Notícias

Banca de DEFESA: LUIS PAULO DA SILVA DIAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIS PAULO DA SILVA DIAS
DATA: 05/12/2023
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais
TÍTULO: ATIVIDADE DO MOLIBIDATO DE PRATA (β-Ag2MoO4) MODIFICADO COM COBRE NA MODULAÇÃO DA RESISTÊNCIA ANTIBIÓTICA DE Klebsiella pneumoniae PRODUTORA DE CARBAPENAMASE (KPC)
PALAVRAS-CHAVES: atividade antimicrobiana, resistência antimicrobiana, agentes inorgânicos, compostos com prata
PÁGINAS: 92
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
RESUMO:

A utilização irrestrita e abusiva dos antimicrobianos tem contribuído, significativamente, para a emergência de microrganismos resistentes a estes fármacos. Este fenômeno pode ser ilustrado por cepas da bactéria Klebsiella pneumoniae produtoras de enzimas denominadas de carbapenemases (KPC), que são capazes de inativar os antibióticos carbapenêmicos e cuja ação envolve também todos os demais beta-lactâmicos disponíveis. Este fato se agrava pois comumente cepas de K. pneumoniae KPC apresentam perfil de multirresistência. Assim, o desenvolvimento de novos agentes com propriedades antimicrobianas se torna imprescindível sendo que, dentre as opções atuais, destacam-se agentes inorgânicos, contendo metais como prata ou cobre, sob a forma de cristais de molibdato. Deste modo, este estudo avaliou a atividade antimicrobiana e modulatória da resistência antibiótica in vitro de cristais de molibdato de prata puro (Ag2MoO4) e modificados com 1% ou 3% de cobre (Ag2MoO4Cu/1% ou 3%) frente a cepa padrão de K. pneumoniae ATCC1705, produtora de carbapenemase (KPC), bem como a citotoxicidade sobre células-tronco murinas. Os cristais foram preparados pelo método hidrotérmico convencional e caracterizados por difração de Raio-X (RDX), espectrometria Ramam e microscopia eletrônica de varredura. O potencial antimicrobiano dos molibdatos foram testados por meio da determinação das concentrações inibitórias e bactericidas mínimas (CIMs/CBMs), utilizando a técnica de diluição em caldo, frente a concentrações variando de 128 a 2 μg/mL. A capacidade modulatória para reconstituir o perfil de sensibilidade desta cepa aos antibióticos carbapenêmicos e aminoglicosídeos, foi avaliada sob concentrações sub-inibitórias de 1/2 e 1/4 das CIMs dos molibdatos acrescidos ao ágar e sobre o inóculo microbiano foram depositados discos dos antibióticos meropenem, imipenem e amicacina. A ação modulatória dos molibdatos sobre a resistência antimicrobiana, também foi realizada pela técnica de microdiluição em caldo, sob concentrações sub-inibitórias dos molibdatos sobre as CIMs do meropenem, imipenem e amicacina, para a determinação do índice de concentração inibitória fracional. A citotoxicidade destes agentes inorgânicos foi avaliada para as concentrações variando de 256 a 32 μg/mL, por meio do teste metabólico de redução do MTT (brometo de difeniltetrazólio), sobre células-tronco derivadas de medula óssea de ratos. Para a análise estatística dos testes de formação de halos e da citotoxicidade (n=3) utilizou-se a análise de variância de duas vias, seguida do teste de múltiplas comparações de Dunnet (intervalo de confiança de 95%). Como principais resultados, verificou-se que as CIMs do Ag2MoO4; Ag2MoO4/Cu1% e Ag2MoO4/Cu3% foram, respectivamente, 32, 16 e 16 μg/mL, valores que coincidiram com as respectivas CBMs, caracterizando efeito bactericida. Observou-se a ação modulatória de todas os agentes sobre os antibióticos testados, tanto pela técnica de difusão em disco como pela técnica de microdiluição em caldo. O Ag2MoO4 foi o mais promissor no tocante à modulação da resistência dos três antibióticos testados, chegando a apresentar efeito sinérgico. Os molibdatos só apresentaram uma diminuição significativa na viabilidade celular na concentração de 256 μg/mL, valor este oito vezes maior que o efeito bactericida. Portanto, os molibdatos avaliados apresentaram atividade antimicrobiana promissora, bem como contribuíram para potencializar a atividade, antes inativa, dos antibióticos testados. Também se apresentaram biocompatíveis no teste de citotoxicidade. Deste modo, tais observações demonstram que os agentes inorgânicos testados possam ser uma alternativa promissora para auxiliar no combate deste microrganismo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 423602 - MARIA JOSE DOS SANTOS SOARES
Externo ao Programa - 995.992.603-68 - ALYNE RODRIGUES DE ARAUJO - UFPI
Externo ao Programa - 2714919 - DANIEL DIAS RUFINO ARCANJO
Notícia cadastrada em: 28/11/2023 08:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 21/02/2024 15:39