Dissertações/Teses

2019
Descrição
  • BETÂNIA DE PINHO VERAS PEREIRA
  • PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES À BASE DE CELULOSE BACTERIANA, GOMA DO ANGICO E SEUS QUATERNIZADOS
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 19/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • A celulose bacteriana é um polissacarídeo produzido por diversas bactérias, principalmente do gênero Gluconacetobacter, na forma de um hidrogel secretada extracelularmente sob a forma de uma rede de nanofibras, randomicamente distribuídas, que estão interligadas e formam uma estrutura tridimensional. As gomas naturais são biopolímeros extraídos de exsudatos de troncos de árvores, de sementes, de algas ou por fermentação microbiológica, dentre essas gomas destaca-se a goma do angico extraída da espécie Anadenanthera colubrina var. cebil (Griseb.) Altschul. Esses dois polissacarídeos podem ter diversas aplicações, além disso podem sofrer modificação na sua estrutura visando a obtenção de propriedades específicas. O presente trabalho apresenta como objetivo produzir e caracterizar filmes produzidos com celulose bacteriana, goma do angico bem como os materiais obtidos a partir da quaternização dos dois polímeros utilizando o Cloreto de (3-Cloro-2-hidroxipropil)trimetilamônio-CHPTAC. Os modificados foram caracterizados Espectroscopia Vibracional na Região do Infravermelho, Potencial Zeta, onde foi observada a formação de uma banda na região de 1478 cm-1 e outra em 1407 cm-1 que correspondem ao processo de modificação com substituintes de amônio quaternário, as análises de Potencial Zeta mostraram uma mudança de carga para os modificados. Os filmes produzidos por casting foram caracterizados por medida de espessura, índice de intumescimento, Teor de umidade, Espectroscopia Vibracional na Região do Infravermelho, Microscopia de Força Atômica e teste de atividade antibacteriana.

  • GABRIELLA PACHECO
  • NVOLVIMENTO DO RECEPTOR DE POTENCIAL TRANSITÓRIO VANILÓIDE 4 (TRPV4) NA LESÃO GÁSTRICA INDUZIDA POR ETANOL, EM CAMUNDONGOS.
  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 13/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • O álcool é uma das substâncias mais comumente consumida de modo abusivo no mundo e seu consumo excessivo é causador de enormes prejuízos, como alta mortalidade e desenvolvimento de úlceras gástricas caracterizadas por
    edema na mucosa, esfoliação celular e infiltração de células inflamatórias. O Receptor de Potencial Transitório Vanilóide 4 (TRPV4) é um canal de íons, presente em diferentes tecidos, inclusive no epitélio gástrico, e a sua ativação já demonstrou associação com o desenvolvimento de diversas patologias como o desenvolvimento de inflamação intestinal. Desta forma, este trabalho teve como objetivo avaliar a possível participação do TRPV4 no desenvolvimento de úlceras gástricas. Para isso, foram utilizados modelos animais de indução de lesão gástrica por etanol a partir da utilização de camundongos swiss pesando entre 25 e 30g, em grupos de aproximadamente 5 animais. O grupo controle negativo recebeu apenas a administração de solução salina (0,9%) e o controle positivo apenas a administração de etanol a 50% ou 30%. Em dois grupos experimentais foram administrados antagonistas do TRPV4 associados ao etanol a 50% (0,5ml/25g, v.o), onde um grupo recebeu Vermelho de rutênio (doses: 0,03, 0,1 ou 0,3 mg/kg, i.p) e o outro grupo GSK2193874 (doses: 0,1, 0,3 e 0,9 mg/kg, i.p). Além disso, um grupo de animais recebeu a administração de GSK1016790A (0,9 mg/kg, i.p), , agonista do TRPV4, e logo após etanol a 30% (0,5ml/25g). Uma hora após as administrações os animais foram eutanasiados e foi realizada a análise macroscópica da mucosa gástrica, sendo a melhor dose dos antagonistas de TRPV4 selecionadas para as demais análises. Amostras de estômago foram retiradas para a realização da avaliação histopatológica, dosagens de malondialdeído (MDA), superóxido dismutase (SOD) e glutationa reduzida (GSH). Como resultado, evidenciamos que o bloqueio de TRPV4 promoveu a gastroproteção a nível macro e microscópico no modelo de lesão induzida pelo etanol e levou a um aumento significativo (p<0,05) na dosagem de SOD e GSH e redução das concentrações de MDA (p<0,05) na mucosa gástrica, demonstrando uma diminuição do estresse oxidativo causado pelo álcool. Por outro lado, a utilização do agonista de TRPV4 demostrou, por meio das análises macroscópicas uma exacerbação da área de lesão (p<0,05) quando comparado ao grupo que recebeu etanol a 30%. Com isso podemos sugerir que a ativação de TRPV4 está envolvida no processo de lesão gástrica induzida por etanol, e que a utilização de bloqueadores de TRPV4 podem ser futuramente uma alternativa terapêutica para o tratamento de úlceras gástricas.

  • MAISA GOMES DA SILVA
  • Efeitos sobre perfil antioxidante e reatividade vascular induzidos por uma manteiga obtida das sementes de Platonia insignis Mart. em modelo de hipertensão L-NAME em ratas
  • Orientador : DANIEL DIAS RUFINO ARCANJO
  • Data: 05/11/2019
  • Mostrar Resumo
  • As doenças cardiovasculares são umas das principais causas de morte em todo o mundo. Diante deste contexto, a utilização de produtos naturais vem apresentando-se como uma importante fonte de bioprodutos com potenciais aplicações terapêuticas. Na busca por compostos biologicamente ativos da família Clusiaceae, a espécie Platonia insignis Mart., conhecida popularmente como “bacuri”, tem demonstrado efeito vasorrelaxante, antioxidante e hipotensor in vivo, evidenciando sua promissora aplicação no desenvolvimento de produtos para o tratamento de doenças cardiovasculares envolvendo estresse oxidativo. Assim, o objetivo desse trabalho é investigar os efeitos toxicológicos, antioxidantes e vasorrelaxantes de uma manteiga industrializada obtida das sementes de Platonia insignis Mart. (MIB), através de ensaios in vitro e in vivo, para potencial aplicação no tratamento da hipertensão. A atividade citotóxica foi inicialmente realizada através do ensaio do MTT em macrófagos murinos e em eritrócitos de sangue de carneiro. No presente estudo, observou-se uma redução da viabilidade celular por avaliação da atividade mitocondrial de modo dependente de concentração, com valor de concentração citotóxica média (CC50) igual a 124,036 µg/ml e na atividade hemolítica, registrou-se uma baixa citotoxicidade uma vez que a MIB promoveu menos de 10% de hemólise na concentração mais alta testada (800 µg/ml), não sendo possível determinar a concentração hemolítica média.realizou-se ensaios antioxidantes in vitro, avaliando os efeitos da MIB na formação de espécies reativas de ácido tiobarbitúrico (TBARS), nitrito (NO2-) e radical hidroxila (HO-). Em todos os ensaios, a MIB apresentou atividade antioxidante equipotente quando comparada ao controle positivo. Posteriormente, a avaliação toxicológica aguda oral in vivo foi realizada através do Teste de Dose Fixa (Diretriz OECD nº 420, 2000), com modificações. Não foram observadas mortes ou alterações nos parâmetros clínicos e comportamentais avaliados, assim como nos parâmetros bioquímicos séricos, no peso dos órgãos e na avaliação macroscópica dos órgãos. Nos estudos in vivo, avaliou-se a responsividade ex vivo de preparações de artéria aorta à acetilcolina (ACh) e ao nitroprussiato de sódio (NPS) após o tratamento subagudo (7 dias) com MIB (25, 50 e 100 mg/kg) em ratas submetidas à hipertensão induzida por L-NAME (50 mg/kg·dia, por 21 dias).As preparações de aorta dos animais tratados com a MIB na dose de 25 mg/kg apresentaram maior reatividade à à acetilcolina, mas não inensificaram a resposta do vaso ao NPS em comparação com o grupo controle hipertenso, instigando a necessidade de ensaios complementares. Nos ensaios de atividade antioxidante in vivo, investigou-se os efeitos da MIB (25, 50 e 100 mg/kg) sobre os níveis de malondialdeído (MDA) e glutationa reduzida (GSH), e sobre as atividades da mieloperoxidase (MPO), superóxido dismutase (SOD) e catalase (CAT) em eritrócitos ou plasma de ratas submetidas à hipertensão induzida por L-NAME (50 mg/kg·dia, por 21 dias). Os resultados dos testes demonstram que houve uma melhora significativa dos níveis de MDA, MPO, GSH e SOD dos animais hipertensos tratados com a MIB quando comparados com o controle hipertenso. A manteiga das sementes de P. insignis apresenta um promissor efeito antioxidante com ausência de toxicidade, com potenciais aplicações em modelos de estresse oxidativo no sistema cardiovascular.

  • VICTOR LUCAS RIBEIRO LOPES
  • EFEITOS DA ADMINISTRAÇÃO DE Lactobacillus sp. SOBRE UM MODELO ANIMAL DE PERIODONTITE
  • Orientador : DANIEL FERNANDO PEREIRA VASCONCELOS
  • Data: 25/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Probióticos são microrganismos viáveis, o que inclui bactérias lácticas e leveduras naforma de células liofilizadas ou de produto fermentado, que exibem um efeito benéficosobre a saúde do hospedeiro, após ingestão, devido à melhoria das propriedades damicrobiota. Novas pesquisas têm demonstrado uma nova abordagem no uso clínico dosprobióticos na microbiota gengival, na inflamação gengival e na periodontite. Estespodem agir de diversas maneiras como: modular a defesa do hospedeiro, estimular aprodução de antimicrobianos endógenos e competir com bactérias periodontopatogênicas. Alguns estudos demonstraram que a periodontite e alterações na microbiota intestinal podem estar associada a alterações sistêmicas tais como esteatose hepática. Sendo assim, este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da administração de Lactobacillus sp. sobre a esteatose causada pelo modelo de
    periodontite induzida por ligadura em ratos. A metodologia utilizada foi o modelo de periodontite induzida com ligadura em ratas. Onde foi investigado o metabolismo ósseo na região de bifurcação do primeiro molar de ambos os lados da mandíbula por meio deanálises histomorfométricas e foi analisado os parâmetros clínicos inflamatórios da periodontite, como: índice de sangramento gengival, índice de profundidade de sondagem e mobilidade dentária. verificou-se os níveis dos marcadores por meio de dosagens bioquímicas no tecido gengival, dosagem da enzima mieloperoxidase,glutationa e malondialdeído. Neste trabalho também foi avaliado o fígado por meio de
    análises histopatológicas, onde foi avaliado por meio de escores de inflamação,esteatose e necrose, bem como foi avaliado o esteresse oxidativo por meio das dosagens de glutationa, malondialdeído e o infiltrado neutrofílico por meio da dosagem a enzima mieloperoxidase. Dosagens bioquímicas foram realizadas com o soro dos animais,
    como: Alanina aminotransferase, aspartato aminotransferase, fosfatase alcalina,albumina, uréia e creatinina. Como resultado obtivemos que este estudo é o primeiro a investigar a associação entre periodontite, esteatose e uso de Lactobacillus sp. como uma opção de tratamento. Lactobacillus sp. foi capaz de reduzir os parâmetros clínicos
    inflamatórios, como índicec de sangramento gengival e índice de profundidade de sondagem, bem como a reduziu o infiltrado neutrofílico no tecido gengival. A análise morfométrica mostrou que houve uma redução significativa na perda do osso alveolar no grupo tratado vcom Lactobacillus sp. A análise do tecido hepático mostrou que o
    tratamento com Lactobacillus sp. apresentaram atividade antioxidante, o que pode-se observar através das dosagens de glutationa e malondialdeído. A dosagem da enzima mieloperoxidase revelou que houve uma redução no infiltrado neutrofílico. Por meio da análise histopatológica pode-se avaliar em escores, a esteatose, inflamação, como resultado, os escores de esteatose mostraram diferenças estatisticamente significativa no grupo tratado com Lactobacillus sp. quando comparado com o grupo com Periodontite. Como conclusão, tem-se que o tratamento com Lactobacillus sp. reduziu os parâmetros clínicos e inflamatórios da periodontite índice de sangramento gengival, índice de profundidade e o infiltrado neutrofílico, diminuindo os níveis de mieloperoxidase no tecido gengival. Além disso, o tratamento com Lactobacillus sp. reduziu significativamente o escore de esteatose e melhorou os níveis hepáticos de malondialdeído e glutationa, demonstrando possuir potencial anti-inflamatório e antioxidante.

  • ALAN LEANDRO CARVALHO DE FARIAS
  • EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DO PROBIÓTICO Saccharomyces boulardii NA ESTEATOSE HEPÁTICA INDUZIDA PELA PERIODONTITE EM RATAS
  • Orientador : DANIEL FERNANDO PEREIRA VASCONCELOS
  • Data: 23/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Saccharomyces boulardii é utilizado como suplemento (probiótico) de microrganismos vivos, que contribuem para melhorar o equilíbrio da microbiota intestinal, onde alguns estudos apontam a importância do mesmo também no tratamento de doenças infecciosas e hepáticas, onde apresenta a capacidade de estimular a produção de antimicrobianos endógenos e competir com bactérias periodontopatogênicas. Alguns estudos demonstraram que a periodontite e alterações na microbiota intestinal podem estar associada a doenças sistêmicas tais como esteatose hepática. Tendo isso em vista, este trabalho teve como objetivo, avaliar os efeitos da administração de Saccharomyces boulardii sobre a esteatose causada pelo modelo de periodontite induzida por ligadura em ratas. Para isso, trinta animais foram divididos em três grupos (n = 10, cada grupo): Controle, saudável; Periodontite (periodontite induzida com ligadura e sem tratamento) e S. boulardii (periodontite induzida e tratada com S. boulardii). Os animais foram submetidos à análise dos seguintes parâmetros periodontais: índice de sangramento gengival, mobilidade dentária e profundidade de sondagem. Após a eutanásia, as mandíbulas foram submetidas a avaliação da altura óssea alveolar. Nos tecidos hepáticos e gengivais foram medidos: os níveis de malondialdeído, glutationa e mieloperoxidase. As amostras de fígado também foram submetidas a análises histopatológicas, para avaliação dos seguintes parâmetros esteatose, inflamação e necrose. Finalmente, os níveis sanguíneos de alanina aminotransferase, aspartato aminotransferase, albumina, uréia e creatinina foram medidos. Como resultados, obteve-se que o grupo de S. boulardii apresentou redução nos parametros clinicos orais, índice de sangramento gengival e índice de profundidade de sondagem, bem como reduziu o infiltrado neutrofilico no tecido gengival. S. boulardii também foi capaz de reduzir escores de esteatose e inflamação no tecido hepático (p <0,05), quando comparado com o grupo Periodontite. Os níveis de malondialdeído diminuíram, enquanto os níveis de glutationa apresentaram valores mais elevados, demostrando assim, que o estresse oxidativo foi reduzido nesse tecido. Como conclusão teve-se que, a administração de S. boulardii reduziu a ocorrência de periodontite, por meio da redução dos parâmetros inflamatórios como índice de sangramento gengival, índice de profundidade de sondagem e a dosagem da enzima mieloperoxidase do tecido gengival, bem como preveniu a perda óssea alveolar característico da doença. S. boulardii também reduziu os danos sistêmicos causados pela periodontite, como o acúmulo de gordura no fígado, atuando no metabolismo lipídico via fígado-intestino, reduzindo o estresse oxidativo e o infiltrado neutrofílico.

  • ILLANA JESSICA MAURIZ PEREIRA SÁ
  • Memória de trabalho espacial tem maior predominância da coordenada horizontal na distância do ponto de intercepção: um estudo com Bromazepam e Metilfenidato.
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 27/09/2019
  • Mostrar Resumo
  • Estudos têm investigado os efeitos do metilfenidato e benzodiazepínicos na memória de trabalho (MT). No entanto, ainda não é sabido se a ingestão de benzodiazepínico e metilfenidato modifica a interpretação da orientação sobre as coordenadas dos eixos vertical e horizontal em uma tarefa de MT espacial. Neste contexto, este estudo teve como objetivo analisar a influência do metilfenidato e do bromazepam na memória de trabalho visuoespacial. Para esta proposição 32 sujeitos compuseram três grupos (placebo, metilfenidato e bromazepam) para realizarem uma tarefa de MT visuoespacial após 1 ½ hora da ingestão da cápsula de placebo, metilfenidato ou bromazepam. Os resultados mostraram predomínio positivo do eixo horizontal nos sujeitos da condição bromazepam, enquanto no eixo vertical houve uma representação negativa (p < 0,001)). Além disso, os participantes na condição bromazepam foram mais assertivos na tarefa do que em outras condições (p = 0,001). Ao analisar a regressão, observou-se associação entre a seletividade dos eixos e as condições bromazepam (p = 0,007), bem como as condições metilfenidato (0,009) e follow-up (p = 0,035). Assim, os medicamentos bromazepam e metilfenidato quando administrados em indivíduos saudáveis modificam o desempenho da memória de trabalho visuoespacial, com maior seletividade do eixo horizontal e maior distância do ponto zero entre os eixos.

     

  • FLAVIANE DE FRANÇA DOURADO
  • MODIFICAÇÃO QUÍMICA DE POLISSACARÍDEOS OBTIDOS A PARTIR DE EXSUDATOS COM ANIDRIDO PROPIÔNICO
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 21/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • As gomas exsudadas de árvores são polímeros naturais que representam uma abundante matéria-prima industrial. A goma do cajueiro e a goma de angico são exsudadas de árvores do gênero Anacardium e Anadenanthera. Ambas nativa do Nordeste brasileiro, sendo a segunda menos o explorada. Devido sua similaridade quanto à composição, a modificação química foi direcionada a ambos os polímeros. A aquisição de gomas após a modificação química ampliam as possibilidades de aplicação devido a inserção de grupos funcionais que visam melhorar suas propriedades. Com isso, este trabalho objetivou a esterificação das gomas do cajueiro (GC) e angico (GA) com anidrido propiônico a fim de investigar suas atividades quanto a biocompatibilidade, atividade antimicrobianas, antioxidante e formulação de sistema nanoestruturado. A modificação química foi averiguada por meio dos espectros obtidos pela análise de Espectroscopia na região do Infravermelho (FTIR) comparando os espectros da goma do cajueiro (GC) com a goma do cajueiro modificada com anidrido propiônico (GCMAP), e da goma do angico (GA) com a goma do angico modificada com anidrido propiônico (GAMAP) avaliando a inserção dos grupos funcionais após a modificação e Difração de Raio-X (DRX) verificando a cristalinidade dos materiais obtidos comparando com os materiais de partida. Os derivados GCMAP e GAMAP não apresentaram efeito antibacteriano contra S. aureus E. coli. Entretanto foram satisfatório em ensaios hemolíticos com eritrócitos humanos. E o derivado GAMAP apresentou atividade oxidante perante a captura do radical ABTS•+, e ambos foram eficazes na formulação de nanopartículas. Os biopolímeros derivados se apresentam como promissores biomateriais para uso em aplicações biotecnológicas.

     

  • MAYCK SILVA BARBOSA
  • ESTUDO DAS ATIVIDADES ANTI- E PRÓ-INFLAMATÓRIAS DO LÁTEX DE Plumeria pudica (JACQ., 1960)
  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 10/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • Fluidos laticíferos têm sido muito exploradas devido ao vasto potencial farmacológico, incluindo, atividade anti-inflamatória, antimicrobiana e antitumoral. Entretanto, são também descritos como detentores de moléculas pró-inflamatórias. Plumeria pudica é uma planta ornamental caracterizada pela intensa produção de látex. Poucos estudos realizados com seu látex têm demostrado que sua fração proteica apresenta ação anti-inflamatória, antidiarreica e antinoceptiva em diferentes modelos animais enquanto que a sua fração dialisável não é bem relatada na literatura. Diante dos relatos de que as atividades anti- e pró-inflamatória podem coexistir em fluidos laticíferos, o objetivo desse estudo é de investigar a presença destas atividades nas frações obtidas do látex de P. pudica. O látex foi coletado em água destilada (1:1; v/v) e submetido a fracionamento por meio de centrifugação e diálise contra água destilada utilizando membranas com porosidade de 8.000 Da. A fração Proteínas do Látex de Plumeria pudica (PLPp) e a fração Dialisado do Látex de Plumeria pudica (DLPp) foram liofilizadas. Para verificar a presença de atividade pró-inflamatória, diferentes concentrações das frações PLPp e DLPp (100, 300 e 500µg) solubilizadas em salina estéril (0,9%) foram administradas por via intraplantar em camundongos. A atividade anti-inflamatória de DLPp (10, 20 e 30 mg/kg) foi investigada no modelo de edema de pata induzido por carragenina. Para avançar no estudo do mecanismo de ação pró-inflamatória de DLPp, animais foram pré-tratados com fármaco anti-inflamatório, cujo mecanismo de ação sobre a resposta inflamatória é conhecido, antes de receberem DLPp.Em paralelo, foi investigado se PLPp, detentora de atividade anti-inflamatória, poderia inibir a ação pró-inflamatória promovida por DLPp. Para complementar, as atividades das enzimas mieloperoxidase (MPO) e superóxido dismutase (SOD) foram determinadas. O perfil proteico da fração DLPp ainda foi avaliado por meio de eletroforese em gel de poliacrilamida e dosagem de proteínas totais. Além disso, a presença de histamina foi investigada por espectrofotometria. Somente a fração DLPp (300 µg/pata) induziu um processo inflamatório, com pico ocorrendo nos primeiros 30 minutos. Em relação à atividade anti-inflamatória, foi observado que DLPp não inibiu significativamente a inflamação nas concentrações testadas. A fração PLPp apresentou uma tendência de redução do edema induzido por DLPp similar ao anti-histamínico Cloridrato de Prometazina. Não houve alteração nas atividades de MPO e SOD, sugerindo não envolvimento de células de defesa na indução da inflamação. A composição de DLPp releva uma baixa concentração de proteínas com a presença de peptídeos. É possível concluir que o látex de P. pudica induz inflamação aguda e que as propriedades pró- e anti-inflamatória coexistem no látex da planta,podendo ser separadas por meio de simples etapas de centrifugação e diálise.

     

  • ERIC GABRIEL SOUZA CRESPO
  • UTILIZAÇÃO DO VETOR PERCEPTUALLY IMPORTANT POINTS COMO ENTRADA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES COM REDE NEURAL ARTIFICIAL MULTI LAYER PERCEPTRON EM SÉRIE TEMPORAL
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 09/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • O reconhecimento de padrões em séries temporais (RPST) é uma das sub-áreas da computação que mais crescem em pesquisas no mundo. Seu desenvolvimento exponencial, tem estabelecido o crossover entre outras áreas por intermédio de diversas aplicações e soluções na área da saúde, ensino e pesquisa. Embora haja avanço da RPST nas neurociências, ainda não foi desenvolvido um sistema com RPST que reconheça e elimine os artefatos do eletroencefalograma. Neste contexto, o objetivo deste estudo foi desenvolver um sistema com a utilização do RPST para identificar, analisar e eliminar os artefatos do sinal eletroencefalográfico. Para esta proposição, foi utilizado a identificação de pontos criticos, ou seja, vales e picos que tornam possível a identificação de um comportamento padronizado pela RPST, com a utilização da regra de perceptually important points (PIP). Em seguida, foram selecionados aleatoriamente dados de sinal eletroencefalográfico com artefatos de piscada dos olhos. Os resultados demonstram que o PIP é uma métrica comparativa de RPST que pode ser utilizada como entrada em Redes Neuras Artificias (RNA) para categorizar o padrão do espectro do eletroencefalograma, apresentando uma taxa de precisão de 98,8% quanto o acerto dos artefatos. Conclui-se que a utilização do vetor angular PIP como solução para identificação em séries temporais é totalmente aplicável e precisa. 

     
  • HOANNA IZABELY REGO CASTRO
  • ASSOCIAÇÃO DOS POLIMORFISMOS DRD2/ANKK1-TAQ1A, SLC6A3 3’-UTR VNTR, SLC6A3 INTRON 8 VNTR E COMT VAL158MET COM A TAREFA DE MEMÓRIA DE TRABALHO VISUOESPACIAL E COMPORTAMENTO CORTICAL
  • Orientador : FRANCE KEIKO NASCIMENTO YOSHIOKA
  • Data: 08/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • O neurotransmissor dopamina desempenha um papel importante na modulação executiva de tarefas cognitivas, assim como em tarefas de memória de trabalho. Apesar do sistema dopaminérgico ser hereditário, pouco se sabe sobre a base genética da capacidade cognitiva relacionada a ele. Portanto, estudos que associem loci gênicos e fenótipos à essa capacidade cognitiva, são essenciais para um melhor entendimento do processo. Diante disso, o presente estudo teve como objetivo associar os polimorfismos genéticos DRD2/ANKK1-TAQ1A, SLC6A3 3’-UTR VNTR, SLC6A3 Intron 8 VNTR e COMT Val158Met ao desempenho na tarefa de memória de trabalho visuoespacial e ao comportamento cortical. Foram recrutados 149 voluntários saudáveis, destros, do sexo masculino e com faixa etária entre 18 e 32 anos, com idade média de 22,77 (± 2,97) anos. As maiores frequências genotípicas para cada polimorfismo foram: 47% A2/A2 para o DRD2/ANKK1-TaqIA; 54,20% 10R/10R para o SLC6A3 3’-UTR VNTR; 54,41% 6R/6R para o SLC6A3 Intron 8 VNTR; e 44,3% A/G para o COMT
    Val158Met. Todos os valores obtidos correspondem aos valores esperados, portando a amostra estudada encontra-se em equilíbrio de Hardy-Weinberg (p= 0,9472 para DRD2/ANKK1-TaqIA; p= 0,1076 para 3’-UTR VNTR, p= 0,6085 para o Intron 8 VNTR; e p= 0,3822 para COMT Val158Met). A análises da two-way mixed factorial ANOVA não apresentou diferença estatisticamente significativa entre os agrupamentos dos polimorfismos e o erro ao detectar o alvo durante a tarefa de MT. Já a regressão logística binária com base nos agrupamentos de frequência do polimorfismo intron 8 VNTR SLC6A3 em associação as variáveis espaciais indicou associação estatisticamente significativa para o Eixo X (plano horizontal) na tarefa de MT. As análises da three-way mixed factorial ANOVA mostraram que diferentes grupos genotípicos para os polimorfismos estudados apresentaram variações na potência absoluta da banda teta em diferentes regiões corticais, o que demonstra que a capacidade cognitiva, sob uma determinada tarefa de memória de trabalho visuoespacial, pode estar relacionada com a genética do indivíduo.



  • JOSÉ CARLOS RAPOZO MAZULO NETO
  • AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIFERENTES DOSES DE LASER DE BAIXA INTENSIDADE EM MODELO EXPERIMENTAL DE ARTRITE
  • Orientador : GILBERTO SANTOS CERQUEIRA
  • Data: 01/07/2019
  • Mostrar Resumo
  • Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória autoimune Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória autoimune caracterizada por degeneração crônica das articulações sinoviais, compreendendo um conjunto de processos inflamatórios simétricos que afetam essas articulações e estruturas periarticulares. A Terapia a Laser de Baixa Intensidade (LBI) é um procedimento terapêutico amplamente utilizado no meio clínico, tendo em vista seus efeitos biológicos no tecido de maneira não térmica e sendo uma opção terapêutica eficaz e com menos efeitos colaterais. Apesar dos efeitos clínicos já relatados em diversos estudos, seu mecanismo de ação e parâmetros dosimétricos não são totalmente compreendidos, havendo grande divergência sobre dose e efeito. Objetivos: Avaliar o efeito do laser terapêutico de baixa intensidade (904 nm) nas doses de 1J e 5J em modelo experimental de artrite. Metodologia: Os animais foram distribuídos em 5 grupos de 6 animais cada. No primeiro grupo (Salina) foi administrado apenas 0,9% de salina estéril. Grupo que recebeu agente flogístico (Zymosan); Grupo Laser 1(recebeu a injeção de agente flogístico e tratamento com Laser 1J/cm² (L1) e Grupo Laser 5 (L5-recebeu agente flogístico e tratamento com Laser 5J/cm²), grupo (Dexa) foi pré tratado meia hora antes com dexametasona induzida intraperitoneal 4mg/kg e posteriormente submetido a indução da artrite. Foram avaliados variação de volume de pata, avaliação miar de dor (nocicepção), avaliação da destruição articular (HE), espessurada cartilagem (Azul de Toluidina) e quantificação do colágeno total (picrossirius). Resultados: Obtivemos redução do edema e uma melhora estatística na redução da dor, sendo mais eficaz na dose de 1j/cm². Na análise morfológica, foi obtido uma redução na destruição articular, redução na espessura da cartilagem e um aumento na quantidade total de colágeno, sendo mais efetivo na dose de 5j/cm². Conclusão: A partir dos resultados expostos podemos sugerir que a terapia Laser de Baixa Intensidade na dose de 1J/cm² tem ação mais significativa na fase aguda da doença, no que se refere a sinais clássicos do processo inflamatório, edema e dor. Enquanto a dose de 5J/cm², apesar de ser eficaz na fase aguda é no estágio crônico da doença que está apresenta uma resposta significativa, quando avaliado sua ação na cartilagem articular e seus componentes.



  • CLEITON BARROSO BITTENCOURT
  • DIVERSIDADE GENÉTICA EM POPULAÇÕES NATURAIS DE Pilocarpus spp. DA REGIÃO NORDESTE SETENTRIONAL POR MEIO DE MARCADORES ISSR e RAPD
  • Orientador : IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
  • Data: 24/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • Pilocarpus Vahl, conhecido popularmente como jaborandi, é um gênero neotropical com distribuição na América Central e do Sul tendo como seu centro de diversidade a região Norte e Nordeste do Brasil. O grupo sofreu intenso extrativismo para obtenção de pilocarpina, alcaloide utilizado para o tratamento de glaucoma primário. Como a redução populacional coloca em risco espécies importantes economicamente à avaliação da diversidade genética é primordial para formentar estratégias de conservação mais eficazes. Objetivou-se avaliar a diversidade genética em populações naturais de Pilocarpus spp. localizadas na Região Nordeste Setentrional mediante marcadores moleculares ISSR e RAPD. Foram amostradas sete populações de jaborandi dos estados do Ceará, Maranhão e Piauí das seguintes espécies: Pilocarpus demerarae Sandwith, Pilocarpus jaborandi Holmes Pilocarpus microphyllus Stapf ex Holm. Utilizou-se 10 primers ISSR e quatro primers RAPD e, com os dados gerados, foram estimados os índices de diversidade intra e interpopulacional e de agrupamentos. Os polimorfismos apresentados pelos marcadores tiveram uma média de 63,90% (ISSR) e 59,75% (RAPD). Os resultados de PIC (0,210), MI (2,23) e RP (4,78) para os marcadores combinados indicaram que são informativos para estudo em Pilocarpus spp. A taxa de polimorfismo dentro das populações variou de 21,90% a 36,19%, com valores médios doÍndice de Diversidade de Shannon (I) e Heterozigozidade Esperada (He) baixos (0,129 e 0,080). As populações com os menores valores foram Centro de Ramos e Mata Fresca, enquanto o maior foi Cutias, todas representadas pela espécie P. microphyllus. A Análise de Variância Molecular (AMOVA) evidenciou 63% da variabilidade interpopulacional e 37% intrapopulacional. O valor de PhiPT (PhiPT = 0,631) indicou uma grande estruturação das populações e o dendrograma gerado pela UPGMA e de estruturação mostraram a formação de grupos distintos. Os marcadores moleculares utilizados se mostraram eficazes para o estudo de diversidade em Pilocarpus spp e, evidenciou-se uma diferenciação entre os genótipos de P. microphyllus, P. jaborandi e P. demerarae. Todas as populações apresentaram baixa diversidade genética, possivelmente resultado de pressões antrópicas nas últimas décadas. Dado o grande valor econômico do grupo são necessários projetos que visem à conservação das áreas onde se encontram as populações estudadas, aumento do fluxo gênico e a criação de bancos de germoplasma para a recuperação e manutenção da diversidade em Pilocarpus spp.

     

     

     

  • KESSIA DA COSTA SILVA
  • Síntese e caracterização de nanopartículas de prata: Utilização como catalisador na reação de redução do corante vermelho congo.
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 26/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Em todo o planeta, grandes quantidades de efluentes são descartadas diariamente em águas naturais. Dentre os principais resíduos gerados destacam-se os corantes, compostos tóxicos e de difícil degradação, que podem ocasionar graves problemas a fauna e a flora devido à natureza mutagênica de seus constituintes. Nanopartículas apresentam-se como uma alternativa no tratamento desses efluentes devido às suas propriedades físicas e químicas, podendo atuar como material de suporte na transformação de vários poluentes. Neste trabalho foram sintetizadas nanopartículas de prata (AgNPs) estabilizadas com os polissacarídeos goma do cajueiro (GC-AgNPs), goma do cajueiro acetilada (GCA-AgNPs) e goma do cajueiro carboximetilada (GCC-AgNPs), para a utilização como catalisadores do borohidreto de sódio (�������� 4 ) na reação de redução do vermelho congo, um corante tóxico e carcinogênico, amplamente utilizado em diferentes indústrias. As AgNPs foram caracterizadas através de espectroscopia de UV-visível, espalhamento dinâmico da luz, potencial zeta, espectroscopia do infravermelho com transformada de Fourier, microscopia de força atômica e análise de rastreamento de nanopartículas, os dados indicaram o sucesso da síntese e foi possível verificar quais parâmetros eram determinantes para o tamanho e estabilidade das AgNPs. As nanopartículas mostraram-se eficientes catalisadores na reação de redução do vermelho congo, diminuindo consideravelmente o tempo de reação. Avaliou-se também o potencial antimicrobiano das partículas, indicando que GCA-AgNPs e GCC-AgNPs apresentaram efeito bacteriostático contra Staphylococcus aureus e Escherichia coli. Ao analisar a toxicidade das substâncias utilizadas neste trabalho através do modelo Galleria mellonella, o vermelho congo mostrou-se tóxico, induzindo a morte de mais de 50% da população de larvas testadas, porém, o resíduo proveniente da redução do corante não apresentou efeito tóxico, obtendo valores próximos aos encontrados para a solução controle, indicando uma diminuição da toxicidade do sistema.

  • KHETYMA MOREIRA FONSECA
  • EFEITO PROTETOR DA L-CISTEINA EXOGENA NO MODELO EXPERIMENTAL DE MUCOSITE ORAL INDUZIDO POR 5-FU
  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 27/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • A mucosite é uma inflamação que ocorre na mucosa de revestimento da cavidade oral,
    causada por um efeito citotóxico ao tratamento com 5-Fluorouracil (5-FU). Há estudos
    que mostram que por meio da administração da L-Cisteina, ocorre a produção de
    Sulfeto de Hidrogênio (H 2 S), tendo ação gastroprotetora, antiflamatória e cicatricial.
    Tendo em vista estas propriedades, o objetivo desta pesquisa foi investigar o efeito
    protetor da L-Cisteína no modelo de mucosite oral induzido por 5-FU em hamsters.
    Foram selecionados 30 hamsters divididos em 5 grupos (n=6) :( Normal, recebeu

    solução salina a 0,9%, i.p) ;( Trauma Mecânico); (5-(FU)) ;( L-cisteína 10mg); (L-
    cisteína 40mg) e NaHs (27µg) (esses receberam doses de 60 e 40 mg/kg de 5-FU nos
    dias 1 e 2, e no 4º dia foi feito escoriações nas mucosas jugais direitas dos animais, no
    5º e 6º receberam por via intraperitoneal a L-cisteína nas concentrações de 10 , 40, 27
    mg; µg/Kg , respectivamente). Para análise dos dados foi feita avaliação
    macroscópica, histológica, sobrevida, ponderal, espessura da derme, contagem de
    mastócitos, dosagem de MDA, GSH, MPO, Nitrito/Nitrato, porcentagem de colágeno,
    imunohistoquimica para Cox 2 e dosagem dos níveis de H 2 S. Observou-se que a L-
    cisteina nas doses de 10 e 40 mg/Kg foram capazes de prevenir e reverter as alterações
    promovidas por 5-FU. Por conseguinte a dose eletiva de L-Cisteína foi a de 40 mg/kg
    pois apresentou aumento significativo na espessura da derme, porcentagem de
    colágeno, diminui os níveis de: MDA, GSH, MPO e aumentou os níveis de GSH e H 2 S
    quando comparado ao grupo 5-FU (p&lt;0,005). Quanto aos níveis de Cox 2 no grupo de
    L-Cisteína 40 mg/Kg, observou-se uma diminuição, estatisticamente significativa,
    (p&lt;0,005) na imunomarcação para Cox 2 quando comparado com o grupo 5-FU, assim
    como a diminuição no número de mastócitos(p&lt;0,005). Então, conclui-se que a L-
    Cisteína na dose de 40 mg/kg teve efeito protetor aumentando a espessura na derme,
    porcentagem de fibras de colágeno, diminuindo os níveis de MDA, GSH, MPO,
    Nitrito/Nitrato e imunomarcação para Cox 2. Talvez, por ser um substrato enzimático,
    que aumenta a produção endogenamente do H 2 S que tem ação anti-inflamatória e
    antioxidante perante a lesão por 5-FU.

  • LUCAS EDUARDO SILVA OLIVEIRA
  • AVALIAÇÃO DO EFEITO DE PROTEÍNAS DO LÁTEX DE Plumeria pudica (JACQ., 1760) NA PERIODONTITE INDUZIDA POR LIGADURA EM RATOS
  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 22/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O látex de plantas é fonte de moléculas bioativas com potencial farmacológico, onde
    diversos estudos vem sendo realizados, dentre os quais se encontram o látex de
    Plumeria pudica. Proteínas encontradas no látex de P. pudica (PLPp) apresentaram
    atividade anti-inflamatória, antinociceptiva em modelos animais quando administradas
    na dose de 40mg/kg por via intraperitoneal, além de ser verificado sua baixa toxicidade
    em nível sistêmico. A periodontite caracteriza-se pelo acúmulo de biofilme nos tecidos
    orais, é uma doença global, tendo destaque como agravo à saúde pública. Sua relação
    vai além dos tecidos que afeta, dita como sistêmica, é capaz de relacionar-se com outras
    patologias. Diante dos resultados atualmente descritos, referentes ao potencial
    farmacológico de PLPp e aos agravos produzido direta ou indiretamente pelos efeitos da
    periodontite, objetivamos avaliar os efeitos de PLPp, na periodontite induzida por
    ligadura em ratos. Os animais foram divididos em três grupos: grupo controle negativo
    (n=9), grupo periodontite (n=10) e grupo PLPp (n=8), onde os animais sofreram
    indução da periodontite e foram tratados com PLPp na dose de 40mg/kg. A periodontite
    experimental foi induzida a partir de ligadura por fio de nylon 3.0, colocado entre a
    região mesial e distal do primeiro molar inferior, em ambos os lados. Os animais
    permaneceram 20 dias com a ligadura, foram realizados tratamentos diários dos mesmos
    com PLPp, via intraperitoneal (i. p.). Após os 20 dias, foi realizada avaliação clínica
    macroscópica para Índice de Sangramento Gengival (ISG) e Índice de Profundidade de
    Sondagem (IPS), para parâmetros inflamatórios. Coletou-se amostras de sangue através
    do plexo retro-orbital de cada animal, parte do sangue foi coletado na presença de
    EDTA destinando-se a contagem total de leucócitos, e outra parte sem anticoagulante,
    para análise de biomarcadores de lesão hepática de aminotransferases (ALT e AST) e
    renal (Creatinina e Ureia). Os animais foram eutanasiados, retirados fígado e rim, para
    avaliação sistêmica de prováveis alterações relacionadas com a periodontite em ambos
    os órgãos, a partir dos níveis de GSH, concentrações de MDA e atividade de MPO.
    Também foram realizadas análises histológicas dos tecidos destes órgãos. As
    mandíbulas foram analisadas histomorfometricamente para avaliação da perda de Altura
    Óssea Alveolar (AOA). Tecido gengival e hepático foram utilizados para mensurar
    atividade de Mieloperoxidase (MPO). Como resultados, em análises macroscópicas nos
    animais tratados, houve redução de parâmetros inflamatórios avaliados, demonstrando
    diminuição significativa de ISG e IPS quando comparado ao grupo indução sem
    tratamento. Houve redução na AOA de animais tratados com PLPp e também foi vista
    redução na contagem total de leucócitos no sangue de animais tratados em contrates
    com o grupo periodontite. Para o peso dos animais não foi notada diferença significante
    entre grupos. Para verificação da atividade de MPO, foi vista diminuição significativa
    apenas no tecido gengival de animais tratados. No tecido hepático, níveis de GSH e
    MDA foram preservados próximos a normalidade em animais tratados com PLP, o
    mesmo não foi visto para o tecido renal. Para marcadores hepáticos apenas ALT
    apresentou-se próximo a normalidade, o mesmo pode ser visto para creatinina com
    relação a marcador renal, quando comparados ao grupo saudável. Histologicamente
    animais tratados tiveram preservação na morfologia tecidual, sem alterações
    significantes. PLPp demonstrou resultados interessantes frente aos efeitos da periodontite, contudo, estudos mais aprofundados utilizando a fração devem ser conduzidos, para melhor entendimento de seu mecanismo.

  • KEROLAYNE DE MELO NOGUEIRA
  • EFEITO ANTI-INFLAMATÓRIO, ANTIOXIDANTE E ANTIPIRÉTICO, DO VANILATO DE ISOPROPILA, UM DERIVADO SEMISSINTÉTICO DO ÁCIDO VANÍLICO EM CAMUNDONGOS
  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 08/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Inflamação é um mecanismo de defesa do corpo à lesão tecidual e ocorre como uma resposta defensiva, que desencadeia profundas adaptações fisiológicas numa tentativa de limitar os danos no tecido e remover o agente patogênico. Os fármacos comumente utilizados no tratamento de condições inflamatórias estão associados ao aparecimento de efeitos adversos graves como úlceras gastrointestinais, hemorragias e distúrbios renais, efeitos cardiovasculares e trombose. Os produtos naturais e seus derivados são muito utilizados para o tratamento de diversas patologias, dentre elas para o alívio da dor e inflamação, um desses derivados naturais ,o ácido vanilico, demonstrou possuir efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes onde atua diminuindo o recrutamento neutrofílico e o estresse oxidativo. Diante disso, o composto vanilato de Isopropila (ISP-VT) foi sintetizado a partir da estrutura química do ácido vanílico. O objetivo do presente trabalho foi investigar a atividade anti-inflamatória, antioxidante e antipirética do ISP-VT em camundongos e avaliar a sua toxicidade. A atividade antioxidante foi realizada com testes in vitro, a atividade anti-inflamatória do ISP-VT foi avaliada pela medição de edema de pata induzido por diferentes agentes inflamatórios, análise de imuno-histoquímica e ensaio de inibição de Ciclooxigenases-1 e Ciclooxigenase-2 (COXs), além de avaliação da atividade antipirética no modelo de febre por levedura. No modelo de peritonite, foi analisada a contagem total e diferencial de leucócitos, a atividade da enzima mieloperoxidase (MPO), a migração celular com o uso de microscopia intra-vital, os níveis de citocinas fator de necrose tumoral-alfa (TNF-α),os níveis de interleucina-6 (IL-6), as concentrações de malondialdeído (MDA), as concentrações de nitrito, os níveis da glutationa (GSH) e superóxido dismutase (SOD). Além disso, também foram avaliadas a permeabilidade vascular e a toxicidade gástrica e toxicidade aguda do ISP-VT. Todos os testes in vivo foram realizados em camundongos Swiss. Como resultados, o pré-tratamento com ISP-VT reduziu significativamente (P < 0,05) o edema da pata induzido pela carragenina, sulfato de dextrana (DEX), composto 48/80, serotonina (5-HT), histamina (HIST), bradicinina (BK), e prostaglandina E2 (PGE2). Além disso, também inibiu o recrutamento de leucócitos e neutrófilos; diminuindo sua a adesão e rolamento, reduziu a atividade da enzima MPO, reduziu os níveis de TNF-α e IL-6, a permeabilidade vascular, as concentrações de MDA e de nitrito, e manteve os níveis de GSH e SOD no exsudado peritoneal, além da atividade no sequestro de radicais in vitro.  ISP-VT, também foi efetivo em reduzir a imumomarcação de células para a COX-2 no tecido da pata, e exibiu uma maior inibição para isoforma da enzima COX-2. ISP-VT foi efetivo ao reduzir a febre causada por levedura. ISP-VT (100 mg/kg), diminuiu a lesão gástrica e atividade de MPO quando comparado ao grupo tratado com Indometacina (20 mg/kg). Nos testes de toxicidade o ISP-VT não apresentou toxicidade em camundongos na dose mais alta testada e nenhuma alteração comportamental ou clínica foi observada. Em conclusão, estes dados mostram que ISP-VT reduz a resposta inflamatória através da inibição de eventos vasculares e celulares, por modular a migração de neutrófilos, pela inibição da produção de citocinas pró-inflamatórias, redução da febre e por reduzir o estresse oxidativo, e que seu mecanismo principal é por atuar inibindo principalmente  a COX-2.

2018
Descrição
  • CARLA PATRÍCIA AYRES DA SILVA
  • Bilíngues têm mais facilidade no aprendizado de novo idioma do que monolíngues: Um estudo eletroencefalográfico
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 03/12/2018
  • Mostrar Resumo
  •  Estudos têm sido realizados a fim de esclarecer os processos de aprendizado de idiomas, Entretanto, ainda não foi analisado quais áreas corticais estão envolvidas na aprendizagem de línguas e se indivíduos bilíngues tendem a maior facilidade no aprendizado de um novo idioma em relação aos não bilíngues. Dessa forma, o estudo analisou as modificações corticais e o aprendizado entre indivíduos bilíngues e àqueles com aquisição apenas da língua nativa. Para esta proposição, foram recrutadas 40 participantes (20 professoras de inglês e 20 alunas da Universidade Federal do Piauí que não possuíam conhecimento sobre nenhum outro idioma fora a língua materna), ambas com idade entre 20 e 35 anos. Todas as participantes foram submetidas às tarefas de aprendizagem do alemão. Os resultados demostraram que o grupo bilíngue acertou 42,1% das palavras na tarefa de aprendizagem a mais do que o grupo não bilíngue, demonstrando capacidade crescente de memorização e atenção das palavras durante as tarefas, com os participantes bilíngues apresentando maior potência absoluta da banda alfa no córtex pré-frontal dorsolateral direito do que os não bilíngues. Concluiu-se que indivíduos bilíngues apresentam melhor retenção de memória das palavras e menor esforço cognitivo para o aprendizado de um novo idioma, possivelmente associado à uma melhor plasticidade cerebral decorrente da aquisição de segunda língua.

  • RAÍSSA SILVA BACELAR DE ANDRADE
  • A DIETA HIPERCALÓRICA PODE AGRAVAR A ESTEATOSE CAUSADA PELA PERIODONTITE EXPERIMENTAL EM RATOS?
  • Orientador : DANIEL FERNANDO PEREIRA VASCONCELOS
  • Data: 29/11/2018
  • Mostrar Resumo
  • A periodontite trata-se de uma doença inflamatória, de origem predominantemente bacteriana, que acomete os tecidos periodontais de proteção e fixação e influencia em alterações sistêmicas, dentre elas, alterações hepáticas. Alguns fatores, como a migração de bactérias e seus subprodutos, a resposta imunológica e o estresse oxidativo, com a consequente peroxidação lipídica, podem estar relacionados à influência da periodontite  sobre outros sítios do corpo. No fígado, uma das alterações mais relacionadas à periodontite é a esteatose, definida como o acúmulo de lipídios no citoplasma dos hepatócitos. A esteatose, por sua vez, também está relacionada à ingestão de alimentos ricos em gordura e açúcares (hipercalórica). O objetivo deste estudo foi avaliar a extensão e a severidade da esteatose hepática induzida por periodontite de acordo com a ingestão de dieta hipercalórica. Foram utilizadas 21 ratas divididas em três grupos, com sete animais cada: Controle; Periodontite (foi realizada apenas a indução da doença periodontal) e Hipercalórico + Periodontite (recebeu dieta hipercalórica e indução da doença periodontal). As ratas foram submetidas à análise dos seguintes parâmetros periodontais:Índice de sangramento gengival, medida de profundidade de sondagem, mobilidade dentária e alturaóssea alveolar. No tecido hepático foram  dosados os níveis de malondialdeído, glutationa e a atividade de mieloperoxidase. As amostras de fígado também foram sujeitas à avaliação histopatológica. Por fim, foram dosados os níveis séricos de colesterol total, colesterol HDL, glicose, ácido úrico, alanina aminotransferase e aspartato aminotransferase. Os resultados dos parâmetros clínicos da doença periodontal demonstraram que o modelo de indução da doença foi eficaz. A avaliação histopatológica dos grupos com periodontite demonstrou a presença de esteatose hepática, diferentemente do observado no controle. Entretanto, o grupo Hipercalórico + Periodontite apresentou aumento no escore de esteatose com diferença estatisticamente significante em relação aos grupos Periodontite e Controle. Os níveis de malondialdeído, ácido úrico e alanina aminotransferase mostraram-se significativamente maiores no grupo Hipercalórico + Periodontite quando comparados aos demais grupos, enquanto glutationa e colesterol HDL mostraram-se diminuídos. Em conclusão, nossos resultados demonstraram que a dieta hipercalórica agrava a esteatose hepática induzida pela periodontite.

     

     

     

  • JACKS RENAN NEVES FERNANDES
  • Aplicativo móvel de realidade aumentada - NitLabEduca facilita o processo de ensino-aprendizagem em neuroanatomia
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 16/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • A educação em saúde é uma das áreas do conhecimento em que a tecnologia de realidade aumentada (RA) é mais difundida e tem sido considerada como facilitador para o aprendizado. Na literatura, ainda são escassos estudos sobre RA móvel no ensino-aprendizagem em neuroanatomia. Nesse sentido, foi implementado um aplicativo móvel com a tecnologia de RA para o estudo da medula espinal - NitLabEduca, com exploração interativa de modelos giratórios 3D em escala macroscópica, conteúdo teórico de suas especificidades, animação e simulação quanto à fisiologia do sistema. Para investigar os efeitos causados no processo de aprendizagem, foram selecionados cinquenta e quatro indivíduos compondo dois grupos, controle e experimental. No primeiro momento, o grupo controle utilizou material impresso e o experimental o NitLabEduca e no segundo momento, os grupos foram contrabalanceados. Além disso, foi utilizado a Escala de Usabilidade do Sistema (EUS) afim de avaliar o nível de aceitação de uso do sistema. Também foi aplicado um questionário complementar com o objetivo de verificar o nível de adesão ao uso de aplicativos móveis no ensino superior. Nos resultados dos efeitos do NitLabEduca na aprendizagem, observou-se que os participantes, tanto do grupo com e sem conhecimento, que iniciaram com o aplicativo e terminaram com texto tem maior número de acertos no teste (p<0,001). Na avaliação da EUS observou-se a média de 70, demonstrando que o NitLabEduca tem boa usabilidade. Nos resultados do questionário complementar foi observado que 85% dos participantes do grupo com conhecimento declararam não ter identificação com a disciplina e 31% não entenderam melhor após usar o NitLabEduca para estudo. Contudo, 75% do grupo sem conhecimento se identificaram com o ensino de neuroanatomia e 78% entenderam que após uso do NitLabEduca aprimoraram o conhecimento em neuroanatomia. Conclui-se que a tecnologia do NitLabEduca além de complementar o aprendizado em neuroanatomia é um aplicativo de boa aceitação conforme a escala de usabilidade de sistema.

     

     

  • SAMIRA DA SILVA MACIEL
  • Impacto do extrato de folhas de graviola (Annona muricata L) na reserva ovariana de camundongos fêmeas
  • Orientador : LUCIANA ROCHA FAUSTINO
  • Data: 29/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • A Annona muricata (graviola) tem se destacado por sua elevada atividade citotóxica e especificidade, sendo necessários estudos sobre o impacto desse quimioterápico natural sobre a reserva ovariana e, consequentemente, sobre a fertilidade feminina. Este estudo investigou o efeito do extrato etanólico de folhas de A. muricata sobre a preservação da reserva ovariana de camundongos fêmeas. Inicialmente, analisou-se o extrato etanólico das folhas de A. muricata por fitoquímica qualitativa, espectrofotometria UV-vis e cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) para confirmar presença de ativos antes da administração nos animais. Foram utilizados 24 camundongos fêmeas da linhagem Swiss, com idade entre 2 a 3 meses, os quais foram divididos aleatoriamente em quatro grupos experimentais de acordo com a substância administrada: 1 - solução salina 0,9% (veículo), II - ciclofosfamida (75 mg/kg), III - extrato da folha de graviola (50 mg/kg) e IV - extrato da folha de graviola (100 mg/kg). Ao final, os animais foram eutanasiados e seus ovários e outros órgãos foram coletados e analisados. Através de análise histológica do ovário de cada animal foi realizada a avaliação do número de folículos, morfologia folicular e densidade das células do estroma ovariano. Finalmente, foi realizada a análise macroscópica e microscópica dos diferentes órgãos coletados. Para a análise estatística, os resultados foram expressos como média, considerando p < 0,05. Os ensaios de caracterização do extrato revelaram presença de ácidos orgânicos, flavonoides, alcaloides e esteroides, com confirmação de subclasses dos flavonoides por espectrofotometria UV-vis e CLAE. Os grupos tratados com o extrato não apresentaram alterações morfológicas significativas nos ovários em relação ao veículo e, da mesma forma, não apresentaram diminuição na densidade das células do estroma ovariano. A avaliação anatomopatológica dos demais órgãos não revelou alterações distinguíveis em relação ao veículo. Dessa forma, este estudo mostrou que o extrato etanólico das folhas de graviola não afeta diretamente a reserva ovariana em camundongos fêmeas.

     


  • GENILSON JOSE DIAS JUNIOR
  • POLISSACARÍDEO SULFATADO EXTRAÍDO DA ALGA MARINHA VERMELHA Glacilaria caudata REVERTE DANOS INFLAMATÓRIOS E FUNCIONAIS NA LESÃO HEPÁTICA INDUZIDA POR NIMESULIDA
  • Orientador : ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
  • Data: 24/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Polissacarídeos sulfatados compreendem um grupo de biopolímeros, heterogêneos e complexos oriundos da matriz extracelular de algas marinhas. O polissacarídeo sulfatado da alga marinha vermelha G. caudata tem sido bastante estudado devido às suas propriedades e características bioquímicas específicas, por isto este polissacarídeo possui alguns efeitos farmacológicos comprovados, dentre os quais se destaca sua ação anti-inflamatória. Objetivo: O presente trabalho teve como objetivo avaliar a ação anti-inflamatória e anti-oxidante do polissacarídeo sulfatado da Glacilaria caudata sobre os efeitos da lesão hepática induzida por nimesulida em camundongos. Métodos: O polissacarídeo foram submetido a testes farmacológicos, nesse estudo foram utilizados camundongos Swiss machos pesando entre 25-30 g, sendo divididos em grupos de 8-10 animais. A lesão hepática foi induzida usando a nimesulida 200 mg/kg uma vez ao dia.  Em seguida os camundongos foram tratados com o polissacarídeo sulfatado da G. caudata nas doses de 2,5, 5 ou 10 mg/kg. Após cinco dias da indução da lesão hepática foram retirados o soro dos animais e depois eutanasiados e tiveram o fígado retirado para avaliação dos escores histologicos, peso relativo e dosagens bioquímicas como: mieloperoxidase, interleucina 1 beta, fator de necrose tumoral alfa, glutationa, ácido malonildialdeído, nitrato/nitrito, além dos marcadores de função hepática como alanina amino transferase, aspartato amino transferase e gama glutamil transferase. Resultados: O tratamento dos animais com este polissacarídeo na dose de 10 mg/kg demonstrou um padrão bastante satisfatório de redução da lesão hepática, bem como uma diminuição do peso do mesmo. Além disto, o polissacarídeo em questão, mostrou uma redução significativa de todos os testes bioquímicos avaliados, especialmente os marcadores de migração de leucócitos como mieloperoxidase, citocinas pró-inflamatórias (IL-1β e TNF-α), marcadores de estresse oxidativo in vivo (ácido malonildialdeído, glutationa e nitrato/nitrito) e os marcadores de função hepática (alanina amino transferase, aspartato amino transferase e gama glutamil transferase). Conclusão: Os resultados apresentados neste estudo permitem concluir que a ação anti-inflamatória do polissacarídeo sulfatado da G. caudata foi comprovada, revertendo de forma satisfatória os parâmetros histológicos no modelo de doença de lesão hepática induzida por nimesulida. Sugerindo, desta forma, uma forte relação deste polissacarídeo com a inibição do mecanismo de migração celular por mitigar o aporte de citocinas pró-inflamatórias e diminuir o estresse oxidativo nos locais da lesão, além de restabelecer a funcionalidade hepática ao restaurar os níveis dos marcadores presentes no fígado. Isto permite sugerir este polissacarídeo como um potente candidato ao tratamento de lesão proveniente ao uso exacerbado da nimesulida.


     

  • NATÁLIA DE ARAUJO DIONISIO
  • Filmes Finos à base de Polianilina, Nanotubos de Titanato e CTAB para revestimentos antifúngicos.
  • Orientador : CARLA EIRAS
  • Data: 27/04/2018
  • Mostrar Resumo
  • Neste trabalho, descrevemos o desenvolvimento de filmes LbL formados por polianilina (PANI), Nanotubos de Titanato (TiNTs - Na2Ti3O7) e brometo de cetiltrimetilamônio (CTAB) para aplicações em revestimentos antifúngicos. Primeiramente, a fim de averiguar a originalidade do trabalho, um estudo de prospecção cientifica e tecnológica foi realizada (capítulo 01) nas bases cientificas Web of Science, Scopus e Scielo, e nos bancos de patentes do Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI, Escritório Europeu de Patentes - Espacenet e Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos – USPTO, demonstrando que filme fino para aplicação em revestimentos antimicrobianos é uma área que está em desenvolvimento e é algo inovador no que diz respeito a revestimentos antifúngicos, visto que não foi encontrado nada na literatura com abordagem semelhante. Posteriormente a essa etapa, realizou-se o estudo desses filmes LbL desenvolvidos (capítulo 02),  no qual  foram caracterizados por Voltametria Cíclica (VC), Espectroscopia na região UV-Visível (UV-Vis) e Microscopia de Força Atômica (AFM). Os espectros de UV-Vis mostraram que a cinética de formação dos filmes LbL é influenciada tanto pela presença dos TiNTs quanto ao meio em que estes foram dispersos. Especificamente, o filme com a arquitetura PANI(TiNTs)/CTAB apresentou valores de absorbância consideravelmente maiores do que as demais arquiteturas avaliadas, enquanto as imagens de AFM, para este mesmo filme contendo 20 bicamadas depositadas, mostraram uma morfologia com padrão de distribuição uniforme de TiNTs, provavelmente devido ao efeito anfifílico do CTAB. Em seguida, o filme PANI(TiNTs)/CTAB foi avaliado em ensaios antifúngicos mostrando excelente atividade contra o fungo oportunista Cryptococcus neoformans responsável por causar infecções severas em pacientes imunossuprimidos e, até mesmo, meningite cryptocóccica. O material desenvolvido neste trabalho poderia vir a ser uma opção inovadora e um excelente candidato para o revestimento de tubos de ar condicionado, pois, além da atividade antifúngica, também agrega as propriedades anticorrosivas e purificadoras de ar presentes em PANI e TiNTs, respectivamente.

  • IRIS JORDÂNIA LUZ MOURA
  • Bromazepam diminui a potência absoluta da banda alfa e prejudica a habilidade no tiro
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 26/04/2018
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O bromazepam é um fármaco pertencente à classe dos benzodiazepínicos (BZDs), que intensifica a ação inibitória do ácido gama aminobutírico no Sistema Nervoso Central e tem sido associado a prejuízos no desempenho de tarefas visuomotoras. Em especial, os efeitos dos BDZs em tarefas com precisão de mira, como o tiro ao alvo, ainda são pouco compreendidos. Neste contexto, o objetivo deste estudo foi investigar a influência do bromazepam no desempenho da tarefa de tiro e nas oscilações da potência absoluta da banda alfa no córtex cerebral em quatro diferentes intervalos de tempo de preparação para o tiro. Método: Este estudo crossover e duplo cego foi formado por 30 sujeitos randomizados em duas condições, a experimental, com a administração única de bromazepam (6 mg) e placebo. Os dados eletroencefalográficos foram registrados antes e durante a execução da tarefa de tiro ao alvo para o córtex pré-frontal, motor, temporal e parietal. Resultados: O bromazepam tem efeito médio no desempenho dos sujeitos na tarefa de tiro, levando ao menor número de acertos no alvo (p<0,001) e diminuição da potência absoluta da banda alfa no córtex pré-frontal, córtex motor, córtex temporal e córtex parietal em todos os períodos preparatórios do tiro (p<0,001). Conclusão: O bromazepam influencia o desempenho da tarefa de tiro, a qual pode ser representada pelas oscilações da potência da banda alfa, com representação da atividade em diferentes intervalos de tempo para cada área cortical estudada.

  • PAULO RAMILER ALVES DA SILVA
  • Bromazepam aumenta a predominância hemisférica no córtex frontal e diminui o desempenho na tarefa de estimativa do tempo
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 26/04/2018
  • Mostrar Resumo
  • A subjetividade que os seres humanos percebem o tempo físico é dependente de funções cognitivas, as quais podem ser alteradas pelo uso de benzodiazepínicos Embora haja uma variedade de estudos sobre o efeito dos benzodiazepínicos nas funções cognitivas, ainda não é sabido se fármaco pode interferir na predominância hemisférica e na interpretação do intervalo de tempo. Nesse contexto, o objetivo deste estudo foi investigar o efeito agudo do bromazepam 6mg na predominância hemisférica de áreas corticais relacionadas com a percepção do tempo, bem como o desempenho de sujeitos durante a tarefa de estimativa do tempo. Para esse propósito, vinte sujeitos participaram do estudo nas condições placebo e bromazepam. Todos sujeitos realizaram a tarefa em quatro intervalos de tempo de suprassegundos, concomitante com a captação do sinal eletroencefalográfico. A análise do desempenho na tarefa demonstrou que o bromazepam 6mg provoca aumento do erro para os intervalos de 4, 7 e 9s (p<0,001). Por sua vez, a assimetria da banda alfa, na condição bromazepam, aumentou no córtex frontopolar e no córtex motor para nos intervalos de 4s e 9 segundos no córtex pré-frontal ventrolateral. Os achados demonstraram que a modulação do bromazepam afeta o relógio interno, resultando em distorções da interpretação do intervalo de tempo. O bromazepam modifica as oscilações da banda alfa, mas não modifica a predominância hemisférica.

     

  • JOCÉLIA DO CARMO PINTO
  • ESTUDO FITOQUÍMICO E ATIVIDADE BIOLÓGICA DE FOLHAS DE Copernícia prunifera (Mill.) H.E. Moore
  • Orientador : IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
  • Data: 06/04/2018
  • Mostrar Resumo
  • Copernicia prunifera (Mill.) H.E. Moore é uma palmeira nativa do Brasil que agrega valores tanto para a economia do País quanto para a economia local. Dentre as várias partes da planta, a cera epicuticular que recobre a superfície das folhas é a principal matéria prima utilizada na fabricação de cera, com utilização em diversos setores industriais. Embora de ampla utilização, ainda são escassos estudos fitoquímicos e biológicos sobre a espécie. Objetivou-se comparar dois tratamentos de remoção da cera epicuticular (CE), por clorofórmio (CHCl 3 ) e por hexano (C 6 H 12 ), e caracterizar a fitoquímica e avaliar a atividade biológica de extratos aquosos, etanólicos e metanólicos de folhas com tratamento químico e de cera epicuticular de Copernicia prunifera. As amostras foram coletadas no município de Caxingó, Piauí, Brasil. Para a caracterização fitoquímica foram utilizados testes qualitativos (fenóis, taninos, saponinas, açúcar redutor, ácidos orgânicos, polissacarídeos, alcaloides e flavonoides) e quantitativos (rendimento e fenólicos totais). Para a identificação dos principais grupamentos químicos das amostras, foi feita a eletroquímica e a espectroscopia de infravermelho por transformada de Fourier – FTIR. A avaliação da capacidade antioxidante foi determinada pelo método 2,2-azinobis (3-etilbenzotiazolina- 6-sulfónico) - ABTS + •. O potencial citotoxico in vitro dos extratos cera epicuticular foi verificado em quatro linhagens tumorais e a biocompatibilidade avaliada mediante análise da atividade hemolítica sobre eritrócitos humanos. A observação da eficácia dos dois tratamentos foi realizada utilizando microscopia eletrônica de superfície (SEM). O rendimento percentual bruto (RPB) do extrato aquoso da cera epicuticular das folhas maduras (EAFM) foi maior (1,9%) em relação ao rendimento do extrato aquoso da cera epicuticular das folhas jovens EAFJ (1,5%). As folhas tratadas com clorofórmio tiveram maior RPB (32,3%) do que as folhas tratadas com hexano (31,7%). O potencial hidrogeniônico (pH) dos extratos da CE foram levemente ácidos, 5.7 (EAFJ) e 6.0 (EAFM), assim como o extrato etanólico (4.7) e metanólico (5.9) de folhas verdes tradadas com clorofórmio, entretanto, todos os demais extratos das folhas de ambos os tratamentos apresentaram pH neutro. Taninos condensados, saponinas e açúcares redutores alcalóides e flavonóis foram detectados nos extratos de folha e de cera epicuticular. A análise de FTIR revelou a presença de bandas associadas a esses metabólitos. O conteúdo de fenólicos totais dos extratos aquosos da cera foi menor no EAFJ (56,48  21,91 mg EAG/g de extrato) do que o EAFM (158,52  39,27 mg EAG/g de extrato). A atividade antioxidante (AA) foi de 34,9 ± 4,8 µg e 100,3  15,2 µg para EAFJ e EAFM, respectivamente. As extrações (aquosa, etanólica e metanólica) de folhas maduras tratadas com clorofórmio tiveram AA maior quando comparadas com folhas maduras tratadas com hexano. As folhas jovens tratadas com hexano apresentaram AA mais eficiente. Os extratos aquosos da cera epicuticular apresentaram citotoxidade para a linhagem de glioblastoma (SF-295), enquanto os extratos de cera e de folhas tratadas com hexano apresentaram baixa toxicidade para eritrócitos humanos. Os resultados obtidos demostram que além das aplicações industriais, a cera epicuticular e a folhas de C. prunifera apresentam grande potencial biológico.

     

  • FELIPE CARDOSO DE BRITO
  • CARACTERIZAÇÃO FITOQUÍMICA, ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E ANTIMICROBIANA DA FRAÇÃO DIALISÁVEL DO LÁTEX DE Plumeria pudica (JACQ., 1760)
  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 28/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • O látex é um fluido produzido por células vegetais chamadas de laticíferos. É constituído por borracha, chamada de fase sólida, e por uma fase líquida onde se encontra uma ampla variedade de compostos como carboidratos, ácidos orgânicos, metabólitos secundários e proteínas. Diversos metabólitos secundários já foram identificados em látex de plantas e são frequentemente descritos por apresentarem propriedades antioxidantes e antimicrobianas. Estudos recentes demonstraram o potencial farmacológico das proteínas do látex de Plumeria pudica. Porém, não existem estudos na literatura sobre a identificação dos compostos secundários nesta espécie. Neste sentido, a presente pesquisa tem por objetivo caracterizar os compostos fitoquímicos e verificar a atividade antioxidante e antimicrobiana da fração dialisável do látex de P. pudica. O látex de P. pudica foi coletado na cidade de Parnaíba-PI e submetido a fracionamento por meio de centrifugação e diálise contra água destilada por uma hora utilizando membranas com cut-off de 8.000 Da. A fração não retida pela membrana de diálise, chamada de fração dialisável de P. pudica (DLPp), foi liofilizada e utilizada nos experimentos. Foram realizados os seguintes ensaios para caracterização fitoquímica da DLPp: pesquisa de fenóis, taninos, flavonoides, esteroides, triterpenoides, saponinas, alcaloides e açúcares redutores; quantificação dos teores de fenóis e flavonoides por meio de espectrofotometria e análise das frações de DLPp por Cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). A atividade antioxidante da DLPp foi determinada através dos métodos de redução do radical DPPH e de quelação do Íon Ferroso. Já a atividade antimicrobiana foi verificada através da técnica de Microdiluição em Caldo frente aos fungos Candida albicans ATCC 48189, Candida krusei ATCC 6258, Cryptococcus parapsilosis ATCC 22019, Fonsecaea pedrosoi ATCC 46422, Trichophyton interdigitale ATCC 73727, Sporothrix brasiliensis ATCC 16042, Aspergillus fumigattus ATCC 130473 e às bactérias Staphylococcus epidermidis ATCC 12228, Staphylococcus aureus ATCC 29213 e Escherichia Coli ATCC 25922. Os resultados da presente pesquisa são descritos a seguir. O rendimento de DLPp foi de 2% da massa total do látex de P. pudica. O espectro ultravioleta do extrato aquoso de DLPp apresentou duas bandas: uma banda I em 300-340nm e uma banda II em 220-260 nm. A prospecção fitoquímica revelou a presença de flavonoides na DLPp. O teor de fenóis totais foi de 34,41 ± 0,12 mg EAG/g de DLPp e o teor de flavonoides totais foi de 1,22 ± 0,12 mg EQ/g de DLPp. A análise por CLAE sugeriu que a fração hidrometanólica de DLPp tem perfil semelhante ao padrão rutina. A DLPp mostrou moderada atividade antioxidante apresentando CE 50 de 106,98 ± 4,1 µg/mL no ensaio de redução do radical DPPH. No ensaio de quelação do íon ferroso, a DLPp mostrou CE 50 de 1,37 ± 0,05 mg/mL. A DLPp não inibiu o crescimento de nenhum dos microrganismos testados. Este estudo sugere a presença de flavonoides na DLPp e que esta apresenta moderada atividade antioxidante. 

  • ROBERTA LILLYAN RODRIGUES REIS
  • Avaliação da atividade antileishmania do alcaloide epiisopiloturina nanoestruturado em goma do cajueiro modificada
  • Data: 26/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • As leishmanioses são doenças negligenciadas causadas por mais de vinte espécies de protozoários do gênero Leishmania que apresentam uma variedade de manifestações clínicas, envolvendo a pele, membranas mucosas e órgãos internos. Como os medicamentos convencionais são tóxicos e/ou apresentam resistência, tornam-se necessários a investigação e o desenvolvimento de fármacos mais eficientes. As plantas medicinais representam uma fonte potencial de princípios ativos com propriedades terapêuticas para doenças negligenciadas e a entrega destes bioativos em sistemas nanoestruturados pode representar uma estratégia viável, devido à sua capacidade de melhorar o potencial terapêutico. A epiisopiloturina (EPI), um alcaloide imidazólico encontrado em plantas do gêneroPilocarpus, apresenta comprovada atividade, in vitro e in vivo, contra Schistosoma mansoni e promissores efeitos anti-inflamatório e antinoceptivo. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo avaliar a atividade antileishmania do alcaloide epiisopiloturina nas formas livre e nanoestruturadaAs nanopartículas à base de goma do cajueiro carboximetilada com EPI incorporada (NE) e sem EPI (N0) sintetizadas por nanoprecipitação foram caracterizadas por espalhamento de luz dinâmico, apresentando, respectivamente, um tamanho médio de 265,2 nm e 423,3 nm. Os valores de índice de polidispersão foram inferiores a 0,3; indicando uniformidade de tamanho das partículas no sistema. A avaliação in vitro da atividade antileishmania sobre formas promastigotas de Leishmania amazonensis demonstrou inibição do crescimento com CI50 de 20,339µg/mL para NE e CI50 de 32,762 µg/mL para EPI. N0, por sua vez, não apresentaram atividade contra o parasita. A análise de citotoxicidade por meio da avaliação da atividade hemolítica revelou que a epiisopiloturina em suas formas livre e nanoestruturada nas concentrações ≤125 µg/mL apresentou excelente biocompatibilidade com eritrócitos humanos. As concentrações citotóxicas médias sobre eritrócitos foram de 796 μg/mL para NE e 659,9 μg/mL para EPI. Dessa maneira, a nanoestruração do alcaloide em uma matriz polimérica de goma do cajueiro modificada potencializou a sua atividade antileishmania, além de ter contribuído para redução da citotoxicidade sobre eritrócitos; evidenciando, portanto, que um sistema nanoparticulado como plataforma de entrega de bioativo pode favorecer a atividade do composto carreado e melhorar sua biocompatibilidade com células humanas. Investigações futuras devem ser feitas para avaliar a atividade antileishmania sobre formas amastigotas e o potencial citotóxico sobre macrófagos.

     

     
  • JÉSSICA PIRES FARIAS
  • INFLUÊNCIA DA IDADE DA PLANTA NA COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ÓLEO ESSENCIAL DE ERVA-BALEEIRA (Varonia curassavica Jacq.) E ATIVIDADES BIOLÓGICAS
  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 21/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Varronia curassavica Jacq. (Boraginaceae) é uma espécie popularmente conhecida como erva-baleeira e possui atividades biológicas bem descritas na literatura etnofarmacológica. Mediante a confirmação da atividade anti-inflamatória do seu óleo essencial através da identificação dos sesquiterpenos alfa-humuleno e trans-cariofileno, viabilizou-se a produção do primeiro fitomedicamento produzido no Brasil.  A influência da idade da planta no momento da colheita sobre a produção de óleo essencial vem sendo estudada em diferentes plantas aromáticas. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a influência da idade da planta nos constituintes do óleo essencial de V. curassavica extraídos em escala industrial e averiguar as atividades biológicas do óleo, investigando se a diferença de seus componentes nas diferentes idades interfere em seu potencial farmacológico. Materiais e métodos: Os ensaios foram conduzidos na área agrícola da empresa Centrofora Anidro do Brasil. Partes aéreas de erva-baleeira foram colhidas com 4 meses de idade (amostra A), 10 meses (amostra B), 1 ano e 2 meses (amostra C) e 1 ano e 6 meses de idade (amostra D) para a extração dos óleos essenciais. A composição química dos óleos foi obtida por Cromatografia Gasosa acoplada a espectrômetro de Massas (GC/MS). Os ensaios microbiológicos foram realizados pelo método de determinação da concentração inibitória mínima (CIM). O ensaio de citotoxicidade foi determinado pelo método colorimétrico MTT [3(-(4,5-dimetil-2-tiazol) -2,5-difenil-2-H-brometo de tetrazolium)]. Resultados: Os principais constituintes dos óleos essenciais do estudo são o α--pineno, trans-cariofileno e alloaromadendreno. O teor de alfa-humuleno foi superior para a amostra C (3,02%), enquanto o trans-cariofileno e o alfa-pineno tiveram teores superiores na amostra B com teores de 10,10% e 63,87% respectivamente. Uma menor quantidade de alfa-humuleno e alfa-pineno foram encontrados na amostra A, com teores de 2,04% e 28,03% e o trans-cariofileno foi encontrado em menor quantidade na amostra D com 4,38%. A atividade antibacteriana apresentada por todos os óleos essenciais foi >1000 µg/mL, e a atividade antifúngica de 1000 µg/mL. A atividade citotóxica foi maior para a amostra A (CC50 49,18 µg/mL), seguida das amostras B (CC50 59,02 µg/mL, C (CC50 66,67 µg/mL) e D (CC50 159,81 µg/mL). Conclusão: Os resultados encontrados sugerem que a idade da planta influenciou na composição química do óleo essencial de V. curassavica cultivada no acesso do estudo. As diferentes composições dos óleos essenciais não influenciaram na resposta antimicrobiana, mas há indícios de que exercem influência na citotoxicidade.

     

  • JESSICA MARIA TELES SOUZA
  • SÍNTESE, CARACTERIZAÇÃO E APLICAÇÕES BIOTECNOLÓGICAS DE NANOPARTÍCULAS DE ÓXIDO DE ZINCO À BASE DE GOMA DO CAJUEIRO E GOMA DO CAJUEIRO CARBOXIMETILADA
  • Data: 21/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • O óxido de zinco é um semicondutor, que apresenta uma ampla banda de valência (3.37eV), alta energia de ligação (60eV) e boa estabilidade mecânica e térmica a temperatura ambiente. Além de ser considerado um material seguro pela Food and Drug Administration, é também um mineral essencial à saúde que, quando nanoestruturado, pode apresentar alta atividade mesmo em baixas concentrações. As nanopartículas de óxido de zinco têm encontrado aplicações na indústria química, farmacêutica e cosmética. Nos últimos anos, suas aplicações biomédicas têm-se destacado devido ao seu potencial antimicrobiano. Os métodos utilizados para a obtenção dessas nanopartículas são inúmeros, com destaque aos métodos químicos, devido à sua fácil execução e baixo custo. Entretanto, estes métodos podem levar à formação de subprodutos tóxicos, que não só poluem o meio-ambiente, como também dificultam sua aplicação no setor biomédico. Deste modo, faz-se necessário o uso de agentes ecologicamente corretos que possam ser utilizados para a síntese e funcionalização destas nanopartículas, sem causar tantos impactos. Neste trabalho, nanopartículas de óxido de zinco foram sintetizadas por um método sol-gel, utilizando goma do cajueiro e goma do cajueiro carboximetilada, em diferentes concentrações. A síntese foi confirmada por espectroscopia de absorção na região do UV-visível, revelando a presença de bandas entre 376 nm e 378 nm. A análise por espectroscopia do infravermelho com transformada de Fourier foi utilizada para observar a composição química das nanopartículas e mostrou a presença de bandas com forte absorção em 433 cm-1 e 440 cm-1, cuja presença é associada à representação do modo E2 da estrutura hexagonal (wurtzita) do ZnO. A Microscopia de Força Atômica, por sua vez, permitiu a observação de nanopartículas de formato esférico, bem distribuídas e com um tamanho médio de 216 nm. Além disso, as nanopartículas de óxido de zinco sintetizadas apresentaram potencial antimicrobiano contra bactérias e fungos, mostrando-se mais eficientes contra bactérias gram-positivas e leveduras. Os resultados obtidos por voltametria cíclica mostraram ainda, que as nanopartículas sintetizadas, em associação com o polímero condutor Polianilina, apresentam sensibilidade para a detecção do hormônio neurotransmissor Dopamina, podendo eventualmente ser utilizadas como sensor. Maiores investigações fazem-se necessárias, entretanto, para melhor caracterizar o sensor, bem como elucidar o mecanismo de ação das nanopartículas obtidas no presente trabalho frente a bactérias e fungos.

  • NÁBILA EVELYN MARTINS
  • CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES BIOLÓGICAS DE EXTRATOS DE Hibiscus sabdariffa L. E NANOPARTÍCULAS DE PRATA
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 14/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • O reino vegetal abriga espécies com grande importância medicinal. Vários são os estudos que buscam em extratos ou produtos derivados de plantas, compostos ativos responsáveis por propriedades de grande interesse farmacológico. Porém, existem algumas limitações para a utilização de produtos naturais em aplicações médicas, tais como baixa hidrofilicidade e taxas de dissolução intrínseca, além de instabilidade física e química. Nos últimos anos, está sendo extensivamente proposto o emprego de sistemas nanoestruturados a fim de contornar tais limitações, visto que os mesmos podem melhorar a solubilidade e a biodisponibilidade, além de controlar a estabilidade e a liberação de compostos bioativos. A espécie Hibiscus sabdariffa L. é amplamente conhecida e utilizada na culinária e medicina popular, devido a suas propriedades biológicas e grande capacidade nutricional. Já existem relatos da utilização de extratos de H. sabdariffa na formulação de nanopartículas de prata (AgNPs), mas poucos são os que verificam suas atividades biológicas. No presente estudo, objetivou-se realizar a caracterização e a avaliação de atividades antimicrobiana, antiparasitária, de inibição enzimática e citotóxica de extratos aquosos e etanólicos de folhas (EAHSF e EEHSF) e de cálices (EAHSC e EEHSC) de H. sabdariffa, bem como empregar os extratos aquosos na formulação de nanopartículas de prata e caracterizar e avaliar as atividades antioxidante, antimicrobiana e hemolítica das mesmas. Os maiores rendimentos foram obtidos nas extrações etanólicas. Todas as amostras apresentaram-se ácidas. De maneira geral, os perfis de constituintes fitoquímicos foram semelhantes entre as amostras, mas os perfis cromatográficos apresentaram diferenças. Verificou-se maior teor de compostos fenólicos nos cálices e flavonoides nas folhas. Quanto às propriedades biológicas, EEHSF se destacou quanto à capacidade antioxidante, enquanto que EAHSC demonstrou a maior atividade antileishmania e EEHSC exibiu maior porcentagem de inibição da enzima acetilcolinesterase. Não verificou-se atividade antimicrobiana para os extratos. EAHSC demonstrou melhor resposta na formulação das AgNPs, onde as mesmas apresentaram tamanhos na escala nanométrica, estabilidade moderada, atividade antioxidante, antimicrobiana e antifúngica.
    Tanto os extratos, quanto a nanopartícula apresentaram baixa toxicidade em concentrações de interesse nos testes de hemólise. Este estudo verificou várias potencialidades de extratos de H. sabdariffa e confirmou a síntese verde de AgNPs utilizando extrato aquoso da espécie, demonstrando que as mesmas podem ser utilizadas em aplicações na área médica.

     

  • NAYLLA VERAS DE MORAES OLIVEIRA
  • EFEITO PROTETOR DE PROTEÍNAS DO LÁTEX DE Plumeria pudica (JACQ., 1760) NA COLITE INDUZIDA POR ÁCIDO ACÉTICO
  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 01/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Estudos recentes demonstraram que uma fração proteica obtida a partir de látex de P. pudica (PLPp) possui efeitos anti-inflamatórios, antinociceptivos e antidiarreicos. A colite ulcerativa é uma doença de origem inflamatória que afeta a mucosa e a submucosa do cólon e do reto, caracterizada por úlceras na mucosa intestinal. Assim, com base em propriedades farmacológicas detectadas em PLPp, este estudo tem por objetivo avaliar o efeito protetor desta fração proteica na colite induzida por ácido acético em camundongos. Métodos: Camundongos machos (Mus musculus, 25-30g) foram divididos em 5 grupos: grupo ácido acético (AA), grupo salina (SAL) e grupos PLPp 10, 20 e 40 mg/kg, cada um com 5-7 animais. Em seguida, foram deixados em jejum por 16h antes do experimento. Ao final das 16hs, os animais dos grupos AA, PLPp 10, 20 e 40mg/kg, receberam via intrarretal 200 μl de solução de ácido acético a 6%, para a indução da colite, e o grupo SAL, recebeu 200µl de solução salina 0,9%. Os animais foram tratados com PLPp (10, 20 ou 40 mg/kg i.p.) 1 hora antes e 17 horas após a injeção de ácido acético. Uma hora depois do segundo tratamento com PLPp, os animais foram eutanasiados e a porção do cólon distal foi retirada para avaliação de escores macroscópicos e microscópicos de lesão, análise de peso úmido, atividade da mieloperoxidase (MPO), níveis de glutationa (GSH), concentração de malonialdeído (MDA) e níveis de IL-β. Resultados: O tratamento dos animais com PLPp 40mg/kg diminui de forma significativa o peso úmido do cólon dos animais quando comparado ao grupo AA, no entanto, PLPp 10 e 20mg/kg não foram capazes. Apenas PLPp 40 mg/kg foi capaz de reduzir significativamente os escores macroscópicos e de lesão quando comparados com os animais que receberam apenas AA. Na análise microscópica, PLPp 40mg/kg impediu a depleção de células caliciformes significativamente, quando comparado com o grupo AA. Além disso, as diferentes doses de PLPp também foram capazes de reduzir significativamente a atividade MPO em comparação com o grupo AA. Entre as doses de PLPp, apenas a dose de 40mg/kg foi capaz de promover uma redução significativa nos níveis de MDA e evitar o consumo de GSH de modo significativo, quando comparado ao grupo não tratado. Também foi observado que PLPp 40mg/kg reduziu os níveis da citocina IL-1β no cólon dos animais. Conclusões: Estes resultados sugerem que PLPp apresentou efeito protetor contra danos intestinais induzidos pelo ácido acético, uma vez que houve redução da lesão macroscópica, microscópica e do peso úmido. PLPp também diminuiu parâmetros inflamatórios, observados pela redução da infiltração de neutrófilos e da citocina pró-inflamatória IL-1β e de marcadores de estresse oxidativo no local da lesão.

     

     

  • DAVID RUFINO FERREIRA
  • AVALIAÇÃO FITOQUIMICA, ANTIMICROBIANA, ANTIOXIDANTE E CITOTÓXICA DE EXTRATOS DAS ALGAS Hypnea pseudomusciforms, Padina gymnospora e Jania adhaerens.
  • Data: 23/02/2018
  • Mostrar Resumo
  • O ambiente marinho se destaca pela diversidade de compostos valiosos, obtidos principalmente do metabolismo secundário das algas marinhas. Esses metabolitos secundários são oriundos principalmente de mecanismos de defesa e adaptações à condições ambientais. A leishmaniose e as doenças causadas por bactérias e fungos são uma preocupação mundial devido os constantes casos documentados de resistência aos agentes antimicrobianos empregados no seu combate, sendo assim o objetivo desse trabalho foi o de realizar uma investigação fitoquimica e avaliar a atividade das frações hidroalcoolica e hexânica das algas Hypnea pseudomusciforms, Padina gymnospora e Jania adhaerens quanto a seu potencial antileishmania, antibacteriano, antifúngico, antioxidante e citotóxico. A fitoquimica foi realizada através de ensaios quimicos qualitativos e por cromatografia liquida de alta eficiência (CLAE). A atividade antibacteriana foi determinada pelo método de difusão em ágar. O método colorimétrido da resazurina(7-hidroxi-3H-fenoxazina-3-ona 10-óxido) foi o adotado para atividade antileishmania. Para atividade antifúngica foi adotado o método de microdiluição em caldo. A atividade antioxidante foi determinada pelo método DPPH (1,1-diphenil-2-picrilhidrazil). Metodologia utilizando o reagente Folin-ciocalteau foi a empregada para a quantificação de fenóis e o ensaio de citotoxicidade foi determinado pelo método colorimétrico MTT [3(-(4,5-dimetil-2-tiazol) -2,5-difenil-2-H-brometo de tetrazolium)]. Dentre as algas testadas a fração hidroalcoólica da alga vermelha Hypnea pseudomusciforms apresentou a menor concentração inibitória mínima para Candida krusei (CIM: 9,76 µg/mL), porém nenhuma atividade para Candida tropicalis, Aspergillus fumigatus e Trycophyton interdigitale foi observada. A fração hidroalcoólica de Jania adhaerens testada contra Candida krusei apresentou valor de CIM:39,06 µg/mL. Para o teste de difusão em ágar nenhuma fração das algas utilizadas no teste apresentou qualquer atividade na concentração testada para Staphylococcus epidermidis e Escherichia coli. No ensaio antileishmania foi obtido (CI50: 396,8 µg/mL) para a fração hexânica de Hypnea pseudomusciforms. O ensaio antioxidante revelou que a fração hidroalcoolica de Hypnea pseudomusciforms apresentou o maior potencial antioxidante (CI50: 256,31 µg/mL) entre as algas testadas. A quantificação de fenóis revelou 18,48 e 12,13 mg de ac. gálico/g de amostra para a fração hidroalcoolica de Padina gymnospora e para a fração hexanica de Hypnea pseudomusciforms respectivamente O teste de citotoxicidade revelou que nenhuma fração demonstrou ser citotóxica contra as linhagens de células cancerosas testadas. Neste estudo foi demonstrado que algas vermelhas Hypnea pseudomusciforms e Jania adhaerens demonstraram um bom desempenho no ensaio antifúngico e moderada atividade antioxidante, o que pode encorajar estudos mais profundos dessas espécies de algas para a busca de componentes terapêuticos para infecções causadas por Candida krusei.

2017
Descrição
  • ANA KAROLINNE ANASTÁCIO DE SOUSA
  • QUATERNIZAÇÃO DA GOMA DO ANGICO Anadenanthera colubrina var. cebil (Griseb.) Altschul: AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 25/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • O angico da espécie Anadenanthera colubrina var. cebil (Griseb.) Altschul é encontrado em várias regiões do país, principalmente no cerrado e produz exsudato cuja composição apresenta grande quantidade de polissacarídeos (Paula, Budd e Rodrigues, 1997). As modificações químicas nos polissacarídeos podem ser ferramentas importantes para a obtenção de novos agentes antimicrobianos (Coutinho, Muzitano e Costa, 2008). O objetivo deste trabalho foi sintetizar a partir da goma do angico (GA) derivados catiônicos bem como
    avaliar o efeito da goma do angico e de seus derivados sobre bactérias do gênero Staphylococcus. Para a obtenção da goma quaternizada, a goma do angico foi dissolvido em água destilada à temperatura ambiente, e deixada sobre agitação por 30 minutos. A solução contendo amônio quaternário e NaOH 5M foi preparada e adicionada a solução de goma e mantida sobre agitação por 30 minutos. Foram produzidos diferentes derivados em diferentes proporções molares de GA/NaOH/CCHPTA, temperatura (40, 50, 60 ou 80°C) e tempo de reação (14 ou 24h). A modificação da estrutura da goma foi verificada com emprego de espectroscopia de infravermelho pelo aparecimento de bandas em torno de 1470 cm-1 atribuídas a ligação –CH do amônio quaternário e medidas de analise elementar confirmaram o aumento de porcentagem de nitrogênio para a goma quaternizada bem como os valores de Potencial zeta mais positivos. A biocompatibilidade sobre os eritrócitos foi verificada por meio de teste de hemólise. A GA e seus derivados quaternizados (GAQ) não apresentaram atividade contra os fungos testados (Candida krusei ATCC 6258 e Tricophyton interdigitale 73826). Entretanto pode-se verificar o efeito bactericida para as bactérias S. epidermidis ATCC 12228, S. aureus ATCC 29213 e S. aureus MRSA 43300 (GAQ-A3: CIM-CBM= 125- 125 μg/mL, 250-250 μg/mL e 250-250 μg/mL, respectivamente e GAQ-B: CIM-CBM= 62,5- 62,5 μg/mL, 250-250 μg/mL e 250-250 μg/mL, respectivamente). A biocompatibilidade e a atividade antiestafilocócica indicaram que os derivados são promissores como agente antibacteriano para aplicações biomédicas.

  • ABDIAS CARDOSO RABÊLO NETO
  • Estudo de associação dos polimorfismos SLC30A8 Arg32Trp e KCNQ1 C>T com a susceptibilidade ao Diabetes Mellitus Tipo 2 em uma população do nordeste brasileiro.
  • Orientador : FRANCE KEIKO NASCIMENTO YOSHIOKA
  • Data: 10/07/2017
  • Mostrar Resumo
  • O diabetes mellitus é uma importante causa de morbidade e mortalidade atual. Sua patologia se dá pelo aumento na concentração de glicose no sangue pela deficiência na produção de insulina ou na má atuação desta e sua etiologia é influenciada tanto por fatores ambientais quanto genéticos. Dentre os tipos da doença, a mais comum é a diabetes mellitus tipo 2 representando cerca de 90% dos acometidos e sendo alvo do presente estudo. Uma melhor compreensão sobre os fatores genéticos envolvidos na susceptibilidade da doença tem sido o objetivo de várias pesquisas nos últimos anos e tem permitido a descoberta de potenciais marcadores genéticos, como os polimorfismos rs13266634 Arg325Trp do gene SLC30A8 e rs2237892 C>T do gene KCNQ1, associados com as etapas para a secreção de insulina e, consequentemente, com a chance de desenvolvimento da doença. Este estudo tem como objetivo analisar o efeito desses polimorfismos com a susceptibilidade de desenvolver diabetes mellitus tipo 2 em pacientes do estado do Piauí, e avaliar a correlação entre a frequência desses polimorfismos e variáveis clínicas. Para compor o grupo de estudo foram coletadas amostras de sague periférico de 234 pacientes não aparentados diagnosticados com DM2. Também foram coletadas 234 amostras de controles saudáveis provenientes de laboratórios de análises clínicas, sem condições associadas à doença, confirmado por exames clínicos e laboratoriais. Dados laboratoriais como HbA1c, glicemia em jejum, colesterol HDL, colesterol total e triglicerídeos, bem como o IMC foram coletados dos dois grupos. A análise dos polimorfismos foi realizada utilizando-se a técnica de PCR- RFLP. As frequências genotípicas de SLC30A8 e KCNQ1 não diferiram significativamente entre os grupos caso e controle (p=0,3364 e p=0,9015, respectivamente), bem como as frequências alélicas (p=0,75; cada). Em nenhum dos casos foi observada uma maior predisposição de desenvolver DM2 associada a qualquer dos genótipos (p>0,05). Verificou-se que os níveis colesterol total são mais baixos em controles que possuem duas cópias do alelo KCNQ1 C (p=0,018). Em suma, nosso estudo não apontou correlações significativas entre os polimorfismos SLC30A8 Arg325Trp e KCNQ1 C>T com uma suscetibilidade aumentada para o DM2. No entanto, os genes podem desempenhar papel importante no curso da doença caso ocorra uma análise com mais amostras tornando os resultados similares a outros estudos que encontraram associação.

  • JESSIANNE DA SILVA MIRANDA
  • ASSOCIAÇÃO DOS POLIMORFISMOS CDH1 -160C/A E TP53 ARG72PRO COM A SUSCEPTIBILIDADE E O PRÓGNOSTICO DO CÂNCER DE PRÓSTATA DE ALTO RISCO NO ESTADO DO PIAUÍ
  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 23/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • O Câncer de Próstata é a malignidade não cutânea mais frequentemente diagnosticada em homens mais velhos, o que o torna um grave problema de saúde pública nos dias atuais. Apesar dos fatores de riscos relacionados com seu desenvolvimento serem conhecidos, a sua patogênese é pouco compreendida, principalmente quanto à sua relação com os fatores genéticos. A expressão e/ou função anormal de genes como CDH1 e TP53 contribuem para progressão tumoral pelo aumento de invasão e metástase, por isso são frequentemente relatados em tumores de Próstata sendo assim, esses genes podem ser potenciais marcadores genéticos e auxiliar na identificação de indivíduos com susceptibilidade aumentada para essa neoplasia. O trabalho compreende um estudo caso-controle com 156 pacientes com Câncer de Próstata classificados de alto risco de acordo com D’Amico, diagnosticados no Hospital São Marcos, em Teresina-PI e 193 controles saudáveis, sem histórico de câncer. Tem como objetivo identificar associações dos polimorfismos CDH1-160C/A e TP53 Arg72Pro com a susceptibilidade e o prognóstico do Câncer de Próstata de alto risco pelas variáveis cliniopatológicas nos pacientes do estado do Piauí. A análise dos polimorfismos foi realizada pela técnica de reação em cadeia da polimerase e subsequente digestão enzimática (PCR-RFLP). Para a análise dos dados utilizou-se o programa estatístico SPSS com a significância estatística estabelecida em p≤0,05. As análises de correlação, Odds Ratio (OR) em um intervalo de confiança (IC) de 95% serão avaliados por um o modelo de Regressão Logística não condicional. A distribuição das frequências alélicas dos polimorfismos CDH1 -160 C/A e TP53 Arg72Pro (OR=1,17, IC 95% 0,84-1,63, p=0,38 e OR=0,88, IC 95% 0,64-1,20, p=0,47), respectivamente não apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre os grupos controles e casos. Nossos resultados não indicaram susceptibilidade para o Câncer de Próstata na presença dos polimorfismos CDH1 -160 C/A e TP53 Arg72Pro. Além disso não se observou associação dos polimorfismos com prognóstico do Câncer de Próstata de alto risco pela análise das variáveis clinicas dos casos: níveis séricos de PSA, escore de Gleason e estágio tumoral TNM (p>0,05). Estudos contínuos são necessários para o melhor esclarecimento que o efeito das variações genéticas atuam como fator de susceptibilidade para o Câncer de Próstata.

  • BRUNA BRITO SANTOS
  • ASSOCIAÇÃO DOS POLIMORFISMOS GSTM1 nulo, GSTT1 nulo e MTHFR C677T COM A SUSCETIBILIDADE E PROGNÓSTICO DO CÂNCER DE PRÓSTATA DE ALTO RISCO EM PACIENTES NO ESTADO DO PIAUÍ
  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 23/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • O câncer de próstata é a neoplasia de maior incidência entre homens, e mais prevalente em países desenvolvidos onde a população é predominantemente idosa. É uma doença multifatorial devido a sua suscetibilidade associada a vários fatores ambientais e genéticos. O estudo de polimorfismos associados à suscetibilidade de desenvolvimento do câncer de próstata tem contribuído para sua melhor compreensão, portanto o objetivo desta pesquisa é avaliar a relação dos polimorfismos GSTM1 nulo, GSTT1 nulo e o MTHFR C677T com a suscetibilidade e prognóstico do câncer de próstata em uma população do Piauí. Trata-se de um estudo de caso-controle envolvendo 156 pacientes com câncer de próstata e 193 indivíduos saudáveis constituídos por homens idosos a partir de 60 anos de idade, ambos foram genotipados pela técnica de PCR multiplex para os genes GSTM1 e GSTT1 e técnica PCR-RFLP para o gene MTHFR. As informações clínicas foram sistematizadas, levando em consideração variáveis como idade, níveis séricos do PSA, escore de Gleason e estágio tumoral. O polimorfismo GSTM1 nulo demonstrou efeito de proteção contra o câncer de próstata no modelo não ajustado (OR= 0,5, IC=95% 0,3-0,8 p=0,005) e ajustado por idade (OR=0,9, IC=95% 0,9-1,0 p= 0,019). O polimorfismo GSTT1 nulo apresentou valor estatisticamente significativo com relação ao câncer de próstata, no modelo não ajustado (OR=2,0, IC=95% 1,2-3,3 p=0,003) e ajustado por idade (OR= 1,0 IC=95% 0,9-1,0 p=0,001). O polimorfismo MTHFR C677T não apresentou associação significativa com o câncer de próstata. Não houve associação significativa entre os polimorfismos em estudo e as variáveis clínicas preditoras do prognóstico do câncer de próstata. Os resultados desta pesquisa sugerem que os polimorfismos GSTM1 nulo e GSTT1 nulo podem ser marcadores importantes quando associados ao câncer de próstata. Estudos posteriores são necessários para confirmar esses achados, uma vez que os resultados na literatura são controversos entre as diferentes etnias e as interações entre gene-gene e gene-ambiente também devem ser investigadas para elucidar o papel desses polimorfismos na etiologia do câncer de próstata.

     

     

     

     

  • JUELINA OLIVEIRA DOS SANTOS
  • TÍTULO: Estudo de diversidade genética em populações de Anacardium occidentale L. e Anacardium microcarpum Ducke ocorrentes no litoral do Piauí, Brasil
  • Orientador : IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
  • Data: 29/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • Anacardium occidentale L., conhecida popularmente como caju, é uma espécie cultivada e naturalizada, amplamente distribuída na zona tropical, tendo o nordeste brasileiro e o domínio do cerrado como centros de diversidade. Anacardium microcarpum Ducke, conhecido como cajuí, é característico da vegetação litorânea piauiense e de grande importância socioeconômica e ambiental para população local, diferenciando-se do caju por apresentar hipocarpo e drupa de tamanhos pequenos. Para alguns autores, A. microcarpum é sinônimo de A. occidentale. Devido à grande amplitude de variação morfológica e estudos de variação genética com amostras de populações naturais destes táxons ainda serem escassos, objetivou-se com o presente estudo caracterizar e comparar a diversidade, estrutura e diferenciação genética das populações naturais de A. microcarpum (cajuí) e de associações cultivadas ou naturalizadas de A. occidentale (caju) encontradas no norte do Piauí, utilizando marcadores moleculares Inter Simple Sequence Repeat (ISSR), além de contribuir ao entendimento taxonômico destes dois táxons. Foram analisadas amostras de oito populações de A. occidentale e A. microcarpum, com 30 indivíduos cada, dos seguintes locais que compõe a Microrregião do Litoral Piauiense: (Parnaíba (Labino, Pedra do Sal e Rosápolis), Ilha Grande (Cal e Tatus), Cajueiro da Praia e Cocal, além de um local que compõe a Microrregião do Baixo Parnaíba Piauiense (Luzilândia). Os cinco primers ISSR utilizados geraram 94 locos, dos quais todos foram polimórficos, com as porcentagens de polimorfismos variando de 40,43% a 67,02% entre as populações. A variação genética das amostras diferiu tanto dentro como entre as populações de caju e cajuí. Valores médios do Índice de Diversidade de Shannon (I), de Heterozigosidade Esperada (He) e de Taxa de Polimorfismo (%P) foram maiores nas populações de cajuí (0.24; 0.15; e 57.18%) que nas populações de caju (0.19; 0.12; 49.49%). A Análise de Variância Molecular (AMOVA) mostrou que 78% da variabilidade genética encontra-se dentro das populações, com 22% de variância explanada pelas diferenças entre as mesmas. Este nível de diferenciação foi significativo no nível P ≥ 0.001, como estimado pelo parâmetro PhiPT (PhiPT = 0,217). O valor de G st (0,149) e o valor de Nm (2,8535) indicou moderada diferenciação genética entre as populações confirmando os resultado obtidos na AMOVA, que sugere existência de cruzamentos entre as populações e que é apoiado pelo valor de fluxo gênico. O teste Mantel mostrou que não há correlação entre a distância geográfica e a distância genética (Nei) entre os pares de populações. Análise de Coordenadas Principais (PCoA) usando a matriz de distância Nei mostrou que as populações de Cocal (caju), Cal (cajuí) e Pedra do Sal (cajuí) foram cada, muito distinta das demais, enquanto as cinco outras populações foram geneticamente mais similares. A análise Bayesiana de estrutura genética mostrou ótimo resultado para o  modelo de quatro grupos em que as populações de Rosápolis e Pedra do Sal compartilharam o mesmo padrão genético; Cocal teve padrão único; Luzilândia (caju), Cajueiro da Praia (caju) e Labino (cajuí) e uma parte de Rosápolis compartilharam o terceiro padrão; e Tatus (Cajuí) e Cal (cajuí) compartilharam o quarto padrão. Rosápolis se destacou pela estrutura genética bimodal. Os resultados mostraram que as populações naturais de A. microcarpum tem maior diversidade genética dentro das populações que as de A. occidentale, embora mostrem forte distinção genética (ex. Cal), não formam uma unidade genética coerente em oposição as populações de caju. Os resultados destacaram a importância das populações naturais de A. microcarpum (cajuí) como reservatórios da variabilidade genética do A. occidentale (caju, uma árvore frutícola cultivada de importância econômica global) e, portanto, a necessidade urgente de assegurar sua conservação efetiva. 

  • MONIALINE SOUSA DE OLIVEIRA
  • FILMES LAYER-BY- LAYER À BASE DE NANOPARTÍCULAS DE COBRE E FTALOCIANINA DE NÍQUEL: UMA PROPOSTA PARA SENSORES ELETROQUÍMICOS DE NEUROTRANSMISSORES
  • Orientador : CARLA EIRAS
  • Data: 20/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo o desenvolvimento de filmes finos produzidos a partir de nanopartículas de cobre (CuNPs) intercaladas em conjunto com ftalocianinas de níquel (NiTsPcs) pela técnica Layer-by- Layer de automontagem. Os filmes quadricamadas foram preparados em duas arquiteturas distintas: PAH/CuNPs/PAH/NiTsPc e PAH/NiTsPc/PAH/CuNPs e, caracterizados pela técnica eletroquímica de Voltametria Cíclica em tampão Britton-Robinson (BR) e também por espectroscopia na região do UV-Vis. O filme PAH/NiTsPc/PAH/CuNPs, contendo 5 quadricamadas, mostrou os melhores resultados de eletroatividade, reversibilidade e estabilidade eletroquímicas quando comparado ao filme da sequência PAH/CuNPs/PAH/NiTsPc. A cinética de crescimento do filme PAH/NiTsPc/PAH/CuNPs foi monitorada por espectroscopia na região do UV-Vis mostrando comportamento característico de sistemas autorregulados. Este filme PAH/NiTsPc/PAH/CuNPs também foi submetido a testes de detecção do neurotransmissor Serotonina a concentração de 20 µmolL -1 . Os resultados obtidos mostraram um aumento de 400% nos valores de densidade de corrente para o filme na presença do neurotransmissor (31,7µA) quando comparado ao valor obtido na ausência do mesmo (7,7 µA). Além disso, o valor de corrente manteve-se elevado (32,4 µA) também para a condição em que a serotonina foi adicionada ao meio conjuntamente com um de seus interferentes, o ácido ascórbico. Outro aspecto importante a ser ressaltado é que o filme proposto possui capacidade de ser reutilizado em análises sucessivas na detecção de serotonina. 

  • DIVA DE AGUIAR MAGALHÃES
  • Resposta anti-inflamatória mediada pelo receptor muscarínico M1 durante a colite induzida por ácido acético
  • Orientador : ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
  • Data: 11/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A colite ulcerativa é uma doença inflamatória crônica, recidivante que afeta principalmente o cólon e o reto, e se caracteriza por úlceras na mucosa intestinal. Muitos sistemas endógenos estão envolvidos na fisiologia intestinal, sendo o sistema muscarínico fundamental para esse processo. Além disso, o sistema colinérgico demonstra ação anti-inflamatória em modelos experimentais de colite. No entanto, ainda há poucos estudos sobre o efeito anti-inflamatório muscarínico. Objetivo: Investigar a resposta anti-inflamatória mediada pelo receptor muscarínico M1 durante a colite experimental induzida por ácido acético. Métodos: Neste trabalho, foram usados camundongos swiss machos (25–30 g), divididos em grupos de 6 animais. Inicialmente foi realizada a padronização do modelo de colite induzida por ácido acético a 6% utilizando tempos diferentes (6,18 e 24h) para avaliar o pico inflamatório deste modelo. Em seguida foi realizada a indução da colite por ácido acético e os camundongos foram tratados intraperitonialmente (i.p.) com McN-A-343 nas doses de 0,5; 1,0; 1,5 mg/kg ou dexametasona (2 mg/kg, s.c.) com 17h ou 17:30h após a indução da colite, respectivamente. Depois da escolha da concentração do McN-A-343 com melhor efeito anti-inflamatório foi realizado o ensaio para bloquear a ação do receptor muscarínico M1 utilizando a pirenzepina (10 mg/kg, i.p.). Após 18h da indução da colite os animais foram eutanasiados e uma amostra de 5 cm do cólon foi retirada para avaliação dos escores macroscópicos e microscópicos de lesão, peso úmido e dosagens bioquímica como: atividade da mieloperoxidase, interleucina 1 beta, níveis de glutationa e malonildialdeído. Resultados: Os grupos de animais que receberam ácido acético a 6% intracolônico apresentaram após 18h da indução da colite um aumento significativo do número de lesões inflamatórias intestinais e da concentração de mieloperoxidase, malonildialdeído e uma redução da concentração de glutationa no tecido intestinal em comparação com os outros tempos analisados. Por outro lado, foi observado que o tratamento com o McN-A-343 na concentração de 1,5 mg/kg apresentou uma redução da lesão intestinal de forma significativa, bem como uma diminuição do peso úmido, da atividade da mieloperoxidase, da concentração da citocina pró-inflamatória IL-1β e dos marcadores de estresse oxidativo in vivo. Além disso, foi visto que a coadministração de McN-A- 343 e pirenzepina reverteram de forma significativa o efeito do McN-A-343. Conclusão: Os resultados sugerem que o acido acético foi eficaz em induzir a colite ulcerativa, e que o pico inflamatório deste modelo ocorre após de 18h da indução. Além disso, este trabalho, infere que o receptor muscarínico M1 está envolvido na reversão do efeito pró-inflamatório da colite induzida experimentalmente, podendo esta via representar uma alternativa terapêutica promissora para pacientes com colite ulcerativa.



  • RAQUEL MÁGDA LIMA ARAÚJO
  • ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO ENTRE O POLIMORFISMO DE DUPLICAÇÃO DE 120 pb NA REGIÃO PROMOTORA DO GENE DO RECEPTOR D4 DE DOPAMINA (DRD4) E A DEPENDÊNCIA DO ÁLCOOL EM UMA POPULAÇÃO DO NORDESTE DO BRASIL
  • Orientador : RENATA CANALLE
  • Data: 29/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • O álcool é uma droga psicotrópica com propriedades contribuintes no processo de dependência. O seu uso exagerado gera a dependência do álcool (DA), uma enfermidade que atinge negativamente a sociedade. Por ser uma doença com herança multifatorial, a DA tem influência tanto de fatores ambientais como fatores genéticos. Estudos demostram um papel fundamental do sistema dopaminérgico com abuso de drogas, inclusive do álcool, com intensificação em torno do gene DRD4, codificador do receptor D4 da dopamina. Considerado um dos genes humanos com maior número de polimorfismos, a duplicação 120 pb na região promotora do gene DRD4 é o grande foco deste estudo juntamente com o alcoolismo. Estudos mostram que esse polimorfismo pode influenciar a taxa de transcrição do gene. Diante deste potencial, o presente trabalho teve como objetivo avaliar se o polimorfismo de 120 pb no gene DRD4 tem associação com a susceptibilidade ou dependência do álcool em uma população masculina no Nordeste do Brasil. Como a investigação é um estudo caso-controle, foram genotipados pela técnica de PCR, seguida de eletroforese em gel de agarose, as amostras de 143 alcoolistas e 146 controles. As frequências genotípicas e alélicas foram submetidas aos testes do qui- quadrado, exato de Fisher e Odds Ratio com p&lt;0,05. As frequências alélicas (S=23,0% e L=77,0%) se aproximaram dos resultados encontrados em outros trabalhos. A distribuição dos genótipos e dos alelos do polimorfismo de duplicação de 120 pb do gene DRD4 não diferiu significativamente entre alcoolistas e controles, sugerindo uma associação negativa com a suscetibilidade a dependência do álcool. Nossos achados revelaram que os alcoolistas possuem menor nível de escolaridade em comparação aos controles e a associação entre alcoolistas e o hábito tabagista foi significativa (&lt;0,0001). Além disso, é possível observar que a DA tem um caráter familiar, visto que, familiares dos que fazem uso abusivo do álcool têm uma frequência significativamente maior (&lt;0,0001) de dependência do que em parentes de não dependentes do álcool. Estudos adicionais são necessários para a confirmação desses resultados e o esclarecimento do papel do gene DRD4 no risco da DA e na determinação dos fatores que influenciam na sua gênese.

     

  • MÁRCIA LUANA GOMES PERFEITO
  • EXTRAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE FLAVONOIDES DAS FOLHAS DE Pilocarpus microphyllus STAPF EX. WARDEWORTH E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E PERFIL NEUROPROTETOR
  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 24/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Os flavonoides compreendem um grupo de metabólitos secundários de grande diversidade estrutural, cujas propriedades terapêuticas têm ganhado grande interesse nas últimas décadas. O jaborandi (Pilocarpus microphyllus Stapf ex Wardeworth), de utilização medicinal comprovada, é de grande importância no mercado farmacêutico, uma vez que das suas folhas são extraídas a pilocarpina utilizada no tratamento do glaucoma. Embora, alguns flavonoides tenham sido descritos no gênero Pilocarpus, não existem estudos de prospecção e identificação de flavonoides das folhas de P. microphyllus. Nesse contexto, o presente trabalho visa extrair e identificar os flavonoides das folhas do jaborandi e investigar o potencial farmacológico. A fração acetato de etila (FAcOEt) obtida a partir do extrato metanolico foram avaliadas quanto a sua atividade antioxidante por meio do ensaio de captura do radical DPPH e ABTS, além do de caracterização do perfil eletroquímico da fração para observação dos processos redox da fração. No ensaio de DPPH, a FAcOEt revelou CE50 de 0,5 mg/mL. A fração apresentou valor de TEAC de 819 µmol de trolox/g de FAcOEt. A amostra exibiu processos redox em baixos potenciais, indicando promissora atividade antioxidante. O ensaio de indução de dor neuropática por compressão do nervo ciático evidenciou, agora in vivo em camundongos, o provável efeito desta fração contra as formas reativas do oxigênio (EROs), envolvidas no processo fisiopatológico da dor neuropática, revelando atividade significativa na dose de 100 mg/kg. Os ensaios de caracterização dos constituíntes da FAcOEt por espectrofotometria UV-Vis, espectrofotometria infravermelho, CLAE, espectrometria de massas e voltametria cíclica, levantaram a hipótese sobre o composto majoritário desta fração ser a flavona crisina, cujas propriedades de solubilidade na CLAE são muito próximas à da flavona quercetina, e revelaram a presença característica deste grupo.

     

     

     

  • STEFANY GUIMARÃES SOUSA
  • Efeito Anti-inflamatório e Antinociceptivo da Fração Polissacarídica sulfatada (PLS) extraída de Morinda citrifolia (Noni)
  • Orientador : ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
  • Data: 24/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A inflamação é um fenômeno multimediado envolvido em muitas doenças complexas. A busca por anti-inflamatórios é constante devido aos diversos efeitos colaterais dos medicamentos usados atualmente. Os polissacarídeos de fontes naturais estão figurando como potenciais fontes de fármacos anti-inflamatórios, e entre esses, está a fração polissacarídica dos frutos do arbusto Morinda citrifolia (Noni). Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo avaliar as atividades anti-inflamatória e antinociceptiva da fração polissacarídica sulfatada extraída da planta Morinda citrifolia, utilizando modelos farmacológicos clássicos de inflamação aguda e nocicepção em camundongos. Métodos: Os frutos do Noni foram coletados e o teor polissacarídico destes foi extraído. Para os estudos farmacológicos foram usados camundongos swiss (20-25 g), sendo divididos em grupo de 6 animais. Os animais inicialmente foram tratados com o polissacarídeo sulfatado de M. citrifolia nas doses de 0,1; 1,0 ou 10 mg/kg e passaram por edema de carragenina para assim ser escolhida a melhor dose com efeito anti-inflamatório que foi usada nos demais testes. Segmentos da região sub-plantar dos animais foram usados na avaliação da atividade da enzima mieloperoxidase e histologia da lesão inflamatória microscópica. Os animais passaram também por edema de pata com diferentes agentes inflamatórios, teste de formalina e de contorções abdominais. Foi induzida também peritonite nos animais e, o líquido peritoneal foi avaliado quanto à migração de leucócitos e níveis de Glutationa. Resultados: O tratamento dos animais com o polissacarídeo sulfatado de M. citrifolia na dose de 10 mg/kg apresentou um padrão satisfatório e estatisticamente significativo de redução do edema de pata induzido por carragenina, bem como dos agentes inflamógenos dextrana, histamina, serotonina e bradicinina. Além disso, o polissacarídeo em questão apresentou capacidade de reduzir de maneira relevante os níveis de MPO, as lesões inflamatórias a nível microscópico no tecido da pata inflamado e também de migração de leucócitos e GSH no fluído peritoneal de animais que passaram por peritonite. O PLS do noni também mostrou efeito antinociceptivo através dos testes de contorções abdominais e na segunda fase do teste da formalina. Conclusões: Os resultados alcançados permitem inferir que o polissacarídeo de Morinda citrifolia possui efeito anti-inflamatório e antinociceptivo em camundongos quando usado na dose de 10mg/kg, comprovados através de modelos experimentais de inflamação e nocicepção.

     

     

  • JESSYCA CHRISTINA FORTES RAMOS
  • SÍNTESE VERDE DE NANOPARTICULAS DE PRATA MEDIADA POR EXTRATO DA CASCA DO Anacardium microcarpum Ducke: CARACTERIZAÇÃO E ATIVIDADE BIOLÓGICA
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 23/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • As nanopartículas sintetizadas por métodos físicos e químicos envolvem a utilização de solventes tóxicos, causando impacto à saúde e ao meio ambiente. Diante isso, a rota de síntese verde surge como uma rota alternativa, mais segura e menos nociva ao meio ambiente. A formação de nanopartículas através da síntese verde visa à utilização de materiais biológicos, para a redução, estabilização e atividades biológicas das nanopartículas. O presente estudo relata uma abordagem de síntese verde de nanopartículas de prata (AgNPs) utilizando o extrato proveniente das cascas de Anacardium microcarpum, planta nativa da região nordeste. O aperfeiçoamento dos parâmetros de síntese como pH, concentração e tempo de reação foram realizados, além das caracterizações por UV-vis, DLS, Potencial Zeta, NTA, TEM, FTIR e as atividades antioxidante e antimicrobiana. As análises realizadas por espectroscopia no UV-vis das AgNPs apresentaram espectros de absorção variando 410-433nm, seus tamanhos variaram 72,9- 208,3nm e potencial zeta de -49,7mV- 56,0mV. A formação das nanopartículas foram dependentes da concentração, pH de síntese e tempo de reação. O extrato de A. microcarpum atuou na redução das AgNPs que através da análise por MET foi possível verificar nanopartículas esféricas e a técnica FTIR foi possível identificar os possíveis grupos funcionais como compostos fenólicos terem sido os responsáveis pela redução da Ag + para Ag 0 . A atividade antioxidante das AgNP mostraram eficientes com IC 50 variando de 10,09 µg/mL - 38,15 µg/mL quando comparadas ao padrão ácido ascórbico 186 µg/mL. As nanopartículas exibiram atividade antimicrobiana eficaz contra Staphylococcus aureus e Escherichia coli.

     

  • FRANCISCO VICTOR COSTA MARINHO
  • AS VARIAÇÕES GENÉTICAS SLC6A3 3' - UTR VNTR E SLC6A3 INTRON 8 VNTR ESTÃO ASSOCIADAS COM A PREDOMINÂNCIA DO CÓRTEX FRONTAL ESQUERDO EM TAREFA DE ESTIMATIVA DE INTERVALO DE TEMPO
  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 09/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Investigações eletrofisiológicas e genotípicas em relação à função cerebral são fortemente influenciadas pela arquitetura genética. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi investigar como as variações genéticas funcionais SLC6A3 3’-UTR VNTR e SLC6A3 Intron 8 VNTR influenciam a assimetria na área frontal durante a temporização e o desempenho em tarefas de estimativa do tempo. Material e métodos: Cento e sete homens destros (18-32 anos) participaram do experimento. As variações genéticas relacionadas a atividade do transportador de dopamina (tais como SLC6A3 3’-UTR VNTR e SLC6A3 Intron 8 VNTR) foram associadas ao desempenho em tarefa de estimativa do tempo na faixa de supra segundos (intervalos de tempo com duração de 1s, 4s, 7s e 9s). Concomitante a análise da percepção do tempo foi verificado o padrão assimétrico de predominância cortical em função da capacidade perceptiva dos participantes, por meio da assimetria das oscilações da banda alfa no córtex pré-frontal. Foi encontrado efeito de subestimação e superestimação entre a variação SLC6A3 Intron 8 VNTR e os intervalos de tempo de 1 e 9 segundos (p<0,001), além de associação da mesma variação com a assimetria da banda alfa correspondente ao córtex pré-frontal dorsolateral, como maior ativação a esquerda (p<0,001). Conclusão: Os achados do presente estudo indicam que variantes genéticas do transportador de dopamina podem modular as oscilações da assimetria da banda alfa no córtex pré-frontal dorsolateral durante a interpretação dos intervalos de tempo em nível de supra segundos. Desse modo, o presente estudo sustenta a influência genética na capacidade perceptiva, devido a presumível flutuação dopaminérgica em função dos genótipos da variação SLC6A3 Intron VNTR.

     

     

     

  • ANTÔNIA CARLA DE JESUS OLIVEIRA
  • GOMA DE CAJUEIRO FTALADA PARA APLICAÇÕES COMO BIOMATERIAL NO DESENVOLVIMENTO DE NANOPARTÍCULAS: METÁLICAS E POLIMÉRICAS
  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 03/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A goma do cajueiro (GC) é um heteropolissacarídeo obtido do exsudado do Anacardium ocidentale L., que se encontra em crescente utilização nas áreas biotecnológicas, principalmente na indústria farmacêutica. Isso devido ao fato de apresentar uma estrutura versátil para aplicações em dispositivos nanobiomédicos. As modificações químicas na estrutura dos polissacarídeos, envolvem a introdução de grupos funcionais, as quais possibilitam a obtenção de novos biomateriais com novas propriedades. Este trabalho tem por objetivo promover a modificação na goma do cajueiro utilizando o anidrido ftálico (AF), uma reação que não faz uso de solvente e tem por finalidade obter novos biomateriais com caráter hidrofóbico para o desenvolvimento de nanopartículas. A reação foi realizada para obtenção de quatro derivados (GCF1, GCF2, GCF3 e GCF4), variando a proporção de CG/AF (1: 2 a 1:5) na razão (m/m) e o tempo de reação de 20 e 40 minutos para cada proporção. O AF foi fundido a temperatura de 130°C, em seguida a GC foi adicionada e o tempo foi cronometrado. Ao final da reação os derivados forão precipitados em água ultra pura e lavados até a remoção dos subprodutos e liofilizado posteriormente. Os derivados obtidos foram caracterizados por, espectroscopia na região de infravermelho, análise elementar e análise termogravimétrica. O derivado GCF4 foi utilizado como agente redutor e estabilizador para obtenção de nanopartículas de prata (AgNPs), sintetizadas por duas rotas via síntese verde e com uso do redutor químico borohidreto de sódio. As AgNPs foram caracterizadas por UV-VIS, análise de rastreamento de partículas, potencial zeta, espectrometria ótica de emissão atômica com plasma indutivamente acoplado e microscopia de força atômica. Foi determinada a ação antimicrobiana das AgNPs por meio do teste de concentração inibitória mínima (CIM) contra as bactérias Staphylococcus aureus ATCC 29213 e Escherichia coli ATCC 25922 e contra os fungos Trichophyton interdigitale (73826), Fonsecaea pedrosoi ATCC 46428 e Sporothrix schenckii ATCC 201679. Já o derivado GCF1 foi utilizado para a produção de nanoparticulas poliméricas (NPs) carregadas com o fármaco naproxeno de sódio (AINES) utilizando a técnica de diálise. As NPs sem e com o fármaco foram caracterizadas por espalhamento de luz dinâmico, para obtenção do tamanho hidrodinâmico, índice de polidispersão (PDI) e potencial zeta. Foi avaliada a estabilidade coloidal do sistema por um período de 5 meses e o sistema mostrou-se estável, não havendo mudanças significativas no tamanho, PDI e potencial zeta. Também foi avaliado a eficiência de incorporação e encapsulação das nanopartículas, indicando que o sistema é promissor para ser utilizado na entrega de fármacos.

     

     

  • JUNIEL CRUZ DA SILVA
  • IDENTIFICAÇÃO DE COMPOSTOS E AVALIAÇÃO ANTITUMORAL, ANTIBACTERIANA, ANTIOXIDANTE E ANTIFÚNGICO DO ÓLEO ESSENCIAL DE Pilocarpus microphyllus
  • Data: 20/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil destaca-se por conter uma das maiores diversidades de espécies de plantas do mundo, as quais produzem substâncias com propriedades ainda desconhecidas. Dentre as substâncias produzidas pelas plantas, destacam-se os óleos essenciais, os quais possuem diversas propriedades biológicas que tem gerado bastante interesse da indústria farmacêutica, tais como atividade antioxidante, antinflamatória, analgésica, antimicrobiana, atividade antitumoral, entre outras. O presente estudo tem como objetivo identificar quimicamente compostos do óleo essencial de Pilocarpus microphyllus, bem como avaliar a atividade antibacteriana desse composto em bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, além de avaliar o potencial citotoxico do óleo essencial em células tumorais humanas in vitro, avaliar o potencial antioxidante. Para isso, foi feita a extração do óleo essencial de Pilocarpus microphyllus por meio da técnica de arraste a vapor. Em seguida, realizou-se a caracterização química do óleo por cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas (CG-EM) que mostraram três picos majoritários, identificados como sendo: trans-cariofileno, γ-cadileno e tridecanona. As análises da atividade antibacteriana foram feitas observando-se a concentração inibitória mínima (CIM) por meio do halo formado ao redor dos poços conferindo assim a presença ou ausência de atividade antibacteriana, onde se observou a não atividade para a concentração testada (20 μg/mL). Para avaliação do potencial antitumoral do óleo in vitro foram utilizadas quatro linhagens de células tumorais humanas, nas quais foi observada presença de atividade antitumoral, SF-295 (glioblastoma) com CI50 de 24,5 μg/mL, K-562 (leucemia mielóide crônica) com CI50 de 24,3 μg/mL, PC-3 (adenocarcinoma de próstata) com IC50 de 27,8 μg/mL e HCT-116 (carcinoma colorretal) com CI50 de 28,4 μg/mL. A atividade antioxidante foi determinada pelo método DPPH, onde se pode perceber o que o óleo apresentou potencial antioxidante. 
     
2016
Descrição
  • FRANCISCA BEATRIZ DE MELO SOUSA
  • EFEITO ANTISSECRETÓRIO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO NA DIARREIA INDUZIDA PELA TOXINA DO Vibrio cholerae EM CAMUNDONGOS: EVIDÊNCIA DE NÃO ENVOLVIMENTO DA VIA ADENILATO CICLASE/AMPc/PKA E AMPK.
  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 09/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • A cólera é uma doença infecciosa aguda causada pela bactéria Vibrio cholerae, que se multiplica rapidamente no intestino humano produzindo a chamada toxina da cólera (TC). A TC causa uma diarreia grave devido a seu efeito direto sobre as células epiteliais intestinais, promovendo nestas uma ativação excessiva da adenilato ciclase (AC) e consequentemente um aumento dos níveis intracelulares de AMPc, que culminam com a secreção excessiva de Cl- que é acompanhada pelo movimento osmótico de uma grande quantidade de água para o lúmen intestinal. A solução de reidratação oral é o método mais eficaz para o tratamento da cólera, entretanto este não interfere no mecanismo de ação da TC. Portanto, é de suma importância o estudo sobre o desenvolvimento de fármacos e biomoléculas que possam agir no mecanismo intracelular dessa toxina. Deste modo, o objetivo deste trabalho foi estudar a atividade antidiarreica do sulfeto de hidrogênio (H2S) bem como o seu possível mecanismo de ação na diarreia secretória causada pela TC. Inicialmente, a atividade antidiarreica do H2S foi avaliada no modelo de secreção de fluido em alças intestinais isoladas de camundongos vivos tratadas com a TC. Assim, camundongos Swiss em jejum (24h), foram pré-tratados (v.o), com L-cisteína (10 ou 50 mg/kg) sozinha ou com DL-propargilglicina (PAG 100 mg/kg), NaHS (3 ou 27 μmol/kg), regente de Lawesson´s (3 ou 27 μmol/kg) ou salina, e 30 min. depois os animais foram anestesiados, seguido de uma incisão abdominal para isolar uma porção do jejuno (2-3cm). As alças intestinais foram então inoculados com 100 μl PBS ou TC (1 μg/alça). 4 h após a anestesia, os animais foram eutanasiados e as alças foram removidas para medida da relação g/cm das alças. Amostras teciduais das alças intestinais foram recolhidas para análise dos níveis de H2S e expressão intestinal de CSE através de imunohistoquímica. O conteúdo intestinal acumulado também foi recolhido para determinação da concentração de íons Cl-. Para determinar o papel do H2S na secreção intestinal induzida pela toxina da cólera, os animais foram pré-tratados com PAG (100 mg/kg) seguido da administração intraluminal de uma dose submáxima de toxina da cólera (0,5 μg/alça). O efeito da H2S sob a absorção intestinal também foi avaliado. Para o estudo do mecanismo de ação antidiarreica do H2S, os camundongos em jejum, foram pré-tratados (v.o) com PAG (100 mg/kg) ou salina. Após 25 min., foi realizado o procedimento da indução da diarreia na alça intestinal, entretanto, antes da administração da TC, os animais em determinados grupos receberam SQ22536 0,01M/alça (inibidor de AC), Bupivacaina 100μM/alça (inibidor de AMPc) ou KT5720 1μg/alça (inibidor de PKA). Para avaliar a participação da AMPK no efeito antissecretório do H2S, os animais foram tratados, com um ativador ou um inibidor específico da AMPK: AICAR (1mM/alça) e dorsomorfina (30μM/alça), respectivamente. Em seguida foi realizado o procedimento de indução da diarreia na alça intestinal isolada semelhante ao descrito anteriormente. O H2S por meio da L-cisteína e doadores apresentou atividade antidiarreica reduzindo significativamente a secreção de fluido intestinal e perda de íons Cl- induzida pela TC. Além disso, observou-se que o pré-tratamento com PAG seguido da administração de uma dose submáxima da TC, promoveu um aumento na secreção de fluido intestinal maior que o observado para o grupo tratado apenas com a toxina nessa dose. Esses dados indicam que o H2S é uma molécula essencial para a proteção contra os efeitos nocivos da TC. Foi observado também que TC induz um aumento da expressão de CSE, assim como da produção de H2S. Os dados desse trabalho também sugerem que o efeito antissecretório do H2S não está envolvido com o aumento da absorção intestinal e provavelmente ocorre por um mecanismo independente da via AC/AMPc/PKA e AMPK. Dessa forma, este estudo mostra a relevância da atividade antidiarreica H2S, e indica que drogas doadoras de H2S são candidatas promissores para a terapia da cólera. Porém mais estudos são necessários a fim de elucidar o possível mecanismo de ação do H2S na diarreia induzida pela TC.

  • FRANCISCO ELEZIER XAVIER MAGALHÃES
  • TREINAMENTO COM PERCEPÇÃO DO TEMPO EM PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON ALTERA O COMPORTAMENTO CORTICAL.

  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 15/08/2016
  • Mostrar Resumo
  • A interpretação do intervalo de tempo participa continuamente nas atividade diárias. Fundamentalmente, ao interpretar o intervalo de tempo, o Sistema Nervoso Central (SNC) preparar-se-a para que tenhamos a tomada de decisão adequada relacionada com o tempo estimado ou percebido. Entretanto, indivíduos que sofrem comprometimento no SNC a interpretação do intervalo de tempo é comprometida e isso, pode levar a respostas motoras indesejáveis e consequentemente, a pequenos ou grandes acidentes. Em especial, pacientes com Doença de Parkinson além dos comprometimentos, sensitivos e motores, também interpretam inadequadamente o intervalo de tempo. Neste caso, as apresentações clínicas da doença têm sido amplamente estudadas, entretanto, ainda não é sabido se a utilização de tarefas com intervalo de tempo pode modificar a atividade cortical de modo a melhorar a interpretação do intervalo de tempo e o comprometimento sensitivo e motor. Neste contexto, o objetivo deste estudo foi analisar as modificações corticais, sensitivas e motoras tendo, uma tarefa de estimativa do intervalo de tempo como treinamento. Para esta proposição, foram selecionados 5 participantes com Doença de Parkinson que responderam, antes e após as visitas, a Escala Unificada de Avaliação da Doença de Parkinson. Em seguida os participantes realizaram uma tarefa de estimativa de tempo com quatro intervalos de tempo (1, 4, 7 e 9s). Este procedimento foi realizado somente para captação do sinal do eletroencefalógrafo em três dias alternados com follow up de 7 e 15 dias. Após 30 dias, os participantes retornaram ao laboratório e realizaram o mesmo procedimento com a inclusão do treinamento com estimativa do tempo por 1 hora. Foram analisados os erros que eles cometeram na tarefa e as modificações na atividade no córtex pré-frontal dorsolateral e motor em ambos os hemisférios. Porém, as possíveis mudanças na sensibilidade e no ato motor estão em fase de análise. Os resultados para o erro na tarefa nos intervalos de 4 e 9 segundos foram estatisticamente significativos (p<0,05) onde, o grupo com treinamento, errou mais que o grupo sem treinamento. Na análise eletrofisiológica houve diferença estatisticamente significativa (p<0,05) entre os grupos para as visitas 1, 2 e 3 e para o follow up de 7 e 15 dias. As modificações corticais para o córtex pré-frontal dorsolateral e córtex motor foram estatisticamente diferentes entre os grupos com treinamento e sem treinamento (p<0,05) entre as três visitas e o follow up de 7 e 15 dias. Os doentes de Parkinson também apresentaram melhora da sensibilidade, motricidade e diminuiram o uso do medicamento após a realização do tratamento (p<0,05). Conclui-se que a percepção temporal é uma alternativa de tratamento não invasiva em indivíduos com doença de Parkinson.

  • ALLANE MARIA VAZ RIBEIRO
  • Análise fitoquímica do extrato etanólico das folhas de Persea willdenovii, Kosterm e de sua atividade antibacteriana sobre Streptococcus mutans

  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 05/05/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho faz uma análise da composição fitoquímica do extrato etanólico das folhas de Persea willdenovii e de sua atividade antimicrobiana contra Streptococcus mutans, considerada principal bactéria envolvida na etiopatogenia da cárie dental. O material botânico foi coletado em Botucatu- São Paulo, identificado e tombado no herbário da Universidade Federal do Ceará. O extrato etanólico foi obtido a partir das folhas secas, moídas, misturadas com etanol, filtradas, concentrado em rotavapor e seco em estufa. Foram feitos testes qualitativos de prospecção fitoquímica para diferentes constituintes: flavonóides, taninos e fenóis, açúcares redutores, esteroides e triterpenoides, leucoantocianidinas, catequinas e flavanonas, polissacarídeos, alcaloides e ácidos orgânicos. Os testes confirmaram presença de flavononois, fenóis, taninos, açúcares redutores, esteróides, triterpenóides e flavanonas. A quantificação de compostos fenólicos foi realizada usando a curva padrão de ácido gálico e para quantificação de flavonóides foi utilizada a curva padrão de quercetina analisadas em espectro UV. O teor de fenólicos totais foi de 15,97% e o teor de flavonóides foi de 2,5%. Para os testes antimicrobianos sobre S. mutans, foram determinadas as concentrações inibitórias e bactericidas mínimas (CIM e CBM) por método de microdiluição, além do efeito do extrato sobre o biofilme da bactéria. Obsersou-se susceptibilidade ao extrato com CIM de 31,2 µg/ml e CBM de 62,5 µg/mL além da inibição da viabilidade do biofilme em até 96,5% comparado à clorexidina. Concluiu-se a presença de fenóis e flavonoides no extrato além de promissor efeito antibacteriano e antibiofilme sobre S. mutans.

  • ALLAN TEIXEIRA SILVA
  • Estudo de associação de polimorfismos dos genes KCNJ11 e ABCC8 com o risco de Diabetes Melitus tipo 2 em uma população do Nordeste Brasileiro

  • Orientador : FRANCE KEIKO NASCIMENTO YOSHIOKA
  • Data: 29/04/2016
  • Mostrar Resumo
  • O diabetes mellitus é uma síndrome metabólica caracterizada pelo aumento da concentração de glicose no sangue, acompanhada de distúrbios metabólicos nas proteínas e ácido graxos. O DM2 é consequência de uma interação complexa entre fatores genéticos, epigenéticos e ambientais. Embora os fatores ambientais pareçam ter um peso maior, os fatores genéticos têm ganhado notoriedade nos últimos tempos devido ao desenvolvimento de tecnologias de biologia molecular e estudos de associação. Polimorfismos dos genes KCNJ11 e ABCC8 já foram associados em diversas populações ao risco aumentado de desenvolver diabetes. O objetivo deste estudo é avaliar a influência dos polimorfismos KCNJ11 Glu23Lys e ABCC8 Ser1369Ala, bem como seus haplótipos, no desenvolvimento do DM2 em uma população do nordeste brasileiro e suas relações com as variáveis clínicas e bioquímicas de pacientes e controles. Para compor o grupo de estudo do presente trabalho foram coletadas amostras de 235 pacientes não aparentados diagnosticados com DM2. Também foram coletadas 206 amostras de controles saudáveis provenientes de laboratórios de análises clínicas, sem condições associadas à doença, confirmado por exames clínicos e laboratoriais e sem história familiar de diabetes. Dados laboratoriais como HbA1c, glicemia em jejum, colesterol HDL, colesterol total e triglicerídeos, bem como o IMC foram coletados dos dois grupos. A análise dos polimorfismos foi realizada utilizando-se a técnica de PCR-RFLP. As frequências genotípicas de KCNJ11 e ABCC8 não diferiram significativamente entre os grupos casos e controles (p=0,7863 e p=0,2145), bem como as frequências alélicas (p=0,87 e p=0,75). Em nenhum dos casos foi observada uma maior chance de desenvolver DM2 associada a qualquer dos genótipos (p>0,05). Os polimorfismos KCNJ11 Glu23Lys e ABCC8 Ser1369Ala apresentam um forte desequilíbrio de ligação (D’=0,911 e r²=0,779). Nenhum dos haplótipos diferiu significativamente entre a população caso e controle (p>0,05). Virificou-se que os níveis colesterol total são mais baixos em controles que possuem duas cópias do alelo KCNJ11 Lys23 (p=0,0338) e que esses indivíduos ainda possuem níveis de HbA1c mais elevados que portadores do genótipo selvagem KCNJ11 Glu23 (p=0,0091). Os níveis de HbA1c foram consideravelmente mais elevados apenas em homozigotos ABCC8 Ala1369 quando comparados a homozigotos ABCC8 Ser1369. Pacientes com DM2 que possuem os genótipos KCNJ11 Lys/Lys e ABCC8 Ala/Ala e não fazem uso de insulina e sulfonilureias simultaneamente apresentam um IMC significativamente mais baixo que portadores dos genótipos KCNJ11 Glu/Glu (p=0,0003) ou Glu/Lys (p=0,0003) e ABCC8 Ser/Ser (p=0,0151) ou Ala/Ser (p=0,0082). Em suma, nosso estudo não encontrou correlações significativas entre os polimorfismos KCNJ11 Glu23Lys e ABCC8 Ser1369Ala com uma suscetibilidade aumentada para o DM2. No entanto, as diferenças apresentadas por algumas das variáveis analisadas entre os diferentes genótipos sugerem que os polimorfismos abordados desempenham um papel importante no curso dessa doença.

     

  • NARA CALAÇA RIBEIRO
  • ESTUDO DE CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E DE ATIVIDADE BIOLÓGICA DE EXTRATOS DE Anacardium microcarpum Ducke e Anacardium occidentale L.(ANACARDIACEAE) NO ESTADO DO PIAUI, BRASIL

  • Orientador : IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
  • Data: 18/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Cajuí é um termo atribuído a uma variedade de caju (Anacardium occidentale L.) que tem como principais características fruto e hipocarpo de pequeno tamanho. Na vegetação litorânea do Piauí populações de cajuí apresentam características da espécie descrita como Anacardium microcarpum Ducke, nomenclaturalmente considerado sinônimo de A. occidentale. Com o objetivo de caracterizar o cajuí e o cajuí ocorrentes no litoral do Piauí, foi realizado estudo de caracterização química e de atividade biológica de extratos de folhas, cascas e exsudatos utilizando amostras obtidas de populações naturais. As amostras de cajuí mostraram mais acidez que as de caju, não houve diferença significativa quanto ao rendimento, os fitoconstiuintes nos extratos hidroetanólicos de ambas as espécies mostraram diferenças significativas, e os extratos de cajuí apresentaram grande potencial antioxidante, com CI50 variando de 45,81 μg/ml a 62,89 μg/ml, evidenciando correlação entre a atividade antioxidante e teor de compostos fenólicos. Observou-se ainda, efeito antibacteriano em todos os extratos testados frente às linhagens de bactérias Gram-positivas (Staphylococcus aureus, Staphylococcus aureus MRSA, Streptococcus mutans, S. saprophyticus e S. epidermidis) com MIC’s variando de 62,5 μg/ml a 1000 μg/ml para extratos de cajuí e de 62,5 μg/ml a 2000 μg/ml para extratos de caju. Porém, para os exsudatos não foram detectadas atividades biológicas. Os resultados do estudo caracterização química e de atividade biológica foram de grande relevância uma vez que houve a identificação de compostos secundários presentes nas partes estudadas, essenciais no processo de identificação do status taxonômico do cajuí ocorrente na vegetação do litoral piauiense, além de demonstrar seu potencial biológico como candidato a gerar bioprodutos.
     
  • TEREZA CRISTINA DE CARVALHO SOUZA GARCÊS
  • Caracterização Molecular de Dengue virus Circulantes e Investigação de Flavivírus Emergentes no Estado do Piauí.

  • Orientador : GUSTAVO PORTELA FERREIRA
  • Data: 10/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • Os arbovírus são vírus transmitidos por vetores artrópodes e podem infectar seres humanos e animais. Estes vírus constituem um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, resultando em elevadas taxas de morbidade e mortalidade. Produzem diferentes manifestações clínicas, que variam de doença febril a formas graves, incluindo alterações hemorrágicas e neurológicas. Em 2015, nove arbovírus que causam doenças em humanos tem circulado no Brasil, entre eles destacam-se o Dengue virus (DENV), West Nile virus (WNV) e Saint Louis encefalite virus (SLEV) e recentemente a emergência do Zika virus (ZIKV) e Chikungunya virus (CHIKV) causando doenças exantemáticas, tem dificultado o diagnóstico laboratorial destes arbovírus. O objetivo desse trabalho é detectar através de métodos moleculares os Flavivírus associados a doenças exantemáticas e caracterizar geneticamente os sorotipos do Dengue virus, circulantes no estado do Piauí durante o período de 2014-2015. Foram analisadas 114 amostras de soro e 14 amostras de líquido cefalorraquidiano (LCR) de pacientes com suspeita clínica de dengue ou outras arboviroses cedidas por laboratório públicos e privados, localizados no estado do Piauí. O RNA viral (vRNA) foi extraído e convertido em cDNA, através da técnica de Transcrição Reversa (RT) com o uso de iniciadores aleatórios. Na amplificação dos produtos foram analisadas três regiões de interesse distintas: os genes C/prM, E e NS5, em seguida quatro amostras de pacientes com sinais e sintomas de gravidade foram purificadas e sequenciadas pelo método de Sanger (1977), as sequências obtidas foram alinhadas e comparadas quanto ao grau de identidade com sequências depositadas no GenBank. Uma árvore filogenética foi construída através do programa Mega v.6.0, por análise de Máxima Verossimilhança a partir do gene E, que possui altas taxas de recombinação, resultando no surgimento de variantes a partir de genótipos e linhagens, que podem estar associados ao desenvolvimento de formas graves, e análises dessa região permitem acompanhar a evolução viral. O gene NS5 consiste em uma região altamente conservada entre os Flavivírus, o que permite monitorar a sua inserção em determinada região geográfica. Das amostras analisadas por RT-PCR, 22 amostras de soro foram positivas e as do líquido cefalorraquidiano (LCR) não amplificaram. Este estudo identificou a circulação dos sorotipos DENV 1, DENV 2 e DENV 3 no Piauí, o que reflete a situação de hiperendemicidade no estado. Análises filogenéticas do DENV 1 confirmaram a circulação do genótipo V, que é o único descrito no Brasil até o momento e encontra-se distribuído nas Américas, África ocidental e Ásia. Essas análises indicam a detecção de duas linhagens distintas: linhagem 1 (PI-279), que corresponde a isolados da Venezuela, Colômbia e do Brasil e a linhagem 6 (PI-52), que inclui amostras isolada das Ilhas Virgens e a maioria das amostras Brasileiras. Essa relação com países da América Latina, reforça a hipótese que estes vírus possam ter sido introduzido no Brasil através da rota Caribenha, a qual é conhecida como uma importante via de entrada de novos vírus na América do Sul, incluindo o Brasil. A partir da cocirculação dos diferentes arbovírus, entre eles o quatros sorotipos do DENV, o WNV associado a primeira infecção em humanos no país em 2014 e o ZIKV responsável por um surto de doenças exantemáticas no Nordeste Brasileiro em 2015, o nosso grupo de pesquisa padronizou uma RT-PCR para detecção de ZIKV, DENV 1-4 e SLEV a partir de regiões do gene E e NS5. Estudos complementares baseados no diagnóstico diferencial de arbovírus associados a doenças exantemáticas e caracterização molecular dos Flavivírus circulantes são essenciais para o estabelecimento de medidas preventivas em regiões hiperendêmicas, como o estado do Piauí.


  • ANTONIO CARLOS MENDES DE MOURA
  • ESTUDO DO POLIMORFISMO TAQ1A NO GENE DO RECEPTOR DE DOPAMINA DO TIPO D2 E SEUS POSSÍVEIS EFEITOS EM UMA POPULAÇÃO DE TABAGISTAS DO NORDESTE DO BRASIL

  • Orientador : RENATA CANALLE
  • Data: 03/03/2016
  • Mostrar Resumo
  • O tabagismo é responsável por cerca de 6 milhões de mortes por ano, configurando-se assim como a principal causa de morte evitável no mundo. Variações genéticas que interferem na neurobiologia da dopamina, a exemplo do polimorfismo Taq1A, no gene do receptor da dopamina tipo D2 (DRD2), possivelmente intervêm no estabelecimento e manutenção do hábito tabágico. O presente estudo teve por objetivo realizar uma investigação epidemiológica molecular deste polimorfismo numa amostra populacional de tabagistas da cidade de Parnaíba-PI e verificar sua associação com o hábito tabágico. Foram analisados 135 fumantes e 135 não-fumantes pela técnica de PCR-RFLP. A distribuição das frequências genotípicas e alélicas e a associação do polimorfismo e o fenótipo tabagista foram avaliadas pelos testes do qui-quadrado (χ²), Exato de Fisher e Odds Ratio (OR) com intervalo de confiança de 95%. O genótipo homozigoto selvagem A2/A2 (72; 53,33%) esteve em maior frequência entre os fumantes, enquanto que nos controles prevaleceu o genótipo heterozigoto A1/A2 (64; 47,41%). Em ambos os grupos houve uma maior proporção do alelo A2, 191 (70,74%) entre os fumantes e 168 (62,22%) no grupo controle; ambos os grupos se encontraram em Equilíbrio Hardy-Weinberg. Utilizando o modelo dominante da ação genética do alelo A1 foi possível observar diferença estatisticamente significativa quando se compararam as frequências genotípicas (p = 0,01, OR = 0,53, IC: 0,33-0,86 e p = 0,01) e alélicas (p = 0,03, OR = 0,68, 0,47 – 0,98 e p = 0,05) entre o grupo dos fumantes e grupo controle. As frequências genotípicas e alélicas não diferiram de forma estatisticamente significativa quando analisadas sob o aspecto das diversas características do hábito tabágico. Os dados apontam para uma correlação entre o polimorfismo Taq1A no gene DRD2 e o comportamento dos não-fumantes.

     
  • JESSICA DO AMARAL RODRIGUES
  • OBTENÇÃO DE NANOPARTÍCULAS POLIMÉRICAS A BASE DA GOMA DO CAJUEIRO ACETILADA PARA INCORPORAÇÃO DE EPIISOPILOTURINA

  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Os produtos naturais estão ocupando um crescente interesse no panorama atual devido seu potencial de aplicação em uma ampla variedade de setores tradicionais e emergentes, tais como a produção de materiais biocompatíveis para dispositivos biomédicos. Dessa forma, destacamos a utilização de polímeros naturais, que apresentam características favoráveis a sua aplicação biomédica e farmacêutica, dentre elas podemos destacar abundância, renovação, biodegradabilidade, biocompatibilidade, não-toxidade, além serem fontes de baixo custo. A goma do cajueiro é um polissacarídeo extraído da espécie Anacardium occidentale L., uma planta tropical extensivamente cultivada na região nordeste do Brasil. Na área biomédica a goma do cajueiro se destaca por seu efeito gastroprotetor, antidiarreica, antitumoral, modulatória de macrófagos, efetividade no tratamento tópico de feridas. Bem como, destaca-se ainda na utilização de seus derivados na produção de nanopartículas poliméricas para a incorporação de fármacos, o que permite uma liberação controlada e sustentada. A epiisopiloturina (EPI), também um produto natural, extraído da folha do Jaborandi, é um alcaloide imidazólico, que apresenta uma comprovada atividade, in vitro, contra Schistosoma mansoni e em um estudo mais recente demonstrou promissores efeito anti-inflamatório e antinociceptivo. Neste contexto, buscou-se nanoformular a EPI em umsistema polimérico de goma do cajueiro acetilada, para permitir uma liberação controlada, aumentando assim o benefício terapêutico e minimizando possíveis efeitos secundários. As nanopartículas foram sintezadas pela técnica de diálise, em duas concentrações de polímero e em diferentes proporções polímero:alcaloide. O tamanho médio e índice de polidispersão (PDI) foram determinados pela análise de espalhamento de luz dinâmico (espectroscopia de correlação de fotóns – DLS) e o potencial zeta foi determinado a partir da mobilidade eletroforética das amostras. Foi determinado a quantidade de EPI incorporada nas nanopartículas, além de serem analisadas por Miscroscopia de Força Atômica (AFM) e Análise de Rastreamento de Nanopartículas (NTA). Para compreender o mecanismo de liberação in vitro os dados foram tratados pelo método de Korsmeyer-Peppas. As nanopartículas sintetizadas apresentaram tamanhos médios entre 108,6 e 154,4 nm e índice de polidispesão entre 0,120 e 0,212. O potencial zeta foi negativo para todas as formulações com e sem o ativo. Foi identificada uma eficiência de encapsulação de até 55% de epiisopiloturina. A análise das imagens obtidas por microscopia de força atômica permite afirmar que as nanopartículas apresentam formato esférico e se distribuem de forma agrupada. O tamanho das nanopartículas por NTA encontram-se em consonância com os obtidos por DLS. Além disso, a concentração de nanopartículas variou entre (92,4) x 109 e (136,5) x 109 partículas/mL. A liberação da epiisopiloturina nanoformulada ocorreu de forma lenta e gradual, apresentando um equilíbrio por volta de 6h de liberação. O valor de n encontrado foi de 0,37 para a liberação da EPI, sendo possível afirmar que a transferência de massa segue o modelo de difusão Fickiana. Os resultados obtidos indicam que as nanopartículas a base da goma do cajueiro acetilada incorporadas com EPI apresentam características de sistemas coloidais manométricos e o que permite um perfil de liberação lento e gradual, com difusão do tipo Fikiana tornando assim formas viáveis de formulações de nanopartículas. 

     

     

  • LUCAS DE ARAÚJO BASTOS SANTANA
  • AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIDIARREICA DE PROTEÍNAS DO LÁTEX DE Plumeria pudica (JACQ., 1760)

  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 29/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • O látex vegetal é um fluido de aspecto leitoso liberado por algumas espécies quando estas sofrem algum tipo de injúria mecânica. Fluidos laticíferos são caracterizados pela presença de várias moléculas com propriedades farmacológicas.  Por ser o conteúdo de células especializadas denominadas de laticíferos, o látex se configura como considerável fonte de compostos bioativos sendo composto por lipídios, metabólitos secundários, aminoácidos, proteínas, dentre outros. Vários artigos descrevem propriedades farmacológicas de compostos obtidos a partir de látex, como exemplo do látex de Plumeria pudica que demonstrou apresentar atividade anti-inflamatória e antinociceptiva. Nesse contexto o presente trabalho teve como principal objetivo avaliar as potencialidades de proteínas obtidas a partir do látex de P. pudica (PL) em camundongos, avaliando sua capacidade em interferir na atividade antidiarreica, utilizando modelos de diarreia induzida por agente químico. Após avaliação do perfil de proteínas presentes na fração PL, a atividade antidiarreica de diferentes doses da fração proteica foi avaliada por meio do modelo de diarreia induzida por óleo de rícino, utilizando loperamida como droga de referência. PL foi capaz de reduzir a severidade da diarreia, o número total de fezes e o número de fezes diarreicas. Em adição, foi observado redução do peso total e o volume do conteúdo intestinal nos animais tratados com PL. Dosagem de glutationa reduzida (GSH) e concentração de malondialdeído (MDA) a partir do intestino dos animais revelam que PL reduziu nos níveis de MDA e aumentou os níveis de GSH. Em outro momento foi feito teste de motilidade gastrointestinal, utilizando uma suspensão de carvão ativado como marcador, onde foi medida a distância percorrida pelo carvão no intestino delgado. Os dados obtidos demostram que proteínas do látex de P. pudica foram capazes de inibir a diarreia induzida por óleo de rícino.

     

  • TARCISIO VIEIRA DE BRITO
  • EFEITO ANTI-INFLAMATÓRIO E ANTIOXIDANTE DO POLISSACARÍDEO SULFATADO EXTRAÍDO DA ALGA MARINHA VERMELHA Hypnea musciformis DURANTE A COLITE INDUZIDA POR TNBS EM RATOS

  • Orientador : ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Polissacarídeos sulfatados compreendem um grupo de biopolímeros, heterogêneos e complexos oriundo da matriz extracelular de algas marinhas. O polissacarídeo sulfatado da alga marinha vermelha Hypnea musciformis tem sido bastante estudado devido às suas propriedades e características bioquímicas específicas, por isto este polissacarídeo possui alguns efeitos farmacológicos comprovados, dentre os quais se destaca sua ação anti-inflamatória. Objetivo: O presente trabalho teve como objetivo extrair, caracterizar e estudar a ação anti-inflamatória do polissacarídeo sulfatado da Hypnea musciformis mediante os parâmetros deletérios da colite induzida pelo ácido trinitrobenzeno sulfônico em ratos. Métodos: Neste estudo, o polissacarídeo foi extraído e caracterizado usando técnicas de microanálise elementar, cromatografia líquida de alta eficiência e espectrometria de infravermelho. Para os estudos farmacológicos foram usados ratos Wistar machos pesando (150-200 g), sendo divididos em grupo de 5-7 animais por grupo, em seguida os animais foram tratados com o polissacarídeo sulfatado da H. musciformis nas doses de 10, 30 ou 60 mg/kg, logo em seguida a colite foi induzida usando o ácido trinitrobenzeno sulfônico a 50% em solução de etanol também a 50% v/v. Após três dias da indução da colite os animais foram  eutanasiados e uma amostra de 5 cm do cólon foi retirada para avaliação dos escores macroscópicos, microscópicos, peso úmido e dosagens bioquímica como: mieloperoxidase, interleucina 1 beta, fator de necrose tumoral alpha, glutationa, ácido malonildialdeido e nitrato e nitrito. Resultado: O tratamento dos animais com o polissacarídeo sulfatado da H musciformis na dose de 60 mg/kg apresentou um padrão bastante satisfatório de redução da lesão intestinal, bem como uma diminuição do peso úmido, além disso o polissacarídeo em questão, mostrou uma redução significativa de todos os testes bioquímicos avaliados, com ênfase nos marcadores de migração de leucócitos como mieloperoxidase, citocinas pró-inflamatórias e marcadores de estresse oxidativo in vivo. Conclusão: Os resultados apresentados neste estudo permitem concluir que a ação anti-inflamatória do polissacarídeo sulfatado da H. musciformis foi reproduzida satisfatoriamente, revertendo de forma unânime os parâmetros deletérios da colite no modelo de doença inflamatória intestinal, sugerindo desta forma uma forte relação deste polissacarídeo como a inibição do mecanismo de migração celular por mitigar o aporte de citocina pró-inflamatórias e diminuir o estresse oxidativo nos locais da lesão, isto permite sugerir este polissacarídeo como um potente candidato ao tratamento de pacientes com doença inflamatória intestinal.


     

  • NAYARA ALVES DE SOUSA
  • EFICÁCIA DO POLISSACARÍDEO SULFATADO EXTRAÍDO DA ALGA MARINHA VERMELHA Hypnea musciformis CONTRA DIARREIA EM ROEDORES

  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 26/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • As algas marinhas são fonte de diversos compostos biologicamente ativos com potencial ação terapêutica, como os polissacarídeos sulfatados (PLS). Estes estão envolvidos em vários processos celulares e são reconhecidos por apresentarem um grande número de atividades biológicas, incluindo ação moduladora gastrointestinal. Considerando que a diarreia é a manifestação clínica mais frequente relacionada com doenças gastrointestinais, sendo responsável por cerca de milhões de mortes anualmente, principalmente entre crianças menores de 5 anos de idade, e que atualmente não existe um tratamento específico destinado a esse problema clínico, o objetivo do presente estudo foi avaliar a eficácia antidiarreica do PLS extraído na alga marinha vermelha H. musciformis utilizando distintos modelos experimentais, bem como avaliar os possíveis mecanismos envolvidos neste efeito. Os procedimentos e protocolos experimentais utilizados nesse estudo foram aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa Animal (CEPA) da Universidade Federal do Ceará (Protocolo n° 11/2013).  Inicialmente, o efeito antidiarreico do PLS foi avaliado no modelo de diarreia aguda e enteropooling induzido por óleo de rícino. Dessa forma, ratos wistar (150-180 g) foram pré-tratados com salina (2,5 ml/kg, v. o.), ou loperamida (5 mg/kg, v. o.), ou PLS (10, 30 e 90 mg/kg, v. o.). Uma hora depois os ratos receberam óleo de rícino (10 ml/kg, v. o.). Após 3 horas foi avaliada a severidade da diarreia, o número total de fezes, o número total de fezes diarreicas e a medição do volume do conteúdo intestinal (enteropooling). Além disso, a partir da indução da diarreia com óleo de rícino, foi avaliada a atividade da proteína Na+ K+ ATPase presente no intestino delgado de camundongos (swiss; 25-30g) mensurada partir da hidrólise do ATP na presença de cátions apropriados. Em outros grupos experimentais, com camundongos, foi realizado o teste de motilidade intestinal, utilizando 0,2 ml de carvão (suspensão de 10% de carvão em 5% de goma arábica, v. o.) como marcador da distância percorrida ao longo do intestino. Para verificar um possível envolvimento de mecanismo opióide e colinérgico na atividade do PLS sobre o trânsito intestinal foi utilizado naloxona (2 mg/kg, s. c.; antagonista opioide) e betanecol (3 mg/kg, i. p.; agoista colinérgico), respectivamente. Para o estudo do esvaziamento gástrico, outro grupo experimental (camundongos) foi tratado, por via oral, com PLS (90 mg/kg) e uma hora depois receberam uma solução glicosada (5%) contendo vermelho de fenol (0,75 mg/ml). Após 20 minutos, os animais foram eutanasiados e o esvaziamento gástrico foi avaliado por técnica de espectrofotometria. O efeito antidiarreico do PLS ainda foi analisado pelo modelo de diarreia inflamatória induzida por prostaglandina do subtipo E2 (PGE2), em ratos. Assim, os animais foram pré-tratados com PLS (90 mg/kg, v. o.) e imediatamente após a administração, PGE2 (100 µg/kg, v. o.) foi administrada. Após 30 minutos, os animais foram eutanasiados e o volume do contéudo intestinal foi mensurado. Foi utilizado o modelo de secreção intestinal induzida pela toxina da cólera (TC) (1 µg/alça) em camundongos para caracterizar a atividade antissecretória do PLS. A seguir, foi determinada a concentração de íons cloreto no fluido intestinal acumulado em cada alça isolada, bem como foi avaliado o feito do PLS na absorção intestinal. Além disso, a capacidade de ligação do PLS ao receptor monossialogangliosídeo- GM1 foi analisada por meio da técnica de ELISA. O pré-tratamento com todas as doses do PLS (10, 30 e 90 mg/kg) inibiu significativamente (P < 0,05) a diarreia induzida por óleo de rícino, com redução do número total de fezes, número total de fezes diarreicas e severidade da diarreia. A dose de 90 mg/kg reduziu significativamente (P < 0,05) o efeito antidiarreico no enteropooling induzido por óleo de rícino, aumentou (P < 0,05) a atividade da proteína Na+ K+ ATPase no intestino delgado, reduziu (P < 0,01) o trânsito intestinal, possivelmente por meio da ativação de receptores colinérgicos, além de inibir (P < 0,05) o enteropooling induzido por PGE2. Contudo, o PLS não mostrou influência no esvaziamento gástrico. Além disso, a secreção de fluido e os níveis de cloreto presentes no conteúdo intestinal induzidos pela TC, foram reduzidos significativamente (P < 0,001) nos animais pré-tratados com PLS, provavelmente devido a interação com o receptor GM1. Em conclusão, os resultados sugerem que o PLS exerce seu efeito antidiarreico devido a capacidade em aumentar a atividade de Na+ K+ ATPase no intestino delgado, inibir a motilidade intestinal associada a uma possível atividade anticolinérgica, bem como bloquear a ligação TC-GM1. 

  • EMANUEL AIRTON DE OLIVEIRA FARIAS
  • Desenvolvimento e caracterização de filmes Layer-by-Layer à base de PAni e polissacarídeos de algas para aplicações em sensores eletroquímicos

  • Orientador : CARLA EIRAS
  • Data: 24/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo o desenvolvimento e caracterização de filmes Layer-by-Layer à base de Polianilina (PANI), intercalada com polissacarídeos regionais para aplicações em sensores eletroquímicos. A PANI é um polímero condutor ambientalmente compatível que tem despertado enorme interesse devido às suas propriedades eletroquímicas, anticorrosivas e eletrocrômicas. Numa primeira etapa desta pesquisa, a PANI foi intercalada com a carragenana e o agar, ambos extraídos de algas vermelhas, e estudou-se as propriedades eletroquímicas (Voltametria Cíclica - VC), espectroscópicas (espectroscopia na região do UV-Vis) e morfológicas (microscopia de força atômica - AFM) desses filmes. Por VC observou-se que tanto a carragenana quanto o agar melhoraram a estabilidade eletroquímica da PANI em meio ácido devido a um efeito antioxidante. Além disso, a carragenana e o agar melhoraram a adsorção da PANI nos substratos utilizados, auxiliando ainda numa melhor estruturação dos filmes. Os resultados obtidos por AFM mostraram que os filmes de agar/PANI e carragenana/PANI crescem cerca de aproximadamente, 7nm e 8nm, respectivamente, por bicamada adsorvida. Após caracterização, os filmes de agar/PANI foram aplicados na detecção do Cr(VI), um metal muito tóxico mesmo a baixas concentrações. O LD (limite de detecção) e o LQ (Limite de quantificação) calculados foram de 2,48 µmol L-1 e 7,51 µmol L-1, respectivamente. Numa segunda etapa deste estudo, o mesmo polímero condutor (PANI) foi intercalado com nanopartículas de ouro estabilizadas com a carragenana (carr-AuNPs). Os filmes de PANI e carr-AuNPs foram adsorvidos em eletrodos flexíveis de ouro (EFAu) e caracterizados por VC, UV-Vis e AFM. Neste estudo observou-se que as nanopartículas produzidas melhoraram a estabilidade eletroquímica e condutividade da PANI em meio neutro (PBS, pH 7,1), quando intercaladas em conjunto. O filme de EFAu/PANI/carr-AuNPs mostrou-se promissor para aplicações em biossensores.

     

     


  • THIAGO DE SOUZA LOPES ARAÚJO
  • ATIVIDADE ANTIDIARREICA DA GOMA DO CAJUEIRO, UM HETEROPOLISSACARÍDEO COMPLEXO EXTRAÍDO DO EXSUDATO DE Anacardium occidentale L., EM ROEDORES
  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 08/01/2016
  • Mostrar Resumo
  • Diarreia é uma condição em que há um aumento da defecação, afetando pessoas em países desenvolvidos e em desenvolvimento, onde milhões de indivíduos morrem a cada ano devido a esta doença. Tendo isso em mente, a Organização Mundial da Saúde passou a incentivar estudos sobre a diarreia, que incluem pesquisas sobre medicina popular à base de plantas, dentre estas, Anacardium occidentale L. (Anacardiaceae), comumente conhecida como cajueiro. Nativa da América tropical, extratos de suas folhas, casca, raízes, líquido da castanha e exsudato têm sido tradicionalmente utilizados no nordeste do Brasil para o tratamento de várias doenças. O exsudato do cajueiro (goma do cajueiro) tem sido explorado por habitantes locais desde tempos antigos para várias aplicações, incluindo o tratamento de doenças diarreicas. Sendo assim, o objetivo do presente estudo foi avaliar a atividade antidiarreica da goma do cajueiro (GC), um heteropolissacarídeo complexo extraído do exsudato do cajueiro, usando diferentes modelos. Inicialmente, a atividade antidiarreica da GC foi avaliada no modelo de diarreia aguda e enteropooling induzido por óleo de rícino. Assim, ratos (Wistar) (150-180 g) foram pré-tratados com a GC (30, 60, e 90 mg/kg, v.o.), e depois de 1 h receberam óleo de rícino (10 ml/kg, v.o.). Os animais foram então colocados em gaiolas forradas com papel absorvente e observados durante 3 h para a presença de diarreia. Em seguida, os animais foram eutanasiados, o intestino delgado do piloro ao ceco foi isolado e o volume do conteúdo intestinal foi medido em tubo graduado. Na diarreia induzida por PGE2, os animais foram pré-tratados com a GC (60 mg/kg, v.o.) e imediatamente após a administração, PGE2 foi administrada (100 µg/kg, v.o.). Após 30 minutos os amimais foram eutanasiados e o volume do conteúdo intestinal foi mensurado. A goma do cajueiro foi avaliada também no trânsito gastrointestinal utilizando carvão ativado. Camundongos (Swiss) (25-30 g) receberam óleo de rícino para produzir diarreia e 1 h depois foram tratados com a GC (60 mg/kg, v.o.). Após 1 h, todos os animais receberam 0,2 ml de carvão ativado por via oral. Vinte minutos mais tarde, os animais foram eutanasiados e a distância percorrida pelo carvão no intestino a partir do piloro até o ceco foi medida. A participação opióide e colinérgica da GC no trânsito gastrointestinal foi também investigada usando naloxona (2 mg/kg, s.c.; antagonista opióide) e betanecol (3 mg/kg, i.p.; agonista colinérgico), respectivamente. Para o estudo do esvaziamento gástrico, camundongos foram tratados com a GC (60 mg/kg, v.o.) e 1 h depois receberam uma solução glicosada (5%) contendo vermelho de fenol (0,75 mg/ml). Após 20 minutos os animais foram eutanasiados e o esvaziamento gástrico foi mensurado por espectrofotometria. Além disso, o efeito da GC (60 mg/kg, v.o.) na diarreia secretora foi investigado utilizando o modelo de secreção de fluido em alças intestinais isoladas de camundongos vivos tratadas com a toxina da cólera. A GC foi também avaliada quanto à sua capacidade em estimular a absorção de fluidos em alças intestinais isoladas e interagir com receptores GM1 utilizando ELISA. A GC (30, 60, e 90 mg/kg, v.o.) mostrou significativo (P<0,05-0,01) efeito antidiarreico na diarreia induzida por óleo de rícino em ratos, inibindo a quantidade total de fezes e fezes diarreicas. A dose de 60 mg/kg da GC exibiu uma excelente atividade antidiarreica, reduzindo significativamente (P<0,05) a severidade da diarreia (escores de diarreia) e o volume de secreção de fluido intestinal (enteropooling) no modelo induzido por óleo de rícino e PGE2, além de reduzir a distância percorrida pelo carvão ativado no modelo de trânsito gastrintestinal através da interação com receptores opióides e colinérgicos. No entanto a GC não teve nenhuma influência no esvaziamento gástrico, sugerindo que seu efeito na redução do trânsito gastrointestinal ocorreu apenas em nível de intestino. Na diarreia secretora induzida pela toxina da cólera, a GC (60 mg/kg) inibiu significativamente a secreção de fluido intestinal e a perda de íons Cl- por competição de ligação à receptores GM1. Em conclusão, nossos resultados indicam que a GC possui atividade antidiarreica em modelos de diarreia aguda, inflamatória e secretora, o que poderia justificar o seu uso tradicional no tratamento da diarreia no nordeste do Brasil. A atividade antidiarreica da GC pode ser explicada pela sua capacidade em inibir a motilidade intestinal e, assim, reduzir a acumulação de fluido intestinal e inibir a secreção de íons cloreto e água para o lúmen do intestino.

     


     

     

     

     

2015
Descrição
  • KALINE DE MELO ROCHA
  • BAIXA FREQUÊNCIA DE EMTr APLICADA BILATERALMENTE NO CÓRTEX PARIETAL SUPERIOR NÃO AFETA A REPRODUÇÃO DO TEMPO, MAS AUMENTA A PREDOMINÂNCIA DA BANDA BETA NO CÓRTEX PRÉ-FRONTAL DORSOLATERAL DIREITO

  • Orientador : SILMAR SILVA TEIXEIRA
  • Data: 10/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • Evidências sugerem que a baixa frequência da Estimulação Magnética Transcraniana repetitiva (EMTr) aplicada ao córtex parietal posterior pode induzir mudanças na percepção do tempo. Em particular, o processamento temporal por intermédio de tarefas de reprodução tempo permite determinar o como o cérebro humano comporta ao perceber o tempo, uma vez que trabalha com os aspectos cognitivos, como a memória e nível de atenção. Portanto, o presente estudo comparou a influência da EMTr a 1Hz aplicada na posição do eletrodo Pz da eletroencefalografia no córtex parietal superior. Foi analisada a assimetria da banda alfa e beta no córtex pré-frontal dorsolateral (CPFDL) e o erro que os participantes apresentaram nosintervalos de suprassegundos. Osresultados demonstram que os participantes dos grupos sham e 1Hz cometeram mais erros em intervalos de tempo mais longos (p <0,05). Apesar de os participantes dos dois grupos sub-reproduzirem o tempo, os do grupo 1Hz chegaram mais perto do intervalo de tempo do alvo em relação aos participantes dogrupo sham (p <0,05). Além disso, as oscilações da banda beta mostraram que hámodificações na atividade cortical e um aumento na predominância da atividade da banda beta no CPFDL direito durante as tarefas de reprodução tempo após a aplicação de 1Hz da EMTr, mas não após a estimulação no grupo sham. Estes achados demonstram que as oscilações da assimetria da banda beta em tarefas de reprodução do tempo promovem a compreensão da predominância do CPDFL direito.  

     

     

     

  • FELIPE BASTOS ARARUNA
  • Síntese verde via micro-ondas de nanopartículas de prata utilizando goma do cajueiro modificada por carboximetilação

  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 31/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • O uso de materiais biológicos tais como, extratos de plantas, gomas, leveduras, fungos, bactérias e borrachas, tem sido investigado na síntese de nanopartículas metálicas. Utilizar materiais biológicos em substituição a reagentes severos, empregados na síntese de nanopartículas, surge como tentativa de encontrar condições mais amenas que viabilizem sua utilização em aplicações biológicas, dentro deste contexto, tais sínteses vêm sendo denominadas de “síntese verde”. A goma do cajueiro, atualmente, tem sido submetida a alterações químicas no intuito de aprimorar sua capacidade de redução e estabilização das Nanopartículas de Prata (AgNPs). Dentre as rotas de redução da prata, o uso de micro-ondas vem se destacando por ser um método de síntese verde com a vantagem de possuir um tempo de reação relativamente curto e com boa porcentagem de conversão. A síntese de AgNPs foi realizada pela mistura de soluções de AgNO3 (1 mM) e goma de cajueiro a 0,3% m/v com pH previamente ajustado a 10 ou 11 (com ou sem modificação por carboximetilação). Em seguida, a solução foi submetida à ação de micro-ondas durante 3 minutos. As AgNPs formadas foram caracterizada por espectroscopia na região do UV-visível, Dinamic Light Scattering (DLS), Microscopia Eletrônica de Transmissão e Absorção Atômica. A atividade antimicrobiana foi realizada pela determinação da concentração inibitória mínima (CIM) das AgNPs sobre as bactérias Staphylococcus aureus e Escherichia coli pelo método de microdiluição em caldo no qual os micro-organismos foram submetidos à ação das AgNPs em concentrações que variaram de 250 a 15,8 μM. O nitrato de prata e a goma de cajueiro também foram avaliadas para fins de controle.

  • ANDREANNE GOMES VASCONCELOS
  • Avaliação da Atividade Anti-Inflamatória de Frações de Licopeno de Goiaba (Psidium guajava L.).

  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 17/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • Apesar de a inflamação ser uma reação normal do organismo contra agentes danosos, o processo inflamatório é agressivo e está relacionado à etiopatogênese de várias doenças crônicas. Neste contexto, os produtos naturais surgem como alternativas para o desenvolvimento de novos agentes anti-inflamatórios. Modelos experimentais em ratos têm demonstrado que o licopeno, ou frações ricas em licopeno, desempenham um papel importante na modulação da inflamação. Assim, o objetivo do trabalho é avaliar a atividade anti-inflamatória do licopeno oriundo da goiaba vermelha, na forma de extrato de licopeno (LEG) e licopeno purificado (LPG), bem como analisar o mecanismo envolvido no efeito. A atividade anti-inflamatória foi testada em modelo de edema de pata induzido por carragenina, bem como foi avaliado o efeito sobre a migração neutrofílica e sobre a concentração de Glutationa Reduzida (GSH) em modelo de peritonite. Os resultados mostraram que LEG (50 mg/kg i.p. e 100 mg/kg v.o.) e LPG (12.5 mg/kg v.o.) apresentaram o efeito inibitório máximo, com 80,33%, 80,33% e 70,49% de inibição, respectivamente, considerando a terceira hora após a indução do edema. LPG (12,5 mg/kg v.o.) reduziu significativamente a migração leucocitária e o recrutamento de neutrófilos para a cavidade peritoneal e apresentou um efeito redox-protetor, sugerido pelo aumento dos níveis de GSH. Apesar de ser bem estabelecida a atividade anti-inflamatória do licopeno de diversas fontes, este é o primeiro relato sobre o oriundo da goiaba vermelha.

     

  • THAIS DANYELLE SANTOS ARAÚJO
  • AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE E NANOENCAPSULAÇÃO DO ÓLEO ESSENCIAL DE ALFAVACA Ocimum gratissimum L. COM APLICAÇÃO TECNOLOGICA NA CONSERVAÇÃO DE PESCADO

  • Orientador : PEDRO SANCHES DOS REIS
  • Data: 27/07/2015
  • Mostrar Resumo
  • Os óleos essenciais possuem diversas aplicações nas indústrias de alimentos, bebidas, produtos de perfumaria e farmacêutica, sua falta de solubilidade e o elevado grau de volatilidade apresentam problemas significativos para determinar os efeitos biológicos destes óleos. O processo de oxidação introduz um sabor a ranço e diminui as qualidades nutricionais e sensoriais dos produtos alimentares, o que os torna inaceitável para os consumidores. Uma vez que a aplicação de anti-oxidantes naturais pode ser uma das formas tecnicamente mais simples de reduzir a oxidação de gordura. Os compostos antioxidantes nos alimentos desempenham papéis importantes como fatores de proteção da saúde, sendo também amplamente utilizados em processamento de alimentos para prevenir ou retardar a deterioração dos alimentos. O presente estudo propõe a encapsulação do óleo essencial de Ocimum gratissimum em nanopartículas poliméricas de quitosana com goma do cajueiro, através da avaliação da estabilidade, tamanho, potencial zeta e morfologia para aplicação na conservação de pescado, através da análise da vida de prateira de files de uma espécie de peixe dulcícola.

  • FERNANDA OLIVEIRA SOUSA ARARUNA
  • Obtenção e caracterização do amido do mesocarpo do coco babaçu (Orbignya phalerata Mart) como agente espessante para o auxílio na alimentação de pacientes com disfagia

  • Orientador : LIVIO CESAR CUNHA NUNES
  • Data: 29/05/2015
  • Mostrar Resumo
  • A palmeira do Babaçu (Orbignya phalerata Mart.) é uma árvore de palma da família das palmaceas Arecaceae. O fruto do babaçu é um coco composto de três partes: epicarpo, mesocarpo, endocarpo e amêndoa. Por ser rico em amido (50 a 60%), estuda-se esse material na função de adjuvante farmacêutico. O potencial gelificante do amido já é conhecido e essa característica tem melhorado a qualidade de vida de milhares de pacientes com problemas na deglutição de alimentos líquidos. Sabendo-se do potencial biológico dessa palmeira e da escassez de estudos que comprovem sua eficiência na indústria de alimentos e fármacos, este trabalho buscou obter e caracterizar géis a base de amido do mesocarpo do coco babaçu (AMB), para utilizá-lo como espessante no auxílio da alimentação de pacientes com disfagia. Este estudo visa ainda o desenvolvimento tecnológico industrial desse material vegetal, trazendo perspectivas para a valorização das riquezas regionais, o que poderá ajudar diretamente as comunidades nordestinas que usam como sua principal fonte de sustento a extração do coco. O amido contido no mesocarpo foi extraído por peneiração em malhas finas, lavado com água deionizada, metabissulfito de sódio 5 g/L, hidróxido de sódio a 0,05 mol/L, álcool etílico absoluto, por fim seco em estufa. Para comparação dos efeitos da purificação nas características do gel, quatro amostras foram analisadas: mesocarpo bruto de babaçu, sem nenhum tratamento (A1), mesocarpo tamisado (A2), amido de mesocarpo purificado (A3) e amido farmacêutico (A4). Os resultados mostram que todos os géis formados apresentaram comportamento não newtoniano, pseudoplástico o pico de viscosidade (utilizou-se o Rapid Visco Analyser) do AMB (A3) foi de 1443,7 cP a 80,7 °C, muito superior ao A4, o que demonstra sua promissora aplicação como espessante. Mais testes devem ser realizados a fim de comprovar seus benefícios fisiológicos na interação alimentar.

  • EMANUELLE MORAIS SILVA
  • Purificação e avaliação  da motilidade gastrointestinal induzida por um peptídeo obtido da da secreção cutânea do anfíbio Hypsiboas raniceps

  • Orientador : CLAUDIO ANGELO VENTURA
  • Data: 30/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • A secreção cutânea de anfíbios é uma rica fonte de diversas moléculas. Um importante grupo de tais moléculas são os peptídeos bioativos. Anuros da subfamília Hylinae (Hylidae-Amphibia) expressam diversos componentes pertencentes a este grupo. O presente estudo descreve a purificação e determinação da estrutura primária de um peptídeo obtido a partir da secreção cutânea do anfíbio Hypsiboas raniceps, coletado em uma região pertencente à Área de Proteção Ambiental do Delta do Parnaíba. A purificação do peptídeo foi feita por meio de sistema HPLC, sendo possível isolar 765,72μg de 3 mg do extrato total, sequenciado e analisado por meio de espectrometria de massa MALDI TOF, com o resultante de sua massa molecular de 1216.6 Da, apresentando a seguinte sequência de aminoácidos: H-GGNQWAIGHFM-NH2. A síntese química foi realizada por técnica manual em fase sólida. Adicionalmente foi encontrada uma analogia ao peptídeo bombesina. Para avaliar os aspectos de similaridade, foi realizado o teste biológico de motilidade gastrointestimal comparativos entre a bombesina e o peptídeo HRbombesin. O esvaziamento gástrico e o trânsito intestinal foram determinados segundo a técnica descrita por Reynell & Spray. Comparado ao grupo controle, observou-se aumento na retenção da refeição teste (0,75 mg/mL de solução vermelho de fenol em 5% de glicose) na porção medial do intestinal (p<0,05) de 17,92±3,8% (grupo controle salina) para 34,9±4,7 nos animais tratados com HRbombesin na concentração 160 µg/kg no tempo de 10 min pós gavagem. No tempo de 20 min, o aumento de retenção ocorreu na região distal do intestino delgado de 4,00±0,79%(grupo controle salina) para 11,37±2,14% nos animais tratados com HRbombesin na concentração 160 µg/kg. O mesmo ocorreu no tempo de 30 minutos, onde o aumento de retenção de 11,30±3,80 (grupo controle salina) foi para 26,42±4,40. Em síntese, o peptídeo HRbombesin apresentou atividade de retenção em algumas porções no transito intestinal, apenas na concentração mais elevada e não demonstrou significância no esvaziamento gástrico .

  • JOHN DE OLIVEIRA MAGULAS
  • INFLUÊNCIA DO POLIMORFISMO DE REGIÃO PROMOTORA -1562 C/T MMP-9 EM UMA POPULAÇÃO COM CÂNCER DE PRÓSTATA DO NORDESTE BRASILEIRO.

  • Orientador : FABIO JOSE NASCIMENTO MOTTA
  • Data: 30/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • O câncer de próstata (CaP) é uma das neoplasias malignas mais comum entre homens em vários países no mundo inteiro. A etiologia do CaP é heterogênea, o que implica interações complexas entre fatores genéticos e ambientais. As metaloproteinases de matriz (MMPs) são enzimas proteolíticas que desempenham papéis importantes na invasão e metástase de células tumorais, degradando componentes da matriz extracelular. Variações genéticas específicas em regiões promotoras dos genes de MMP, que afetam a sua expressão, têm sido associadas à suscetibilidade a diversas doenças, inclusive o câncer, o que tem motivado a realização de estudos de associação genética com o CaP. Considerando a distribuição heterogênea da variante polimórfica MMP-9 -1562 C/T em diferentes populações mundiais e sua associação com diversas doenças, o presente estudo caso-controle teve como objetivo Investigar a prevalência da variante polimórfica em uma população miscigenada do Nordeste Brasileiro. Em adição, avaliar a associação deste SNPcom os parâmetros clínicopatológico da doença. Foram incluídos no estudo 100 pacientes com CaP e 100 indivíduos saudáveis do estado do Piauí. Após a extração do DNA a partir das amostras de tecido de carcinoma prostático dos pacientes e sangue periférico dos controles, o polimorfismo foi analisado por PCR-RFLP. Os genótipos foram observados após eletroforese em gel de poliacrilamida (8%) e coloração por nitrato de prata. A população encontrou-se em equilíbrio de Hardy-Weinberg para o loci investigado. Observou-se maior frequência do genótipo CC (84%) e do alelo C (92%) entre os controles, e maior prevalência de CT+TT (20%) e do alelo T (11%) entre os casos, no entanto sem significância estatística. Não houve evidências de associação da variante polimórfica com o CaP e com os parâmetros clínicopatológicos da doença. Estes resultados reforçam a necessidade de estudos adicionais que incluam outras variantes polimórficas funcionais em MMP-9 para que se investigue a relação deste(s) polimorfismo(s) com a biologia da doença na população em questão.
  • HIANNY FERREIRA FERNANDES
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE OS POLIMORFISMOS PRO12ALA E C1431T DO GENE PPARG E SEUS HAPLÓTIPOS COM A SUSCEPTIBILIDADE AO DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM UMA POPULAÇÃO DO NORDESTE BRASILEIRO
  • Orientador : FRANCE KEIKO NASCIMENTO YOSHIOKA
  • Data: 27/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • Diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é uma doença metabólica complexa caracterizada por um aumento nos níveis de glicose no sangue, devido a alterações na secreção ou atividade da insulina. DM2 é responsável por aproximadamente 90% dos casos de diabetes, que afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Vários estudos relatam que os polimorfismos Pro12Ala e C1431T no gene PPARG são considerados os mais relevantes para avaliar a susceptibilidade genética do DM2. Portanto, este estudo tem como objetivo analisar, em um estudo caso-controle, a associação entre os polimorfismos PPARG Pro12Ala e C1431T e seus haplótipos com a susceptibilidade ao DM2 em uma população do nordeste brasileiro. Foram estudados 400 pacientes (200 pacientes com DM2 e 200 controles saudáveis) e coletado seus dados clínicos, tais como glicemia de jejum, HbA1c, colesterol HDL, colesterol total, e os níveis de triglicérides e do índice de massa corporal (IMC). As análises dos polimorfismos genéticos foram feitas por PCR-RFLP. Estatísticas desequilíbrio de ligação e as frequências de haplótipos foram determinadas usando HaploView 4.2. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal do Piauí. As frequências genotípicas e alélicas dos polimorfismos PPARG Pro12Ala e C1431T não diferiram significativamente entre os pacientes e controles (p>0,05). Entre os pacientes, portadores do alelo Ala12 observou um nível de colesterol total significativamente mais baixo do que os portadores do alelo homozigoto Pro12 (p=0,016). Além disso, os portadores do alelo T1431 tiveram níveis de glicemia em jejum e HbA1c significativamente mais baixos do que os portadores do alelo C1431 (p=0,03 e p=0,007, respectivamente). No entanto, entre os controles, os portadores do alelo T1431 tiveram um nível de colesterol HDL significativamente mais elevados do que os portadores do alelo homozigoto C1431 (p=0,021). Os polimorfismos PPARG Pro12Ala e C1431T estão em desequilíbrio de ligação (D'=0,545 e r²=0,163). As frequências dos haplótipos não foram significativamente diferentes entre pacientes e controles (p>0,05). No grupo de pacientes, houve uma associação significativa entre o haplótipo ALA-C com o aumento da glicemia de jejum em comparação com indivíduos com o haplótipo Ala-T ou Pro-T (p=0,01 e p=0,02, respectivamente). Nossos resultados indicam que esses polimorfismos podem exercer um efeito benéfico sobre o perfil lipídico e glicêmico em uma população no nordeste do brasileiro. No entanto, há uma necessidade de confirmar os achados em estudos maiores de replicação em diferentes populações, particularmente em outras populações miscigenadas brasileiras, juntamente com a inclusão de outros polimorfismos que têm sido associados ao DM2, especialmente aqueles que estão em desequilíbrio de ligação no gene PPARG .
  • CLICIA RAMOS BITTENCOURT
  • Imobilização de peptídeo antimicrobiano (Dermaseptina 01) e goma natural do cajueiro (Anacardium occidentale, L.) em filmes finos para estudo da atividade anti-leishmania

  • Orientador : CARLA EIRAS
  • Data: 22/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • A Leishmaniose Visceral (VL)é uma doença parasitária negligenciada de alta incidência em todo mundo, seu agente etiológico é a L. Infantum. A principal forma de transmissão do parasita para o homem e outros hospedeiros mamíferos é através da picada de fêmeas de dípteros genericamente conhecidos por flebotomíneos. Neste trabalho propomos o desenvolvimento de filmes finos contendo um peptideo antimicrobiano, especificamente, dermasseptina 01 (GLWSTIKQKGKEAAIAAA-KAAGQAALGAL-NH2, [DRS 01]), e um polissacarídeo natural, para estudo da atividade anti-leishmania.  O peptídeo DRS 01 foi imobilizado em conjunto com a goma do natural do cajueiro (GC)  no substrato ITO (óxido de  índio com estanho utilizando a técnica de deposição  Layer-by-Layer (LbL). Os resultados mostraram um comportamento linear entre a concentração de células do protozoário e os valores de corrente elétrica dos filmes. Provavelmente a ação do peptídeo sobre as células de Leishmania infantum resultou na lise dessas estrututas, portanto a presença da goma do cajueiro não inibiu sua ação. O aumento do número de células resultou numa diminuição dos valores de corrente o que pode ter ocorrido pela adosorção de células lisadas no eletrodo modificado diminuindo a tranferência de cargas. Um mecanismo para avaliação da atividade leishmanicida também foi proposto.

     

     

  • PAULO HENRIQUE DE HOLANDA VELOSO JUNIOR
  • Euphorbia tirucalli L.: AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA DE EXTRATOS OBTIDOS POR AGITAÇÃO CONTÍNUA E ULTRASSOM

  • Orientador : REGINALDO ALMEIDA DA TRINDADE
  • Data: 10/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • Os efeitos benéficos de extratos de plantas são atribuídos ao fato de serem constituídos por uma mistura de compostos bioativos com reconhecidas atividades biológicas. O objetivo desse trabalho foi estudar a espécie Euphorbia tirucalli L. cultivadas no litoral do estado do Piauí, em termos da quantificação de seus fenólicos totais e avaliação da atividade antioxidante em extratos obtidos por diferentes metodologias. Paralelamente, foi avaliada a possível atividade antiparasitária e os efeitos citotóxicos dos extratos e do composto fenólico isolado ácido ferúlico. Os extratos foram obtidos pela utilização dos solventes acetona ou metanol-água, submetidos à agitação contínua ou ultrassom. A
    atividade antioxidante foi avaliada pelos métodos do DPPH e ABTS+. A atividade antiparasitária foi estudada pelo ensaio de infectividade celular das formas tripomastigotas de Trypanosoma cruzi. A citotoxicidade foi avaliada qualitativamente pela análise morfológica de células LLC-MK2 e quantitativamente pelo ensaio de redução do MTT. O teor de fenólicos totais variou de 0,65 a 13,78 mg GAE/1 g amostra. A quantidade de compostos fenólicos diferiu estatisticamente (p<0,05) nos extratos preparados com diferentes solventes e métodos de extração. Os extratos hidrometanólicos apresentaram valores superiores aos encontrados nos extratos acetônicos. A extração realizada a partir da amostra seca foi mais eficiente tanto em agitação contínua (12,48 ± 0,34) como por ultrassom (13,78 ± 0,14). Os extratos que apresentaram os maiores valores de atividade antioxidante quando avaliados pelos testes do DPPH e ABTS+ coincidiram com os que apresentaram os maiores teores de compostos fenólicos. As concentrações citotóxicas variaram de 0,2 mg/mL a 2 mg/mL dependendo do extrato avaliado, entretanto, o composto ácido ferúlico isolado não mostrou citotoxicidade até a concentração de 2 mg/mL. Preliminarmente, os extratos obtidos e o ácido ferúlico isolado não apresentaram atividade antiparasitária. Os resultados revelaram que extratos de Euphorbia tirucalli L., obtidos a partir da amostra seca, com solvente hidrometanólico, submetidos à ultrassonicação, apresentaram maior quantidade de compostos fenólicos, possuindo significativa capacidade antioxidante.
    Ácido ferúlico.

  • LUZENI GARCEZ SOUZA
  • PREVALÊNCIA E INFLUÊNCIA DOS POLIMORFISMOS DE DC-SIGN (CD209) E JAK-1 NA MODULAÇÃO DOS SINTOMAS CLÍNICOS DA DENGUE EM POPULAÇÃO DO NORDESTE DO BRASIL

  • Orientador : ANNA CAROLINA TOLEDO DA CUNHA PEREIRA
  • Data: 10/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • A dengue é uma doença que se manifesta em diferentes formas clínicas, fato atribuído a complexa relação entre vírus e hospedeiro. Entre os fatores do hospedeiro estudados nos últimos anos estão os polimorfismos rs4804803 SNP do gene CD-209 e do rs11208534 SNP do gene JAK-1. Diante disso, determinou-se a prevalência desses polimorfismos, correlacionando-os com a sintomatologia de dengue apresentada em uma população do estado do Piauí, Brasil. A amostra controle de 105 indivíduos foi comparada com amostras de 26 pacientes com infecção confirmada por Dengue virus (DENV), sendo genotipadas para os polimorfismos por meio de PCR quantitativo em tempo real. Compararam-se as frequências dos genótipos dos polimorfismos estudados com controles populacionais, não apresentando diferença nas frequências caso-controle. Ainda, a análise da prevalência dos sintomas em indivíduos com alelo G, não apresentou diferença significativaapesar de apresentarem menor número de sintomas do que homozigotos AA. As divergências quanto ao efeito protetor ou de risco conferido pelo alelo G poderiam estar relacionadas com a modulação da patogênese do DENV durante a infecção, conferida por uma complexidade de fatores, que inclui características genéticas intrínsecas do hospedeiro, além de fatores ambientais.
     
     

  • VANESSA DE SOUSA DO VALE
  •  ANÁLISE MOLECULAR E CONSIDERAÇÕES FILOGENÉTICAS DO Dengue virus

  • Orientador : GUSTAVO PORTELA FERREIRA
  • Data: 01/04/2015
  • Mostrar Resumo
  • O Dengue virus possui uma extensa diversidade genética que se manifesta na existência de quatro sorotipos virais (DENV 1-4), estes ainda se subdividem em genótipos e linhagens. O genoma viral é um RNA de fita simples, que produz três proteínas estruturais (C, prM e E) e sete não estruturais (NS1, NS2A, NS2B, NS3, NS4A, NS4B e NS5). A proteína de envelope (E) interage diretamente com o sistema imune do hospedeiro, por esta razão o gene E possui a maior taxa de mutação entre os flavivirus, análises desse gene permitem acompanhar a evolução viral. As variações genéticas do vírus tem implicações na replicação eficaz, na virulência e no potencial epidêmico. A inserção de um novo sorotipo, genótipo ou linhagem em uma determinada região pode levar ao desenvolvimento de epidemias, inclusive associadas a quadros graves. O sequenciamento viral para identificação e monitoramento do DENV permite a previsão de epidemias e auxilia no estabelecimento de medidas de controle. O RNA viral foi extraído e utilizado como molde para reação de RT-PCR. Na amplificação dos produtos foram utilizados iniciadores específicos para os genes C/prM e E. Os sorotipos foram identificados conforme o tamanho padrão de bandas obtido a partir da eletroforese em gel de agarose. Amostras de DENV-4 foram purificadas e sequenciadas pelo método de Sanger (1977), as sequências obtidas foram alinhadas e comparadas quanto ao grau de identidade entre os isolados e sequências depositadas no GenBank. Uma árvore filogenética foi construída através do programa PhyML v.3.1, por análise de Máxima Verossimilhança. A partir das análises foram identificados os quatro sorotipos circulantes no Estado, o que reflete o padrão hiperendêmico do país, isso coloca o Piauí em situação de risco, pois a circulação de múltiplos sorotipos é um fator predisponente para o desenvolvimento de epidemias e formas severas, essa característica tem sido relatada de maneira crescente no país, sobretudo nas faixas etárias mais jovens. O sequenciamento de amostras locais de DENV-4 circulantes em 2012, revelou que elas pertenciam ao genótipo II, semelhante ao que foi descrito em diversas regiões do Brasil. Estas encontram-se próximas as sequências que correspondem as primeiras identificações da reintrodução do DENV-4 no país, em 2010, através do Estado de Roraima. As amostras ainda se agruparam próximas a sequências identificadas em São Paulo, Minas Gerais, Pará e Amazonas, o que reafirma a ideia que após sua reintrodução por Roraima o vírus se dispersou para as demais regiões do país. No mesmo subclado estão diversas amostras da Venezuela, Porto Rico e Colômbia, reforçando a hipótese que este vírus se originou no Caribe e chegou ao Brasil por Roraima a partir da Venezuela. A rota Caribenha é conhecida como importante via de entrada de novos vírus na América do Sul e consequentemente no Brasil, diversos sorotipos DENV e suas linhagens são apontados para terem sido introduzidos no país através dessa rota. Estudos de monitoramento da inserção e circulação viral, bem como a caracterização molecular dos DENV são de fundamental importância, sobretudo em regiões endêmicas como o Estado do Piauí.

  • LUIS MESQUITA DE SOUSA FILHO
  • AÇÃO ANTI-INFLAMATÓRIA E ANTINOCICEPTIVA DE PROTEÍNAS DA SECREÇÃO DO ANFÍBIO Rhinella schneideri

  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 20/03/2015
  • Mostrar Resumo
  • As secreções das glândulas de anfíbios são fonte de diversos compostos com potencial para aplicações médico-farmacêuticas. Tendo em vista este potencial, o presente estudo objetivou avaliar a atividade anti-inflamatória e antinociceptiva de proteínas obtidas a partir da secreção parótida do sapo R. schneideri. Além disso, estudos de caracterização e identificação de proteínas e análise toxicológica foram avaliados. A secreção do anuro foi coletada e submetida à diálise contra água destilada para obtenção de uma fração rica em proteínas (PRs). As PRs foram inicialmente avaliadas por SDS-PAGE, evidenciando a presença de proteínas com massa molecular variando entre 20,1 a mais de 97 kDa. Em seguida, as PRs foram investigadas quanto à capacidade de inibir a resposta inflamatória e nociceptiva em diferentes modelos experimentais utilizando camundongos (Mus musculus) adultos, pesando entre 22 – 26g (n = 6). Os resultados foram expressos como média ± E.P.M (ANOVA - Newman-Keuls; p < 0,05). Em nossos resultados observamos que diferentes doses da fração de PRs (1,0, 2,5 e 5,0mg/kg) administrados por via intraperitoneal (i.p.), foram capazes de inibir em 54%, 76% e 51%, respectivamente, o edema de pata induzido por carragenina. Este resultado foi corroborado pela analise histológica da pata destes animais e dosagens da enzima mieloperoxidase, onde foi evidenciada redução do número de neutrófilos no tecido em animais tratados com as PRs quando comparado com o grupo não tratado. Em adição, a administração de PRs (2,5mg/kg; i.p.) também foi capaz de inibir a migração de neutrófilos (1.365±212,6 × 103 células/mL) para cavidade peritoneal de animais induzida pela administração de carragenina, quando comparado com animais tratados somente com carragenina (5.213±944,4 × 103 neutrófilos/mL). A inibição da migração foi acompanhada pela redução dos níveis de IL1-β no fluido peritoneal dos animais. As PRs também foram capazes de inibir o edema de pata induzido por histamina, composto 48/80, bradicinina e PGE2. Quanto ao potencial antinociceptivo, observamos que as PRs (2,5mg/kg; i.p.) reduziram as contorções abdominais induzidas por ácido acético (0,6%; 10mL/kg de peso corporal) em 60% e o tempo de lambedura da pata apenas na segunda fase do teste de formalina (69%). Em paralelo, não foram observadas diferenças no peso dos animais e órgãos (rim, fígado e baço), assim como as enzimas alanina aminotransferase (AST) e aspartato amino transferase (ALT), e o conteúdo sérico de uréia e creatinina de animais submetidos a tratamento diário com as PRs (2,5mg/kg; i.p.) durante 7 dias consecutivos.  No entanto, a análise hematológica destes animais revelou uma diminuição do número de leucócitos (linfócitos) quando comparado com o grupo controle (2.187±210 e 3.188±450, respectivamente). A análise da fração de PRs por espectrometria de massas (MS/MS) revelou que esta é composta por proteínas, tais como: actina citoplasmática, beta actina, catalase, miotubularina, peroxiredoxina, proteínas ribossomais, galectina-1, dentre outras. Nossos dados revelam que a secreção do sapo R. schneideri apresentam proteínas com potencial farmacológico em modelos de inflamação e dor.


     

  • JHONES DO NASCIMENTO DIAS
  • AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE DAS SEMENTES DO FRUTO DA ESPÉCIE BOTÂNICA Cola acuminata (Sterculiaceae)

  • Orientador : PEDRO SANCHES DOS REIS
  • Data: 17/03/2015
  • Mostrar Resumo
  • A noz de cola é uma semente da espécie botânica Cola acuminata (Sterculiaceae) e nativa da África oriental, que tem sido usado principalmente na produção de refrigerantes. Neste trabalho, o objetivo foi determinar o conteúdo total de compostos fenólicos usando o método Folin-Ciocalteu e avaliar a capacidade antioxidante in vitro dos extratos aquoso, metanólico, etanólico e acetônico usando as metodologias de captura de radicais DPPH e ABTS+. As amostras foram coletadas na cidade de Salvador no estado da Bahia, Brasil. O resultado do conteúdo de compostos fenólicos totais, expresso em miligramas de ácido gálico (mEAG) por g-1 de amostra, demostrou que a concentração variou  de 0.48 – 9.80. O ensaio mostrou que o extrato etanólico apresentou o valor mais elevado (p <0,05). A atividade antioxidante, quando medida pelo método DPPH, mostrou que o extrato acetônico apresentou o maior valor, com 22,35 ± 0,91 expressa como μMtrolox.g-1. Quando a atividade antioxidante foi avaliada através do método ABTS, a noz de cola apresentou a maior capacidade antioxidante, com valor TEAC de 3920 ± 59 expressa como μMtrolox.g-1 para o extrato acetônico (p<0,05). Assim, as nozes de cola estudadas neste trabalho, representam potenciais fontes de compostos fenólicos, além de possuir capacidade antioxidante in vitro significativa.

     

  • HYGOR FERREIRA FERNANDES
  • PREVALÊNCIA DOS POLIMORFISMOS CCR5-Δ32 E CCR2-V64I EM UMA POPULAÇÃO MISCIGENADA DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 02/03/2015
  • Mostrar Resumo
  • As quimiocinas são moléculas proteicas de baixo peso molecular que desempenham um papel chave nos processos inflamatórios. Variações genômicas nos receptores de quimiocinas têm sido associadas com a suscetibilidade a diferentes patologias. Neste contexto, os polimorfismos CCR5-Δ32 e CCR2-V64I se destacam por sua comprovada relação com a resistência à infecção pelo vírus HIV, o que tem motivado a realização de estudos de associação genética com diversas outras doenças. Levando em consideração a heterogeneidade da distribuição destes polimorfismos em diferentes populações mundiais e mesmo dentro do território brasileiro, este estudo teve o objetivo de analisar a prevalência dos polimorfismos CCR5-Δ32 e CCR2-V64I em uma população miscigenada do Nordeste do Brasil. Foram incluídos no estudo 223 indivíduos da população geral da cidade de Parnaíba, estado do Piauí, com média de idade de 73 anos, sendo 37,2% do sexo masculino e 62,8% do sexo feminino. Após a extração do DNA a partir de leucócitos de sangue periférico, os polimorfismos foram analisados pela técnica de reação em cadeia da polimerase apenas (CCR5-Δ32), ou acompanhada por digestão enzimática com endonuclease de restrição (CCR2-V64I). Em ambos os casos, os genótipos foram observados após eletroforese em gel de poliacrilamida 8% e coloração por nitrato de prata. A população encontrou-se em equilíbrio de Hardy-Weinberg para os dois loci investigados. Não houve indivíduos homozigotos para o alelo-Δ32, o qual demonstrou uma frequência de 1,8%, enquanto o alelo 64I mostrou-se prevalente em 13,9% dos indivíduos estudados, sendo 74,9% correspondente a homozigotos selvagens, 22,4% a heterozigotos e 2,7% a homozigotos mutantes. Estes resultados reforçam a necessidade de estudos adicionais que busquem investigar a relação destes polimorfismos com a etiopatogênese de doenças na população de referência.

2014
Descrição
  • ERIK VINICIUS DE SOUSA REIS
  • Utilização de composto com cumarina (cromen-2-ona) e excipientes com atividade anti-inflamatória em modelo experimental de asma

  • Orientador : ANNA CAROLINA TOLEDO DA CUNHA PEREIRA
  • Data: 29/08/2014
  • Mostrar Resumo
  • O uso de inúmeros fármacos com base em componentes sintéticos está sendo substituído por compostos com origens naturais. Muitas plantas possuem princípios ativos e compostos estruturais que desempenham funções que retardam e até curam diversas enfermidades e reações no ser humano. A espécie Justicia pectoralis Jacq. é uma planta encontrada na região Nordeste do Brasil e faz parte do Registro Nacional de Plantas de Interesse do Sistema de Saúde Nacional (FONSECA, SILVA, LEAL, 2010) Dentre os princípios ativos presentes nessa planta, a cumarina (1,2-benzopirona) apresenta a capacidade de recuperação das enzimas antioxidantes,  e uma boa capacidade anti-inflamatória (PENG, LV DAMU, ZHOU, 2013).O extrato dessa planta, possui a formulação de xarope sendo utilizada para fins anti-inflamatórios do trato respiratório. Dessa forma a busca por compostos que melhorem a qualidade do xarope devem ser analisadas. A secagem do xarope pode ser uma alternativa para a distribuição da droga em forma de pó. Alguns compostos são utilizados para o melhoramento desse pó. Como o Dióxido de Silício Coloidal (Aerosil®) e a quitosana, que são adjuvantes com boas características químicas. Para o desenvolvimento desta prospecção foram pesquisadas as palavras-chave em bancos de patentes de nível nacional e internacional e, além disso, foram pesquisados todos os artigos que continha a palavra Justicia pectoralis contidas no título dos mesmos. Foram encontradas cinco patentes, sendo uma patente protegida em dois escritórios diferentes. Sendo o primeiro o escritório nacional do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e o outro no World Intellectual Property Organization (WIPO). Além deles os outros escritórios pesquisados foram o European Patent Office(EPO) e o United States Patent and Trademark Office (USPTO). É possível inferir que ainda são pouco conhecidas e estudadas no meio acadêmico na região com essa planta. Verificou-se que o Brasil tem bom conhecimento científico sobre um percentual das plantas utilizadas com fins medicinais, porém só possui uma detenção dessa tecnologia.

  • PABLO NUNES COSTA
  • Frequência do SNP-336 A/G da Região Promotora do Gene CD209 em uma População do Nordeste do Brasil

  • Orientador : GUSTAVO PORTELA FERREIRA
  • Data: 25/07/2014
  • Mostrar Resumo
  • O advento e aprimoramento das pesquisas moleculares proporcionaram o desenvolvimento da medicina personalizada. Através do desenvolvimento das bases moleculares para efetivação desse ramo. A partir daí, muitos genes foram extensivamente estudados, dentre esses, o gene DC-SIGN (CD209), o qual tem como produto gênico uma proteína que atua como receptor específico de células dendríticas, e que atua como receptor de reconhecimento de patógenos (RRP), reconhecendo componentes estruturais indispensáveis para a sobrevivência dos patógenos.  As células dendríticas são a principal defesa ante a entrada de patógenos, entretanto, mecanismos de escape dos microorganismos tentam burlar essa ação. Além disso, alguns indivíduos que apresentam polimorfismos no gene que comprometem essa ação. O gene CD209 apresenta um polimorfismo na sua região promotora na posição -336 A/G, a qual promove uma maior expressão do receptor, isso devido a promover a maior interação a nível molecular com outros agentes que o tornam mais susceptível a ser transcrito com maior freqüência e isso acarreta em mais receptores. Dentre esses patógenos se ligar e burlar o sistema imune, polimorfismos nós nos detemos a estudar o polimorfismo -336A/G desse gene, pois, se trata da alteração de maior relevância clínica até o momento, sendo que em nosso estudo foi estimada a prevalência desse polimorfismo em uma população de idosos da cidade de Parnaíba-PI. Nós estimamos a prevalência dessa variante genética através da técnica de reação em cadeia da polimerase – polimorfismo por tamanho do fragmento de restrição (PCR-RFLP), com subsequente eletroforese em gel de poliacrilamida a 8%, corado com nitrato de prata. Este estudo populacional esta em equilíbrio de Hardy-Weinberg para o lócus analisado. Dos alelos analisados foi encontrada uma freqüência de 20,2% para o alelo G. Isso mostra que a freqüência encontrada não diferiu significativamente da encontrada em populações  europeias, do norte da África, assim como de estudos na população Australiana. Diante dos dados apresentados neste artigo, constatamos a necessidade de estudos de associação genética com objetivo de investigar a relação entre o SNP -336A/G do gene CD209 e doenças infecciosas comuns na população do estado do Piauí.

     

     

  • MÁRCIA VIEIRA DE SOUSA
  • COMPARAÇÃO MORFOLÓGICA DO CAJUÍ (Anacardium microcarpum, Ducke) E CAJU (A. occidentale L.), Anacardiaceae, NO LITORAL PIAUIENSE, BRASIL

  • Orientador : IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
  • Data: 23/04/2014
  • Mostrar Resumo
  • Anacardium microcarpum Ducke, conhecido popularmente como cajuí, nos estados do Ceará, Maranhão, Pará, Piauí, e Rio Grande do Norte, caracteriza-se pelo hábito arbóreo, folha simples, flores pequenas e perfumadas dispostas em panícula e, sobretudo, pelo fruto e hipocarpo de tamanhos diminutos que o diferencia do seu parente mais próximo, A. occidentale L. Apesar da inexpressividade econômica, tanto pelo fato de não ser cultivado e pelo pequeno tamanho, o cajuí desempenha papel sócio-econômico importante nos seus locais de ocorrência. Para alguns autores A. microcarpum trata-se de um táxon distinto de A. occidentale, enquanto para outros é sinônimo de A. occidentale, gerando controvérsia quanto a taxonomia do grupo. Apesar da grande importância econômica de A. occidentale, não havia nenhum estudo sobre a classificação infraespecífica da espécie e nem estudos que demonstrassem diferenças evidentes entre caju e cajuí, a não ser o tamanho do fruto e do hipocarpo. Considerando que estudos mais confiáveis baseados na morfologia auxiliaram na identificação destes táxons, objetivou-se com o presente estudo verificar o grau de separação entre os táxons do gênero Anacardium encontrados no litoral piauiense, cajuí e caju, utilizando caracteres morfológicos. Para o estudo de morfometria geométrica foram coletados 150 indivíduos de 10 populações ocorrentes no litoral piauiense, no período de julho de 2012 a janeiro de 2014, e utilizados 16 marcos anatômicos (landmarks). Para o estudo de morfometria quantitativa de dados lineares e morfologia qualitativa foram analisados 135 indivíduos de nove populações amostradas para o estudo morfométrico.  Para análise estatística dos dados utilizou-se  Análise de Componentes Principais (PCA), Análise de Variáveis Canônicas (CVA) e Função Discriminante (DA). A correlação da morfologia com a localização geográfica, através do teste Mantel, foi empregada apenas no estudo de morfometria geométrica. Pela análise de função discriminante, com base na diferença entre as médias de distância Procustes (0.02362778) e distância de Mahalanobis (0.5895), os testes produziram diferença significativa entre os táxons, evidenciando diferenças estatisticas. Por outro lado, a distribuição dos escores sobre os eixos das funções discriminantes mostra que é impossível distinguir os dois táxons com confiança levando em consideração apenas a forma da folha. A análise dos dados morfológicos lineares e qualitativos evidenciaram melhor separação dos táxons (Hotelling’s: 212,47; F: 7,5309; p (same): 3,801E-15). O comprimento do limbo foliar apresentou o maior coeficiente na discriminação dos táxons.

  • SÁVIA FRANCISCA LOPES DIAS
  • DESENVOLVIMENTO DE NANOPARTÍCULAS (NPs) A BASE DE GOMA DO CAJUEIRO ACETILADA PARA LIBERAÇÃO CONTROLADA E PERMEAÇÃO CUTÂNEA DE ANTI-INFLAMATÓRIO NÃO ESTERÓIDE (AINE)

  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 28/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • Os sistemas poliméricos têm recebido a devida atenção pela indústria farmacêutica por suas características como abundância, biodegrabilidade, biocompatibilidade e não toxicidade.  A Goma do cajueiro (GC) é um polissacarídeo extraído do exudado da árvore Anacardium occidentale, e tem se destacado com potencial aplicação em dispositivos nanobiomédicos. As Nanopartículas (NPs) poliméricas possuem grandes potencialidades terapêuticas entre elas um enorme potencial de associação a uma variedade de fármacos garantindo uma maior seletividade da droga com o alvo e aumentando a capacidade de entrega. Nesse contexto, objetivou-se com esse estudo, desenvolver Nanopartículas a base de Goma do Cajueiro Acetilada (NPs GCA) para incorporação do Diclofenaco Dietilamônio (DDA) bem como compreender o mecanismo da cinética de liberação e permeação transdérmica do fármaco. A síntese das NPs GCA foi realizada por dois métodos distintos (nanoprecipitação e diálise). O fármaco foi incorporado no momento da síntese em diferentes proporções.Todas as NPs foram caracterizadas por Espectroscopia do InfraVermelho (IV); Espectroscopia de UV-vis; Espalhamento Dinâmico de Luz e Potencial Zeta realizados em triplicata e com índice de significância de p<0,05. Para a determinação da quantidade de droga incorporada (DI%) e eficiência de incorporação (EI%) foi utilizado o UV-vis. Para compreender o mecanismo de liberação in vitro os dados foram tratados pelo método de Korsmeyer-Peppas e para os ensaios de permeação foi utilizada a célula de difusão vertical tipo Franz com pele de orelha de porco e área difusional de 1,77cm2. O DDA foi quantificado através de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE). A citoxicidade foi realizada em cultura de células de Carcinoma Epidermóide Oral Humano. A partir dos espectros obtidos por IV foi possível comprovar a acetilação da GC. O tamanho médio das NPs GCA sintetizadas por nanoprecipitação foi de 79 nm e aquelas obtidas por diálise mediram 302 nm. Essas últimas, apesar do tamanho bem maior, apresentaram valores de potencial zeta mais negativos e IPD menor, o que indica uma maior estabilidade coloidal. Após a incorporação do DDA ocorreu um aumento significativo no tamanho médio das partículas sintetizadas por nanoprecipitação. A eficiência de incorporação do fármaco foi superior a 60% para ambas as metodologias. O ensaio de citotoxicidade comprovou que as NPs não afetam de maneira significativa a viabilidade celular. O DDA associado às NPs GCA demonstrou um perfil de liberação in vitro mais controlado em comparação com o DDA livre e um mecanismo de difusão Fickiano. A permeação transdérmica atingiu 90% de penetração do fármaco. As nanoestruturas foram incorporas com um AINEs e demonstraram possuir um grande potencial como carreador de fármacos em sistemas de liberação controlada bem como promotores da permeação transdérmica in vitro. Os altos índices de viabilidade celular indicaram uma boa biocompatibilidades das NPs sejam elas incorporadas ou não com o fármaco. Isso significa que a GCA pode ser útil para entrega de anti-inflamatórios, entretanto estudos comparativos com a formulação comercial e ensaios in vivo ainda precisam ser realizados.

     

     

     

  • ADRIELLE MEMÓRIA DA SILVA
  • Polimorfismos do gene CYP2A6 em uma população de fumantes do nordeste brasileiro

  • Orientador : FABIO JOSE NASCIMENTO MOTTA
  • Data: 28/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • tabagismo se caracteriza pela dependência física e psicológica do consumo de nicotina. A nicotina tem alta capacidade de causar dependência, assim, o uso do cigarro é a principal causa mundial de morte evitável. O CYP2A6 é um gene responsável pela metabolização da nicotina e pode influenciar o comportamento tabagista dos indivíduos. Este gene é altamente polimórfico, tendo como alguns de seus alelos o CYP2A6*1, CYP2A6*2, CYP2A6*3 e o CYP2A6*4. Neste estudo, a prevalência dos polimorfismos do CYP2A6 foi verificada em uma população do nordeste brasileiro, Piauí. Duzentos e vinte fumantes e não fumantes responderam a um questionário para obtenção de dados relacionados ao hábito tabagista, e os polimorfismos foram analisados pela técnica de PCR-RFLP. No grupo controle a média de idade foi de 67 anos, 57 homens (51,8%) e 53 mulheres (48,2%); já entres os fumantes a média de idade foi de 47 anos, com prevalência de 82 homens (74,5%) e 28 mulheres (25,5%). Todos os indivíduos do grupo controle e 108 (98,2%) do grupo dos fumantes expressaram o aleloCYP2A6*1. Ainda nesse grupo, um indivíduo apresentou o alelo homozigoto CYP2A6*2, e outro o alelo heterozigoto CYP2A6 1/3*. Nenhum indivíduo apresentou o alelo de deleção CYP2A6*4. Esses resultados podem ser explicados pela descendência européia na população piauiense, e estão de acordo com as freqüências genotípicas encontradas em outras populações.
     
  • ANY CAROLINA CARDOSO GUIMARÃES VASCONCELOS
  • Estudo de associação dos polimorfismos SLC6A3 VNTR (DAT) e DRD2/ANNK1 Taq1A com a dependência do álcool em uma população masculina do nordeste do Brasil
  • Orientador : RENATA CANALLE
  • Data: 26/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

    Introdução: A Dependência do álcool (DA) é uma doença psiquiátrica complexa, afetando 5,4% da população mundial. Caracteriza-se pelo consumo excessivo de álcool influenciado por fatores de riscos ambientais e genéticos. Alterações genéticas no sistema dopaminérgico estão envolvidas na etiologia e tratamento da DA. O objetivo deste estudo foi avaliar a associação dos polimorfismos SLC6A3 VNTR (DAT) e DRD2/ANNK1 Taq1A (transportador e receptor D2 de dopamina, respectivamente) com a DA de uma população masculina do nordeste do Brasil.

    Métodos: O tipo de estudo foi caso-controle que incluiu 227 indivíduos do gênero masculino do nordeste do Brasil (113 alcoolistas e 114 controles). Os alcoolistas foram classificados segundo os critérios do DSM-IV para DA e o grupo controle de acordo com relatos de não apresentar problemas com o álcool ou por nunca beberem. A genotipagem foi detectada pela técnica de PCR para o SLC6A3 40pb-VNTR e PCR-RFLP para DRD2/ANNK1 Taq1A com subsequente eletroforese em gel de agarose a 2%. A distribuição das frequências alélicas e genotípicas em associação com DA foram submetidos aos testes do qui-quadrado (x2), exato de Fisher e odds ratio (OR) com intervalo de confiança de 95% e significância p<0,05. Os dados foram analisados pelo software BioEstat 5.3.

    Resultados: O SLC6A3 40pb-VNTR foi associado com DA, apresentando diferenças significativas entre as frequências alélicas e genotípicas, respectivamente (A9 vs. A10: OR= 1,88; p = 0,01; A9/A9 vs. A10/A10: OR = 6,25; p = 0,02; A9/A9 vs. A9/A10+A10A10: OR = 5,44; p = 0,03). Entretanto, não houve diferença estatisticamente significante quando comparadas as frequências alélicas (p=0,10) e genotípicas (p=0,23) para o DRD2/ANKK1 Taq1A.

    Conclusão: Estes resultados sugerem que o alelo A9 e o genótipo A9/A9 do SLC6A3 40bp-VNTR estão envolvidos na vulnerabilidade a DA na população estudada, enquanto que o DRD2/ANKK1 Taq1A não está contribuindo com a DA. 

     

  • RENATA OLIVEIRA MOURA
  • ATIVIDADE CICATRIZANTE DO GEL DE QUITOSANA E FOTOTERAPIA POR DIODOS EMISSORES DE LUZ (LED): EFEITOS ISOLADOS E ASSOCIADOS

  • Orientador : LIVIO CESAR CUNHA NUNES
  • Data: 25/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • Há muito se estuda a cicatrização com o objetivo de acelerar esse processo e evitar possíveis complicações. Muitas tecnologias foram desenvolvidas com esse aspecto, em várias áreas de estudo. A quitosana, como biopolímero de ação cicatrizante tem seus efeitos comprovados por pesquisadores que utilizaram essa substancia de diversas formas e em concentrações variadas, obtendo resultados satisfatórios na sua maioria. A foto terapia, como recurso físico através do LED (light emitting diodes) também foi objeto de estudo com resultados positivos em relação à cicatrização. A utilização de duas terapias concomitantes no tratamento da cicatrização gerou a hipótese de que esse efeito pudesse ser potencializado, acelerando ainda mais o reparo tecidual. Foi conduzido, então, um estudo utilizando a aplicação de gel de quitosana e LED em feridas cutâneas de ratos e seus resultados foram catalogados. Os grupos que receberam o tratamento associado não demonstraram diferença estatística quanto ao tempo de cicatrização em relação aos grupos que receberam o tratamento isolado de LED ou gel de quitosana em nenhum parâmetro avaliado. Esteticamente, porém, foi verificado que a cicatriz formada pelo tratamento com aplicação do gel de quitosana e LED sobre gel apresentou-se mais lisa, com crescimento normal de pelos, tornando a cicatriz mais discreta. Não foi possível concluir, com esse estudo a superioridade do tratamento combinado de LED e quitosana, porém mais estudos devem ser feitos para avaliar a melhor interação entre esses dois tratamentos, buscando sempre diminuir o tempo do processo de cicatrização.


     
  • VALDELÂNIA GOMES DA SILVA
  • ATIVIDADE ANTIINFLAMATÓRIA E ANTINOCICEPTIVA DA EPIISOPILOTURINA, UM ALCALÓIDE IMIDAZÓLICO ISOLADO DE Pilocarpus microphyllus (Stapf ex Wardleworth)

  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 10/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste estudo foi investigar a atividade anti-inflamatória e antinociceptiva da epiisopiloturina, um alcalóide imidazólico encontrado nas folhas de Pilocarpus microphyllus. A atividade anti-inflamatória da epiisopiloturina foi avaliada usando vários agentes que induzem edema de pata e peritonite em camundongos Swiss. Tecido da pata e amostras do fluido peritoneal foram obtidas para determinar a atividade da mieloperoxidase (MPO) e os níveis do fator de necrose tumoral (TNF-α) e interleucina (IL)-1β. A atividade antinociceptiva foi avaliada por contorção induzida por ácido acético, o teste de placa quente e indução de dor usando formalina. Comparado com o veículo (DMSO 2%), o pré-tratamento dos camundongos com epiisopiloturina (0.1, 0.3, e 1 mg/kg, i.p) reduziu significativamente edema de pata induzido por carragenina (p ˂ 0.05). Além disso, o composto epiisopiloturina na dose de 1mg/kg inibiu efetivamente edema induzido por sulfato de dextran, serotonina e bradicinina, mas não teve efeito sobre o edema induzido por histamina. A administração seguinte de epiisopiloturina (1mg/kg, i.p) em peritonite induzida por carragenina reduziu as contagens totais e diferenciais de leucócitos peritoneais e também edema induzido por carragenina, atividade MPO e níveis de TNF-α e IL-1β na cavidade peritoneal.  O pré-tratamento com epiisopiloturina também reduziu contorção induzida por ácido acético e inibiu a primeira e segunda fase do teste de formalina, mas não alterou a resposta de latência no teste de placa quente. Pré-tratamento com naloxona inverteu o efeito antinociceptivo da epiisopiloturina.

     

     

     

     

  • HELIANA DE BARROS FERNANDES
  • CARACTERIZAÇÃO BIOQUÍMICA DE PROTEÍNAS DO LÁTEX DE Plumeria pudica (JACQ., 1760) E SEU POTENCIALANTIINFLAMATÓRIO E ANTINOCICEPTIVO

  • Orientador : JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
  • Data: 07/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • O látex de plantas é um fluido de aspecto leitoso rico em compostos biologicamente ativos. Dentre os componentes do látex encontram-se lipídios, metabólitos secundários e proteínas. Vários tipos de proteínas podem ser encontradas como proteases, inibidores de proteases, lipases, oxidases, entre outras, e suas funções geralmente estão associadas à defesa da planta.Em outros sistemas biológicos já foi demonstrado que proteínas do látex podem intervir em processos danosos e desempenhar atividades biológicas como a ação antinociceptiva e anti-inflamatória.Tendo em vista este potencial a presente pesquisa teve por objetivo caracterizar proteínas do látex de Plumeria pudica e avaliar seu potencial anti-inflamatório e antinociceptivo em camundongos. O látex de P. pudica foi coletado na cidade de Parnaíba-PI e submetido a fracionamento por meio de centrifugação e diálise para obtenção de uma fração rica em proteínas (PL). O rendimento de proteínas do látex foi de 1,38% da massa seca total do látex íntegro. Foi observado o perfil proteico de PL por meio de SDS-PAGE, evidenciando a presença de proteínas com massa molecular aparente variando de 14,0 a 45,0kDa. A fração foi submetida a ensaios colorimétricos utilizando diferentes substratos para detecção de proteínas de natureza enzimática e não enzimática. PL possui proteases cisteínicas e serínicas, evidenciadas nos ensaios com substratos específicos (BANA e BApNA, respectivamente) e através da inibição destas atividades causada por inibidores específicos para cisteíno proteases (IAA) e serino proteases (PMSF). Também foi detectada atividade de metaloproteases. A fração PL também foi capaz de hidrolisar o substrato quitina Azure, com atividade ótima em dois pHs (6 e 10), sugerindo a presença de duas quitinases. Inibidores endógenos de protease cisteínicas e serínicas também compõem a fração proteica de P. pudica. Além de algumas características bioquímicas, o presente trabalho mostrou que PL apresenta propriedades anti-inflamatórias e antinociceptivas. Por meio do modelo de edema de pata induzido por carragenina ou dextranasugeriu-se que a ação antiedematogênica de PL envolve a inibição da migração de neutrófilos para o local da inflamação e/ou bloqueio da liberação ou síntese de mediadores. A participação de PL nas vias de inibição celular foi confirmada pela redução na atividade da mieloperoxidase e por diminuição no número de neutrófilos infiltrados na cavidade peritoneal gerados pela ação da carragenina. Os edemas induzidos por diferentes agentes inflamatórios (5-HT, histamina, BK, PGE2 e composto 48/80) foram revertidos nos animais tratados com PL, indicando que esta fração também participa de vias de inibição da síntese e/ou liberação dos referidos mediadores inflamatórios. PL também foi capaz de reduzir os níveis das citocinas pró-inflamatóriasTNF-α e IL-1β. A fração proteica de P. pudica apresentou atividade antinociceptiva no teste de contorções abdominais induzidos por ácido acético e na primeira fase do teste da formalina, mas não no modelo da placa quente, sugerindo a participação das proteínas do látex em vias periféricas da dor e não nas vias centrais. A natureza proteica das moléculas ativas da fração foi demonstrada pela considerável redução na atividade anti-inflamatória após o aquecimento da fração a 100ºC durante 30 minutos (PL100ºC). Também foi demonstrado que a atividade anti-inflamatória observada é independente da atividade de proteases cisteínicas endógenas presentes em PL. Este é o primeiro trabalho que demonstra características bioquímicas e farmacológicas do látex de Plumeria pudica.

     

     

  • MARIA ADELAIDE GUIMARÃES
  • Atividade Esquistossomicida in vitro do Alcaloide Epiisopiloturina em Preparação Lipossomal

  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 07/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • A esquistossomose, causada por parasitas do gênero Schistosoma, ainda constitui um problema de saúde pública em algumas regiões do mundo. O controle dessa enfermidade depende quase que exclusivamente do fármaco praziquantel, mas essa droga vem apresentando toxicidade e resistência, resultando na necessidade de desenvolver novos fármacos. Neste contexto, os produtos naturais surgem como alternativas para o desenvolvimento de novos agentes terapêuticos para o combate e controle de infecções parasitária. A epiisopiloturina é um alcalóide imidazol isolado a partir das folhas de Pilocarpus microphyllus, uma planta nativa do Brasil. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito in vitro e in vivo do alcaloide epiisopiloturina, nas formas livre e encapsulado em lipossomos, contra o parasita Schistosoma mansoni. Os resultados mostraram que formulações de 9:1 DPPC:colesterol e 8:2 DPPC:colesterol com EPI carreado (300 µg/ml ) matou 100 % dos parasitas após 96 h e 120 h de incubação, respectivamente. A microscopia confocal foi empregada para observar alterações morfológicas no tegumento da forma adulta do Schistosoma mansoni. Esta é a primeira vez que a atividade esquistossomicida foi avaliada para epiisopiloturina carreada em lipossomos.

     

  • JORDANA MAIA DIAS
  • GABAPENTINA, UM ANÁLOGO SINTÉTICO DO ÁCIDO GAMA-AMINOBUTÍRICO, DIMINUI A INFLAMAÇÃO AGUDA SISTÊMICA E O ESTRESSE OXIDATIVO EM CAMUNDONGOS

  • Orientador : ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
  • Data: 07/03/2014
  • Mostrar Resumo
  • Gabapentina (GBP), análoga do ácido gama-aminobutírico (GABA), é um fármaco anticonvulsivante, com indicações também para neuralgia pós-herpética e dor neuropática. Existem relatos de que mediadores inflamatórios como IL-1β e prostaglandina E2 (PGE2), bem como o estresse oxidativo podem estar envolvidos na origem e manutenção do processo convulsivo. Existem relatos de que a GBP reduziu o processo inflamatório induzido pela carragenina em ratos. Assim, o objetivo deste estudo foi investigar os efeitos anti- inflamatórios e antioxidantes da GBP em camundongos. A atividade anti-inflamatória e antioxidante foi avaliada utilizando vários mediadores que induzem o edema de pata, o modelo de peritonite, atividade da mieloperoxidase (MPO), os níveis de citocinas pró-inflamatórias, o consumo de GSH e a produção de MDA em camundongos. O pré-tratamento com 1 mg/kg de GBP reduziu significativamente o edema de pata induzido por carragenina e dextrana. Além disso, também reduziu o edema de pata induzido por histamina, serotonina, bradicinina, composto 48/80 e PGE2. No modelo de peritonite induzida por carragenina, a GBP reduziu significativamente a contagem e diferencial, reduziu os níveis de MPO no tecido plantar e as concentrações de IL-1β e TNF-α no exsudato peritoneal. A mesma dose de GBP também foi capaz de reduzir a concentração de MDA e o aumento dos níveis de GSH no fluido peritoneal. Os nossos resultados demonstraram que a GBP exibiu atividade anti-inflamatória em camundongos por meio da redução da ação de mediadores inflamatórios, a migração neutrofílica e os níveis de citocinas pró-inflamatórias. Além disso, restabeleceu os níveis de GSH e reduziu as concentrações de MDA no exsudato peritoneal. Estes achados levantam a possibilidade de que a GBP poderia ser utilizada para melhorar a resistência do tecido aos danos ocasionados durante o processo inflamatório.

  • VANESSA MENESES DE BRITO
  • CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE CISTOS DE Giardia duodenalis EM AMOSTRAS CLINICAS DE PARNAIBA-PI

  • Orientador : ANA CAROLINA FONSECA LINDOSO MELO
  • Data: 28/02/2014
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente, apesar dos inúmeros avanços científicos e tecnológicos na área de diagnósticos parasitológicos e no campo da saúde coletiva, as parasitoses intestinais ainda constituem um grave problema de Saúde Pública. Possuem distribuição cosmopolita, sendo altamente prevalentes tanto em países em desenvolvimento como em países desenvolvidos. Essa situação é decorrente, principalmente, da falta de recursos, infraestrutura sanitária e medidas de educação em saúde. A maioria dessas enteroparasitoses causa diarreias, seguidas de dores abdominais e algumas vezes até febre, provocando entre outros sintomas, retardo no crescimento em crianças. Dentre essas infecções parasitárias, a giardíase, causada pelo protozoário Giardia duodenalis, é considerada a mais comum em humanos e animais, com distribuição global de 2,8 x 10casos por ano. Sendo transmitida principalmente através de água e alimentos contaminados por cistos de Giardia duodenalis. Esta espécie é subdividida em oito grupos que apesar de morfologicamente indistinguíveis, são geneticamente distintos, denominados de Assemblages A-H. Seu diagnóstico é geralmente realizado através da microscopia convencional, no entanto, dada a sua importância atual métodos moleculares tem sido desenvolvidos para a sua detecção. O objetivo desse trabalho foi avaliar molecularmente cistos de G. duodenalis de amostras fecais humanas no município de Parnaíba, Piauí e a determinação das diferentes Assemblages. Foram coletadas 145 amostras fecais para busca de espécimes positivos para G. duodenalis e processadas segundo o método de Faust. Um total de 60 isolados positivos foram purificados e armazenados em nitrogênio líquido para posterior caracterização molecular. Em seguida, foi realizada a extração do material genético e realizada a PCR convencional e nested PCR, através da amplificação de segmentos dos genes bg e tpi. Posteriormente, realizou-se o sequenciamento dos isolados obtidos, permitindo a identificação das Assemblages. Os cromatogramas das sequências foram avaliados usando BioEdit. Os dados obtidos foram armazenados no programa EpiData (versão 3.1) e analisados pelo programa EPI INFO 3.3.2. Para análise das variáveis numéricas foi utilizado o Teste Exato de Fisher e a análise kappa. Destacou que a Assemblage A é a mais prevalentes em seres humanos em Parnaíba-PI. A subtipagem mostrou que os isolados da Assemblage A pertencem ao subtipo A2, sugerindo que a transmissão antropozoonotica pode ser o meio de transmissão dominante para giardíase na região em estudo.

     

     

  • LUANA DE OLIVEIRA LOPES
  • Avaliação da atividade citotóxica, genotóxica e antigenotóxica de um alcaloide imidazólico isolado de Pilocarpus microphyllus (Stap) em linhagens celulares de mamífero

  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 28/02/2014
  • Mostrar Resumo
  • Estimativas da Organização Mundial da Saúde indicam que até o ano de 2030 o número de mortes por câncer vai aumentar de 7,6 milhões para 13 milhões por ano. Por esse motivo, têm proliferado estudos que visam o desenvolvimento de alternativas terapêuticas para os diversos tipos de neoplasia, com foco na busca de substâncias naturais com comprovada atividade anti-tumoral, porém com reduzidos efeitos sobre as células normais. Várias são as atividades biológicas remetidas aos alcaloides extraídos de plantas e dentre elas destaca-se a atividade anti-tumoral. Estudos prévios demonstram que o alcaloide imidazólico epiisopiloturine (EPI), extraído da espécie Pilocarpus microphyllus (Staf), vulgarmente conhecida como jaborandi, possui atividades anti-helmíntica, anti-inflamatória e antinociceptiva, contudo seu potencial anti-tumoral é ainda desconhecido. Este estudo objetivou investigar o potencial antineoplásico e antimutagênico de EPI em linhagens de células normais (VERO) e de células de câncer gástrico (AGP01). O ensaio MTT [3-(4,5-dimethylthiazol-2-yl)-2,5-diphenyltetrazolium bromide] foi utilizado pra avaliar a citotoxicidade e os ensaios cometa e micronúcleo (MN) com bloqueio de citocinese foram utilizados para avaliar a genotoxicidade induzida por EPI nas linhagens celulares estudadas. Além disso, os ensaios cometa e MN também foram utilizados para avaliar a antigenotoxicidade de EPI em células VERO, tratadas com quimioterápico doxorrubicina (DXR). Os resultados do ensaio cometa nas linhagens celulares estudadas e de MN nas células normais demonstram que a EPI apresenta efeitos citotóxicos e genotóxicos apenas em altas concentrações (VERO, 120 µg/mL; AGP01, 400-100 µg/mL). Além disso, relatamos um efeito protetor ou antigenotóxico da EPI, na concentração de 20 µg/mL, em células VERO. Tais resultados representam importantes avanços no conhecimento das propriedades clínicas da EPI, uma vez que demonstraram que baixas concentrações do alcaloide não apresentam efeitos celulares indesejáveis e que este alcaloide pode atuar em sinergismo com a DXR no tratamento do câncer gástrico, promovendo a proteção de células normais.

     

     

  • RENAN OLIVEIRA SILVA
  • PAPEL DA VIA NO/GMPc/KATP E EXPRESSÃO DA ÓXIDO NÍTRICO SINTASE ENDOTELIAL E INDUZIDA NA LESÃO GÁSTRICA INDUZIDA POR ALENDRONATO EM RATOS

  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 04/02/2014
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O alendronato é um bifosfonato indicado para o tratamento de distúrbios do remodelamento ósseo, contudo seu uso crônico tem sido associado a sérios efeitos adversos, incluindo gastrite, úlcera e dor abdominal, entretanto os mecanismos que estão por trás dessas reações ainda não estão totalmente esclarecidos. Objetivo: Avaliar o papel da via NO/GMPc/KATP e expressão da óxido nítrico sintase endotelial e induzida na lesão gástrica induzida por alendronato em ratos. Métodos: Ratos (Rattus norvegicus), fêmeas da raça Wistar, foram pré-tratados com nitroprussiato de sódio (doador de NO; NPS: 1, 3, 10 mg/kg, v.o.) ou L-arginina (substrato da NOS; L-Arg: 50, 100 e 200 mg/kg, i.p.). Em outros grupos experimentais, uma hora antes do NPS (10 mg/kg, v.o.) ou da L-Arg (200 mg/kg), os animais receberam ODQ (inibidor da guanilato ciclase solúvel, 10 mg/kg, i.p.) ou glibenclamida (bloqueador dos canais KATP, 10 mg/kg. i.p.). Outros grupos, receberam apenas L-NAME (inibidor não-seletivo das NOS, 10 mg/kg, i.p.), 1400W (inibidor seletivo da NOSi: 10 mg/kg, s.c.), L-NIO (inibidor seletivo da NOSe, 30 mg/kg, s.c.). Após 1 hora, os ratos foram tratados com alendronato (30 mg/kg, v.o.). Os grupos controle receberam apenas solução salina ou salina + alendronato. As substâncias foram administradas uma vez ao dia, durante quatro dias. No quarto dia, 4 horas após a administração de alendronato, os animais foram sacrificados e os estômagos abertos para avaliação macroscópica. Amostras do estômago foram removidas para análises histopatológica, imunohistoquímica e western blot (NOSe e NOSi), dosagem de glutationa (GSH), concentração de malondialdeído (MDA), atividade da mieloperoxidase (MPO), dosagem de citocinas (TNF-α e IL-1β) e dos níveis de nitrito/nitrato (NO3/NO2). Resultados: O NPS e a L-Arg preveniram de maneira dose-dependente a lesão gástrica induzida por alendronato. O alendronato reduziu os níveis de nitrito/nitrato na mucosa gástrica e o tratamento com NPS ou L-Arg reverteram esses efeitos. Além disso, o pré-tratamento com ODQ ou glibenclamida reverteu o efeito protetor do NPS e da L-Arg. L-NAME, 1400W ou L-NIO agravaram a severidade das lesões induzidas por alendronato. O alendronato reduziu a expressão da NOSe e NOSi na mucosa gástrica. Conclusão: A resposta ulcerogênica gástrica induzida por alendronato é mediada por diminuição do NO derivado não somente da NOSe, mas também da NOSi. Além disso, nossos resultados sugerem que a ativação da via NO/GMPc/KATP é de suma importância na gastroproteção.

     

     

     

2013
Descrição
  • ARI PEREIRA DE ARAÚJO NETO
  • Prevalência da infecção por Papilomavirus humano em carcinomas prostáticos de pacientes do Estado do Piauí, Nordeste do Brasil

  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 18/12/2013
  • Mostrar Resumo
  • O câncer de próstata é uma das neoplasias mais frequentes no mundo, sendo a que mais acomete a população masculina. No Estado do Piauí, o câncer de próstata é a neoplasia mais incidente com taxas estimadas de 43,5 por 100.000 para todo o Estado e de 49,2 por 100.000 para a capital Teresina. Apesar de sua alta morbi-mortalidade, a etiologia do câncer de próstata permanece ainda desconhecida. Supostos fatores de risco, tais como variações genômicas polimórficas, perturbação na síntese de hormônios andrógenos, dieta, atividade física, obesidade, etnia, história familiar e comportamento sexual têm sido implicados na etiologia do câncer de próstata, no entanto o papel definido de cada fator permanece desconhecido. Processos inflamatórios estão relacionados com a etiologia de vários tipos de tumores e a inflamação da próstata, em particular, tem sido associado com o desenvolvimento e progressão do câncer neste órgão. A infecção por papilomavírus humano (HPV) é a mais frequente contaminação sexualmente transmissível e está associada com lesões benignas e malignas do trato anogenital feminino e masculino, no entanto, o possível papel do HPV na carcinogênese da próstata é um tema de grande controvérsia. Portanto, neste estudo objetivou-se avaliar a prevalência de infecções por HPV em carcinoma de próstata de pacientes do Estado do Piauí, Nordeste do Brasil. Este estudo incluiu amostras de tecidos congelados de 104 carcinomas da próstata primários. HPV-DNA foi purificado e, em seguida, amplificado através MY09/11 e GP5+/GP6+, conjuntos de primers não degeneradas que detecta uma ampla gama de tipos de HPV, e o conjunto de primers específicos para as regiões E6 e E7 de HPV, a fim de detectar o HPV 16. Foi detectada uma prevalência nula de HPV-DNA em amostras de carcinomas da próstata de pacientes de Estado do Piauí. Assim, não encontramos nenhuma evidência para apoiar a hipótese de que a infecção pelo HPV está relacionada ao desenvolvimento de câncer de próstata na população estudada.

  • YURI DIAS MACEDO CAMPELO
  • SINERGISMO ENTRE O ALCALOIDE EPIISOPILOTURINA, AMIDA PIPLARTINA E PRAZIQUANTE CONTRA O PARASITA Schistosoma mansoni.

  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 13/12/2013
  • Mostrar Resumo
  • A esquistossomose é considerada um problema de saúde pública no mundo. Atualmente o praziquantel é a única droga utilizada no tratamento desta patologia e este medicamento vem apresentando resistência devido ao seu uso extensivo. Sinergismo ente drogas é uma estratégia importante para o tratamento de várias infecções, aumentando a eficácia, diminuindo a resistência e a toxicidade. Este estudo avaliou a atividade in vitro da interação entre o alcaloide epiisopiloturina, a amida piplartina e a droga de referência praziquantel contra vermes machos adultos de Schistosoma mansoni com 49 dias de idade. Foram calculados os valores de LC50 e LC100 para o alcaloide epiisopiloturina, amida piplartina e praziquantel contra o parasita S. mansoni. Combinações entre epiisopiloturina/piplartina/praziquantel mostrou atividade sinérgica contra vermes adultos do parasita, com índice de combinação (IC) a partir de 0,42. Foram observadas alterações tegumentares com estas combinações com a utilização do microscópio confocal a laser. O sinergismo entre estes farmoquímicos e o praziquantel apresentou melhor resultado do que estas utilizadas isoladamente. A interação entre epiisopiloturina/piplartina diminuiu a toxicidade em células de mamíferos VERO MDCK e L929. Estes são os primeiros estudos de sinergismo entre epiisopiloturina, piplartina e praziquantel contra S. mansoni, com isto estudos in vivo são necessários para verificar o mecanismo de ação da atividade esquistossomicida resultante destas interações.

     

  • RAIMUNDA CARDOSO DOS SANTOS
  • DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO ELETROLÍTICO EM ESCALA PILOTO INDUSTRIAL PARA OBTENÇÃO DE ANTIOXIDANTE A PARTIR DO LÍQUIDO DA CASTANHA DO CAJU.

  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 21/10/2013
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho foi desenvolver um método eletrolítico semi-industrial com a finalidade de aumentar a atividade antioxidante de um resíduo industrial da cadeia produtiva da castanha de caju, o Líquido da Castanha do Caju técnico (LCCt), para aplicação em biocombustíveis. A modificação eletroquímica do LCCt ocorreu em cuba eletrolítica com controle de fluxo de entrada da mistura, da tensão e da corrente elétrica da cuba, produzindo o LCC eletrolisado (LCCe). A metodologia utilizada para analisar a estabilidade oxidativa encontra-se normalizada de acordo com a EN 14112 integrada ao Regulamento Técnico da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP (Portaria ANP 04/2012) que regula a qualidade do biodiesel no país e estabelece um Período de Indução (PI) de no mínimo 6 horas. Foi realizado o teste de estabilidade oxidativa para o biodiesel sem antioxidante (B100), o B100 e o B100 com 5.000 ppm de LCCe. O processo de eletrólise confere atividade antioxidante superior para o B100 contendo 5.000 ppm de LCCe (7,41h) quando comparado ao B100 (3,37h). Os valores do PI do LCCe foram superiores ao exigido pela ANP. O processo eletrolítico para a produção do LCCe é uma ferramenta viável para a obtenção de um novo antioxidante para biocombustível a partir de um produto exclusivamente vegetal, biodegradável e de fonte regional. Este confere vantagens sobre os outros aditivos sintéticos utilizados, considerados poluentes, além disso, o LCCe possui menor custo de produção.

     

  • FRANCISCO MARCELINO ALMEIDA DE ARAÚJO
  • Propriedades Anticorrosivas do extrato rico em alcalóides produzido partir do resíduo da cadeia produtiva do jaborandi (Pilocarpus microphylus Staff).

  • Orientador : JOSE ROBERTO DE SOUZA DE ALMEIDA LEITE
  • Data: 20/08/2013
  • Mostrar Resumo
  • Os custos  anuais  relacionados  à corrosão e prevenção  de corrosão tem  sido responsável  por  constituir uma  parte   significante  do  Produto Interno  Bruto  nomundo  ocidental.   Em adição  aos custos  econômicos e atrasos  tecnológicos,  a cor- rosão  pode  conduzir  a falhas  estruturais que  tem  consequências  dramáticas paraseres humanos  e ao meio ambiente.  
    Neste contexto observa-se a necessidade  de desenvolvimento  constante  da  tecnologia  de revestimentos.   Além da composiçãodo revestimento,  que consiste  de  ligantes, pigmentos,  solventes,  extensores  e aditivos; desempenho  e durabilidade  dos  revestimentos  anticorrosivos  depende  devários parâmetros diferentes,  tal  como o tipo de  substrato, pré-tratamento do substrato, espessura  do revestimento,  adesão  entre  o  substrato  e o revestimento,  bem como vários  parâmetros ambientais  externos.   A busca  por  produtos  naturais aplicados em revestimentos anticorrosivos tem sido de grande importância industrial, umadas vantagens  é o menor  consumo de energia na sua produção  comparado  à produção de componentes  sintéticos.   Extratos de plantas  são vistos como uma fonte ricade componentes  químicos sintetizados naturalmente que podem ser extraídos por pro- cedimentos simples e de baixo custo.  As substâncias podem ser do tipo  alcaloidescomo quinina,  estricnina  e nicotina  que foram  estudados  como inibidores  de  cor- rosão em meios ácidos.   Devido  a aplicabilidade  de compostos  nitrogenados  comatividade  anticorrosiv neste trabalho utiliza-se  extrato rico em alcaloides da folha do  jaborandi,  tendo  como alcaloide  majoritário  a epiisopiloturina utilizados  comoprotetores  da corrosão.   O trabalho envolve a formação  de filmes sobre substrato de aço 1020, que foram previamente  polidos com uma  sequencia de lixas (no   180 1200).  Essas peças foram submetidas a ensaios de corrosão acelerado,  por análise de polarização  em meio salino e medidas  de impedância.  Os filmes obtidos  sobre o aço 1020 apresentam boa aderência  e uniformidade.  As chapas  cobertas  com filmes do extrato mostraram-se resistente  à corrosão em ambiente  salino.  A avaliação  dopotencial  anticorrosiv do extrato foi efetuad por análise de potencial  de circuito aberto seguido de polarização  em torno deste potencial e por análise de impedância. Os dados serão analisados por curvas de Tafel e montagem  de circuitos equivalentes.
  • ANDERSON PASSOS DE ARAGÃO
  • Otimização de síntese verde de Nanopartículas de Prata utilizando Redes Neurais Artificiais.

  • Orientador : DURCILENE ALVES DA SILVA
  • Data: 03/04/2013
  • Mostrar Resumo
  • Modelos computacionais como as Redes Neurais Artificiais (RNAs) possuem a capacidade de simular o cérebro humano, sua capacidade de processamento de dados, aprendizado e generalização do conhecimento. Por esse motivo, as RNAs podem ser empregadas em aplicações das mais diversas. Neste trabalho este modelo computacional foi aplicado para otimização de Síntese Verde de Nanopartículas de Prata (AgNPs) utilizando como agente redutor e agente estabilizante um polissacarídeo extraído de uma alga vermelha presente no litoral piauiense. Quatro parâmetros experimentais foram analisados, a concentração do polissacarídeo, pH do meio reacional, temperatura e tempo de reação. A formação de nanopartículas de prata foi monitorada por medidas de espectrometria na região do UV-visível e as mesmas caracterizadas quanto ao tamanho e potencial zeta por meio de medidas de espalhamento de luz dinâmico. Foram empregadas as redes neurais do tipos Percetrons Multi Camadas (MLP Multi-Layer Perceptrons) com algoritmo de treinamento Backpropagation (BP) para a predição de tamanho das AgNPs sintetizadas. Os resultados obtidos mostram que a RNAs podem ser empregadas de forma eficiente na predição do tamanho da nanopartículas.

     

  • ERYKA OLIVEIRA DE ANDRADES
  • Potencial antioxidante das sementes e casca do fruto da espécie botânica Sicana odorifera  (Vell.) Naudin.

  • Orientador : PEDRO SANCHES DOS REIS
  • Data: 28/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • Os compostos fenólicos presentes nas frutas são capazes de neutralizar os radicais livres prevenindo o surgimento de várias patologias associadas ao estresse oxidativo. O objetivo do presente trabalho foi identificar e quantificar os compostos fenólicos bem como avaliar o potencial antioxidante da semente e casca fruto da espécie botânica Sicana odorifera (Vell) Naudin, pertencente à família Curcubitaceae.  Foram obtidos de forma independente os extratos aquosos, acetônico e metanólico dos pós da semente e casca do melão. Todos os extratos foram avaliados quanto à capacidade antioxidante in vitro através do teste ABTS•+ (radical 2,2´- azinobis(3-etilbenzotiazolina-6-ácido sulfônico) , DPPH• ( radical 1,1-difenil-2-picrilidrazil) e Rancimat. Para identificar e quantificar os compostos fenólicos os extratos foram avaliados por CLAE. Todos os testes foram submetidos a analise de variância (ANOVA) e teste de Tukey ao nível a 5% de probabilidade (p˂0,05), utilizando o programa estatístico o software ASSISTAT versão 7.8 beta (2012). O extrato acetônico da casca e semente apresentaram o maior conteúdo de fenólicos e apresentando o menor valor o extrato metanólico da casca. A atividade antioxidante pelo teste ABTS•+ todos os extratos casca apresentaram maior atividade que os extratos da semente. Quanto ao teste DPPH todos os extratos da casca tiveram a atividade antioxidante mensurada, tendo melhor atividade o extrato metanólico ( EC50 = 63.29 µg/mL, quanto aos extratos da semente apenas o extrato metanólico apresentou atividade pelo teste. Na avaliação da estabilidade oxidativa pelo teste Rancimat todos os extratos não mostraram variação do fator de proteção quanto as concentração utilizadas (100ppm e 200ppm). Através da análise por CLAE foi possível identificar e quantificar a catequina (0,002g/g) apenas no extrato aquoso da semente.

     

     

  • THAYSON RODRIGUES LOPES

  • ANÁLISE DO PERFIL GENÉTICO DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ POR MARCADORES INFORMATIVOS DE ANCESTRALIDADE.

  • Orientador : FRANCE KEIKO NASCIMENTO YOSHIOKA
  • Data: 27/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • A utilização dos marcadores em estudos de genética populacional possibilita revelar a contribuição dos diferentes grupos étnicos que influenciaram na formação de uma determinada população. A migração de diferentes povos para o continente americano é um dos fatores evolutivos que mais contribui na diferenciação genética entre populações. No Brasil, as três principais subpopulações que influenciaram na sua constituição foram os indígenas, nativos da terra, o negro africano, na condição de escravo e o colonizador europeu. No Estado do Piauí, até o presente estudo, esse tipo de análise ainda não tinha sido realizado. Com a utilização de 46 marcadores informativos de ancestralidade do tipo inserção-deleção (INDEL), foi verificada que a constituição genética do Estado apresentou uma expressiva contribuição européia (60%), sequida da africana (21,5%) e, em menor proporção, indígena (18,5%), corroborando com o processo de colonização do territorio piauiense. As análises individuais das quatro mesorregiões do Estado mostraram resultados concordantes com a análise global, sendo que a Mesorregião Norte apresentou 58,2% de contribuição européia, 20,5% de africana e 20,7% indígena; a Mesorregião Centro-Norte apresentou 56,7% de europeu, 24,0% de africano e 19,3% indígena. Dentre as quatro, a Mesorregião Sudeste apresentou a maior contribuição européia (63,0%), seguida da africana (21,3%) e indígena (15,7%) e a Mesorregião Sudoeste com 56,8% de contribuição européia, 23,3% de africana e 19,9% de indígena. Os resultados de AMOVA desmostraram que 82,25% de toda a variação genética encontrada entre a população do Piauí e as populações parentais e outras populações miscigenadas, que fizeram uso dos mesmos marcadores INDEL, está dentro das populações e apenas 17,75% entre as populações. A subestruturação populacional também foi confirmada pela análise de Fst onde a população do Piauí é geneticamente mais próxima da população de Belém e Macapá e mais distantes das parentais africanas e indígenas. Além disso, o uso do conjunto de marcadores usado no presente estudo foi avaliado na medicina legal onde ele se mostrou mais eficiente do que um kit STR, usualmente aplicado em casos forenses, quando se amplificou DNA degradado em baixas concenstrações além de seu uma ferramenta complementar em testes de paternidade.

     

     

  • EDMILSON DE SOUZA RAMOS NETO
  • Estudo de associação dos polimorfismos 3'UTR VNTR do gene SLC6A3 e A-1438G e T102C do gene 5HT2A e tabagismo em uma amostra populacional no município de Parnaíba-PI.

  • Orientador : FABIO JOSE NASCIMENTO MOTTA
  • Data: 26/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • O tabagismo representa uma das causas mais prevalente de morbidade e mortalidade. Estudos tem apontado uma forte relação entre o comportamento tabagista e o componente genético. Polimorfismos genéticos na via dopaminérgica, a exemplo do 3’UTR VNTR do gene transportador de dopamina (SLC6A3), e serotoninérgica, tais como os polimorfismos A -1438G e T102C do gene receptor de serotonina (5HT2A) foram relacionados ao hábito tabagista. O objetivo deste estudo foi observar a prevalência e investigar a associação destes polimorfismos com o uso do tabaco na população parnaibana - PI. Foram analisados 135 não fumantes e 135 fumantes pela técnica de PCR-RFLP. A distribuição das frequências genotípicas e alélicas e a associação dos polimorfismos e o fenótipo tabagista foram avaliados pelos testes do qui-quadrado (X2), exato de Fisher e odds ratio (OR) com um intervalo de confiança de 95%. Foi possível observar diferenças na distribuição dos genótipos e dos alelos entre controles e fumantes para o polimorfismo 3’UTR VNTR do gene SLC6A3 (p= 0,01), diferentemente dos SNPs A-1438G (p= 0,80) e T102C (p=0,35). A estratificação dos genótipos de acordo com algumas características do hábito, para ambos os polimorfismos do gene 5HT2A, mostraram associação significativa para frequência do hábito (A/G: p=0,02; OR= 6,87, 95%IC 1,23-38,31, p=0,04; A/G+G/G: p= 0,04; OR= 3,67, 95%IC 1,06-12,75, p= 0,07) e para o grau de dependência leve a  nicotina (A/G: p=0,02; OR= 3,28, 95%IC 1,17-9,18, p=0,04; A/G+G/G: p= 0,04; OR= 2,81, 95% IC 1,13-6,99, p= 0,04; T/C: p=0,03; OR= 3,12, 95%IC 1,13-8,57, p=0,04; T/C+C/C: p= 0,02; OR= 3,06, 95% IC 1,22-7,70, p= 0,02). Por outro lado não se observou o mesmo para o polimorfismo do gene SLC6A3. Desta maneira, os dados sugerem uma contribuição do polimorfismo do gene SL6CA3 para iniciação do hábito tabagista e uma colaboração dos SNPs do gene 5HT2A na manutenção do hábito tabagista.

     

     

     

  • JEFFERSON ALMEIDA ROCHA
  • VARIABILIDADE GENÉTICA E AVALIAÇÃO ANTIBACTERIANA E ANTI-SCHISTOSOMA DOS ALCALOIDES PILOSINA, EPIISOPILOSINA, ISOPILOSINA E MACAUBINA DE JABORANDI (Pilocarpus microphyllus Stapf ex Wardlew).

  • Orientador : IVANILZA MOREIRA DE ANDRADE
  • Data: 26/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • Pilocarpus microphyllus Stapf ex Wardlew., conhecida popularmente como jaborandi, caracteriza-se pelo hábito arbustivo, folhas compostas e flores pequenas arranjadas em racemos. A planta é originária do Norte e Nordeste do Brasil, ocorrendo ao leste do estado do Pará, oeste e norte do Maranhão e norte do Piauí. Trata-se de uma espécie de grande interesse econômico, da qual é extraído o seu principal alcaloide, pilocarpina, utilizado no tratamento da xerostomia e glaucoma. Embora bastante utilizada na indústria, pouco se sabe sobre a diversidade genética desta espécie em seu habitat natural. Além disso, outros alcaloides como pilosina, isopilosina, epiisopilosina e macaubina, também presentes no jaborandi, têm sido purificados, mas com poucas propriedades farmacológicas descritas. Objetivou-se, realizar um estudo de diversidade genética de populações de jaborandi (Pilocarpus microphyllus Stapf ex Wardlew.) em seu habitat natural e avaliar a atividade antibacteriana dos alcaloides pilosina, isopilosina, epiisopilosina e macaubina. Para as análises foram coletadas o total de 125 indivíduos em cinco populações. Foram selecionados 48 primers e cinco destes (UBC 807, UBC 810, UBC 812, UBC 825 e UBC 856) utilizados no estudo de variabilidade genética. Os dados populacionais foram analisados, através de métodos Bayesianos (Structure), de Componentes Principais (PCO) e agrupamento da PCO (PCO-MC) para os dados genéticos. Para medir a atividade antibacteriana dos alcaloides utilizou-se a técnica de concentração inibitória mínima (CIM) contra 3 linhagens bacterianas Gram-negativas e 3 Gram-positivas. Para atividade anti-Schistosoma, fez-se o estudo in vitro dos alcaloides e o tempo de sobrevivência de vermes adultos de Schistosoma mansoni, além disso, examinou-se alterações no tegumento por meio de microscopia confocal. Foram reconhecidos quatro grupos genéticos, assim formados nas cidades: Luzilândia (PI), Parauapebas (PA), Mata Roma (MA) e Parnaíba e Matias Olímpio, ambos no Piauí. A população que apresentou maior diversidade intrapopulacional foi a de Parnaíba (>85.08%) e a de menor diversidade foi a de Luzilândia (42%). Quanto à atividade antibacteriana, os alcaloides pilosina e epiisopilosina apresentaram CIM de 800µg, principalmente contra bactérias Gram-positivas, sendo pouco ativas, já os alcaloides isopilosina e macaubina foram inativos até esta concentração. Para a atividade anti-helmítica o alcaloide epiisopilosina foi a que apresentou melhor atividade schistosomicida na concentração de 3.125 µg/mL e na concentração 1,5625µg/mL manteve os vermes machos e fêmeas separados, impedindo o processo de acasalamento e oviposição, além da redução de atividade motora e alterações do tegumento. Os outros alcaloides tiveram um menor efeito.

     

     

     

     


  • ALLINE FREITAS DE SOUZA GAUDIE LEY
  • PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E DE UTILIZAÇÃO DE ANTIBIÓTICOS E MEDICAMENTOS POR IDOSOS PORTADORES DE DEMÊNCIA EM UMA CIDADE DO NORDESTE DO BRASIL.

  • Orientador : ANNA CAROLINA TOLEDO DA CUNHA PEREIRA
  • Data: 25/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • O envelhecimento tem sido alvo de muitas preocupações e questionamentos, posto que muitas vezes os anos acrescidos à vida não podem ser vividos com qualidade, por conta das doenças crônico-degenerativas, frequentemente presentes na população idosa Este presente estudo teve como objetivo descrever o perfil epidemiológico e de utilização de antibióticos e outros medicamentos por idosos portadores de síndrome demencial no norte do Piauí. Um questionário padrão foi preenchido com os dados constantes nos prontuários dos pacientes selecionados: maiores de 60 anos, portadores de síndrome demencial pelos critérios do DSM-IV, procedentes da cidade de Parnaíba-PI, atendidos em um ambulatório especializado em geriatria no período de novembro/2011 a dezembro/2012. Estatística descritiva foi mostrada através das médias (+ desvio padrão) para as variáveis contínuas e das percentagens dos respectivos totais para as variáveis ditas categóricas. A idade média da população do estudo foi de 82,9 + 6,5 anos. A maioria (75,3%) pertencia ao sexo feminino, era viúva (60,3%), de pele clara (78,1%), católica (91,8%), possuía menos de oito anos de escolaridade (60,9%), renda familiar mensal entre 2 e 5 salários mínimos (66,1%) e morava com  3 ou 4 pessoas na mesma casa (50%). Quase metade dos pacientes foi classificada em estágio inicial de demência. Mais de 85% dos pacientes apresentava algum grau de dependência de terceiros, sendo que a maioria contava com cuidadores familiares (66,6%). A média de consultas realizadas foi de 6,7 + 6,3. A quantidade de anos de acompanhamento foi em média de 2,23 + 1,76. O número médio de medicamentos em uso na primeira e na última consultas foi, respectivamente 3,89 + 2,44 e 5,53 + 2,52. As classes de medicamentos mais utilizadas foram: anti-hipertensivos, anticolinesterásicos, memantina, benzodiazepínicos. Mais da metade (75,3%) utilizou alguma medicação imprópria para idosos, tendo sido o clonazepam a mais frequente. 63% usaram pelo menos um antibiótico durante o período de acompanhamento. As principais justificativas foram infecção do trato urinário e respiratório. A classe de antimicrobianos mais administrada foi a de fluorquinolonas (36,63%). Concluiu-se que a utilização de medicamentos pelos portadores de demência foi alta. São preocupantes as elevadas quantidades de antibióticos e medicamentos inadequados, pelo risco de efeitos adversos indesejáveis e seleção de cepas de bactérias multirresistentes, sendo necessária a conscientização de todas as pessoas envolvidas no cuidado desta população.

     

     

     

  • ANNE JURKIEWICZ MELO
  • Análise de Polimorfismos Genéticos dos Genes ADH1BADH1C e CYP2E1 de metabolização do álcool em uma população de alcoolistas do Nordeste do Brasil.

  • Orientador : RENATA CANALLE
  • Data: 25/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • O álcool é a substância psicotrópica mais consumida no Brasil, podendo seu abuso gerar aposentadorias precoces ainda em fase produtiva, acidentes de trânsito, violência doméstica e, nos casos mais severos, a morte do indivíduo ou de terceiros que com ele se relacionam. A interação complexa entre genes e o ambiente são responsáveis pelo comportamento do indivíduo em relação ao uso de bebidas alcoólicas. A transmissão aos descendentes da vulnerabilidade ao alcoolismo pode estar associada a fatores genéticos na ordem de até 60%. Os genes envolvidos no metabolismo do etanol, principalmente no fígado, influenciam a suscetibilidade individual ao distúrbio. O objetivo deste trabalho foi avaliar a frequência dos polimorfismos em genes que codificam as enzimas de metabolização do álcool em pacientes alcoolistas do CAPS - AD, comparados com um grupo controle, não usuário pesado de bebidas alcoólicas, além de comparar a distribuição alélica da população nordestina com a obtida em outras populações. Foram investigados polimorfismos genéticos das enzimas álcool desidrogenase (ADH1B Arg 47 His, ADH1C Ile 350 Val) e do citocromo P450 2E1 (CYP2E1 Pst I), pela técnica PCR-RFLP. A análise foi feita em 163 pacientes alcoolistas e 182 controles. Os dois grupos apresentaram divergências significativas em relação à etnia, sexo e hábito tabagista. Na frequência alélica da população controle nordestina prevaleceram os alelos Arg (93%), Ile (67%) e c1 (89%), semelhantes aos estudos com Mexicanos, mas significativamente diferente de estudos com Chineses. O hábito tabagista foi relatado em 98% dos pacientes e 50% dos controles (p < 0.0001). Dessa forma, foi realizada uma análise entre indivíduos fumantes e não-fumantes com respeito à incidência do polimorfismo de CYP2E1, uma vez que a enzima também é ativada por componentes do cigarro. A análise dos indivíduos não-fumantes revelou que o genótipo mutado heterozigoto foi mais frequente nos pacientes (32,3%) do que nos controles (14,5%), podendo aumentar o risco de alcoolismo em quase três vezes (OR 2.80; 95%IC; 1.35 – 5.83; p=0.0072). Além disso, na comparação dos dois grupos não-fumantes, a frequência do alelo c2 também foi predominantemente maior nos pacientes (p = 0.0115). A presença desta variação alélica reconhecida pela enzima Pst I sugere uma predisposição ao alcoolismo. A investigação do polimorfismo do gene ADH1C não ofereceu correlação com a dependência ao alcoolismo. Em contrapartida, o genótipo mutado ADH1B Arg 47 His conferiu proteção aos seus indivíduos portadores em relação à dependência alcoólica, após análise combinada das formas variantes do gene, homozigota e heterozigota (OR 0.45; 95%IC; 0,21 – 0,95; = 0.03). Além disso, sua combinação com as formas ADH1C*1 e CYP2E1 (c1/c1) sugeriu uma possível defesa em relação à dependência alcoólica (OR 0.30; 95%IC; 0.09-1.04; p=0.05). Conclusão: Os genótipos de ADH1B Arg 47 His de metabolização rápida do etanol conferem proteção contra a dependência alcoólica. A combinação do polimorfismo de ADH1B (Msl I) com as formas selvagens dos genes ADH1C e CYP2E1 sugerem uma defesa ao alcoolismo. Por sua vez, os genótipos variantes de CYP2E1 (Pst I)  podem aumentar o risco de alcoolismo.  

  • CASSANDRA MIRTES DE ANDRADE REGO
  • Estudo de associação dos polimorfismos rs7903146 e rs12255372 do gene TCF7L2 com a diabetes do tipo 2 em indivíduos do nordeste brasileiro.

  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 22/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • Estima-se que cerca de 200 milhões de indivíduos sofram de diabetes tipo 2 em todo o mundo e acredita-se que o rápido crescimento na prevalência desta doença seja resultado da combinação de fatores ambientais, como o aumento do consumo de alimentos e a diminuição da atividade física, agindo em indivíduos geneticamente predispostos. Duas variações polimórficas dentro do gene TCF7L2, os polimorfismos de base única (SNP, do inglês single nucleotide polymorphims) não codificantes rs7903146 (C/T) e rs12255372 (G/T) demonstram uma forte associação com a diabetes tipo 2 em diferentes estudos populacionais. Neste estudo, investigamos a associação dos SNPs rs7903146 e rs12255372 com a diabetes tipo 2 em uma população miscigenada do nordeste brasileiro. Nossos resultados indicam que as frequências genotípicas e alélicas dos SNPs TCF7L2 rs7903146 e rs12255372 nos grupos caso e controle foram similares (p > 0,05) e que as frequências alélicas destas variações não demonstraram associação significativa com o risco da ocorrência de diabetes tipo 2 (rs7903146, OR = 0,95; IC = 0,52 – 1,76; p = 1,00 e rs12255372, OR = 1,38; IC = 0,72 – 2,62; p = 0,41). Esses dados sugerem que os SNPs TCF7L2 rs7903146 e rs12255372 podem não contribuir significativamente para a suscetibilidade à diabetes em nossa população. No entanto, não podemos ignorar a possibilidade dos nossos resultados terem sido reflexo no pequeno número de indivíduos estudados. Alternativamente, esses resultados podem ser atribuídos a efeitos étnicos específicos, pois a maioria das associações anteriores tem sido relatada em estudos com populações de constituição predominantemente europeia. Por esses motivos, mesmo que não tenhamos sido capazes de indicar uma associação significativa dos SNPs TCF7L2 rs7903146 e rs12255372, uma fraca associação não pode ser descartada. Portanto, para uma conclusão definitiva acerca do papel dessas variações na diabetes tipo 2 em populações miscigenadas, justificam-se os esforços de replicação da metodologia aqui adotada em uma grande grupo populacional proveniente de regiões com histórico de cruzamento interétnico.

     

     

     

  • LAÍS SOUSA SANTOS
  • VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E ANÁLISE MOLECULAR DO DENGUE VIRUS NO PIAUÍ: BUSCA DOS SOROTIPOS CIRCULANTES.

  • Orientador : GUSTAVO PORTELA FERREIRA
  • Data: 22/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • A dengue representa hoje um dos maiores problemas em saúde pública, pois é causa de doença e morte entre milhares de pessoas em regiões tropicais e subtropicais do mundo. O Dengue virus (DENV) possui quatro sorotipos virais (DENV-1 a DENV-4) epidemiologicamente relacionados, porém imunogenicamente distintos. A maioria das infecções de dengue são assintomáticas ou muito leves, caracterizada por febre indiferenciada e geralmente resultam em duas síndromes bem definidas, febre do dengue (FD) e febre hemorrágica do dengue (FHD) que pode evoluir para choque hipovolêmico, ou síndrome do choque da dengue (SCD). A detecção precoce do DENV é essencial para redução da morbi-mortalidade por dengue, para isso é necessário um sistema de vigilância rápido e eficiente para o monitoramento da circulação viral. A sorologia é o método mais amplamente utilizado para o diagnóstico de dengue na rotina laboratorial. No entanto as técnicas moleculares de detecção e identificação dos sorotipos, como a RT-PCR, por serem mais rápidas e sensíveis, vêm sedo cada vez mais utilizadas para o diagnóstico precoce da dengue, mas isto ainda não é uma realidade nos laboratórios de saúde pública do Piauí. O Piauí que se encontra em uma região de hiperendemicidade tem vivenciado um aumento no número de casos notificados com formas graves e óbitos. Com o intuito de analisar o perfil clínico epidemiológico e avaliar a evolução da dengue na região foi realizado um levantamento epidemiológico dos casos suspeitos de dengue notificados entre 2006 e 2012 no Estado. Os dados foram obtidos através do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN-PI). Foram ainda analisadas experimentalmente por RT-PCR amostras de soro de casos suspeitos de dengue, obtidas entre o período de 2011 e 2012 através do Laboratório Central Drº. Costa Alvarenga (LACEN-PI), tendo o perfil-clínico epidemiológico descrito as amostras que tiveram o diagnóstico confirmado, por sorologia, isolamento viral e/ou RT-PCR. A análise dos dados apontam altas taxa de incidência e letalidade, sendo que as crianças e mulheres acima de 30 anos são os que estão sob maior risco de desenvolvimento das formas graves da doença o que sugere uma atenção especial a estes grupos.  A detecção de casos de coinfecção por mais de um sorotipo e a possível cocirculação dos quatro sorotipos com a introdução do DENV-4 a partir de 2011, refletem a situação de hiperendemicidade que o Estado se encontra. A técnica de RT-PCR aumentou a capacidade de detecção viral, em amostras tidas como negativas por metodologias usadas pelo LACEN-PI. Diante dos resultados obtidos sugerimos a implementação desta técnica no LACEN-PI para detecção precoce do DENV e dos sorotipos circulantes, possibilitando ao sistema de vigilância um controle eficiente do monitoramento da circulação viral e permitindo que medidas de prevenção, tratamento e controle adequadas possam ser iniciadas precocemente.

     

     

  • LHAIS SUELEN SOARES LEAL
  • Caracterização bioquímica e atividades biológicas de frações protéicas obtidas de sementes de Acacia farnesiana (L.) Willd.

  • Orientador : CLAUDIO ANGELO VENTURA
  • Data: 15/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • Diversas plantas têm seu uso relacionado à medicina popular, como forma de tratar doenças a um baixo custo e diminuir os efeitos colaterais associados ao uso de medicamentos sintéticos. A busca por compostos bioativos que possam substituir esses medicamentos vem se tornando o foco principal de muito pesquisadores em todo o mundo. As plantas possuem uma infinidade de macro e micromoléculas que podem ser utilizadas para esse fim, como as proteínas de reserva, encontradas em sementes, podendo ser empregadas para uma infinidade de aplicações biotecnológicas. Este trabalho teve como objetivo a caracterização bioquímica de frações protéicas de sementes de Acacia farnesiana (L.) Willd. e a investigação de sua atividade antiinflamatória, atinociceptiva e antifúngica. As proteínas solúveis obtidas em 5 diferentes frações (albuminas, globulinas, prolaminas e glutelinas ácidas e básicas)  foram quantificadas e o perfil protéico caracterizado através de eletroforese em gel de policrialilamida (SDS-PAGE). O padrão das proteínas totais do extrato bruto (EB) das sementes também foi avaliado por eletroforese bidimensional (2DE).  Foram realizados ensaios para detecção de atividade lectínica, proteases e quitinases em todas as frações. Somente a fração globulínica (GLB) foi utilizada nos ensaios farmacológicos de atividade antiinflamatória e antinociceptiva. Foi avaliado o efeito antiinflamatório em edema de pata induzido por carragenina e dextrana, assim como o efeito na migração de leucócitos através da quantificação da mieloperoxidase (MPO) e em modelo de peritonite induzido por carragenina. A atividade antiinflamatória e lectínica da GLB após tratamento térmico também foi analisada em edema de pata induzido por carragenina. O efeito antinociceptivo foi testado utilizando ensaios com estímulos químicos (ácido acético e formalina) e térmicos (placa quente). As frações protéicas foram avaliadas quanto a sua atividade antifúngica contra Criptococcus neoformans e Criptococcus gattii. A interação desses fungos com as frações também foi verificada com uso de microscópio invertido. O rendimento protéico mostrou que a GLB apresentou maior quantidade de proteínas solúveis. O perfil eletroforético do EB por 2DE mostrou que, em sementes de A. farnesiana (L.) Willd. há um número variado de isoformas protéicas, com predominância de proteínas básicas. O perfil protéico resultante do SDS-PAGE revelou a presença de proteínas com pesos moleculares entre 14,4 e 66,0 kDa, com predominância de proteínas de 30 kDa para GLB e glutelinas ácidas. Atividade lectínica foi detectada para GLB, glutelinas ácida e básica. Proteases cisteínicas foram encontradas apenas na fração glutelina básica e, quitinases, na fração GLB. Para os ensaios farmacológicos observou-se que a GLB apresentou redução significativa na inflamação causada por carragenina, mas não mostrou o mesmo efeito no edema por dextrana. A mesma foi capaz de reduzir a atividade da MPO e migração celular para a cavidade peritoneal. As atividades antiedematogênica e lectínica de GLB foram abolidas após tratamento térmico. A fração levou a diminuição do número de contorções abdominais induzidas por ácido acético, reduziu o tempo de lambedura na pata de camundongos na primeira fase do teste da formalina, porém não apresentou resultado positivo no teste da placa quente. As frações não apresentaram atividade fungicida, entretanto, GLB e glutelinas ácidas e básicas foram capazes de interferir no crescimento de C.neoformas e C. gattii.

     

     

     

     

  • MARCOS AURÉLIO LIMA BARROS
  • Arritmias cardíacas: estudo de caso de paciente com síndrome de Brugada com alta mortalidade na família e desenvolvimento de oligonucleotídeos iniciadores e conjunto de reagentes para amplificação de sequências alvo do gene SCN5A.

  • Orientador : GIOVANNY REBOUCAS PINTO
  • Data: 08/03/2013
  • Mostrar Resumo
  • A Síndrome de Brugada (SBr) é uma arritmia hereditária caracterizada por um padrão específico de eletrocardiograma (ECG) e um risco aumentado de morte súbita cardíaca, com uma aparente ausência de anomalias estruturais ou de doença isquêmica do coração. Até o momento, estima-se que as mutações nos genes SCN5A e GPD1L estejam representadas em aproximadamente cerca de 18-30% e 11-12%, respectivamente, dos probandos com SBr; enquanto que a prevalência de variações em outros genes já relacionados com a SBr (tais como o CACNA1C, CACNB2, SCN1B, KCNE3, SCN3B e HCN4) ainda é desconhecida. Apresentamos um relato de caso de um paciente, brasileiro, pardo, SBr-ECG+, porém negativo para mutação nos genes SCN5A e GPD1L, com uma história de alta mortalidade na família, incluindo cinco mortes súbitas entre parentes, quatro das quais em parentes de primeiro grau. No nosso conhecimento, este é o primeiro relato de caso de um paciente com SBr com uma história de morte súbita na família em quatro parentes de primeiro grau. Este caso reforça a evidência de que os estudos genéticos são de uso limitado para a determinação do risco, mas permanecem úteis para o diagnóstico, e que o diagnóstico por meio do ECG é de grande importância para a prevenção de eventos adversos e estratificação de risco. Embora existam muitas ferramentas diagnósticas tecnologicamente avançadas, estas tecnológicas podem não estar acessíveis na maioria das cidades e em hospitais de pequeno porte; por outro lado, o ECG, ferramenta básica de diagnóstico das arritmias, é facilmente acessível.

     

     

  • KELINE MEDEIROS DE ARAÚJO
  • IDENTIFICAÇÃO DE COMPOSTOS FENÓLICOS PRESENTES EM EXTRATOS DE Euphorbia tirucalli L., E AVALIAÇÃO DE SUA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E ANTIBACTERIANA.


  • Orientador : REGINALDO ALMEIDA DA TRINDADE
  • Data: 08/03/2013
  • Mostrar Resumo
  •  

    Os reconhecidos efeitos benéficos dos antioxidantes à saúde, principalmente aqueles provenientes de fontes naturais, prevenindo o desencadeamento de reações oxidativas, tem estimulado o surgimento de muitas pesquisas para o isolamento e identificação destes compostos em diferentes matrizes vegetais. Neste contexto, a Euphorbia tirucalli L. é uma planta pertencente à família Euphorbiaceae, utilizada no Brasil como planta medicinal tradicional devido ao seu potencial farmacológico. O objetivo deste trabalho foi quantificar e avaliar os compostos bioativos presentes nos extratos secos e frescos hidrometanólicos e acetônicos da parte aérea de Euphorbia tirucalli L.. Para isso, foi avaliado o seu conteúdo em fenólicos totais pelo método do Folin, a atividade antioxidante pelos métodos do sequestro dos radicais sintéticos DPPH e ABTS●+, e a proteção antioxidante em meio lipídico pelo método do RANCIMAT®; foi também realizada a identificação e quantificação dos compostos fenólicos por CLAE e análise do seu potencial antibacteriano. Os resultados mostraram que os extratos secos apresentaram maiores teores de fenólicos totais que os extratos frescos. No extrato seco acetônico foi quantificado 30,54±0,64 mg/100g de fenólicos totais seguido pelos extratos seco hidrometanólico (27,6±2,34 mg/100g), fresco acetônico (7,73±1,21 mg/100g), fresco hidrometanólico (9,47±0,65 mg/100g). A avaliação da atividade antioxidante pelo método DPPH revelou um EC50 de 12,15±0,09 µg/mL para o extrato seco hidrometanólico. Pelo método ABTS●+ os extratos secos acetônico e hidrometanólico apresentaram atividade antioxidante mais elevada que os demais no tempo de 30 min, com valores 716,77±171,60 e 718,99±76,88 µM TROLOX/g, respectivamente. Pelo método RANCIMAT® todos os extratos apresentaram fator de proteção comparáveis ao padrão BHT (FP>1). Por CLAE, foi identificado e quantificado o ácido ferúlico, sendo o maior valor de 0,59 g/100g encontrado no extrato seco hidrometanólico. Todos os extratos apresentaram ação de inibição de crescimento contra as cepas de Staphylococcus aureus e S. epidermidis. Nossos resultados revelam o potencial farmacológico dos extratos das partes aéreas da E. tirucalli L., os quais são fontes de compostos bioativos contendo atividade antioxidante e antimicrobiana.

     


  • DARIO BRITO CALÇADA
  • Redes neurais artificiais como ferramenta para predizer o diâmetro de nanopartículas de prata e goma do cajueiro obtidas por síntese verde.

  • Orientador : CARLA EIRAS
  • Data: 28/02/2013
  • Mostrar Resumo
  • Ferramentas de inteligência computacional possibilitam o estudo de processos complexos em sistemas biológicos e químicos. As redes neurais artificiais (RNA) são modelos computacionais capazes de resolver problemas multidimensionais por meio de algoritmos de aprendizado e treinamento. Um exemplo de sistema químico complexo é a obtenção de nanopartículas de prata (AgNP) mediante processos sem a presença de elementos tóxicos, chamados de “síntese verde”.Estes procedimentos possuem uma gama de variáveis que interferem de forma direta no tamanho e consequentemente nas propriedades das AgNPs geradas. Este trabalho apresenta a utilização de RNAs para a generalização e otimização da síntese de AgNPs utilizando, como agente redutor e matriz estabilizante da nanoestrutura, uma solução de goma extraída do tronco do cajueiro (Anacardiumoccidentale)(GC). Como dados de entrada da RNA aqui proposta, foram utilizados quatro parâmetros envolvidos na metodologia de síntese realizada: concentração da solução de goma do cajueiro, pH da solução inicial, temperatura e tempo de reação. A estrutura encontrada para a RNA com o maior índice de acerto, contém duas camadas escondidas, com seis e quatro neurônios respectivamente. Esta rede foi capaz de estimar o tamanho das AgNPs com um grau de acerto de 87,39%.

  • NATÁLIA RODRIGUES DÁRC COSTA
  • Efeito protetor da via hemeoxigenase 1/CO na lesão gástrica induzida por alendronato em ratos - papel da guanilato ciclase solúvel (GCs).

  • Orientador : JAND VENES ROLIM MEDEIROS
  • Data: 22/02/2013
  • Mostrar Resumo
  • Alendronato de sódio é um medicamento indicado no tratamento de distúrbios do remodelamento ósseo, que causa sérios efeitos gastrointestinais adversos. Estudos recentes mostram que o monóxido de carbono, produzido pela hemeoxigenase 1, tem propriedades anti-inflamatórias e contribui para a gastroproteção. Objetivo: Avaliar o efeito protetor da via hemeoxigenase 1/CO na lesão gástrica induzida por alendronato em ratos, bem como o papel da guanilato ciclase solúvel neste evento. Métodos: Ratos Wistar fêmeas foram pré-tratadas, uma vez ao dia por 4 dias, com salina, hemina (indutor da HO-1; 1, 3 ou 10 mg/kg, i.p.)  ou DMDC (doador de CO; 9, 27 ou 81 µmol/kg, i.p.). Trinta minutos depois, as lesões gástricas foram induzidas por alendronato (30 mg/kg, v.o). Outros grupos receberam zinco protoporfirina IX (inibidor da HO-1; 1 mg/kg, i.p.) 1 hora antes do tratamento com hemina (10 mg/kg, i.p.),  ou ODQ (inibidor da guanilato ciclase; 10 mg/kg, i.p.) 1 hora antes da administração da hemina (10 mg/kg, i.p.) e DMDC (81 µmol/kg, i.p.). Trinta minutos depois, o alendronato (30 mg/kg, v.o) foi administrado. A administração das drogas foi feita 1 vez ao dia por 4 dias. No quarto dia de tratamento, 4 horas após administração do alendronato, os animais foram sacrificados e os estômagos abertos para determinação da área da lesão usando um programa de planimetria computadorizada. Além disso, fragmentos de tecido foram removidos para análise histopatológica, dosagem de glutationa reduzida (GSH), mieloperoxidase (MPO), malondialdeído (MDA) e citocinas pró-inflamatórias TNF-α e IL-1β. Outro grupo foi usado para determinação do muco gástrico. Para o estudo da expressão da HO-1 por imunohistoquímica e determinação da concentração de bilirrubina, foram utilizados os grupos experimentais tratados com salina, alendronato (30 mg/kg, v.o), hemina (10 mg/kg, i.p.) ou hemina + alendronato. O protocolo de administração das drogas e sacrifício dos animais foi determinado como descrito acima. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Animal da Universidade Federal do Piauí (Protocolo No 0067/10). Resultados: O tratamento com alendronato causou danos gástricos macro e microscopicamente, aumentou a expressão da enzima HO-1 e dos níveis de bilirrubina no tecido gástrico. Além disso, o alendronato aumentou os níveis de MDA, MPO e citocinas TNF-α e IL-1β e promoveu uma diminuição dos níveis de GSH e produção de muco gástrico. A administração de hemina ou DMDC preveniu, de forma dose-dependente, a lesão por alendronato no estômago. Os parâmetros histopatológicos foram diminuídos na presença de hemina e DMDC. Essa proteção também foi acompanhada por diminuição dos níveis gástricos de MDA, MPO e citocinas TNF-α e IL-1β e do aumento da concentração de GSH e da produção de muco. O ODQ aboliu o efeito gastroprotetor da hemina e do DMDC, e aumentou os danos gástricos causados por alendronato. O ZnPP IX inibiu o efeito protetor da hemina. Conclusão: Nossos resultados sugerem que a via HO-1/CO desempenha um papel protetor da mucosa gástrica contra lesões induzidas por alendronato, através de mecanismos que podem ser dependentes da ativação da guanilato ciclase solúvel.

     

     

     

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.instancia1 05/12/2019 15:15