Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARCELA CASTRO BARBOSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCELA CASTRO BARBOSA
DATA: 08/01/2015
HORA: 09:00
LOCAL: SALA 351 CCHL- UFPI
TÍTULO:

ENTRE O AFETO E O DESAMOR: Descortinando a violência conjugal no contexto familiar.


PALAVRAS-CHAVES:

Gênero, violência de gênero, violência conjugal, violência familiar.


PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O fenômeno da violência de gênero perpassa ás relações sociais construídas por homens

e mulheres na sociedade brasileira deixando marcas no tecido social e na subjetividade

dos indivíduos. No estudo em questão, tem-se como referencia o contexto familiar.

Historicamente e socialmente há predominância de um gênero sobre outro, isso tem

contribuindo para as desigualdades de gênero, relações de poderes e o aumento da

violência, seja ela doméstica, intrafamiliar e conjugal. Desse modo, pondera-se nesta

investigação compreender as consequências da violência de gênero, sendo mais

especifica a violência conjugal, na vida do/a/s filho/a/s, através das mulheres/mães

vítimas dessa violência. Conforme, Saffioti (2004), a violência de gênero, inclusive em

sua modalidade familiar e doméstica, não ocorre aleatoriamente, mas deriva de uma

organização social de gênero, que privilegia o masculino. É significativo destacar que

o/a/s filho/a/s presenciam momentos do casal, tais como: as relações de afetividade,

discussões, agressões físicas, verbais, psicológicas que podem resultam em outras

formas de violências. Diante disso, o presente estudo tem como objetivo geral,

compreender os reflexos da violência conjugal na vida dos filhos no contexto familiar,

percebidos pelas mulheres/mães. Trata-se de um estudo de caráter qualitativo, com o

uso de entrevista semiestruturada e o Diário de Campo (WHITAKER, 2002). A análise

discursiva (SKIPK, 2010) tratará os dados da realidade em estudo. O espaço dessa

investigação acontece na cidade de Teresina-PI, tendo como sujeitos da pesquisa

mulheres/mães vítimas da violência de gênero ocorrida no lar e seus filho/a/s maiores de

18 anos, que estão ou já tenham sidos assistidos pela Defensória Pública Estadual, em

especial ao Núcleo de defesa da mulher em situação de violência, entre os últimos

cincos anos (2009-2014). Consideram-se os diferentes estratos sociais das vítimas de

violência, por entender que a violência de gênero acontece em todas as camadas sociais.

Embora tenhamos várias pesquisas sobre a violência contra a mulher, são escassas as

investigações sobre a violência conjugal que considerem os filhos/a/s. Portanto, a

relevância social dessa investigação esta em compreender a violência conjugal na vida

do/a/ filho/a/s, produzida no ambiente familiar, com o propósito de vislumbrar esse

fenômeno na sociedade teresinense. A fundamentação teórica considera estudos de

diferentes autores. A perspectiva de gênero numa concepção de analise relacional e

histórica tem por base Scott, 1989; Saffioti, 2004; Lauretis, 1994, entre outros associada

às relações de poder (FOUCAULT, 1979; BOURDIEU, 2002). A compreensão da

violência de gênero, doméstica e conjugal conta com a colaboração de diversos autores

(AZEVEDO, 1985; GREGORI, 1993; SAFFIOTI, 1994, 1999, 2001, 2004; SANTOS E

IZUMINO, 2005; DINIZ, & PONDAAG, 2006; GIORDANI- 2006; SOARES, 2009;

STREY, 2012). Considera-se coerente as opções teóricas e metodológicas proposta

nesta investigação, adequadas aos objetivos almejados. Os resultados iniciais da

pesquisa de campo revelados nos discursos apresentados pelas mulheres/ mãe indicam

que a violência na relação conjugal atingem também, os filho/as, mesmo de forma direta

ou indireta, extrapolando o contexto da relação conjugal. Muitos deles chegam a decidir

junto com a mãe se deve haver processo judicial contra o pai.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1446998 - ELIZANGELA BARBOSA CARDOSO
Interno - 1550487 - MARY ALVES MENDES
Presidente - 423633 - RITA DE CASSIA CRONEMBERGER SOBRAL
Notícia cadastrada em: 06/01/2015 08:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 11/08/2020 04:46