Notícias

Banca de DEFESA: ROMARIO DE MOURA ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROMARIO DE MOURA ROCHA
DATA: 30/03/2022
HORA: 08:30
LOCAL: Ambiente virtual
TÍTULO: “JORJAMADO NO CINEMA”: representações da “grande nação mestiça” e apropriações da literatura amadiana no discurso racial assumido pelo cinema brasileiro (1962-1977).
PALAVRAS-CHAVES: Jorge Amado. Literatura. Cinema. Miscigenação. Representação.
PÁGINAS: 196
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
ESPECIALIDADE: História do Brasil República
RESUMO:

Esse trabalho busca se debruçar sobre as apropriações que o cinema brasileiro fez da literatura de Jorge Amado, principalmente do ano de 1962-1977, período que as relações entre literatura e cinema se deram de forma ainda mais intensa. Um fator em comum entre a literatura amadiana e o cinema nacional está no impacto que o pensamento sobre a identidade nacional manteve fortes relações com a leitura de Gilberto Freyre. A partir de 1965 o ideal de uma nação mestiça se torna parte do próprio pensamento oficial da Ditadura militar, tornando-se elemento da proposta de cultura oficial do regime. Essa dissertação tem por objetivo escrutinar as apropriações que os cineastas brasileiros fizeram da produção literária de Amado na tematização dos filmes envolvendo a representação do negro e sua cultura que acabou desencadeando a inserção de topos como “raça” e etnia na cinematografia nacional. Estabelecemos particular centralidade no romance Tenda dos Milagres (1969) e sua adaptação para o cinema pelas lentes de Nelson Pereira dos Santos em 1977, uma vez que foi nesse período que a adesão por parte do cinema ao modelo miscigenado proposto por Amado recebeu contornos cada vez mais nítidos. A princípio, nossa discussão parte da hipótese de que os começos do contato de Jorge Amado com o cinema já se davam pela centralidade que seus romances empregavam na politização do personagem negro, em que esse representava o signo do “povo brasileiro explorado”, compreensão cara aos projetos cinematográficos de meados dos anos 1950 e idos de 1960. Chegado os anos 1970, as proposições de um “cinema popular” tomam sentidos diferentes, onde a celebração da cultura negra passa a se associar ao processo de uma identidade mestiça, fato que concorreu para a constituição de uma crítica negativa advinda das novas leituras raciais e representações propostas, principalmente, pelo movimento negro contemporâneo.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCISCO DAS CHAGAS FERNANDES SANTIAGO JUNIOR - UFRN
Presidente - 876.437.153-00 - JAISON CASTRO SILVA - IFPI
Externo à Instituição - MEIZE REGINA DE LUCENA LUCAS - UFC
Interno - 2167352 - TERESINHA DE JESUS MESQUITA QUEIROZ
Notícia cadastrada em: 11/03/2022 18:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 06/12/2022 00:20