Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ISMAEL SOUSA DE JESUS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ISMAEL SOUSA DE JESUS
DATA: 26/11/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Teresina
TÍTULO: ECOS DA PIÇARRA: História e memória de migrantes rurais na formação do bairro Piçarra em Teresina (1945-1970)
PALAVRAS-CHAVES: História. Cidades. Migrantes. Memória. Piçarra (Século XX)
PÁGINAS: 118
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
ESPECIALIDADE: História do Brasil República
RESUMO:

Esta pesquisa analisa a história e a memória dos migrantes rurais e a suas ocupações no bairro Piçarra, em Teresina, entre 1945 e 1970. Toma-se como mote o bairro Piçarra, este bairro- objeto constituiu-se uma região de acolhimento de um expressivo número de migrantes rurais. Nesse recorte espacial, analisou-se a pujança comercial, as representações sobre as redes de sociabilidades inseridas nessas áreas, a exemplo do Morro do Querosene. Como fontes analisadas, adotaram-se periódicos da época, dentre eles os jornais O Piauí, Jornal do Piauí, A cidade, Folha da Manhã e O Dia, e as fontes orais, sendo estas últimas operacionalizadas por meio da metodologia da História Oral. A discussão dos temas desenvolve-se em  compasso com a literatura dedicada aos estudos sobre cidade, baseada em Calvino (1990) Carlos (2003, 2001), Resende (1997) e, sobre Teresina, pode ser citada a obra de Nascimento (2015), que contém um estudo sobre a modernização da cidade de Teresina na década de 1940. Somam-se ainda as contribuições de Certeau (2008, 2011), Rolnik (1995), Mayol

(2013), Fontineles e Sousa Neto (2017), Velho (2002) e Chartier (2002). Algumas concepções profícuas sobre a memória subsidiam-se na produção de Bosi (1994), Halbwachs (2003), Le Goff (1990), Seixas (2004), Amado (1995), Pollack (1992) e outros. A pesquisa aponta que as ocupações irregulares coincidiam com as áreas de promiscuidades, assim classificadas à época, e o bairro Piçarra era alvo de intensa discriminação. Todavia, observou-se que a vida dos migrantes, mesmo com suas divergências nesses espaços periféricos, manteve-se presente na “memória coletiva” da cidade, através das suas práticas cotidianas, sentimentos de pertencimento e de identidade


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2335100 - CLAUDIA CRISTINA DA SILVA FONTINELES
Interno - 423663 - FRANCISCO ALCIDES DO NASCIMENTO
Presidente - 747.008.043-00 - MARCELO DE SOUSA NETO - UESPI
Notícia cadastrada em: 12/11/2020 11:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 27/11/2022 02:43