Notícias

Banca de DEFESA: EDIGAR GABRIEL DE SOUSA LEITE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EDIGAR GABRIEL DE SOUSA LEITE
DATA: 28/07/2016
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE VIDEO 1 - CCHL/UFPI
TÍTULO:

O MERCADO DA FÉ: DA SECULARIZAÇÃO DOS ESPAÇOS SAGRADOS AO MARKETING RELIGIOSO DA IGREJA MUNDIAL DO PODER DE DEUS NO BRASIL PÓS 1998



PALAVRAS-CHAVES:

Mercado da fé. Religião urbana. (Neo)Pentecostalismo.  Secularização. Marketing. Bens simbólicos.


PÁGINAS: 163
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O presente trabalho dissertativo visa saber como se configura o mercado da fé na Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD) no Brasil pós 1998. Trata-se de uma pesquisa etnometodológica não-participante com entrevistas não-diretivas a ser realizada com fiéis (modus-operandi-vivendi) nos encontros públicos no Grande Templo dos Milagres da IMPD, Sede Estadual em Teresina (PI). A opção pela temática deu-se em função da sua evidência empresarial no campo das igrejas da terceira onda pentecostal, denominadas de novo pentecostalismo pós anos 1970 do último século no Brasil. No demais, buscar-se-á saber como se configura a metáfora “pequenas igrejas & grandes negócios”, num contexto de igrejas de comando único onde novos empreendimentos religiosos, em “nome de Jesus”, dinamizam uma economia divina carregada de crenças populares e promessas de prosperidade “aqui e agora”. Baseou-se em autores clássicos que se dedicaram à temática no que concerne à lógica de mercado, bem como das novas tendências no campo religioso como Berger (1985), Durkheim (1989), Wach (1990), Campos (1997), Mariano (1999), Mendonça & Velasques Filho (2002), Léonard (2002), Reily (2003), Stark (2008), Otto (2007), Weber (2012), Bourdieu (2010), etc. Partiu-se do protestantismo histórico ao recente (neo)pentecostalismo migratório norte-americano pós início século XX. Para efeitos de classificação do pentecostalismo no Brasil, adotou-se as semelhanças tipológicas de Freston (1993) e Mariano (1999), ou seja, o pentecostalismo clássico (1910-1911), pentecostalismo de transição (1950-1960) e o (neo)pentecostalismo, “hibrido”, autóctone, centralizado no profeta fundador da IMPD pós 1998. Analisou-se a organização da igreja, experiências e suas formas de expressões coletivas a partir da abordagem tipológica de Wach (1990). O mercado da fé, desde a secularização dos espaços sagrados ao marketing e as dimensões econômicas do “toma lá dá cá” segundo a sociologia de Bourdieu (2011).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167739 - CARLOS ANTONIO MENDES DE CARVALHO BUENOS AYRES
Interno - 1167741 - FERDINAND CAVALCANTE PEREIRA
Externo ao Programa - 1520279 - FRANCISCA VERONICA CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 07/07/2016 14:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 14/08/2020 17:34