Notícias

Banca de DEFESA: DIVA DE AGUIAR MAGALHAES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DIVA DE AGUIAR MAGALHAES
DATA: 11/04/2017
HORA: 16:00
LOCAL: Sala de Aula/ CMRV
TÍTULO: Resposta anti-inflamatória mediada pelo receptor muscarínico M1 durante a colite induzida por ácido acético
PALAVRAS-CHAVES: Colinérgico. McN-A-343. Colite ulcerativa. Pirenzepina. Estresse oxidativo.
PÁGINAS: 84
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

Introdução: A colite ulcerativa é uma doença inflamatória crônica, recidivante que afeta principalmente o cólon e o reto, e se caracteriza por úlceras na mucosa intestinal. Muitos sistemas endógenos estão envolvidos na fisiologia intestinal, sendo o sistema muscarínico fundamental para esse processo. Além disso, o sistema colinérgico demonstra ação anti-inflamatória em modelos experimentais de colite. No entanto, ainda há poucos estudos sobre o efeito anti-inflamatório muscarínico. Objetivo: Investigar a resposta anti-inflamatória mediada pelo receptor muscarínico M1 durante a colite experimental induzida por ácido acético. Métodos: Neste trabalho, foram usados camundongos swiss machos (25–30 g), divididos em grupos de 6 animais. Inicialmente foi realizada a padronização do modelo de colite induzida por ácido acético a 6% utilizando tempos diferentes (6,18 e 24h) para avaliar o pico inflamatório deste modelo. Em seguida foi realizada a indução da colite por ácido acético e os camundongos foram tratados intraperitonialmente (i.p.) com McN-A-343 nas doses de 0,5; 1,0; 1,5 mg/kg ou dexametasona (2 mg/kg, s.c.) com 17h ou 17:30h após a indução da colite, respectivamente. Depois da escolha da concentração do McN-A-343 com melhor efeito anti-inflamatório foi realizado o ensaio para bloquear a ação do receptor muscarínico M1 utilizando a pirenzepina (10 mg/kg, i.p.). Após 18h da indução da colite os animais foram eutanasiados e uma amostra de 5 cm do cólon foi retirada para avaliação dos escores macroscópicos e microscópicos de lesão, peso úmido e dosagens bioquímica como: atividade da mieloperoxidase, interleucina 1 beta, níveis de glutationa e malonildialdeído. Resultados: Os grupos de animais que receberam ácido acético a 6% intracolônico apresentaram após 18h da indução da colite um aumento significativo do número de lesões inflamatórias intestinais e da concentração de mieloperoxidase, malonildialdeído e uma redução da concentração de glutationa no tecido intestinal em comparação com os outros tempos analisados. Por outro lado, foi observado que o tratamento com o McN-A-343 na concentração de 1,5 mg/kg apresentou uma redução da lesão intestinal de forma significativa, bem como uma diminuição do peso úmido, da atividade da mieloperoxidase, da concentração da citocina pró-inflamatória IL-1β e dos marcadores de estresse oxidativo in vivo. Além disso, foi visto que a coadministração de McN-A- 343 e pirenzepina reverteram de forma significativa o efeito do McN-A-343. Conclusão: Os resultados sugerem que o acido acético foi eficaz em induzir a colite ulcerativa, e que o pico inflamatório deste modelo ocorre após de 18h da indução. Além disso, este trabalho, infere que o receptor muscarínico M1 está envolvido na reversão do efeito pró-inflamatório da colite induzida experimentalmente, podendo esta via representar uma alternativa terapêutica promissora para pacientes com colite ulcerativa.




MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1690196 - ANDRE LUIZ DOS REIS BARBOSA
Interno - 1789383 - JEFFERSON SOARES DE OLIVEIRA
Externo ao Programa - 1637767 - MARCELO DE CARVALHO FILGUEIRAS
Notícia cadastrada em: 31/03/2017 11:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb07.ufpi.br.instancia1 06/03/2021 02:53