Notícias

Banca de DEFESA: JOÃO BATISTA DE OLIVEIRA LIBÓRIO DOURADO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOÃO BATISTA DE OLIVEIRA LIBÓRIO DOURADO
DATA: 10/01/2020
HORA: 09:30
LOCAL: Auditório do PPG em Ciência e Engenharia dos Materiais
TÍTULO: DESEMPENHO DE ARGAMASSAS À BASE DE CIMENTO COM REFORÇO DE FIBRA DE COCO BABAÇU
PALAVRAS-CHAVES: Argamassa, fibras de coco babaçu, propriedades físicas, químicas e mecânicas.
PÁGINAS: 88
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia de Materiais e Metalúrgica
SUBÁREA: Materiais Não-Metálicos
ESPECIALIDADE: Materiais Conjugados Não-Metálicos
RESUMO:

Atualmente, o setor da construção civil, tem procurado contribuir com questões ambientais através, principalmente, no que concerne ao aproveitamento de resíduos, transformando-os em subprodutos, além de propor melhorias nas propriedades iniciais dos materiais cimenticios. Neste contexto, uma alternativa de fibra natural presente no Brasil e muito abundante no Estado do Piauí, são as fibras de coco babaçu, ainda pouco explorada na indústria de construção de civil. O presente trabalho visou desenvolver uma argamassa reforçada com fibra de coco babaçu, com potencial uso na área de construção civil. Para isto, foi realizada a caracterização química e física das fibras de epicarpo de coco babaçu tratadas quimicamente (NaOH), assim como a produção e caracterização (física e mecânica) das argamassas reforçadas com três teores (0,6%, 1,0% e 1,4%) de fibras de coco babaçu. Os resultados obtidos para essas fibras, demonstraram que o tratamento alcalino aplicado foi eficaz para a interação das mesmas com a argamassa em estudo. Após a incorporação dos três teores das fibras de coco babaçu às argamassas, notou-se: uniformidade na consistência das massas, baixas taxas de percentagem de absorção de água e de vazios, e excelente adesão interfacial entre fibra e argamassa. As adições das fibras, também contribuíram diretamente para o aumento da resistência à compressão e à tração da argamassa, sendo o resultado mais satisfatório aquele com a adição de 1% de fibras. Assim sendo, conclui-se que a adição de fibra de coco babaçu é um aditivo em potencial para a melhoria das propriedades físicas e mecânicas de argamassa.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CRISTIANE XAVIER RESENDE - UFS
Externo ao Programa - 1714193 - JOSE MILTON ELIAS DE MATOS
Externo ao Programa - 1734425 - MARCELO BARBOSA FURTINI
Presidente - 2112613 - VALDECI BOSCO DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 10/12/2019 15:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb06.ufpi.br.instancia1 30/11/2020 17:09