Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JOSE LINS DUARTE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSE LINS DUARTE
DATA: 16/04/2021
HORA: 16:00
LOCAL: CCHL - Ambiente remoto
TÍTULO: A COMPANHIA DE NAVEGAÇÃO A VAPOR NO RIO PARNAÍBA: O PIAUÍ NAS ÁGUAS DO PROGRESSO (1859-1900),
PALAVRAS-CHAVES: Navegação a vapor. Piauí. Progresso. Modernização. Transporte.
PÁGINAS: 238
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
ESPECIALIDADE: História do Brasil Império
RESUMO:

Esta tese apresenta a implantação de um moderno meio de transporte aquaviário,
impulsionado a vapor, no Piauí, em 1859. O seu estabelecimento foi considerado
como um fator determinante para o desenvolvimento local, constituindo-se como o
maior empreendimento no século XIX. Esse componente visava atender aos anseios
da província, que buscava incentivar a agricultura de exportação e melhorar o
deslocamento entre sua capital e o litoral, separados por uma distância de pouco
mais de 400 km, pela hidrovia. Para essa realização, seria utilizado o rio Parnaíba, a
principal artéria de ligação entre essas localidades. Assim, as embarcações da
Companhia de Navegação a Vapor no rio Parnaíba, preparadas para a condução de
cargas e passageiros, promoveram uma nova dinâmica, ao fazer circular com maior
rapidez, segurança e menores custos as mercadorias produzidas na província até o
porto de Parnaíba. Igualmente, fazia-se o caminho inverso, ao trazer produtos
importados para distribuição na região. Dessa maneira, foi habilitada a entrada
piauiense nos rumos do progresso e da civilidade, ao compartilhar da inovação
tecnológica representada pela mecanização e, assim, avançar na pretensão de
deixar o prospecto de improdutiva e atrasada. Todavia, por mais importante que
tenha sido esse evento histórico, este não pode ser visto como algo puramente
tecnológico, mas como um elemento de transformação sob diferentes aspectos,

sendo norteado pelo fator econômico-social. Sob um contexto mais amplo, verifica-
se, ainda, que o Piauí passava a vivenciar uma etapa que atendia a interesses

capitalistas em curso. Cedia à entrada da modernização, que também atuava em
outras províncias brasileiras. Tais influxos foram marcantes, vindo a disseminar um
ambiente de prosperidade e progresso. Desse modo, certificava-se o empenho de
grupos sociais que, contando com o apoio do governo local e imperial, investiram em
um meio de condução compatível com as necessidades piauienses. Isso resultou
em satisfatórias conquistas, inclusive, em um legado essencial para a atividade
extrativista, que se tornou a maior fonte econômica do Piauí, ultrapassando a
pecuária. Para atingir as proposições do estudo, utilizaram-se fontes diversas, como:
série companhia de navegação a vapor, fundo sala do poder executivo, relatórios
gerenciais, relatórios governamentais, relatórios e correspondências da companhia
de navegação a vapor, relatórios da capitania dos portos, almanaque piauiense e
jornais.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1783526 - FRANCISCO GLEISON DA COSTA MONTEIRO
Presidente - 1551249 - JOHNY SANTANA DE ARAUJO
Interno - 2174309 - PEDRO VILARINHO CASTELO BRANCO
Interno - 2167352 - TERESINHA DE JESUS MESQUITA QUEIROZ
Notícia cadastrada em: 03/04/2021 18:12
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 06/12/2022 01:28