Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: EDIGAR GABRIEL DE SOUSA LEITE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EDIGAR GABRIEL DE SOUSA LEITE
DATA: 10/12/2015
HORA: 10:00
LOCAL: SALA 342 - CCHL/UFPI
TÍTULO:

O MERCADO DA FÉ: DA SECULARIZAÇÃO DOS ESPAÇOS SAGRADOS AO MARKETING RELIGIOSO DA IGREJA MUNDIAL DO PODER DE DEUS NO BRASIL PÓS 1998


PALAVRAS-CHAVES:

Mercado da fé. Religião urbana. (Neo)Pentecostalismo.  Secularização. Marketing. Bens simbólicos.


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O presente trabalho dissertativo visa saber como se configura o mercado da fé na Igreja Mundial do Poder de Deus – IMPD – no Brasil pós 1998 enquanto igreja egressa do pentecostalismo clássico nos seus aspectos pluralizados decorrentes do processo de secularização da religião urbana na atualidade. Trata-se de uma pesquisa etnometodológica não-participante com entrevistas não-diretivas com uso de recursos midiáticos atuais, restrita aos objetivos explicitados no Projeto de Pesquisa a realizada com os fiéis participantes nos encontros públicos no “Grande Templo dos Milagres” da IMPD, Sede Estadual em Teresina - PI. A opção pela temática deu-se em função da sua evidência empresarial e mais recente organização religiosa atuante no campo das igrejas da terceira onda pentecostal, denominada de neopentecostal ou novo pentecostalismo pós anos 70 do último século em território nacional. No demais, busca-se saber como se configura a metáfora “pequenas igrejas & grandes negócios”, num contexto de igrejas emergentes onde novos empreendimentos religiosos, em “nome de Jesus”, dinamizam uma economia divina carregada de crenças populares e promessas de prosperidade “aqui e agora” em ritmos concorrenciais no mercado de bens simbólicos. Baseou-se em autores clássicos aplicados à temática no que concerne à lógica de mercado e as novas tendências no campo religioso, a saber, Berger (1985), Wach (1990), Mendonça (1990), Campos (1997), Mariano (1999), Stark (2008), Weber (2012), Bourdieu (2010, 2011, 2013, 2014), etc. Partiu-se, inicialmente, do protestantismo histórico ao recente (neo)pentecostalismo migratório norte-americano em solo brasileiro pós início século XX. Para efeitos de classificação do pentecostalismo no Brasil, adotou-se as semelhanças tipológicas de Freston (1993) e Mariano (1999), ou seja, o pentecostalismo clássico de eclesiologia congregacional (1910-1911), pentecostalismo de transição (1950-1960) e o (neo)pentecostalismo, “hibrido”, autóctone, centralizado no líder carismático fundador pós 1998. Posteriormente, a IMPD, da origem e organização às experiências e formas de expressões individuais e coletivas, contemplando a doutrina, o culto e a comunhão a partir da metodologia de Wach (1990). Por fim, o mercado da fé na IMPD, da secularização dos espaços sagrados ao marketing e as dimensões econômicas do “toma lá dá cá”, segundo a teoria de Bourdieu, conforme obras já elencadas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167739 - CARLOS ANTONIO MENDES DE CARVALHO BUENOS AYRES
Interno - 1167741 - FERDINAND CAVALCANTE PEREIRA
Externo ao Programa - 1520279 - FRANCISCA VERONICA CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 24/11/2015 09:42
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 04/06/2020 14:02