z informações complementares

As informações públicas do Programa estão disponível no portal on-line no site institucional da Universidade Federal do Piauí - https://sigaa.ufpi.br/sigaa/public/programa/portal.jsf?lc=pt_BR&id=793

 

Pode ser encontrado igualmente apenas colocando no campo de busca museologia Universidade Federal do Piauí. 

 

Construímos, igualmente um site alternativo www.museologiapiaui.com. br. Temos um canal no YouTube com a produção audiovisual do Programa CANAL Museologia Piauí | estamos presentes nas redes sociais facebook 

 

https://www.facebook.com/mestradomuseologiapiaui

 

e Instagram-   museologiapiaui

 

 

Desde o envio da proposta à Capes (2013), implantação do programa (2014) e início da 1ª turma (2015), que a equipe de docentes do Mestrado Profissional é formada por professores da UFPI (desde 2019 também da UFDPAR - recém criada e da qual o Programa faz parte) e de Instituições de ensino superior brasileiras e portuguesas, nomeadamente, da Universidade Federal de Goiás, da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Universidade Aberta de Portugal, delegação do Porto e do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Os docentes e discentes dos dois países realizam de forma sistemática atividades de ensino, pesquisa e extensão com o objetivo formarmos em museologia profissionais de várias áreas do conhecimento. Docentes e discentes são profissionais que têm aprimorado estudos e intervenções no campo da museologia e inovação social em um território que abriga um rico e complexo patrimônio cultural, com potencial para construção de equipamentos culturais, como museus, centros culturais, centros de documentação e interpretação da paisagem cultural etc. Os projetos são voltados diretamente para a Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba. Os objetivos da equipe se associam a formar multiplicadores em um lugar onde essa natureza de formação ainda é frágil. Ao longo desses 4 anos de mestrado e 10 anos (desde 2008) de trabalho com comunidades locais, sociedade civil, agentes públicos e privados, conseguimos ano após ano aperfeiçoar diagnósticos socioculturais in loco, para construção de forma colaborativa de projetos de pesquisa-ação, indispensáveis para um território atravessado pela vulnerabilidade social; concebemos, executamos e avaliamos os estudos e intervenções, os impactos sociais gerados por propostas efetivas em espaço e tempo definidos por um Projeto Matriz do Programa de Pós-graduação para a APA Delta do Parnaíba, uma proposta de natureza colaborativa, que envolve segmentos sociais diversos.

 

Ao logo desses 4 anos, realizamos um trabalho de superação com uso de tecnologias sociais, com inúmeros resultados a transformar a realidade de centenas de pessoas, que vivem em territórios com patrimônios diversos | cultural e natural. 

 

Resultados de pesquisa e ações no âmbito do Programa de Pós-graduação em Artes, Patrimônio e Museologia, Mestrado Profissional, da Universidade Federal do Piauí, Meio Norte do Brasil a envolver empresas públicas, privadas, sociais e as comunidades locais. Avançamos em temas, problemas e abordagens no campo: 

 

1. Da preservação do patrimônio cultural móvel, nomeadamente, no Estado do Piauí. Usamos o método da História Oral para a reconstituição de histórias e memórias dos profissionais que fundaram e trabalharam por 30 anos (1987-2017) na única Oficina de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis do Estado (OR). O problema-ação que se revela nesta investigação é a necessidade da antiga Fundação Cultural do Piauí (FUNDAC) transformada na recém-criada Secretaria de Estado da Cultura do Piauí (SECULT,2015) investir na OR, o que inclui recursos humanos e financeiros, sob pena de contribuir para a extinção da OR, que presta relevantes serviços à sociedade. Desenvolvemos, igualmente, ações, produtos e serviços: textos sobre a história da oficina, um espaço até então sem visibilidade, acompanhado de um documentário, bem como um projeto de criação e instalação de uma Oficina de Conservação do Patrimônio Cultural Móvel, na Universidade Federal do Piauí | Universidade Federal do Delta do Parnaíba. Realizamos também na fase inicial no campo da conservação e restauro, atividades teórico-práticas materializadas em cursos de capacitação em conservação e restauro ao longo de 2016 em Teresina e Parnaíba, com os servidores do Estado e comunidade em geral, trabalho que contribuiu para a sensibilização e atribuição de sentidos e significados à formação de seniores e novos profissionais, o que justifica a necessidade de serem realizadas outras ações desta natureza de forma sistemática e continuada. Destacam-se, igualmente, a nossa própria formação no Programa de Pós-graduação e em Centros de Investigação e Laboratórios de Referência em Conservação e Restauro, a exemplo, o Centro de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis - CECOR, Minas Gerais, Brasil; a Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa; o Instituto José de Figueiredo – IJF e na Oficina de Restauro do Museu de Setúbal em Portugal. 

 

2. Estudo e intervenção emblemática realizamos no Museu do Trem, localizado na área da estação ferroviária, uma das 7 áreas tombadas em 2018, pelo Iphan, do Conjunto Histórico e Paisagístico de Parnaíba. O Museu do Trem do Piauí foi criado com a missão de preservar a memória do período de desenvolvimento da ferrovia no litoral do Piauí. A edificação que abriga seu acervo é parte do conjunto histórico e paisagístico da cidade de Parnaíba, tombado em nível federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. A instituição, localizada na Praça da Estação, guarda diversos objetos de valor histórico da época de funcionamento da Estrada de Ferro Central do Piauí – EFCP, como: Aparelhos telefônicos, capacetes de operários, roupas, sinos de estação, taquígrafos, faróis de locomotivas, relógios de parede, fotos, documentos, móveis e outros objetos que são encontrados nas dependências do museu. O equipamento cultural foi instalado e inaugurado em 15 de agosto de 2002, tendo um complexo que inicia no pátio de manobra, onde se encontra a Locomotiva 29, até o prédio onde funcionava a estação de passageiros em Parnaíba. Porém, como essa instituição não atende a diversas recomendações do Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM e normas da lei 11904/2009 (Estatuto de Museus) relacionadas à criação de museus, este trabalho proporciona a realização de um inventário de todo o acervo do museu, com a catalogação de suas peças, mar- cação de numeração nas mesmas, bem como a criação de fichas individuais de catalogação de cada uma, e ainda, a elaboração de uma cartilha com orientações para a documentação nos museus, para que, futuramente, a instituição possa ser cadastrada no IBRAM, podendo gozar de todos os direitos de um museu assim registrado.

 

Apenas para citar alguns projetos no contexto do projeto matriz disponível na plataforma on-line do programa, redes sociais facebook, Instagram, canal YouTube e site alternativo www.museologiapiaui.com.br

 

Há uma quantidade significativa de informações sobre o programa, basta apenas recorrer a canais de busca on-line: museologia Piauí - museologia Parnaíba - museologia universidade federal do Piauí.  

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - STI/UFPI - (86) 3215-1124 | © UFRN | sigjb05.ufpi.br.instancia1 15/12/2019 03:21