Notícias

Banca de DEFESA: MARYELLE FERNANDA RODRIGUES DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARYELLE FERNANDA RODRIGUES DOS SANTOS
DATA: 18/08/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Plataforma Google Meet
TÍTULO: “BATOM E COTURNO”: A MULHER NA POLÍCIA MILITAR DO PIAUÍ (1985-1998)
PALAVRAS-CHAVES: Gênero. Mulher. Polícia Militar do Piauí. Relações de Poder.
PÁGINAS: 137
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
RESUMO:

O presente estudo objetiva compreender, historicamente, a inserção feminina na Polícia Militar do Piauí, examinando os percalços enfrentados pelas policiais na realização de seu trabalho na corporação militar e registrar se elas sentem que seu trabalho é valorizado no meio institucional. O recorte temporal inicia-se em 1985, tendo como ponto de partida a entrada das duas primeiras oficiais femininas na organização, até o ano de 1998, quando é sancionada a Lei de Unificação dos Efetivos. O corpo feminino da tropa compôs a Companhia Feminina a partir de 1993 existindo até o processo de junção dos quadros, onde se estabelecia como um lugar de contradições, fornecia espaço para as agentes, porem deixaram-nas aquarteladas e separadas do masculino e obtendo postos menores. Tensões internas, bem como a necessidade de galgar outros postos hierárquicos, fomentaram a criação de um projeto de lei que visava a união e assim possibilitasse a ascensão das policiais. Para contar essa história, utilizou-se a pesquisa bibliográfica, com vistas a compor arcabouço teórico capaz de fornecer suporte às discussões propostas na pesquisa. A coleta de dados junto a Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP) facilitou a percepção do panorama institucional. Através dos Boletins do Comando Geral verifica-se parte da dinâmica corporativa, o quantitativo e os locais de trabalho dos policiais como forma de possibilitar o entendimento dos espaços de atuação que a organização designa para os gêneros e onde são constituídos também espaços de poder. A análise do estatuto e dos regulamentos apontam para as prerrogativas normativas as quais os militares são submetidos. A entrevista em história oral permite tornar as agentes protagonistas e narradoras de uma história que está sendo escrita cotidianamente. Para fundamentação teórica, trazem primorosas contribuições autores como Scott (1990) Cappelle e Melo (2007), Souza (2009), Silva (2018) dentre outros.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1783526 - FRANCISCO GLEISON DA COSTA MONTEIRO
Externo à Instituição - GISAFRAN NAZARENO MOTA JUCÁ - UECE
Presidente - 1551249 - JOHNY SANTANA DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 03/08/2020 13:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 06/12/2022 02:01