Notícias

Banca de DEFESA: FELIPE BARBOSA DE SOUSA COSTA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FELIPE BARBOSA DE SOUSA COSTA
DATA: 22/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: SALA DE AULA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E COMUNIDADE
TÍTULO: ABUSO SEXUAL NAS RELAÇÕES AMOROSAS DE ADOLESCENTES ESCOLARES: EXPERIÊNCIA DE VITIMIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS.
PALAVRAS-CHAVES: Adolescentes. Escolares. Violência Sexual. Violência por Parceiro Íntimo.
PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Introdução: O abuso sexual contra adolescentes é entendido como problema social e de saúde pública, estando os adolescentes sujeitos a este tipo de violência em diversas esferas relacionais, inclusive em suas parcerias íntimas. Objetivo: Caracterizar o abuso sexual contra adolescentes no ambiente escolar e nas parcerias íntimas. Metodologia: Estudo de abordagem mista, baseado em triangulação de métodos. Na abordagem quantitativa foi realizado estudo transversal com 367 adolescentes escolares do ensino médio de Caxias, MA, selecionados por amostragem probabilística estratificada proporcional. Na abordagem qualitativa foram realizadas entrevistas semiestruturadas com cinco escolares que sofreram violência sexual nas parcerias íntimas. Realizaram-se análises univariada, por meio de estatística descritiva; bivariada, por meio de Odds Ratio e multivariada, através de regressão logística múltipla, com Odds Ratio ajustadas e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%) com nível de significância estatística de 5%. Os dados qualitativos foram interpretados com base na análise de conteúdo de Bardin. Resultados: Os estudantes apresentaram idade média de 17,3 (±1,2) anos, predomínio do sexo feminino (65,9%), autodeclarados pretos/pardos (83,9%), de religião católica (54,2%) e morando com ambos os pais (43,6%). A prevalência de vitimização por abuso sexual foi de 35,9%. Observou-se alta prevalência de vitimização sexual por namorado(a)/ex-namorado(a) (14,4%; IC95%: 10,6-18,3). Os fatores associados significativamente (p<0,05) com sofrer violência sexual incluíram, dentre outros, ter realizado consulta com profissional especializado (OR=3,05; IC95%: 1,55-5,98), ideação suicida (OR=2,31; IC95%: 1,14-4,68) e uso de drogas nos últimos 12 meses (OR=2,55; IC95%: 1,01-6,43). Os dados qualitativos mostraram desde experiências sutis de violência, a exemplo de carícias e toques indesejados, até tentativas de manutenção de relação sexual forçada nas relações de namoro, frequentemente precedidas de experiências anteriores em outras esferas relacionais e sobreposição de violências. Alguns adolescentes não reconheceram experiências sofridas como sendo eventos violentos, inclusive apresentando discursos legitimadores de violência. As principais formas de enfrentamento incluíram partilha das experiências com as mães, mudanças de atitude frente aos relacionamentos, e apenas uma adolescente recorreu a órgãos de proteção, sofrendo processo de revitimização. O conjunto do estudo mostrou que os impactos produzidos diferem conforme as características da violência sofrida, porém sentimentos de medo, culpa, vergonha e isolamento social foram comuns, bem como comportamentos suicidas e consumo de álcool e outras drogas. Conclusão: Verificou-se alta prevalência de violência sexual entre os escolares do ensino médio na cidade de Caxias, no estado do Maranhão, em diferentes esferas relacionais, com destaque para as parcerias íntimas, associada a fatores como consumo de bebidas alcóolicas e outras drogas, ideação suicida e importantes problemas emocionais e/ou psicológicos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2058744 - CASSIO EDUARDO SOARES MIRANDA
Externo à Instituição - FRANCISCO WALDÍLIO DA SILVA SOUSA - UFMA
Interno - 3367697 - MARCIO DENIS MEDEIROS MASCARENHAS
Externo ao Programa - 3302058 - ROSA MARIA DE ALMEIDA MACEDO
Notícia cadastrada em: 28/01/2019 10:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 17/01/2021 04:16