Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ARMYSTRON G FERREIRA ARAUJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ARMYSTRON G FERREIRA ARAUJO
DATA: 30/08/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do PPG em Ciência e Engenharia dos Materiais
TÍTULO: Projeto, fabricação e tratamento térmico por têmpera e nitretação a plasma de ferramentas de corte de aço AISI M2 utilizadas na fabricação de pregos
PALAVRAS-CHAVES: Nitretação, Ferramenta de corte, Aço AISI M2
PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia de Materiais e Metalúrgica
SUBÁREA: Instalações e Equipamentos Metalúrgicos
ESPECIALIDADE: Equipamentos Metalúrgicos
RESUMO:

Os processos de fabricação mecânica têm como objetivo transformar os materiais metálicos em peças e componentes mecânicos. Nesses processos são empregadas ferramentas para cortar, furar e estampar. O término do uso dessas ferramentas acontece com desgaste da sua aresta de corte. Muitos são os materiais empregados na fabricação de ferramentas de corte, dentre eles estão os aços rápidos AISI M2 que têm alta resistência ao desgaste. As ferramentas produzidas desse material podem ser submetidas a tratamentos térmicos e termoquímicos para melhorar sua resistência mecânica. A nitretação iônica é um tratamento termoquímico onde um vácuo é gerado dentro de uma câmara e um campo elétrico intenso é aplicado para gerar espécies ativas de plasma em um gás, que reagem com a superfície das ferramentas produzindo compostos de elevada dureza e resistência ao desgaste. Diante disso, esse trabalho teve por objetivo projetar, fabricar, temperar e nitretar um tipo específico de ferramenta de corte que é empregada na produção de pregos. Para tanto um modelo de ferramenta com ângulos de cortes intrínsecos foi utilizado e com auxílio do software SOLIDWORKS® obteve-se uma redução de 20 vezes em material. Após isso, as ferramentas foram fabricadas em uma fresadora ferramenteira e, posteriormente, temperadas e revenidas para aumentar sua dureza. Por fim, as ferramentas foram nitretadas a plasma nas temperaturas de 400, 450 e 500 °C. Foram realizados ensaios de dureza, microdureza, difração de raios-X (DRX) e microscopias ópticas (MO). A dureza após a têmpera aumentou de 240 HV para 560 HV e a microdureza na superfície após a nitretação alcançou valores de 1290, 1180 e 1090 HV, respectivamente às temperaturas de 400, 450 e 500 °C. O DRX revelou a formação dos nitretos de ferro ε-Fe3N e γ’-Fe4N. Por meio das MO se mediu a espessura de camada e se verificou a morfologia das amostras.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1570906 - BARTOLOMEU CRUZ VIANA NETO
Interno - 1714193 - JOSE MILTON ELIAS DE MATOS
Presidente - 6276167 - ROMULO RIBEIRO MAGALHÃES DE SOUSA
Notícia cadastrada em: 15/08/2019 10:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb03.ufpi.br.sigaa 29/11/2020 02:13