Notícias

Banca de DEFESA: FRANCISCO DAS CHAGAS GOMES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO DAS CHAGAS GOMES
DATA: 04/07/2022
HORA: 14:30
LOCAL: AMBIENTE VIRTUAL GOOGLE MEET
TÍTULO: AMBIENTE FLUVIAL E OCORRÊNCIA DE FÓSSEIS VEGETAIS NO MUNICÍPIO DE ALTOS (PIAUÍ): BUSCA DE VALORIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DESSE PATRIMÔNIO NATURAL E AMBIENTAL
PALAVRAS-CHAVES: Rio Tingui. Floresta Petrificada. Patrimônio natural. Geoturismo. Educação Ambiental.
PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Geografia
SUBÁREA: Geografia Regional
ESPECIALIDADE: Análise Regional
RESUMO:

No município de Altos, Estado do Piauí, Brasil, ocorre um significativo afloramento de troncos petrificados que remontam ao final da estruturação da primeira unidade geológica da Bacia Sedimentar do Parnaíba, na formação Pedra de Fogo, datada do período geológico Permiano da era Paleozóica. Esses fósseis vegetais afloram na área do alto curso do rio Tingui, afluente da margem direita do rio Poti, correspondendo a troncos fósseis gimnospérmicos de grande porte, alguns medindo até 1,80 m de diâmetro, alguns autóctones, isto é, na posição de vida, e outros parautóctones, movidos ou modificados pela ação da natureza. Muitos destes troncos apresentam elevado nível de sílica e a permanência residual de carbono amorfo, evidenciando nos mesmos um processo de permineralização por sílica, medindo centímetros concêntricos, o que os tornam bastante diferentes daqueles encontrados na Floresta Fóssil que aflora no leito do rio Poti, em Teresina, Capital do Estado do Piauí. No entanto, mesmo tendo sido identificados por pesquisadores no início do século XX, a população deste município ainda não percebeu sua importância como um patrimônio natural e seu potencial como elemento de geração de renda, por meio da atividade turística. Este trabalho tem por objetivo geral estudar a floresta fóssil do município de Altos Piauí e sua relação com a dinâmica da paisagem fluvial local. Como objetivos específicos definiu-se: caracterizar o ambiente natural onde afloram os fósseis vegetais; identificar as formas de uso e ocupação das terras do alto curso do riacho Tingui na área de ocorrência dos fósseis; propor um roteiro geoturístico e ações educativas para a população local. Para tanto, foram realizados os seguintes procedimentos metodológicos: levantamento do referencial teórico sobre a área de estudo; realização de trabalhos de campo e registro fotográfico; mapeamento dos elementos geoambientais e dos locais de afloramento de fósseis utilizando técnicas de geoprocessamento, bem como entrevistas não-estruturadas a moradores e presidentes de associações de moradores dos povoados do entorno da área de ocorrência dos fósseis.  Como resultados encontrados destaca-se a organização de mapas temáticos da bacia hidrográfica do Riacho Tingui e sua caracterização geoambiental; localização geográfica, registro fotográfico e caracterização dos fósseis vegetais; uma Proposta de criação de roteiro geoturístico e unidade de conservação e Ações educativas para a comunidade local, como forma de contribuir para que a população local conheça, valorize e colabore para a proteção desse importante patrimônio natural e ambiental.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 6422093 - IRACILDE MARIA DE MOURA FE LIMA
Interno - 1671765 - ANDREA LOURDES MONTEIRO SCABELLO
Externo à Instituição - LIRIANE GONCALVES BARBOSA - UEMA
Notícia cadastrada em: 23/06/2022 12:11
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 15/08/2022 15:19