Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: TALYTA MARJORIE LIRA SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TALYTA MARJORIE LIRA SOUSA
DATA: 26/08/2021
HORA: 15:00
LOCAL: Sala de aula do CCHL
TÍTULO: HOMENS NEGROS COMO A NOITE1 OS ESCRAVIZADOS NOS ANÚNCIOS DE JORNAIS PIAUIENSES NO SÉCULO XIX
PALAVRAS-CHAVES: História. Escravidão. Anúncios de Fuga, Compra, Venda e Aluguel.
PÁGINAS: 291
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
RESUMO:

Partindo do referencial das fontes sobre escravidão no Brasil e no Piauí, analisamos os
anúncios e noticiários sobre escravos, relativos à fuga, compra, venda e aluguel, para
compreender historicamente a dinâmica da escravidão na província do Piauí durante o século
XIX. As fontes hemerográficas são meio de expressão de ideias, nelas encontramos dados
sobre a sociedade oitocentista, seus usos e costumes; informes sobre questões econômicas e
políticas que envolvem a abolição da escravatura; contradições ideológicas e as visões de cada
jornal sobre o trabalho escravo; discussões em torno da violência; os anúncios de compra,
venda, aluguel e fuga, que revelam o perfil dos escravos, o espaço geográfico das fugas e o
cotidiano deles. Levantamos a tese que, no Piauí, durante o século XIX, houve a
intensificação nos anúncios sobre escravizados, devido à mudança na ordem jurídica, política,
econômica e social no panorama internacional, no que diz respeito ao fim do tráfico
transatlântico de escravizados e a intensificação do tráfico interprovincial. Essas mudanças
estão no jogo do mercado, num conjunto de transformações que extrapola a dimensão local,
configura o avanço do tráfico interprovincial, a manutenção da estrutura do poder senhorial e
da hierarquia de submissão. A pesquisa documental ocorreu no Arquivo Público do Estado do
Piauí, onde tivemos acesso aos documentos da Secretaria de Polícia (passaportes, códices dos
relatórios dos chefes de polícia e livro de bando) e livros de compra e venda do Cartório de 1o
Ofício de Notas; no acervo digital do Núcleo de Pesquisa em Jornalismo e Comunicação da
Universidade Federal do Piauí; na Biblioteca Nacional, onde acessamos as fontes
hemerográficas e a Coleção das Leis do Império do Brasil (Constituição de 1824, Código
Criminal, Código de Processo Criminal, Lei sobre o tráfico de escravos e leis abolicionistas);
nos acervos dos jornais britânicos do The British Newspaper Archive; no Center for Research
Libraries (Relatórios de Presidente de Província) e consulta a documentação do Arquivo
Histórico Ultramarino por meio do Projeto Resgate. A partir da análise das fontes,
escolhemos como recorte espacial a província do Piauí, e como recorte temporal, o século
XIX. As fontes oficiais nos ajudam a conhecer essas pessoas anônimas e silenciadas por uma
produção historiográfica tradicional. Essa documentação nos permite dois tipos de análise: a
quantitativa, que comporta a apresentação das características sociais mais gerais, as
tendências de mudança e as permanências culturais, e a qualitativa, através da qual
descobrimos especificidades e particularidades que nos aproximam daquelas pessoas do
passado, evidenciando os conflitos, as ansiedades e tensões da sociedade. No que concerne à
metodologia do processo investigativo, adotamos a pesquisa histórica descritiva a partir da
consulta e análise da base documental. Pretendemos observar a vida dos escravizados a partir
de pequenos fragmentos de frases, gestos e falas, muitas vezes permeados de contradições, e
de registros que, mesmo oficiais, nos dizem muito da memória individual e coletiva.
Ensejamos que este trabalho ajude a preencher as lacunas da historiografia referente ao estudo
da escravidão no Piauí, contribua, enriqueça e excite o interesse de novos pesquisadores.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1783526 - FRANCISCO GLEISON DA COSTA MONTEIRO
Interno - 747.008.043-00 - MARCELO DE SOUSA NETO - UESPI
Presidente - 2174309 - PEDRO VILARINHO CASTELO BRANCO
Interno - 2167352 - TERESINHA DE JESUS MESQUITA QUEIROZ
Notícia cadastrada em: 10/08/2021 09:51
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.instancia1 05/12/2022 02:26