Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: RAFAEL GALENO MACHADO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAFAEL GALENO MACHADO
DATA: 12/12/2016
HORA: 15:00
LOCAL: SALA - 337/PPGS/CCHL
TÍTULO: Entre velhos papéis e novas ações: as velhices e suas representações na cultura contemporânea analisadas através do cinema e da literatura.
PALAVRAS-CHAVES: modernidade; velhice; identidade; cinema; literatura
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O trabalho busca compreender as mudanças e permanências na representação social da velhice através do cinema e da literatura. Tenho em vista a importância das mídias em geral, a exemplo das duas citadas, na formação identitária do indivíduo, como bem aponta Giddens (2002) ao definir a influência que exercem na adoção enquanto modelos de vida a serem aspirados. Essa pesquisa tem como pano de fundo a transformações promovidas pela modernidade em curso, que relativiza a relação tempo-espaço em que tradicionalmente as sociedades se basearam, uma vez que as narrativas de vida eram locais, dentro de sua própria dinâmica. Agora, as localidades são atravessadas por influências à distância, relativizando as experiências que fluem numa perceptividade do tempo ora de retração ora de dilatação. Assim, as vivências dos sujeitos se baseiam em eventos distantes, muitas vezes egressos de outros referenciais culturais. Nesse processo, as mídias aproximam e refletem simultaneamente identidades por vezes díspares, que passam a dialogar de maneira mais frequente, cruzando e entrelaçando suas referências e símbolos. É nesse contexto que a velhice passa por mudanças significativas, que começam a serem observadas em profundidade a partir dos anos 1960. Uma melhor qualidade de vida e os avanços da medicina refletem num prolongamento da longevidade, em novos papéis sociais desempenhados, entre outros aspectos. Os velhos passam a viver mais e de modos diferentes, ressiginficando suas narrativas de vida. A velhice é reinventada, como diria Debert (2004), segmentada em sua própria faixa geracional, adotando discursos como a terceira idade para se diferenciar da “antiga” velhice. Tendo isso em vista, como as mídias refletem esse fenômeno social? Como as velhices, múltiplas em suas percepções e sentidos, são retratadas no cinema e na literatura? Para tanto, analiso as narrativas literárias e cinematográficas do escritor Philip Roth e do cineasta Paolo Sorrentino com base num arcabouço multidisciplinar, fazendo uso de referências da Sociologia, Antropologia e Psicologia, visando entender como a velhice vem sendo representada e construída socialmente no tecido cultural.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1167589 - FRANCISCO DE OLIVEIRA BARROS JUNIOR
Interno - 4221710 - MARIA ROSANGELA DE SOUZA
Externo ao Programa - 1520279 - FRANCISCA VERONICA CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 29/11/2016 14:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 04/06/2020 15:50