Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LENILSON ROCHA PORTELA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LENILSON ROCHA PORTELA
DATA: 04/08/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Sala do Mestrado
TÍTULO: CALINS, CAPITALISMO E QUESTÕES CONTEMPORÂNEAS: Identidade, condições de existência e trabalho de mulheres em comunidades ciganas Calons do Norte do Piauí (1990 – 2018)
PALAVRAS-CHAVES: Mulheres. Ciganas. Piauí. Trabalho. Capitalismo.
PÁGINAS: 146
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
ESPECIALIDADE: História do Brasil República
RESUMO:

O presente trabalho versa sobre as condições de existência e trabalho de mulheres ciganas do Norte do Piauí entre 1990 – 2018. A priori, estabelece-se a conclusão do precário estado de vida e ocupação trabalhista das mulheres historicizadas. Posto isso, empreende-se a tentativa de compreensão dos processos históricos, sociais e políticos que levaram a consolidação de um modelo de subsistência baseado em expropriação cultural, violação de garantias legais, exploração de mão de obra, perseguição étnica e ausência de políticas públicas efetivas voltadas para a manutenção da identidade dos povos ciganos, não só do Piauí. Indo além disso, buscou-se uma leitura transversal sobre como esses processos são vivenciados sob a perspectiva de gênero, em interseção com questões de classe e etnia. Para tanto, a proposta busca dialogar com fontes hemerográficas, como o jornal O Dia, o Estado do Piauhy, BBC News Brasil e noticiários das localidades referenciadas ao longo do texto. Ampliando o escopo documental, recorre-se aos registros fotográficos como forma de leitura ampliada dos contextos e processos. Buscando mapear a presença dessas pessoas que não são percebidas pelos instrumentos oficiais de Estado – como o censo demográfico – a pesquisa alicerça-se em amplos depoimentos colhidos por meio de entrevistas semiestruturadas que versam sobre experiencias pessoais e coletivas dos sujeitos aqui estudados e, como essas vidas são ordenadas por agentes exteriores em função dos interesses de natureza econômica e de classe. Em profícua conversação com o aparato jurídico nacional e internacional – leis, decretos, tratados e jurisdição – efetiva-se uma análise das falhas contidas na estrutura de proteção dos direitos dos povos ciganos, especificamente, das mulheres dessa etnia. Para tanto, recorre-se a autores como Saffioti (2013), Antunes (2009), Del Roio (2017), Furtado (1998), Gomes (2002), Butler (2022) e Perrot (2019) para articulação dos elementos constituintes dessa investigação e aferir conclusões que sirvam para desnaturalizar posições, situações e contextos percebidos como inalteráveis.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2367712 - FRANCISCO DE ASSIS DE SOUSA NASCIMENTO
Interno - 677.989.933-04 - JOSEANNE ZINGLEARA SOARES MARINHO - UESPI
Interno - 2575484 - NILSANGELA CARDOSO LIMA
Notícia cadastrada em: 22/07/2023 00:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 01/03/2024 16:46