Notícias

Banca de DEFESA: SEMIRA SELENA LIMA DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SEMIRA SELENA LIMA DE SOUSA
DATA: 25/03/2019
HORA: 14:30
LOCAL: SALA DE AULA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E COMUNIDADE
TÍTULO: ANÁLISE DA QUALIDADE DO SONO DE HIPERTENSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA
PALAVRAS-CHAVES: Sono. Apneia. Hipertensão.
PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

INTRODUÇÃO: Dados revelam que pessoas com hipertensão tem pior qualidade do sono e são mais suscetíveis a terem distúrbios do sono, em especial a síndrome da apneia obstrutiva do sono, que tem a sonolência diurna excessiva como um dos principais sintomas. A síndrome da apneia obstrutiva do sono influencia no surgimento da hipertensão e vice-versa, juntas somam altas taxas de morbidade na população e possuem uma relação bilateral, observada pela frequência de 30 a 56% de síndrome da apneia obstrutiva do sono entre os hipertensos e de 55% de hipertensão nos indivíduos que possuem síndrome da apneia obstrutiva do sono. OBJETIVO: Analisar a qualidade do sono de hipertensos assistidos na atenção básica. METODOLOGIA: Estudo transversal, realizado no perímetro urbano da rede básica de saúde do Município de Teresina-PI, que foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí com o parecer 2.379.741. Participaram 390 hipertensos, avaliados pelos instrumentos: Índice de Qualidade do Sono Pittsburgh, Escala de Sonolência de Epworth, Questionário Clínico de Berlim; e o Questionário sociodemográfico, comportamental e clínico. Realizou-se análise univariada, com procedimentos de estatística descritiva; bivariada com o teste qui-quadrado de Pearson; e multivariada com regressão de Poisson. Foram calculadas as Razões de Prevalências (RP), para todas as variáveis que obtiveram um p<0,20 na análise bivariada e significância avaliada pelo teste de Wald. O critério de nulidade foi de p<0,05. RESULTADOS: A qualidade do sono foi ruim com possíveis distúrbios do sono para 73,6% (IC 95%: 69,0-77,7) dos hipertensos, 62,6% (IC 95%: 57,0-67,2) apresentaram risco para síndrome da apneia obstrutiva do sono e 42,1% (IC 95%: 37,0-47,0) para sonolência diurna excessiva. Ainda assim, na análise bivariada, não houve associação da qualidade do sono e dos distúrbios do sono com hipertensão. Após o modelo de regressão (p<0,20), as variáveis atividade física regular (RP=1,34; IC95%: 1,02 – 1,75) e dependência alcoólica(RP=1,38; IC95%: 1,03 – 1,83), estiveram associadas estatisticamente a sonolência diurna excessiva (p=0,048) e alto risco para síndrome da apneia obstrutiva do sono (p=0,045), respectivamente. CONCLUSÃO: A qualidade do sono de pacientes hipertensos assistidos nas unidades básicas de saúde da cidade de Teresina-PI é ruim com possíveis distúrbios do sono, possuem alta prevalência de risco para sonolência diurna excessiva e síndrome da apneia obstrutiva do sono, associados a ausência de atividade física e possível dependência alcóolica, respectivamente.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1566432 - FERNANDO FERRAZ DO NASCIMENTO
Interno - 1888794 - JOSE WICTO PEREIRA BORGES
Externo à Instituição - Klayton Galante Sousa - UFRN
Interno - 1549654 - MALVINA THAIS PACHECO RODRIGUES
Notícia cadastrada em: 11/03/2019 15:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 17/01/2021 03:23