DOCENTES PERMANENTES E PROJETOS DE PESQUISA EM ANDAMENTO - Quadriênio 2017-2020
Profa. Dra. Ana Regina Barros Rêgo Leal - Doutora em Comunicação - Universidade Metodista de São Paulo (2010)
 
Título: Políticas e jogos de verdade no jornalismo.
 
O projeto de pesquisa ora apresentado dedica-se a procurar lacunas no discurso histórico sobre o campo da comunicação com ênfase no jornalismo e no relacionamento deste com outras narrativas midiáticas circundantes. A ideia é procurar a historicidade do fenômeno comunicacional em sua própria temporalidade, portanto, privilegiando o presente de cada vivência. Nosso foco de investigação volta-se desse modo, para o campo do vivido que será confrontado com a narrativa historiográfica. Nessa linha, o nosso olhar volta-se para narrativas jornalísticas e não jornalísticas que circulam no ambiente midiático com o intuito de desvelar sua essência no que concerne ao  contrato de verdade estabelecido pelo jornalismo com o público desde o final do século XIX. Para tanto, procuraremos pelas marcas de historicidade do fenômeno comunicacional a partir dos eventos mundiais e nacionais traumáticos que resultaram em mudanças no processo social. A ideia é analisar quatro especiais contextos em que as notícias falsas ou construídas com a intencionalidade de manipular a opinião pública, ganharam, inicialmente, os próprios jornais e recentemente, terminaram sendo a principal motivação de um rompimento do contrato de verdade, levando os meios jornalísticos a criarem mais uma estágio para o processo jornalístico: a publicização  da checagem dos fatos. Nesse sentido analisaremos periódicos de circulação nacional em cinco momentos históricos, a saber: 1914, 1954, 1964, 2016 e 2018.   Do ponto de vista teórico, nossa pesquisa se ampara em autores como Ricoeur, Koselleck, Foucault, Beck e  Rancière. Já o processo analítico de cunho qualitativo se realiza a partir  da hermenêutica de Ricoeur, privilegiando sua Tríplice Mímesis.
 
Título: Historicidade e Narrativa do Jornalismo: a essência do campo e o confronto com as construções da verdade e os movimentos do tempo.

Descrição: O presente projeto de pesquisa nasceu a partir da inquietação da pesquisadora com as lacunas que se formam na interação entre as teorias do jornalismo e a história do jornalismo, uma vez que nem as teorias, nem a história têm tratado, até o momento, o fenômeno de forma holística, e, quase sempre, terminam priorizando as faces aparentes do campo que muitas vezes não coincidem com sua verdadeira essência. A trajetória de investigadora da história do jornalismo centrada em dois eixos principais: 1. Do próprio campo através dos que o fizeram (instituições e personagens); 2. Da sociedade através da narrativa jornalística ( política, cultura e eventos); despertou-me para as comuns e contumazes distorções da narrativa enquanto transmissora de verdades, visto as inúmeras análises em que se detecta o potencial de não de verdade; como também, me levou a desconfiar da caracterização do tempo jornalístico enquanto presente, em face, sobretudo, da busca incessante do fenômeno pela atualidade. Nesse contexto, propomos aqui uma escavação arqueológica do fenômeno através da sua narrativa em e sobre acontecimentos de grande repercussão nacional e mundial, em busca da verdadeira essência, tendo como motivação teórica-filosófica, a fenomenologia a partir, principalmente, de Heidegger ( 2015, 2012), Arendt ( 2016) e Ricoeur (2010). Adotamos como inspiração metodológica as hermenêuticas heideggeriana e suas estruturas de pré-compreensão, compreensão e interpretação, e, ricoeuriana e sua tríplice mímesis e os movimentos de pré-figuração, configuração e refiguração. Ambas as hermenêuticas se colocam como teorias da interpretação e se adequam a análise das narrativas.
 
 
Título:História e Memória do Jornalismo Cultural brasileiro.
 
Descrição: O projeto de pesquisa aqui apresentado tem como objetivo estudar e analisar a trajetória do Jornalismo Cultural brasileiro, com ênfase no piauiense, a partir de uma perspectiva que considera o jornalismo como um lugar de memória e fonte credível para a construção de uma narrativa histórica. Adota-se a como metodologia a pesquisa histórica a partir do olhar de Certeau (2011) e sua operação historiográfica. A ideia é construir uma narrativa ampla sobre a história do Jornalismo Cultural brasileiro, considerando tanto o que já existe em termos de pesquisas desenvolvidas e textos publicados neste contexto, como, e, principalmente as enormes lacunas que necessitam ser preenchidas nesse ambiente.
 

Profa. Dra. Cristiane Portela de Carvalho - Doutora em Comunicação - Universidade Metodista de São Paulo (2011)

Título: Webjornalismo: Processos e Práticas nas Sociedades Atuais.
 
Descrição: É impossível conceber a configuração da sociedade atual sem considerar o advento e o crescimento vertiginoso da Internet. Diante de tantas possibilidades de entretenimento e de informação proporcionadas pela Web, as diferenças surgem exatamente na maneira utilizada por cada indivíduo para explorá-las. No que diz respeito aos conteúdos informativos/jornalísticos disponíveis na rede, muitas vezes, são ofertados ao público sem critérios qualitativos básicos que compõem as boas práticas do fazer jornalístico, como apuração criteriosa e pluralidade de fontes, dentre inúmeros outros. Desse modo, o cidadão torna-se um consumidor voraz de informações que, na maioria dos casos, acaba por privilegiar a quantidade em detrimento da qualidade, negligenciando a reflexão crítica apurada sobre os fatos noticiados. Frente a este contexto, a pesquisa possui como objetivo geral analisar os processos e as práticas do Webjornalismo nas sociedades atuais. Os objetivos específicos estão assim delineados: - estudar as práticas webjornalísticas adotadas pelos veículos de comunicação digitais nas sociedades contemporâneas; - analisar o uso dos recursos multimidiáticos pelo Webjornalismo nas sociedades atuais; - analisar os mecanismos adotados pelos veículos digitais para interagir com o público; - analisar o impacto das redes sociais na produção de conteúdos jornalísticos para a Web; - analisar a função social dos blogs jornalísticos na atualidade; - analisar a convergência midiática praticada entre os veículos tradicionais (impressos, rádio e televisão) e os meios digitais; - refletir sobre as questões éticas que envolvem o Jornalismo praticado na Internet. Para o proposto, em termos teóricos, recorre-se a autores que estudam o Webjornalismo na contemporaneidade. Em termos metodológicos, utiliza-se a técnica da análise de conteúdo (AC) como um dos recursos mais apropriados ao estudo de mensagens divulgadas pelos veículos de comunicação de longo alcance, como é o caso da Internet.
 
 
Prof. Dr. Francisco Laerte Juvêncio Magalhães - Doutor em Comunicação e Cultura - Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002)

Título: Discurso, mídia e política: características, transitividades e intersubjetividades.
 
Descrição: Este projeto pretende investigar as características, transitividades e subjetividades que possam existir nas relações que se estabelecem na produção dos discursos das mídias e nos embates políticos, tomando como corpus os suportes midiáticos. Neste caso, nossa pesquisa deve se constituir como uma espécie de observatório permanente de reflexão crítica. Buscaremos identificar nos discursos das diferentes mídias traços enunciativos de manifestação de ideologias além de outros aspectos constitutivos das discursividades sociais com trânsito nas mídias. Adotamos a análise semiológica como método, considerando que a semiologia é a disciplina ?que estuda os fenômenos culturais como fenômenos de comunicação?, portanto, como ?fenômenos de produção do sentido?: a significação como resultante de práticas e estratégias discursivas, tomando como referência o lugar social dos sujeitos. Caracteriza-se por enfocar os processos de comunicação como decorrentes do contexto social (Pinto, 1995, p. 146). Entendendo a semiologia, a partir do seu viés crítico centrado nos trabalhos produzidos por Fairclough (Análise Crítica dos Discursos), e do que se tem denominado Teoria dos Discursos Sociais, com base na produção de pesquisadores como Pinto, Araújo, Verón, na esteira do pensamento de Bakhtin, Authier-Revuz entre outros. Entendemos que esta nova pragmática enunciativa produz subjetividades e, portanto, novos modos de identificação. Neste particular, tomamos Hall, como nosso principal aliado, com seus estudos sobre as identidades. Embora ainda no campo da linguagem, mas sem vínculo necessário com a metodologia semiológica que apresentamos acima, pensamos em utilizar Eagleton, Van Djck e outros, numa visada mais voltada para o conceito de estética e ideologia.
 

Prof. Dr. Gustavo Fortes Said - Doutor em Ciências da Comunicação - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2006)
 
Título: Espelho, espelho meu, existe alguém mais visível do que eu?

Descrição: Quando ouvi pela primeira vez Caetano Veloso dizer, na letra de Sampa (1978), que ?Narciso acha feio o que não é espelho?, sabia que estava diante de uma bela tradução poética do mito de Narciso e do correlato termo psicanalítico (Narcisismo) cunhado por Sigmund Freud em 1914. Entretanto, somente anos depois é que percebi que a força dos versos do compositor tropicalista residia na sua atualidade: ver-se e, agora, dar-se a ver jamais foi tão simples e banal como na era das redes virtuais de relacionamento. Sobretudo em época de altíssima visibilidade midiática como a de hoje, o tema desnudado por Caetano se revela sintomático de novas formas de sociabilidade e de construção de identidades e subjetividades. Parece que não há vida para além da(s) tela(s) e dos registros ou arquivos informáticos e informacionais e fora dos circuitos em que se manifesta uma suposta comunicação em rede virtual . É como se o estatuto ontológico das sociedades pós-modernas residisse na possibilidade de ver e ser visto: para ser na sociedade atual é preciso ter uma imagem visível ? e celebrada, diga-se de passagem. Sou visto, logo existo! Assim, sobram imagens pessoais por todo lado. A visibilidade que as tecnologias midiáticas conferem a acontecimentos, relações e atores sociais expõe a formação de um novo sujeito, que procura se identificar com cada nova imagem registrada pelas ferramentas de mídia e exposta nas telas, displays e dispositivos. A auto-referência se torna assim um dado singular da cultura midiática, e o narcisismo que essa prática exageradamente redundante comporta é de natureza neurótica, para relembrar Freud. Quando os imperativos narcísicos do ver e do ser visto se colocam no lugar da interação com a alteridade, a performance individual se transforma no elemento-chave que identifica o sujeito. Apagada da relação (ou pelo menos transmutada na máquina), a alteridade é reificada em sucessivos novos contatos e em imagens cada vez mais díspares. O ?espelho midiático? reflete, assim, um sem-número de imagens nas quais se enredará o sujeito na sua busca por um ideal que jamais será alcançado. A busca por uma imagem ideal é, portanto, uma cilada, porque essa imagem não pertence ao ? ou não se relaciona com o ? sujeito ao qual faz referência. Mais uma vez recorro aos versos (neste caso, de inspiração lacaniana) de Caetano em Sampa para ilustrar a idéia: ?Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto.? É como se o sujeito se olhasse no espelho e não se reconhecesse. Se a imagem se descola desse sujeito e das suas referências sociais, portanto, vira um perigo, porque produz avatares múltiplos e incessantes e porque traduz falsidade e deslealdade para com o público (em outras palavras: se for facilmente verificável a farsa, o sujeito não pode correr o risco de ser o que não é). A imagem deve corresponder de alguma forma ao objeto (sujeito) que ela representa. Destarte, a imagem tem caráter público, só existe em função de um ?outro? que está fora do sujeito representado imageticamente, e esse outro, por seu turno, se internaliza no próprio sujeito via fluxos comunicacionais. É aí que acontece a comunicação, de fato, não como performance ou como medida das informações transmitidas; comunicação como relação com a alteridade, para construção da subjetividade, num jogo social pleno de referências comuns, mas também de disputas e conflitos. Espetacularizada a vida, escancarada a intimidade, performatizada a identidade, confere-se uma estética a cada personagem social, que se esmera em integrar os cenários midiáticos de forma sempre estilizada: espelho, espelho meu, existe alguém mais visível do que eu? Essa é a questão que interessa ao presente projeto: como se dá a construção de subjetividades narcísicas nas redes sociais, a através da construção e visibilização de imagens que expressam a busca incessante do indivíduo por um ideal?
 
 
Título: Comunicabilidade, Dialogismo e Subjetividade

Descrição: Comunicabilidade é um termo cunhado pelo psicólogo e físico inglês William Stephenson que significa o modo como alguém expressa algo sobre si mesmo num contexto de altíssima interação social. Nesse sentido, Stephenson recupera postulados do interacionismo simbólico e, por conseguinte, do pragmatismo filosófico. O método desenvolvido por Stephenson, baseado na análise fatorial e nos pressupostos da física quântica, para mensurar a subjetividade em contextos de interação, é denominado Metodologia Q. Ele permite identificar as correlações entre diversas pessoas investigadas, apontando suas similaridades em termos de opinião subjetiva. As correlações entre as opiniões das pessoas investigadas acontecem de forma interativa, o que sugere existir uma heteroglossia dialogisada, como pensa o filósofo russo Mikail Bakhtin. Pode-se pensar analogamente em termos da construção da subjetividade: a presença de vozes variantes em diálogo dentro de um mesmo texto ou na consciência de um indivíduo pode ser demonstrada? O objetivo desse projeto é, exatamente, discutir a possibilidade de, usando-se a Metodologia Q, demonstrar a polifonia que performa a subjetividade individual.
 
 
Prof. Dr. Gustavo Silvano Batista - Doutor em Filosofia - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2013)
 
Título: Representação e performance no cinema documentário: o caso do cinema piauiense.
 
Descrição: O presente projeto pretende discutir a natureza do documentário contemporâneo, em uma perspectiva hermenêutica, tendo como objeto o mapeamento e análise dos documentários realizados no Estado do Piauí. Neste sentido, pretende-se explorar tais produções do ponto de vista estético, visual e histórico, partindo de questões que evidenciam diversos elementos próprios do caráter documental dos filmes. Além disso, também esperamos contribuir para a ampliação desta linguagem cinematográfica, considerando os diversos sentidos vislumbrados no processo de produção do filme, especialmente na relação entre produção e público, tomado em seus múltiplos efeitos performático-visuais e midiáticos.

 
Profa. Dra. Jacqueline Lima Dourado - Doutora em Ciências da Comunicação - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2009)
 
Título: O audiovisual produzido com dispositivos móveis como oportunidade de enfrentamento das assimetrias sociais: o papel dos colaboradores espontâneos e voluntariosos na construção do jornalismo contemporâneo.
 
Descrição: Os dispositivos móveis têm sido utilizados tanto para intensificar a troca de conteúdos, quanto para alargar as audiências, impactando as etapas da produção, distribuição e circulação da Comunicação e do Jornalismo na contemporaneidade. Daí nosso interesse em, no projeto de pesquisa aqui proposto, analisar, reconhecer e sistematizar os usos que os colaboradores espontâneos/ voluntariosos estão fazendo dos dispositivos móveis, sobretudo os smartphones, para produzir conteúdos audiovisuais em padrões alternativos que superem as assimetrias sociais. Em um segundo momento do projeto, a intenção é aplicar os resultados da pesquisa empreendida na produção de vídeos por moradores de comunidades teresinenses. É nesse sentido que essa proposta se relaciona com a perspectiva teórica da Economia Política da Comunicação, além de propor a consolidação da Economia Política do Jornalismo.
 
 
Profa. Dra. Juliana Fernandes Teixeira - Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas - Universidade Federal da Bahia (2015)
 
Título: A mobilidade na produção e circulação de conteúdos webjornalísticos: aplicativos para smartphone como uma proposta de pesquisa aplicada para o curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Piauí.
 
Descrição: A mobilidade tem reconfigurado a sociedade em suas várias esferas e o jornalismo não seria uma exceção. Hoje, a produção e a circulação de um conteúdo webjornalístico requerem que os profissionais egressos das universidades de Comunicação Social dominem muito além das ferramentas tecnológicas: é fundamental que tenham uma mentalidade aberta para novas ideias e novas formas de trabalhar. Partindo desse panorama, esse projeto de pesquisa, desenvolvido no âmbito do curso em Comunicação Social da Universidade Federal do Piauí (UFPI), tem como objetivo central investigar de que maneira a mobilidade vem se expressando nos conteúdos jornalísticos produzidos e circulados no Piauí para, em seguida, pensar e desenvolver, entre os alunos do curso, soluções de produtos, práticas e processos webjornalísticos inovadores. Trata-se, para além de uma proposta de pesquisa aplicada, de uma tentativa de integrar o tripé ensino, pesquisa e extensão, pois o intuito é que, a partir dos resultados obtidos pela pesquisa, os estudantes de jornalismo da UFPI possam experimentar novas aplicabilidades dos dispositivos móveis no processo de produção de conteúdos por meio do desenvolvimento, implantação e manutenção de um aplicativo para smartphone. Em suma: questionar, analisar e categorizar a mobilidade no webjornalismo piauiense para, subsequentemente, apontar, testar e efetivar alternativas para a aplicação dos dispositivos móveis em conteúdos inovadores é umas das principais intenções do projeto aqui apresentado.

 
Título: O audiovisual produzido com dispositivos móveis como oportunidade de enfrentamento das assimetrias sociais: o papel dos colaboradores espontâneos e voluntariosos na construção do jornalismo contemporâneo.
 
Descrição: Os dispositivos móveis têm sido utilizados tanto para intensificar a troca de conteúdos, quanto para alargar as audiências, impactando as etapas da produção, distribuição e circulação da Comunicação e do Jornalismo na contemporaneidade. Daí nosso interesse em, no projeto de pesquisa aqui proposto, analisar, reconhecer e sistematizar os usos que os colaboradores espontâneos/ voluntariosos estão fazendo dos dispositivos móveis, sobretudo os smartphones, para produzir conteúdos audiovisuais em padrões alternativos que superem as assimetrias sociais. Em um segundo momento do projeto, a intenção é aplicar os resultados da pesquisa empreendida na produção de vídeos por moradores de comunidades teresinenses. É nesse sentido que essa proposta se relaciona com a perspectiva teórica da Economia Política da Comunicação, além de propor a consolidação da Economia Política do Jornalismo.
 
 
Profa. Dra. Lívia Fernanda Nery da Silva - Doutora em Ciências da Comunicação - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2013)

Título: Pô mídia, pô, sou jovem! - Subjetividades e afetividades nas discursividades midiáticas digitais.

Descrição:

 
Profa. Dra. Marta Maria Azevedo Queiroz - Doutora em Ciências da Comunicação - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2013)
 
Título: A criança em cena: um estudo sobre o consumo e mídia na infância e a constituição de subjetividades das crianças na contemporaneidade.
 
Descrição: O presente projeto visa analisar as produções midiáticas acerca das crianças com base nos modelos/concepções e nas diversas formas de vivenciar a infâncias. É relutante ressaltar que a publicização da criança e das formas de viver a infância através da mídia acabam legitimando e produzindo comportamentos que são definidores de subjetividades. Assim, a investigação tem como base na seguinte problemática, pois sabemos que os discursos veiculados pela mídia estão sempre relacionados com o conhecimento que circula na sociedade: Como a mídia se apropria da imagem da criança para o incentivo ao consumo na sociedade contemporânea? Que modelos/concepções de criança e vivências da infância a mídia produz e veicula? Que valores ideológicos estão fundamentando esses processos? Como a mídia utiliza a imagem da criança para fortalecer o consumo? Estas questões são pertinentes quando procuramos compreender os processos de produção e de circulação de modelos e formas de vivências nas infâncias, já que há na contemporaneidade uma circulação intensa de significados produzidos e veiculados pelas diversas mídias, proporcionado reconhecimento e identificação. A investigação é de cunho qualitativa e como produção de dados a observação direta de imagens de crianças em publicidades veiculadas na televisão e internet. Enfatizamos, ainda, a importância desse estudo para as ciências da comunicação e da educação, que têm por premissa fundamental o estudo das interações humanas e dos processos de mediatização da sociedade.
 
 
Profa. Dra. Monalisa Pontes Xavier - Doutora em Ciências da Comunicação - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2014)
 
Título:
 
Descrição:
 

Profa. Dra. Nilsângela Cardoso Lima - Doutora em Ciências da Comunicação - Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2014)
 
Título: História da imprensa e práticas jornalísticas no Piauí do século XX.
 
Descrição: O projeto de pesquisa tem por objetivo (re)construir a história da imprensa do Piauí no século XX e compreender as relações de poder e as práticas jornalísticas nos jornais impressos de Teresina num período em que, no Piauí, os órgãos de imprensa ainda mantinham ligações muito estreitas com os partidos políticos e que passa por um processo de transformação da imprensa. Sendo assim, pretende-se compreender as mudanças e as permanências que ocorreram no campo jornalístico, ao longo da história da imprensa brasileira, sobretudo, nos anos 1950, quando se discutia a importância da objetividade e da imparcialidade como critérios indispensáveis para a produção das notícias.
 
 
Prof. Dr. Paulo Fernando de Carvalho Lopes - Doutor em Comunicação e Cultura - Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004).
 
Título: Rádios Universitárias: modelos, discursos e práticas.

Descrição: O rádio desempenha um papel importante na história do Brasil. Com uma proposta educativa desde o princípio – a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, a primeira rádio do país teve por objetivo difundir educação a uma sociedade em processo de alfabetização. A renovação deste caráter educativo do rádio, atualmente, pode ser observado nas rádios universitárias. Com a maioria delas  ligadas a cursos de Comunicação, a rádios visam a experiência do profissional, mas também experimentação, aprendizado e a produção de material que atenda aos interesses da população. Existem, atualmente no Brasil, 38 emissoras de rádio associadas a universidades públicas – federal, estadual ou municipal. Além destas, existem também outras rádios universitárias ligadas a instituições privadas. No Brasil, não existe uma legislação específica dirigida a rádios universitárias, porém, o decreto Nº 5.396, de 21 de março de 2005, dispõe sobre a veiculação de conteúdo e repasse de recursos em emissoras de radiodifusão educativa. (LOPES, 2011). Este projeto tem por objetivo investigar as práticas, os processos e os discursos postos em circulação nas rádios universitárias federais do Brasil. Esta é uma pesquisa quali-quantitativa. Como metodologia para levantamento de todas as rádios universitárias no país será feito um estudo de caso de cada rádio individualmente e aplicados os instrumentos de coleta de dados adequados a cada situação e realidade – entrevistas, questionários, histórias de vida, historia oral e/ou análise de fontes primárias. Quanto a análise de discursos, como procedimento metodológico será utilizada a Analise dos Discursos proposta pela Teoria dos Discursos Sociais (PINTO; 1994;1995a;1995b;1999;2003) para a análise das rádios. A escolha de um corpus bem amplo ,todas as rádios do país, deve-se por acreditar que , com esta característica de pesquisa, ainda não foi feito nada semelhante. 
 

Profa. Dra. Samantha Viana Castelo Branco Rocha Carvalho - Doutora em Comunicação - Universidade Metodista de São Paulo (2001)

Título: Regionalização e Mídia.

Descrição: As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), especialmente a partir do século XX, provocam transformações no campo midiático no Brasil e no Piauí. Esse movimento, intensificado com os desdobramentos provocados pela globalização no cenário mundial, faz com que as rotinas jornalísticas estejam pautadas não apenas pela busca de informações do cenário internacional, mas também passam a se orientar pela necessidade de inclusão das questões regionais na pauta jornalística, seja como forma de aproximar os veículos de seu público ou, ainda, como estratégia mercadológica. Nesse sentido, o projeto de pesquisa objetiva analisar aspectos de regionalização no âmbito dos veículos da mídia do Piauí, no que se refere à realização de suas atividades no Estado, ao planejamento de suas rotinas produtivas, bem como aos conteúdos das notícias publicadas, considerando seus critérios de noticiabilidade. Refletir sobre a regionalização possibilita pensar acerca dos aspectos conceituais que envolvem a noção de regional e, também, discutir questões referentes à aproximação das empresas midiáticas com o público, buscada por meio de estratégias diversas. Para concretização desses objetivos, os estudos se orientam a partir de metodologias como estudo de casos e análise de conteúdo.

 

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 04/06/2020 12:38