Notícias

Banca de DEFESA: DANIEL SOUZA BRAGA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANIEL SOUZA BRAGA
DATA: 22/12/2023
HORA: 08:30
LOCAL: Sala do Doutorado
TÍTULO: COTIDIANO, TRABALHO E MEMÓRIA: histórias de vida de trabalhadoras(es) ribeirinhas(os) dos povoados da Ilha Grande (1960 - 1990)
PALAVRAS-CHAVES: História, Memória, Trabalhadoras.
PÁGINAS: 271
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
ESPECIALIDADE: História do Brasil República
RESUMO:

Essa pesquisa dialoga com memórias de velhas(os) trabalhadoras(es) ribeirinhas(os) de uma parte do litoral do Piauí, em uma época que a Ilha Grande de Santa Isabel era constituída por uma rede de povoados que pertenciam à cidade de Parnaíba. Através das fontes orais e da metodologia da história oral, explorou-se as singularidades, as trajetórias e sobretudo experiências, estruturadas em narrativas que visam compor uma vida, detendo-se em uma rede de sentidos que vai desde a infância, a vida adulta, o labor, o imaginário, os delírios e silêncios, mesmo sabendo que o narrar é o esforço de se ordenar memórias difusas. O fio que une os “poemas/vida” é a ideia da sobrevivência, pois o labor enquanto sentido da existência das classes populares, torna-se o centro das preocupações, visando por ganhar o pão de cada dia. A vida insular é marcada por modos de existir à margem da cidade circunscrita, ou seja, um modo de morar, trabalhar, curar nas fimbrias do sistema, obrigando os sujeitos a viverem o cotidiano “jogando com a ocasião”, criando e recriando uma série de táticas para vencer as duras condições do dia a dia, improvisando modos de morar, parir, curar, amar, festejar, trabalhar. A tese reflete também sobre a forma como as lembranças são evocadas, sendo a memória uma forma de compor a vida, uma reconstrução, um fluxo capaz de saltar e explorar tempos diversos, enveredando por subjetividades ímpares que se dobram e se desdobram no espaço e tempo cercado por rios, matas e lama. As entrevistas de histórias de vida são nervos do trabalho, mas utilizamos outras fontes que permitiram penetrar no tempo estudado, como obras memorialística, crônicas, reportagens dos jornais Inovação, Diário do Povo, Jornal do Piauí, Folha do Litoral. Para alargar nossa compressão dos problemas, questões e temáticas que surgiam ao longo da pesquisa, servimo-nos dos ensinamentos dos autores como Halbwachs (2003), Pierre Nora (1993), Verena Alberti (2004), Ecléa Bosi (2009), Portelli (2007), José Carlos Sebe Meihy (2005), Michel de Certeau (2003) e outros.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALCEBIADES COSTA FILHO - UESPI
Externo à Instituição - CRISTIANA COSTA DA ROCHA - UESPI
Interno - 2061327 - FABIO LEONARDO CASTELO BRANCO BRITO
Presidente - 423663 - FRANCISCO ALCIDES DO NASCIMENTO
Interno - 2367712 - FRANCISCO DE ASSIS DE SOUSA NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 11/12/2023 15:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb04.ufpi.br.sigaa 29/05/2024 12:29