Notícias

Banca de DEFESA: SARA CASTRO DE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SARA CASTRO DE CARVALHO
DATA: 03/09/2018
HORA: 15:00
LOCAL: sala de aula do PPGSC/CCS
TÍTULO: A violência entre pares em escolas públicas: análise do bullying entre adolescentes e fatores associados
PALAVRAS-CHAVES: VViolência. Bullying. Adolescentes. Escolas
PÁGINAS: 76
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

INTRODUÇÃO: O bullying é uma tipologia de violência que ocorre entre pares, caracterizado por atitudes agressivas, intencionais e repetidas que interferem negativamente na saúde dos envolvidos. É considerado um fenômeno complexo e que possui associação com diversos fatores, tornando-se relevante a investigação do agravo na área da saúde pública. OBJETIVO: Analisar a prevalência de bullying entre adolescentes do ensino fundamental e os fatores associados. METODOLOGIA: Estudo transversal, realizado com 380 adolescentes de escolas públicas de Teresina-PI, selecionados por amostragem probabilística estratificada proporcional. Foram calculadas as estimativas de prevalência das situações de envolvimento do bullying e realizada a associação entre o bullying e variáveis nos aspectos: sociodemográfico, contexto escolar, contexto familiar e condição de saúde mental. Realizou-se análise univariada por meio de estatística descritiva; bivariada por meio de regressão logística simples; e multivariada, por meio de regressão logística múltipla e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%) com nível de significância de 5% (p˂0,05). RESULTADOS: A prevalência de escolares na situação de agressor de bullying foi de 6,3%, com predominância da prática de bullying verbal (6,3%) e ocorrência das situações de bullying na sala de aula (4,2%). Prevaleceram agressores do sexo feminino (6,5%), faixa etária de 15 a 19 anos (7,3%), cor de pele preta (8,6%), com pais não casados (8,4%), residindo sem os pais (21,1%). Praticar bullying esteve associado a: residir sem os pais (OR=4,02; IC95%:1,41-11,47), falta de supervisão familiar (OR=8,14; IC95%:2,48-26,78), ter insônia (OR=3,12; IC95%:1,17-8,27) e não ter amigos (OR=8,27; IC95%:1,71-40,10). A prevalência de escolares na situação de vítima de bullying foi de 15,8%, com predominância de vitimização por bullying verbal (14,7%) e ocorrência das situações de bullying na sala de aula (9,5%). Prevaleceram vítimas do sexo feminino (16,1%), faixa etária de 10 a 14 anos (16,3%), cor de pele preta (22,9%), com pais não casados (18,9%), residindo sem os pais (26,3%). Sofrer bullying esteve associado a: relação ruim entre os colegas da turma (OR=2,95; IC95%:1,57-5,55), agressão familiar (OR=3,94; IC95%:1,88-8,26) e ter insônia (OR=3,22; IC95%:1,74-5,96). CONCLUSÃO: Verificou-se alta prevalência de práticas e vitimizações de bullying entre adolescentes nas escolas municipais da rede pública de Teresina-PI. O envolvimento de escolares esteve associado a fatores relacionados aos aspectos sociodemográficos, contexto escolar, contexto familiar e condição de saúde mental. Os indicadores revelados nessa pesquisa, podem subsidiar os profissionais de saúde, a comunidade escolar e o núcleo familiar a refletirem sobre o seu papel enquanto instituições educativas, buscando favorecer um desenvolvimento saudável nas relações interpessoais e menos propensa às agressões sistemáticas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3367697 - MARCIO DENIS MEDEIROS MASCARENHAS
Interno - 2058744 - CASSIO EDUARDO SOARES MIRANDA
Interno - 1549654 - MALVINA THAIS PACHECO RODRIGUES
Externo à Instituição - JOSENEIDE TEIXEIRA CÂMARA - UEMA
Notícia cadastrada em: 24/08/2018 15:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 17/01/2021 03:09