Notícias

Banca de DEFESA: CREMILDA MONTEIRO LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CREMILDA MONTEIRO LIMA
DATA: 28/09/2017
HORA: 15:00
LOCAL: SALA DE AULA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E COMUNIDADE
TÍTULO: Saúde e educação em foco: o currículo como instrumento de promoção da saúde
PALAVRAS-CHAVES: Promoção da saúde; Saúde Escolar; Currículo.
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Saúde Pública
RESUMO:
INTRODUÇÃO: A educação tem sido apontada como um dos fatores determinantes da saúde. Nessa discussão a escola é compreendida como lugar ideal para a promoção da saúde. Contudo, para que a escola seja lócus de promoção da saúde é imprescindível que o currículo propicie ações que desenvolvam positivamente a compreensão de saúde, como também, afirme a necessidade de promovê-la. OBJETIVO: Analisar o currículo do ensino médio de escolas públicas e privadas em seu papel de promoção da saúde.  METODOLOGIA: Estudo transversal realizado em 24 escolas de ensino médio das redes publica e privada de Teresina-PI. A coleta de dados ocorreu de abril a dezembro de 2016 por meio de questionários pré-testados, um utilizado para análise dos Projetos Políticos Pedagógicos (PPPs) e outro aplicado junto aos docentes. A análise dos dados ocorreu no software SPSSversão 17,0 para Windows. Para verificar diferença estatística entre variáveis o teste do qui-quadrado de Pearson foi utilizadoRESULTADOS: A análise dos projetos políticos-pedagógicos apresentou maioria das respostas negativa para: abordagem de ambiente saudável que favoreça a aprendizagem (83,4%); ênfase no conceito de saúde interagindo com aspectos físicos, psíquicos, socioculturais e ambientais (70,8%); conteúdos de saúde presentes nas diferentes áreas da organização curricular (91,7%); referência a serviços de saúde voltados para o educando e inter-relações com outros setores que desenvolvam ações de promoção da saúde (100%); ações que desenvolvam a promoção da saúde, assim como, da participação dos educadores na elaboração do projeto pedagógico para a saúde (79,2%). Foram frequentes docentes com características de: ter conhecimento sobre o que é promoção da saúde (88,7%); considerar a escola um espaço ideal para promoção da saúde (91,9%); considerar importante a educação para a promoção da saúde (99,7%); sentirem-se responsáveis em educar para a saúde (82,2%); não se sentir habilitado a educar os alunos para a promoção da saúde (69,8%). CONCLUSÃO: Evidenciou que o currículo do ensino médio não aborda a promoção da saúde de forma estruturada e sistemática. Ações intersetoriais e formação profissional precisam ser repensadas. São necessárias ações que fomentem a discussão do currículo escolar que possa efetivamente contribuir para a promoção da saúde.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2655082 - HILDA MARIA MARTINS BANDEIRA
Presidente - 1167593 - KEILA REJANE OLIVEIRA GOMES
Externo à Instituição - LUCIOLA GALVAO GONDIM CORREA FEITOSA - UNINOVAFAPI
Interno - 1549654 - MALVINA THAIS PACHECO RODRIGUES
Notícia cadastrada em: 12/09/2017 09:57
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 17/01/2021 03:08