cenário de pesquisa. Para a fundamentação deste trabalho buscou-se apoio teórico em pesquisadores como Bortoni-Ricardo (2004, 2005, 2014), Barton e Hamilton (1998, 2000), Heath (1982), Hymes (1972), Kleiman (1995, 2002, 2005), Street (2003, 2014), Soares (2003, 2012), dentre outros. Os resultados do estudo evidenciaram que, mediante a realização de atividades de leitura e de escrita, os alunos buscam corresponder às normas e aos parâmetros do evento de letramento de que participam. Por outro lado, na escola, as práticas escolares de ensino de língua materna não são desenvolvidas com a finalidade de ampliar a competência comunicativa dos alunos, no que diz respeito à atuação destes em eventos de letramento ocorridos fora desse contexto social.  Este estudo, portanto, espera contribuir para as áreas dos Estudos da Linguagem e da Educação, na medida em que propõe reflexões acerca do papel da instituição escolar e, mais especificamente, do ensino de língua portuguesa, no sentido da ampliação da competência comunicativa dos alunos para interagir em eventos de letramento de diferentes domínios.

  • RODRIGO ALVES SILVA
  • REGIONALISMOS DO CAMPO SEMÂNTICO JOGOS E DIVERSÕES INFANTIS DO ALIB NOS DICIONÁRIOS ELETRÔNICOS HOUAISS E AURÉLIO
  • Orientador : MARCELO ALESSANDRO LIMEIRA DOS ANJOS
  • Data: 08/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa se insere no âmbito da Metalexicografia e tem, como objetivo geral, analisar o tratamento dado aos regionalismos do campo semântico Jogos e diversões infantis do Atlas Linguístico do Brasil (ALiB) no Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa (DEH) e no Dicionário eletrônico Aurélio da língua portuguesa (DEA). Os objetivos específicos são verificar como esses regionalismos e suas variantes são tratados nos dicionários; identificar quais as convergências e as divergências entre os dados do ALiB e dos dicionários quanto à localização geográfica dos regionalismos; identificar as variantes que são registradas ou não nos dicionários; e, por fim, propor, quando cabível, algumas possíveis soluções para um tratamento adequado dos regionalismos. Para atingir tais objetivos, foi traçado o seguinte percurso metodológico: 1) levantamento das variantes lexicais do campo semântico Jogos e diversões infantis presentes no ALiB; 2) consulta no DEH e no DEA das variantes lexicais selecionadas, a fim de perceber como elas estão registradas e o que se diz sobre elas, sobretudo quanto à localização geográfica; 3) comparação entre as informações dadas no ALiB e nos dicionários; 4) elaboração de quadros para a organização dos dados comparados, classificando-os como convergentes ou divergentes; 5) elaboração de quadro para a classificação das variantes em diferentes categorias, segundo o tratamento que elas recebem nos dicionários. A pesquisa partiu das discussões a respeito do problema do tratamento de regionalismos em dicionários, baseadas em Isquerdo (2006, 2007) e em Fajardo (1996-1997). Esses autores afirmam que os dicionários devem se basear em pesquisas dialetológicas e geolinguísticas à hora de precisar a natureza dos regionalismos. Este trabalho também se fundamentou na discussão sobre a formação sócio-histórica do português brasileiro, segundo autores como Lucchesi (2015), Faraco (2016), Rodrigues (2010), entre outros; das discussões sobre a Lexicografia e a Metalexicografia, baseando-se em autores como Welker (2004), Biderman (1984) e Haensch (1982), entre outros, e dos estudos sobre a Dialetologia, fundamentando-se em Cardoso (2010). Com a análise dos dados, percebeu-se que a maioria das informações dos dicionários sobre determinados regionalismos divergem do ALiB. Além disso, foi possível detectar diferentes formas de tratamento de regionalismos nos dicionários analisados, quais sejam: i) não registro de variantes; ii) registro de variantes, mas sem acepção que se refira a jogo, brinquedo ou brincadeira; iii) registro de variantes, mas sem localização geográfica; iv) registro de variantes com localização geográfica. Diante disso, foi possível perceber a necessidade dos dicionários de atualizarem as informações sobre regionalismos, sobretudo quanto à localização geográfica, baseando-se, principalmente, em atlas linguísticos.

  • MERYANE SOUSA OLIVEIRA
  • A QUESTÃO DA HISTÓRIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA GRAMÁTICA PEDAGÓGICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO, DE MARCOS BAGNO: UM ESTUDO HISTORIOGRÁFICO.
  • Orientador : MARCELO ALESSANDRO LIMEIRA DOS ANJOS
  • Data: 07/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve, como objetivo principal, analisar, levando em conta o aparato teórico-metodológico da Historiografia Linguística, continuidades e/ou descontinuidades no tratamento da origem histórica da língua portuguesa na Gramática Pedagógica do Português Brasileiro (GPPB), de autoria de Marcos Bagno, publicada na primeira década do século XXI. Para tanto, intentou-se estabelecer a perspectiva de Bagno, no que concerne à origem histórica da língua portuguesa, tanto na GPPB, quanto em outros materiais que compõem sua produção científica, para, em comparação com o discurso tradicional da Linguística Histórica, evidenciar, considerando a escolha de retórica do autor, os conhecimentos linguísticos e históricos presentes na gramática, o contexto de produção e recepção da obra, aspectos inovadores na gramática e, sobretudo, continuidades e/ou descontinuidades em relação a propostas antecessoras. Constituiu-se, como corpus total de análise, 22 obras, divididas em dois tipos de fontes, primária: GPPB, Bagno (2011);  e secundárias, obras que tratam da origem da língua portuguesa: Silva Neto (1946), Maurer Jr. (1962), Bueno (1967), Elia (1979), Said Ali (2008), Bassetto (2001), Mattos e Silva (2006), Basso e Gonçalves (2014), Faraco (2016) e Bagno (2000; 2003; 2004;2006; 2007a; 2007b; 2009a; 2009b; 2010a; 2010b; 2013; 2014a).  A metodologia foi feita com base nos princípios propostos por Koerner (2014b): contextualização e imanência. Para a análise, utilizou-se a proposta teórico-metodológica de Koerner (2014b), a proposta desenvolvida por Bastos e Palma (2008) sobre a investigação de objetos contemporâneos relacionados a uma perspectiva historiográfica, além de propostas de interpretação com base em categorias analíticas como: dimensão interna e externa, Batista (2013);influência, Koerner (2014b);tradição, Alonso (2012); e retórica do autor, Batista (2015). Na análise externa, foi feita uma contextualização: social, política, econômica, educacional, biográfica e histórica, bem como uma tentativa de reconstrução do clima de opinião intelectual contemplando, assim, o princípio proposto por Koerner (2014b), o da contextualização. Na análise interna, foram analisados os aspectos internos concernentes à GPPB e às fontes secundárias, em que se observou um tratamento dado à origem da língua portuguesa, além da influência, tradição e retórica do autor, contemplando, assim, o princípio da imanência. Com o desenvolvimento da pesquisa, foi possível observar a escolha de retórica que Bagno adota, na GPPB, na qual predominou uma retórica de ruptura em relação a paradigmas tradicionais, donde já se percebe uma mudança de perspectiva sobre a origem histórica da língua portuguesa, na qual o autor passa a filiar a origem da língua portuguesa e do português brasileiro à língua galega. Notou-se, com as análises, que tal mudança de ponto de vista pode ter sido motivada pelo contato com o grupo ao qual ele se filiou na Galiza. Levando-se em conta a análise de toda a produção de Bagno, cumpre mencionar que o posicionamento do autor, nos livros que produziu até antes da publicação da GPPB e, continuadamente, após a publicação de sua gramática, é o mesmo, ou seja, a língua portuguesa é retratada a partir de sua origem no latim vulgar. As análises apontam para as continuidades e descontinuidades no tratamento da história da língua portuguesa que podem ser consideradas a partir da retórica adotada pelo autor em diferentes obras. É possível, pois, destacar que Bagno, na GPPB, apresenta uma retórica fortemente descontinuísta com os estudos histórico-linguísticos tradicionais, ao passo em que, no restante de suas obras, sobressai-se um discurso continuísta em relação à tradição.

  • JONNIA MARIA AGUIAR MAGALHÃES
  • AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM E SURDEZ: PRONÚNCIA E RITMO PROSÓDICO NA FALA DE SURDOS ORALIZADOS.
  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 06/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho, desenvolvido no âmbito da psicolinguística, a partir de um estudo de caso concernente à Aquisição da Linguagem (AL), descreve a AL de dois surdos oralizados, ressalta os fatores que prejudicam o desenvolvimento da pronúncia e prosódia e verifica se o bootstrapping fonológico pode ser uma das possíveis chaves que abrem as portas para o caminho da AL. A hipótese neste estudo é a de que se a criança não desenvolveu na fase inicial (por volta do primeiro ano de vida) o bootstrapping fonológico teve como consequência o comprometimento da pronúncia e do ritmo, apresentando, com isso, uma fala destoante da comunidade na qual está inserida. A presente pesquisa se caracteriza como um estudo de caso, com investigação de análise descritiva, em que se abordou a Aquisição da Linguagem de dois indivíduos com problemas de surdez e que desenvolveram a fala oral com problemas no desenvolvimento do ritmo e na pronúncia de sua língua materna. Como resultado, foram constatados três dados interessantes: primeiro, que os participantes, que não tiveram acesso à audição antes do primeiro ano de vida, não apresentam ritmo e pronúncia condizente com a da sua comunidade; segundo, não se pode afirmar que isso seja ocasionado por falta de audição antes do primeiro ano de vida ou devido ao input auditivo e linguístico proporcionado pelo aparelho não ser fidedigno aos sons emitidos por ouvintes; e terceiro, não é impossível oralizar pessoas com surdez. Além da proposta inicial, o presente estudo verificou a necessidade de se ofertar, no ambiente acadêmico e, consequentemente, no ambiente escolar, assim como hoje se oferta LIBRAS, o atendimento especializado a surdos que optem pela oralização com a ajuda da tecnologia (próteses auditivas) como alternativa de ensino.

2016
Descrição
  • VANESSA GONÇALO DE SOUSA
  • AS CRÔNICAS RADIOFÔNICAS DE CECÍLIA MEIRELES: UMA CONTEMPLAÇÃO CRÍTICA
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 21/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo compreende um recorte das crônicas radiofônicas de Cecília Meireles, escritas em 1961-1964, para serem veiculadas nos programas Quadrante e Vozes da Cidade nas respectivas rádios Roquete Pinto e MEC, posteriormente publicadas nos editoriais Escolha seu sonho e Ilusão de mundo. Objetivou-se identificar e analisar matizes críticas acerca de temas condizentes ao contexto sócio-histórico com os seguintes tópicos de análise: reflexão sobre a relação humana, diagnóstico sobre o aspecto social e escritos levianos sobre a política. O primeiro capítulo versou sobre os comentários biográficos e profissionais da autora, no qual, em termos gerais, percebeu-se a intensa atividade literária e atuação sociocultural e militância educadora de Cecília Meireles, com base nas críticas literárias Valéria Lamego (1996), Maria Lúcia Dal Farra (2005), Maria Valdenia da Silva (2008), Mariana Batista do Nascimento Silva (2008) e Yolanda Lôbo (2010). O segundo capítulo visou divulgar e compreender o exercício cronístico de Cecília Meireles em ampla dimensão e situá-la no status de crônica moderna auxiliados com o aporte teórico de Massaud Moisés (2003), Antônio Cândido (2006), Afrânio Coutinho (1986), Jorge de Sá (2005) e Eduardo Portela (2005), que caracterizam o gênero literário crônica.  No Terceiro capítulo realizou-se uma análise interpretativa baseada no procedimento metodológico de Carlos Reis (2003) dos objetos selecionados. Como resultados foram apontados recursos intrínsecos textuais, como: a especificidade da linguagem, estratégias narrativas, recursos poéticos usados para construir ironias e tons leves que demonstram um olhar perscrutador do narrador acerca de uma realidade ficcional, estimulando a capacidade de imaginação do leitor e apelo pela negociação dos sentidos, visto que os recursos textuais destacados são influenciados pelos recursos extrínsecos para compor a temática da narrativa crônística sob o crivo da autora afinados com as propostas educacionais pelas qual Cecília Meireles atuou.

  • RENATA FREITAS DE OLIVEIRA
  • GÊNERO ARTIGO ACADÊMICO EXPERIMENTAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA ORGANIZAÇÃO RETÓRICA EM DIFERENTES CULTURAS DISCIPLINARES.
  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 01/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Considerando-se uma variedade de estudos realizados no campo da Análise de gêneros, observamos que nos últimos anos, os gêneros da esfera acadêmica têm despertado o interesse dos pesquisadores. Dentre estes, o artigo acadêmico experimental é considerado o gênero de maior prestígio na produção, distribuição e consumo do conhecimento científico que é empreendido nas universidades em diferentes áreas do saber. Por esta razão, esta pesquisa faz um recorte em tal gênero, selecionando como objeto de estudo a seção de Introdução. Entendemos que esta constitui uma espécie de planejamento global da pesquisa, sendo responsável pela apresentação do artigo e pela argumentação em torno da relevância do conteúdo do trabalho, conduzindo o leitor a uma compreensão do que será abordado nas seções seguintes, além de ser determinante para o convencimento dos pares de uma dada comunidade disciplinar. Assim, o objetivo geral desta pesquisa consiste em investigar a organização retórica da seção de Introdução do gênero artigo acadêmico experimental em duas culturas disciplinares distintas:  Linguística e Pedagogia. Como objetivos específicos buscou-se identificar e descrever os movimentos e passos retóricos mais recorrentes em cada uma das áreas, examinar os recursos léxico-gramaticais mais presentes nos movimentos e passos e analisar comparativamente as culturas disciplinares de Linguística e Pedagogia a fim de estabelecer similaridades/diferenças entre estas. O corpus foi constituído por quarenta e oito exemplares, sendo vinte e quatro de cada área, selecionados em periódicos Qualis A1, entre os anos de 2014 e 2015. Para efeito de análise, adotamos como ferramenta teórico-metodológica o modelo CARS de Swales (1990) e suas contribuições sobre gêneros textuais/discursivos e comunidades discursivas (1990, 2004), os aportes teóricos de Aranha (1996), Bernardino (2007), Motta-Roth e Hendges (2010) e Costa (2015) sobre o artigo acadêmico e a seção de introdução. Além dos teóricos já citados nos fundamentamos principalmente, nos pressupostos teóricos de abordagem sociorretórica, considerada aqui como a combinação dos Estudos de Inglês para Fins Específicos (SWALES, 1990; BATHIA, 2004) e dos Estudos Retóricos de Gênero (MILLER, 2012 [1984]; BAZERMAN, 2011), bem como a noção de comunidade e cultura disciplinar (HYLAND, 2000, 2009). Para o reconhecimento das unidades informacionais dos exemplares do gênero, identificamos as pistas léxico-gramaticais, o conteúdo propriamente dito e a disposição de blocos textuais, como títulos e parágrafos. Para a caracterização das culturas disciplinares das áreas de Linguística e Pedagogia, coletamos dados em documentos e relatórios de área da Capes, nos periódicos e a partir das respostas de pesquisadores expertos, obtidas por meio de entrevista. Os resultados apontaram indícios de padronização e flexibilidade na organização retórica da seção de introdução do gênero artigo acadêmico experimental, o que resultou em novas propostas de descrições retóricas. A análise comparativa revelou ainda, que há aspectos similares nas duas culturas disciplinares, mas que tais áreas diferem no modo como elaboram o conhecimento disciplinar dentro de um mesmo gênero, tendo em vista que cada cultura disciplinar possui suas crenças, valores, convenções, sendo os membros experientes destas comunidades discursivas influenciados por estas especificidades quando organizam seus textos.

  • SHISLENY MACHADO LOPES
  • AS MARCAS DE ESTILO PÓS-MODERNO EM THOMAS PYNCHON: UMA ANÁLISE ESTILOMÉTRICA
  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 21/11/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa objetivou identificar e analisar possíveis marcas pós-modernas na obra de Thomas Pynchon (The Crying of Lot 49) através do uso do método estilométrico de análise e do uso de ferramentas telemáticas, NEOLO e XFRAGMENT, desenvolvidos especificamente para análise estatística textual. Embasados nos estudos estilísticos de Cressot (1947), Riffaterre (1971); nos estudos pós-modernos de Jameson (2004), Hutcheon (1991), Cage (1995); e nos estudos linguísticos de Halliday (1985), Leech (1992); e outros, realizamos uma análise quantitativa e comparativa dos traços estilísticos encontrados em The Crying of Lot 49, de Thoma Pynchon, e nos parâmetros escolhidos (Lost in the funhouse, de John Barth, e amostra de textos não ficcionais da época) a saber: riqueza lexical; hapax legomena; neologismos; expressividade do uso e desuso do verbo; e frequência do uso de sinais gráficos de pontuação, respectivamente. Os resultados obtidos revelaram uso robusto de vírgulas para suprir os espaços vazios e silenciosos na estrutura da narrativa, uso representativo do ponto de interrogação como delimitador de sentença que pode provocar no leitor a autorreflexidade. Entre outras características, constatamos a existência de uma marca estilística pós-moderna que se trata da fragmentação textual. Esta que se relaciona proximamente da poética do pós-modernismo de Hutcheon (1991) e poética do silêncio de Cage (1995).

  • RAFAEL GONCALVES FREIRE
  • LIBERDADE E MORTE EM OS QUE BEBEM COMO OS CÃES: UMA LEITURA A PARTIR DE ALGUNS POSTULADOS SARTRIANOS
  • Data: 04/11/2016
  • Mostrar Resumo
  • O texto que segue tem por proposta oferecer uma apreciação do romance inicial do Ciclo do terror intitulado Os que bebem como os cães (2010) de Francisco de Assis Almeida Brasil tendo em vista a denúncia ali apresentada acerca da liberdade humana. A análise que oferecemos nesta dissertação baseou-se em um diálogo entre a Filosofia e a Literatura, por meio de uma inspiração na proposta de Jean-Paul Sartre que nos permite oferecer uma leitura do romance a partir dos conceitos sartrianos de Morte e Liberdade. Além disso, os três níveis de existência que demarcam o seu percurso ontológico apresentado por Sartre em Ser e Tempo – o em-si, o para-si e o para-outrem – também serviram de subsídios para a análise. Aliada a essa questão, também foi traçada uma análise acerca da construção da literatura engajada e de como ela suscitou questionamentos sobre a condição existencial do ser humano. Diante dessa situação do ser ficcional deslocado do mundo e impedido das menores coisas é que o escritor Assis Brasil permitiu circunscrever o caráter existencialista e a forma como este se manifestou na obra de que tratamos neste texto.

  • GLAUCIMARA ALVES DA COSTA VIEIRA
  • UMA REPRESENTAÇÃO DO CARIBE EM UNE TEMPÊTE, DE AIMÉ CÉSAIRE
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 31/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este pesquisa apresenta um estudo da peça teatral Une Tempête (1969), de Aimé Césaire, a partir de um pensamento decolonial. Um texto adaptado especialmente para um teatro negro. A peça traz a relação entre duas personagens-símbolo da literatura ocidental: Prospero e Caliban; o colono branco e o escravo negro. O escritor caribenho faz uma releitura da peça A Tempestade (1611), de Shakespeare. Aimé Césaire expõe em sua peça os conflitos fundamentais entre as raças e as classes.. A peça é um canto de liberdade que emerge a partir da resistência estabelecida por Caliban às imposições de Prospero na releitura feita por Aimé Césaire. A partir da releitura feita por Aimé Césaire, Caliban torna-se símbolo de uma reivindicação pelo direito de enunciar, de falar de si, de contar a própria história do seu lugar sem que tenha de ser pelo filtro europeu, representado na peça por Prospero. O objetivo da pesquisa foi apontar em que aspectos teóricos Une Tempête instaura-se como uma representação possível do Caribe em perspectiva à uma representação também das Américas. Neste estudo foram utilizados elementos da História, sobretudo ao período correspondente à Descolonização do Caribe, assim como um dos conceitos fundadores da identidade afro-caribenha, a Negritude. Para tanto, a pesquisa foi fundamentada nos Estudos Culturais e no pensamento decolonial, principalmente sistematizada por Edward W. Said (2007; 2011), Orientalismo e Cultura e Imperialismo; Frantz Fanon (2005; 2008), Os condenados da terra e Pele negra, máscaras brancas; Discurso sobre o colonialismo, de Aimé Césaire (2010); Albert Memmi (1977), Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador; Stuart Hall (2002), A identidade cultural na pós-modernidade, Eduardo Restrepo (2014), Stuart Hall desde el Sur: legados y apropiaciones, Arturo Escobar (2003), Mundos y conocimientos de otro modo: el programa de investigación de modernidade/colonialidad Latinoamericano.

  • GUSTAVO RUY RIBEIRO LUSTOSA
  • SOBRE O CONTO INSÓLITO NA LITERATURA PORTUGUESA DO SÉCULO XX: RELENDO SÁ CARNEIRO, ALMADA NEGREIROS, AQUILINO RIBEIRO E TEIXEIRA GOMES
  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 31/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • O conceito de insólito, como uma espécie literária que agrega gêneros cuja composição
    narrativa baseia-se na subversão da expectativa realista da percepção de fatos e suas respectivas
    implicações causais, configura-se como ponto de partida para o presente empreendimento analítico.
    Decorrendo disso, textos artísticos (tecido verbal modelizado, elaborado e de coerência relativa)
    serão observados no sentido de depreender mecanismos de produção de sentido (estratégias
    narrativas). Então, partindo do exposto, depreende-se que exista, por exemplo, um dado texto X que
    é constituído por estratégias narrativas que, em sua totalidade, “brincam” com a  subversão da
    expectativa realista, levando em conta a verossimilhança interna e/ou externa da obra em prosa de
    ficção. Essa ideia tem um caráter especialmente correferencial no que diz respeito à expectativa
    gerada por um pragma perceptivo e possibilidades  de subversão em virtude de fenômenos
    perceptivos. De outra forma, pode-se considerar a questão como uma convergência de
    subjetividades, a dos personagens e a do próprio leitor, o leitor implícito ou modelo. O percurso  
    MESTRADO ACADÊMICO EM LETRAS / CCHL
    Campus Universitário Petrônio Portela
    Bairro Ininga – Teresina – Piauí – CEP 64049-550
    Telefones: (86) 3215-5794 / 3215-5942 – E-mail: posletras@ufpi.br
     
    argumentativo se servirá da flexibilidade teórica proporcionada pelo conceito de insólito e sua
    possibilidade de ser uma matriz analítica que, confluindo com conceitos de teoria narrativa, permita
    analisar o corpus eleito nos contos: A estranha morte do professor Antena, de Mário de Sá Carneiro;
    O cágado, de Almada Negreiros; Sede de sangue, de Teixeira Gomes; A reencarnação deliciosa, de
    Aquilino Ribeiro. Pretende-se defender que os contos em causa, consideradas suas particularidades,
    pertencem ao insólito. Tem-se como objetivos específicos: a) apresentar a noção/conceito de insólito
    ficcional b) Identificar os temas insólitos abordados em cada uma das narrativas escolhidas; c)
    Descrever as estratégias discursivas empregadas nas narrativas analisadas para melhor
    compreender a sua produção de sentido; d) Justificar a presença da contística insólita na literatura
    portuguesa revisitando autores que são pouco conhecidos pela sua produção na seara do insólito
    ficcional.

  • IRLA FERNANDA E SILVA SOARES
  • OS SIAMESES SARAMAGUIANOS: O DESDOBRAMENTO DO EU NO ROMANCE O HOMEM DUPLICADO SOB A ÓTICA DA LITERATURA FANTÁSTICA.
  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 28/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • O topos do Duplo faz parte da história cultural da humanidade. No âmbito da literatura, é cultivado desde a antiguidade clássica com obras como Anfitrião (201-207 a.C.) e Os Menecmos (206 a.C.), de Plauto. Contudo, seu apogeu se deu no século XIX, com E.T.A. Hoffmann, com as obras: Don Juan (1813), O vaso de ouro (1814), Os elixires do diabo (1815-16), O homem de areia (1816), Os autômatos (1819), Os Duplos (1821). Esta temática possui uma afinidade particular com a literatura fantástica, haja vista que o desdobramento do Eu é um mote excepcional para dar vida à hesitação do gênero Fantástico, pois, como aponta Bravo (1997), a ambiguidade, a incerteza, presente na relação do Eu com o seu Duplo possibilita duvidar/questionar a realidade circundante. Desse modo, a presente pesquisa tem por objetivo analisar a temática do Duplo n’O Homem duplicado, de José Saramago, pelo viés da literatura fantástica. E para alcançarmos nosso intento, estabelecemos alguns movimentos indispensáveis, a saber: realizamos um recorte teórico-crítico da literatura fantástica, elegendo como base epistemológica o modelo estrutural proposto por Todorov (2008); explanamos o topos do Duplo, enquanto categoria concreta, com o intuito de definirmos o que é o desdobramento do Eu, bem como caracterizá-lo de acordo com os tipos e formas de materialização existentes e, por fim, efetivamos o exame do desdobramento do Eu na narrativa em destaque, com base na linha teórica escolhida. Para isso, tomamos o Duplo na acepção de Doppelgänger, bem como o sósia, como forma de materialização deste. O referencial teórico para o estudo do Duplo foram os estudiosos que tratam de modo específico dessa temática, dentre eles: Keppler (1972), Chevalier (1999), Bravo (1997), Cunha (2009), Mello (2000), Bargalló (1994), Jourde e Tortonese (1996), Pélicier (1995), Guiomar (1967), Richter (1995), etc., bem como outros que tratam dele, de maneira geral, enquanto tema do Fantástico.

  • MARIA CLIZALDA VITÓRIO
  • REPRESENTAÇÕES INDIGENISTAS EM MANDU LADINO, DE ANFRÍSIO NETO LOBÃO CASTELO BRANCO
  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 26/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • O romance Mandu Ladino, do autor piauiense Anfrísio Neto Lobão Castelo Branco, que constitui-se como corpus desta pesquisa, apresenta, de forma ficcional, uma releitura da história do índio Mandu Ladino, personagem histórico que viveu em solo piauiense no final do século XVII e início do XVIII e que se tornou símbolo da resistência indígena contra o processo de conquista impetrado pelo colonizador português. Esta pesquisa teve por objetivo geral discutir sobre as representações indigenistas construídas por Castelo Branco em seu romance histórico Mandu Ladino. Para alcançar tal intuito, foram eleitos os seguintes objetivos específicos: a) Refletir sobre as teorias que percebem a História como discurso, examinando como a história do índio Mandu Ladino se torna ficção no romance histórico  de Anfrísio Neto Lobão Castelo Branco; b) Contextualizar historicamente o Piauí à época da chegada dos colonizadores para viabilização das fazendas de gado, averiguando as circunstâncias do processo de resistência indigenista nas lutas contra a colonização da região, relatados pela historiografia oficial e por Castelo Branco em Mandu Ladino;  c) Apontar aspectos da obra Mandu Ladino, de Castelo Branco, que se aproximam tanto do indianismo romântico novecentista quanto do indigenismo pós-colonial, buscando pontos de convergências e de divergências entre essas duas correntes.Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico no campo da Crítica Literária, com aporte teórico dos Estudos Pós-Coloniais e com forte diálogo interdisciplinar com a Sociologia e a História. Fundamentaram teoricamente a pesquisa os estudos de Alencastre (1981), Bonicci (2005), Borges (2006; 2010), Bosi (1992), Bhabha (1998), Candido (2000; 2006), Chaves (1995), Dias e Sousa (2011), Machado (2002), Jameson (2007), Perrone-Moisés (1992), Pesavento (2012), Ricœur (1994), Silva (1991), Todorov (2003), Veyne (1998), White (1991; 2001),  dentre outros. Em forma de conclusões, evidencia-se que, a obra Mandu Ladino, Castelo Branco, tem caráter híbrido no que se refere à representação do índio, sendo perceptíveis traços que ora se aproximam do indianismo romântico novecentista ora se assemelham às narrativas literárias pós-coloniais, com ênfase para uma tentativa de solução harmoniosa a um encontro violento entre os povos nativos do Piauí e as bandeiras paulistas de traços culturais eurocêntricos. Fato ocorrido durante o processo de colonização dessa região - final do século XVII e início do século XVIII.

  • LANA KAINE LEAL
  • “DE LA BARBADE À L’AMÉRIQUE ET RETOUR”: memória, resistência e construções identitárias em diáspora no romance Moi, Tituba sorcière..., de Maryse Condé
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 24/10/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação propõe uma análise do romance Moi, Tituba sorcière... (2008), de Maryse Condé, com o objetivo de investigar como a memória possibilita a resistência da protagonista Tituba ao discurso hegemônico dos puritanos ingleses em solo americano, assim como fundamenta as construções identitárias dessa personagem ao vivenciar a diáspora negra nas Américas. Para tanto, apoia-se em estudos realizados por Édouard Glissant (1996), Paul Ricoeur (2000), Stuart Hall (2003; 2011), Gayatri Spivak (2010), Edward Said (1995), Roland Walter (2008; 2009), Alcione Alves (2013; 2014), entre outros. Dessa forma, este estudo caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico e transdisciplinar. Em suma, as análises empreendidas nesta Dissertação de Mestrado relacionam as traces do passado às estratégias de resistência desenvolvidas por Tituba ao longo do seu percurso diaspórico, bem como em suas construções identitárias. 

  • JÔNATA ALISSON RIBEIRO DE OLIVEIRA
  • A RESISTÊNCIA AO OLHO DO PODER: RASTRO, GÊNERO E COLONIALIDADE NO ROMANCE EU, TITUBA, FEITICEIRA... NEGRA DE SALEM, DE MARYSE CONDÉ
  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 24/10/2016
  • Mostrar Resumo
  •  Esta pesquisa tem como objeto de estudo o romance Eu, Tituba, feiticeira... negra de Salem, de Maryse Condé (1997). Objetiva-se analisar vozes negras femininas silenciadas e suas resistências a esses silenciamentos. Como um corolário de tal exercício, busca-se: analisar as estratégias do texto na constituição do passado da protagonista, Tituba; discutir, no romance, o lugar das imposições coloniais de gênero e raça à personagem; e investigar seus processos insurgentes contra a dominação colonial. Ao reconstituir a história de Tituba, a obra propõe uma narrativa que se nega a fazer parte daquilo que é ordinariamente invizibilizado, reafirmando a constância de vozes femininas negras do passado que sempre estiveram falando e resistindo contra as opressões interseccionais. Como sintoma de suas ausências nas historiografias disponíveis edificadas, no mais das vezes, sob uma ótica patriarcal, ou sob uma possível historiografia à luz de um feminismo sob bases de teoria feminista, Condé e outras escritoras negras das Américas elaboram projetos estético-literários atuantes na emergência do sujeito negro feminino desde seus lugares de enunciação. Esta pesquisa fundamenta-se nas abordagens de Patrícia Hill Collins (2012), bell hooks (2004), Jurema Werneck (2010), Zilá Bernd (2013), Aníbal Quijano (2005), María Lugones (2008), Alcione Alves (2015), Yolanda Arroyo Pizarro (2011) e Lelia Gonzalez (1988).

  • PEDRO DA SILVA PONTES NETO
  • O GÓTICO COMO FORMA DE EXPRESSÃO DO SUJEITO PÓS-COLONIAL EM MURTHER AND WALKING SPIRITS DE ROBERTSON DAVIES 

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 23/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • Os sujeitos pós-coloniais, de acordo com Bhabha (1994), são aqueles que por muito tempo se encontraram silenciados por um regime de exploração e mutilação (física e psicológica) e que, após a partida da metrópole colonizadora, finalmente encontraram uma voz com a qual é possível expressar todas as agruras sofridas durante esse período. O processo de colonização foi cruel, contudo, compreensível, como assevera Young (2001), tendo em vista a necessidade que os grandes impérios tinham de se expandir e buscar novas terras para alimentar a crescente onda de liberalismo econômico na Europa durante os séculos XIII e XIV, donde partiram boa parte das caravelas rumo ao novo mundo. Possibilitados de se manifestar, os sujeitos pós-coloniais usariam diversas estratégias para recontar suas histórias, que por muito tempo foram silenciadas, e, consequentemente, se aventurariam em busca de identidades perdidas e acabariam por encontrar não somente uma, mas algo plural. Assim, como objetivo desse trabalho, buscou-se observar como esse sujeito pós-colonial se expressa e como se dá a busca por identidade(s) a partir da análise de uma obra do gênero gótico, o romance Murther and walking spirits, do canadense Robertson Davies, que apresenta em sua obra várias facetas do pós-colonialismo, que às vezes explora o ponto de vista do canadense nato, às vezes do inglês quem fugido da guerra, vai para o Canadá ou ainda do escocês que imigra em busca de novas oportunidades no novo mundo. Hall (1996), Bhabha (1994), Rudd (2010), Young (2001), Freud (2003), Sedwick (1986) e Jung, entre outros, constituem o aporte teórico. Este estudo foi desenvolvido por meio de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico e interdisciplinar.  Os personagens de Davies, principalmente o fantasma, transitam por diversas eras, expondo a visão de um sujeito que até pouco tempo vivia o pós-colonialismo de um país que, por mais que goze de uma certa liberdade, ainda hoje vive subjugado pela coroa britânica, ao mesmo tempo que é constantemente sobreposto pelo poderio econômico e cultural dos EUA, se encontrando, dessa forma, no limiar de mundos.

  • JONAS PEREIRA GOMES
  • Análise semiótica de textos publicitários: buscando ideologias dominantes contidas em panfletos de instituições de ensino particulares de Teresina – PI.

  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 29/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa partiu da ideia de que é necessário encontrar formas cada vez mais eficazes de leitura de textos multimodais, formas estas sistematizadas e que contribuam com o desenvolvimento crítico do leitor num sentido social e político. Nosso problema foi então identificar ideologias presentes em textos publicitários impressos a partir do uso de dispositivos de análises próprios da Semiótica Social e a Gramática do Design Visual em conjunto com dispositivos da Análise Crítica do Discurso. Deste modo, entendendo serem os panfletos, assim como qualquer outro suporte publicitário, artefatos propícios a serem incutidas ideologias advindas de um grupo ou classe social e direcionadas a outro grupo ou classe social, resolvemos elegê-lo como nosso corpus de pesquisa. Especificamente, os panfletos que investigamos nesta pesquisa foram aqueles que continham publicidades de instituições escolares particulares sediadas na cidade de Teresina – PI. Foram, ao todo, cinco exemplares, os quais distribuídos entre os períodos de dezembro de 2015 e março de 2016. Como fundamentação debruçamo-nos sobre estudos de autores como Kress e van Leeuwen (2006; 2008), Almeida (2008), Natividade & Pimenta (2009) e Carvalho (2010), dentre outros, no intuito de conhecermos um pouco mais sobre a teoria da Semiótica Social e a Gramática do Design Visual. Enveredamos também por Fairclough (2001), Brent (2009), Resende e Ramalho (2014), para a obtenção de conhecimentos sobre a Análise Crítica do Discurso. Buscamos em Bahktin (1986) boa parte dos conceitos sobre a ideologia marxista na linguagem, além do próprio Max (1999) e Max e Engels (1999). E por último, em Richers (1994), Vanoye (2002), Sant’anna (2002) e Citelli (2005), Lantolf & Thorne (2007) perseguimos a compreensão dos elementos comuns à publicidade e seu papel sociocultural. A metodologia utilizada nas análises é de cunho essencialmente qualitativo e buscou por meio dos dispositivos de investigação encontrados nas teorias envolvidas adentrar de modo profundo nos sentidos contidos no corpus escolhido, com o fim de desvelar ideologias dominantes transmitidas pela mídia publicitária como mais uma tática de manutenção da hegemonia nas relações de classes. Os resultados encontrados foram condizentes com nossas expectativas, posto que após as leituras aprofundadas de cada um dos anúncios conseguimos decifrar a presença de elementos ideológicos que a nosso ver servem à manutenção da hegemonia de uma classe dominante sobre uma classe dominada.

  • FRANCISCO PEREIRA DA SILVA NETO
  • O prefixo na construção de sentidos: análise da unidade morfolexical re- em livros didáticos

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 28/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • O sentido das unidades linguísticas se estabelece no e pelo enunciado. A perspectiva construtivista da Teoria das Operações Enunciativas (TOE) de Antoine Culioli parte desse princípio por tributar a significação ao processo de construção do enunciado, considerando a interação entre as unidades que o compõem e as operações que o deflagram. Calcado na TOE, desenvolvida por Antoine Culioli (1990, 1999), e em conceitos de mesma perspectiva postulados por Denis Paillard (2004, 2011), Jean-Jacques Franckel (2011) e Sarah de Vogüé (2011), o presente texto, que corresponde a uma pesquisa de conclusão de Mestrado, é direcionado à análise do prefixo re- no Livro Didático (doravante LD). Objetiva-se analisar e descrever a semanticidade da unidade morfolexical a partir de ocorrências extraídas de livros selecionados previamente. Além disso, será confrontada a perspectiva construtivista à perspectiva tradicional encontrada nos LD examinados, a saber: Gramática e texto (de Nicola, 2014), Gramática Reflexiva (Cereja e Magalhães, 2014), Ser protagonista: língua portuguesa (Bergamin et al, 2014) e Aprender e praticar gramática (Patrocínio, 2014). A relação entre os dois vieses analíticos culmina numa sugestão de abordagem, mais crítica e reflexiva, dos fenômenos levantados, em forma de exercícios propostos enfatizando a percepção do(s) sentido(s) em construção. Indica-se, em suma, a influência decisiva dos elementos constituintes do enunciado, apontando não para uma referência pronta e preestabelecida, mas para valores referenciais construídos. Apesar de manter certo traço de regularidade, os valores semânticos estabilizados ao re- diferem, em geral, daquilo que preestabelecem as definições dos materiais de referência investigados; além disso, a unidade parece estar perdendo sua natureza prefixal, em alguns casos, ao assimilar-se morfológica e semanticamente à base lexical (repensar), formando um vocábulo primitivo, não mais derivado (re+pensar).

  • LYA RAKEL ELOUF QUEIROZ
  • Cantando a resistência: uma análise da Ópera do malandro sob a perspectiva do teatro épico de Bertolt Brecht.

  • Orientador : ERICA RODRIGUES FONTES
  • Data: 14/07/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como corpus a comédia musical Ópera do malandro, composta em 1978 por Chico Buarque de Hollanda. O objetivo desta pesquisa é demonstrar que o referido autor utilizou-se da teoria do teatro épico de Bertolt Brecht para traçar, criticamente, o perfil da sociedade brasileira inserida no regime ditatorial de 1964 a 1984. O método utilizado para a análise política da peça teatral em questão foi o estudo comparativo entre o comportamento de algumas de suas personagens marcantes e o momento histórico pelo qual atravessava o país na década de 1970. Para tanto, foram apreciados alguns trechos da obra, incluindo diálogos e música, bem como, o estudo das composições “O malandro”, “Se eu fosse o teu patrão” e “Geni e o Zepelim”. O estudo da Ópera do malandro, a partir das ações das personagens e das canções, confirma que Chico Buarque, por meio da teoria de Brecht, metaforizou a situação política, social e econômica de um Brasil governado por militares. Como suporte teórico utilizou-se Bertold Brecht (1976, 1978, 2004), Anatol Rosenfeld (2011, 2012), Georg Lukács (1965,1970), Peter Szondi (2001), Adélia Bezerra de Meneses (2002), Solange Ribeiro de Oliveira (2011), dentre outros nomes.

  • ANDREANA CARVALHO DE BARROS ARAÚJO
  • A construção de sentido de um verbo prefixado: uma análise enunciativa do verbo descobrir

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 30/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • As unidades lexicais da língua não são portadoras de um sentido próprio. Este é construído no e pelo enunciado resultante de interações que a unidade estabelece nas relações textuais, a partir da integração entre cotexto e contexto. Tendo em vista esses aspectos, este trabalho tem como objetivo investigar o processo de construção de sentido do verbo prefixado descobrir na diversidade de suas ocorrências. Para embasar tal pesquisa, adotamos a Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE), tomando como referência, dentre outras, Culioli (1990, 1999, 2010), De Vogüé, Franckel e Paillard (2011) e Paillard (2004, 2007) que trata dos verbos prefixados. As análises foram realizadas em duas etapas, na primeira, trabalhamos o verbo cobrir para então começarmos a entender o funcionamento do verbo prefixado e, na segunda, somente o verbo descobrir. Para este primeiro momento, selecionamos enunciados a partir dos exemplos de acepções de um dicionário geral, Houaiss (2003). Para o segundo momento das análises, foram selecionadas cem (100) ocorrências, como base para a seleção do corpus,  dentre as quais, foram utilizadas vinte (20) ocorrências retiradas de livros da literatura contemporânea com data a partir de 2010, além de enunciados recolhidos do google. O estudo foi realizado de modo a compreender como se dá a ocorrência do prefixo des- no verbo descobrir, destacando quais as possibilidades dessa ocorrência e os fatores que contribuem para a construção de sentido dessa unidade considerada complexa. Observamos que, de acordo com a TOPE, o tratamento dado a um verbo prefixado deve ser diferenciado, não se restringindo apenas a uma simples junção de um prefixo a uma base na qual o prefixo traz uma significação e altera o sentido da base. Como resultado dessa pesquisa, pudemos constatar que o verbo prefixado descobrir tem características peculiares que não se restringem, em termos de contraste, ao sentido de cobrir e nem tampouco representa somente uma oposição a cobrir. As ocorrências apontam para uma noção específica de descobrir, aquela de valor material, que faz oposição a cobrir. As outras ocorrências resultaram em seis sinônimos locais de valores abstratos que foram: encontrar, perceber, tomar conhecimento, identificar, desvendar e conhecer. Ao que parece, nestes casos, o prefixo não pode mais ser identificado e a unidade assume características de uma palavra primitiva com identidade própria.

  • BARBARA LAIS DA SILVA NEGREIROS
  • Militância e mercado: uma análise do Poema sujo de Ferreira Gullar como bem simbólico

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 29/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação de Mestrado propõe um estudo das sensibilidades durante a Ditadura civil-militar (1964-1985) a partir do livro Poema sujo (1976) de Ferreira Gullar. Através desta obra buscaremos compreender como a experiência com o regime de exceção aparece na literatura brasileira e como esta literatura produz sentidos através da história do período, contribuindo para construção de noções sobre as produções de exílio e a repercussão dessa obra no mercado de produção de bens culturais. Como suporte teórico serão usados: Theodor Adorno; Alfredo Bosi; Edward Said; Idelber Avelar; Marcelo Ridenti; Pierre Bourdieu; João Luiz Lafetá, entre outros estudiosos. Como fontes para este trabalho, Poema sujo e Rabo de foguete e, junto destes, outras produções de Ferreira Gullar relevantes para a pesquisa, tais como suas entrevistas publicadas em revista científicas, revistas e jornais, livros que se entrelaçam com os aqui estudados, além de produtos culturais com os quais as narrativas também dialogam.

  • LIGIA MARIA AGUIAR SOUZA
  • "Helen of Troy does countertop dancing”: Helena de Tróia ganha voz em um poema de Margaret Atwood

  • Orientador : ERICA RODRIGUES FONTES
  • Data: 28/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • O objeto de estudo para este trabalho é o poema intitulado “Helen of Troy does countertop dancing” do livro Morning in the burned house (1995) da escritora canadense Margaret Atwood.  Nós temos como  objetivo geral para este trabalho, analisar este poema pelo aspecto sócio-crítico, visando revelar a voz feminina da persongem Helena de Tróia. E como objetivos específicos, identificar como se dá a construção da identidade feminina dentro deste poema e avaliar como a construção da identidade feminina revela a voz feminina neste poema ao trazer outra perspectiva para esta  personagem que geralmente é vista por um viés machista. Dentre os autores nos quais nos embasamos neste trabalho: fundamentamos o nosso primeiro capítulo ao utilizar as palavras de Bettany Hughes (2009), quando ela afirma que o amor de Helena é visceral, e muito sangue será derramado por causa dela; para o  nosso segundo capítulo, temos  Hélène Cixous (1970), ao comentar que a mulher deve falar sobre a mulher; e para o nosso terceiro capítulo, mencionamos Stuart Hall (2000), ao expor que o sujeito tem um núcleo ou uma essência interior que é o “eu” real, mas este é formado e modificado num diálogo contínuo com os mundos culturais exteriores e as identidades que esses mundos oferecem. Este estudo é fruto de uma pesquisa bibliográfica. Como metodologia para este trabalho, temos a relação do que acontece no poema Helen of Troy does countertop dancing”, a análise do poema de acordo com a história narrada. Da mesma forma, também fazemos análise do contexto sócio cultural da história narrada, a determinação do tema do poema e enunciação dos indícios que podem comprovar o tema neste poema. Concluímos esta pesquisa,  afirmando que este poema nos mostra  que a voz de Helena que está ficcionalmente audível nos faz perceber a mercantilização do corpo feminino dentro deste poema e as múltiplas identidades dessa personagem.

  • MARIA HELENA DE OLIVEIRA
  • Letramento nas práticas de atores do contexto escolar

  • Data: 31/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa é investigar quais os principais eventos e práticas de letramento ocorrem no contexto de uma escola pública estadual, localizada na zona sul da cidade de Teresina - Piauí. Nossa motivação se deve ao interesse nos estudos sobre letramento, especialmente no contexto escolar. A partir do nosso objetivo central indagamos: Quais as manifestações de letramento legitimadas pela instituição escolar. Essa indagação é pertinente, tendo em vista que a escola é um espaço por onde ocorrem vários eventos de letramento, estes ligados às práticas de natureza social e cultural e, legitimados. Nosso estudo propôs, ainda, identificar os letramentos que se apresentam no contexto escolar; descrever eventos e práticas de letramento nos quais se envolvem os atores do contexto escolar e analisar o comportamento dos atores diante dos eventos de letramentos no universo escolar. Para realização dessa pesquisa nos ancoramos na pesquisa, qualitativa, de orientação etnográfica, utilizando como instrumentos de coleta de dados entrevistas e questionários, que possibilitaram conhecer quais as práticas de letramentos desses atores e quais significados atribuídos a elas. Além disso utilizamos a observação como técnica de coleta de dados. À luz dessas considerações, organizamos este trabalho em quatro capítulos. No primeiro capítulo, trouxemos uma abordagem sobre a escrita na sociedade, utilizando como aportes teóricos, principalmente, os estudos de Olson (1997), Coulmas (2014) e Mandel (2011). No segundo capítulo, apresentamos uma discussão sobre o letramento, fundamentadas nos postulados de Street (2014 [1984]), Kleiman (1995), Soares (2012; 2013), Lopes (2006; 2010), Tfouni (2010), Costa (2010), Silva (2008), Bazerman (2011, 2015), Bunzen (2010), Buzato (2007), Campello (2009) dentre outros, com suas contribuições para a compreensão da dimensão sociocultural do Letramento.No terceiro capítulo, discorremos sobre o percurso metodológico da pesquisa, apresentando seus sujeitos, o espaço pesquisado, o tipo de pesquisa, os instrumentos de coleta dos dados, bem como os procedimentos de análise. Nessa trajetória de investigação, nos apoiamos em autores como Bortoni-Ricardo (2008), Richardson (2014), André (2010), Martins (2010), Masini (2010), Silva Júnior (2010) e Oliveira (2014). Finalmente, no último capítulo apresentamos a análise dos dados da pesquisa sobre as manifestações, características, descrição e comportamentos dos atores envolvidos em práticas de letramentos através dos eventos de letramentos ocorridos no contexto escolar. A partir das análises dos dados concluímos que o professor, o aluno e demais atores do contexto escolar devem reconhecer e assumir seu papel como agentes de letramentos na escola. Agindo desse modo esses atores se reconhecerão como participantes ativos desse universo letrado compreendendo assim sua importância como participante desse universo.

  • ALINY CARDOSO DOS SANTOS
  • PRÁTICAS DE LETRAMENTO EM CONTEXTO DE EJA – ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE TERESINA

  • Data: 31/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo do presente estudo foi investigar os eventos e práticas de letramento a partir dos quais se efetiva a Educação de Jovens e Adultos, em uma turma de 8° ano numa escola pública municipal de Teresina, Piauí. Para isso, utilizamos como procedimentos metodológicos a pesquisa qualitativa com abordagem etnográfica, o que implica no contato direto do pesquisador com o campo pesquisado, tomando o objeto de pesquisa como processo e não como produto final. Assim, este estudo foi feito por meio de uma pesquisa de campo. Os dados coletados para este estudo foram contextos reais de sala de aula do 8° ano do ensino fundamental de uma escola pública municipal de Teresina, a partir de questionários respondidos pelo professor da turma e pelos alunos, contemplando questões abertas e fechadas, observação participante, notas de campo, gravações em áudio e entrevistas. Utilizamos como fundamentação teórica Street (2014), Kleiman (1995), Soares (2010), Bortoni-Ricardo (2004/2008), Gadotti (2011), Mollica e Leal (2009), Kato (1986), Antunes (2003), Lopes (2006), dentre outros. A partir dos dados coletados foi possível traçar o perfil dos sujeitos colaboradores da pesquisa, assim como desvelar como ocorrem os eventos e as práticas de letramento na referida turma da Educação de Jovens e Adultos. Dessa forma, constatamos que as concepções de leitura e de escrita sob a ótica dos alunos e do professor da turma ainda não priorizam de maneira plena os usos sociais da escrita, o que contribui para uma participação pouco ativa nas práticas de letramento. Portanto, a presente pesquisa pode fomentar outros estudos e reflexões acerca das práticas de leitura e de escrita em turmas de Educação de Jovens e Adultos. 

  • AMANDA BEATRIZ DE ARAÚJO SOUSA
  • O CORPO É MERCADORIA: UM ESTUDO DO PROCESSO DE RECATEGORIZAÇÃO METAFÓRICA NA CONSTRUÇÃO DO REFERENTE “SERVIÇO DE ACOMPANHANTE SEXUAL” EM CLASSIFICADOS DE JORNAIS

  • Data: 30/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho, a partir da perspectiva sociocognitiva do texto assumida por uma parcela significativa dos estudiosos contemporâneos da Linguística de Texto, tratamos do fenômeno referencial da recategorização, mais particularmente das ocorrências de recategorização metafórica na construção de sentidos de anúncios de acompanhante sexual. Diferentemente do estudo pioneiro da recategorização proposto por Apothéloz e Reichler­Béguelin (1995) a partir de uma abordagem textual­ discursiva, foi eleita para esta investigação a concepção cognitivo­discursiva da recategorização delineada por Lima (2009), cuja base está configurada numa interface entre a Linguística de Texto e a Linguística Cognitiva. Conforme Lima (2009), o processo referencial da recategorização nem sempre se realiza explicitamente no texto, podendo também ser homologado pela ancoragem no nível das estruturas e do funcionamento cognitivo. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é investigar a relação entre o fenômeno linguístico da recategorização metafórica e a construção do referente “acompanhante sexual” no gênero textual anúncio de classificado, que circula em jornais da mídia impressa. Partimos da hipótese de que a construção dos sentidos nesse tipo de gênero pode ser engatilhada via processo de recategorização metafórica, bem como que tal processom assume nesse gênero uma função argumentativa, tendo em vista o seu propósito comunicativo de atrair o interlocutor para a obtenção do serviço anunciado. Diante disso, temos como proposta metodológica deste trabalho uma pesquisa de cunho qualitativo com análise descritiva dos dados de investigação. O corpus é constituído por catorze anúncios de “serviço acompanhante sexual” coletados da seção classificados dos Jornais Meio Norte, O Dia e O Estado de São Paulo. Os resultados da análise empreendida são sugestivos para a validação da hipótese assumida, constatando­se que o processo de recategorização metafórica é basilar para a construção de sentidos do referente “acompanhante sexual” e, consequentemente, para engatilhar o propósito comunicativo do gênero anúncio de serviço de acompanhante sexual. Ademais, vimos que a metáfora conceitual O CORPO É UMA MERCADORIA pode ser dita como na base das estruturas cognitivas que licenciam as ocorrências de recategorização analisadas, sendo dela também derivadas outras metáforas nesse processo, tais como O ATRAENTE É GOSTOSO, O CORPO É COMIDA, O SEXO É FOGO, dentre outras. A evocação dos modelos cognitivos metafóricos que licenciam as ocorrências de recategorização metafórica constituintes do corpus desta pesquisa foi fundamental para uma descrição mais refinada de como esse processo atua na construção dos sentidos dos anúncios de serviços de acompanhante sexual.

  • MARIA HELENA DE OLIVEIRA
  • Letramentos nas práticas de atores do contexto escolar

  • Data: 23/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa, realizada em uma escola pública estadual, localizada na zona sul da cidade de Teresina - Piauí, foi motivada pelo interesse nos estudos sobre os letramentos, especialmente no contexto escolar. Desse modo, apresentamos como objetivo geral investigar as práticas de letramentos nas quais estão envoltos atores no contexto de uma escola pública da rede estadual em Teresina. A partir desse objetivo indagamos: Quais as manifestações de letramentos legitimadas pela instituição escolar. Essa indagação é pertinente, tendo em vista que a escola é um espaço por onde ocorrem vários eventos de letramentos, estes ligados às práticas de natureza social e cultural e, legitimados pela escola. Nosso estudo propôs, ainda, averiguar como os letramentos se apresentam no contexto escolar; descrever eventos de letramentos nos quais se envolvem os atores do contexto escolar, analisar o comportamento dos atores diante dos eventos de letramentos no universo escolar. A pesquisa, qualitativa, de natureza etnográfica, teve como instrumentos de coleta de dados, entrevistas e questionários, que possibilitaram conhecer quais as práticas de letramentos desses atores e quais significados atribuídos a elas. À luz dessas considerações, esta dissertação foi organizada em quatro capítulos. No primeiro capítulo, trouxemos uma abordagem sobre a escrita na sociedade, utilizando como aportes teóricos, principalmente, os estudos de Olson (1997), Coulmas (2014) e Mandel (2011).No segundo capítulo, apresentamos uma discussão sobre o letramento, apontando autores como Street (2014 [1984]), Kleiman (1995), Soares (2012; 2013), Lopes (2006; 2010), Tfouni (2010), Costa (2010), Silva (2008), Bazerman (2011, 2015), Bunzen (2010), Buzato ( 2007), Campello (2009) dentre outros, com suas contribuições para a compreensão da dimensão sociocultural do Letramento. Em seguida, no terceiro capítulo, discorremos sobre o percurso metodológico da pesquisa, apresentando seus sujeitos, o espaço pesquisado, o tipo de pesquisa, os instrumentos de coleta dos dados, bem como os procedimentos de análise. Nessa trajetória de investigação, nos apoiamos em autores como Bortoni-Ricardo (2008), Richardson (2014), André (2010), Martins (2010), Masini (2010), Silva Júnior (2010) e Oliveira (2014). Finalmente, no último capítulo apresentamos a análise dos dados da pesquisa sobre as manifestações, características, descrição e comportamentos dos atores envolvidos em práticas de letramentos através dos eventos de letramentos ocorridos no contexto escolar. A partir das análises fizemos uma discussão dos resultados e consequentemente as considerações finais.

  • FRANCISCA MARCIELY ALVES DANTAS
  • Paisagens reinventadas: um olhar sobre Lisboa

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 13/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • Sabendo da importância de Teolinda Gersão no panorama lusófono, no âmbito do romance português contemporâneo, o propósito desta pesquisa é examinar de que forma os personagens apreendem subjetivamente a paisagem portuguesa na obra A cidade de Ulisses, publicado em 2011. Por se tratar de um romance que foi publicado após a Revolução dos Cravos, ocorrida em Portugal no ano de 1974, buscamos privilegiar o posicionamento crítico da autora, associando experiência e perspectiva imagética ao cenário cultural português. Considerando reflexões teóricas pertinentes à Geografia Humanista Cultural, serão trazidos à luz os conceitos de paisagem, espaço e lugar, privilegiando o enfoque cultural e existencial que permeia a relação arquitetada entre sujeito e o seu entorno, quando da análise espacial da cidade de Lisboa e da intimidade da casa. Com o intuito de alcançar tal objetivo buscamos fundamentação teórica nos estudos de Yi-Fu Tuan (1983, 2015), Eric Dardel (2015), Gaston Bachelard (2008), dentre outros. Desse modo, é possível perceber que o labor poético de Teolinda Gersão, observando as suas peculiaridades literárias, vincula a preocupação estética a um senso de consciência nacional, à medida que ela traz à tona, por meio de seus escritos, um país em constante transformação e a compreensão das relações sociais que são tecidas nesse contexto espacial. 

  • GEORGEA VALE DE QUEIROZ SIQUEIRA
  • TRANSFORMAÇÕES NOS PARADIGMAS DE JEREMIAS, DE OS QUE BEBEM OS CÃES

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 06/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • O  presente  trabalho  tem  como  objeto  o  romance  de  Assis  Brasil, Os  que  bebem como os cães (1975). Propõe-se a análise dos conceitos de liberdade x prisão, vida x  morte,  conhecimento  x  ignorância,  humanização  x  bestialização,  submissão  x resistência,   lucidez   x   loucura,   que   Jeremias   desenvolve   dentro   do   cárcere, observando  a  evolução  e  as  mudanças  que  esses  elementos  sofrem  ao  longo  da narrativa   e   sua   relação   com   o   processo   de   conscientização   passado   pela personagem,  observando  o  diálogo  entre  Literatura  e  realidade.  Para  tal,  usa-se como  aporte  teórico  um  recorte  da  teoria  de  Sartre  acerca  do  existencialismo, limitado aos conceitos de liberdade, angústia e autenticidade. A pesquisa faz uso de pesquisa bibliográfica  qualitativa  aplicada  ao  exame  do  romance  em  foco.  Para discussão  das  características  estéticas  da  obra,  será  feito  um  estudo a  respeito movimento  do “Novo  Romance  brasileiro”,  tomando  como  base  a  obra  crítica  de Assis  Brasil  (1973;  1975;  1980;  1982;  1987;  1992;  e  1995),  utilizando-se  ainda  do conceito  de  indústria  cultural,

    de Max  Horkheimer  e  Theodor  Adorno  (1992), e das ideias de Edgar Morin sobre cultura de massa (2002). Os pressupostos teóricos para compreensão  do  universo  diegético  são  emprestados  de  Carlos  Reis  (2006)  e Affonso  Romano  de  Sant’ Anna  (1990),  bem  como  o  são  também  os  conceitos  da topoanálise, de Ozíris Borges Filho (2007) e de Luis Alberto Brandão (2013). Quanto ao estudo  da  simbologia  encontrada  no  romance,  empregam-se  as  interpretações oferecidas  por  Jean  Chevalier  e  Alain  Gheerbrant  (2015)  e  por  Manfred  Lurker (2003).Ozíres Borges Filho (2007).

  • ROSÂNGELA ANDRADE LIMA
  • A leitura e construção de sentido do grafite a serviço do letramento multissemiótico. 

  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 12/04/2016
  • Mostrar Resumo
  • A visão multissemiótica de letramento está inserida na perspectiva da Semiótica Social e refere-se ao processo de significação como parte da construção social da linguagem, considerando a circulação de significados com origens, funções sociais, contextos e efeitos culturalmente, historicamente e ideologicamente definidos (KRESS; van LEEUWEN, 1996; 2001; 2006). Neste sentido, o objetivo geral da presente dissertação foi apresentar os resultados de uma investigação sobre a contribuição da leitura do grafite para o desenvolvimento do letramento multissemiótico em uma turma do 9º ano do ensino fundamental de uma escola pública da cidade de Teresina. Os objetivos específicos do trabalho são foram promover atividades de letramento multissemiótico em ambiente escolar por meio do contato com grafites espalhados na cidade; orientar os alunos sobre estratégias de interpretação de grafites de rua por meio da metafunção interacional da Gramática do Design Visual de Kress e van Leeuwen (2006) e verificar a influência das práticas de letramento multissemiótico na habilidade de leitura de textos imagéticos dos alunos. Os pressupostos teóricos que orientam o trabalho são a Semiótica Social (HODGE E KRESS, 1998), os Novos Estudos do Letramento (STREET 1984; HEATH, 1983), os Multiletramentos (COPE; KALANTZIZ, 2008), a Multimodalidade (KRESS e VAN LEEUWEN 2006; JEWITT, 2011) a Gramática do Design Visual (KRESS e VAN LEEUWEN, 2006) e o Grafite como prática de letramento (CRUZ, 2014). A pesquisa realizou-se través de um olhar qualitativo exploratório de caráter etnográfico, adotando a metodologia de observação participante. O corpus está constituído de entrevistas de grupos focais, gravações audiovisuais, fotografias e diários de campo oriundos das observações. Transcreveu-se o material coletado nas entrevistas para em seguida realizar a analise por meio de triangulação. Por meio da análise dos dados, constatou-se uma contribuição da leitura do grafite para o desenvolvimento do letramento multissemiótico. A potencialidade de um texto multimodal como o grafite contribuiu, não apenas para fazer com que os alunos sentissem sua realidade mais presente em sala de aula, mas, sobretudo, possibilitou que os mesmos apreendessem os textos pelo viés das diferentes formas de representação do significado, evidenciando com isso, a necessidade da inclusão de leitura multissemiótica em contexto escolar.

  • CRISTINA GOMES DE BRITO
  • Consagração ou Maldição? Alvina Gameiro no Campo de Produção Cultural da Literatura Brasileira e seu Romance Curral de serras (1980) como Bem Simbólico

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 11/04/2016
  • Mostrar Resumo
  • O campo literário é um espaço existente no plano imaginário no qual os artistas e editores se posicionam. A posição hierárquica de um escritor no campo literário depende, entre outros fatores, do gênero, cor, condição social; e também da localização e porte da editora. Para um trabalho ser reconhecido depende da posição de seu autor na estrutura do campo intelectual. De acordo com a análise sociológica de Pierre Bourdieu (1968 e 1996) deve-se, primeiramente, analisar o campo do poder enquanto espaço macroscópico da obra; depois, em nível intermediário, uma análise do campo literário observando a postura dos agentes na luta pelo poder de consagração da obra e do autor; e finalmente no espaço menor a observação da trajetória do autor e de suas relações interpessoais com os demais integrantes do campo. Assim, esta dissertação tem como objetivo principal analisar o itinerário do romance Curral de serras (1980) de Alvina Gameiro a partir da teoria de Bourdieu; contudo, é feita uma leitura conjunta com Grande sertão: veredas (1956) de Guimarães Rosa para apontar possíveis similaridades entre ambos. Evocamos o Modernismo e também o Regionalismo mais recente para situar os dois romances e seus autores; a topoanálise para um estudo espacial da narrativa de Curral de serras (1980). As técnicas de pesquisa são bibliográficas e documental com vistas a compreender o campo literário e as lutas pelo espaço, para tanto se recorre a Bourdieu (1968 e 1996) e Speller (s.d.). Para entendimento do mercado editorial reporta-se a Reimão (1996) e Johnson (1995) e Hallewell (2012); os direcionamentos sobre o Modernismo localista estão em Moreira (2012) e Bolle (2004); para o Regionalismo: em Dalcastagnè (2012) e Albuquerque Jr. (1996); para a topoanálise: Borges Filho (2007) e Brandão (2013), sobre estudos comparados: Nitrini (2010) e Carvalhal (2010), dentre outros.

  • GESSIELMA APARECIDA DE SOUSA SANTOS
  • UM ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO DE CONTATO DIALETAL: A INTERFERÊNCIA/ALTERNÂNCIA ENTRE A VIBRANTE SIMPLES COM A FRICATIVA VELAR  NA  FALA DE GAÚCHOS  E BOM- JESUENSES, NO PIAUÍ.

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 08/04/2016
  • Mostrar Resumo
  • O fenômeno da variação linguística está presente nas mais diversas situações de interação que envolvem falantes de uma língua, e como tal faz  parte da caracterização linguística de muitas regiões brasileiras. Dentro dessa realidade, estão os falantes da cidade de Bom Jesus-PI que se caracteriza por uma migração gaúcha visível ao longo dos últimos 25  anos. Sendo assim este trabalho tem como finalidade investigar a Interferência/alternância da vibrante simples com a fricativa velar presente em situações de fala de falantes gaúchos e bom-jesuenses que mantêm contato entre si e  moram na cidade de Bom Jesus-PI. Nessa investigação, usamos como aporte teórico fundamental Labov (1960), Bortoni (2014), Tarallo ( 2007), Cardoso (2010), Weinreich (1968)e Gumperz(1998) dentre outros que abordam sobre diversos estudos de fenômenos da variação linguística e, ainda, Câmara (1971,1998)  Callou(1996;1999), Silva (2014;2015) como base para a identificação da variação fonético-fonológica em questão.  A proposta metodológica deste trabalho caracterizou-se por uma abordagem quantitativa e qualitativa sobre o corpus selecionado, constituído de uma amostra  de fala de 20 informantes representativos dessa comunidade social. Para um melhor detalhamento dos dados, primeiramente, fizemos uma caracterização histórico-geográfica da comunidade estudada. Em seguida, foi feito um registro de conversas livres e narrativas orais que direcionaram para temas da realidade local, bem como trechos de falas produzidas durante a entrevista semiestruturada e em contextos interacionais dos informantes em situações cotidianas. Realizada a coleta de dados,  transcrevemos os  trechos de fala, procurando registrar a presença da interferência/alternância da vibrante simples com a fricativa velar nos usos linguísticos dos informantes. Depois disso, fizemos o levantamento quantitativo das variantes linguísticas encontradas, codificamos de acordo com as variáveis sociais, submetendo-as ao programa GoldVarb X, e fizemos uma análise interpretativa dos dados gerados. Na sequência, abordamos qualitativamente a ocorrência do fenômeno estudado na interação linguística e fizemos uma análise das percepções dos informantes a partir das suas reflexões a respeito de sua própria fala. Do ponto de vista estatístico, esse estudo revelou que a variável social naturalidade foi a que mais condicionou a alternância da vibrante simples com a fricativa velar. Do ponto de vista interacional, a pesquisa demonstrou que, de um modo geral, o emprego dessa alternância ocorre de uma maneira espontânea na fala dos informantes. Porém, quando questionados sobre o que percebem a respeito de como está sua própria fala e a fala do outro após o contato com outro dialeto, a maioria dos migrantes gaúchos afirmou que vê bastante diferença da forma que falavam antes para a que eles falam hoje. Já com relação  a opinião dos  bom-jesuenses sobre como está  sua fala  após a convivência com os gaúchos, apenas a minoria afirmou que percebe alguma mudança. A análise indicou  que os resultados já direcionam  para a consolidação da variante fricativa velar na fala dos gaúchos bem com fazem uma indicação da presença da vibrante simples na fala dos bom-jesuenses  na comunidade de fala pesquisada, comprovando assim que  a interferência/alternância da vibrante  simples com a fricativa velar está ocorrendo tanto na fala dos informantes gaúchos como na dos bom-jesuenses não só nas interações monitoradas como também em contextos espontâneos, cotidianos de fala. 

  • ROSA ÁUREA FERREIRA DA SILVA
  • O LUGAR DE ENUNCIAÇÃO DA MULHER SUBALTERNA EM NIKETCHE: UMA HISTÓRIA DE POLIGAMIA DE PAULINA CHIZIANE


  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 31/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Niketche: uma história de poligamia, romance da autora moçambicana Paulina Chiziane, que constitui-se como corpus desta pesquisa, é um romance narrado em primeira pessoa pela personagem Rami, uma mulher que vive em um contexto pós-colonial em uma sociedade patriarcal que relega à mulher uma posição de subalternidade pontuada pelo binarismo social de gênero que hierarquiza as diferenças sociais ente homem e mulher. No romance, apesar do contexto social, percebe-se uma quebra de paradigmas quando as mulheres, representadas e lideradas pela protagonista Rami, tomam consciência de seu estado de subalternidade e procuram compreender melhor as tradições e o contexto poligâmico da sociedade em que estão inseridas culminando em uma possibilidade de fala e reconstrução identitária. O objetivo geral desta pesquisa é investigar o lugar de enunciação e a possibilidade de fala da mulher subalterna no romance. Como objetivos específicos pretende-se relatar sobre a percepção de Paulina chiziane em relação ao feminino em Moçambique; Examinar algumas tradições moçambicanas presentes no romance e o seu grau de cumplicidade para a subalternidade da mulher; Investigar como Paulina Chiziane através da personagem Rami e demais personagens femininas, possibilita um espaço onde a mulher tenha voz e possa ser ouvida; E por fim, investigar como a troca de conhecimentos por meio de um processo dialógico culmina em uma possibilidade de fala e (re)construção identitária das mulheres subalternas. Trata-se uma pesquisa qualitativa de caráter bibliográfico no campo da crítica literária com diálogo interdisciplinar com a história, sociologia e antropologia. Para as análises foram empreendidos os pressupostos dos teóricos Spivak (2010), Beverley (2004) e Rodriguez (2000), para se falar sobre o conceito de subalternidade; Said (2005) para se preconizar sobre representação do intelectual; dos conceitos teóricos de Leite (2014) sobre oralidade; de Bakhtin (2002) sobre diálogo e alteridade; além dos conceitos de identidade de Castells (1999) e Hall (2005,2014); dentre outros pesquisadores. As conclusões parciais apontam para uma possibilidade de fala e (re)construção identitária da mulher subalterna no romance, apesar dos obstáculos que esta tem que enfrentar em uma sociedade com construtos sociais patriarcais arraigados como a moçambicana.

  • FRANCISCA VERÔNICA ARAÚJO OLIVEIRA
  • A ORGANIZAÇÃO RETÓRICA DA SEÇÃO DE CONSIDERAÇÕES FINAIS DO GÊNERO MONOGRAFIA EM COMUNIDADES DISCIPLINARES DISTINTAS

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 29/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Os gêneros se constituem como formas de realizar nossas ações linguisticamente. Dessa maneira, cada esfera da atividade humana possui características específicas, por isso os textos são elaborados conforme as exigências do contexto. Os textos que circulam na esfera acadêmica apresentam-se como forma de desenvolver e divulgar o conhecimento científico. Diante disso, o gênero selecionado para esta pesquisa foi a monografia de conclusão de curso de graduação que vem ganhando espaço no contexto universitário, pois se configura como requisito para obtenção de graus acadêmicos a nível de graduação nas mais diversas áreas e instituições de ensino superior. Todavia, ainda existem poucas pesquisas que abordam as características das monografias, mais precisamente da seção de Considerações Finais. Além disso, há uma escassez de estudos que reflitam sobre a aprendizagem desse gênero por membros iniciantes da comunidade acadêmica. Nesta dissertação, a partir da comparação entre Considerações Finais de monografias das áreas de Computação e Letras/Linguística delineamos como objetivo geral investigar a organização retórica da referida seção nas diferentes áreas. Como objetivos específicos, identificar e descrever os movimentos retóricos presentes na seção; analisar, comparativamente, as descrições sociorretóricas das duas culturas, além de identificar a percepção de orientadores e orientandos acerca da função da seção de Considerações Finais. Como direcionamento teórico, nos embasamos na proposta teórico-metodológica de Swales (1990) sobre gêneros no contexto acadêmico e comunidade discursiva, nas considerações de Hyland (2000, 2004, 2008 e 2009) acerca da noção de cultura disciplinar, nas contribuições de Rêgo (2012) e Pereira (2012) sobre a escrita de monografias de graduação e ainda nas formulações de Yang e Allison (2003), Bunton (2005) e Araújo (2006) para análise das seções de Considerações Finais de artigos e teses. Constituímos o corpus com quarenta exemplares da seção de Considerações Finais de monografias, sendo vinte da área de Computação e vinte da área de Letras/Linguística. O material foi disponibilizado pela Universidade Estadual do Piauí, Campus Alexandre Alves de Oliveira. Como critério para seleção dos textos optamos por não repetir os orientadores. Para identificar as unidades retórico-funcionais nas seções selecionadas observamos as pistas léxico-gramaticais e os próprios conteúdos dispostos no texto. Os resultados evidenciaram algumas influências das culturas disciplinares na organização das informações nas seções, o que resultou em dois modelos de descrição retórica, os quais diferem entre si quanto à disposição dos passos retóricos. Os depoimentos dos orientadores e orientandos confirmaram o caráter de iniciação científica do gênero monografia, além de comprovar também a importância de informações relacionadas aos resultados, contextualização e pesquisas futuras. 

  • FERNANDA CASTRO FERREIRA
  • DE SHOW A FIASCO: DOS EFEITOS DE SENTIDO PRODUZIDOS PELAS CAPAS DA REVISTA VEJA ACERCA DAS COPAS DO MUNDO

  • Orientador : MARAISA LOPES
  • Data: 16/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho ora exposto busca compreender a forma pela qual se produzem efeitos de sentido nas capas de Revista Veja sobre as Copas do Mundo. Foram selecionadas as capas da revista referentes aos anos de 1970, 1974, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010, 2013 e 2014, a fim de observar o jogo discursivo presente nas mesmas. Os diferentes efeitos de sentido produzidos são marcados por representações imaginárias, condições sócio-históricas, interesses políticos, econômicos, vitórias de um time, etc., e a identificação dos interlocutores com o que é dito. O aporte teórico que embasou a pesquisa leva em consideração os estudos de Pêcheux (1975) e Orlandi (2012) acerca da Análise de Discurso. Ao longo das publicações, notam-se deslizamentos e movimentos no processo discursivo em relação ao tema, Notamos um movimento dos sentidos que caminham de um ufanismo e patriotismo exacerbados à evidência das desigualdades sociais brasileiras. É relevante observar essa mudança nos efeitos de sentido produzidos no e pelo discurso em relação ao tema futebol, pois é sabido que esse é um dos principais fenômenos socioculturais do século XXI, capaz de influenciar diversos segmentos da sociedade.

  • SAFIRA RAVENNE DA CUNHA RÊGO
  • TEODORO BICANCA, DE RENATO CASTELO BRANCO: DA PRODUÇÃO DE SENTIDOS E DA CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DO HOMEM NORDESTINO

  • Orientador : MARAISA LOPES
  • Data: 15/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • A produção de sentidos, em um discurso, relaciona-se diretamente aos atos, dizeres, lugares e sujeitos inscritos na dimensão histórica e em todo o contexto. A análise do romance piauiense Teodoro Bicanca, de Renato Castelo Branco, possibilita a compreensão do sujeito que produz o discurso, abrigado em terras nordestinas e interpelado pela ideologia de hábitos e traços típicos desse povo. Atravessando múltiplos contextos e passando por diversas modificações ao longo de sua constituição, o sentido, aqui, considera questões que podem ser analisadas pelo dispositivo discursivo. Através de pesquisa bibliográfica, buscamos analisar a produção de sentidos bem como a construção dos protagonistas da obra, levando em consideração as formações discursivas para a compreensão de quem diz e o que diz, além do estudo das condições de produção, as relações de força existentes na sociedade nordestina e as próprias condições de produção para a escrita da narrativa. MESTRADO ACADÊMICO EM LETRAS / CCHL Campus Universitário Petrônio Portela Bairro Ininga – Teresina – Piauí – CEP 64049-550 Telefones: (86) 3215-5794 / 3215-5942 – E-mail: posletras@ufpi.br Utilizando o embasamento teórico de Michel de Pêcheux, que aborda o discurso sob um pensar histórico, é feita a relação da língua com a ideologia, sobrelevando, inclusive, aquilo que já foi dito. Dessa maneira, conseguimos constatar que tudo que dizemos tem, pois, um traço ideológico em relação a outros traços, que a discursividade tem uma espessura histórica e que a Análise de Discurso se constitui da própria necessidade de construir significações, sob uma ótica do simbólico, que considera a linguagem como prática, como constituição do próprio sujeito, permeada por fatores sociais, psicológicos, culturais, históricos e discursivos. O homem nordestino é, portanto, resultado dessa relação e fruto de um ambiente marcado por características próprias, deixando de ser um simples elemento desconectado do envolto sócio-histórico que o cerca e passando a construir sentidos, a partir do trabalho simbólico, tornando-se sujeito.

  • VANESSA RAQUEL SOARES BORGES
  • Das ruas para a Folha: a discursivização sobre a (re)construção da imagem da posição sujeito “manifestante” no Brasil

  • Orientador : MARAISA LOPES
  • Data: 15/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Pêcheux objetivou, a partir da análise do funcionamento discursivo, explicitar o processo de significação através dos mecanismos históricos de determinação do dizer. E é nessa conjuntura teórico-epistemológica que se pretende compreender o movimento do político da/na linguagem, tendo como corpus quinze cartuns publicados pelo jornal Folha de S.Paulo acerca das manifestações populares ocorridas em junho de 2013 no Brasil, considerando os efeitos de sentido produzidos, sua circularidade, circunscrição, a partir do investimento analítico da/na imagem. Nosso empreendimento enfoca principalmente o modo como os protagonistas desse acontecimento são construídos, e o procedimento de análise será intercambiado pela relação parafrástica e metafórica, além da remissão do intradiscurso no interdiscurso para compreender as posições-sujeito a partir das quais se enuncia nestes exemplares da Folha. O arquivo mostra diferentes materialidades, que produzem um acontecimento, significando uma intersecção entre a memória discursiva e a atualidade, que ajudam a constituir uma nova interpretação sobre um evento histórico (ORLANDI, 2012a). Nesse contexto, os cartuns produzem efeitos de sentido responsáveis por reconfigurar, (re)formular acontecimentos, tornando-os outros na atualidade, fazendo surgir uma historicidade constitutiva (ORLANDI, 2012a). Assim, torna-se relevante compreender como as ações dos manifestantes trazem à tona um passado reconfigurado, a partir do recorte, da busca pela memória discursiva silenciada na superfície da produção imagética. Nota-se, assim, contribuições de como ver a língua em seu funcionamento e como esta se materializa na ideologia, para compreender que o sentido não é dado nas palavras, mas construído pela/na história, pela memória discursiva e pelo contexto de uso da língua. Portanto, esta pesquisa torna-se relevante por visar um gesto de leitura para além da MESTRADO ACADÊMICO EM LETRAS / CCHL Campus Universitário Petrônio Portela Bairro Ininga – Teresina – Piauí – CEP 64049-550 Telefones: (86) 3215-5794 / 3215-5942 – E-mail: posletras@ufpi.br superfície discursiva, a partir da contribuição de autores como Courtine (2009), (2006); Indursky (2003), (2013), (2015); Lopes (2009); Maldidier (2003); Maricato (2013); Morgenstern (2015); Orlandi (2006), (2008), (2012a), (2012b), (2012c), (2014), (2015), entre outros caros à discussão.

  • AMANDA BEATRIZ DE ARAÚJO SOUSA
  • O CORPO É MERCADORIA: UM ESTUDO DO PROCESSO DE RECATEGORIZAÇÃO METAFÓRICA NA CONSTRUÇÃO DO REFERENTE “SERVIÇO DE ACOMPANHANTE SEXUAL” EM CLASSIFICADOS DE JORNAIS

  • Data: 14/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho, a partir da perspectiva sociocognitiva do texto assumida por uma parcela significativa dos estudiosos contemporâneos da Linguística de Texto, tratamos do fenômeno referencial da recategorização, mais particularmente das ocorrências de recategorização metafórica na construção de sentidos de anúncios de acompanhante sexual. Diferentemente do estudo pioneiro da recategorização proposto por Apothéloz e Reichler­Béguelin (1995) a partir de uma abordagem textual­ discursiva, foi eleita para esta investigação a concepção cognitivo­discursiva da recategorização delineada por Lima (2009), cuja base está configurada numa interface entre a Linguística de Texto e a Linguística Cognitiva. Conforme Lima (2009), o processo referencial da recategorização nem sempre se realiza explicitamente no texto, podendo também ser homologado pela ancoragem no nível das estruturas e do funcionamento cognitivo. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é investigar a relação entre o fenômeno linguístico da recategorização metafórica e a construção do referente “acompanhante sexual” em anúncios de serviço de acompanhante sexual que circulam em jornais da mídia impressa. Partimos da hipótese de que a construção dos sentidos nesse tipo de gênero pode ser engatilhada via processo de recategorização metafórica, bem como que tal processo assume nesse gênero uma função argumentativa, tendo em vista o seu propósito comunicativo de atrair o interlocutor para a obtenção do serviço anunciado. Diante disso, temos como proposta metodológica deste trabalho uma pesquisa de cunho qualitativo com análise descritiva dos dados de investigação. O corpus é constituído por vinte anúncios de “serviço acompanhante sexual” coletados da seção classificados dos Jornais Meio Norte, O Dia e O Estado de São Paulo. Os resultados da análise empreendida são sugestivos para a validação da hipótese assumida, constatando­se que o processo de recategorização metafórica é basilar para a construção de sentidos do referente “acompanhante sexual” e, consequentemente, para engatilhar o propósito comunicativo do gênero anúncio de serviço de acompanhante sexual. Ademais, vimos que a metáfora conceitual O CORPO É MERCADORIA pode ser dita como na base das estruturas cognitivas que licenciam as ocorrências de recategorização analisadas, sendo dela também derivadas outras metáforas nesse processo, tais como O ATRAENTE É GOSTOSO, O CORPO É COMIDA, O SEXO É FOGO, dentre outras. A evocação dos modelos cognitivos metafóricos que licenciam as ocorrências de recategorização metafórica constituintes do corpus desta pesquisa foi fundamental para uma descrição mais refinada de como esse processo atua na construção dos sentidos dos anúncios de serviços de acompanhante sexual.

  • MARCOS HELAM ALVES DA SILVA
  • O PROCESSO DE RECATEGORIZAÇÃO METAFÓRICA NA CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS DE MEMES VERBO-IMAGÉTICOS

     

  • Data: 14/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • No âmbito da Linguística do Texto, o estudo da recategorização tem se mostrado uma profícua área de investigação desde a divulgação do trabalho seminal de Apothéloz e Reichler-Béguelin, no ano de 1995, quando a recategorização é apresentada como uma estratégia de designação pela qual os referentes são remodulados na atividade discursiva. Essa nova perspectiva vem chamando à atenção de vários pesquisadores, dentre eles, Cavalcante (2003), Lima (2003; 2009), Tavares (2003), Ciulla e Silva (2008) e Custódio Filho (2011). A partir destes e de outros trabalhos tem sido considerável o número de pesquisas que buscam descrever o fenômeno na construção de sentidos de textos via processos de recategorização. Dos estudos elencados, destaque-se os de Lima (2003; 2009) que, de forma sistemática, defende a necessidade de um enlace entre a Linguística Textual e a Linguística Cognitiva para uma melhor compreensão do fenômeno da recategorização, um passo que pode também ser produtivo para o estudo desse processo em textos multimodais, que é a proposta deste trabalho. Dessa maneira, a fim de atingir os objetivos da pesquisa, recorremos a uma interface entre a perspectiva cognitivo-discursiva da recategorização, conforme proposição de Lima (2009), e a teoria da metáfora multimodal, proposta por Forceville (2009). Assim, o desafio deste trabalho é tratar da recategorização metafórica na construção de sentidos de um gênero multimodal, objetivando alcançar uma descrição desse processo que efetivamente contemple o tripé texto-cognição-multimodalidade. Aceito o desafio de tratar das recategorizações metafóricas na construção de sentidos do gênero multimodal meme, realizamos uma pesquisa de cunho qualitativo-descritivo, oriunda da análise de vinte memes que tematizam de forma cômico-irônica a situação política brasileira, o poder judiciário e a economia. O corpus constituído para análise foi colhido diretamente do Facebook no período de 2013 a 2015, em que foram priorizados memes que mesclassem a linguagem verbal e imagética, já que no processo de descrição das metáforas que licenciam as recategorizações utilizamos a proposta de Forceville (2009) da metáfora multimodal. Dos resultados da análise, pode-se afirmar que os diversos recursos multimodais, em especial a imagem e seus integrantes como cores, expressões corporais/faciais e a própria disposição no texto, atuam diretamente na homologação dasrecategorização e determinam em conjunto com as estruturas e funcionamento cognitivo a construção de sentidos do texto, não se constituindo apenas como uma mera ilustração, mas como elementos evocadores de sentidos. Constatamos, neste estudo, portanto, que o processo de recategorização metafórica, em textos verbo-imagéticos, pode acontecer de três modo distintos: (1) homologado por expressões referenciais em conjunto com as imagens; (2) homologado pela ancoragem no plano das estruturas e do funcionamento cognitivo ativado pela mescla dos modos semióticos verbal e imagético.

     

  • MARIA LUCINÁRIA LUSTOSA DE ARAÚJO
  • EVENTOS E PRÁTICAS DE LETRAMENTOS UTILIZADOS PELO ALFABETIZADOR NO PROCESSO DE LETRAMENTO SOCIAL DO ALUNO: EXPERIÊNCIAS NO CAMPO E NA CIDADE

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 07/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • A alfabetização é uma das principais etapas escolares para o sujeito, representando, muitas vezes, o primeiro contato formal com a leitura e a escrita. Por isso, a escola possui um papel primordial no oferecimento desse contato, uma vez que na sociedade da informação, do conhecimento e das tecnologias a leitura e a escrita ocorrem com diversas finalidades e através de diferentes suportes de textos. A partir dessa compreensão, o processo de alfabetização baseado, somente, no ensino do código escrito, não mais atende as demandas dessa sociedade. Por isso o nosso trabalho tem como principal objetivo investigar as práticas de letramentos de professores alfabetizadores utilizadas para promover o processo de letramento social dos alunos A elucidação teórica desta pesquisa partiu, principalmente, das leituras de Street (2014 [1984]), Marcuschi (2001, 2008), Kleiman (1995, 2001, 2005), Soares (2000, 2003, 2008), Bortoni-Ricardo (2005; 2008, 2010), Rojo (2009), André (1995) Erickson (1988), entre outros. A investigação foi desenvolvida em duas escolas públicas da rede municipal de Teresina (PI), sendo uma localizada na zona urbana e a outra na rural. Elegemos como sujeitos, duas alfabetizadoras, uma de cada escola. O percurso metodológico esteve pautado na abordagem qualitativa, dentre as pesquisas dessa abordagem, escolhemos a etnográfica, que proporciona ao pesquisador buscar respostas, in locu, e analisá-las, condições necessárias para esse tipo de pesquisa. Como instrumentos de coleta de dados, lançamos mão da observação participante, questionários, entrevista semiestruturada associada à compreensiva, além do auxílio da fotografia e gravações das falas das professoras. Os dados obtidos foram descritos e interpretados, com base na organização de quatro categorias de análises: 1. A sala de aula como um espaço de letramento .2  Andaimes no processo de alfabetização em duas escolas públicas 3 Os gêneros textuais presentes nos eventos e práticas das alfabetizadoras das escolas em questão 4 Os eventos e práticas de letramentos utilizados pelos docentes alfabetizam letrando? A partir disso, constatamos, dentre outros aspectos, que, as alfabetizadoras, não alfabetizam desenvolvendo o letramento social de seus alunos, uma vez que suas práticas de letramentos estão presas, somente, ao ensino/aprendizagem da mera funcionalidade da língua, ou seja, sendo esta um produto em si mesmo, independente de questões sociais. No entanto, dentre as professoras, a da zona rural (PB) foi a que mais se aproximou da perspectiva apontada pelos estudos do letramento, visto que a mesma proporcionou à turma o contato com os mais diferenciados gêneros textuais experienciados na cidade e na comunidade.

     

  • FRANCISCO RENATO LIMA
  • Letramentos em contextos de consulta médica: um estudo sobre a compreensão na relação médico-paciente

  • Orientador : MARIA ANGELICA FREIRE DE CARVALHO
  • Data: 04/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho, apresenta-se uma discussão sobre letramentos sociais, situados em contextos de consulta médica, quando os sujeitos se envolvem em diferentes práticas de letramento, por meio de um movimento dialógico e sociointeracionista da linguagem. O recorte temático dessa discussão é o processamento da comunicação entre médicos e pacientes durante o evento de letramento consulta médica. Teve-se como objetivo geral observar as representações dos médicos e dos pacientes sobre os modos de compreensão do evento de letramento consulta médica. Partiu-se dos seguintes questionamentos: a) Como se dá a compreensão na atividade comunicativa entre médico e paciente, a partir do modo como esses sujeitos representam o evento de letramento consulta médica? b) Quais as formas ou estratégias de retextualização que os pacientes utilizam para a compreensão da receita médica? Estes questionamentos constituíram as duas categorias de análise. Do ponto de vista metodológico, constituiu-se de uma pesquisa bibliográfica e de campo, de abordagem qualitativa e dialógica. A primeira, parte da concepção dialógica e enunciativa da linguagem proposta por Bakhtin (2009/2011), bem como as argumentações de Koch (2011/2012/2014/2015), Rojo (2010); que se articulam aos New Literacy Studies (Novos Estudos do Letramento) (NLS), como prática social, postulados por Street (1984/1995) e com argumentos teóricos de autores, como Barton; Hamilton (1998/2000), Cook-Gumperz (1991), Kleiman (1995/1998), Lopes (2006), Marcuschi (2001/2010a), Soares (1995/2002/2003/2010), Tfouni (1988/2010); e ainda, Adam (1992), Bronckart (2012) e Dolz; Schneuwly (2004), ao tratar dos gêneros discursivos. Na segunda, a coleta de dados realizou-se em três Unidades Básicas de Saúde (UBSs), na cidade de Nazária (PI), constituindo um corpus de 48 entrevistas, sendo 3 com médicos e 45 com pacientes, além da observação do contexto, caderno de anotações e fotografias das receitas médicas. As exposições teóricas aliadas à análise do corpus orientam algumas conclusões: i) os médicos e pacientes representam o evento de letramento de modo distanciado em decorrência das diferenças nos seus níveis de letramento, o que acarreta gradações nos usos da linguagem; ii) os pacientes têm uma expectativa dos médicos, que nem sempre é correspondida, e vice-versa; iii) o sucesso na compreensão depende de um empenho de ambos e do modo como respondem dialogicamente as estratégias negociadas durante a consulta médica; iv) a questão do saber ler é fundamental para a compreensão da receita, o que não exclui a capacidade de compreensão, decorrente do letramento social de cada paciente; v) a letra do médico na receita constitui um dos principais lócus de conflito na comunicação; vi) as estratégias e/ou mecanismos de retextualização das receitas médicas que os pacientes se envolvem, constituem um continuum ideológico de organização das modalidades de uso da língua (oral ou escrita), mediada pela ação dos gêneros textuais; e vii) a compreensão, que engloba todo o processo, tanto durante a consulta, como fora dela, acontece, portanto, por meio de práticas interativas e dialógicas, na qual os letramentos sociais de cada sujeito lhes possibilita uma ressignificação dos papéis e práticas sociais no mundo.

  • BEATRICE NASCIMENTO MONTEIRO
  • ORGANIZAÇÃO RETÓRICA E ESTRUTURAÇÃO SEQUENCIAL DA SEÇÃO DE METODOLOGIA DO GÊNERO PROJETO DE PESQUISA

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O projeto de pesquisa é um gênero de grande legitimidade na comunidade acadêmica, pois é frequentemente é utilizado para avaliar o mérito de propostas de pesquisa em diversas situações. Apesar dessa importância, trata-se de um gênero ainda pouco investigado no Brasil e internacionalmente. Diante dessa lacuna de pesquisa, tomamos como objeto de estudo o gênero projeto de pesquisa, mais especificamente, projetos utilizados para entrada em programa de pós-graduação, os quais são ainda pouco investigados. De modo a aprofundar nossa análise, decidimos nos centrar na descrição de uma seção específica desse gênero, a seção de metodologia. O objetivo geral de nossa pesquisa é analisar a organização retórica e a arquitetura sequencial da seção de metodologia no gênero projeto de pesquisa, bem como as possíveis interrelações entre esses dois aspectos. Para subsidiar nossa análise da organização retórica, tomamos como base Swales (1990; 2006), Bezerra (2001), Biasi-Rodrigues (2009), entre outros autores. Já para descrever as sequências textuais presentes em nosso corpus, nosso principal fundamento teórico foi Adam (1992; 2011). Fundamentamo-nos também em pesquisas anteriores sobre o gênero projeto de pesquisa, como a de Connor e Mauranen (1999), e sobre a seção de metodologia no gênero artigo de pesquisa: Nwogu (1997), Kanoksilapatham (2005), Lim (2006), Oliveira (2002) e Costa (2015). O corpus da pesquisa é composto por 40 projetos de pesquisa da área de Linguística aprovados em seleções no Programa de Pós-Graduação em Letras na UFPI nos anos de 2012, 2013 e 2014. Como resultados, constatamos a existência de quatro movimentos na organização retórica da seção de metodologia do gênero projeto de pesquisa: Apresentando a abordagem teórico-metodológica da pesquisa, Descrevendo a etapa de revisão bibliográfica, Descrevendo a etapa de coleta dos dados e Descrevendo a etapa de análise dos dados. Além disso, observamos que os passos retóricos utilizados para materialização dos movimentos sofrem influência da subárea de pesquisa e da abordagem metodológica utilizada. Quanto às sequências, identificamos a sequência descritiva como dominante e as sequências explicativa e argumentativa como subsidiárias. Correlacionando as duas categorias, organização retórica e estruturação sequencial, constatamos que os passos retóricos apresentam arranjos sequenciais típicos.

  • EDIANE SILVA LIMA
  • O FENÔMENO DÊITICO E OS VERBOS DIRECIONAIS E NÃO DIRECIONAIS DA LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA – LSB: uma abordagem sintático-semântica

  • Orientador : RONALD TAVEIRA DA CRUZ
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação vem abordar o uso e a relação dos sinais dêiticos pessoais como responsáveis pelo processo de concordância verbal na Libras. Defendermos, ainda, que os sinais dêiticos, do mesmo modo que os sinais nominais, se pautam pela composicionalidade fonológica. Aliados à percepção do processo de evolução natural de toda e qualquer língua, evidenciamos que esses sinais evoluem dando origem a novas formas, como o caso do pronome possessivo NOSSO, já que na Libras encontramos sinais distintos para esse sentido de posse, e do mesmo modo também identificamos mais de um sinal dêitico para o pronome de 2ª pessoa, na sua forma singular e plural. Nossa pesquisa fundamenta-se em teóricos como Berenz (1996), Quadros (1995,1997,1990), Ferreira (2010), Quadros & Quer (2013), Meier & Lillo-Martin (2013) dentre outros. E como objetivo geral, essa pesquisa buscou analisar como o surdo atribui significados a partir dos sinais dêiticos, especificamente, quando se utiliza de verbos não direcionais para marcar e/ou localizar seus referentes. E como objetivos específicos, procuramos verificar como o surdo marca referentes de 1ª, 2ª e de 3ª como Suj. e Obj. desses verbos; além de identificar como o tempo e as pessoas são marcadas nos verbos direcionais e não direcionais, optamos, ainda, por averiguar MESTRADO ACADÊMICO EM LETRAS / CCHL Campus Universitário Petrônio Portela Bairro Ininga – Teresina – Piauí – CEP 64049-550 Telefones: (86) 3215-5794 / 3215-5942 – E-mail: posletras@ufpi.br como os verbos não direcionais se comportam relacionados à noção de pessoa e de tempo. Essa pesquisa, por ser de cunho qualitativo e de observação participante, ocorreu em uma associação de surdos, na cidade de Teresina-PI. No qual, os participantes, mediante autorização, foram filmados e aplicados testes durante a fase de observação. A relevância dessa pesquisa se justifica por apresentar novos dados a respeito da LSB sobre a noção de tempo e pessoa, e de que modo a relação entre o verbo e seu Suj. e Obj. se relacionam para estruturar essa língua, aliado ao fenômeno dêitico, que surge em nossas discussões como uma possibilidade de apresentar mais de uma função, com uma mesma forma (e/ou configuração de mão), bem como outras formas, conforme identificamos em nossos dados analisados. Nossas discussões, observações e análises de dados nos levaram a ‘enxergar’ que o caráter gestual nessa língua, possibilitada pelo simples ato de apontar, ganhou novas possibilidades de uso e de sentido, assumindo várias funções, às vezes concomitantemente, acompanhando os verbos direcionais e incorporando-se aos verbos direcionais para indicar os referentes espacialmente. Desse modo, concluímos que esses sinais possuem uma capacidade para se comportar do mesmo modo que os sinais lexicais, mas sem perder seu caráter dêitico de apontar, de indicar e de localizar.

  • FRANCISCA DAS CHAGAS GOMES FERREIRA
  • LEITURA, LUDICIDADE E O COTIDIANO: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 25/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa objetiva investigar a influência da utilização de textos com temáticas sobre o cotidiano e atividades lúdicas no desenvolvimento da competência leitora dos alunos do 9º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública em Teresina - PI. Com esse intuito, busca-se averiguar a receptividade e a relevância de algumas estratégias de aprendizagem nas atividades com leitura, assim como verificar se há dificuldades que interferem no desenvolvimento da competência leitora do público-alvo deste estudo, que se encontra em fase de conclusão de uma das etapas da Educação Básica, a que corresponde ao Ensino Fundamental, cuja um dos objetivos principais é de enfatizar e promover a continuidade do processo de formação de leitores.  O trabalho apresenta em seu aporte teórico os modelos de leitura na perspectiva de Gough (1976), Le Berger (1976), Ruddell (1976), Goodman (1976), Rumelhart (1994) e Stanovich (1980); discorre sobre as linhas de pesquisa em leitura desenvolvidas no Brasil, conforme a abordagem de Zappone (2001), com o intuito de questionar e assumir um posicionamento em relação às concepções de leitura que propiciem uma aplicação mais eficaz em relação ao ensino de leitura; assinala a importância da postura do professor enquanto mediador do processo ensino-aprendizagem de leitura, segundo as abordagens de Solé (1998), Maia (2007) e Bortone; Martins (2008); apresenta as considerações de Brown (1980), Leffa (1996), Solé (1998), Kato (1999), Kleiman (2011, 2013a, 2013b) e Koch; Elias (2014) a respeito das estratégias de leitura, destacando sua relevância para a compreensão leitora; conta também com as orientações sugeridas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais-PCN (1998) no tocante ao papel do ensino em relação à formação de leitores; revela a visão de alguns teóricos sobre a presença de estratégias de aprendizagem como instrumento pedagógico, ocasionando um envolvimento significativo dos colaboradores no ensino de leitura, tais como o lúdico, conforme abordagem de Huizinga (2000), Negrine (2000), Macedo; Petty; Passos (2005) e Oliveira (2009), assim como os benefícios da leitura do gênero discursivo crônica, em razão da temática impressa por ela, segundo a perspectiva de Cândido (1996), Coutinho (1999) e Cursino (2013). Quanto aos procedimentos metodológicos, esta pesquisa possui natureza aplicada, adota uma abordagem qualitativa, faz uso do procedimento técnico da pesquisa-ação de acordo com a perspectiva de Thiollent (1998) e do método de abordagem de análise de dados fenomenológico hermenêutica de Van Manen (1990) como meio de atestar a cientificidade dos dados obtidos. Para tanto, utiliza-se como instrumento de pesquisa questionários destinados aos discentes colaboradores e aos docentes da turma pesquisada, como forma de coletar informações preliminares e subsequentes à intervenção promovida por meio de oficinas de leitura devidamente registradas em diário de campo após a observação direta da pesquisadora. A pesquisa revelou contribuições consideráveis em relação ao uso de estratégias de aprendizagem e de leitura no processo que visa à formação de leitores, ao tempo em que apontou aspectos que carecem de uma mobilização mais acentuada por parte dos envolvidos no processo ensino-aprendizagem de leitura para que se possa favorecer a formação de leitores.

  • ANA MARIA ALVES DE BRITO
  • ATIVIDADES MULTILETRADAS E LETRAMENTO ESCOLAR: UMA INVESTIGAÇÃO NO ENSINO MÉDIO


  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 24/02/2016
  • Mostrar Resumo
  •  O domínio da leitura e da escrita é condição necessária para o empoderamento de habilidades letradas e participação dos indivíduos na sociedade. Neste pensar, este trabalho tem como objetivo analisar, descrever e caracterizar, no contexto das atividades multiletradas, as contribuições para o desenvolvimento da leitura e da escrita de uma amostra de dez alunos da 2ª Série do Ensino Médio. A pesquisa foi realizada em uma escola da Rede Pública Estadual, localizada na zona Sul de Teresina –PI. Para os fundamentos teóricos, buscamos apoio em Street (1984; 2014), Soares (2012), Tfouni (2010), Mortatti (2004), Kleiman (1995; 2005) entre outros que argumentam que, o letramento é sempre uma prática social, seja no contexto escolar ou fora dele e em Rojo (2009; 2012; 2013; 2015) com a perspectiva dos multiletramentos. Este estudo se justifica pela importância do novo tratamento dado à leitura e à escrita a partir de novas tecnologias multiletradas, contribuindo para novas práticas de letramento na sala de aula. Optamos, aqui, por uma pesquisa de natureza qualitativa descritiva com abordagem etnográfica buscando subsídios em Erickson (1988), Hymes (1974), Braga (1988) entre outros que tem suas bases na etnografia. No que se refere aos procedimentos adotados, seguimos o percurso do método etnográfico, que estabelece como parâmetros para a coleta dos dados, aspectos que devem partir da observação direta do pesquisador com os sujeitos pesquisados. Os procedimentos se deram através de gravações de áudios e imagens, aplicação de questionário, registros de conversas em diários de campo que se constituíram como importantes para a coleta dos dados. Os resultados das análises nos mostraram que o contexto das atividades multiletradas, embora timidamente exploradas na sala de aula, contribuem de forma significativa para o desenvolvimento da leitura e da escrita dos alunos, bem como para a compreensão de novas formas e espaços de aprendizagem em que a leitura e a escrita se apresentam aparentemente marginalizadas.

     

  • DJANE OLIVEIRA DE BRITO
  • A REPETIÇÃO COMO ESTRATÉGIA NA ORGANIZAÇÃO TEXTUAL-DISCURSIVA EM FÓRUM DE EAD

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 23/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho investigamos o papel da repetição como estratégia na organização textual-discursiva para a construção dos enunciados em fórum de Educação a Distância (EaD). Para tanto, utilizamos como base as classificações formais e funcionais propostas por Marcuschi (1992; 2002 [1996]). É o resultado da análise de 02 (dois) fóruns que ocorreram na disciplina Leitura e Produção de Textos I, do Curso de Letras Português, na Modalidade a Distância, da UFPI (Universidade Federal do Piauí), no Polo de São João do Piauí, cujos dados foram extraídos da Plataforma Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Enviroment). Sendo a repetição o emprego reiterado de palavras ou expressões (grupos de palavras) duas ou mais vezes dentro de um mesmo enunciado, postulamos que a mesma constitui uma estratégia linguística utilizada na organização textual-discursiva, tanto no texto oral quanto no escrito. Nosso estudo preocupou-se, também, no corpus investigado, em evidenciar e caracterizar as funções mais recorrentes da repetição, averiguar suas possíveis funções específicas e caracterizar, sob o ponto de vista formal, suas ocorrências. Consultamos, como aporte teórico, a literatura voltada para o estudo do texto e de suas realizações oral e escrita; percorrermos os caminhos da EaD tratando sobre sua conceituação e importância, destacando sua realização em ambiente virtual de aprendizagem e as especificidades do fórum online; as contribuições de estudos anteriores sobre o fenômeno da repetição foram, igualmente, indispensáveis à estruturação e à composição de nosso trabalho. Os resultados apontaram que, em alguns casos, as repetições analisadas nas interações em fórum de EaD se enquadram nas classificações formal e funcional propostas por Marcuschi (1992; 2002 [1996]), em outros não. Os dados obtidos indicam, ainda, a repetição como um fenômeno necessário também ao texto escrito.

  • ISANA MARIA FERREIRA BARBOSA
  • ANÁLISE SEMIÓTICA DA BELEZA EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS DE MAQUIAGEM

  • Orientador : FRANCISCO WELLINGTON BORGES GOMES
  • Data: 27/01/2016
  • Mostrar Resumo
  • Com o objetivo de investigar a formação de sentido em textos multimodais do gênero anúncio publicitário, este trabalho descreve os processos semióticos presentes na estrutura dos textos, com fins a uma investigação da contribuição persuasiva de conceitos de beleza possivelmente trazidos ideologicamente na sua estrutura. Estudos de imagens em conjunto com textos verbais surgiram a partir da necessidade de se compreender como funciona a utilização de recursos semióticos na construção de sentidos produzida pelos mesmos. Nesse contexto, esta pesquisa tem o intuito de investigar o processo de construção de sentido do conceito de beleza em anúncios publicitários de maquiagem, focalizando a relação das semioses constituintes do discurso. Busca-se, assim, analisar essa construção conceitual da beleza em anúncios publicitários específicos através principalmente do seu caráter interativo interpessoal e composicional, buscando, por meio da análise semiótica social, recorrendo à Gramática do design visual, de Kress e van Leeuwen (2006), perceber o papel social e ideológico desse conceito do que é belo para a informação publicitária com fins persuasivos nessa relação entre produção e consumo de informação. De acordo com os objetivos a serem atingidos neste trabalho, a metodologia utilizada é exploratória, de base qualitativa, com análise descritiva dos dados. Para tanto, foi selecionado um corpus de 6 anúncios publicitários recolhidos em revistas femininas brasileiras publicadas nos meses de junho e outubro de 2014. Com o desenvolvimento desta pesquisa, observou-se esses ideais de beleza e seu comportamento como elemento construtor de argumento para a venda de produtos que, teoricamente, atenderiam a essa demanda do público alvo de adquirir o que socialmente é aceito enquanto belo. Assim, o conceito de beleza trazido em cada texto, através de seus elementos, verbais e/ou imagéticos, constitui em si mesmo o principal argumento persuasivo e traz consigo constructos de significação que acionam uma necessidade de consumo que é o primordial intuito de um texto que comunica com finalidade de venda de produtos e, inclusive, ideias. Essas ideologias apresentadas constituem-se socialmente em verdade, por meio das estratégias argumentativas presentes nos textos, no momento desse diálogo entre participantes do processo textual. Esse instante de atividade social favorece um processo que constrói valores dentro de uma sociedade consumidora de produtos, mas, principalmente, de ideias e informação valorativa.

  • ISABELA CHRISTINA DO NASCIMENTO SOUSA
  • A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES FEMININAS NA PÓSMODERNIDADE: UM ESTUDO DE CONTOS DE DORIS LESSING

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 14/01/2016
  • Mostrar Resumo
  • As personagens femininas em DorisLessing se defrontam constantemente com problemas relacionados ao processo de identificação. As fragmentações e os contínuos deslocamentos de suas identidades perturbam a consciência que elas possuem de si mesmas, e tornam a identificação um processo problemático. As protagonistas de “Anoldwomanandhercat”, “Ourfriend Judith” e “Toroomnineteen”, respectivamente, HettyPennefather, Judith Castlewelle SusanRawlings, podem ser entendidas como sujeitos pós-modernos. Como tal, vivenciam crises de identidades, e empenham-se na busca por um Eu unificado e estável. Tendo em vista os aspectos observados, esta pesquisa visa investigar como se dá o processo de construção identitária das protagonistas femininas nos contos “Anoldwomanandhercat”, “Ourfriend Judith” e “Toroomnineteen” de DorisLessing. Incialmente,procura-se examinar a que ponto as identidadesdas personagens se tornam fragmentadas e descentradas;em seguida, são discutidos os fatores que assumem relevância no processo de identificação dessas personagens; e, por fim,são analisados os conflitos e consequências gerados pelas crises de identidade que as personagens vivenciam. Hall (2014a, 2014b), Ferguson (1991), Woodward (2000), Funck (2011), Bordo (1997), Althusser (1970), entre outros, constituem o aporte teórico. Este estudo foi desenvolvidopor meio de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico e interdisciplinar. As três personagens podem ser compreendidas como sujeitos pós-modernos, baseando-se na proposta de Hall (2014a), uma vez que não se relacionam somente com uma, mas múltiplas identidades, muitas vezes incongruente, e com incessantes deslocamentos. Essas identidades são construídas a partir da interação com diversos sistemas simbólicos e representações com as quais as personagens se identificam.

2015
Descrição
  • JOSINALDO OLIVEIRA DOS SANTOS
  • O CRIOLLISMO LITERÁRIO PRESENTE NA OBRA: EN ESTE PAÍS DE LUIS MIGUEL URBANEJA ACHELPOHL.

  • Orientador : ALCIONE CORREA ALVES
  • Data: 17/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo principal é investigar o significado plurivalente do criollismo desde uma abordagem histórico-social na obra En este país, de Luis Miguel Urbajena Achelpohl, desde uma abordagem histórico-social ao identificar seus pormenores, mostraremos como estes incidem no desenvolvimento desta tendência literária, na forma de um produto artístico resultante da formulação de um novo projeto histórico na América espanhola. O trabalho está baseado em dois marcos teóricos, um que trata sobre a abordagem histórica-social (com uma perspectiva sociológica), através de Bhabha (1994), Hall (2003), Arreaza (2013), Pérez (1999), Quijano (2014) e Quintero (1991), e o outro sobre a fortuna crítica que me deram suporte para analisar o criollismo na Obra En este país, conforme Moraña (1994), Picón-Salas (1980, 1987), Uzcátegui (2013). Como se dá significado plurivalente do criollismo desde uma abordagem histórico-social na obra En este país, de Luis Miguel Urbajena Achelpohl? Como a obra En este país, de Urbaneja Achelpohl, dialoga com a terminologia e os estudos sobre o criollo e o criollismo?.

  • FRANCISCO ARMANDO DE SOUSA OLIVEIRA
  • O LEILÃO DO LOTE 49, DE THOMAS PYNCHON, E O MODELO TEÓRICO DE “OBRA ABERTA” DE UMBERTO ECO: forma, narrativa e mensagem.

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 31/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como corpus o romance O leilão do Lote 49 (1993), de Thomas Pynchon, que é analisado sob a ótica da proposta teórica de obra aberta, de Umberto Eco, como formulado inicialmente em Obra Aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas (1986), e reformulado em publicações posteriores, as quais analisamos aqui para uma maior compreensão e delimitação do projeto estético do pesquisador italiano. Na análise da narrativa, investigamos os aspectos estruturais do romance para definir índices de indeterminação e espaços de ambiguidade que tornam possíveis O leilão do lote 49 possuir tamanha diversidade de leituras e, ao mesmo tempo, não ter sua narrativa encerrada em nenhuma delas.

  • JOSELENE VAZ DA SILVA
  • MEMÓRIA E IDENTIDADE EM UMA VIDA EM SEGREDO DE AUTRAN DOURADO

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 26/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • Uma vida em segredode Autran Dourado, novela corpus desta dissertação, é constituída pela história de Biela, uma moça simples do interior que não consegue se adaptar aos costumes da cidade. Passa a viver fechada em seu mundo interior, relembrando a vida de antigamente. O autor constrói uma personagem introspectiva cujas ações são reveladas através dos pensamentos. O objetivo geral desta pesquisa é analisar a questão da memória como constituinte identitário em Uma vida em segredo. Como objetivos específicos pretende-se apresentar a produção ficcional do autor e a crítica da novela Uma vida em segredo de modo que escritor e obra sejam reconhecidos, ressaltando-se a linguagem bem elaborada do autor; identificar a canastra como um objeto que faz evocar memórias tanto para Autran Dourado como para sua personagem; mostrar como as lembranças da infância e a imagem da mãe constituem recordações significativas para a personagem; demonstrar a importância da Fazenda do Fundão para a personagem e as causa que a levam a recorrer as suas memórias já na casa dos primos. O trabalho de investigação foi realizado por meio de pesquisa qualitativa bibliográfica, com referenciais teóricos que abordam, principalmente, a memória em sua relação com a identidade. Nessa pesquisa são citados autores como Halbwacs (2013), Benjamin (1993), Moles (1972), Menezes (1998), Freud (1939), Pollack (1992), Hall (2006), Bauman (2005) e Nora (1996). Em forma de conclusão, percebe-se que a introspecção e o coloquialismo, tãocomuns nasnarrativas de Autran Dourado, se fazem presentes também em Uma vida em segredo, fazendo com que a personagem principal, Biela, com suas angústias e conflitos, aos poucos se revele ao leitor. No que diz respeito às canastras, essas funcionam como objeto biográfico tanto para Autran Dourado como para sua personagem, fazendo evocar memórias de si e da família. É ainda através das memórias da infância na Fazenda do Fundão, em especial às da mãe, que a personagem consegue reconstruir um sentido de si, visto não conseguir se adequar aos padrões de comportamentos que lhe são impostos na casa dos primos. Através das angústias e conflitos da personagem principal, que são aos poucos revelados por sua incapacidade de inserir-se no novo meio em que vive e pelas reminiscências de Biela ainda na Fazenda do Fundão, percebe-se aspectos importantes da Minas Gerais de Autran Dourado, marcada pelo fim da economia da mineração e atividades correlatas, decadência das grandes fazendas de gado e migração do meio rural para o urbano.

  • NILSON MACÊDO MENDES JUNIOR
  • MEMÓRIA E IDENTIDADE AFRO-AMERICANA EM NARRATIVE OF THE LIFE OF FREDERICK DOUGLASS, AN AMERICAN SLAVE, WRITTEN BY HIMSELF

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 25/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A memória e a identidade afro-americana do escritor Frederick Douglass é o objeto de estudo desta pesquisa. O textoutilizadocomo corpus da pesquisa é a autobiografiaThe Narrative of the Life of Frederick Douglass, An American Slave, Written by Himself (1845). A metodologia escolhida foi a pesquisa bibliográfica descritiva e qualitativa na área dos estudos culturais negros. As referencias principais foram lidas e depois os conceitos de identidade, memória e literatura foram aprofundados em leituras auxiliares para embasar as hipóteses levantadas pelo trabalho. Foram colhidas informações nos teóricos: Alfredo Bosi (1992), Édouard Glissant (2005), Elio Ferreira (2006; 2010; 2013), Franz Fanon (1967), Henri Bergson (1999), Homi Bhabha (2013), Jacques Le Goff (2003), Maurice Halbwachs (1990), Pierre Nora (1993), Stuart Hall (2013), Raymond Williams (2008), Roland Walter (2009), entre outros. Como resultados da pesquisa ressalta-se que a oralidade presente nas estórias contadas pelos griôs sofreram adaptações nas Américas, que é se baseando nessas narrativas orais que a memória coletiva da comunidade afro-americana é elaborada, que as memórias da infância escravizada de Douglass depois são colocadas na sua autobiografia e se tornam a expressão de uma coletividade, e por último, que identidade, memória  e nacionalismo se intercomunicam para construir uma identidade étnica.

  • MARIA ANGÉLICA FERREIRA
  • PÓS-INDEPENDÊNCIA DE ANGOLA EM A GERAÇÃO DA UTOPIA E EM O GUARDADOR DE MEMÓRIAS.

  • Orientador : ANA MARIA KOCH
  • Data: 24/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente Dissertação de Mestrado apresenta uma análise das obras A Geração da utopia, de Pepetela e O Guardador de Memórias, de Isabel Ferreira. O trabalho visou examinar: as interfaces com a Literatura e a Historia de Angola, expressas nos romances; como a História é relida pelos autores da literatura no enredo dos romances; quais os recursos de intertextualidade e as interfaces com a literatura e a História. A análise tem como contribuição e suporte teórico os trabalhos de Carlos Reis (2003), Aguiar e Silva (2006), Luiz Gonzaga Mota (2013), Rita Chaves (1999 e 2005), Pedro Ramos de Almeida (1978), Maria do Carmo Medina (2013), entre outros. A Dissertação está estruturada em três capítulos. O primeiro apresenta a análise dos romances, observando como o enredo e como os personagens são construídos no contexto em que se inserem; o segundo capítulo demonstra o contexto histórico em que se inserem as obras; e o terceiro demonstra interfaces entre a Literatura e a História recente de Angola, e como a História é relida pelos autores no enredo dos romances.

  • LOURIVAL DA SILVA BURLAMAQUI NETO
  • O Realismo no Canto V de Os Lusíadas

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 21/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho investiga como ocorre a representação da realidade no canto V de Os Lusíadas. Parte-se da hipótese de que o realismo dessa passagem provém de uma mímesis e do decoro, enquanto o abrandamento do teor realista é oriundo da emulação de autores clássicos. Sustenta-se que o emprego de cada um desses três traços estilísticos possuía motivações sociais. Assim, a mímesis estabelecia vínculos entre o quadro ficcional descrito e a realidade empírica porque visava enfocar as dificuldades superadas pelos nautas apresentados, elencando suas posturas à condição de modelo a ser seguido pelos leitores coevos. Dessa forma, o afã mimético no texto camoniano permitia a manutenção de uma antiga função do texto épico: ser o repositório no qual os membros de uma sociedade ou de uma tribo encontravam os comportamentos exemplares que deveriam copiar. O decoro, por sua vez, uma espécie de adequação discursiva entre o poema e as opiniões oficiais que vigoravam no contexto em que esse fora escrito, era condição necessária, nas sociedades monárquicas, ao manuseio das matérias históricas. Esse amoldamento era obrigatório porque o poeta, tratando de um episódio pertencente ao passado do reino, deveria endossar pontos de vista já aceitos pela corte sobre essa ocorrência, não podendo retratá-la segundo os devaneios de sua imaginação sob o risco de ser considerado mentiroso e incongruente. Ao descrever as minúcias de uma viagem marítima, mimetizando-as textualmente, enquanto encarecia os protagonistas dessa travessia, e ao colher o conteúdo de sua narrativa nas crônicas de historiadores lusitanos caracterizadas pela exposição detalhada de povos e terras desconhecidas, Camões concedeu ao canto V de Os Lusíadas um realismo flagrante. Inserido em uma sociedade de corte, o poeta português também devia emular padrões narrativos encontrados nos textos clássicos, legitimando à audiência sua condição de poeta engenhoso. Nos trechos em que essas cadências textuais e modelos ornamentais são imitados, o realismo do canto V arrefece. Dessa forma, o primeiro capítulo dessa dissertação discute o conceito de mímesis e apresenta como o teor mimético se faz presente em Os Lusíadas. O segundo capítulo delineia as definições de emulação e decoro, demonstrando que essas categorias estavam associadas com o contexto monárquico, e apresenta a funcionalidade do poema épico nessas sociedades. O terceiro capítulo, por sua vez, apresenta trechos do canto V, averiguando como o decoro e a mímesis corroboram para o realismo da passagem, enquanto a emulação ocasiona a recusa desse desígnio.

  • DENISE DE PAULA VERAS AQUINO
  • Entre Cartas e Riverão: elementos da estética glauberiana

  • Orientador : ANA MARIA KOCH
  • Data: 14/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objeto de estudo o romance Riverão Sussuarana (1978) de Glauber Rocha. O objetivo geral desta dissertação é analisar o romance Riverão Sussuarana e as cartas escritas por Glauber Rocha no período de 1953 a 1971 a fim de investigar em que medida estabelecem-se diálogos acerca de seu conceito estético. A dissertação faz uso de pesquisa bibliográfica qualitativa aplicada à análise do romance estudado. Os pressupostos teóricos relacionados à estética, cinema novo e cinema brasileiro tomam como base pensamentos de Maria E. Reicher (2009), Glauber Rocha (1981) e Ismail Xavier (2007). Os pressupostos relacionados à correspondência, fontes de informação e Glauber Rocha apoiam-se em Maria Rosa R. Martins Camargo (2011), Le Coadic (2004) e Ivana Bentes (1997). A conclusão deste estudo aponta que, em Riverão Sussuarana (1978), ressaltam-se elementos estéticos em comum identificados nos dois textos manifesto escritos pelo autor e por ele descritos em suas cartas. Enfatiza-se, ainda, que Glauber Rocha emprestou técnicas de cinema ao seu romance e aplica elementos estéticos comuns à sua época, o que contribuiu sobremaneira para a riqueza da obra.

  • JOAQUIM LOPES DA SILVA NETO
  • MESSIANISMO EM JESUÍNO, O PROFETA DE CHICO ANYSIO

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 12/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa apresenta o romance Jesuíno, o profeta de Chico Anysio como corpus.  Constituído pelas andanças da personagem Jesuíno pelo Sertão do Nordeste, carregando consigo profecias positivas, cujo intuito seria de atenuar a sensação de penúria que o sertanejo, ao longo do tempo, se vê acometido. O autor revela na personagem Jesuíno um sujeito que é considerado por alguns como um enviado Divino. Objetiva-se, em linhas gerais, investigar a representação dos aspectos proféticos e messiânicos presentes em Jesuíno, o profeta. Em momentos mais específicos deste estudo, objetiva-se: a) Investigar as origens e fundamentos dos termos profetismo e messianismo, bem como analisar, nos primórdios messiânicos, o discurso de alguns profetas bíblicos e como a figura de Jesus Cristo, na condição de Messias é percebida em alguns segmentos teológicos; b) Examinar, em primeiro momento, os discursos imagéticos acerca do Nordeste brasileiro e como a divisão “litoral e sertão” é percebida na região, analisa-se também a presença de alguns sujeitos considerados profetas do Nordeste brasileiro.  c) Investigar os aspectos religiosos, sociais e políticos presentes em Jesuíno, o profeta de Chico Anysio, oriundos do messianismo praticado na região e presença marcante na vida do nordestino sertanejo, a fim de identificar a personagem Jesuíno como de profeta ou messias. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica qualitativa no campo da Crítica Literária com forte diálogo interdisciplinar com a Sociologia e Estudos Teológicos. Para tanto, apropria-se dos aportes teóricos de Isaura Queiroz (1976), Alexandre Rossi (2002), BoydGibbs (1991), João Décio (2002), Maurício Queiroz (2002), Otto Maduro (1983), Max Weber (1944), Roger Bastide (1959), Albuquerque Júnior (2011), Nara Antunes (2002), Tzvetan Todorov (2012), Hans Konh (1950), Joly Martine (1996), Daniel Walker (2013), dentre outros.  A conclusão do presente estudo identifica aspectos religiosos, sociais e políticos, oriundos do messianismo praticado na região Nordeste e como presença marcante na vida do sertanejo, identificando a personagem Jesuíno como profeta, um anunciador de boas novas.

  • JOAQUIM LOPES DA SILVA NETO
  • MESSIANISMO EM JESUÍNO, O PROFETA DE CHICO ANYSIO

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 10/07/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa apresenta o romance Jesuíno, o profeta de Chico Anysio como corpus.  Constituído pelas andanças da personagem Jesuíno pelo Sertão do Nordeste, carregando consigo profecias positivas, cujo intuito seria de atenuar a sensação de penúria que o sertanejo, ao longo do tempo, se vê acometido. O autor revela na personagem Jesuíno um sujeito que é considerado por alguns como um enviado Divino. Objetiva-se, em linhas gerais, investigar a representação dos aspectos proféticos e messiânicos presentes em Jesuíno, o profeta. Em momentos mais específicos deste estudo, objetiva-se: a) Investigar as origens e fundamentos dos termos profetismo e messianismo, bem como analisar, nos primórdios messiânicos, o discurso de alguns profetas bíblicos e como a figura de Jesus Cristo, na condição de Messias é percebida em alguns segmentos teológicos; b) Examinar, em primeiro momento, os discursos imagéticos acerca do Nordeste brasileiro e como a divisão “litoral e sertão” é percebida na região, analisa-se também a presença de alguns sujeitos considerados profetas do Nordeste brasileiro.  c) Investigar os aspectos religiosos, sociais e políticos presentes em Jesuíno, o profeta de Chico Anysio, oriundos do messianismo praticado na região e presença marcante na vida do nordestino sertanejo, a fim de identificar a personagem Jesuíno como de profeta ou messias. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica qualitativa no campo da Crítica Literária com forte diálogo interdisciplinar com a Sociologia e Estudos Teológicos. Para tanto, apropria-se dos aportes teóricos de Isaura Queiroz (1976), Alexandre Rossi (2002), BoydGibbs (1991), João Décio (2002), Maurício Queiroz (2002), Otto Maduro (1983), Max Weber (1944), Roger Bastide (1959), Albuquerque Júnior (2011), Nara Antunes (2002), Tzvetan Todorov (2012), Hans Konh (1950), Joly Martine (1996), Daniel Walker (2013), dentre outros.  A conclusão do presente estudo identifica aspectos religiosos, sociais e políticos, oriundos do messianismo praticado na região Nordeste e como presença marcante na vida do sertanejo, identificando a personagem Jesuíno como profeta, um anunciador de boas novas.as.

  • FELIPE DE SOUSA JACOB
  • A construção do valor referencial da unidade logo: uma análise enunciativa. 

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 09/07/2015
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem por objetivo analisar a unidade gramatical “logo” sob a perspectiva Enunciativa, estritamente, a tratada pela Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas. A  pesquisa pretende perceber de que maneira ocorre a construção dos valores referenciais da unidade  gramatical  “logo”,  partindo  da  premissa  de  que  os  sentidos  não  são  dados,  mas  que  eles  são  construídos  através  das  relações  estabelecidas  no  enunciado.  Assim,  a  proposta  é  identificar  os  valores  referenciais  que  a  unidade “logo”  pode  adquirir  em  enunciados  de  ordem  oral  ou  escrita.  Como  aporte  teórico­metodológico  da  T.O.P.E,  nos valemos  de  Culioli  (1985);(1990);(1999a);  (1999b), Danon – Boileau (1987), Franckel (2011), Lima (1997), Neves (2005), Rocha (2010), Vogué  (2011).

  • MARGARETH VALDIVINO DA LUZ CARVALHO
  • Aluno: Autor (e) (ou) Produtor de Textos? Uma Investigação a Partir da Escrita de Alunos do Nono Ano do Ensino Fundamental de uma Escola Pública Estadual de Picos – PI

  • Orientador : MARIA ANGELICA FREIRE DE CARVALHO
  • Data: 02/07/2015
  • Mostrar Resumo
  • Podemos afirmar que, de um modo geral, o trabalho com a prática de textos no Ensino Fundamental tem sido feito a partir de um olhar mais voltado para os aspectos estruturais e gramaticais no texto. Contrariamente a essa postura, Possenti (2009a) aponta que para se considerar um texto escolar como um bom texto é preciso avaliá-lo, também, em sua discursividade, o que indica a possibilidade de o aluno exercer a função-autor mediante um trabalho em que o funcionamento discursivo tenha maior relevância no processo de escrita. Sob este propósito, neste estudo optamos por observar alunos do nono ano do ensino fundamental, por se encontrarem em um segmento escolar de transição. A partir dessa escolha, estabelecemos como objetivo principal do estudo identificar indícios de autoria nas produções textuais de alguns alunos selecionados de uma escola pública da cidade de Picos (PI). Elencamos como objetivo específico verificar marcas textuais-discursivas que contribuíssem para uma inserção do sujeito enunciador de modo que ao se interpor com outras “vozes” na construção de sentidos evidencie um discurso autônomo, que caracterize um estilo. Dentre a literatura que embasou o estudo, fundamentamo-nos na perspectiva dialógica de: Bakhtin (2003-2006-2010), nas contribuições de Possenti (2002, 2009 a, 2009b), Orlandi (1988), que consideram a autoria a partir de uma perspectiva discursiva; Cavalcanti (2010), que define um texto com autoria aquele que produz um efeito de singularidade; Gallo (1992), para quem o texto tem um efeito de fronteira, um dizer que legitima o sujeito, que tem na legitimação o domínio de sua palavra. O corpus de análise constituiu-se de textos, dentre os quais percebemos que, na relação aluno-texto, pouco se identifica uma escrita autônoma, na qual se possa destacar uma expressividade discursiva. Entretanto, observamos que a partir de um trabalho mais efetivo com a prática de escrita o aluno pode exercer a função-autor e construir textos coerentes com indícios de autoria, marcados na sua forma singular de manifestação discursiva.

  • BRUNA RODRIGUES DA SILVA
  • Escrita e consciência fonológica na pós-alfabetização.

  • Data: 25/06/2015
  • Mostrar Resumo
  • O aprendizado da língua em sua modalidade escrita requer dos aprendizes a consciência de que o código escrito de um sistema alfabético corresponde às unidades fonológicas pautadas na oralidade. Essa premissa norteia o objetivo geral deste estudo que é investigar a correlação entre a escrita e o desenvolvimento das habilidades de consciência fonológica dos alunos em estágio de pós- alfabetização. Os objetivos específicos são: verificar o nível de escrita em que os alunos da turma investigada se encontram e verificar se as habilidades em consciência fonológica são desenvolvidas antes do processo de alfabetização ou são desenvolvidas posteriormente ao aprendizado da escrita. Esta pesquisa se caracteriza como sendo de cunho quantitativo/qualitativo e foi desenvolvida em uma turma de alunos do 4º ano de uma escola pública de Teresina-PI. Para avaliar os níveis de consciência fonológica das crianças, tal como proposto no objetivo geral, foi aplicado um teste composto por 21 questões, um ditado com 15 palavras e foram coletadas produções textuais de 29 crianças do 4º ano. As teorias que embasam esta pesquisa se fundam no aprendizado da escrita, as perspectivas do letramento, os caminhos da alfabetização e os níveis de consciência fonológica, baseados nos fundamentos de estudiosos como: Capovilla e Capovilla (2000), Freitas (2004), Cielo (2002), Adams (2006) e Zorzi (1998). Pela análise do material coletado, verificou-se que 4,0% das crianças estão em nível pré-silábico, 10,0% em nível silábico, 31,0% estão na hipótese silábico-alfabética e 55,0% estão na hipótese alfabética de escrita, o que revela que a turma investigada apresenta níveis heterogêneos de escrita, mesmo sendo composta por crianças em uma série em que já deveriam estar alfabetizadas. Concluiu-se que as habilidades em consciência fonológica são favorecidas pelo domínio do código alfabético, todavia não necessariamente todas as crianças alfabetizadas têm bom desenvolvimento em consciência fonêmica, pois o total de crianças alfabetizadas (55,0%) da turma investigada difere do total de crianças que teve bom desempenho no teste de consciência fonêmica. Desse modo, conclui-se que dentre as habilidades de consciência fonológica, algumas são desenvolvidas anteriormente ao processo de alfabetização, como acontece com as habilidades silábica, de rima e de aliteração que são desenvolvidas espontaneamente e facilitam a apropriação do sistema de escrita, já a consciência fonêmica precisa de um treino mais sistemático para ser desenvolvida e é resultado do aprendizado da escrita.

  • CRISTIANNE SILVA ARAÚJO DIAS
  • Olhares sobre o exílio: Narrativas Femininas no Período Colonial Português

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 25/06/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como objetivo apresentar uma perspectiva social, ideológica e política das personagens femininas no período da Guerra Colonial, em Moçambique, retratada nas obras A costa dos murmúrios (2004), de Lídia Jorge e A árvore das palavras (2004), de Teolinda Gersão. O objetivo geral propõe averiguar o engajamento com a causa moçambicana de libertação, que revela a percepção política da mulher portuguesa naquela situação. Como objetivos específicos, pretende-se: a) apresentar um panorama histórico da literatura portuguesa de teor africano, marcando a presença da escrita feminina no novo romance português; b) verificar o engajamento das personagens Gita e Evita com a causa moçambicana de libertação; c) averiguar como se manifesta a condição de exílio, observando a descrição do espaço africano, revivido por meio da memória. Para esse estudo utilizou-se pesquisa bibliográfica e qualitativa, aplicada à análise das obras A costa dos murmúrios (2004) e A árvore das palavras (2004) das autoras portuguesas Lídia Jorge e Teolinda Gersão. Como pressupostos teóricos, inerentes ao contexto histórico usou-se José Medeiros Ferreira (2001), Dalila Cabrita Mateus & Álvaro Mateus (2011), em relação à crítica literária portuguesa, e à escrita feminina, Miguel Real (2012) e Isabel Allegro de Magalhães (1995). Referente à nação, buscou-se apoio teórico nas obras de Montserrat Guibernau (1997), Stuart Hall (2000), Sylvia Walby (2000) e, com relação ao exílio usou-se Edward Said (2003). Pretende-se ao fim desse trabalho revelar o envolvimento da mulher com o projeto nacional, destacando ainda o papel da memória, que manifesta a maneira de a mulher contar a sua própria história, através de narrativas entrecortadas de lembranças, que mostra a profundidade do olhar da mulher no exílio.

  • JOSEANE MENDES FERREIRA
  • DAS LETRAS AO CINEMA: O CORTIÇO E AS RELAÇÕES INTERSEMIÓTICAS NA TRANSPOSIÇÃO DA MULHER MULATA DO TEXTO LITERÁRIO AO FÍLMICO

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 02/06/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação realiza um estudo intersemiótico entre linguagens midiáticas: faz uma análise comparativa entre o romance O cortiço, de Aluísio Azevedo, e sua adaptação para o cinema, o filme homônimo do cineasta Francisco Ramalho Jr., analisando o processo de transposição da personagem literária Rita Baiana para a versão cinematográfica. O texto traz os aspectos das duas narrativas, levanta questões como a relação entre literatura e cinema, aborda aspectos de como O cortiço foi adaptado, inserindo-o ao painel estético do gênero pornochanchada, predominante do Brasil da década de 1970. O estudo aborda questões sobre os estereótipos impostos à mulher nas representações artísticas, os quais aparecem tanto na literatura quanto no cinema, sem perder o foco principal que é a análise intersemiótica da personagem Rita, através da teoria semiótica de Greimas.

  • MANFRED ROMMEL PONTES VIANA MOURAO
  • CINCO LEITURAS DE IN COLD BLOOD, DE TRUMAN CAPOTE, E UMA TEORIA DOS GÊNEROS LITERÁRIOS

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 29/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem por objetivo analisar a obra In Cold Blood, do escritor e jornalista estadunidense Truman Capote, a partir das concepções da teoria dos gêneros literários e sob a perspectiva do Reader-Response Criticism. Sistematicamente, esboçamos um quadro de como as teorias da recepção podem ajudar na classificação dos gêneros literários, nos valendo das propostas teóricas de Tzvetan Todorov (1996), (2008) entre gêneros teóricos e históricos; e de Mikhail Bakhtin (2003) entre gêneros primários e secundários, para podermos sinalizar como o Reader-Response Criticism (JAUSS, 1994), (FISH, 1980), (BEACH, 1993) pode servir à definição de uma obra. Adiante, mostramos como uma mesma obra, no caso a supracitada, pode ser classificada em pelo menos cinco gêneros diferentes (romance realista, true crime, romance gótico, tragédia grega e romance de não-ficção). Aqui, apontamos quais os aspectos teóricos dos textos que são ou podem ser usados por leitores para definir In Cold Blood. Por fim, averiguamos como os fatores extratextuais, tais como economia, cultura e situação discursiva podem influenciar na definição do gênero em questão. Ainda lançamos uma contraproposta de análise dos gêneros, pautada nas teorias de Amy J. Devitt (2004), Carolyn Miller (1984) e Grahan Smart (1993).

  • MARIA DE JESUS CASTRO DE OLIVEIRA
  • Elemento de Consagração no Campo de produção da Literatura Contemporânea Brasileira: o caso do glocalismo espacialista em Cinzas do norte, de Milton Hatoum.

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 29/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta dissertação consiste em analisar como a teoria do espaço é usada em termos literários e como o espaço se apresenta em obras contemporâneas, especificamente no romance Cinzas do norte (2005), de Milton Hatoum. O problema do espaço, tanto para a teoria literária quanto para as teorias históricas e sociológicas, é muito recente e possui diversas conotações. Primeiramente, reporta-se a teoria do espaço relacionando-a a Fernand Braudel (1987), Gaston Bachelard (2008), Edward W. Said (2011), Pierre Bourdieu (1996), James Wood (2012) e Ligia Chiappini (1995). Depois, evidencia-se como a teoria do espaço se mostra em Cinzas do norte e quais estratégias literárias são utilizadas por Milton Hatoum para propiciar a passagem do regionalismo ao universalismo e daí ao localismo no romance supracitado, ao verificar-se a importância do regionalismo universal do autor, segundo ele mesmo e de acordo com Moreira (2012). Salienta-se, por sua vez, que existe na obra uma representação da cultura original brasileira, especialmente da cultura do norte do país, com seus mitos, lendas e modos de ser particulares. Contudo, tais temas não estão lá tão evidenciados em Cinzas do norte­ – não pelo menos como saída estratégica de maravilhas da natureza amazônica ou como um apelo exótico ao público leitor em geral (como costumavam fazer os regionalistas do passado), mas sim como alternativa relevante, mais contida e esparsa, porém tão verdadeira e útil quanto qualquer outra forma de contemplar o mundo em amplo espectro. Por fim, a partir dos conceitos do sociólogo francês Pierre Bourdieu, demostra-se que as estratégias de utilização do espaço são típicas dos ficcionistas para, entre outros achados, assegurar o êxito de suas obras no campo de produção cultural da literatura – no caso da presente dissertação, o romance de Milton Hatoum, Cinzas do norte.

  • ANA CLAUDIA MENEZES ARAUJO
  • O PORTUGUÊS FALADO NA BAIXADA MARANHENSE: Uma análise sociointeracionista da fala de Viana-MA

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 22/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho é o resultado de uma pesquisa sociolinguística sobre as características do falar de moradores da cidade de Viana, localizada na mesorregião Norte e na microrregião da Baixada Maranhense, Estado do Maranhão. Objetivamos caracterizar o falar da referida comunidade linguística, sob uma abordagem sociointeracionista, destacando as estratégias de comunicação utilizadas por seus falantes durante a interação e ressaltando algumas particularidades fonéticas e lexicais dessa variedade linguística. E, nessa perspectiva, foram levados em consideração todos os aspectos sociais, históricos e culturais que contribuem para a formação de suas especificidades. Por se tratar de uma pesquisa de cunho qualitativo, servimo-nos da abordagem metodológica da Etnografia da comunicação, proposta por Hymese Gumperz(1972), a partir da aplicação dos procedimentos de observação, gravação, descrição e análise de eventos de fala, inseridos em diferentes situações cotidianas. Para fundamentar a análise dos eventos que compunham o corpus da pesquisa, adotamos os pressupostos teóricos de Gumperz (1982; 2002), Hymes (1972; 1974), Hymes e Gumperz (1972), Bortoni-Ricardo (2005; 2014) e Saville- Troike (1982), para compreendermos o significado social do comportamento linguístico dos falantes vianenses revelados em suas variedades linguísticas e explicarmos os mecanismos de funcionamento da interação, dentre outros autores, que abordam sobre a variação linguística e o uso da língua em contextos sociais variados. Ao fim deste trabalho, concluímos, com base na análise dos eventos coletados em campo, que a fala da comunidade pesquisada é determinada/influenciada pela situação social que a envolve, pois é durante a interaçãosocial, que se definem a escolha do repertório linguístico, as atitudes linguísticas e os propósitos comunicativos de cada falante e são ativadas as regras sociais e culturais convencionadas por esses indivíduos dentro de sua comunidade linguística. Em síntese, o modo de falar dos moradores de Viana, com todas as suas peculiaridades variacionistas, constitui sua marca de identidade social.

  • JOELMA DE ARAÚJO SILVA RESENDE
  • MULHER E IDENTIDADE NACIONAL EM O PAÍS SOB MINHA PELE, DE GIOCONDA BELLI.

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 15/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • O país sob minha pele, romance corpus desta pesquisa, é constituído pelas memórias de Gioconda Belli. A autora relembra sua criação em uma família rica; revela como participou da guerrilha sandinista, que derrubou a ditadura de Somoza; rememora a reconstrução da Nicarágua após a vitória das tropas revolucionárias; e relata também sua vida amorosa. O objetivo geral da pesquisa é examinar a participação da mulher no processo de construção da identidade nacional na Nicarágua, como apresentado por Gioconda Belli em O país sob minha pele. Como objetivos específicos, pretende-se examinar as instituições patriarcais que constroem e reproduzem papeis de gênero fixos; investigar a participação da mulher no movimento revolucionário na Nicarágua; e investigar a emancipação sociopolítica da mulher como retratada no romance. O trabalho foi desenvolvido através de pesquisa qualitativa bibliográfica, que traz a abordagem principalmente sobre o patriarcalismo e as instituições patriarcais que perpetuam a dominação do homem sobre a mulher; é apresentada também a busca por emancipação feminina, através das atitudes de Belli e outras mulheres que se apresentam no livro. Nessa análise são citados autores como Zinani (2006), Spivak (2012), Touraine (2007), dentre outros. Também é feita uma análise da relação entre mulher e nação, dando-se ênfase à participação da mulher na luta armada. Para tanto, cita-se Zinani (2010), Mattoso (2010), Walby (2000), dentre outros pesquisadores. Aborda-se também a participação da mulher na política, uma vez que Gioconda Belli participou ativamente do movimento sandinista, acreditando que seu país poderia ser melhor governado sem os ditadores da família Somoza; essa participação representa um avanço no comportamento da mulher que sempre viveu reclusa no ambiente doméstico. Percebe-se que, apesar do patriarcalismo e da reclusão em uma vida doméstica, a mulher tenta conquistar um espaço na vida social, lutando pelo que considera mais justo para seu país, sendo assim, agente de transformação social. Percebe-se também que, apesar de não reconhecido pela historiografia oficial, a mulher participa do projeto de construção nacional na Nicarágua, como demonstrado por Gioconda Belli.

  • LUZIANA DE SOUSA LEAL
  • A referenciação em Cartazes de Campanhas Socioeducativas: um diálogo entre o verbal e o   não verbal.

  • Data: 15/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo investigar as relações presentes entre as linguagens verbal e não verbal a estrutura composicional de textos multimodais, particularmente do gênero Cartaz de Campanhas Socioeducativas, e, mais especificamente, descrever os processos referenciais envolvidos na construção de referentes homologados nesses textos por meio das linguagens verbal e imagética.  Com o advento da concepção sociocognitiva do texto, a qual preconiza que este se constitui como o próprio lugar da interação, sendo o seu sentido construído colaborativamente pelos interlocutores, é fato que o estatuto atual do texto sinaliza que sua concepção deva ir além dos limites materiais da superfície linguística. Desse modo, assumindo o processo de referenciação como uma atividade sociocognitiva e interacional, detentor de um caráter dinâmico e multifuncional, com base em autores como Mondada e Dubois (2002), Koch e Cunha-Lima (2006), Lima (2009), Cavalcante (2011) e Custódio Filho (2011). Acredita-se também que este pode relacionar tanto elementos verbais como imagéticos na construção de objetos de discurso em textos multimodais.  Assim, conjectura-se que a construção de referentes, que há algum tempo estava restrita apenas a forma verbal, deva ampliar-se também em direção a outros modos semióticos, dentre eles a imagem. Como auxílio na interpretação dos elementos visuais presentes nos textos multimodais envolvidos nesta pesquisa, recorre-se ao escopo da Gramática do Design Visual (KRESS; VAN LEEUWEN, 2001, 2006), a qual propõe uma sistematização do processo de leitura de imagens estáticas, semelhante ao que ocorre com elementos verbais. De acordo com os objetivos a serem atingidos neste trabalho, optamos por fazer uma pesquisa de cunho qualitativo com análise descritiva dos dados, tendo como base teórica a Linguistica Textual numa interface com a Semiótica Social, no que diz respeito ao uso de categorias da Gramática do Design Visual para a análise da linguagem não verbal. Para tanto, foi constituido um corpus formado por dez Cartazes de Campanhas Socioeducativas, relativas ao respeito às leis de trânsito e cuidados com a saúde. Os resultados das análises atestam que o processo de referenciação em textos multimodais pode ocorrer entre mais de um modo semiótico, sendo que neste corpus investigado existiu uma relação de interdependência semântica entre as linguagens que foi fundamental para a construção dos sentidos dos textos. Ficou demonstrado também que os referentes podem ser homologados não só por expressões verbais, mas também por meio de elementos imagéticos, constituindo-se assim o que aqui se denominou de referentes visuais.

  • MARIA DO LIVRAMENTO DA SILVA DIAS
  • As colunas sociais nos jornais piauienses

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 08/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • A coluna social é um gênero que possui lugar cativo nos jornais brasileiros. Marcada pela diversidade de propósitos comunicativos e por tratar de assuntos diversos, esse gênero está relacionado a diferentes ações comunicativas na sociedade. Apoiado pela teoria dialógica de Bakhtin e pelos estudos de gênero da linha sociorretórica, o objetivo desta dissertação é descobrir como funciona o gênero coluna social nos jornais piauienses, investigando quais os propósitos comunicativos desse gênero e como este influencia os elementos constitutivos do gênero: tema, estilo e estrutura composicional. Nosso corpus é composto pelas colunas Prisma, Vogue e Órbita, publicadas nos três principais jornais do estado e foi coletado ente os meses de abril a junho de 2014. Nossas análises apontaram para 5 propósitos comuns às três colunas: relatar ação particular, divulgar evento ou variedade, relatar e/ou apreciar fato social, relatar e/ou apreciar tema político e criticar serviço ou comportamento. Nossas discussões sobre a análise qualitativa nos permite afirmar que relatar ação de pessoas da alta sociedade ainda configura-se como o principal propósito comunicativo das colunas socais, entretanto o gênero apresenta propósitos inesperados para senso comum como cobrar dos órgãos públicos ações de melhorias para problemas sociais ou realizar comentários críticos sobre a situação política ou econômica do estado, o que indica que tais colunas se mostram muito mais sensíveis para temas mais amplos. A diversidade propósitos comprova que as colunas atuais tentam atender ao interesse de um público heterogêneo A análise de conteúdo mostrou que os assuntos mais comentados e seus respectivos temas nas colunas são: pessoas (meliorativo, promocional), cidades (crítico, fiscalizador), política (especulativo, declaratório, informativo, pejorativo, meliorativo), Estado (impessoal,informativo, fiscalizador), eventos (impessoal, meliorativo) e instituições privadas (meliorativo, promocional). Assuntos com temas tão diferentes são explicados pelos propósitos comunicativos que acabam determinando como cada fato deve ser tratado. Sobre o estilo, percebemos que nas notas mais informativas mantém-se uma linguagem objetiva e clara, já as notas com propósito de criticar possuem menos formalidade e utilizam uma linguagem mais descontraída, com uso de expressões regionais ou memes da internet. A estrutura composicional possui elementos como as seções fixas, que indicam o leitor o propósito das notas, e as fotografias, elementos indispensáveis nas colunas sociais, que ajudam na função de enaltecer os referentes, sendo suas legendas construídas também com esse intuito. Os resultados encontrados demonstram que as colunas não continuam dando destaque à vida de glamour das altas rodas da sociedade, contudo vem tentando provar que está atenta aos fatos sociais que ocorrem no estado e interferem na vida de todos os cidadãos. Os colunistas assumem o papel de ouvidores e denunciam problemas sociais que rompem os muros da alta sociedade, indicando servir a grupossociais distintos.

  • ANANDA VELOSO AMORIM OLIVEIRA
  • Incursão pelas práticas de leitura e de produção de texto na Universidade: os multiletramentos e letramentos digitais no ensino presencial e a distância do curso de Letras

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 05/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objeto de estudo as atividades de leitura e de produção de texto desenvolvidas com foco nos multiletramentos e letramentos digitais, na disciplina de Leitura e Produção de Texto II, do curso de Letras Português da Universidade Federal do Piauí (UFPI), tanto na modalidade de ensino presencial quanto a distância. Buscamos responder se as atividades desenvolvidas favoreceram ou não os multiletramentos e letramentos digitais dos alunos. Para tanto, identificamos essas atividades, descrevemos e as comparamos, além disso, caracterizamos e comparamos também as ações dos professores e alunos, respectivamente, durante o processo de condução e execução dessas atividades. Utilizamos como aporte teórico, principalmente, Dionísio (2006); Cope; Kalazantzis (2006 [2000]); Street (2007); Santaela (2007); Rojo (2009); Rojo; Moura (2012); Martins (2012); Dias (2012) e Rojo (2013a, 2013b), sobre multiletramentos. E para nortear a discussão sobre letramentos digitais: Soares (2002); Buzato (2006); Coscarelli (2009); Xavier (2011); Coscarelli; Ribeiro (2011); Saito; Ribeiro (2013) e Rojo (2013b). Pautamo-nos em pesquisa de campo, com metodologia etnográfica, de abordagem descritiva e interpretativista, que foi realizada mediante a utilização das técnicas de observação participante, entrevistas informais, aplicação de questionários e gravações para coleta de dados. Além disso, adotamos o evento de letramento como unidade de análise, para transcrição das atividades que envolveram leitura e produção de textos em sala de aula, as quais foram descritas, fossem elas impressas ou virtuais, no caso das desenvolvidas nas plataformas Moodle e SIGAA. Constatamos que no ensino presencial, essas atividades favoreceram mais a prática dos multiletramentos do que no ensino a distância, de forma que houve trabalhos colaborativos, foi prezado e valorizado em sala o trabalho com a oralidade, seja pelo direito à palavra que foi dado no decorrer da disciplina, embora de forma monitorada ou pela realização do gênero oral: seminário; já no ensino a distância, as atividades favoreceram principalmente os letramentos digitais, à medida que os alunos se apropriaram dos recursos disponíveis na plataforma Moodle para formatar seus textos, anexar arquivos, fazer download, dando indícios de autoria e fazendo uso de linguagens que não fosse só a verbal escrita/digitada, mas também a não verbal. Destacamos que os letramentos digitais embora já esperados, na modalidade a distância, em nenhum momento foram postos como objetos de ensino, enquanto que na presencial, isso foi feito.

  • JACQUELINE DANTAS WANDERLEY MARQUES
  • Um estudo crítico sobre estratégias e atividades de leitura no Ensino Médio: um perfil em algumas escolas estaduais de Picos-PI

  • Orientador : MARIA ANGELICA FREIRE DE CARVALHO
  • Data: 05/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação objetiva investigar estratégias de leitura empregadas por alguns professores de Língua Portuguesa (L.P) em salas de aula do Ensino Médio (E.M), da rede pública estadual de Picos-PI, levantando uma reflexão crítica sobre as contribuições destas para o processo de compreensão leitora dos alunos. Em extensão, verificar se essas estratégias correspondem ao objetivo de promover a competência crítica dos alunos do E.M conforme pressupostos do OCNEM. Nesse contexto, propusemos as questões de pesquisa: que tipos de estratégias se destacam nas propostas aplicadas aos alunos do Ensino Médio e como essas estratégias proporcionam o desenvolvimento da compreensão leitora crítica? Assim, do ponto de vista teórico-conceitual buscamos apoio em Bartlett (1932), Goodman (1967, 1984), Gough (1972), Rumelhart (1980), Leffa (1996), Kleiman (2000, 2008), Braggio (1992), autores que investigam os modelos de leitura e o processo de compreensão leitora. Esta pesquisa também considera as contribuições de Solé (1998), Van Dijk (2002) dentre outros que desenvolvem a temática das estratégias de leitura e sua importância para o processo de compreensão. Contamos, ainda, com a apreciação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional no 9.394/96 e das Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (OCNEM) que norteiam a educação brasileira. Trata-se de uma pesquisa qualitativa interpretativista ancorada na perspectiva de Erickson (1985). Os sujeitos e o contexto da investigação compreendem professores de L.P que atuam no E.M em escolas públicas da rede estadual de ensino na cidade de Picos-PI. Os dados necessários para a análise das estratégias de leitura utilizadas pelos professores pesquisados foram definidos por meio de questionários, memorial docente e observações de aulas de leitura junto a estes professores nas escolas selecionadas. A análise dos dados se constituiu de modo descritivo e interpretativo dos questionários e memoriais docentes; do estudo das aulas observadas tomando por base as categorias ancoradas na Taxonomia de Barrett para as estratégias de leituras elencadas: compreensão literal, compreensão inferencial, reorganização e leitura crítica. A partir das informações coletadas e interpretadas evidenciou-se que os professores de L.P nas atividades de leitura com textos escritos empregam estratégias de leitura metacognitivas, buscando a construção do sentido literal e global dos textos por parte dos seus alunos. O referido estudo confirmou também que a leitura crítica ainda é pouco explorada, visto que as escolas privilegiam os conteúdos gramaticais em suas aulas de L.P, ficando essa função social da leitura em segundo plano. Com a construção deste trabalho, tivemos a intenção de ressaltar a importância da utilização das estratégias de leitura metacognitivas como condição para a formação de leitores críticos que saibam ler e posicionar-se diante dos mais diversos tipos de textos existentes nas diferentes esferas das atividades sociais – literária, científica, publicitária, religiosa, etc.

  • HERMITO LEITE DE CARVALHO FILHO
  • A posição do predicativo no PB: uma (re)análise dos postulados tradicionais à luz da gramática gerativa.

  • Orientador : RONALD TAVEIRA DA CRUZ
  • Data: 30/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação faz uma análise prévia da posição do predicativo empreendido pelo modelo da tradição gramatical. O suporte teórico da análise é a teoria de princípios e parâmetros da gramática gerativa fundamentada por Chomsky (1981, 1986). A estrutura de predicação em evidência é a do tipo [SUJEITO ... PREDICADO] sem flexão verbal em que essa estrutura pode ou não formar um constituinte único. Se [SUJEITO ... PREDICADO] formam um constituinte único estamos diante de uma Small Clause (Stowell, 1983) e o predicativo encontra-se numa posição de complemento de V; se não forma um constituinte único, estamos diante de predicados secundários e o predicativo encontra-se numa posição de adjunto. Esses predicados secundários se dividem, ainda, em predicados secundários orientados para o sujeito [DP] IP e predicados secundários orientados para o objeto [DP] VP. A tradição gramatical não especifica uma posição sintática para o predicativo. Bechara, aqui considerado fora dessa tradição gramatical, estabelece que o predicativo se posiciona na posição de complemento quando inserido em sentenças com cópula e na posição de “anexo” quando foge a esse paradigma. A teoria Small Clause comprova que o predicativo quando inserido em sentenças com a cópula, realmente situa-se numa posição de complemento, porém com outros moldes sintáticos (inacusativos) diferente de Bechara. No restante incluído como anexo, vemos problemas na fundamentação com sentenças em que atuam verbos considerar, que também evidencia posição de complemento para o predicativo. Nas demais situações com verbos transitivos do tipo encontrar e monoargumentais do tipo telefonar/chegar, o predicativo assume a posição de adjunto, adjunto a VP para os primeiros e adjunto a IP para os segundos.

  • SÍLVIA MÔNICA MOURA LIMA
  • Remix de hipermídias: reflexões sobre o desenvolvimento da habilidade de leitura na disciplina de inglês instrumental

  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 17/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem como objetivo, em linhas gerais, descrever e analisar como os remixes de hipermídias articulam-se no desenvolvimento da competência leitora em língua inglesa por meio de estratégias metacognitivas numa turma de inglês instrumental da UFPI. A prática de remixar textos digitalmente pode ser definida como as edições em recortes e colagens de textos diversos que juntos produzem significados, mas que não alteram a sua essência integralmente. Alguns exemplos são as músicas remixadas, os memes e certos textos hipermidiáticos. O propósito de utilizar o remix de hipermídias, na disciplina de inglês instrumental, é possibilitar durante o processo de mediação da leitura que os alunos leiam e produzam remixes de textos multimodais para que através dessa mescla possam utilizar as estratégias metacognitivas de leitura refletidas nas aulas como a ativação de conhecimentos prévios, a realização de previsões (confirmações e refutações),a identificação de palavras cognatas, palavras-chave, marcas tipográficas etc. para que, assim, os alunos consigam desenvolver sua competência leitora em língua inglesa. Essa remixagem consiste numa colagem de hipermídias (textos provenientes da internet) como imagens, vídeos, músicas, textos em português, associadas ao tema do texto central. Este trabalho, portanto, insere-se nas reflexões atuais sobre tecnologias, multiletramentos e especialmente no processo de ensino e aprendizagem de leitura em língua inglesa. Contemplando um pouco sobre os variados letramentos que desenvolvemos para participarmos ativamente de nossa sociedade, destacamos os multiletramentos e em especial os digitais. Assistir/ler vídeos e enunciar por múltiplos textos em redes sociais são geralmente atividades imprescindíveis no cotidiano das pessoas. Sabemos que os jovens são seus usuários mais ativos e, dentre suas práticas, podemos elencar os selfies e os remixes de textos, fotos e vídeos, onde normalmente adicionam filtros e outros efeitos para produzir e construir sentidos. Além da remixagem de textos, evidenciamos outra atividade bastante regular no cotidiano das pessoas: a leitura de hipermídias. Sua leitura oportuniza uma postura bem mais ativa do leitor devido a sua tomada de escolhas perante os nós textuais que clica, os quais incidem sobre sua compreensão e o desenvolvimento de estratégias (meta)cognitivas, e dentre essas citamos a possibilidade de realizar inferências e construir sentidos por linguagens verbais ou não. Retomando a esses letramentos, refletimos que o remix de hipermídias durante o processo de desenvolvimento da leitura em língua inglesa, pode ser importante, pois além de refletir os multiletramentos que os discentes desenvolvem no meio virtual, também pode servir de motivação para que os alunos utilizem estratégias de leitura.Do ponto de vista teórico, apoiamo-nos na concepção de leitura desenvolvida por Smith (2004[1971], Goodman (1976), Kintsch e van Dijk (1978), Stanovich(1980), e discutida por outros autores como Carrell (1989; 1998), Nuttal(2005), Koch e Elias (2007) e Kleiman (2008a;b). No tocante aos usos de estratégias metacognitivas de leitura, fundamentamo-nos principalmente em Brown (1977;1980), Holmes (1982) van Djik; Kintsch (1983), Gadelha(2007). Em relação aos multiletramentos e letramentos digitais, como o remix e a leitura de hipermídias, embasamo-nos sobretudo em Cope e Kalantzis (2000), Kress (2000), Burbulles e Callister (2001), Bolter (2001),  Manovich (2007), Jewitt(2008), Knobel e Lankshear(2008), Navas (2010) .Para realização dessa dissertação, amparamo-nos na pesquisa de narrativas conforme Connelly e Clandinin(1990). O contexto de pesquisa foi uma turma da disciplina de Inglês Instrumental da UFPI. Os sujeitos foram a pesquisadora-participante e os alunos da disciplina. Os dados foram coletados entre os dias 25 de abril e 8 de agosto de 2014. Nossos corpora foram compostos por observações participante e relatos de experiência. Como procedimentos de análise, buscamos compor sentidos através da formulação de temas segundo van Manen (1990). Diante do processo de composição de sentidos, uma das evidências temáticas foi constatar que as atividadesde leitura com remixes de hipermídias foram qualitativas para o desenvolvimento da leitura através das estratégias metacognitivas.

  • RAIMUNDA MARIA DOS SANTOS
  • TEATRALIZAÇÃO DOS ASPECTOS IDENTITÁRIOS DO SUJEITO NORDESTINO NA OBRA DE ARIANO SUASSUNA AUTO DA COMPADECIDA

  • Orientador : ERICA RODRIGUES FONTES
  • Data: 05/03/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva investigar na peça teatral tragicômica Auto da Compadecida (1955) de Ariano Vilar Suassuna, como se apresentam os aspectos identitários do sujeito do Nordeste do Brasil, organizando as particularidades literárias que os traduzem. Para tanto, no decorrer dos estudos cumpre-se os seguintes objetivos específicos: a) identificar a peça Auto da Compadecida no panorama teatral brasileiro e como Shakespeare, Gil Vicente e Nelson Rodrigues a inspiram, examinando elementos comuns no fazer artístico literário desses dramaturgos, b) analisar a questão da identidade cultural do povo Nordestino, avaliando elementos literários relacionados às personagens caricaturais que auxiliam na compreensão do da formação identitária desse povo e, c) caracterizar os personagens da peça teatral Auto da Compadecida sob o ponto de vista das relações etnorracial, da linguagem e de gênero, identificando a construção identitária pelo processo da hibridação e das relações pautadas no binarismo homem/mulher. O estudo adota a pesquisa bibliográfica qualitativa explicativa na análise da peça suassuniana, articulando um diálogo entre teoria teatral e Estudos Culturais. Assim, tem-se como embasamento os pressupostos teóricos de críticos como Sábato Magaldi (1997), Ronald Peacoch (2011), Manfred Schmeling (1982) e Décio Prado (2001), além das contribuições de autores como Raymond Williams (2002), Stuart Hall (2003) e Roberto Pontes (2001) para tratar da teatralização dos aspectos identitários e culturais de um povo. Os resultados da pesquisa indicam que a peça Auto da Compadecida acomoda indícios do auto vicentino, do drama shakespeareano e do teatro popular rodrigueano, valorizando a tradição literária ao tempo que se lança no panorama brasileiro enquanto recriação do teatro popular brasileiro. E ainda, ressalta-se, em sua
    composição, elementos literários que auxiliam na compreensão da processual e contínua formação identitária do povo Nordestino, suscitando reflexões sobre o processo de hibridação implicado pela prática do estereótipo e também, sobre as mudanças sociais a partir desse processo e das relações de gêneros.

  • TARCILANE FERNANDES DA SILVA
  • Um estudo semântico-enunciativo dos verbos tomar e levar no português.

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 02/03/2015
  • Mostrar Resumo
  • Propomos uma pesquisa que se insere no quadro Teórico das Operações Enunciativas (TOE), idealizada por Antoine Culioli. Essa vertente apresenta uma abordagem diferenciada no estudo dos lexemas verbais. Sustentamos que a composição do valor semântico do enunciado é insuficiente para explicar as interações entre as unidades linguísticas e as variações a que estas unidades se encontram submetidas. A percepção dessa limitação levou os pesquisadores culiolianos a proporem um modelo de identidade semântica em que a variação advém da identidade da unidade, sendo esta, um campo heterogêneo que obedece a princípios reguladores e específicos da atividade de linguagem. Sob essa ótica, propomos a análise dos verbos “tomar” e “levar”, a fim de explicitarmos a identidade desses lexemas a partir das diversidades de suas ocorrências. Para tanto, inserimos esses verbos num contexto de conceitos como os de identidade, variação e polissemia segundo a TOE.

2014
Descrição
  • DANIELA BATISTA E SILVA
  • O DITADOR E A REDE: METAFICÇÃO, PARÓDIA E SÁTIRA DO POPULISMO AUTORITÁRIO

  • Orientador : ANA MARIA KOCH
  • Data: 28/11/2014
  • Mostrar Resumo
  • O objeto de estudo desta dissertação é o romance Le dictateur et le hamac (2005), do escritor Daniel Pennac, traduzido para o português por Bernardo Ajzenberg com o título O Ditador e a Rede (2005). Nesta obra o autor constrói uma trama composta por duas camadas narrativas, uma interna à outra, configurando uma construção mise en abyme, ou seja, uma obra que contém outra em seu interior. Tem-se uma ditadura por um lado, com a narrativa interna do ditador e seus sósias e, por outro ângulo, uma narrativa aos moldes narrativos de metaficção. A metodologia empregada na elaboração da dissertação foi de cunho teórico e bibliográfico. Objetivou-se apresentar como O Ditador e a Rede pode ser analisado como narrativa metaficcional e paródica verificando especialmente como se manifesta o discurso satírico no romance. A fundamentação teórica para o exame da estruturação do texto literário teve como base a proposta de Carlos Reis (1999); o conceito de paródia moderna foi estudado como proposto por Linda Hutcheon (1985) e a metaficção por Ana Paula Arnaut (2002). A conclusão do trabalho obtido é o de que a sátira do romance é dirigida ao poder e à sua manutenção, poder assegurado tanto pelos governantes como também pelo povo, não somente pela esfera política. Concluímos que a estruturação das duas camadas narrativas e os elementos desencadeadores da sátira – as intertextualidades, as paródias e os caracteres de metaficção – permitem perceber que O ditador e a rede também possui configuração característica dos romances pós-modernos.

     

  • DENISE LAYANA PINHEIRO NASCIMENTO
  • A INFLUÊNCIA ESTADUNIDENSE NA IDENTIDADE CANADENSE EM SURFACING, UM ROMANCE DE MARGARET ATWOOD

  • Orientador : ERICA RODRIGUES FONTES
  • Data: 29/09/2014
  • Mostrar Resumo
  • O Canadá, no decorrer da história, tem sido influenciado pelos Estados Unidos: fato que pode ser percebido no romance Surfacing (1978), de Margaret Atwood. Objetiva-se, portanto, perceber as influências estadunidenses dentro da identidade canadense neste romance, em especial na análise da protagonista, que, simbolicamente, representa todo o povo canadense. Tem-se por objetivos específicos: a) analisar historicamente os Estudos Culturais e a literatura canadense dentro do Canadá; b) realizar um estudo geral do termo “identidade”, e analisar, especificamente, a identidade canadense no Canadá; c) averiguar características estadunidenses dentro da narrativa; e d) perceber a literatura canadense como tradicional, através das semelhanças postuladas entre as obras literárias do Canadá. Esta dissertação adota a pesquisa bibliográfica qualitativa. Como pressupostos teóricos relacionados aos Estudos Culturais, tomam como base apontamentos de Cevasco (2003). A base teórica sobre identidade se apoia em pressupostos de Hommi Bhabha (1998) e Stuart Hall (2006). Quanto à identidade canadense, a base teórica encontra-se em Atwood (1972). No que diz respeito às características estadunidenses, as referências teóricas estão embasadas em Thomas Stead (2014), Richard Pells (1997), Rydell e Kroes (2005), Antônio Pedro Tota (2009), entre outros. O resultado desta dissertação demonstra que a relação de dominação entre Estados Unidos (opressor) e Canadá (oprimido) é também revelada na individualidade de cada cidadão canadense através da vitimização. Esse simbolismo é realizado na figura da protagonista de Surfacing.    A protagonista, porém, consegue encontrar um equilíbrio, na junção de seu passado ao seu futuro (do canadense ao estadunidense) em uma espécie de hibridismo e recriação cultural.

  • VANESSA RAQUEL DA COSTA FURTADO
  • A (RE) CONSTRUÇÃO DO REFERENTE OVERMAN NAS TIRAS CÔMICAS DE LAERTE

  • Data: 29/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa visa investigar os processos referenciais na construção de sentidos das tiras cômicas, considerando para tanto os elementos verbais e visuais como partícipes do processo de significação. Com vistas a alcançar os objetivos propostos, selecionamos um corpus de nove exemplares de tiras cômicas, da série Overman, de Laerte, nos quais a construção dos referentes depende da articulação verbovisual do texto. A (re) construção do referente Overman (personagem-título) é o foco de nosso estudo. Escolhemos dentro da série três temáticas para sistematizar as análises: “o herói sem prestígio”, “Overman, o tolo” e “Overman, o truculento”. A ênfase da pesquisa está na consideração de aspectos verbovisuais que auxiliam na (re) construção do referente Overman, não deixando de considerar outros casos presentes nas tiras selecionadas. O interesse pelo trabalho com as histórias em quadrinhos, mais especificamente com as tiras cômicas, dá-se pelos textos do gênero serem facilmente acessíveis, de características híbridas, em que o propósito comunicativo é alcançado num trabalho entre produtor e espectador (para utilizar um termo da GDV). Fundamentamos o trabalho da construção referencial nas categorias aplicadas em textos multimodais elencadas por Custódio Filho (2011), com base em Cavalcante (2003; 2004) e os conceitos de sistemas de significados da Gramática do Design Visual (GDV), de Kress e van Leeuwen (2006), advinda dos estudos em Semiótica Social. Para as apreciações teóricas acerca da perspectiva sociocognitiva, multimodalidade e Referenciação, baseamo-nos em Koch e Cunha-Lima (2007), Koch (2004; 2011), Cavalcante e Custódio Filho (2010), Bentes, Ramos e Alves Filho (2010),

    Capistrano Jr (2012), Ciulla e Silva (2008), Silva (2013) e Lima (2009). Realizamos a pesquisa da seguinte forma: selecionamos a série em questão e, de um universo de 227 tiras que estão publicadas no site do autor, escolhemos três exemplares das temáticas mais recorrentes, citadas anteriormente; em seguida, verificamos como se deu a construção do referente Overman, que processos de Referenciação foram aplicados na construção de sentido e como as categorias da GDV auxiliam na ampliação da significação desse e de outros referentes nas tiras. Desenvolvemos então as análises, com base na fundamentação teórica adotada, de forma que pudéssemos perceber os aspectos supracitados e, com este estudo, confirmamos nossa hipótese de que a construção de referentes no gênero tira cômica é influenciada diretamente por seu caráter multimodal, sendo os sentidos constituídos na imbricação entre o material verbal e visual.

  • MARIA DO SOCORRO DE ANDRADE FERREIRA
  • O PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO E OS ENUNCIADOS DAS QUESTÕES NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO

  • Data: 29/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste estudo é examinar o enunciado das questões em atividades do livro didático tendo como foco o Princípio da Cooperação. A leitura de alguns trabalhos como de Antunes (2003) e Marcuschi (2005) nos motivaram a busca em saber a relevância das máximas de cooperação para a compreensão e posterior resolução das atividades do LD, como elas contribuem para o ensino de língua materna. Para isto nos apoiamos na teoria Armengaud (2006), Costa (2008), Grice (1975 [1967]), Levison (2007), Marcondes (2005) e Moura (1999). Sobre o ensino de português e mediação pedagógica temos: Antunes (2003) e (2007), Bortoni (2013), Geraldi (1997). Acerca do livro didático, Buzen (2009), Brasil (1998), Marcuschi (2001) e Rangel (2005), ainda outros autores fundamentam nosso corpo teórico. Para realização da pesquisa adotamos o método qualitativo descritivo, logo descrevemos o que constatamos no livro didático e nas aulas observadas. A partir de nossa investigação teórica vimos que o ensino de língua portuguesa vêm se distanciando de uma postura que outrora estava mais centrada no código, mas, apesar da existência do debate que confronta a língua em função do que com ela os seus usuários podem realizar, ainda é notório a presença de questões nas atividades do LD, que demonstram o entendimento da língua como instrumento de comunicação não problematizado.

  • WALDERICE DE CARVALHO RODRIGUES
  • DO ROMPIMENTO DE BARREIRAS (QUASE) INTRANSPONÍVEIS ÀDISPOSIÇÃO DE SE LANÇAR: ASSIS BRASIL NO MERCADO EDITORIAL BRASILEIRO DOS ANOS DE 1960 E 1970.

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 29/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Tendo em vista a análise da postura do escritor piauiense Assis Brasil ante o mercado editorial e suas complexidades durante os anos de 1960 e 1970 no Brasil, essa dissertação apresenta como base os impasses gerados a partir da busca deste escritor pela edição de suas obras em um lugar literário permeado por leis específicas. A publicação da obra de Assis Brasil e o mercado editorial dessa mesma época, dentre outros aspectos, comungam dos mesmos entraves para a disseminação de uma produção cultural literária em consequência de estar inserida no momento em que se estabelece o período ditatorial no contexto social brasileiro. Considerando que tal questão é de fundamental relevância para uma melhor compreensão dessa dissertação, os estudos de alguns teóricos, incluindo-se aí a teoria de Roger Chartier sobre a história do livro, na qual ele afirma que, antes e depois de Gutenberg, as estruturas fundamentais do livro eram as mesmas, porém sempre sujeitas às revoluções, além das técnicas de impressão e publicação. Para tanto, vale ressaltar também a importância de se discutir, nesse trabalho, o campo cultural literário brasileiro daquela época, bem como os agentes literários que nele atuavam, os escritores, os editores, os críticos literários e os leitores numa abordagem defendida por Pierre Bourdieu ao apresentar sua concepção acerca do conceito de ‘campo de produção cultural’ e as estratégias de entrada e permanência nesse cenário. Por fim, foram abordadas, com mais detalhes, as estratégias de Assis Brasil e a luta pela inserção em um mercado editorial e um cenário cultural literário fortemente regidos por especificidades nem tão claras num período de fechamento político ferrenho.

  • MARCELA SOARES GALVÃO
  • O Fantástico de Murilo Rubião como crítica à Sociedade

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 28/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação tem como objetivo analisar aspectos do fantástico recorrentes na obra de Murilo Rubião, em especial, nos contos “O ex-mágico da taberna minhota”, “O edifício”, “A fila”, “A cidade”, “O pirotécnico Zacarias” e “Teleco, o coelhinho”, como uma crítica aos valores vigentes e a incompreensão da sociedade na qual o autorestava inserido. Para alcançar tal objetivo, averiguar-se- á como os seguintes temas se encontram presentes nas narrativas selecionadas: os elementos do fantástico e a crítica social representada através destes. Busca-se entender como a obra muriliana refere-se a um momento de transformação e crise no Brasil, e como o homem é apresentado como sendo um ser desconcertado, cuja formação crítico-social é responsável pela angústia e pelo desencontro deste homem com o mundo. A pesquisa se fará em um aspecto crítico-analítico acerca da fortuna crítica de Murilo Rubião.Dentro da estética fantástica encontram-se duas vertentes possíveis: o fantástico tradicional (TODOROV, 2004) e o fantástico moderno (SARTRE, 2005). Com Sartre, o fantástico moderno ganha “afinidade” com a obra de Murilo Rubião.

  • FRANCIMARIA MACHADO DO NASCIMENTO
  • O DESENVOLVIMENTO DA COMPETÊNCIA LEITORA EM UM CURSO DE INGLÊS INSTRUMENTAL

  • Orientador : BEATRIZ GAMA RODRIGUES
  • Data: 27/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho de pesquisa tem por objetivo expor as observações e reflexões obtidas em um curso de leitura de inglês instrumental projetado para esse fim. A intenção respaldou-se na introdução das estratégias de leitura como um dos meios para melhorar a compreensão de textos escritos em língua inglesa. O curso foi ofertado em uma escola da rede pública para alunos e professores. Na fundamentação teórica desta pesquisa abordamos o conceito e os modelos de leitura, bem como a leitura em língua estrangeira, os autores Moita Lopes (1988), Dell’isola (2001), Leffa (1996) comentam sobre leitura; Meurer e Heberle (1993) e Carrel (1988) relatam a teoria dos esquemas e sua importância, Grabe (1993), Kintsch e van Dijk (1978), Rumelhart (1977) se coadunam com o modelo de leitura interativo.  Smith (1998) e Goodman (1988), se alinham com os modelos de leitura descendente, Silveira (2005) expõe sobre a metacognição e estratégias de leitura, Aebersold e Field (1997) se referem aos tipos de esquemas, Araújo et al (2002) trata das estratégias de leitura com textos em língua estrangeira, PCNs (1998), Rego (2008) e MORATO (1988) comentam a teoria sócio-histórica de Lev Vygotsky, entre outros. A abordagem metodológica escolhida foi à pesquisa-ação (THIOLLENT, 2008), a pesquisa bibliográfica (OLIVEIRA, 2013; LAKATOS, 1992) e a pesquisa qualitativa (GODOY, 1995; SILVA, 2012). Os dados foram feitos a partir da coleta dos meses de Março a Junho de 2013 através das respostas provenientes de três questionários aplicados em sala de aula pela pesquisadora. A interpretação das observações dos participantes desse curso está fundamentada em torno de temas predominantes sobre as reflexões deles no que diz respeito às suas expectativas do curso, o conhecimento da língua inglesa, a leitura em língua estrangeira e as estratégias de leitura. A análise dos dados coincidiu com as expectativas de melhoras na leitura de textos em língua estrangeira, especificamente, a língua inglesa.

  • LILA LÉA CARDOSO CHAVES COSTA
  • Memórias e identidades em Mayombe de Pepetela

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 20/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa tem como corpus o romance Mayombe (1980) de Arthur Carlos Maurício Pestana dos Santos, conhecido como Pepetela. O objetivo geral da pesquisa é investigar a memória em sua relação com a construção de identidades no romance Mayombe (1980) de Pepetela. Tem-se como objetivos específicos: a) verificar como a memória é ideologicamente usada no processo histórico de construção de identidades; b) examinar a representação da memória coletiva e da identidade de grupo no contexto da luta anticolonial; e c) investigar como são representadas as memórias das personagens principais do romance. A pesquisa utiliza-se de pesquisa bibliográfica qualitativa explicativa aplicada à análise do romance Mayombe (1980) de Pepetela. Os pressupostos teóricos relacionados à memória tomam como base reflexões de Le Goff (1994), Marc Bloch (2001), Maurice Halbwachs (1990), Paul Ricoeur (2010/2007), Peter Burke (1992), Marcio Seligmann (2006) e Joël Candau (2011). Os pressupostos relacionados às identidades sustentam-se em Edward Said (1990), Stuart Hall (2003), Homi Bhabha (1998) e Frantz Fanon (2008). Em forma de conclusão, ressalta-se em Mayombe (1980) de Pepetela o papel da memória, tão amplamente marcada por pressões ideológicas, na construção de identidades, enfatizando- se que as memórias, mesmo que individualizadas e representando experiências particulares, são construídas em contextos históricos e sociais comuns, possibilitando a construção de uma memória coletiva que se mostra determinante para a construção de uma identidade de grupo e para o fortalecimento da resistência anticolonial em Angola no período de luta armada pela independência do país.

  • FRANCISCA JACQUELINE PENHA SANTOS
  • AIDS NO CARNAVAL: em cartaz, um diálogo bakhtiniano sobre tema e leitor presumido”.

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 08/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • O número de pessoas, no Brasil, infectadas pelo vírus HIV é crescente a cada ano, mesmo com a grande quantidade de informações divulgadas pelos meios de comunicação, entre os quais, destacamos em nosso estudo os cartazes das campanhas publicitárias de combate à AIDS. Refletindo acerca dessa problemática é que a presente pesquisa consiste em investigar a maneira como é abordada a temática da AIDS e de que forma são construídos os leitores presumidos nos discursos materializados, linguístico e imageticamente, através dos cartazes de luta contra à AIDS desenvolvidos no período do carnaval a partir do ano de 1999 até 2013 e distribuídos pelo Ministério da Saúde. Neste trabalho, baseamo-nos, prioritariamente, nos pressupostos teóricos do Círculo de Bakhtin (2012[1929]; 2011[1979]; 2010[1975]; 1976[1926]) concernente aos gêneros do discurso, que desenvolve suas bases epistemológicas refletindo sobre a natureza socioideológica e discursivo-dialógica da linguagem. Subsidiando essa linha de pensamento, encontramos nas teorias da esfera publicitária autores como HOLLIS (2010) e MOLES (1974) que tratam da construção histórica e estilística do gênero cartaz, bem como, SANT’ANNA (2006) que discute quanto à retórica visual envolvendo a articulação dos elementos verbo-visuais, de modo estratégico, com o intuito de construir uma realidade que atenda ao projeto discursivo do autor-criador. Seguindo a abordagem sociológica bakhtiniana, partimos, inicialmente, da contextualização histórico-cultural em que o gênero cartaz encontra-se inserido, de modo a analisar o enunciado a partir de sua realidade concreta que acontece através da interação social entre os sujeitos da enunciação, ressaltando, assim, as posições valorativas e axiológicas que são percebidos na construção dos sentidos do gênero discursivo. A análise qualitativa sócio-interacionista do corpus da pesquisa composto por 21 cartazes, que fazem parte das peças publicitárias de 15 campanhas de combate à AIDS produzidas pelo Ministério da Saúde de 1999 a 2013, permitiu-nos constatar que o conteúdo temático do gênero em estudo é construído, predominantemente, por um discurso orientado para a responsabilização individual da doença, abstendo-se o Estado da suaresponsabilidade social em relação à prevenção da saúde pública. Percebemos também, em nossas investigações, que o público-alvo determinado pelo Ministério da Saúde, em sua grande maioria, não corresponde aos leitores presumidos construídos nos cartazes através da inter-relação decomplementaridade entre os recursos verbais e pictóricos que compõem os textos.

  • AUCELIA VIEIRA RAMOS
  • GÊNEROS DA ESFERA DIGITAL: UM ENFOQUE SOBRE O E-MAIL EM

    AMBIENTES PROFISSIONAIS.

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 01/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa possui como objetivo analisar o funcionamento e a organização do gênero e-mail utilizado no ambiente profissional constituído pela Secretaria de Educação do Piauí (SEDUC-
    PI), pela 5a Gerência Regional de Educação e por escolas estaduais do município de Campo Maior-
    Piauí. O gênero e-mail vem sendo cada vez mais empregado como um instrumento eficaz de comunicação não só entre instituições como também no dia a dia das pessoas. A existência deste
    paradigma comunicativo e a relativa escassez de estudos tratando deste fenômeno em sua
    modalidade profissional, nos fez julgar necessário examinar essa nova forma de comunicação e o
    gênero textual nesta desenvolvida. Visando compreender o funcionamento do gênero enquanto
    social action (ação social) pretendeu-se identificar o tema e a forma composicional dos e-mails
    produzidos nos ambientes profissionais. Seguimos as análises com a identificação dos propósitos
    comunicativos mais recorrentes dos e-mails. A abordagem metodológica utilizada na pesquisa foi
    definida com base: na teoria dos gêneros discursivos desenvolvida pelo círculo de Bakhtin
    (BAKHTIN, 1979), que discute os principais aspectos constituintes dos gêneros; nos Estudos
    Retóricos de Gêneros, que destacam a importância dos usuários na definição, elaboração e
    funcionamento do gênero (MILLER, 1984; BARZEMAN, 2005; SWALLES, 1990; BATHIA, 1997); e
    nos estudos voltados para a Comunicação Mediada por Computador (RECUERO, 2012). Os
    procedimentos metodológicos foram os seguintes: durante o ano de 2013 foi realizada a coleta dos e-mails que constituem o corpus através de mensagem eletrônica enviada para a pesquisadora. Em
    seguida, analisamos e quantificamos todos os e-mails, a fim de identificarmos o tema, a forma e os
    propósitos comunicativos dos e-mails Posteriormente, aplicamos o questionário com 10 profissionais
    que compõem as instituições pesquisadas. A partir dessa análise, descobrimos que o e-mail é um
    gênero bastante utilizado pelos profissionais da Seduc- Pi, GRE e Escolas estaduais porque,
    segundo eles, é uma forma barata e rápida de atingir uma grande quantidade de profissionais que
    necessitam das informações repassadas. Assim, os e-mails eram utilizados com o propósito de
    divulgar e solicitar variadas informações, enviar materiais, enfim lembram uma ordem de serviço por
    exigirem a execução de atividades. Ao final da pesquisa, concluímos que os e-mails produzidos na
    esfera educacional pesquisada conferem as mensagens temas relativamente estáveis, mantem
    regularidade nos aspectos formal devido à estrutura oferecida pelos softwares e também possuem
    vários propósitos comunicativos dentre eles o principal: ordenar a execução de atividades. Por fim
    concluímos que o tratamento conferido ao tema dos e-mails, a forma seguida pelos usuários como
    também os propósitos definidos em cada mensagem evidenciam a ação social expressa em cada e-
    mail, no gênero, pois ao realizar cada escolha os usuários do gênero objetivam que o e-mail atenda
    as suas demandas sociais que: informar de maneira rápida os profissionais que compõem o quadro
    das instituições e assim viabilizar a execução das suas atividades profissionais.

  • GEYSA DIELLE RODRIGUES VIEIRA
  • A Intertextualidade Imagética na Construção de Sentidos do Gênero Cartum

  • Data: 30/07/2014
  • Mostrar Resumo
  • A intertextualidade concebida como a retomada de textos efetivamente produzidos,

    que estabelecem entre si algum tipo de relação, é um tema muito discutido no meio acadêmico,

    entretanto as pesquisas que estudam esse fenômeno geralmente tomam para análise os textos

    verbais. Por essa razão, é necessário um aprofundamento dessa discussão no que diz respeito às

    relações estabelecidas entre textos imagéticos e outros textos multissemióticos. Norteado pelo

    propósito de ampliar a pesquisa sobre a intertextualidade imagética, ou seja, a intertextualidade

    estabelecida principalmente por imagens, este trabalho objetiva descrever e analisar como os

    cartuns dialogam com outros textos multissemióticos a fim de produzir sentido. Para tanto, partimos

    da concepção sociocognitiva de texto assumida pela agenda atual da Linguística de Texto, que se

    alia à noção de multimodalidade, para maior esclarecimento de como ocorre a construção de

    sentidos em textos multimodais, como o cartum. Dessa forma, com base em Koch e Cunha-Lima

    (2007), Koch (2004; 2011), Cavalcante e Custódio Filho (2010), Bentes, Ramos e Alves Filho (2010),

    Kress e van Leeuwen (2001, 2006), Bakhtin (2003), Koch, Bentes e Cavalcante (2012), Silva (2008),

    Riani-Costa (2002) e, principalmente, Mozdzenski (2009), que apresenta uma proposta de análise da  intertextualidade entre textos multissemióticos, procedemos à análise qualitativa de um corpus

    constituído por quinze cartuns selecionados do catálogo virtual do 4o Salão de Humor da Medplan,

    que ocorreu em 2012 e teve como tema Redes Sociais. Assim, analisamos as complexas relações

    intertextuais instauradas entre esses cartuns e diversos gêneros, observando quais os principais

    elementos que auxiliam na (re)ativação cognitiva do intertexto em nossa memória. Os resultados

    qualitativos da análise apontam para a produtividade da intertextualidade imagética na construção

    dos sentidos do gênero cartum, atestando que a intertextualidade nos cartuns pode ser estabelecida

    principalmente pelas categorias imagéticas, visto que as imagens auxiliam diretamente na

    identificação do texto-fonte e são essenciais para a construção de sentidos do texto.

  • LUCINETE MARIA DA SILVA
  • A atuação de pessoas pouco escolarizadas em práticas sociais que envolvem leitura e escrita: uma abordagem etnográfica.

  • Data: 10/07/2014
  • Mostrar Resumo
  • Letramentos são práticas sociais que envolvem o uso da leitura e da escrita. Adotando essa perspectiva, este trabalho tem como objetivo investigar como pessoas analfabetas ou com baixa escolaridade atuam em práticas sociais que exigem conhecimento dessas habilidades. A presente investigação insere-se nos moldes da pesquisa qualitativa com abordagem etnográfica. Por isso, a metodologia foi desenvolvida por meio da observação-participante da atuação dos colaboradores em práticas de letramento, bem como através da análise dos relatos de suas experiências cotidianas. Para esse estudo, foi escolhida a comunidade do bairro Santa Inês, localizado na cidade de Altos-PI, da qual foram selecionadas cinco famílias, centrando-se mais precisamente nos chefes de famílias, porque de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estáticas - IBGE (2011), a faixa etária de 50 anos ou mais apresenta o maior número de pessoas analfabetas. Para fundamentar este trabalho, busquei apoio teórico em: Street (1982, 1991, 1995), Marcushi (2001), Kleiman (1995), Soares (2000), Lopes (2006), Ferraro (2000), Kato (1986), dentre outros. A princípio, posso afirmar que os colaboradores desta pesquisa são pessoas que participam ativamente das práticas de letramentos que envolvem atividades do lar, da igreja, da cidade e, enfim, de todos os contextos que fazem parte da sua vida cotidiana. São sujeitos ativos que, no curso das suas vidas, foram adquirindo meios diversos de compensar a ausência da alfabetização escolar. Com isso, foram incorporando saberes por meio de práticas adquiridas em seu dia a dia para responder a questões que exigem uma resposta imediata.

  • LEONARDO BRUEY BRITO MADEIRA
  • A TEORIA GERATIVA E SUAS IMPLICAÇÕES: UM OLHAR SOBRE OS PRONOMES PESSOAIS NAS CONSTRUÇÕES ORACIONAIS DOS TERESINENSES EM SITUAÇÃO DE FALA

  • Orientador : RONALD TAVEIRA DA CRUZ
  • Data: 26/06/2014
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem por objetivo, discutir o emprego dos pronomes pessoais, no que tange as construções oracionais de fala dos teresinenses, numa perspectiva da Gramática Gerativa. Para tanto, usaremos uma explicação com base no anteparo teórico de Mioto; Silva e Lopes (2000); Raposo (1991), Cançado (2005), Chomsky (cf.1994 e 1998), dentre outros, no que diz respeito à relação entre as Teorias Gerativa. As descrições oracionais retiradas do PORFATER (2010) retrataram fatos reais das situações de uso dos pronomes em ‘desacordo’ com a Gramática Tradicional. Neste intuito, Procuramos mostrar a maneira como funciona o emprego das formas pronominais, segundo a gramática tradicional, apontando explicações contundentes a título de revertermos o maniqueísmo certo/errado perpetrado pela GT, categorizando os termos mencionados com relação às teorias linguísticas. Contudo, procuramos fazer uma contribuição no intuito de gerar uma nova interpretação para a classe dos pronomes pessoais e ao mesmo tempo suscitar questionamentos e respostas acerca do uso dessa, com base nas teorias mencionadas.


  • ANA MARIA DA SILVA NUNES
  • O HIPERBIBASMO NA FALA DOS TERESINENSES: VARIAÇÃO OU MUDANÇA?

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 24/06/2014
  • Mostrar Resumo
  • A língua é uma instituição que é transformada pelos falantes ao mesmo tempo em que a sociedade se desenvolve, portanto, suscetível a mudanças ou desenvolvimento no decorrer dos tempos. Essas mudanças decorrem das variações linguísticas que são fenômenos inerentes às línguas vivas e ocorrem devido à maleabilidade e plasticidade próprias do léxico de uma língua funcional. Realizações como: apagamento da marca de plural, deslocamento de acento na pronúncia de alguns nomes, inserção e subtração de fonemas à palavra, dentre outras, podem ser motivadas por fatores linguísticos, ambientes linguísticos, e extralinguísticos, dentre eles, escolaridade, faixa etária, gênero e classe social. Nesse aspecto esta pesquisa está inserida no paradigma da Teoria da Variação ou Sociolinguística Variacionista que correlaciona fatores linguísticos a fatores sociais. Este trabalho é de caráter quantitativo e tem como objetivo investigar em que estágio da língua se encontram os nomes que compõem seu corpus: se em variação, se em mudança em progresso ou ainda se em mudança consolidada. Para fundamentá-lo recorreu-se a Labov (2008); Mollica, (2010); Ricardo-Bortoni (2011) e Tarallo (2007), sem deixar de considerar outros teóricos e pesquisadores que tratam da temática abordada neste trabalho.  Para sua execução foram feitas as coletas de dados, dos quais procederam as análises. Como resultado, contatou-se que o conjunto das variáveis ruim [ xuˈĩ ] e ruim [ˈx ũ ĩ ], lúcifer [ˈlusifɛ] e lúcifer  [lusiˈfɛ], gratuito [graˈtuitu] e gratuito  [gratuˈitu] encontram-se em estágio de variação linguística e rubrica [xuˈbɾikɐ] rubrica  [ˈxubɾikɐ]  encontra-se em processo de mudança.

     


  • JUSCELINO FRANCISCO DO NASCIMENTO
  • DO JOCA AO SATÉLITE, DO SATÉLITE AO JOCA: ORALIDADE E LETRAMENTO NA ESCOLA E NA COMUNIDADE.

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 05/06/2014
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação insere-se na área de Estudos da Linguagem do Mestrado Acadêmico em Letras da UFPI e teve como objetivo observar, descrever e analisar as práticas de oralidade e de letramento coletadas na Unidade Escolar Professor Joca Vieira e na comunidade no Bairro Satélite, ambas em Teresina - PI. O estudo caracteriza-se como uma pesquisa de campo, qualitativa, de natureza etnográfica, na qual foram empregados para a coleta de dados a observação sistemática, gravações, fotografias, entrevistas informais e aplicação de questionários. Para a fundamentação teórica deste trabalho, valemo-nos das definições de oralidade e de letramento e de eventos e práticas de letramento, com base em autores como Botelho (2012), Britto (2004), Kleiman (2008), Lopes (2006), Marcuschi (2010), Mortatti (2004), Soares (2003, 2010), Street (2012), Tfouni (1998, 2010), entre outros. Por meio das análises dos eventos obtidos, percebemos que, na escola, os alunos não têm direito a falar durante as aulas, a menos que sejam solicitados para tal e, assim como fora da sala de aula, fazem uso da oralidade sem monitoração, de acordo com a forma que a utilizam na comunidade, mesmo em situações em que se esperava que isso acontecesse. Na comunidade, nos quatro ambientes que pesquisamos, evidenciamos as práticas de oralidade e de letramento isentas de monitoramentos, seguindo suas próprias regras de interação.


  • GEISIANE DIAS QUEIROZ
  • EU E LÍDIA: a construção das personagens em Água viva e O silêncio.

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 15/05/2014
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem por objetivo estudar as personagens femininas das obras Água viva (1974), de Clarice Lispector, e O silêncio (1981), de Teolinda Gersão, ao apresentar o processo construtivo dos principais tipos femininos nos romances mencionados. Ao romper com a situação em que se encontra cada uma das personagens, a narradora de Água viva e Lídia, de O silêncio, formam e transformam os romances em verdadeiros puzzles onde o leitor tem papel primordial ao construir os sentidos do texto. Primeiramente foi elaborado um panorama do romance onde a evolução do gênero permite a eclosão de narrativas centradas num eu enunciativo ao qual os objetos de estudo desta dissertação se assemelham. Em seguida, com base nos estudos de Edward M. Forster (2005), Antonio Candido (2009), Aguiar e Silva (1974) como também do crítico James Wood (2012) mostrou- se o estudo da personagem na construção da narrativa e como ela se desenrola na evolução dos gêneros narrativos. Partindo, então, dos romances de Clarice e Teolinda, analisou-se individualmente as personagens emblemáticas de cada uma confirmando o percurso ficcional paralelo das autoras. Por fim, ao debruçar-se especificamente em Água viva e O silêncio, a comparação demonstra a imprecisão e fluidez como características marcantes na construção das personagens estudadas.

  • CLAUDIENE DINIZ DA SILVA
  • O Processo de Qualificação e Construção de Sentido dos Adjetivos Falso e Fiel na Perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 14/05/2014
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo geral apresentar o processo de construção de sentido dos adjetivos falso e fiel assim como seu processo de qualificação. Esta pesquisa adota os pressupostos teóricos da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas de Antoine Culioli (1990, 1999a,1999b), em uma linha de investigação que busca a identidade dessas unidades através da diversidade de suas ocorrências,  tendo como base autores como Franckel, Vogüé, Paillard, entre outros. O corpus utilizado nesta pesquisa foi extraído do Jornal O Imparcial (versão digital), do estado do Maranhão e de ocorrências extraídas do Google. A metodologia empregada assume inicialmente um caráter atomista por analisar a construção de sentido de cada ocorrência das unidades falso e fiel, fazendo uma descrição que visa apresentar as regularidades sobre como se organizam e quais os valores observados. A análise desses adjetivos nos ajudou a entender como ocorre o processo de qualificação e quais os elementos e operações envolvidas nesse processo. Também contribuiu para compreensão do processo de construção de sentido, tais como a importância do cotexto e da semanticidade do nome para o sentido dos adjetivos estudados. Nossa análise também conduz a uma reflexão sobre os conceitos de sinonímia, antonímia e polissemia. A partir da observação de dados, de sua regularidade e da sua homogeneidade, apresentamos as formas esquemáticas de falso e fiel, isto é, uma representação metalinguística criada que tem como objetivo definir a identidade de cada unidade. As duas formas esquemáticas apresentadas mostram que as duas unidades são propriedades atribuídas ao um nome X, no entanto, em cada unidade qualifica o nome de diferentes formas devido o cotexto e a semanticidade do nome.

  • RAIMUNDO JOSÉ RODRIGUES DE MOURA
  • Múltiplas Leitura no texto e Coenunciação: Um Olhar sobre a Intertextualidade Bíblica em Contos Machadianos

  • Orientador : MARIA ANGELICA FREIRE DE CARVALHO
  • Data: 14/05/2014
  • Mostrar Resumo
  • Inserida na área Estudos da Linguagem, pertinente ao Mestrado em Letras da Universidade Federal do Piauí, a dissertação sob o título “Múltiplas leituras no texto e coenunciação: um olhar sobre a intertextualidade bíblica em contos machadianos” (2014) apresenta um estudo sobre o funcionamento discursivo do intertexto em contos machadianos, à luz da teoria enunciativa. O estudo se aplica nos contos “O Enfermeiro”, “Na Arca”, “Adão e Eva” e “O Cônego” selecionados em razão de seu diálogo com narrativas bíblicas, interesse para análise: observar a construção de sentidos a partir da operação dialógica com esses textos. A intertextualidade é abordada, neste estudo, como um processo que se constitui de modo contínuo no ato da leitura, realizando-se em diferentes graus. À luz de teóricos, tanto da Linguística como da Literatura, particularmente em destaque autores nos estudos da Linguística Textual, observa-se como o processamento intertextual ocorre e, principalmente, como as categorias de intertextualidade são empregadas pelo enunciador em parceria com o leitor, ressalvando o processo discursivo construído na narrativa, bem como se dá o diálogo entre o intertexto bíblico em um novo contexto enunciativo. A fundamentação teórica apóia-se, principalmente, nos autores Mikhail Bakhtin (2000; 2010), Laurent Jenny (1979) e Tiphaine Samoyault (2008), mas destacam-se argumentos de outros autores importantes nas discussões do tema. A pesquisa realizada demonstra que a intertextualidade não se constitui no universo da materialidade textual; mas, particularmente, no plano discursivo, sendo o leitor um parceiro “agressivo” para a construção ativa de sentidos entre o intertexto e a narrativa. A memória do leitor e o seu conhecimento de mundo são essenciais para que ele possa interagir com o enunciador no diálogo entre o texto e o intertexto bíblico em nova cena enunciativa.

  • ERIMAR WANDERSON DA CUNHA CRUZ
  • Reflexões para uma teoria do espaço ficcional

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 30/04/2014
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo elabora uma reflexão cujo objetivo é discutir sobre os atuais modelos de descrição do espaço ficcional na crítica literária, procurando investigar seus limites e perspectivas. Para tanto, foi desenvolvido um levantamento do atual estado da topoanálise ficcional, dando especial atenção à sistematização de suas propostas, levando em conta seus critérios de análise e metodologia. Deste inventário resultou a constatação de um paradigma descritivo-classificatório baseado numa visão estagnante e anacrônica do espaço. O reconhecimento desta contiguidade exigiu uma reflexão desconstrutivista da teoria do espaço, identificando os limites dos atuais modelos e propondo uma percepção social e dinamizada da espacialidade. Para alcançar tal escopo adotaram-se as propostas das seguintes abordagens: Estudos Pós-Coloniais e Geografia Simbólica; em especial na adoção dos conceitos: topofilia (TUAN, 1980), trialética da espacialidade (SOJA, 1996, 2000; LEFEBVRE, 2006) e geografia simbólica (SAID, 2003, 2007). Como objetivos específicos, buscam-se verificar as formas de discurso espacial que podem ser percebidas no atual estado da análise espacial na teoria literária e estabelecer uma crítica daqueles pontos considerados lacunares. Busca-se também compreender como tais percepções sobre o espaço estão ligadas com as diferentes representações espaciais na Geografia, História e Crítica Literária. Por fim, propõe-se uma metodologia alternativa interdisciplinar que coaduna a análise textual do espaço ficcional à sua dimensão discursiva e social. 

  • GEISIANE DIAS QUEIROZ
  • EU E LÍDIA: a construção das personagens em Água viva e O silêncio.

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 15/04/2014
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem por objetivo estudar as personagens femininas das obras Água viva (1974), de Clarice Lispector, e O silêncio (1981), de Teolinda Gersão, ao apresentar o processo construtivo dos principais tipos femininos nos romances mencionados. Ao romper com a situação em que se encontra cada uma das personagens, a narradora de Água viva e Lídia, de O silêncio, formam e transformam os romances em verdadeiros puzzles onde o leitor tem papel primordial ao construir os sentidos do texto. Primeiramente foi elaborado um panorama do romance onde a evolução do gênero permite a eclosão de narrativas centradas num eu enunciativo ao qual os objetos de estudo desta dissertação se assemelham. Em seguida, com base nos estudos de Edward M. Forster (2005), Antonio Candido (2009), Aguiar e Silva (1974) como também do crítico James Wood (2012) mostrou-se o estudo da personagem na construção da narrativa e como ela se desenrola na evolução dos gêneros narrativos. Partindo, então, dos romances de Clarice e Teolinda, analisou-se individualmente as personagens emblemáticas de cada uma confirmando o percurso ficcional paralelo das autoras. Por fim, ao debruçar-se especificamente em Água viva e O silêncio, a comparação demonstra a imprecisão e fluidez como características marcantes na construção das personagens estudadas.

  • KARINE COSTA MIRANDA
  • Céu em fogo: quando o narrativo e o poético se encontram

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 14/04/2014
  • Mostrar Resumo
  • Mário de Sá-Carneiro, poeta português que viveu na confluência do século XIX para o XX, pode ser considerado um artista de estilo singular, contribuiu com a introdução do Modernismo em Portugal, ao participar da produção da revista Orpheu. A manifestação literária do autor se insere no limiar da expressão dos delírios do sofrimento, da dor da alma transportada a um plano estético e da configuração de um sujeito poético em sintonia com sua dispersão subjetiva. Nesse sentido, o artista que quer ver reconhecidos os seus ideais, que usa a emoção, mas ao mesmo tempo dela se distancia, pode ser encontrado na produção carneiriana, motivado pelas vanguardas europeias. Assim, este trabalho analisa as novelas “A grande sombra”, “Asas” e “Eu-próprio o Outro”, contidas em Céu em fogo (1915), de Mário de Sá-Carneiro, a partir de um estudo dos aspectos que caracterizam a presença do poético nas narrativas do autor. Com base em análises estruturais de suas novelas poéticas, verifica-se a constante preocupação com os temas da Arte; a presença de duplos; a inquietação do texto com reduplicação, desdobramento e ruptura da ilusão; a fragmentação do enunciado, como mais um sinal da modernidade de sua produção ficcional. A obra prosaica de Sá-Carneiro funde-se com a lírica, constituindo-se em prosa poética, logo, os estudos de Tzvetan Todorov e Massaud Moisés possibilitaram identificar os aspectos que condicionam o mecanismo de hibridização entre prosa e poesia na novelística carneiriana. Esta dissertação analisa a tessitura da prosa poética, detectando quando há lirismo na prosa e atestando as características que configuram a fusão do enredo e da poesia, seja pela musicalidade ou pela divisão do texto em segmentos que chegam a recordar a cadência do verso. 

  • LÍVIA GUIMARÃES DA SILVA
  • As visões de amor na poesia de Augusto dos Anjos: estudo estilométrico

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 11/04/2014
  • Mostrar Resumo
  • Esse trabalho tem por objetivo a construção de um panorama que revele como ocorre

    o processo de desenvolvimento das visões de amor ao longo da produção poética

    de Augusto dos Anjos, a partir da análise semântica do lexema amor e palavras

    correlacionadas a ele no corpus poético augustiano. Inicialmente, realizou-se um

    estudo sobre o surgimento e as definições atribuídas à estatística textual, assim

    como as vantagens que ela possibilita aos estudos literários. Em seguida, fez-se uma

    abordagem da fortuna crítica de Augusto dos Anjos, a qual teve como aporte o ensaio

    Augusto dos Anjos ou vida e morte nordestina, de Ferreira Gullar (1978), os textos

    críticos do livro Augusto dos Anjos: obra completa, de Alexei Bueno (2004) e a obra

    Augusto dos Anjos e sua época, de Humberto Nóbrega (2012). Além desse estudo, foi

    necessário um apanhado histórico do fim do século XIX e início do século XX, com o

    intento de compreender o reflexo das correntes estéticas vigentes no período em que

    Augusto dos Anjos publicou seus poemas. O passo seguinte consistiu na obtenção

    de dados lexicométricos, com o auxílio do software Lexico3, o qual permitiu uma

    análise e interpretação das visões de amor na produção literária augustiana, tendo como

    parâmetro a abordagem filosófica platônica e schopenhaueriana para a compreensão do

    tratamento que Augusto dos Anjos destinou ao tema em sua poesia. Diante dos dados

    encontrados, conclui-se que até mesmo Augusto dos Anjos, reconhecido como poeta da

    dor e da amargura, voltou-se à temática do amor em algum momento de sua produção

    poética e que apresentou visões que alternam-se de diferentes modos, a depender da

    época de publicação de seus poemas.

  • ALESSANDRA MARIA MAGALHÃES
  • Análise da narrativa de Laura Esquivel: A representação de Malinalli no romance Malinche.

  • Orientador : ERICA RODRIGUES FONTES
  • Data: 30/01/2014
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação propõe uma análise de Malinche, de Laura Esquivel com o intuito de mostrar como Malinalli aparece representada neste romance. Malinalli foi uma índia mexicana, que era escrava de Hernán Cortés. Como sabia falar o idioma maia e asteca, ela teve facilidade para aprender o idioma espanhol e atuou como intérprete do colonizador espanhol que destruiu o Império Asteca no início do século XVI. Autores como Paz (1959) lhe atribuem a denominação de traidora acreditando que ela tenha contando ao colonizador espanhol os segredos dos astecas. Nosso objetivo é mostrar que a narrativa de Esquivel (2006) apresenta-se como uma proposta de recontar a história dessa importante personagem da história mexicana de forma a afastar dela a designação de traidora. Para tanto, fazemos uma abordagem narratológica utilizando os conceitos de Reis (1992) e Reuter (2002) para mostrar como as sequências narrativas foram organizadas para reconstruir a vida desta índia. Por recontar um acontecimento histórico, destacamos neste texto a importância das ações vivenciadas pela protagonista – que eram guiada por suas crenças religiosas – a utilização de dados históricos e códices sagrados. Estes recursos dão à narrativa um caráter de naturalização e aproximação do real. 

2013
Descrição
  • ANA PAULA LIMA DE CARVALHO
  • A variação linguística no livro didático e na sala de aula

  • Data: 17/12/2013
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação refere-se a uma pesquisa qualitativa, de caráter interpretativista, que lidou com os diversos aspectos da variação linguística contemplados no LDP e em situações específicas da sala de aula, a fim de descrever os processos de abordagem e apreensão desse fenômeno linguístico na condição de objeto de ensino escolar. Definimos como objetivo geral, analisar, à luz da Sociolinguística, o tratamento dado à variação linguística na sala de aula e no Livro Didático de Português, especificamente em uma coleção do ensino Médio, avaliada pelo PNLD e adotada pelo Instituto Federal do Piauí (IFPI). Para tanto, de modo mais específico, buscamos: I) proceder a um levantamento dos aspectos da variação linguística contemplados no Livro Didático e na sala de aula; II) analisar as terminologias relacionadas à variação linguística empregadas no Livro Didático e na sala de aula; III) analisar se o livro didático e/ou as aulas evidenciam a variação linguística nos diversos níveis (fonético-fonológico, morfológico, sintático, semântico e estilístico-pragmático), bem como no comportamento linguístico individual do falante; IV) observar se o livro didático e/ou as aulas discutem a pluralidade de línguas e de dialetos existentes no país; V) analisar se o livro e/ou as aulas propõem uma reflexão sobre as variedades que poderiam suscitar alguma avaliação social negativa. Para a geração de dados, utilizamos as técnicas da observação participante, filmagens de aulas, produção de notas de campo e análise documental do livro didático de português. Buscamos apoio teórico nos princípios e postulados da Sociolinguística, bem como nos trabalhos voltados para o livro didático. Constituíram nossos principais aportes teóricos os trabalhos de Faraco, Bortoni-Ricardo e Bagno, assim como as pesquisas de Bunzen. A partir do contato direto com os professores e os alunos, verificamos que, em última instância, é a eles que competem as decisões de (re)elaboração dos conteúdos escolares, a partir da apropriação que fazem do discurso oficial,  dos discursos acadêmicos e do próprio livro didático. E, mais do que isso, acentuamos o fato de que a dinâmica discursiva da sala de aula se dá, especialmente, em função da formação e das experiências das professoras, que possibilitam o desenvolvimento das ações e das reflexões.

  • JHONATAS GEISTEIRA DE MOURA LEITE
  • NARRATIVA DE FUNDO SOCIAL COM (IM)PERFEIÇÕES ESTILÍSTICAS NA FORMA PSICOLÓGICA: um estudo bourdieusiano da engenhosidade híbrida de Graciliano Ramos em Angústia

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 16/12/2013
  • Mostrar Resumo
  • O romance nordestino de 1930, que imprimiu uma nova linha ao movimento de 1922, deu à literatura um caráter de testemunho que muito se aproxima do documentário social. Sendo assim, a safra de obras de ficção desse período traduz o nordeste como uma região que, além de ser assolada pelas intempéries do sertão, sofre com as desigualdades sociais e com a truculência do regime político e impõe, dessa maneira, um aparentemente incessante silenciamento dos intelectuais. Nesse contexto surge Angústia, terceiro romance de Graciliano Ramos e o único urbano, publicado em 1936, quando seu autor ainda estava preso. Esse romance sempre foi analisado como genuinamente psicológico, até mesmo pelos críticos mais abalizados, como Antonio Candido. Percebendo essa deficiência na fortuna crítica, a presente dissertação propõe, pois, uma discussão acerca do caráter social de Angústia a partir dos conceitos de campo de produção cultural, habitus, poder e projeto criativo – todos oriundos da sociologia de Pierre Bourdieu. Assim procedendo, chega-se à constatação de que, com Angústia, Graciliano Ramos pretendeu elucidar aos seus leitores tanto a situação psicológica de Luís da Silva, como as múltiplas conexões do personagem com os problemas sociais de sua época. A pesquisa também observa que, além da complexa descrição psicossocial de Luís da Silva, Graciliano Ramos, na condição do mais expressivo romancista brasileiro naqueles tempos sombrios, reproduz de forma rigorosa o campo do poder e as disputas de classe na Maceió dos anos 1930, representados no romance pelo trágico triângulo amoroso: Julião Tavares X Marina X Luís da Silva. Para tal averiguação, toma-se como ponto de partida uma minuciosa releitura de Angústia, observando tanto seu contexto sócio-histórico, como seus aspectos estruturais, destacando os eventos sociais em vários pontos de confluência entre o psicológico e o social da narrativa. Ao lado disso, procura-se revelar mais amiúde os discursos sobre as inquietações políticas e literárias do e no cenário brasileiro da época. Assim, o presente estudo confirma que o terceiro romance de Ramos também é social, assim como igualmente reconsidera seu fator psicológico apenas como de importância secundária e enfatiza seu potencial híbrido.

  • JOSI DE SOUSA OLIVEIRA
  • ENTRE IMPROVISOS E REPRESENTAÇÕES: ZÉ DA PRATA E  A PRÁTICA REPENTISTA

  • Orientador : LAURA RIBEIRO DA SILVEIRA
  • Data: 08/11/2013
  • Mostrar Resumo
  • O repente, oriundo de improvisos compostos basicamente de acordo com a situação em que o repentista está inserido, é uma prática presente no Brasil, especialmente entre os violeiros do nordeste. Observando tal fato, o presente estudo discute a prática de improvisar de um nordestino piauiense, comumente conhecido como Zé da Prata que, desde muito jovem, fazia versos rimados sobre diversos eventos cotidianos da cidade de Altos, lugar em que viveu durante toda a vida. Neste sentido, os objetivos principais do trabalho são: discutir as temáticas de improvisação do poeta, relacionar os repentes estudados com outras manifestações literárias, tais como o trovadorismo e o modernismo, explicitar questões sobre as culturas populares, enfatizar o por que dos repentes de Zé da Prata foram transpostos para a escrita se transformando em literatura de cordel e, além disso, entender a importância da memória do poeta como veículo pertinente para compreendermos os improvisos no contexto social em que foram feitos. Metodologicamente, utilizamos uma bibliografia literária, histórica e antropológica, pois nos ajudou a entendermos mais os conceitos relativos à arte de improvisar, bem como pesquisas com indivíduos contemporâneos ao repentista estudado. Dessa forma, através do trabalho, enfatizamos que a improvisação não é apenas uma forma de o repentista demonstrar rimas, mas também, um ato de interação social, tendo em vista que, a partir da situação, Zé da Prata criou versos espelhados na realidade social que, ainda hoje, fazem parte da memória coletiva da cidade de Altos-PI.


  • MARINA OLIVEIRA LELIS VIANA
  • O perfil no Twitter de candidatos a prefeitura de Teresina-PI nas campanhas eleitorais 

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 05/11/2013
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa descreve e analisa o perfil no Twitter de candidatos a prefeitura de Teresina-PI nas campanhas eleitorais do ano de 2012. Esse estudo se justifica porque o uso do meio digital vem crescendo a cada eleição no estado do Piauí, de modo que os resultados das análises possibilitarão um melhor entendimento dos motivos pelos quais os candidatos a cargo político estão buscando o Twitter para divulgar suas campanhas eleitorais, já que, mesmo não abdicando dos gêneros recorrentemente utilizados em campanhas, como “santinhos”, panfletos e cartazes, os políticos passaram a usar também perfis no Twitter para fazer campanha. Seguindo a abordagem etnometodológica proposta pelos estudiosos da Nova Retórica, descrevemos o funcionamento do perfil de candidato no Twitter, incluindo como esses perfis foram criados, quem são as pessoas que atualizam as postagens, quais os leitores presumidos, as ações retóricas realizadas e a utilização das affordances.  Nesse sentido, resolvemos analisar as categorias de forma/conteúdo, tema do gênero e propósito comunicativo. Nosso suporte teórico está fundamentado nos estudos de Bakhtin (2003 [1979]), Bazerman (2005), Devitt (2004), Miller (2009 [1984]), Askehave e Swales (2009 [2001]), entre outros autores que tratam mais especificamente a repeito de gênero digitais, redes sociais e política na internet. Os procedimentos metodológicos foram os seguintes: durante o primeiro período da campanha eleitoral, 01 de julho de 2012 a 07 de outubro de 2012, através do perfil do pesquisador identificamos os candidatos que possuíam perfil no Twitter. Durante o mesmo período coletamos o corpus, que corresponde a todos os tweets, retweets, interação com seguidores, uso de hashtags, uso de fotos e planos de fundo e informações que identificam o perfil (nome, endereço e pequena biografia - Bio). Em seguida, analisamos e quantificamos todas as postagens (tweets), a fim de identificarmos o tema do gênero, as recorrências no conteúdo publicado e os usos das affordances. Posteriormente, entrevistamos os administradores dos perfis e comparamos os resultados encontrados a partir da análise dos perfis desses candidatos. A partir das análises descobrimos que os candidatos à prefeitura de Teresina-PI criaram seus perfis no Twitter porque é uma forma barata e rápida de atingir uma parcela da população que está presente nessa rede social e que muitas vezes não conhece o trabalho e as propostas deles. Assim, os perfis eram utilizados com o propósito de divulgar agenda, mostrar o que o candidato estava fazendo no momento, divulgar projetos e propostas para a cidade, divulgar os problemas da cidade, criticar os opositores, postar fotos e vídeos da campanha e dialogar com seguidores. Ao final da nossa pesquisa, concluímos que o perfil no Twitter serve para “humanizar” ou “tirar a dureza” da imagem do político, porque através desse meio de comunicação as pessoas conseguem dialogar de forma direta com os candidatos. 

  • JORGELENE DE SOUSA LIMA
  • A construção do processo de recategorização no gênero charge: um estudo à luz da perspectiva sociocognitiva.

  • Data: 25/10/2013
  • Mostrar Resumo
  • No âmbito da agenda sociocognitiva assumida por grande parte dos estudiosos filiados à área da Linguística de Texto, este trabalho tem por objetivo investigar a construção do processo de recategorização em textos multimodais, especificamente no gênero charge, cuja configuração alia a linguagem verbal e a não verbal. Dentro das peculiaridades desse gênero, focalizamos a construção dos referentes, assumindo o fundamento de que estes nem sempre são homologados por expressões referenciais explícitas na superfície textual. Nesse contexto, a hipótese principal investigada é a de que a constituição semiótica dos textos multimodais pode determinar a construção de novas categorias imagéticas que exercem funções similares às expressões referenciais. Dessa hipótese, duas outras são derivadas: i) a recategorização, nas charges, pode acontecer por um processo que envolve categorias imagéticas associadas ou não a elementos verbais, licenciado por metáforas e metonímias conceituais; ii) o processo de recategorização  pode  acionar os efeitos cômico e irônico na construção de sentidos das charges. Para a efetivação deste estudo, realizamos pesquisa de natureza qualitativa e descritiva dos dados, a partir de um corpus constituído por quinze charges, que versam sobre temas políticos e sociais, selecionadas de três jornais de grande circulação de Teresina/PI e produzidas no período de 2010 a 2012. Na seleção do corpus, priorizamos dois critérios: 1) charges que apresentam somente metáfora em sua constituição; 2) charges que apresentam metáfora e metonímia simultaneamente. Os fundamentos teóricos deste estudo estão concentrados em quatro eixos que envolvem a construção do significado: i) a sociocognição; ii) a referenciação; iii) a multimodalidade;  iv) a metáfora e a metonímia conceituais. Do primeiro e do segundo eixos, em que se erige mais precisamente o nosso objeto de estudo, isto é, a recategorização, lançamos mão dos trabalhos de Koch (2002), Koch (2004), Koch e Cunha-Lima (2007), Salomão (2005),  Mondada e Dubois (2003), Apothéloz e Reichler-Béguelin (1995) Lima (2009), Cavalcante (2011) e Custódio Filho (2012), dentre outros. No que se refere à multimodalidade, os fundamentos são provenientes de Bakhtin (2003), Mozdzenski (2006), Bentes, Ramos e Alves Filho (2010) e Kress e Van Leeuwen (1996), dentre outros. A abordagem dos processos metafóricos e metonímicos foi embasada principalmente em Lakoff e Johnson (2002), Lakoff (1987) e Lakoff e Turner (1989). Trazemos também Ramos (2009), Flôres (2002), Vergueiro e Ramos (2009), entre outros, para uma breve caracterização do gênero charge. Como procedimentos metodológicos, utilizamos basicamente a pesquisa de natureza qualitativa com a análise descritiva dos dados.  Os resultados desta pesquisa sugerem que as diversas semioses que envolvem a configuração dos textos multimodais, particularmente as charges, podem acionar a construção de novas categorias imagéticas, as quais possuem funções semelhantes às expressões referenciais, confirmando a hipótese principal deste estudo. Ficou patente também que o processo de recategorização, nas charges analisadas, pode ter motivação metafórica e metonímica, havendo ainda uma imbricação desses processos numa parte significativa das ocorrências analisadas.  Ademais, constatamos que o processo de recategorização nas charges pode se configurar de forma explícita, a partir de elementos presentes na materialidade verbal e imagética, bem como de forma implícita, por meio da ancoragem em estruturas cognitivas sinalizadas por pistas textuais tanto verbais quanto imagéticas. É fato inconteste também que a recategorização é um processo fundamental para a construção dos efeitos cômico e irônico característicos do gênero charge.

  • LIDIANY PEREIRA DOS SANTOS
  • A CONSTRUÇÃO DE SENTIDO DO ADJETIVO GRANDE

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 21/10/2013
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo do presente trabalho é discutir a construção de sentido do adjetivo GRANDE na perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE) que tem como representantes Culioli (1990), Franckel (2006), Vogüé (2010, 2011) e Paillard (2011). A respectiva teoria entende o enunciado como um agenciamento de operações e o léxico não é visto como um material pré-construído e instaurado pela organização sintática dos enunciados, e sim,  como lugar de uma variação regrada, ou seja, as unidades não são portadoras de sentido em si mesmas, mas que seus sentidos são advindos do funcionamento delas num espaço enunciativo, independente da categoria da qual pertença. As análises realizadas com as ocorrências da marca GRANDE em enunciados orais tem o intuito de identificar o fenômeno da Invariância da linguagem. Explorar-se diversas ocorrências com essa unidade lexical para articular o particular ao geral, ou seja, das variações dessa unidade busca-se o que é regular, o que se repete nos usos. Então, a partir dessa regularidade, elabora-se a Forma Esquemática que é uma espécie de forma que explica/sintetiza a identidade semântica de uma marca linguística. 

  • LEONARDO DAVI GOMES DE CASTRO OLIVEIRA
  • Tessituras do Eu: identidades femininas em O assassino cego, de Margaret Atwood.

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 20/09/2013
  • Mostrar Resumo
  • O estudo sobre as relações de gênero e a formação da identidade feminina na literatura tem sido um tema recorrente. As tradicionais representações ocidentais sobre o feminino na literatura apontam a mulher como sujeito passivo, subserviente, que aceita a dominação masculina. No entanto, com a estética do pós-modernismo e a ascensão de alguns movimentos, dentre eles o movimento feminista, essas representações passaram a ser revisadas. Autoras como Doris Lessing, Margaret Laurence e Margaret Atwood passam a usar protagonistas femininas em suas ficções para confrontar as imposições literárias que eram impostas às mulheres escritoras. Essas narrativas, segundo Gayle Greene (1991), passaram a ser denominadas de metaficção feminina; consistem na escrita realizada por mulheres que escrevem sobre mulheres escritoras. Deste modo, esta pesquisa se enquadra no âmbito do estudo das literaturas pós-modernistas e tem como corpus de investigação o romance O assassino cego (2001), da escritora canadense Margaret Atwood. Trata-se de uma obra de metaficção por excelência, e aborda as relações de gênero em uma sociedade patriarcal, retratando o Canadá durante o final do século XIX e o século XX. O estudo de Oassassino cego (2001) evidencia a problematização da mulher na condição de narradora de sua própria história. Ao dar voz às figuras tradicionalmente silenciadas, as narrativas de Atwood apresentam possibilidades de novas leituras que desafiam as tradições e os postulados patriarcais. A investigação consiste em um estudo qualitativo bibliográfico que procurou investigar de que modo as identidades femininas são representadas no romance O assassino cego (2001), de Margaret Atwood. Os resultados do estudo apontam que no romance o comportamento de submissão das personagens não faz parte da natureza feminina, mas sim pela pressão do sistema patriarcal. Percebe-se que, por meio da insubordinação e das resistências, essas personagens vão constituindo novas identidades. Observa-se, ainda, a importância da escrita feminina, que atua não só como um instrumento de insubordinação e resistência ao discurso patriarcal, mas também como ferramenta que contribui para a tomada de consciência da personagem Iris Chase, o que contribui para o apagamento de sua identidade passiva e a formação de nova identidade. Esta pesquisa tem como embasamento teórico o conceito de metaficção de Linda Hutcheon; relações de gênero Scott (1995); Bourdieu (2002); e Saffioti (1995, 2001, 2004, 2009); e de identidade de Silva (2009).

  • JOÃO PHILIPPE LIMA
  • A Solidão do Conhecimento: Ciência e Tecnologia em Cem Anos de Solidão

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 19/09/2013
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo estudar as instâncias em que ciência, tecnologia e o progresso científico-tecnológico são retratados em Cem Anos de Solidão, romance do autor colombiano Gabriel García Márquez. Para tanto principiamos com uma breve definição dos conceitos de ciência, tecnologia e progresso científico, bem como a forma com a qual se relacionam com a literatura universal e latino-americana, para então adentrar no estudo da obra em si. Para analisar a representação da ciência e da tecnologia dentro do romance lançamos mão de From Faust to Strangelove: representations of the scientist in Western Literature, de Roslynn Haynes (1994), de modo a traçar um paralelo entre as representações de cientistas na literatura ocidental e em Cem Anos de Solidão. Posteriormente, realizou-se uma abordagem histórica na qual se procurou estudar o impacto que ciência e tecnologia exercem nos eventos que movimentam a narrativa, usando como base os estudos de Floyd Merrell, Brian Conniff, Gene Bell-Villada e outros. Por fim, a análise do papel que o progresso científico-tecnológico exerce no romance nos levou a um estudo do conceito de tempo dentro do mesmo, para o qual utilizamos a obra de físicos como Stephen Hawking e Paul Davies, bem como Sobre o Tempo, do sociólogo Norbert Elias, de modo a elucidar como o progresso científico-tecnológico é retratado na narrativa. Verificou-se que a influência da ciência, da tecnologia e do conceito de progresso científico-tecnológico está presente em vários níveis no romance, dos perfis de alguns personagens ao tempo dentro da obra, passando pelos eventos que direcionam a narrativa.

  • ANDERSON ALMEIDA DA SILVA
  • SINTAGMAS NOMINAIS: MARCAS DE REFERENCIALIDADE E DETERMINAÇÃO NA LIBRAS. 

  • Orientador : RONALD TAVEIRA DA CRUZ
  • Data: 17/09/2013
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa foi realizada tendo em vistas a necessidade de se desenvolverem projetos relacionados a uma possível gramaticalização da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Com o objetivo de fornecer dados teóricos que subsidiem a construção de gramáticas da LIBRAS, nessa perspectiva, esta dissertação foca as suas discussões nas marcas de referência e determinação ocorrentes em situações de proferimento por utentes nativos da LIBRAS dada uma análise das evidências semânticas encontradas nos nominais desta língua. Concernente à metodologia aplicada, a pesquisa contempla duas fases imbricadas entre si, a instrução bibliográfica e a análise teórico-descritiva. Os dados coletados de fontes virtuais e reais constituem a amostragem oriunda de atividades de elicitação ou de base naturalística. Utilizando os testes propostos pro Boskovic (2006) para a identificação de línguas com ou sem a estrutura de artigos, procedeu-se a análise dos dados coletados para fins desta pesquisa. A análise dos dados contempla uma descrição ilustrada e glossada no sistema proposto por Felipe (2005), também mescladas às notações com índices utilizadas pela sintaxe, das ocorrências de sintagmas nominais definidos e indefinidos em LIBRAS, buscando identificar as ocorrências fonológicas explícitas de determinantes nesta língua. No quadro teórico sobre as ocorrências dos NP’s e DP’s na LIBRAS e em outras línguas de sinais foram consultadas as publicações de Finau (2004), Salles e Pires (2011) e Sá et al (2012) e Bahan (1995) para a ASL – Língua Americana de Sinais e Barberà (2012) para a LSC – Língua de Sinais Catalã. Uma revisão sobre as unidades de classificação em LIBRAS também é apresentada por Mendonça (2012). Os resultados mostram das ocorrências dos: sinais indiciais (apontação), sinais lexicais, uso de classificadores, marcações não manuais e movimentos corporais associados como formas de se obter a determinação em LIBRAS. Conclui-se, então, sobre a generalização de que a LIBRAS possui artigos na sua estrutura de determinantes, apoiados no alto grau de aprovação das estruturas dos nominais para os testes de Boskovic (2006) para línguas DP, o que nos leva a pontuar que a presença de D pode ser um padrão não obrigatório para a LIBRAS. Outros estudos complementares são requeridos a partir das análises iniciadas por este trabalho.

  • SAMARINA SOARES DE SA
  • As transformações do gênero propaganda de carros em jornais impressos de Teresina (1950 a 2002)

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 16/09/2013
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem, como objetivo, identificar quais as alterações ocorridas no gênero Propaganda de Carros durante os cinquenta e dois anos que separam a década de 1950 do ano de 2002, a fim de se perceber, à luz das teorias de gênero do discurso, como essas mudanças ocorreram. Os gêneros discursivos, por serem dotados de relativa estabilidade, estão a serviço das necessidades humanas, as quais possibilitam que sua forma e sua função não permaneçam estanques no tempo. Em contrapartida, mesmo sendo dotados de flexibilidade relativa, os gêneros discursivos também possuem uma faceta estável, que garante certa regularidade à comunicação que os falantes desempenham no dia a dia. É em busca dessa flexibilidade e de explicações para sua ocorrência que esta pesquisa se desenvolve. No sentido de auxiliar nessa empreitada, autores representantes da Nova Retórica estadunidense, como Devitt (2004), Miller (2009 [1984]) e Bazerman (2011), contribuíram com teorias que propõem o estudo do gênero discursivo tal como aqui se pretende realizar: com enfoque social. Cabe ressaltar que teorias bakhtinianas também fundamentam o escopo teórico desta pesquisa. De posse das contribuições dos autores acima elencados, foi realizado o estudo da propaganda propriamente dito, com ênfase nos elementos que a compõem e em seu funcionamento social. Na tarefa de identificar e interpretar as alterações ocorridas no gênero Propaganda de Carros, foram utilizadas categorias de análise com vistas a melhor visualização das alterações ocorridas no gênero em destaque. As categorias escolhidas para esta análise foram: forma composicional, leitor presumido e tema. Por meio de tais categorias, foi possível traçar considerações tanto gerais quanto específicas acerca da natureza do gênero Propaganda de Carros em cinquenta e dois anos. Ressalta-se que o corpus desta pesquisa é totalmente composto por imagens extraídas de jornais impressos piauienses (Jornal O Piauí, Jornal Folha da Manhã, Jornal Diário do Povo e Jornal O Dia). Essas imagens, num total de 24, foram adquiridas no Arquivo Público do Estado do Piauí e na Hemeroteca Erasmo Celestino dos Santos (localizada no Instituto Dom Barreto, em Teresina–PI). Após minuciosa aplicação teórica sobre as propagandas digitalizadas que compõem esta pesquisa, espera-se ter atingido o propósito firmado acima, qual seja: explicar como se deram as transformações no gênero Propaganda de Carros, de 1950 a 2002.

  • EMANOEL BARBOSA DE SOUSA
  • ESTUDO SOCIORRETÓRICO DO GÊNERO NOTÍCIA SATÍRICA: O CASO DO PORTAL MEIUNORTE

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 13/09/2013
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação tem por objetivo descrever como funciona sociorretoricamente o gênero notícia satírica (satirical news ou news satire), um gênero que tem ganhado bastante destaque no meio digital brasileiro, sobretudo por meio de redes sociais. Com o objetivo de descrever as características e o funcionamento do gênero notícia satírica, desenvolvemos em nossa pesquisa de mestrado um estudo descritivo deste gênero. Utilizamos para a realização deste estudo contribuições de três áreas sociais distintas: a Teoria Sociorretórica de Estudos do Gênero, a Teoria da Notícia e os Estudos literários sobre Sátira. Na área de Estudos Sociorretóricos, tomamos por base, principalmente, os estudos desenvolvidos por Miller (1984), Devitt (2004), Bazerman (2005) e Swales (1990). Na Teoria da Notícia, utilizamos principalmente os estudos de Sousa (2002; 2004), Correia (2009; 2011), Jorge (2006) e Van Dijk (1988). Adotamos a visão de Sátira apresentada por Soethe (1998), Pantoja e Rocha (2005) e Rocha (2006). Como procedimentos metodológicos, selecionamos a noção de movimentos retóricos apresentada por Swales e a mesclamos com a estrutura da notícia apresentada por Van Dijk (1988), para visualizarmos como a estrutura do gênero notícia é utilizada como componente da notícia satírica e como a subversão a esta forma auxilia na realização do propósito comunicativo da notícia satírica. O corpus deste estudo é composto por 64 notícias satíricas publicadas pelo Portal Meiunorte, no período compreendido entre o segundo semestre de 2011 e o segundo semestre de 2012 e outras duas notícias satíricas publicadas uma pelo Portal Sensacionalista e outra pelo blog Joselito Müller – Jornalismo destemido. Para verificar a visão do usuário do gênero, utilizamos o método de entrevista semiestruturada, realizada com o responsável pela manutenção do Portal Meiunorte. Por meio das análises, conseguimos perceber a complexidade de formação de um gênero, observando como forma e substância se fundem, como o local onde a notícia satírica é publicado é importante, como a noção de sátira é importante para compreendermos o funcionamento do gênero em estudo, bem como para a definição de traços do gênero, como: situação retórica recorrente, exigência retórica, ação retórica recorrente e propósito comunicativo. Notamos que, além de produzir humor, a notícia satírica procura criticar um comportamento, fato ou atitude em desconformidade com as normas sociais vigentes com o objetivo de convertê-los em comportamentos, fatos e atitudes moralmente admissíveis.

  • WILMA AVELINO DE CARVALHO
  • O REALISMO MÁGICO EM MIA COUTO: UMA VISÃO OCIDENTAL SOBRE O ROMANCE UM RIO CHAMADO TEMPO, UMA CASA CHAMADA TERRA

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 19/08/2013
  • Mostrar Resumo
  • O realismo mágico é uma estética surgida em meados do século XX. Sua origem remonta aos movimentos de vanguardas artística ocorridos na Europa no referido século. O termo “realismo mágico” foicriada por Franz Roh em seu livro Nach Expressionismus (Magischer Realismus) publicado em 1925. Apenas em 1927 o conceito foi transportado para a literatura e as artes em geral pelo crítico italiano Massimo Bontempelli. Assim, a partir dessa transposição, a estética realista mágica se expandiu pela Europa até chegar à América. Arturo Uslar Pietri foi quem incorporou o conceito à crítica da literatura hispano-americana. A carência de uma crítica especializada gerou uma polêmica sobre a terminologia “realismo mágico”, um oxímoro, que ainda hoje suscita debates na crítica literária. Este conceito passou a ser aplicado em outras culturas pós-coloniais, assim, ousamos aplicá-lo na análise das literaturas africanas. A ficção realista mágica é caracterizada pela presença do sobrenatural ou do insólito naturalizado. Além disso, a temática aborda questões como: a identidade, o desejo de libertação, o deslocamento de espaço, a crítica aos sistemas totalitários que às vezes aparece de forma alegórica, a religiosidade e a tradição cultural. Dessa forma, a presente pesquisa objetiva realizar uma leitura do romance Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra (2003), do escritor moçambicano Mia Couto procurando demonstrar a presença do realismo mágico dentro no referido romance. Enfatizamos os seguintes elementos na análise: a irrupção do insólito na narrativa; tradição oral: mitos, crenças e símbolos; o hibridismo cultural; a identidade; a referencialidade histórica e o caráter libertador. Concluímos que o realismo mágico no romance miacoutiano é construído a partir dos elementos da tradição cultural, que a história, a crítica ao sistema social existente no país e a busca pela construção da identidade estão imbricados ao caráter libertador presente em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. Utilizamos como fontes principais para fundamentar nossa pesquisa os conceitos de Wendy B. Faris e Stephen Slemon. Além destes, utilizamos Homi K. Bhabha, Brenda Cooper, Stuart Hall, Ana Mafalda Leite, Irlemar Chiampi, Tzvetan Todorov, Filipe Furtado e outros teóricos que dialogam com o tema aqui em debate.

  • EDILANE VITORIO CARDOSO
  • De Mnemosyne a Clio: Memória e Relato Histórico nos Commentarii de bello gallico, de Júlio César.

  • Orientador : LAURA RIBEIRO DA SILVEIRA
  • Data: 27/06/2013
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo precípuo da pesquisa que ora apresentamos é discutir a incidência e o valor da memória na confecção dos relatos presentes nos três primeiros livros que compõem os Commentarii de bello gallico, do escritor romano Caio Júlio César. A obra, que, dentre outros aspectos, combina elementos da documentação histórica e da literatura memorialística, foi redigida entre os anos 58 e 51 a. C., período em que seu autor, exercendo a função de general e estrategista bélico, comandou uma expedição militar que ambicionava subjugar as revoltosas tribos gaulesas (habitantes de uma extensa e prolífera região) e anexar seus territórios ao domínio romano. O enfoque do trabalho consiste em analisar a relação que se estabelece entre memória e relato histórico, uma vez que é possível perceber a recorrência de muitos aspectos memorialísticos no registro dos acontecimentos narrados. Em vista disso, analisaremos o fato de que na narrativa de Júlio César a memória atua não só como partícipe, mas, sobretudo como artífice na tessitura da narrativa bélica contra os gauleses, e por esse motivo incide significativamente na esfera historiográfica. Para tanto, voltamo-nos à tradição historiográfica grega e iniciamos nossa discussão examinando três narrativas de caráter histórico, em especial, as obras de Heródoto, Tucídides e Políbio. Baseamo-nos também nos preceitos apregoados pelo filósofo, político e orador Marco Túlio Cícero, pois foi ele o grande responsável pelo valor conferido à história entre os romanos, já que compôs inúmeras obras e tratados sobre o gênero. Graças aos preceitos estipulados pelo orador, as primeiras narrativas romanas de caráter historiográfico foram escritas ainda à sua época e seguiam muitos modelos e princípios por ele defendidos. Em Roma, encontramos – além do De bello gallico –, a existência de duas monografias históricas da autoria de Gaio Salústio Crispo, contemporâneo de Cícero e de César, nas quais estão fundamentados muitos postulados e reflexões do filósofo sobre o gênero.

  • MARIA ELIANETE ANDRADE BORGES
  • Concepções e práticas de leitura e de escrita de alfabetizadores de EJA

  • Data: 19/06/2013
  • Mostrar Resumo
  • A prática pedagógica dos alfabetizadores da Educação de Jovens e Adultos em torno da leitura e da escrita é delineada pelas concepções teóricas adquiridas no decorrer de sua formação, como nos cursos de graduação, formação continuada, bem como na interação com professores e alunos. Entendemos como concepções de leitura e de escrita as orientações teóricas que direcionam a prática pedagógica dos professores alfabetizadores responsáveis por levar o alfabetizando a adquirir as habilidades de leitura e de escrita e a ampliar o acesso às práticas de letramento no meio em que vive. Diante disso, estabelecemos como objeto de estudo as concepções e práticas de leitura e de escrita dos alfabetizadores de EJA. O presente estudo tem como objetivo investigar as concepções de leitura e de escrita que fundamentam as práticas dos professores alfabetizadores de jovens e adultos do Programa Brasil Alfabetizado. Para tanto, escolhemos a pesquisa qualitativa, com abordagem etnográfica, o que propiciou o contato direto do pesquisador com a situação investigada, tomando o objeto da pesquisa como processo e não como produto final. Os dados para este estudo foram contextos reais de sala de aula de alfabetização de EJA, a partir de observação, gravação em áudio, questionário, que foi respondido por mais 10 alfabetizadores do Programa Brasil Alfabetizado da capital Teresina, Piauí. A partir dos dados coletados foi possível traçar o perfil desses sujeitos, bem como desvelar que as concepções de leitura e de escrita dos alfabetizadores ainda não priorizam plenamente os sentidos e os usos da escrita na comunidade onde vivem os alfabetizandos, o que pode trazer uma contribuição muito tímida à sua participação efetiva nas práticas de letramento. Além disso, constatamos que a formação docente e linguística dos alfabetizadores, torna-se indispensável para o processo de alfabetização, considerado numa perspectiva do letramento social. Entendemos que o presente estudo pode proporcionar uma reflexão sobre as práticas de leitura e de escrita nas turmas de alfabetização de EJA.

  • RUTE ARAGAO FURTADO
  • NORMA PADRÃO E VARIEDADE VERNÁCULA DO PORTUGUÊS EM UM GRUPO DE FALANTES ESCOLARIZADOS DE ZONA RURAL DE TERESINA-PI

  • Data: 14/06/2013
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo, numa perspectiva sociolinguística, teve como objetivo investigar o uso do vernáculo por falantes escolarizados que foram submetidos a um longo processo de escolarização formal, período durante o qual tiveram contato de forma sistematizada com a norma-padrão da língua. As questões levantadas por esta pesquisa foram: perante a norma-padrão, que é a norma de prestígio, qual seria o lugar do vernáculo? O vernáculo estaria presente no repertório linguístico do falante ou seria inteiramente substituído pelo jargão culto prescrito pelas gramáticas? Existe um posicionamento na linguística aplicada de que os falantes, uma vez submetidos a um processo de ensino sistemático de língua materna (no caso, a norma-padrão) feito em instituição escolar, tendem a esquecer o vernáculo ou a língua que falavam anteriormente. Esse pensamento se encontra representado em Batista (2000) e mesmo em Labov (2008). Não obstante isso, é questionável a hipótese de que os alunos efetivamente aprenderam uma norma de prestígio em ambiente escolar para que se dê esse fenômeno de “esquecimento” do vernáculo, e ainda, é ignorar as características de suas redes de relações. Para o desenvolvimento da pesquisa, trabalhou-se com uma comunidade de zona rural, a comunidade “Soinho”, donde foram selecionados três grupos de colaboradores de três faixas etárias: idosos (60+), adultos (35-45) e jovens (16-20), com base nos critérios estabelecidos pelas variáveis localidade e idade. Levou-se também em consideração a variável escolaridade: baixa escolaridade para o grupo de idosos, e alta escolaridade para o grupo de jovens e adultos. A técnica utilizada para a obtenção do corpus de fala foi a de entrevistas. A concepção de vernáculo aqui adotada é o estilo de conversação mais espontâneo possível, o estilo menos monitorado em que há planejamento mínimo, não obstante possa eventualmente ser identificado como o falar próprio de uma comunidade, caso em que se configura um dialeto. Utilizou-se o termo norma-padrão para fazer referência à variedade linguística supostamente estudada/ensinada na escola, todavia, não no sentido proposto por Bagno (2006) de ideal almejado, nunca alcançado concretamente, posto que é objeto de ensino na escola e encontrada nos compêndios gramaticais e ainda publicações oficiais. Destarte, conferiu-se a essa norma uma certa materialidade e grau de existência com suficiente capacidade para influenciar comportamentos linguísticos. Através da análise, foi constatado que a fala do grupo de escolarizados, jovens e adultos, na comparação com características linguísticas do grupo de idosos com baixa escolaridade, não guardava praticamente marcas dialetais encontradas neste grupo, por outro lado, não caracterizou uso fidedigno da norma-padrão supostamente aprendida em instituição de ensino formal, dada a quantidade significativa de traços graduais não-padrão aí encontrados, nesse sentido, aproximando-se da variedade popular encontrada nos centros urbanos.

  • FERNANDA MARTINS LUZ BARROS
  • VARIAÇÃO SEMÂNTICA E IDENTIDADE: um estudo dos verbos sentir e perceber

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 07/06/2013
  • Mostrar Resumo
  • Partindo do princípio de que os sentidos são construídos a partir da interação entre unidade linguística e contexto discursivo, mais especificamente a partir das relações desencadeadas no interior dos discursos entre seus elementos constituintes e estabilizadas em um contexto específico por ele engendrado, consideramos ser a existência de um valor primeiro e imutável insustentável para explicar a diversidade de usos e sentidos deles decorrentes. Baseando-se na TOE, teoria que concebe a variação como constitutiva das unidades linguísticas e obedece a princípios regulares, e de forma específica na linha investigativa proposta por Franckel (2011), De Voguë (2011), Paillard (2011) e Romero-Lopes (2000), que postula a existência de uma identidade a partir da qual é possível chegar a uma forma esquemática, essa pesquisa tem como objetivo analisar de que forma a interação entre cotexto e contexto discursivo contribui para a variação semântica dos verbos sentir e perceber, não sem antes identificar os sentidos potenciais de efetivação dos enunciados em estudo. A análise das ocorrências dos referidos verbos nos revela a existência de regularidades, que, a depender do modo de instanciação dos enunciados, é responsável pela efetivação de valores relacionados à percepção física ou psíquica e à intuição, e às ideias de verificar, notar e compreender, respectivamente.

  • DIEGO MEIRELES DE PAIVA
  • UM POETA PARTICULAR: ESTUDO ESTILOMÉTRICO DA POESIA DE H. DOBAL

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 31/05/2013
  • Mostrar Resumo
  • Tendo em conta a discrepância entre o valor literário dos poemas de H. Dobal e sua apreciação por parte do público e da crítica, este trabalho buscou estudar o estilo de seus três primeiro livros, O Tempo Consequente, O Dia sem Presságios e A Província Deserta. Embora os poucos estudos consistentes sobre a obra do poeta piauiense já indiquem alguns recursos expressivos frequentes em sua poesia, não existe um voltado especificamente para o estilo, contexto que legitimou o escopo deste trabalho. Para investigar os traços estilísticos de H. Dobal foi utilizada uma metodologia diferenciada, a Estilometria Informática, que consiste na aplicação de métodos quantitativos para análise de textos literários utilizando ferramentas computacionais. Inicialmente foi necessário desenvolver o conceito de Estilística (GUIRAUD, 1978; MONTEIRO, 2005) para depois caracterizar a Estilometetria, diferenciado-a dos estudos de atribuição de autoria e da Programação em Linguagem Natural (PNL). Percebendo a estatística textual como uma ferramenta para investigação do estilo, verificou-se a viabilidade de dialogar com as duas grandes vertentes da Estilística: a Descritiva, de origem e inspiração linguística; e a Genética, que se dedica aos textos literários. Para obter os dados de estatística textual de forma rápida e precisa foi utilizado o software Lexico3, por este ser de uso livre e permitir o manuseio de praticamente qualquer texto. Como se baseia em números, o estudo estilométrico careceu de textos paramétricos, então foram selecionadas obras cujas primeiras edições são contemporâneas às publicações de H. Dobal: Claro Enigma (DRUMMOND, 2012), Educação pela pedra (MELO NETO, 1997), Faz escuro mais eu canto (MELLO, 2009); e Dentro da noite veloz (GULLAR, 2010). O primeiro passo da investigação estilométrica foi verificar a manutenção do estilo de H. Dobal nas três obras por meio de dados gerais dos textos, sendo que os resultados foram positivos em relação a essa hipótese, ensejando o estudo em conjunto. A seguir foi discutida a noção de riqueza vocabular, refutando o argumento da crítica de que Dobal possui um vocabulário pobre, já que a estatística textual apresenta valores equivalentes entre ele e a maioria de seus contemporâneos. Observou-se que os poemas de H. Dobal são em geral mais concisos que os dos outros poetas, embora não haja um padrão formal rígido. O poeta também é econômico na utilização de sinais de pontuação, especialmente a vírgula; mesmo assim representam recurso expressivo importante na poesia dobalina. Por último, verificamos uma ausência proposital da representação de primeira pessoa no singular, seja por pronomes ou verbos, e a utilização do plural para expressar a coletividade. Todos estes traços se complementam na poesia de H. Dobal, demonstrando perfeita relação de forma e conteúdo estabelecida pelo poeta. A estilometria se mostrou promissora, mas ainda necessita ser aperfeiçoada para dar conta do texto poético de uma forma mais eficaz.

  • SAMARA LIZ SILVA MACHADO
  • ESTUDO LEXICOMÉTRICO E ESTILOMÉTRICO DOS POEMAS DE FERNANDO PESSOA E SEUS HETERÔNIMOS

     

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 31/05/2013
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva uma análise estilométrica e lexicométrica dos poemas de Fernando Pessoa e seus heterônimos: Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos, a fim de verificar a riqueza vocabular desse poeta. Essa área de estudo compreende trabalhos estilísticos e lexicais realizados, com o auxílio de programas computacionais, no caso da investigação desenvolvida o software LEXICO 3. Para isso, partimos inicialmente de uma rigorosa coleta de dados em livros de crítica especializada como Fernando Pessoa ou o poetadrama (1991) de José Augusto Seabra e  Diversidade e unidade em Fernando Pessoa (1969) de Jacinto do Prado Coelho, com a finalidade de corroborar ou refutar com aquilo apresentado pelos teóricos pessoanos acerca do estilo desse escritor e de seus heterônimos. Realizamos, também, leituras sobre Estilística e o desenvolvimento de programas criados para ajudarem em pesquisas acadêmicas. Com isso, permitiu-nos a identificação das marcas estilísticas, por exemplo, a ocorrência de palavras sensacionistas que é maior no corpus do Fernando Pessoa ortônimo que nos textos do heterônimo Álvaro de Campos. A partir dessa análise fizemos também o estudo da riqueza lexical com base nasfrequências relativas dos vocábulos empregados nos textos por esse poeta, as quais foram fornecidas pelo software acima citado.

  • LISIANE RIBEIRO CAMINHA VILANOVA
  • A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE REFERENCIAÇÃO DE TERMOS ESTRANGEIROS EM TEXTOS JORNALÍSTICOS

  • Data: 17/05/2013
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo investigar a construção de sentidos viabilizada pelo processo de referenciação em textos jornalísticos contendo estrangeirismos. A hipótese levantada é a de que o processo de referenciação atua, estrategicamente, na construção de sentidos de textos contendo estrangeirismos, sem necessariamente haver recorrência à tradução literal desses termos. Os princípios teóricos norteadores da investigação são provenientes da Linguística de Texto numa interface com a Linguística Cognitiva. Da primeira área, recorremos, mais especificamente, à perspectiva da referenciação (MONDADA; DUBOIS, 1995; APOTHÉLOZ; REICHLER-BÉGUELIN, 1995; KOCH, 2003; CAVALCANTE 2000, 2003, 2004, 2007), que se alinha com os pressupostos do Sociocognitivismo na defesa de uma visão construcionista do significado linguístico. Da segunda área, trazemos a teoria dos modelos cognitivos idealizados (LAKOFF, 1987), focalizando os modelos cognitivos do tipo frame (FILLMORE, 1982; MARCUSCHI, 2007; FELTES, 2007), concebidos como estruturas cognitivas que “emolduram” uma grande quantidade de conhecimento sobre um determinado conceito. Ademais, considerando a natureza do corpus de investigação deste trabalho, constituído por onze textos jornalísticos contendo estrangeirismos, sendo seis do gênero notícia e cinco do gênero anúncio publicitário, também integra a base teórica desta pesquisa estudos que versam sobre as temáticas estrangeirismos (GARCEZ; ZILLES, 2001; FARACO, 2002, 2004; HOUAISS, 2009; SHIMDT, 2011; CÂMARA JR, 2009; OLIVEIRA, 2010; BAGNO, 2002; FIORIN 2002; CRYSTAL, 2005) e gênero jornalístico (GARCEZ; ZILLES, 2001; FARACO, 2002, 2004; HOUAISS, 2009; SHIMDT, 2011; CÂMARA JR, 2009; OLIVEIRA, 2010; BAGNO, 2002; FIORIN 2002; CRYSTAL, 2005). Os procedimentos metodológicos adotados seguem basicamente as seguintes etapas: i) seleção e codificação dos textos constituintes docorpus da pesquisa, extraídos de revistas de circulação nacional e de jornais de circulação local;  ii) descrição e análise qualitativa das ocorrências de estrangeirismos na cadeia textual-discursiva. Os resultados da análise empreendida são sugestivos de que as expressões referenciais designativas de termos estrangeiros, a exemplo das demais expressões referenciais da Língua Portuguesa, podem ter o seu sentido (re)construído a partir do processamento estratégico da atividade de referenciação. Para esse processamento, convergem ações tanto de ordem linguística quanto cognitiva, dentre as quais destacamos a identificação da função referencial das ocorrências de estrangeirismos e a evocação de frames que fazem parte do entorno sociocognitivo dos exemplares de textos em que os estrangeirismos tomam lugar. Dessa forma, confirma-se que a construção de sentidos dos estrangeirismos analisados não se concretiza pela tradução literal desses termos em seu estado de dicionário, sendo estrategicamente viabilizada no epelo processamento da cadeia textual-discursiva, que faz emergir o(s) sentido(s) dessas ocorrências pretendido(s) por seus interlocutores.

     

  • MARIA DO ESPIRITO SANTO GUIMARAES LESSA
  • Oralidade e letramento nas conversas de portas de rua: uma abordagem etnográfica

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 30/04/2013
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho, de natureza socioetnográfica, tem como objeto de estudo a análise de eventos de oralidade e de letramentos de grupos de pessoas que conversam nas portas de suas casas, na cidade de Teresina – PI. Assume como objetivo geral investigar a relação entre oralidade e letramento nas conversas de portas de rua, em Teresina – PI, examinando a presença dos eventos de letramento e de oralidade, a que demandou uma identificação e descrição dos eventos de oralidade e de letramentos representativos das pessoas que conversam nas portas de suas casas. Para tanto, estabelece uma relação entre os fatores linguísticos e seu significado social, conforme são realizados nos eventos de oralidade e de letramento, caracterizando-os nas suas peculiaridades mais significativas, enquanto estratégias de comunicação. Emprega para seu desenvolvimento a pesquisa de campo que constituiu de abordagem das atividades de oralidade e de letramento a partir de descrição e análise de eventos em ações interativas para explicar a relação da fala e da escrita com os aspectos sociais dos falantes, conforme sugeridos por Gumperz (1972), descreve a estrutura comunicativa de acordo com a perspectiva teórico-metodológica da etnografia da comunicação proposta por Hymes (1974) e, ainda a metodologia da microetnografia, que une a ideia de pesquisa etnográfica sob a análise detalhada de dados registrados em áudio e vídeo, proposta por Erickson (1990). A partir da proposta da pesquisa e da discussão bibliográfica, pontua acerca de constatações como observação do prestígio dado aos eventos de escrita e a hierarquia nos eventos de fala, conferindo poder e respaldo àqueles que as detinham.

  • VALDULCE RIBEIRO CRUZ SOUSA
  • Oralidade e letramento na comunidade e na escola: uma abordagem etnográfica

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 23/04/2013
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação discute a relação oralidade/letramento em uma comunidade social de Teresina-PI e na escola que atende a essa comunidade, com o objetivo de analisar as práticas de letramento e as práticas de oralidade vivenciadas pelos moradores do bairro Vermelha na cidade de Teresina-PI, bem como na escola que atende a comunidade, a fim de realizar comparação entre usos e práticas sociais da língua falada e da língua escrita na comunidade e na escola. Toda a pesquisa teve uma orientação metodológica baseada na etnografia cujos dados foram obtidos por meio da técnica de pesquisa participante. O resultado da investigação demonstrou que escola e comunidade vivenciam realidades linguísticas diferentes e que se refletem no desempenho escolar dos alunos. Na comunidade oralidade e letramento são vivenciados como práticas sociais, no dia a dia dos moradores, enquanto que na escola os alunos quando falam são estigmatizados e não vivenciam práticas de letramento. É por meio de uma perspectiva social da relação entre linguagem, escola e sociedade que este estudo procura entender a visão que a escola e a comunidade possuem de língua, as relações sociais que são construídas a partir dessa relação bem como o significado social dessas relações.

  • LILIA BRITO DA SILVA
  • Oralidade e letramento na escola e na comunidade

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 23/04/2013
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação discute a relação oralidade/letramento em uma comunidade social de Teresina-PI e na escola que atende a essa comunidade, com o objetivo de analisar as práticas de letramento e as práticas de oralidade vivenciadas pelos moradores do bairro Vermelha na cidade de Teresina-PI, bem como na escola que atende a comunidade, a fim de realizar comparação entre usos e práticas sociais da língua falada e da língua escrita na comunidade e na escola. Toda a pesquisa teve uma orientação metodológica baseada na etnografia cujos dados foram obtidos por meio da técnica de pesquisa participante. O resultado da investigação demonstrou que escola e comunidade vivenciam realidades linguísticas diferentes e que se refletem no desempenho escolar dos alunos. Na comunidade oralidade e letramento são vivenciados como práticas sociais, no dia a dia dos moradores, enquanto que na escola os alunos quando falam são estigmatizados e não vivenciam práticas de letramento. É por meio de uma perspectiva social da relação entre linguagem, escola e sociedade que este estudo procura entender a visão que a escola e a comunidade possuem de língua, as relações sociais que são construídas a partir dessa relação bem como o significado social dessas relações. 

     

  • ELIANE PEREIRA DOS SANTOS
  • O Gênero Comentário Online: Dimensão Social e Verbal

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 05/04/2013
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa descreve e analisa o funcionamento e  a  estrutura do gênero comentário  online na esfera jornalística, considerando tanto a publicação mediada pelo portal quanto aquela gerenciada pelo Facebook. A descrição do funcionamento do gênero foi elaborada a partir da análise de textos (comentários) coletados em quatro portais piauienses sobre os seguintes acontecimentos sociais: morte da estudante Fernanda Larges em Teresina, manifestações contra a integração do transporte coletivo em Teresina e o caso da enfermeira que espancou e matou um cachorro em Goiás. Também analisamos questionários  respondidos por três profissionais representativos dos portais com publicação mediada pelo portal e com publicação gerenciada pelo Facebook. O gênero comentário online tem tido grande repercussão no meio jornalístico, constituindo-se como espaço de discussão e expressão da opinião pública, razão pela qual julgamos necessário examinar essa nova forma de comunicação entre jornalismo e leitor, ainda pouco estudada no espaço digital. Pretendemos compreender quais ações sociorretóricas as pessoas realizam com esse gênero, como as relações dialógicas contribuem para a construção do sentido, como se constituem as relações de interação e quais as características mais recorrentes dos seus elementos constitutivos: tema, forma composicional e estilo. Os procedimentos metodológicos utilizados nessa pesquisa foram definidos com base na teoria do círculo bakhtiniano, que discute o conceito de gêneros discursivos, enfatizando as relações dialógicas e as relações intrínsecasentre aspectos verbais e extraverbais, e com base na teoria de Estudos Retóricos de Gêneros, que trata do conceito de gêneros retóricos, destacando a importância dos usuários para caracterização e definição do funcionamento do gênero. Nosso aporte teórico constitui-se principalmente por Bakhtin (1976, 1997, 1998, 2003, 2010), Miller (2009), Devitt (2004) e Bazeman (2011). Por meio desse estudo, observamos que o gênero comentário online se constitui como um espaço destinado ao leitor para sua apreciação sobre os acontecimentos noticiados, sobre a composição da notícia, sobre outros comentários, caracterizando-se como um campo fértil para a atenuação das fronteiras entre os discursos, sendo fortemente marcado pelo plurilinguismo, haja vista que as relações dialógicas predominantes no comentário  online são aquelas sem marcas linguísticas da alteridade enunciativa, marcada pela presença de muitas vozes sociais.  Percebemos  também que, independente de os portais usarem um ou outro tipo de publicação, esse gênero possui certa recorrência temática, estilística e composicional no  corpus analisado. Ele tende a adotar como tema mais recorrente o valor justiça/injustiça e é fortemente marcado por uma escrita criativa no uso de recursos estilísticos. Sua forma composicional organiza-se em torno de uma cadeia comunicativa marcada textualmente pela alteridade dos sujeitos. Na publicação via Facebook, a forma composicional do comentário online é volátil, sujeita à interferência do usuário

  • JEYMESON DE PAULA VELOSO
  • O reaparecimento do unicórnio: pós-modernismo em Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago.

  • Orientador : MARIA ELVIRA BRITO CAMPOS
  • Data: 08/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva realizar uma leitura do romance Ensaio sobre a cegueira (1995), do escritor português José Saramago buscando demonstrar a presença do paradigma estético-literário do pós-modernismo dentro da obra. Para tanto, utilizaremos os estudos teóricos de Jean-François Lyotard, Fredric Jameson, Andreas Huyssen, Stanley Aronowitz, Stuart Hall, dentre outros, para discutir a pós-modernidade como um novo momento sócio-político-cultural. Posteriormente, estreitamos o debate para o estudo do pós-modernismo como um novo momento na seara estético-cultural, nos apoiando nos trabalhos de Linda Hutcheon e Ana Paula Arnaut, apresentados em contraponto à crítica de Terry Eagleton. Fundamentado nos teóricos citados, abordaremos as características pós-modernistas identificadas em Ensaio sobre a cegueira, tais como: a narrativa autorreflexiva; a mescla genológica entre ensaio e romance; a crítica aos metarrelatos (Ciência, Razão e Religião); a aproximação entre cultura elitista e cultura popular; a intertextualidade e a questão dos excêntricos. Verifica-se que o conjunto dessas características, embora abordadas separadamente, estão intimamente entrelaçadas, concorrendo para a fragmentação da narrativa e para sua leitura como uma obra pós-modernista. A pesquisa basear-se-á, eminentemente, em pesquisa bibliográfica com interpretação da obra e aplicação dos conceitos que versam sobre o tema em questão a fim de demonstrar a plausibilidade da leitura do romance pelo viés do pós-modernismo.

  • VINICIUS MACEDO BARRETO DE NEGREIROS
  • A MÁQUINA DO TEMPO: UM PRENÚNCIO À ANIMALIDADE E À CATÁSTROFE

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 08/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta dissertação é tentar de alguma forma preencher a lacuna deixada pelo Viajante no Tempo (de 1895 a 2012), para de alguma forma examinar como às ruínas da modernidade e o processo de desumanização estão se formando, tendo como ápice a obra A Máquina do Tempo de H. G. Wells (1895). Para que o trabalho fosse realizado, levamos em consideração algumas obras cinematográficas bem como obras literárias que nos ajudaram a pensar o processo catastrófico que se anuncia, mostrando relações aparentemente inconcebíveis entre uma obra e outra. Essas obras foram: Cidade das Sombras (Dark City) de Alex Proyas (1998), utilizada aqui para abordarmos o vazio histórico dos seres do futuro; O Homem Elefante (The Elephant Man) de David Lynch (1980), sobre o homem como objeto de vitrine e A Mosca (The Fly) de David Cronenberg (1986) sobre o tema do homem como negação de si mesmo. Franz Kafka nos mostrou que a segurança no mundo moderno é impossível e que pode levar o homem a uma espécie de atrofiamento mental sem precedentes devido ao ritual diário de proteção; Clarice Lispector nos conduziu ao desespero humano ao nos confrontarmos com nosso mundo pessoal e egoísta; Slavoj Zizek, Vanessa Daniela de Moraes bem como Rosalind Williams nos levaram aos rincões do (sub)mundo: local usado para pôr tudo que não é “perfeito”. Machado de Assis e Jack London nos mostraram que a ambição humana sempre volta em algum momento da história para nos lembrar que somos sem dúvida nossos próprios lobos, reforçando o estudo de Sigmund Freud. E na linha filosófica levamos em consideração autores como Gilles Deleuze e Félix Guattari e suas teorias sobre o devir-animal; Walter Benjamin e seu estudo sobre as ruinas da modernidade; Jacques Derrida e Georges Bataille com relação ao animal que nos olha e do animal que não vê; Rodrigo Lopes de Barros num diálogo com Antonio José Ponte sobre a cidade como catástrofe, em especial sobre o tema das Tugurias – cidades subterrâneas, analisadas aqui como movimento de contra-ataque dos excluídos; Susan Buck-Morss e seu estudo sobre Walter Benjamin que vem reforçar a teoria do progresso como catástrofe; Jeanne Marie Gagnebin, Giorgio Agamben e Gilles Deleuze para nos ajudar a pensar o tempo, dentre outros autores que abordam o tema do homem moderno como ruína. O gênero de ficção científica também será discutido como gênero “premonitório” de catástrofes para pensarmos as ruínas do ser humano diante de uma realidade em fragmentos.

  • SHARMILLA OHANA RODRIGUES DA SILVA
  • The Catcher in the Rye e Igby Goes Down: adolescência, rebeldia e sociedade na literatura e no cinema.

  • Orientador : WANDER NUNES FROTA
  • Data: 04/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • A hipertextualidade consiste em um processo de transformação ou recriação no qual um texto é levado a dialogar com outro texto, seja em seus aspectos narrativos, temáticos ou contextuais. Se encararmos o texto como um conjunto de signos de qualquer natureza, podemos estender o seu conceito não só às estórias da literatura como àquelas também contadas no cinema. Nesta perspectiva, nossa dissertação tem como objetivo uma comparação entre o romance The Catcher in the Rye (1951), de J. D. Salinger, e o filme Igby Goes Down (2002), de Burr Steers, a partir da teoria da hipertextualidade, desenvolvida por Gerard Genette. Ambos mostram um adolescente realizando uma jornada de amadurecimento, permeada de expulsões escolares, fugas, conflitos familiares e amorosos e referências adultas fracassadas. Sufocados pelos valores que os cercam, Holden e Igby decidem mudar o rumo de suas vidas, buscando a própria identidade longe de casa quando percebem a superficialidade das atitudes humanas. Para analisar a representação da adolescência em diferentes épocas, destacamos o comportamento dos protagonistas em suas relações escolares, amorosas e familiares, usando trechos de ambos os textos. Por fim, percebemos que Igby Goes Down não pretende ser uma adaptação de The Catcher in the Rye, pois o hipertexto permite uma leitura independente do hipotexto, sendo possível a compreensão do filme sem o conhecimento prévio do romance, ainda que personagens de um possam levar ao reconhecimento de personagens do outro.

2012
Descrição
  • JOANA DARC RODRIGUES DA COSTA
  • OPERAÇÕES DE QUANTIFICAÇÃO – QUALIFICAÇÃO EM SINTAGMAS NOMINAIS COM O PRONOME INDEFINIDO ALGUM: determinando nomes, definindo valores.



  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 17/12/2012
  • Mostrar Resumo
  • Admitindo as unidades linguísticas como marcas da atividade de linguagem, isto é, marcas de atividade de representação, referenciação e regulação, propomos, neste trabalho, uma investigação das operações e mecanismos de construção enunciativa subjacentes ao uso da unidade linguística algum, a fim de compreendermos o seu papel no processo de construção da significação dos enunciados. Embasando-nos na Teoria das Operações Predicativas e Enunciativa, proposta por Antoine Culioli, para quem o enunciado é um agenciamento de formas resultantes de operações de determinação nominal, temporal, aspectual e modal a partir do qual os mecanismos enunciativos podem ser analisados, observamos o comportamento dessa unidade linguística em enunciados, dados empíricos, extraídos de artigos de opinião dos jornais. O Dia e Meio Norte; enunciados presentes nas notícias postadas no site  Portal Cidade Verde, e, quando necessário, buscamos ocorrências dessa marca no site de busca Google, compreendendo a unidade algum como marcador de operação de determinação nominal, isto é, operações das quais resultam os nomes, a fim de caracterizá-los a partir de operações abstratas que estão subjacentes a sua manifestação nos enunciados e assim reconstruir seus valores referencias. A análise desenvolvida permitiu-nos comprovar a hipótese de que esse marcador ao resultar de operações de determinação nominal que permitem ao nome construir graus diferentes de especificidade, cujos valores referenciais construídos junto a esse nome e em sintonia com outras operações podem ser de quantificação e qualificação não podem ser classificados como pronome indefinido, uma vez que o seu valor é construído no enunciado em conjunto com as outras ocorrências, mas merecem ser analisados em seus contextos de uso.

  • FRANCISCA ARLENE SOARES
  • De pastos a porteiras: sertanidades de Renato Castelo Branco em Teodoro Bicanca

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 28/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação examina algumas do que se chama sertanidades de Renato
    Castelo Branco, investigando traços de identidades  sertaneja/nordestina em
    Teodoro Bicanca  (1948). Em um primeiro momento analisa-se narrativas de sertão
    produzidas por autores que, em épocas diferentes, traçaram-lhe um perfil. Tendo
    suas imagens, comumente, associadas ao Nordeste, investiga-se os discursos que
    gestaram a emergência desta região. No rastro dessa discussão, verifica-se, ainda,
    os diálogos que Renato Castelo Branco faz com estas representações para a
    composição de  Teodoro Bicanca  (1948). Posteriormente, aborda-se a imagética
    discursiva sobre o sujeito  sertanejo/nordestino gestada por discursos diversos,
    examinando quanto dessa imagética se faz refletir nas representações de Teodoro
    Bicanca (1948). Faz-se ainda um breve apanhado dos poderes em Teodoro Bicanca
    (1948), apontando para uma rede através da qual micropoderes são exercidos e
    resistidos. Demonstra-se, ainda, que, para além das estereotipias, o autor promove,
    mediante saberes e dizeres das personagens, brechas reveladoras de algumas de
    suas sertanidades. Por fim, examina-se a presença da mulher nas práticas sociais e
    discursivas do cotidiano sertanejo, mostrando-se como ela burla, em vários
    momentos, papéis de gênero que lhe são prescritos. Defende-se a ideia de que,
    mesmo sob instâncias disciplinadoras, dentro das possibilidades existentes, o
    feminino no sertão cria, no fazer cotidiano, pequenas práticas de resistências ao
    poder opressor patriarcal, constituindo-se como ser que não tem sua vida inscrita
    apenas no campo de dominação. Como fundamentação teórica buscou-se
    contribuições dos estudos culturais, da teoria pós-moderna e dos estudos de gênero. 
    Demonstra-se, nos apontamentos conclusivos do trabalho, que, em que pese as
    estereotipias na representação de sertão/Nordeste e de seus sujeitos, em Teodoro
    Bicanca (1948), Renato Castelo Branco promove várias fissuras no romance que se
    descortinam como maneiras diversas de constituir-se sertanejo(a)/nordestino(a).

  • VALDIRENE ROSA DA SILVA MELO
  • “ENTRE O RURAL E O URBANO: UMA LEITURA ALEGÓRICA DO ROMANCE SOMBRAS DE REIS BARBUDOS, DE JOSÉ J. VEIGA”

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 28/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho visa investigar, à luz dos pressupostos teóricos da alegoria, como a obra Sombras de reis barbudos, de José J. Veiga, sinaliza esteticamente elaborações literárias que favoreçam a uma leitura alegórica da mesma, buscando-se dentro desta proposta compreender o conflito que se estabelece entre os ambientes rural e urbano dentro da narrativa.  Inicialmente o estudo fará considerações gerais sobre a produção literária do escritor José J. Veiga, como foi o seu início, as vozes críticas que se manifestaram a respeito de suas obras e a problemática da classificação de Veiga dentro do quadro ficcional brasileiro. São tecidas reflexões a respeito do insólito que o autor coloca em sua narrativa, ao tempo em que são discutidas as principais teorias que tratam da fenomenologia do insólito. Também fará parte do estudo uma abordagem de como o romance Sombras de reis barbudos foi recebido dentro do contexto do romance pós-64, época em que o Brasil vivia sob o regime militar, e de como boa parte da crítica sinalizou várias das obras de Veiga como obras político-alegóricas. Após fazer um percurso sobre o universo ficcional de J. Veiga, o trabalho se dedica ao estudo da alegoria, apresentando inicialmente algumas considerações teóricas de vários autores sobre o assunto, para posteriormente direcionar a investigação para o arcabouço teórico elaborado por Angus Fletcher, que configurou para a alegoria um modo de leitura e interpretação literárias que envolvem mecanismos mais complexos e que apontam para inúmeras formulações internas à estruturação de um texto literário alegórico. Deste modo, a análise da obra lidará com conceitos que envolvem a possessão demoníaca em personagens alegóricas, os tipos de imagens cósmicas que tais personagens elaboram para si, a ação e a causalidade alegóricas como partes de um ritual simbólico, e o dualismo temático dentre outros conteúdos. A presente pesquisa concluiu dentro de sua abordagem alegórica para a viabilidade de uma leitura que aponta para o conflito entre um modo de vida rural que se desorganiza a partir da interferência do elemento urbano, gerando relações autoritárias e arbitrárias de poder e opressão, e, propiciando o surgimento do insólito a partir do estranhamento causado pela chegada do progresso e da urbanização no meio rural.


  • ELIANA PEREIRA DE CARVALHO
  • Reescritura epistolar: o atlântico negro de agualusa, em Nação Crioula: a correspodência secreta de Fradique Mendes

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 26/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes (1997), do angolano José Eduardo Agualusa, apresenta uma reescrita do romance epistolar: A Correspondência de Fradique Mendes (1900), do consagrado Eça de Queiroz.Este trabalho tem como objetivo geral investigar a reescritura do romance epistolar do escritor português sob a orientação dos Estudos Culturais, em especial da teoria e estética pós-colonial. Os objetivos específicos são dois. O primeiro é explicitar as aproximações e distanciamentos entre as escritas de um e outro escritor, o angolano e o português, verificando-se a temporalidade de cada um: a reescrita pós-colonial de Agualusa em Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendese e o discurso colonial de Eça de Queiroz em A Correspondência de Fradique Mendes (1900), enfatizando-se a escrita de Agualusa. O segundo é relacionar o romance Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes (1997), de José Eduardo Agualusa, com a ideia de Atlântico negro, de Paul Gilroy, que tem como base a diáspora africana durante a colonização europeia. Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, com a aplicação do método crítico-analítico. Diversos conceitos foram importantes para a condução do trabalho, entre os quais literatura pós-colonial, reescrita, identidade, Atlântico negro, diáspora e crioulização. Como forma de fundamentação teórica, a pesquisa contou, dentre outros, com os estudos de Bhabha (2007), Bonnici (1998; 2000; 2004; 2005), Gilroy (2001), Glissant (2005), Rediker (2011) e Serrano e Waldman (2008) na área dos Estudos Culturais e do Pós-Colonialismo; Aguiar e Silva (1994), Bakhtin (2010), Moisés (2001), Noa (2002) e Rocha (1965) na área dos estudos literários; Chaves (1999; 2005) e Fonseca e Moreira (2007) no âmbito dos estudos de literatura angolana. O estudo de Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes (1997) revelou que o romance de Agualusa se coloca como reescrita pós-colonial pela subversão ao cânone literário, A correspondência de Fradique Mendes (1900), de Eça de Queiroz. Como reescrita, Agualusa se usufrui da lacuna deixada pelo romance do escritor português para lançar na África a personagem Fradique Mendes. Dessa forma, o escritor angolano abre uma porta para problematizar a colonização portuguesa e as implicações do Atlântico negro, que se baseia na ideia da diáspora, para o processo de crioulização das Américas.

  • LUZIANE DE SOUSA FEITOSA
  • Reescritura epistolar: o atlântico negro de agualusa, em Nação Crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes

  • Data: 26/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes (1997), do angolano José Eduardo Agualusa, apresenta uma reescrita do romance epistolar: A Correspondência de Fradique Mendes (1900), do consagrado Eça de Queiroz.Este trabalho tem como objetivo geral investigar a reescritura do romance epistolar do escritor português sob a orientação dos Estudos Culturais, em especial da teoria e estética pós-colonial. Os objetivos específicos são dois. O primeiro é explicitar as aproximações e distanciamentos entre as escritas de um e outro escritor, o angolano e o português, verificando-se a temporalidade de cada um: a reescrita pós-colonial de Agualusa em Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendese e o discurso colonial de Eça de Queiroz em A Correspondência de Fradique Mendes (1900), enfatizando-se a escrita de Agualusa. O segundo é relacionar o romance Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes (1997), de José Eduardo Agualusa, com a ideia de Atlântico negro, de Paul Gilroy, que tem como base a diáspora africana durante a colonização europeia. Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, com a aplicação do método crítico-analítico. Diversos conceitos foram importantes para a condução do trabalho, entre os quais literatura pós-colonial, reescrita, identidade, Atlântico negro, diáspora e crioulização. Como forma de fundamentação teórica, a pesquisa contou, dentre outros, com os estudos de Bhabha (2007), Bonnici (1998; 2000; 2004; 2005), Gilroy (2001), Glissant (2005), Rediker (2011) e Serrano e Waldman (2008) na área dos Estudos Culturais e do Pós-Colonialismo; Aguiar e Silva (1994), Bakhtin (2010), Moisés (2001), Noa (2002) e Rocha (1965) na área dos estudos literários; Chaves (1999; 2005) e Fonseca e Moreira (2007) no âmbito dos estudos de literatura angolana. O estudo de Nação crioula: a correspondência secreta de Fradique Mendes (1997) revelou que o romance de Agualusa se coloca como reescrita pós-colonial pela subversão ao cânone literário, A correspondência de Fradique Mendes (1900), de Eça de Queiroz. Como reescrita, Agualusa se usufrui da lacuna deixada pelo romance do escritor português para lançar na África a personagem Fradique Mendes. Dessa forma, o escritor angolano abre uma porta para problematizar a colonização portuguesa e as implicações do Atlântico negro, que se baseia na ideia da diáspora, para o processo de crioulização das Américas.

  • MARLI FERREIRA DE CARVALHO DAMASCENO NEGREIROS
  • A vogal átona final no falar dos picoenses: uma investigação sociolinguística

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 20/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho, investigamos a influência de fatores sociolinguísticos na ocorrência do apagamento e/ou manutenção da vogal átona final no falar dos picoenses. Para tal, foi coletada a fala de vinte e quatro informantes da cidade de Picos, distribuídos de acordo com as variáveis: escolaridade, idade, origem e sexo. Além da observação dos informantes no seu grupo social e/ou local de trabalho, como instrumental de coleta de dados, usamos ainda questionários e um gravador. Nesse estudo, adotamos a abordagem sociolinguística, apoiada, principalmente, na Teoria Variacionista de Labov (2008). Além da análise sociolinguística, realizamos também um estudo fonético dos dados. Os resultados apontaram que as mulheres tendem a manter a vogal átona, enquanto os homens estão mais abertos às inovações linguísticas. No que tange à escolaridade, os universitários apagam menos a vogal átona final. O fator idade mostrou que os mais jovens são mais abertos a mudanças. A origem foi o fator que mais chamou a nossa atenção nessa pesquisa, pelo fato de o resultado ter apontado o contrário do que muitas pesquisas sociolinguísticas apontam, em outros Estados. Neste trabalho, os falantes da zona rural e não os da zona urbana foram os que apagaram menos a vogal átona, ao contrário do que esperávamos. Essa diferença não foi tão expressiva nos casos em que aconteceu a manutenção. Embora não se possa ainda afirmar como definitivo o resultado do estudo acerca do apagamento e/ou manutenção da vogal átona final, a pesquisa constatou, com forte indicação, que o apagamento e/ou manutenção da vogal átona final na fala dos picoenses constitui-se como uma variável dialetal regional.

  • VANESSA MAIRA DE AQUINO SANTOS
  • Nas tramas da História e da ficção, uma leitura de Tiradentes: poder oculto o livrou da forca, de Assis Brasil


  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 18/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem por finalidade realizar um estudo do romance histórico Tiradentes: poder oculto o livrou da forca, do escritor piauiense Assis Brasil, a partir das concepções pós-modernas que tratam da ficção de cunho histórico e a problematização efetuada por estas em relação à História, valendo-se, principalmente, das ideias desenvolvidas por Linda Hutcheon (1991) para caracterizar o que a autora considera como metaficção historiográfica. Para tanto, o estudo inicia-se com um breve panorama a respeito do romance histórico, mostrando os desdobramentos do gênero ao longo do tempo em nível geral e no contexto brasileiro, para situar, em seguida, os romances históricos de Assis Brasil, observando por meio dos prólogos dessas obras a pertinência de serem analisadas por um viés teórico pós-moderno. Logo após, demonstra-se por meio de diversos estudiosos, entre eles Hayden White, Michel Foucault e Paul Veyne, os debates ocorridos no âmbito historiográfico, gerados pela desconfiança pós-estruturalista em relação à transparência da linguagem, que levaram a se pensar a História como uma área muito próxima da ficção. Tais discussões introduzem a análise do romance Tiradentes: poder oculto o livrou da forca como uma metaficção historiográfica, enfatizando o questionamento em relação à História realizado pela obra. Por fim, examina-se a crítica e a problematização feitas pelo romance referentes à construção do mito do herói nacional Tiradentes, efetuadas pela aliança entre a História e os poderes constituídos com o intuito de tirar proveito da imagem do suposto herói, além de demonstrar como esses discursos sobre o herói foram utilizados na caracterização da personagem Tiradentes no romance.

  • PAULA FABRISIA FONTINELE DE SA
  • A busca pelas bruxas: representações nos contos de Charles Perrault e Pierre Gripari

  • Data: 06/09/2012
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação, A busca pelas bruxas: representações nos contos de Charles Perrault e Pierre Gripari, apresenta, como objeto de estudo, a personagem bruxa em quatro contos da literatura infantil francesa, tendo como suporte teórico, principalmente, a História e a Crítica Literária. A dissertação se divide em três capítulos (2, 3 e 4): o primeiro dedicado ao estudo da literatura infantil; o segundo à figura da bruxa e o terceiro à análise dessa personagem na literatura infantil. No capítulo 2, faz-se uma revisão da história da literatura infantil, em particular, a francesa, destacando aspectos relacionados à formação do gênero. No momento seguinte, o trabalho principia uma pesquisa historiográfica sobre a figura da bruxa no Ocidente, desde os primórdios até a sua inserção na literatura. No capítulo 4, analisa-se como os contos dos escritores Charles Perrault e Pierre Gripari representam a personagem bruxa para o contexto social da criança dos séculos XVII e XX, retratando suas possíveis interpretações. A partir dessa análise, se discute a ambiguidade da mulher representada no âmbito da literatura infantil, geralmente, como causa do Bem e do Mal. Além disso, ao confrontar os contos, se investigam as mudanças no perfil da personagem bruxa, bem como a significação da sua presença nas histórias selecionadas. Em suma, ao final do trabalho, são apontados aspectos que revelam o processo de ficcionalização da personagem bruxa, objetivando discutir as particularidades da sua representação para o leitor-criança de diferentes épocas.

  • LUZIANE DE SOUSA FEITOSA
  • DE UMA PÁGINA PARA OUTRA: A ADAPTAÇÃO LITERÁRIA DE NOTRE-DAME DE PARIS, DE VICTOR HUGO, PARA O LEITOR INFANTOJUVENIL BRASILEIRO

  • Data: 22/08/2012
  • Mostrar Resumo
  • Considerado pela crítica literária um romance histórico e de tese, Notre-Dame de Paris (1831) contribuiu para a consagração de Victor Hugo no cenário literário ocidental e, por consequência, esta obra tem sido lida por gerações sucessivas de leitores. Em vista disto, este trabalho busca evidenciar os artifícios adotados no sentido de adaptar esse romance para o público infantojuvenil brasileiro. Nesse sentido, foi realizada uma análise da adaptação literária O corcunda de Notre-Dame (1997) com base na Literatura Comparada, Teoria da Tradução e os estudos sobre literatura infantojuvenil. A dissertação está estruturada em três capítulos que, conjuntamente, visam a apresentar as estratégias que possibilitam a aproximação e o distanciamento entre a adaptação literária e o texto fonte. Assim, o primeiro capítulo apresenta um breve panorama do contexto de origem da literatura infantojuvenil na Europa e, posteriormente, no Brasil, no intuito de explicitar suas particularidades e relação com o procedimento adaptativo; o segundo apresenta considerações acerca de Victor Hugo e o contexto de produção de seu romance, seguidas da análise da adaptação O corcunda de Notre-Dame (1997), considerando suas características extratextuais e discursivas que, conjuntamente, contribuem para a redução da narrativa, e, por fim, no terceiro capítulo a discussão está voltada para as personagens de ambos os textos, assim como para determinadas temáticas relacionadas ao Grotesco.

     
  • MÁRCIA EVELIM DE CARVALHO
  • Tradição oral e Literatura: laços de matriz cultural africana em crianças brincantes dos Conguinhos, cidade de Oeiras – PI.

  • Data: 17/08/2012
  • Mostrar Resumo
  • A temática central desta investigação é a relação entre a recepção de narrativas da tradição oral e literária, contação de histórias e a constituição de memórias e identidades culturais na Comunidade do Bairro do Rosário, no município de Oeiras, Piauí; comunidade formada em sua maioria por afro-brasileiros que têm o ritual dos Congos como a maior manifestação cultural de origem africana. Analisamos a recepção das narrativas da tradição oral e literárias no processo de ampliação dos horizontes de expectativas e (re) construção de memórias e identidades culturais de crianças da comunidade, brincantes dos Conguinhos, a partir da mediação do contador de histórias. Partindo do problema central da pesquisa, desenvolvemos oficinas de produção e vivências com as crianças, usando as etapas do método recepcional, proposto por Aguiar e Bordini (1993), baseado na teoria literária da Estética da Recepção, idealizada por Jauss(1994); utilizamos, dentre outros, os instrumentos de análise da metodologia da História Oral, da Roda de Histórias e do Baú África-Brasil. Os resultados obtidos apontam para o reconhecimento da forte presença de laços de matriz cultural africana no bairro do Rosário, repassados para os meninos brincantes dos Conguinhos, visualizados através das experiências compartilhadas com os moradores que vivem a cultura dos Congos; nas narrativas da tradição oral, contadas pelos mais velhos e no contato com a literatura de origem africana, o que contribuiu para a ampliação de seus horizontes culturais e fortalecimento de suas identidades afro-
    brasileiras.
  • MARCIA ANANDA SOARES SIQUEIRA DE SOUSA
  • Designações de Operações Policiais no Processo de Referenciação: uma Abordagem Linguístico-Cognitiva

  • Data: 06/08/2012
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo ampliar os estudos acerca do caráter encapsulador das expressões designativas de operações da Polícia Federal (PF), conforme insights de Lima (no prelo). Como desdobramento desse objetivo primeiro, buscamos elencar argumentos que sustentem nossas conjecturas de que, em contextos discursivos específicos, essas expressões, materializadas como referentes, assumem, simultaneamente, as funções de empacotar/encapsular informações que revelam o teor da operação e introduzir novos referentes na cadeia textual/discursiva, o que nos proporciona a validação da hipótese de que essas expressões designativas de operações desencadeadas pela PF funcionam como introduções referenciais com função encapsuladora. O corpus de investigação é constituído por nove ocorrências linguísticas designativas de operações da PF, materializadas como referentes em textos/discursos pertencentes aos gêneros charge, notícia, comentário, artigo de opinião e postagem do twitter, os quais foram divulgados durante todo o transcorrer das operações (“batismo” - deflagração - desdobramentos). Para o tratamento do corpus, consideramos os fundamentos teóricos advindos de uma interface entre a Linguística de Texto (KOCH, 2007; CAVALCANTE, 2003, 2004, 2011; CONTE, 2003; FRANCIS, 2003; COSTA, 2007; CIULLA e SILVA, 2008; LIMA, 2009, no prelo; CUSTÓDIO FILHO, 2011) e a Linguística Cognitiva (LAKOFF, 1987; SALOMÃO, 1999; FELTES, 2007). As análises empreendidas permitiram a configuração de uma proposta de ampliação do quadro classificatório das introduções referenciais proposto por Cavalcante (2003; 2004), a partir da qual as introduções referenciais com função encapsuladora passam a figuram como uma subcategoria das introduções referenciais não dêiticas. 

  • MACKLEIA MAYARA OLIVEIRA DA SILVA
  • Modalidades Subjetivas e Interpretativas nos Perfis do Orkut: uma análise na perspectiva da Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas.

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 03/08/2012
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa objetiva descrever e analisar  no interior das autoapresentações virtuais, os elementos que contribuem para a construção de uma subjetividade ou intersubjetividade nesses enunciados, verificando ainda, que efeitos de sentidos são decorrentes das escolhas 
    realizadas pelo sujeito enunciador.  Para tanto, adota-se  como aporte teórico a Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE) proposta por Culioli, que trabalha a linguagem enquanto operações de constituição da significação, e que tem os sujeitos enunciadores como 
    centrais na teoria (teoria da intersubjetividade). Assim, inicialmente são apresentados alguns aspectos gerais da TOPE, destacando-se  as diversas contribuições trazidas por estudos preliminares  para a teoria. Posteriormente faz-se uma discussão acerca da relação existente 
    entre subjetividade e modalidade. E, finalmente, procede-se com a análise do  corpus, especificando-se a sua constituição, aspectos metodológicos e resultados obtidos. Nesta etapa, foi inserida uma discussão acerca de gêneros discursivos por se entender a importância de se 
    caracterizar tal gênero para melhor subsidiar as análises. Os enunciados foram caracterizados enquanto autoapresentações virtuais. Foram escolhidos 84 exemplares deste gênero, dentre os quais  se verificou  que as principais marcas que contribuem para a subjetividade destes 
    enunciados são: substantivos, adjetivos e advérbios, no que tange  aos aspectos avaliativos e apreciativos; as formas pronominais, enquanto marca de comprometimento ou distanciamento do sujeito enunciador para com o seu enunciado; marcas verbais de modalidades subjetivas; e 
    as predicações, refletindo enunciados que ora estão voltados para o enunciador, ora estão voltados para o mundo exterior. Quanto às marcas que contribuem para a intersubjetividade, foram observados os enunciados interrogativos e injuntivos, que convocam o sujeito co-enunciador a partir do momento que prescindem de sua validação; as  marcas verbais de 
    modalidades intersubjetivas; e  as marcas de interpelação, responsáveis por quebrar a linearidade do enunciado, ao estabelecer um contato com o co-enunciador.
  • JANDIRA LOPES PEREIRA
  • CAPITAL ECONÔMICO, CAPITAL CULTURAL, E HABITUS: ESTRUTURAS DE PODER E DESAGREGAÇÃO EM SÃO BERNARDO, DE GRACILIANO RAMOS

  • Data: 31/07/2012
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho objetiva apresentar a conduta de agentes dispostos em um espaço social que lhes exige a capacidade de relacionar os capitais dos quais possuam o domínio a outras espécies de capitais. A teoria de Pierre Bourdieu (1930-2002) na qual a sociedade está dividida em campos sociais se enquadra ao espaço do romance São Bernardo (1934), de Graciliano Ramos (1892- 1953), e sob sua ótica fazemos a análise da trajetória das personagens principais da obra no que diz respeito às suas habilidades para conquistar posições consagradas nos campos. As noções de campos e capitais de Bourdieu conduzem a outras noções como as de habitus, posição, disposição, espaço dos possíveis e jogo com as quais se relacionam para compor um perfil das personagens que na narrativa buscam conquistar um espaço privilegiado no campo para o qual se acham inclinadas. As disputas por interesses individuais aproximam e afastam as personagens do romance de acordo com os capitais dos quais são detentoras e das posições que almejam no campo, transformando São Bernardo em espaço de lutas em que os jogadores defenderão suas posições sob pena de serem substituídos por novos agentes. Constatamos que do embate entre seres obstinados que resistem o quanto podem ante as várias faces do poder, advindo do domínio de capitais específicos dos indivíduos dispostos nos diversos campos dentro do espaço social, resultana desagregação das personagens arraigadas em São Bernardo.

  • MAUREN O' HARRA CAVALCANTE SOUSA
  • Um gênero para além do humor: estudo das identidades nas tirinhas de Hagar, o Horrível propostas no livro didático de português

  • Orientador : FRANCISCO LAERTE JUVENCIO MAGALHAES
  • Data: 26/06/2012
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho é identificar as identidades e as práticas sociais construídas no gênero discursivo tirinha no suporte livro didático. Elaborou-se a hipótese de que, partindo dos enunciados verbais e dos elementos não verbais, podem-se depreender as práticas sociais representadas pelos personagens das tirinhas nas mais variadas cenas enunciativas. Recorreu-se aos pressupostos teóricos da Análise do Discurso a fim de se evidenciar como, pela linguagem, se constrói o comportamento dos personagens, que são representações de práticas da sociedade. Formam o corpus da pesquisa 25 (vinte e cinco) tirinhas de Hagar, o horrível, escolhidas aleatoriamente de uma coleção de livros didáticos que integram o catálogo Programa Nacional do Livro Didático do Ensino Médio, e que estão de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais. Buscou-se apoio teórico especialmente nas ideias de Bakhtin (1979; 2003) sobre a ideologia do signo, e sobre gênero discursivo. Recorreu-se, igualmente a Pinto (1994, 2002), Benveniste (2005, 2006), Foucault (2009a, 2009b) e Magalhães (2003, 2011) sobre a constituição da enunciação e do enunciado do discurso. Outros autores também contribuíram de forma significativa para o desenvolvimento deste trabalho, a saber, Bauman (2005) e Hall (2006), que forneceram base para análise da identidade no mundo contemporâneo; Bakhtin (1979), Van Dijk (2008) e Fairclough (2008), especialmente para fundamentar as noções de ideologia e relação de poder; Maingueneau (1997, 2008), quando se refere ao estudo da construção do ethos; a perspectiva de Pinto (1995, 2002) e de Véron (2004), para discutir posição de sujeitos; Vergueiro (2009), Ramos (2009), além de outros autores que tratam dos elementos componentes das tirinhas; Orlandi (2003), Suassuna (2006) e Bourdieu (2009), para tratar do discurso pedagógico. Para se tratar de gênero, baseou-se em Marcuschi (2002) e em Bakhtin (2003). Além desses, há outros autores que se farão presentes no decorrer do estudo. Com a análise, conduzimos um gesto de interpretação dos dados que nos permitiu identificar as identidades do personagem Hagar, bem como os outros personagens das tirinhas, além de mostrar a produção de sentidos construídas nas cenas enunciativas de tal gênero.

  • LUANA KAROLYNE SOARES CAMARGO MENDES
  • AS ESTRATÉGIAS ENUNCIATIVAS NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS:

    Uma análise da construção (inter)discursiva das identidades dos enunciadores

    Natura e O Boticário

  • Orientador : FRANCISCO LAERTE JUVENCIO MAGALHAES
  • Data: 26/06/2012
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo apresenta os resultados de análise dos discursos publicitários dos enunciadores Natura e O Boticário na campanha para o Dia das Mães. O foco da pesquisa são os anúncios publicitários divulgados pelas duas empresas às vésperas do Dia das Mães de 2010 e 2011. Tendo como método a Análise de Discursos, objetiva-se observar que estratégias discursivas os enunciadores Natura e O

    Boticário utilizam para construir sua identidade e conquistar a adesão do público. Para definir texto e discurso, buscamos apoio teórico, especialmente, em Maingueneau (2004, 2008), Orlandi (2006, 2009), Fairclough (1992, 2008), Possenti (1988,1999), Focault (2009) e Pêcheux (1997); para discutir o conceito de enunciação e enunciado, em Benveniste (2005; 2006), Bakhtin (1997, 2003) e

    Ducrot (1987); para se referir ao conceito de ideologia, em Pêcheux (1995,1988), Althusser (2001), Orlandi (1995) e Fairclough (2008); para reelaborar o conceito de ethos, trazido da retórica antiga, em Maingueneau (2008, s.d.) e Amossy (2005); para falar de identidade, em Bauman (2005), Hall (2006) e Castells (1999). Outros autores também estarão presentes neste estudo, quando se propõe descrever as especificidades do gênero anúncio. A partir da análise de quatro anúncios (dois de cada empresa), percebe-se que é o interdiscurso a base de toda a argumentação publicitária e que os enunciadores apropriam-se dos elementos (inter)discursivos para construir uma imagem de si e do público a quem dedica sua mensagem. Em conclusão, a análise revelou que a imagem de mãe construída por cada enunciador sofre uma forte interpelação ideológica e que, enquanto o enunciador Natura parece falar ao coração das mães e dos filhos, o enunciador O Boticário só adota

    comportamento semelhante em 2011; ainda assim, seus discursos, ao contrário dos discursos da Natura, são sempre assimétricos, apresentando um ethos autoritário e muitas vezes pedagógico.

  • LUCIANA MARIA LIBÓRIO EULÁLIO
  • A CONSTRUÇÃO DE DISCIPLINAS DE CURSOS A DISTÂNCIA ON LINE: UMA
    ANÁLISE À LUZ DA TEORIA DOS DISCURSOS SOCIAIS

  • Orientador : PAULO FERNANDO DE CARVALHO LOPES
  • Data: 25/06/2012
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação investiga, através de uma análise comparativa, como estão sendo construídos
    os discursos de duas disciplinas virtuais da UAPI-UFPI e duas da UAB-UnB averiguando
    quais estratégias de enunciação estão presentes nos modos de mostrar, interagir e seduzir
    destas disciplinas  do modelo de ensino a distância on line. A pesquisa adota como
    perspectiva teórico-metodológica  a da Análise de Discursos (AD),  de caráter qualitativa,
    busca  identificar a construção das imagens dos enunciadores e do aluno virtual e sua relação
    nos  e pelos discursos.  Tem como referencial teórico  -  metodológico a Teoria dos Discursos
    Sociais, Milton José Pinto (2002) e para a análise dos dispositivos de enunciação das
    disciplinas que fazem parte deste  corpus,  o conceito de Contrato de Leitura de Eliseo Verón
    (2004). No que tange ao referencial teórico sobre Educação a Distância, sociedade em rede,
    tecnologias e ambiente virtuais, traz questões propostas por Kenski (2007), Preti (2005),
    Silva (2006), Blikstein e Zuffo (2006), Castells (1999), Santos (2010), Pucci (2010), Araújo
    (2007), Feenberg (2010), Dalmonte (2009), Lévy (1993), Snyder (2009) e Zuin (2010), dentre
    outros. E, ainda, quanto às questões teóricas ligadas ao discurso, sujeito social e histórico,
    linguagem, ideologia, poder, enunciado, enunciação, heterogeneidades discursivas: Foucault
    (2009,2005,1987,1972), Pecheux (2002,1975), Bakhtin (2003,1992), Benveniste(1988,1989),
    Authier-  Revuz (1982), dentre  outros. A pesquisa mostra que a prática social, didático e
    pedagógica de disponibilização de disciplinas em ambientes virtuais para cursos a distância
    nas plataformas constroem uma imagem enunciativa dos sujeitos envolvidos na Educação a
    Distância on line. Os discursos construídos por estas duas universidades revelam no seu
    interior diferentes modos de incorporação das tecnologias digitais e um embate de conflitos na
    produção de sentidos  para essa forma de ensinar via internet,  em decorrência da natureza das
    relações sociais. A questão do ideológico presente no desenho das disciplinas se marca todas
    as vezes que seus textos ou  matérias significantes se relacionam com as suas “condições de
    produção”.

  • MARIA ROZIANE DE SOUSA BRITO
  • Ofício: gênero retórico de múltiplos propósitos

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 22/06/2012
  • Mostrar Resumo
  • Em nosso trabalho, procuramos mostrar que o gênero ofício é um gênero retórico e
    que se presta a diversos propósitos comunicativos, muito desses não explicitados
    nos textos. Para tal, contrapusemos a concepção de ofício dos manuais de redação
    oficial e a que pode ser identificada em textos escritos neste gênero. Nossa
    pesquisa tem como base os conceitos  de gênero defendidos, principalmente, por
    Miller (2009) e Devitt (2004), que consideram que os gêneros são formas de ações
    sociais, as quais são realizadas pelos usuários, os quais, por sua vez, são os
    agentes de construção, utilização, permanência e também mudança dos gêneros.
    Nossas análises foram realizadas da seguinte maneira: selecionamos 10 manuais
    de redação oficial de esferas municipais, estaduais e federais publicados entre os
    anos de 2001  e  2010, a fim de identificar qual é, segundo eles, a concepção do
    gênero ofício, a partir da análise das definições para o ofício apresentadas nesses
    manuais, das regras quanto à sua estruturação e do que é dito sobre o propósito
    comunicativo/finalidade do ofício. Posteriormente, contrapusemos a concepção do
    gênero ofício presente nos manuais à que aparece marcada nos textos de ofícios
    enviados, a vários outros órgãos, pela Secretaria de Administração do Estado do
    Piauí entre os anos de 1982 e 2010, os quais totalizam 50 ofícios. E, para completar
    nossa análise, realizamos, ainda, 3 entrevistas individuais com usuários do gênero
    ofício. De posse desses dados,  foi possível verificar que as práticas desse gênero
    nem sempre obedecem ao que preceituam os manuais de redação e isso porque as
    regras prescritas no manuais  não dão conta de todas as situações retóricas
    possíveis em que o gênero ofício possa ser utilizado, não prevendo, em sua maioria,
    as adaptações possíveis ao gênero diante de necessidades específicas e diversas.
    Ao final desta pesquisa, foi possível concluir que o gênero ofício é um gênero
    retórico, no sentido de ser utilizado pelos indivíduos/usuários para resolver
    problemas, e que atende a diversos propósitos comunicativos, muitos desses não
    explicitados nos textos, mas que se relacionam com a perpetuação  de valores das
    instituições públicas.

  • ALLAN DE ANDRADE LINHARES
  • Concepções e Práticas de Leitura na EJA: uma experiência com professores de 4º Ciclo

  • Data: 21/06/2012
  • Mostrar Resumo
  • Entendendo leitura como um processo em que o leitor interage com o texto e a ele atribui

    sentidos, desenvolvemos este estudo com o objetivo de investigar as concepções de leitura e

    práticas empregadas pelas professoras de 4º ciclo de EJA nesse processo de ensino. A fim de

    alcançar o objetivo pretendido, mantivemos diálogo com diferentes autores, entendendo as

    múltiplas abordagens da leitura. São alguns deles: Koch (1987, 2009); Kleiman (2002, 2007,

    2008a, 2008b, 2010); Solé (1998); Marcuschi (1999, 2003, 2008, 2010);  Bortoni-Ricardo,

    Machado, Castanheira (2010); PCN (1998); Proposta Curricular para a Educação de Jovens e

    Adultos: primeiro e segundo segmentos (2001, 2002). Por se tratar de um estudo que se

    dedica à interpretação de ações sociais, a investigação sobre o contexto escolar de leitura em

    EJA desenvolveu-se por meio de uma pesquisa de natureza qualitativa, adotando uma

    perspectiva etnográfica. Para tanto, utilizamos como procedimentos a observação participante

    das aulas de quatro professoras, as quais foram gravadas em áudio. Procedemos, também, a

    entrevistas, realizamos notas de campo e recolhemos materiais. Os resultados do estudo

    evidenciam que, ao desenvolver o ensino de leitura no cotidiano de orientações leitoras, as

    professoras priorizaram, no que dizem  e no que fazem, concepções de leitura que pouco

    possibilitam ao leitor construir sentidos, haja vista que as com foco no autor e no texto,

    aparecem predominantemente. Observamos, também, que o ensino de estratégias claras para o

    processo de leitura não foi  privilegiado e o que predomina é a interpretação do professor.

    Quanto ao material didático usado para ensinar leitura, as professoras ofereceram poucas

    oportunidades aos alunos, por meio das atividades selecionadas e da condução delas, para

    compreender os  gêneros textuais em questão, além de optarem, no que se refere à

    compreensão textual, por questões de localização ou construíam respostas para eles. Com o

    estudo realizado, percebemos que o ensino de leitura desenvolvido nas turmas  pesquisadas

    pouco oferece aos alunos de EJA meios para atuar, significativamente, como um leitor social,

    mesmo que as professoras tenham tentando uma aproximação com o texto e com a leitura.  

  • LUÍS RODOLFO CABRAL SALES
  • MESSIAS DE PAPEL: a construção discursiva da candidatura de Roseana Sarney (2009-2010) pelos editoriais do jornal O Estado do Maranhão

  • Orientador : FRANCISCO LAERTE JUVENCIO MAGALHAES
  • Data: 20/06/2012
  • Mostrar Resumo
  • Análise, a partir dos editoriais do jornal O Estado do Maranhão, do discurso mítico-messiânico da candidatura de Roseana Sarney Murad. Tomamos por aporte teórico a Análise do Discurso e discutimos as seguintes categorias: enunciação, enunciado, formação discursiva e formação ideológica, campo discursivo, interdiscurso, discurso fundador e sujeito. Para tratarmos de campo midiático, remontamos aos estudos de Bourdieu (1976, 1989, 1997) e às releituras feitas por Ferreira (2002, 2005) e por Miranda (2005). Focalizamos a relação entre mídia e política a partir dos trabalhos de Piovezani Filho (2003, 2007) e de Gregolin (2003). Ao discutirmos especificamente a ordem do discurso jornalístico, retomamos a reflexão de Pêcheux (1983a) e a relacionamos com a discussão de Charaudeau (2005a). O gênero editorial recebe o tratamento de gênero discursivo, à maneira de Maingueneau (1998), resguardando as especificidades deste gênero, como mostrado em Alves Filho (2006) e em Seixas (2007). Para a pesquisa, foram coletados os editoriais publicados nas edições daquele jornal entre os dias 1º de março de 2009 e 31 de dezembro de 2010, dos quais, dada a extensa quantidade de material, foram escolhidos para análise aqueles que apresentaram marcas flagrantes de um posicionamento acerca das questões políticas do estado do Maranhão, em especial as que se referiam ao governo de Jackson Lago, ao de José Reinaldo Tavares e ao de Roseana Sarney. Para o tratamento de dados, nos fundamentamos em Chauí (2000), que trata das questões relativas aos discursos fundadores da cultura brasileira, que contribuem para a sacralização do poder político; em Tavares (1998), Miguel (2000) e Mendonça (2002) que discorrem sobre a retomada e ressignificação do discurso mítico-messiânico em candidaturas políticas. Com a análise, conduzimos um gesto de interpretação dos dados que nos permitiu montar uma trajetória mítico-messiânica da candidatura de Roseana Sarney, atendendo aos passos de um Messias, conforme Girardet (1987): poder, apelo, martírio e glória.

  • MARIA LIMA DE SANTANA
  • O ENVELHECER NAS REVISTAS SEMANAIS DE INFORMAÇÃO: OS DISCURSOS EM VEJA E ÉPOCA

  • Orientador : PAULO FERNANDO DE CARVALHO LOPES
  • Data: 19/06/2012
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo investigar as noções de envelhecimento e as imagens de
    idosos propostas pelas revistas  Veja e Época. Analisa como as abordagens sobre o envelhecer
    contribuem,  em  um contexto sociocultural, para a construção de identidades na sociedade
    contemporânea e  de que modo  práticas sociais são constituídas pelos suportes midiáticos.
    Partimos da hipótese de que os meios de comunicação trazem para si a condição de construir
    o processo sobre o envelhecimento na sociedade atual, uma vez que as formas de tratamento
    do tema envelhecimento vêm apontando para mudanças de sentidos. Recorremos aos
    pressupostos teóricos metodológicos da Teoria dos Discursos Sociais a fim de averiguar se é
    pela linguagem que os sujeitos discursivos convencem os outros a agir contribuindo para
    mudanças de comportamentos. Nossa pesquisa é formada com um  corpus  que se constitui de
    doze  reportagens de revistas  de informação semanal, sendo seis  da revista Veja e seis da
    revista Época, assim distribuídas: quatro  do ano de 2009 e duas do ano de 2010,  escolhidas
    pelas reportagens que tratavam do tema envelhecer. Buscamos apoio teórico especialmente
    nas ideias de Bakhtin (1979; 2006), Pinto (1994; 2002), Benveniste (2005; 2006), Foucault
    (2009a, 2009b),  Ducrot (1987), Pêcheux (2008), Verón (2005),  no que se refere  às questões
    ligadas às teorias dos discursos. Outros autores também contribuíram de forma significativa
    para o desenvolvimento deste trabalho, a saber, Barros (2007), Bernardes (2010), Monteiro
    (2003), Lemos (2004) que forneceram  a  base  teórica fundamental  para  a  análise do processo
    de envelhecer no mundo contemporâneo.

  • BRUNO DIEGO DE RESENDE CASTRO
  • Apropriações institucionais do Twitter: uma análise sociorretórica dos perfis institucionais de IES piauiense

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 26/04/2012
  • Mostrar Resumo
  • Pretendemos, com esta pesquisa, examinar o gênero Perfil Institucional de IES (instituição de Ensino Superior) piauienses no Twitter e entender como essas IES estão utilizando esse gênero para se comunicar com a sociedade em geral. Este estudo se justifica pela necessidade de examinar essa nova forma de comunicação entre instituição e indivíduo, ainda pouco estudada. Também, devido à crescente utilização desse gênero por parte das IES piauienses, percebemos que é importante uma pesquisa mais detalhada sobre essa prática comunicativa. Vamos analisar, então, a situação retórica que propiciou a escolha desse gênero por essas instituições, compreender a fusão forma/substância, identificar o conjunto de gêneros do qual o Perfil Institucional de IES faz parte e que propósito comunicativo as IES esperam atingir com o uso desse gênero. Nesse sentido, partimos do pensamento de Bakhtin (1997) de que os gêneros são tipos de enunciados que possuem características instáveis e estáveis, e que para estudá-los devemos observar como os indivíduos fazem uso desses tipos de enunciados em sociedade. Também norteiam essa pesquisa as noções de gênero defendidas por Miller (2009 [1984]), Devitt (2004 e Bazerman (2005), que propõem analisar o gênero como ações tipificadas que são classificadas pelos usuários conforme agem simbolicamente, ou seja, o gênero só existe funcionalmente, enquanto as pessoas acreditam que ele realiza determinada ação compreendida em sociedade. Realizamos a pesquisa da seguinte forma: selecionamos primeiramente as dez IES melhor classificadas no Índice Geral de Cursos (IGC) de 2009; em seguida verificamos quais desas instituições possuíam perfis no Twitter. Então desenvolvemos uma pesquisa piloto para compreender as principais características dos perfis, para depois abordarmos essas características nas entrevistas com os administradores desses perfis. Por conseguinte, realizamos as entrevistas e comparamos com os resultados encontrados a partir da análise dos perfis dessas IES. Descobrimos, através desse estudo, que as IES forma motivadas a utilizar esse gênero devido a repercussão e aceitação que ele teve na sociedade, além do prórpio contexto sociocultural do século XXI, em que as redes sociais alcançaram grande prestígio social. Então, movidas por essa situação, as instituições passaram a utilizar o Twitter, instaurando uma nova situação retórica, que é fazer uma comunicação mais direta com a sociedade. Com base na análise desse uso, verificamos que as IES piauienses têm como propósito, ao utilizar o Perfil Institucional de IES, disseminar os fatos e acontecimentos relacionados à instituição e falar diretamente com a população.

  • LEILA RACHEL BARBOSA ALEXANDRE
  • O Perfil Fake como um Gênero do Twitte

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 26/04/2012
  • Mostrar Resumo
  • O presente  trabalho descreve e analisa os fatores que fazem com que o perfil  fake
    do Twitter seja considerado um gênero retórico, levando em conta, para isso, o que
    os usuários do gênero dizem sobre ele.  O  Twitter  é  um serviço digital que está
    fazendo sucesso atualmente,  servindo a usos  de diversos tipos, portanto torna-se
    necessário entender o  que as pessoas estão fazendo através dele. Dentre  esses
    usos  do Twitter, o  que nos pareceu mais interessante  para  a  pesquisa  foi  o  perfil
    fake, que, embora não seja uma prática nova na  Internet, vem ganhando
    notoriedade no Twitter, levando a  questionamentos acerca de sua importância, de
    sua construção e de seu funcionamento.  Além disso, por se tratar de um gênero
    parodístico, levanta questões  interessantes acerca dos modos como a  realidade é
    reconstruída para atender às exigências  retóricas  colocadas ao gênero.  Os
    procedimentos metodológicos utilizados  nessa pesquisa  foram definidos com base
    nas noções  dos Estudos Retóricos de Gêneros,  representados, neste trabalho,
    principalmente por Miller (2009) e Devitt (2004). Nessa perspectiva teórica,  os
    usuários têm papel importante na caracterização e classificação dos gêneros,
    porque são eles que trabalham com esses gêneros e, portanto, podem nos oferecer
    bons  indícios  sobre o  seu funcionamento.  Além disso, os gêneros  e suas
    características visíveis  nos textos são considerados  como respostas a situações
    recorrentes. Dentro dessa abordagem, a pesquisa trabalhou com as seguintes
    categorias de análise  —  situação retórica recorrente, exigência situacional e
    recorrências de forma/substância  —, que permitem  identificar de forma mais
    proveitosa a ação retórica  tipificada  relacionada aos  fakes  do  Twitter.  Para
    compreender o funcionamento do gênero foram realizadas entrevistas com criadores
    de perfis  fakes  de pessoas e personagens famosos, assim como  foi realizada
    análise  de perfis desse tipo. Com esses dados, foi possível caracterizar tanto os
    fatores situacionais recorrentes que propiciam a criação de exemplares do gênero
    quanto as características recorrentes de forma/conteúdo (nas imagens, na descrição
    e nas postagens do perfil) que estão presentes nesses exemplares e que são
    decorrentes desses fatores situacionais.  Ao final dessa pesquisa,  foi possível
    concluir que o gênero Perfil Fake está relacionado à ação retórica de proporcionar
    entretenimento  tanto ao criador do perfil quanto a um público seguidor, através da
    construção de uma paródia baseada em características marcantes de pessoas e
    personagens  famosos  e da criação de uma realidade fictícia para o personagem
    fake, em que ele interage com os seguidores,  propõe  atividades e simula fatos
    cotidianos. 

  • RAIMUNDO NONATO SILVA
  • A formação do leitor autônomo e crítico do ensino fundamental.

  • Data: 29/03/2012
  • Mostrar Resumo
  • Fundamentada nas determinações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação
    9394/96 referentes à leitura no ensino fundamental, nos pressupostos dos
    Parâmetros Curriculares Nacionais que apontam o terceiro e o quarto ciclos como
    decisivos para a formação de leitores e na teoria que concebe a leitura como uma
    atividade interativa, na qual o leitor interage com o texto no processo de construção
    de sentido, realizamos esta pesquisa de natureza qualitativa de base etnográfica
    para investigar as práticas de leitura dos alunos concludentes do ensino fundamental
    de uma escola da rede pública estadual localizada na periferia de Teresina – Piauí,
    com vistas a verificar se essas práticas, compreendendo a participação nas
    discussões e debates, na compreensão das leituras realizadas na sala de aula e no
    posicionamento crítico diante dessas leituras, caracterizam estes alunos como
    leitores autônomos e críticos. Nesta pesquisa observamos as aulas de língua
    portuguesa, registrando as atividades de leitura, interpretação de texto, avaliações,
    apresentações de trabalhos em grupo e debates realizados na sala de aula. Os
    dados coletados e analisados com base no referencial teórico e nas asserções pré-
    elaboradas, revelaram que os alunos enfrentam dificuldades com relação à leitura e
    compreensão, talvez por não haver orientação que possibilite a utilização de
    estratégias e a ativação dos conhecimentos prévios  sobre o assunto do texto em
    estudo para  construção de significados, além da ausência de projeto no ambiente
    escolar favorável à formação de alunos leitores.

  • DOUGLAS RODRIGUES DE SOUSA
  • Gênero e Etnicidade: a construção da identidade da mulher negra na poesia de Alzira Rufino

  • Data: 30/01/2012
  • Mostrar Resumo
  • Nas últimas décadas o tema da literatura e identidade tem ganhado maior notoriedade nos espaços de produção literários e acadêmicos, isso inclui a renovação e papel da nova poesia do século XX,  onde se  destaca  o da poesia identitária. Vozes dos grupos excluídos da literatura, que a utilizam como forma e função social de denúncia e apresentação das temáticas que revelam os preconceitos, lutas, anseios e percalços de quem está posto à margem das ordens estabelecidas. No que concerne à afrodescendência, esses movimentos visam principalmente a afirmação da identidade negra no bojo dessas produções.  Neste âmbito, esta pesquisa se propõe a analisar a construção da identidade da mulher negra a partir da leitura do livro de poesias  Eu, mulher negra, resisto  (1988) da escritora afro-brasileira Alzira Rufino. Para tanto, percorremos vieses que a própria poesia da autora estudada nos guiou, como o tema da literatura afro-brasileira, as relações identitárias, a memória negra, e os elementos da cultura afro-brasileira. Ainda, percorremos numa análise, por se tratar da escrita de uma mulher e negra, as discussões de gênero e discriminação racial para com o grupo afro-feminino. Portanto, teóricos e discussões em torno das relações de identidade, gênero e etnicidade são levantados para fundamentar este trabalho.

2011
Descrição
  • LILIAN CASTELO BRANCO DE LIMA
  • A trama dos contos na literatura dos Guajajára/ Tehára: a estrutura de uma tradição.

  • Orientador : SAULO CUNHA DE SERPA BRANDAO
  • Data: 04/11/2011
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa gravita em  torno das Narrativas Indígenas Guajajára, buscando
    evidenciar suas características literárias e a estrutura destes textos seguindo o modelo dos
    estudos de Vladimir Propp  (2003), assim como o trabalho de Alan Dundes  (1996) sobre a
    morfologia e estrutura dos contos indígenas norte-americanos. Delimitamos a investigação a
    uma amostra de narrativas, escolhida com base na preferência da comunidade, que apontou as
    histórias que mais gostavam de ouvir. Assim, como esta pesquisa determinou como sujeitos
    os indígenas Guajajára  da aldeia  Januária, para atender ao critério da viabilidade.  Nesse
    contexto, investigar a partir da amostra ―como se estruturam as narrativas dos Guajajára da aldeia
    Januária‖ é a questão central que nos movimenta na construção desta pesquisa, para tal organizamos
    este trabalho em torno das seguintes aspirações:  Realizar  uma abordagem histórico-
    antropológica dos Guajajára da aldeia Januária, para situarmos os sujeitos e o campo
    desta pesquisa e nos dar embasamento para  refletir sobre como se interrelacionam
    identidade-cultura-literatura,  para então  compreender a estruturação da literatura
    indígena e sua importância para o reavivamento cultural deste povo, no intuito de nos
    auxiliar a identificar como se estruturam as narrativas de conhecimentos tradicionais dos
    Guajajára e que elementos apresentam-se como variantes e invariantes. Para isso,
    delineamos uma pesquisa bibliográfica para dar suporte aos dados que foram apreendidos
    através da pesquisa de campo etnográfica, a qual constatou que essas narrativas seguem o
    modelo ocidental de estrutura do conto, como também apresentam as funções apontadas por
    Propp e Dundes, contudo com marcas da identidade étnica indígena.

  • WALDEMAR DUARTE DE ALENCAR NETO
  • As operações de linguagem e a construção da significação: um estudo enunciativo da marca pois

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 21/10/2011
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho é investigar o papel enunciativo das conjunções, especialmente da marca pois, observando de que forma esta marca participa do processo de construção da significação dos enunciados. Esta pesquisa se apoia na Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE), do linguista Antoine Culioli, e está focada na articulação de valores e no processo de construção da representação das marcas na linguagem. Essa proposta enunciativa busca evidenciar a questão da significação dos enunciados, tomando como ponto de partida a sua construção e reconstrução. Essa análise é possível a partir da manipulação de enunciados por meio de glosas linguísticas. Os enunciados analisados foram extraídos do banco de dados do Projeto Aspectos Gramaticais do Português Falado por Teresinenses - PORFATER, um corpus para pesquisa linguística constituído de uma amostra da fala de teresinenses e desenvolvido pelo Centro de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Com fundamento na TOPE, consideramos que o valor do pois é construído a partir das noções a que está relacionado. Então, segundo o que postula essa teoria, o valor atribuído a uma expressão linguística não é fixo, estável, como nas gramáticas tradicionais, mas sim construído no enunciado.  No nível enunciativo, foi possível analisar as categorias de modalidade, tempo, e de determinação em alguns termos e suas implicações na construção do enunciado. A análise dessas categorias ajudou a entender o uso da marca em estudo no enunciado e como, por exemplo, a escolha de um valor modal ou de certo valor temporal, contribuiu para a construção da significação. Nas análises dos enunciados, foi possível observar que a marca pois tem a natureza de acionar operações de localização. É nesse momento que as propriedades de A e B (como chamamos os termos à esquerda e à direita da marca), no enunciado, são colocadas em jogo, sendo aí a relação de alteridade evidenciada. Assim, um enunciado não pode ser classificado em causal, explicativo ou conclusivo, pela simples presença dessa conjunção ou pela sua posição no enunciado, é necessário relacionar a marca às noções presentes nos termos da esquerda e da direita. É por meio desse sistema de localização, segundo a teoria, que o objeto pode adquirir um determinado valor.

  • GENESIA DA SILVA XAVIER
  • Retextualização de gêneros escritos na escola a partir do letramento social

  • Orientador : CATARINA DE SENA SIRQUEIRA MENDES DA COSTA
  • Data: 13/09/2011
  • Mostrar Resumo
  • Nesta dissertação, realizamos um estudo que teve como objetivo principal analisar a relação
    entre a retextualização de gêneros textuais escritos na prática escolar,  relacionando essa
    prática com o  letramento social de alunos do  Ensino  Médio de uma escola pública de
    Teresina. Isto é, a partir da retextualização de quatro gêneros textuais escritos,
    especificamente a crônica, o artigo de opinião, o cartaz e o bilhete, trabalhamos atividades de
    retextualizações como exemplos recorrentes de uso da linguagem verbal em situações
    cotidianas de leitura e escrita, marcadas pela interferência do letramento social desses alunos.
    Essa interferência do letramento vai ocorrendo na medida em que os gêneros  textuais lidos e
    posteriormente retextualizados fazem parte das práticas sociais de letramento vivenciadas no
    cotidiano desses alunos, incluindo-se o cotidiano escolar. Como defendem Bakhtin  (2006),
    Dell’Iisola (2007; 2008) e Marcuschi (2008),   retextualização é um uso linguístico do dia a
    dia que consiste na reconstrução de um texto em outro texto, visando  atender a um propósito
    comunicativo e interativo. Para darmos conta desta investigação, adotamos uma abordagem
    metodológica da Etnografia que se caracteriza pela observação e descrição dos significados
    individuais e coletivos de uma comunidade, seguindo o pressuposto da observação e da
    relação do pesquisador com o outro nos vários contextos sociais. Desse modo, dividimos esta
    pesquisa em dois momentos:  primeiro, a observação das atividades escolares com gêneros
    textuais escritos;  depois, realizamos uma intervenção pedagógica de retextualização de
    gêneros textuais escritos. O fator que mais nos motivou para a realização desse propósito foi a
    constatação, em nossa experiência de mais de vinte anos na prática docente, trabalhando com
    o ensino de língua materna, de que a escola enfrenta muitos problemas de aprendizagem com
    seu alunado,  que poderiam ser resolvidos pela aquisição das habilidades de ler e escrever.
    Cremos que este estudo deve despertar também o interesse de profissionais ou estudiosos das
    áreas de Linguística e Educação, considerando que os resultados aqui apresentados mostram
    que a retextualização é uma atividade didática motivadora para a aquisição da leitura e da
    escrita na sala de aula. Além disso, podemos perceber que o ensino de leitura e escrita, se
    associado às praticas sociais de comunicação do aluno, poderá render resultados favoráveis
    para a aprendizagem escolar em geral.

  • MERIDALVA GONÇALVES DE SOUSA
  • A identidade anunciada no romance "Os Tambores de São Luís", de Josué Montello: a representação do negro escravizado e liberto no Maranhão do século XIX

  • Orientador : ELIO RODRIGUES DA SILVA
  • Data: 09/09/2011
  • Mostrar Resumo
  • O romance Os tambores de São Luísdo maranhense Josué Montello, mantem um diálogo

    com o período que abarca o Brasil escravocrático até o início do Brasil República. Os

    conflitos entre brancos e negros são testemunhados por clérigos, políticos, pessoas influentes

    e tipos populares e os negros em situação de escravos e alforriados. Tudo acontece ao som dos

    tambores vindo das casas de Minas que ora anunciam com o seu tantantan esvaecido a

    exclusão do negro. Já o som frenético anuncia a conquista ou o reviver dos costumes e das

    crenças africanas. A projeção do negro no contexto figurativo da obra é tomada como base

    para  o presente trabalho intitulado A identidade anunciada no romance Os Tambores de

    São Luís,de Josué Montello: a representação do negro escravizado e liberto no

    Maranhão do século XIX, que tem como objetivo geral analisar a anunciação da memória,

    da identidade e da resistência do negro escravizado e liberto na obra Os tambores de São Luís,

    de Josué Montello. De forma mais específica o trabalho apresenta os seguintes objetivos: a)

    verificar como o escritor Josué Montello anuncia a identidade e a resistência negra no

    romance Os tambores de São Luís. b) reconhecer como a memória favorece a identidade e a

    resistência étnica cultural na obra e c) discutir a violência, o preconceito e os castigos

    impostos aos negros em situação de escravos e de alforriados. Na análise são utilizadas as

    abordagens de David Brookshaw (1983), Frantz Fanon  (1983) dentre outros que discutem a

    questão conflito racial. Já Stuart Hall (2006), Kathryn Woodward (2009) e outros marcam as

    ideias em torno de identidade, fragmentação e deslocamento de sujeito. O conceito de

    resistência parte das proposições de Michel Foucault (2008). De Maurice Halbwachs (1990) e

    Henri Bergson(1999)  utilizamos o conceito de memória. Estudiosos como Velho( 1999),

    Arendt(2010), Souza  (1983), Lopes  (2007)  e outros formam a base teórica para discutir a

    violência expressa pela narrativa.

  • ANA PAULA PEREIRA DO Ó
  • O lado de cá e o lado de lá: diferentes tons de identidade femininas em As doze cores do vermelho.

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 29/08/2011
  • Mostrar Resumo
  • Esse trabalho consiste na análise da construção da identidade feminina em As doze cores do vermelho  de Helena Parente Cunha, através da qual identificamos a imposição de um modelo patriarcalista, cuja ordem disciplinar impõe o silenciamento e impede as descobertas constitutivas do corpo. A análise do romance centra-se na personagem central que vivencia  uma trajetória de conflitos dividida entre o lado de cá, representado pelo casamento e a maternidade que a aprisiona e a limita, e o lado de lá,  representando a liberdade e o desejo de ser uma reconhecida pintora nas artes plásticas. A personagem, no entanto, mesmo vivenciando experiências opressivas, esboça resistência e tenta subverter a ordem estabelecida numa clara demonstração de que o poder não deve ser visto como pertencente a um grupo específico, mas que atravessa toda e qualquer estrutura social e se exerce por meio das relações de força, por isso mesmo, sujeito à alternância de poder. Para a construção de uma discussão mais consistente e para a realização desse trabalho, buscamos  a contribuição de estudiosos e estudiosas de gênero, da teoria pós-moderna e dos estudos culturais. Nessa perspectiva, dividimos dissertação em três diferentes capítulos a seguir: no primeiro capítulo, enfocamos a pluralidade do sujeito, além da quebra da linearidade da narrativa e pluralização de sentidos que emana do texto; no segundo capítulo, promovemos  uma discussão acerca da disciplinarização dos corpos e no terceiro, analisamos a eficácia de um poder produtivo e as diferentes formas de resistência. Enfim, podemos observar que  As doze cores do vermelho  de Helena Parente Cunha constitui-se de uma ótima fonte de reflexão e de desconstrução da visão una do sujeito moderno, coerente e centrado, ao tempo em que demonstra que a identidade, antes concebida como fixa, não é, senão contraditória e cambiante ante a complexidade do sujeito.

  • ANA PAULA PEREIRA DO Ó
  • O lado de cá e o lado de lá: diferentes tons de identidade femininas em As doze cores do vermelho

  • Orientador : SEBASTIAO ALVES TEIXEIRA LOPES
  • Data: 29/08/2011
  • Mostrar Resumo
  • Esse trabalho consiste na análise da construção da identidade feminina em As doze cores do vermelho  de Helena Parente Cunha, através da qual identificamos a imposição de um modelo patriarcalista, cuja ordem disciplinar impõe o silenciamento e impede as descobertas constitutivas do corpo. A análise do romance centra-se na personagem central que vivencia  uma trajetória de conflitos dividida entre o lado de cá, representado pelo casamento e a maternidade que a aprisiona e a limita, e o lado de lá,  representando a liberdade e o desejo de ser uma reconhecida pintora nas artes plásticas. A personagem, no entanto, mesmo vivenciando experiências opressivas, esboça resistência e tenta subverter a ordem estabelecida numa clara demonstração de que o poder não deve ser visto como pertencente a um grupo específico, mas que atravessa toda e qualquer estrutura social e se exerce por meio das relações de força, por isso mesmo, sujeito à alternância de poder. Para a construção de uma discussão mais consistente e para a realização desse trabalho, buscamos  a contribuição de estudiosos e estudiosas de gênero, da teoria pós-moderna e dos estudos culturais. Nessa perspectiva, dividimos dissertação em três diferentes capítulos a seguir: no primeiro capítulo, enfocamos a pluralidade do sujeito, além da quebra da linearidade da narrativa e pluralização de sentidos que emana do texto; no segundo capítulo, promovemos  uma discussão acerca da disciplinarização dos corpos e no terceiro, analisamos a eficácia de um poder produtivo e as diferentes formas de resistência. Enfim, podemos observar que  As doze cores do vermelho  de Helena Parente Cunha constitui-se de uma ótima fonte de reflexão e de desconstrução da visão una do sujeito moderno, coerente e centrado, ao tempo em que demonstra que a identidade, antes concebida como fixa, não é, senão contraditória e cambiante ante a complexidade do sujeito.

  • DIGENÁRIO PESSOA DE SOUSA
  • O gênero de discurso editorial de jornal por uma perspectiva sociohistórica

  • Orientador : FRANCISCO ALVES FILHO
  • Data: 28/05/2011
  • Mostrar Resumo
  • É nosso objetivo, nesta pesquisa, investigar o funcionamento retórico do gênero de discurso editorial de jornal, na empresa jornalística O Dia, adotando, para isso, uma perspectiva sociohistórica em que os enunciados são analisados em dois contextos históricos específicos, a saber, 1971 e 2010. Além, disso, é intuito também explorar relações entre linguagem e contexto partindo do inter-relacionamento entre ação retórica e situação retórica, e demonstrar que esta tem fortes implicações naquela. Dessa confluência solidificam-se algumas escolhas teóricas e metodológicas. Para encarar os gêneros de discurso como uma realidade mutante, dinâmica e plástica e que serve a sujeitos sociais em seus ambientes históricos específicos de interação, baseamo-nos, especialmente, em Bakhtin (1997 [1929]; 2003 [1953]) e na Nova Retórica estadunidense por meio dos trabalhos de Devitt (2004), Miller (2009 [1984]), Bazerman (2005) e Swales e Askehave (2009). Com esse aparato teórico defendemos que os gêneros de discurso são instrumentos de ação social e, para que esta ação social reflita mais diretamente o que o sujeito histórico O Dia fez/faz por meio do editorial, intentamos uma abordagem mais específica sobre o gênero, de modo que não é o editorial de jornal entendido como o gênero presente neste ou naquele jornal, mas o editorial no jornal O Dia e no contexto histórico específico desta instituição. Assim, elegemos os propósitos comunicativos e os temas do gênero para analisar 45 editoriais da empresa jornalística O Dia (20 do ano de 1971 e 25 de 2010). Nas discussões partimos da investigação das concepções sobre editorial de jornal conforme especialistas da comunicação, linguistas e usuários deste gênero, para, a partir destas, reanalisarmos o funcionamento retórico do editorial com base em enunciados da empresa jornalística O Dia. Como resultados, do ponto de vista teórico-metodológico, concluímos que é possível abordar o gênero a partir de níveis de observação diferentes, donde chegamos a resultados também diferentes. A análise retórica dos editoriais confirma isso e demonstra também que o funcionamento retórico do editorial do jornal O Dia está intimamente relacionado com o seu contexto, daí os usos do editorial serem também distintos nos dois períodos analisados.

     

2009
Descrição
  • JAINARA TEIXEIRA PIMENTEL
  • Subjetividade na linguagem: uma análise das manifestações das modalidades apreciativa e volitiva no português falado

  • Orientador : MARIA AUXILIADORA FERREIRA LIMA
  • Data: 19/08/2009
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho objetiva analisar a manifestação da subjetividade. Nosso enfoque são os verbos subjetivos que constituem meios de expressão das modalidades apreciativa e volitiva que revelam na superfície do texto a subjetividade do locutor. Nossa proposta é, conforme Benveniste  (2005), observar cada verbo como signo único e atualizado a cada 

    enunciação, já que esta é “sempre única e não repetível.” A partir de amostras de fala de estudantes teresinenses, selecionamos as formas verbais subjetivas identificadas sobre as quais procuramos explicar os valores apreciativos e volitivos. A coleta dos dados foi realizada no banco de dados que compõe o projeto “Descrição do português falado” da 

    Universidade Federal do Piauí. O referido banco de dados é constituído de transcrições de entrevistas gravadas com vários estudantes, oriundos da rede escolar de Teresina.  As entrevistas foram gravadas com estudantes do 5º ano e do  9º ano (à época da coleta dos dados eram 4ª e 8ª séries) do Ensino Fundamental e ainda com estudantes da 3ª série do 

    Ensino Médio. Procuramos delimitar, no vasto domínio da lingüística, as concepções enunciativas de base Linguística, com destaque para as idéias de Benveniste  (2005), Kerbrat-Orechionni  (2006) e ainda algumas noções da teoria de Culioli  (1990). A análise do corpus demonstrou que os verbos subjetivos são itens reveladores da subjetividade do enunciador. Os verbos analisados apresentaram valores afetivos, avaliativos e volitivos que 

    expressam uma atitude do sujeito enunciador, que, em consonância com outras marcas lexicais, revelam a posição do sujeito em relação aos enunciados que produz

2008
Descrição
  • CLÁUDIA MARIA MAGALHÃES MOTTA
  • O Seminário Dominical e a Celebração dos Cuidados de Si.

  • Orientador : PAULO FERNANDO DE CARVALHO LOPES
  • Data: 01/08/2008
  • Mostrar Resumo
  • A  dissertação fundamenta-se sob a problemática: Como ocorrem, nos textos de Isaias e de
    Paulo,  pertencentes ao Semanário Litúrgico,  os cuidados de si?  Para isto foi feita uma
    pesquisa da origem do Cristianismo até o Catolicismo, enfocando a celebração litúrgica, a
    ética e os dogmas cristãos. Tendo o pensamento e a metodologia de Foucault como alicerce
    teórico, buscou-se na Análise do Discurso Francesa uma complementaridade para discutir os
    conceitos de sujeito, subjetividade, marcas lingüísticas de pessoas e  a imagem de si no
    discurso.Ela consiste em uma análise do discurso, cujo corpus foi recortado do Semanário
    Litúrgico, precisamente da Liturgia da Palavra – Os textos de Isaías (Primeira Leitura) e de
    São Paulo (Segunda Leitura)  -  com o propósito de identificar como se produzem
    subjetividades através de um suporte específico de acompanhamento das missas dominicais
    em que o discurso religioso clássico assume um caráter mais palatável a fim de dialogizar
    com os fiéis,  com o objetivo de servir como referente para acompanhar o ritual, produzir
    reflexões e constituir a si como católico-cristão. A partir daí é que são montados os discursos
    com o propósito de que o fiel se pense e se constitua a si. No total, foram trinta e cinco textos
    examinados: dezesseis da Primeira Leitura –  Isaías – e dezenove da Segunda Leitura – São
    Paulo; todos pertencentes aos semanários de 2005.



Dissertações/Teses Antigas
2009
Descrição
  • VERA LÚCIA RAMOS DO NASCIMENTO
  • EFEITOS DE SENTIDOS EM CHARGES DOS JORNAIS PIAUIENSES: AS CANDIDATURAS DE SÍLVIO MENDES E NAZARENO FONTELES NA ELEIÇÃO DE 2008
  • Orientador : FRANCISCO LAERTE JUVÊNCIO MAGALHÃES
  • Ano: 2009
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • A presente dissertação propõe-se a investigar a produção de efeitos de sentidos em charges de jornais, focando os dois candidatos pólos na disputa pela prefeitura de Teresina, no estado do Piauí, durante as eleições do ano de 2008. As candidaturas analisadas foram a do então prefeito Sílvio Mendes, do Partido da Social Democracia Brasileira, e a do deputado Federal, Nazareno Fonteles, do Partido dos Trabalhadores. E foram charges publicadas em três jornais piauienses: O Dia, Meio Norte e Diário do Povo. Trata-se de uma reflexão sobre as charges que mostra como os modos de dizer das instâncias enunciadoras produziram efeitos de sentidos e como tais efeitos foram construídos no tecido discursivo. É um estudo que vai atrás das regularidades e das operações enunciativas, mostrando os efeitos de sentidos gerados a partir das estratégias discursivas adotadas pelos jornais. É preciso dizer, também, que por conta da escolha desse objeto de estudo, as charges foram consideradas enquanto objetos imagéticos e simbólicos, inseridos no campo jornalístico. E tem como método a Análise de Discurso, numa perspectiva semiológica, tomando como base os postulados da teoria dos discursos sociais. Este trabalho usou conceitos de autores, como Verón e Charaudeau, para a formatação das nuances do contrato midiático; Pinto, com os Postulados da Teoria dos Discursos Sociais; Bakhtin, com os conceitos de polifonia e dialogismo, além de Authier-Revuz com a heterogeneidade enunciativa. É uma pesquisa que considera a linguagem numa concepção interativa. E segue a tônica de que o sentido é construído nas relações discursivas, na interação, levando em conta também os sujeitos, os lugares que ocupam, a inserção na história e as condições de produção.
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 06/12/2019 03:43